10 de junho de 2016

O papa entregou a Europa ao islamismo?


O papa entregou a Europa ao islamismo?

Giulio Meotti
Comentário de Julio Severo: Por que o Vaticano está facilitando a invasão islâmica na Europa? Uma das explicações foi apontada pelo católico neocon Cliff Kincaid no artigo “Igreja Católica recebe milhões de dólares para facilitar invasão de imigrantes nos EUA.” Meotti, o autor deste artigo, é também católico e autor do excelente livro “O Vaticano contra Israel” mostrando que historicamente todos os papas foram contra os judeus e contra Israel. Por que o Vaticano tem facilitado a invasão de muçulmanos, que são os piores inimigos dos judeus, é de coçar a cabeça, mas há uma consequência direta e óbvia: o antissemitismo está aumentando na Europa e os judeus estão partindo. Neste artigo, Meotti tenta expor os problemas do atual papa, mas comete um erro fundamental, apresentando o papa como “chefe do cristianismo.” O cabeça do Cristianismo é exclusivamente Jesus Cristo, o Judeu por excelência, da mesma raça perseguida há séculos pelo catolicismo. O Papa Francisco e todos os papas que o antecederam eram chefes exclusivos da Igreja Católica, sem nenhum poder e autoridade reconhecida sobre as outras igrejas da Cristandade, inclusive igrejas protestantes, evangélicas, pentecostais, neopentecostais e cristãs ortodoxas. Tirando esse grave erro, o artigo de Meotti é aproveitável. Eis o artigo:
Ao desenrolarmos a lista das viagens apostólicas do Papa Francisco -- Brasil, Coreia do Sul, Albânia, Turquia, Sri Lanka, Equador, Cuba, Estados Unidos, México, Quênia, Uganda, Filipinas -- poder-se-ia dizer que a Europa não está exatamente no topo da sua agenda.
Os dois pontífices que o antecederam lutaram pela continuidade do cristianismo. O Papa João Paulo II enfrentou o Comunismo ao auxiliar na derrubada do Muro de Berlim e a Cortina de Ferro. O Papa Bento XVI atacou de frente "a ditadura do relativismo" (a crença segundo a qual a verdade está nos olhos de quem a vê) e apostou tudo na renovação da evangelização do continente ao viajar através dele (ele visitou três vezes a Espanha) e em discursos magnificentes como os proferidos em Regensburg, onde ele falou franca e firmemente a respeito da ameaça do Islã e no Parlamento Alemão, onde alertou os políticos presentes no tocante ao declínio da religiosidade e o "sacrifício de seus próprios ideais em nome do poder".
O Papa Francisco, diferentemente, simplesmente ignora a Europa, como se já a considerasse perdida. O Ex-cardeal argentino, representante do cristianismo "Sul global", realizou viagens espetaculares às ilhas dos migrantes de Lampedusa (Itália) e Lesbos (Grécia), mas nunca ao coração do continente. O Papa Francisco também dificultou o ingresso dos Anglicanos na Igreja Católica, ao menosprezar o diálogo com eles.
Acima de tudo, no entanto, em seu importante discurso proferido em 6 de maio durante a entrega do Prêmio Internacional Carlos Magno, o Papa perante líderes europeus, repreendeu severamente a Europa no tocante aos imigrantes pedindo-lhes que sejam mais generosos com eles. Em seguida ele introduziu algo revolucionário no discurso: "a identidade da Europa é, e sempre foi uma identidade multicultural", ressaltou o Papa. Essa concepção é questionável.
O multiculturalismo é uma política específica, formulada nos anos 1970, estando ausente do vocabulário político de Schuman e Adenauer, dois dos fundadores da Europa. Agora ela foi invocada pelo Papa que falou da necessidade de uma nova síntese. E essa síntese trata do quê?
Hoje o cristianismo na Europa parece não ter importância e ser irrelevante. A religião se defronta com um desafio ideológico e demográfico, ao mesmo tempo em que os remanescentes pós Auschwitz das comunidade judaicas estão fugindo do novo antissemitismo. Nessas condições, uma síntese do velho continente e o Islã equivaleria a rendição à pretensão da Europa em decidir seu próprio futuro.
O "multiculturalismo" é a mesquita erguida sobre as ruínas da igreja. Não é a síntese defendida pelo Papa. É o caminho da extinção.
Pedir à Europa para que ela seja "multicultural" enquanto está passando por uma dramática 'descristianização' também é extremamente arriscado. Na Alemanha, um relatório que acaba de ser divulgado, constatou que o "país se tornou, em termos demográficos, um país multireligioso". No Reino Unido, uma pesquisa de opinião abrangente constatou que a "Grã-Bretanha não é mais um país cristão". Na França, o Islã também está superando o cristianismo como religião dominante. É possível encontrar a mesma tendência em todos os lugares, da Protestante Escandinávia à Bélgica Católica. É por esta razão que o Papa Bento XVI estava convencido que a Europa precisava ser "'re-evangelizada'." O Papa Francisco nem tentou 're-evangelizar' ou reconquistar a Europa. Contrariamente, ao que tudo indica, ele acredita piamente que o futuro do cristianismo está nas Filipinas, Brasil e África.
Provavelmente pela mesma razão, o Papa utiliza menos de seu tempo censurando o terrível destino dos cristãos no Oriente Médio. Sandro Magister, o observador do Vaticano mais conceituado da Itália, lança uma luz sobre o silêncio do Papa:
"Ele permaneceu em silêncio em relação a centenas de estudantes nigerianas sequestradas pelo Boko Haram. Ele permaneceu em silêncio a respeito de Meriam, a jovem mãe sudanesa, sentenciada à morte exclusivamente por ser cristã e no final libertada com a intervenção de outros. Ele nada diz em relação à mãe paquistanesa Asia Bibi, que se encontra no corredor da morte há cinco anos porque ela também é uma 'infiel', o Papa sequer respondeu a duas cartas devastadoras que ela lhe enviou este ano, tanto antes quanto depois da reconfirmação da sentença".
Em 2006, o Papa Bento XV, em sua palestra proferida em Regensburg, ressaltou que nenhum Papa jamais ousou dizer que havia um elo entre violência e Islã. Dez anos depois o Papa Francisco jamais invoca pelo nome os responsáveis pela violência anticristã e nunca menciona a palavra "Islã". Recentemente o Papa Francisco também reconheceu o "Estado da Palestina", antes mesmo dele existir -- uma estreia simbólica sem precedentes. O Papa também poderá abandonar a longa tradição da Igreja da "guerra justa", a guerra considerada justificável moral e teologicamente. O Papa Francisco sempre fala da "Europa dos povos", mas nunca da "Europa das Nações". Ele defende o acolhimento de migrantes e lava seus pés, ao passo que ignora que essas incontroladas ondas demográficas estão transformando a Europa, pouco a pouco, em um estado islâmico.
O significado das viagens do Papa Francisco às ilhas de Lampedusa na Itália e Lesbos na Grécia: ambas símbolos de uma dramática fronteira geográfica e civilizacional. Também é este o significado do discurso do Papa na entrega do Prêmio Internacional Carlos Magno.
Será que o chefe do cristianismo desistiu da Europa como uma terra cristã?
Giulio Meotti, Editor Cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano.
Traduzido por Joseph Skilnik do original em inglês do Instituto Gatestone: Has the Pope Abandoned Europe to Islam?
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

6 comentários :

Cicero disse...

É um papa islâmico! deve estar ganhando muito dinheiro dos muçulmanos e xeiques sauditas!

Unknown disse...


Esse Senhor Bergoglio é apenas mais um agente da Nova Era - do ecumenismo apóstata. Ainda bem que a volta do Senhor está próxima. Ele vai acabar com essa Muvuca.

Alex disse...

Não, o papa não é o chefe do cristianismo, e sim a Cabeça visível da Igreja de Cristo cujo a Cabeça invisível é o próprio Cristo. A falta de reconhecimento das outras igrejas não significa nada, nem a falta de reconhecimento de umas com as outras.

marcelo victor disse...

A mãe e suas filhas, através do humanismo, estão se unindo em nome da “paz e segurança”:
http://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=32261

E, com isso, o Chicão das Couve está pondo todos debaixo da sua batina vermelha:
https://www.youtube.com/watch?v=Z-yjevE8uZs

Unknown disse...


1 - Cristo é o Cabeça da Igreja.
2 - A Igreja é o corpo de Cristo.
3 - A Igreja corpo de Cristo é composta por muitos membros.
4 - Esses membros estão espalhados pelo mundo, como membros de igrejas (entidades humanas) - ainda que muitos que membros dessas entidades humanas, possam não fazer parte do corpo de Cristo.
5 - A Igreja visível, portanto, são as pessoas governadas pelo Cabeça, ou seja, aqueles que têm em si a vida de Cristo - "Vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim"
6 - O Papa é apenas o cabeça de uma entidade religiosa/humana chamada Igreja católica Apostólica Romana.
7 - Se ninguém vê a vida de Cristo em você é porque você não pertence ao corpo de Cristo, ainda que você pertença a alguma entidade religiosa - Católica, Metodista, Batista, Assembleiana e outras .
8 - Na Bíblia não existe a palavra igreja com o sentido de uma entidade religiosa, com um templo, e uma placa na porta. Nesse sentido, Jesus não fundou igreja nenhuma - Ele não foi um simples religioso. Ele é o Salvador.
9 - Para você ter a vida de Cristo, você precisa nascer de novo. E para nascer de novo é preciso ser crucificado com Cristo, ser sepultado com Cristo, ressuscitar com Cristo - como diz as Escrituras.

Você já nasceu de novo. Quem não nascer de novo ÑÀO PODE ver O REINO DE DEUS - foi o que disse Jesus Cristo no capítulo 3 de loão.

Renan Prats disse...

Dentro da Igreja católica existem diversos cardeais, bispos, padres e teólogos que discordam de varios apoios do papa Francisco a muçulmanos e às esquerdas em detrimento dos cristãos massacrados no Oriente Medio.
Ele tem recebido de diversos leigos duras críticas.
Os que detestavam os 2 papas anteriores agora estão alegres, e as esquerdas estão vibrantes, sucedendo fatos impensaveis de até o terrorista Stédile discursar dentro do Vaticano, assim como a esquerdista TL do Boff & Cia, mais satisfeita que nunca!