1 de abril de 2016

Trump esquenta o debate sobre o aborto nos EUA


Trump esquenta o debate sobre o aborto nos EUA

Julio Severo
Em 30 de março, Donald Trump, o candidato presidencial republicano à presidência dos EUA, atraiu grandes manchetes internacionais e a raiva de grupos pró-aborto e grupos pró-vida ao dizer, pela primeira vez, que o aborto, que é legal nos EUA durante os nove meses da gravidez, deveria ser banido e que as mulheres que o fazem deveriam ser punidas.
Donald Trump
Os grupos pró-aborto ficaram revoltados porque para eles é inadmissível tirar das mulheres um suposto direito de matar seus bebês. Os grupos pró-vida ficaram furiosos porque na visão deles o culpado pelos abortos das mulheres são os médicos, e porque para eles tanto o bebê quanto mulher aborteira são vítimas.
Não sei as motivações de Trump para falar de aborto, pois ele não tem nenhum histórico pró-vida. Aliás, o histórico dele é muito complicado. Mas ele esquentou bastante o debate sobre o aborto, não recebendo apoio nem de grupos pró-aborto nem de grupos pró-vida.
Enquanto os grupos pró-aborto proclamam que abortar é um direito, o movimento pró-vida diz que aborto provocado é assassinato. Mas quando Trump disse que o aborto é um assassinato cometido pela mulher aborteira, todos os candidatos republicanos o condenaram.
Com a oposição de grupos pró-aborto e pró-vida, Trump recuou, não ao ponto de dizer que aborto é um direito, mas de afirmar que quem comete assassinato são os médicos e clínicas de aborto.
O debate provocado por Trump foi importante, porque se de fato aborto é assassinato, por que a mulher aborteira tem de ser vista como vítima? Por que ela não pode ser responsabilizada pelos seus atos?
Se não existe responsabilidade nenhuma da mãe aborteira, então onde está o crime de assassinato? Como então insistir que aborto é assassinato se a mãe aborteira é tratada como “vítima” muito antes de um arrependimento?
Por que o movimento pró-vida nos EUA forçou Trump a recuar? Ele foi amplamente atacado e criticado por seus colegas do Partido Republicano e pelo movimento pró-vida porque não tratou a mãe aborteira como “vítima.”
Parece que o movimento pró-vida dos EUA vê a mulher aborteira como digna de perdão e graça muito antes de ela reconhecer seu pecado e pedir perdão.
A falta de histórico pró-vida em Trump é preocupante. Mas gosto muito do modo como ele provoca debates interessantes.
Leitura recomendada:

14 comentários :

fococristao disse...

Lamentável, essa postura dos pró-vidas americanos.

SHTF and Preparation disse...

Seria muito interessante você, que sempre disse que um tal de Ted Cruz era o melhor candidato, falasse agora sobre o fato dele ter tido umas cinco amantes apenas durante esta campanha. Como já é de conhecimento de todos nos EUA. E ele é casado e carrega uma Bíblia para onde quer que vá.

Quanto a Trump, não me consta que ele tenha tido mais de uma mulher, pelo menos não ao mesmo tempo. Se bem que... ele deve ter tido. Várias ao mesmo tempo, no exato mesmo tempo. Mas Trump não carrega uma Bíblia no pescoço.

marcelo victor disse...

Aquele que disse que os norte-americanos estão cansados dos políticos e diz que é uma alternativa, ao voltar atrás, revelou-se um grande POLÍTICO kkkkkkkkkkkkkk

Peixe morre é pela boca!!!

Anônimo disse...

Trump aprendeu rápido a ser um bom político kkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Pelo jeito não é só Obama que quer agradar a massa...

Anônimo disse...

Não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte...

Anônimo disse...

Sem querer ser dizer que todos são comunistas, mas todos os políticos de hoje parecem se valer da estratégia comunista da “luta de classes”.

Anônimo disse...

A aborteira muitas vezes é pressionada, isto a faz vítima, de sua fraqueza. Deve analisar o lado dela, mas não como vilã. Que em raros casos, ela achava que não teria escolha, e não foi racional

Anônimo disse...

Querer justificar o assassinato cruel de uma criança indefesa é muita falta de carater, ou melhor, de Cristo no coração!!!

Mr. Galeto

marcelo victor disse...

Há diversas maneiras de se evitar filhos e de se fazer planejamento familiar.
O aborto é um crime contra Deus!!!

Anônimo disse...

Quem não quer ter filhos e gosta de viver na gandaia que se previna, pois, além de prostituição, responderá diante de Deus por assassinato, se fizer aborto.

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

Atualmente há duas coisas que fazem qualquer político recuar e mudar de opinião se preciso for, mesmo os que se dizem cristãos (falsos): sodomia e sacrifício de crianças (aborto).

Não sobra um pra contar história, seja Papa, seja Rei, seja Presidente, seja Pastor, seja conservador...

Osvaldo Aires Bade - EducaOK disse...

O esquerdista, quem é ele?
http://osvaldoairesbadeeducaok.blogspot.com.br/2016/03/o-esquerdista-quem-e-ele.html

Anônimo disse...

Trump é um esquenta banco...