15 de julho de 2016

Organização messiânica pró-vida é condecorada no Parlamento de Israel


Organização messiânica pró-vida é condecorada no Parlamento de Israel

David Lazarus
Be’ad Chaim, uma organização pró-vida que cuida da saúde das mulheres, recebeu condecoração do governo israelense por sua “contribuição significativa para proteger mães e crianças.” O que começou como um pequeno grupo messiânico de oração cresceu e virou uma organização de saúde feminina reconhecida nacionalmente em Israel.
Essa organização iniciou na década de 1980, quando o pastor messiânico Tony Sperandeo, junto com outros crentes locais, começou uma luta contra o que chamavam de “o derramamento de sangue inocente” em Israel. Eles iniciaram uma reunião regular de oração, palestravam em congregações em todo o Israel e distribuíam panfletos nas esquinas das ruas ensinando as pessoas que o aborto é um pecado contra Deus e contra nosso próprio povo.
Hoje essa organização está tendo um impacto significativo trazendo mudança na sociedade israelense, pois assistentes sociais e famílias necessitadas em todo o Israel encaminham mães com bebês em gestação e gravidezes difíceis para um dos 12 escritórios do Be’ad Chaim.
“É muito importante em nossa curta história que uma organização judaica messiânica seja agora reconhecida como uma organização humanitária famosa em Israel,” Sandy Shoshani, diretora de Be’ad Chaim, disse ao jornal israelense Israel Today ao receber a condecoração. “Sinto-me pequena, honrada e agradeço a todos os que trabalharam antes de mim.”
Por que o governo israelense escolheria uma organização pró-vida messiânica para receber a condecoração acima de outras organizações que dão assistência para mães e seus bebês? “Oferecemos assistência confidencial e carinhosa numa atmosfera de amor,” comenta Shoshani. “E ajudamos todas as mães, e todos os bebês. Mães sudanesas, árabes e judias chegam até nós. Embora a maior organização pró-vida em Israel não ajude mães e crianças que não são judias, inclusive muitas imigrantes russas, nós ajudamos a todas. Nós até temos visto muitas mulheres judias ortodoxas vindo até nós pedindo ajuda quando estão grávidas fora do casamento. Elas não querem ser reconhecidas por suas próprias comunidades religiosas.”
À esquerda, Sandy Shoshani. À direita, o Pr. Tony Sperandeo
Uma das razões principais para as mulheres buscarem um aborto médico hoje é preocupações financeiras. “Perguntamos às mulheres se elas gostariam de ficar com seu bebê se soubessem que forneceriam para elas um carrinho de bebê, berço, fraldas e outras necessidades durante o primeiro ano,” explica Shoshani. “Quase todas elas dizem ‘sim,’ ficariam. Então desenvolvemos o conceito da Operação Moisés em que encontramos patrocinadores para orar e prover as necessidades dos bebês até seu primeiro aniversário.” Hoje, a Operação Moisés está ajudando 450 mães e bebês.
Até este momento, mais de 1.500 bebês foram salvos por meio de nosso projeto. A maioria do sustento para as mães e os bebês vem de cristãos que se importam com Israel. “Recebemos contribuições financeiras da China, Havaí, Finlândia — do mundo inteiro. Se quiserem, os patrocinadores podem ter um relacionamento pessoal com a mãe e o bebê. Eles trocam entre si fotos, e muitos estão em oração regular pelas famílias jovens,” nos conta Shoshani.
Se você gostaria de receber o boletim semanal do Be’ad Chaim, ou receber mais informações sobre como você pode patrocinar uma mãe e seu bebê, vá para o site deles aqui: www.beadchaim.com
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do jornal israelense Israel Today: Messianic Organization Awarded in Israeli Knesset
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :