17 de abril de 2016

Maria é a mãe de Deus?


Maria é a mãe de Deus?

Joseph Farah
Comentário de Julio Severo: Maria, mãe de Jesus, se considerava serva de Deus. Ela sem dúvida ficaria chocada se lhe dissessem hoje que ela foi, contra sua vontade, elevada ao patamar de “mãe de Deus.” Considerando que Jesus faz parte da Trindade, que é una, essa teoria religiosa acaba fazendo de Maria “mãe de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.” Uma posição que, querendo ou não os teóricos, a transforma em deusa. Uma posição que sem dúvida alguma deixaria Maria horrorizada, pois ela sabia que antes dela existir, Jesus já existia. Ele sabia que ela havia nascido em pecado, como todos nós, e que só Jesus, exclusivamente concebido pelo Espírito Santo, havia nascido sem nenhum pecado. Acima de tudo, ela sabia que Jesus era o criador dela. Ela se reconhecia como serva de Deus e só isso já lhe bastava. Por que não basta para alguns hoje? Eis o artigo do jornalista americano Joseph Farah:
Minha reverente coluna em inglês sobre Maria-Miriã, a mãe de Jesus-Yeshua, no Dia de Natal teve a intenção de mostrar um lado dessa heroína da fé que raramente é considerada em sermões nas igrejas, filmes e livros sobre o Natal e até mesmo nas belas canções sobre ela.
O fato é que a maioria das respostas que recebi sobre o artigo foi positiva.
E então houve esta resposta de Joe Sterns:
“Maria é a mãe de Deus. A ginástica retórica que os protestantes usam para negar isso é cômica. Mas eis um silogismo simples:
“1. Jesus é Deus.
“2. Maria era a Mãe de Jesus.”
Quero agradecer ao Sr. Sterns pelo desafio. Contudo, a suposição dele de que sou “protestante” é factualmente incorreta.
Muitas pessoas acham que dá para se dividir a totalidade do mundo cristão em dois grupos: católicos e protestantes.
Isso simplesmente não é verdade.
Embora os protestantes incluam muitas denominações não católicas, é totalmente errado dividir todo o Cristianismo nesses dois subgrupos. Permita-me explicar a razão.
Essa suposição pressupõe que o catolicismo é a religião cristã original — a única religião que existia depois da ascensão de Jesus. Entretanto, não existe nenhuma evidência histórica ou bíblica que indique tal coisa, embora haja evidência histórica e bíblica esmagadora para provar o contrário.
Dava para se chamar, com exatidão, a religião cristã original, nos termos de hoje, de “judaísmo messiânico.” Maria-Miriã, José-Yosef, Tiago-Yacob, Pedro-Shimon, Paulo-Shaul, João-Yochanan e todos os primeiros apóstolos e discípulos eram judeus — judeus que nunca pararam de ser judeus, judeus que adoravam no Templo e nas sinagogas a vida inteira, judeus que abraçavam seu Messias judeu, judeus que seguiam a Lei de Moisés, guardavam o Sábado e os santos dias bíblicos de Levítico 23 exatamente como Jesus-Yeshua fazia.
Em outras palavras, sempre houve outras formas de Cristianismo além do catolicismo. Ser “cristão” significa simplesmente ser um seguidor do Messias — “Cristo” é a palavra grega para “Messias.”
A Reforma protestante só chegou aproximadamente 1.600 anos depois. Antes disso, e depois, sempre houve cristãos que nunca aceitaram o catolicismo nem pertenciam a uma denominação protestante. Sempre haverá.
Embora eu tenha sido criado como católico e mais tarde me juntei a várias denominações protestantes e adorei a Deus em igrejas não-denominacionais, hoje me considero simplesmente um seguidor de Jesus-Yeshua na tradição dos cristãos do primeiro século que aceitam só a Bíblia como a Palavra inspirada de Deus.
Agora, vamos ao silogismo não tão simples: Sim, Jesus é Deus. E, sim, Maria-Miriã era a mãe de Jesus. Contudo, a questão não termina aí.
Jesus-Yeshua já existia antes de Seu nascimento por meio de Maria-Miriã. Aliás, segundo a Bíblia nos diz, Jesus-Yeshua foi o Criador do universo. Sim, o Criador do universo.
Considere João 1:1-3 (King James Atualizada): “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele, a Palavra, estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas através dele, e, sem Ele, nada do que existe teria sido feito.”
Eis um silogismo que é relevante:
1.       Jesus é a Palavra.
2.       A Palavra estava com Deus e era Deus.
3.       Todas as coisas foram feitas através dele.
Além disso, só para não deixar espaço algum para ambiguidade, considere João 1:10 (King James Atualizada): “Aquele que é a Palavra estava no mundo, e o mundo foi feito através dele, mas o mundo não o reconheceu.”
E então há João 8:58 (King James Atualizada) dos próprios lábios de Jesus-Yeshua: “Respondeu-lhes Jesus: ‘Em verdade, em verdade vos asseguro: antes que Abraão existisse, Eu Sou.’”
Considere também Hebreus 1:1-2 (King James Atualizada): “Havendo Deus, desde a antiguidade, falado, em várias ocasiões e de muitas formas, aos nossos pais, por intermédio dos profetas, nestes últimos tempos, nos falou mediante seu Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo o que existe e por meio de quem criou o Universo.”
Por último, Efésios 3:9 (Almeida Corrigida Fiel): “E demonstrar a todos qual seja a comunhão do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo.”
Maria-Miriã não é depreciada pelo fato de que não a chamamos de mãe de Deus. Ela foi escolhida entre todas as mulheres que já viveram para ser a mãe de Jesus-Yeshua, de modo que Ele pudesse morrer pelos nossos pecados, ser nosso Expiador, Redentor, Rei e Sumo Sacerdote. Isso não é mais que suficiente para tê-la na mais elevada consideração, bendita entre todas as mulheres e a serva do Senhor?
Joseph Farah é o fundador e presidente do WND (WorldNetDaily).
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Is Mary the mother of God?
Leitura recomendada:

27 comentários :

Esther Kochav disse...

Excelente, Julio!
E realmente, a igreja primitiva era judaico-messianica.
Gosto de Joseph Farah! Ele tem aberto um bom espaço para os judeus messianicos no WND.

Moreira disse...

Parabéns! Só um conselho, não é bom sair da congregação como é costume de alguns.

Jesus tem 2 naturezas, sendo assim Maria é mãe de Jesus homem, ou como pode o Filho nascer antes da Mãe!?
Romanos 8.3 fala que Jesus veio em forma de homem pecaminosa, más não pecou.

Anônimo disse...

Segundo a Bíblia, Jesus não foi gerado por Maria, nem mesmo teve qualquer participação dela na tal geração.
Jesus foi gerado, milagrosamente, pelo Espirito Santo; ela apenas foi o instrumento para trazer o filho de Deus ao mundo, e, para o seu próprio bem, foi humilde o suficiente pra reconhecer isso (``Faça tudo que ele vos disser!´´).
Se não fosse ela, seria outra mulher, mas Deus cumpriria Seu intento de fazer-Se homem e morrer pelo Seu objeto de infinito amor: a humanidade.

Ass. Rodrigues

marcelo victor disse...

Perdoe-me, mas, se considerarmos a temática levada a efeito pela matéria em pauta, entendo que a discussão sobre a pessoa de Jesus Cristo deve ficar em segundo plano (pelo menos neste momento).

Nos importa saber, com mais propriedade, as informações bíblicas a respeito da GERAÇÃO do Filho de Deus, para que descubramos, então, de quem é, na verdade, a “maternidade” de Jesus.

A Bíblia diz que a Palavra de Deus se fez carne, no ventre de uma mulher, por obra exclusiva do ESPIRITO SANTO (Mt 1:20 e Lc 1:35).

Ou seja, Maria não foi a “mãe de Jesus” no estrito senso da palavra “mãe”, pois “mãe” é aquela que gera e Maria, segundo a Bíblia, não gerou.

Quando a Bíblia a chama de mãe, o faz, a meu ver, em lato senso, pois foi ela o instrumento usado por Deus para a GESTAÇÃO do Filho de Deus, por, provavelmente, 9 meses.

Maria, então, alimentou Jesus pelo cordão umbilical pelo período da GESTAÇÃO e deu à luz o Filho de Deus, o qual havia sido GERADO, milagrosamente, pelo Espirito Santo.

Creio que esse deve ser o correto entendimento, pois se assim não fosse, haveria uma participação humana na geração do Filho de Deus, trazendo, então, sobre Jesus, necessariamente, a natureza pecadora, presente em todos os seres humanos, incluindo Maria.

Dávio Zarzana Jr. disse...

Maria é a Imaculada Conceição (concebida sem pecado), é Mãe de Jesus e portanto Mãe de Deus, e isso ficará claro para alguns evangélicos somente após a morte.

Marcos Martins disse...

Essa tentativa ridícula do Sterns de querer explicar as coisas divinas a partir da filosofia esbarra frontalmente contra a Bíblia, pois "...os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." (Isaías 55:8,9).

Em 1 Coríntios 1:23-29 lemos: "Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele."

Aos católicos que aceitam esses esdrúxulo argumento, fica o alerta: "Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade." (Colossenses 2:8,9). Em Cristo, não em Maria, habita corporalmente a plenitude da divindade.

Anônimo disse...

O único concebido sem pecado foi Jesus Cristo, os demais nasceram naturalmente pecadores, como disse Davi (Sl 51:5).
Se a Bíblia disser o contrario, estou pronto a mudar de opinião.

GRAVOSFERA disse...

Não se refutou o silogismo.
JESUS é DEUS
MARIA é mãe de JESUS
MARIA é mãe de DEUS(JESUS)

Maria pode não ser a mãe do DEUS PAI, nem do DEUS ESPÍRITO SANTO, mas é mãe do DEUS FILHO. E já que estes três são um só, ela é mãe de todos.

?????????????

É LÓGICO.

Anônimo disse...

A IGREJA CATÓLICA não segue apenas a Bíblia, mas sustenta-se no tripé: Magistério, Tradição e Palavra. Por isso, não cabe aos fiéis a interpretação apenas da Bíblia e sim a junção dos três fatores.

Depois da reforma protestante, graças a Deus cada qual ganhou a liberdade de ler e interpretar a Bíblia como quiser, mas os católicos, por sua vez, seguem a interpretação da Igreja, estando presos em dogmas que contrariam as Escrituras.

Sugiro que os leitores católicos deste site procurem ler sozinhos a Bíblia com um espírito de humildade, pois as palavras da Bíblia são transformadoras e preciosas pra derrubar toda fortaleza maligna.

Vejam o que disse Jesus acerca da sua mãe:
``Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha MÃE? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha MÃE e meus irmãos; Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e MÃE´´ (Mateus 12:48-50).

Mr Galeto

Anônimo disse...

Gravosfera,
Você não prestou a atenção nos comentários, pois foi dito, por alguém, com muita propriedade, que Maria não teve participação na GERAÇÃO de Jesus, mas, sim, na GESTAÇÃO, o que são coisas bem diferentes. Aliás, se não fosse dessa maneira, como disse o comentarista, Jesus teria nascido com a semente do pecado como os demais homens.

No palavreado comum, diríamos que ela foi uma ``barriga de aluguel´´, coisa que ocorre com naturalidade nos dias de hoje no Brasil, sob o termo técnico de GESTAÇÃO POR SUBSTITUIÇÃO.

A pessoa que aluga sua barriga participa tão somente da GESTAÇÃO, mas não é propriamente a mãe da criança, pois não tem absolutamente nada com o feto, a não ser o fato de alimentar e dar a luz.

As características genéticas não fazem parte daquela que fez a GESTAÇÃO, mas de quem GEROU a criança. No caso de Jesus, o GERADOR foi o Espirito Santo e a GESTORA foi Maria, por isso ela não é propriamente a mãe biológica de Jesus, mas apenas uma mãe por consideração (por isso que ele lhe era submisso e, quando iniciou seu ministério, chamava-a: ``Mulher!´´).

Se quiser se aprofundar no assunto da gestação por substituição, sugiro o seguinte site:
http://cladipp.jusbrasil.com.br/artigos/111876296/gestacao-por-substituicao-a-possibilidade-do-uso-dessa-tecnica-cientifica-a-luz-do-ordenamento-juridico-brasileiro

Ass. Rodrigues

João Batista disse...

Em todos os comentários que pude ler, não percebi neles algo de grande importância para o assunto em pauta que foi o seguinte: O evangelista Lucas narra a anunciação do anjo Gabriel à Maria dizendo que ela seria a mãe do Filho de Deus, depois diz que Isabel já estava grávida a seis meses. Depois que Maria dá o sim a Deus, ela parte para a casa de Isabel e logo que a encontra, no momento da saudação, Isabel diz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.43Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?44Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. (Lc 1, 42-44), Isabel diz... A mãe do meu Senhor. Isto fica claro que somente pela ação do Espírito Santo podemos dizer que Jesus é Deus. Isabel ficou cheia do Espírito e proclamou... A mãe do meu Senhor. Não podemos dividir Jesus em duas naturezas, a humana e a Divina, Ele foi, É e sempre será Deus.

marcelo victor disse...

João Batista,
Como podemos ver em Mt 1:20 e Lc 1:35, a Bíblia nos revela como foi a GERAÇÃO do Filho de Deus, ou seja, por ação milagrosa do Espírito Santo. Logo, as demais passagens bíblicas devem ser entendidas a partir dessa verdade e não o contrário.

Com isso, embora possamos, inicialmente, ficar surpresos com o fato de Isabel dizer que ela estava diante da ``MÃE do (seu) Senhor´´, não devemos, contudo, achar que acabamos de descobrir uma contradição na Bíblia, como se surgisse outra verdade (anulando a primeira).

Assim sendo, temos que procurar compreender o que a segunda afirmação quer realmente dizer (Lc 1:42-44), para entendermos as palavras de Isabel (e isso não parece ser tão difícil assim).

Maria (a GESTORA de Jesus), embora não tenha GERADO o Filho de Deus (embora não seja a mãe biológica), pode ser chamada de MÃE (por consideração), por causa da GESTAÇÃO e por ter dado à luz o Filho de Deus.

Por isso, não há qualquer incongruência nas palavras de Isabel, assim como, por exemplo, em Lc 2:41, que, ao se referir a José e Maria, diz: ``Todos os anos, iam SEUS PAIS a Jerusalém´´.

Se quiséssemos criar polêmica a respeito da paternidade de Jesus, poderíamos dizer que Lc 2:41 nos assegura que José é o PAI de Jesus, mas nós sabemos que isso não é verdade (não no sentido biológico), pois Jesus não nasceu de uma relação entre José e Maria.

Contudo, conforme nos mostra a própria Bíblia, podemos, sim, dizer que José era o pai de Jesus POR CONSIDERAÇÃO, assim como Maria, a mãe de Jesus POR CONSIDERAÇÃO.

marcelo victor disse...

Caro João Batista,
Você acha que erramos quando chamamos um ``mãe adotiva´´ de MÃE?
Se nos basearmos no próprio título (``mãe adotiva´´), diríamos que não há erro algum, mas, nem por isso, devemos ignorar que não se trata de uma ``mãe biológica´´.
Até os documentos de nascimento da criança adotiva trazem a filiação, como se os pais fossem biológicos.

Com isso, quero dizer que não há erro na Bíblia ao usar a palavra MÃE para uma pessoa que não é a ``mãe biológica´´, como a passagem que diz, por exemplo, que Moisés era FILHO da filha de Faraó.

Outro exemplo clássico, ocorre quando Jesus estava na cruz e determina uma espécie de maternidade por consideração (adoção):
``Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, EIS AÍ O TEU FILHO. Depois disse ao discípulo: EIS AÍ TUA MÃE. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa´´ (João 19:26-27)

Assim sendo, o fato da Bíblia usar a palavra MÃE para Maria, não significa que se trata da ``mãe biológica´´, como se ela fosse realmente a mãe de Jesus, pois Ele foi gerado pelo Espirito Santo e não por ela.

Anônimo disse...

Na passagem em que uma mulher diz: “Bem-aventurada aquela que te deu à luz, e os seios que te amamentaram!” (Lc 11:27), a resposta de Jesus parece deixar bem claro que se Maria fosse uma pessoa concebida sem pecado ou fosse a “mãe biológica” de Jesus (“mãe de Deus”), Ele jamais poderia ter respondido o seguinte: “Antes, bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!” (Lucas 11:28).

Pela resposta de Jesus parece ficar claro que qualquer pessoa que procurar fazer a vontade Deus, com perfeição, será mais bem aventurado do que Maria (aquela que foi a Sua gestora e Lhe trouxe ao mundo).

Isso nos mostra, de forma cabal, que Maria nunca esteve em um patamar mais elevado do que os demais mortais e nem poderia ser considerada a “mãe de Deus” (mãe biológica), pois se assim fosse, Jesus teria, necessariamente, que ter concordado com a interlocutora.

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

Não sei como os católicos não tiraram o Espírito Santo da trindade e não puseram Maria...

Anônimo disse...

Se Maria fosse a mãe de Deus, ela estaria numa posição superior ao próprio Deus, o que representa uma HERESIA.

Anônimo disse...

Achei que quem tinha gerado Jesus tinha sido o Espírito Santo. Não foi?

Anônimo disse...

E disse Deus: Tu és MEU Filho, hoje te gerei!
Alguém tem alguma duvida de quem gerou a Jesus e de quem Ele é Filho?

António Costa disse...

Como explicou bem o Joao Batista, quem deu este titulo a Maria foi o prorio Deus, na boca de Isabel. Não foi nenhum ser humano que o inventou!
Em 1927, no Egito, foi encontrado um fragmento de papiro que remonta ao século III. Este fragmento continha a mais antiga oração a Nossa Senhora que se conhece.
“À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus.
Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades,
mas livrai-nos sempre de todos os perigos,
ó Virgem gloriosa e bendita!”.

A própria Igreja, guiada pelo Espirito Santo, segundo promessa do proprio Jesus antes da Sua Ascenção, desde cedo proclamou esta realidade (concilio de Efaso ano 431), muitíssimo antes da Reforma, aceite alias pelos primeiros reformadores.
Um abraço a todos em especial àquele que nos permite escrever no seu blog.

marcelo victor disse...

Quem disse que Deus deu autoridade divina aos concílios católicos? Só na mente dos fieis católicos isso é verdade, mas na minha não.

Claro que tal pensamento é muito natural para quem pertence a essa fé religiosa, pois, assim como ocorreu com o apóstolo Paulo, há uma forte tendencia, em nós, de defendermos, naturalmente, as tradições nas quais fomos criados.

No entanto, na vida de Paulo chegou um tempo em que Deus se manifestou milagrosamente para ele e ele respondeu positivamente ao chamado divino. Quem sabe esta matéria seja a manifestação de Deus na vida de alguns católicos (e isso para a salvação), de forma que entendam que na Bíblia não pode haver contradição.

Se a Bíblia diz que Jesus foi gerado pelo Espírito Santo, como alguém, pela sua tradição, poderia dizer o contrário? Ou a Bíblia está certa, ou a tradição está certa, não há outra saída.

Se um filho adotivo chama aquela que o adotou de MÃE (e não está errado), ainda mais no caso de Maria que fez a gestação e deu a luz àquele que foi gerado, em seu ventre, pelo Espírito Santo.

Por isso não há dúvida de que ambas as citações estão certas, ou seja, a geração de Jesus pelo Espírito Santo e a gestação de Jesus por Maria, que lhe conferiu o título de MÃE, mesmo não sendo mãe biológica (verdadeira).

Anônimo disse...

“Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas TRADIÇÕES humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” (Colossenses 2:8).

Alex disse...

Quando os protestantes defendem a livre interpretação da bíblia, se esquecem de dar liberdade para os católicos.

Anônimo disse...

Se existe uma coisa que os católicos não conhecem é a LIBERDADE para interpretar as Escrituras, e, isso, por imposição da própria cúria romana que sempre desestimulou a leitura da Bíblia.
O próprio Chicão disse, recentemente, que a Bíblia é um livro perigoso. Mas, perigoso por que?
Porque pode abrir a mente das pessoas e mostrar os erros doutrinários.
http://padom.com.br/a-biblia-e-um-livro-extremamente-perigoso-diz-o-papa-francisco/

Anônimo disse...

Existe um fato interessante sobre isso! O papel da mulher no judaísmo.
No judaísmo antigo, para nascer judeu, a mãe, obrigatoriamente, tinha que ser judia mas o pai não precisava ser judeu!
As mulheres tinham e ainda têm menos mitzva (prova com Deus) que os homens e, por isso, estão, em tese, em melhor condição para a salvação que o homem.
Uma vez, um judeu dialogou comigo e assim disse: "não há e nunca houve uma mãe suficientemente santa para nascer uma criança com alma divina e, para nós, o Messias não será Deus" - então eu respondi que o Novo Testamento afirma que Maria era santa.

Atenciosamente,

Leon

Terezinha disse...

Que aconteça aos católicos que estão aqui e em todos os cantos da terra uma busca verdadeira em conhecer a Deus, e esse conhecimento só se alcança lendo a Palavra de Deus e entendendo que só a essa Palavra devemos obedecer.O problema dos católicos é que eles são conduzidos a entender a Bíblia pela visão do seu líder, os membros não são estimulados ou autorizados a ler a Palavra de Deus, e quando isso acontece, são levados a entender a Palavra conforme as tradições católicas.Minha sugestão é que o católico abra a Bíblia Sagrada(sem os livros apócrifos, porque não são Palavra de Deus) ore ao Espírito Santo para abrir a visão espiritual, dando entendimento dessa Palavra, desde Gênesis até Apocalipse e deixa Deus trabalhar na sua vida, para que conhecendo a verdade(a verdade é Jesus)você se liberte de todos enganos que tem fechado sua visão a ponto de colocar Maria como mãe de Deus. Olha, eu e minha família vivemos décadas na igreja católica, e hoje lamento muito por tanto tempo perdido sem conhecer de verdade o Senhor Jesus, mas pela misericórdia do Senhor fui resgatada de todo engano e hoje sei que só o Senhor Jesus cura, sara, liberta e salva! Que o nome de Jesus é o nome sobre todo nome, que só diante do Senhor devo me prostrar! Ao ler a Bíblia Sagrada o católico vai entender que Maria foi bem-aventurada como todos que obedecem a Deus são bem-aventurados, que Maria sabia que precisava de salvação por ser pecadora, que Maria guardava em seu coração as coisas que ela não entendia dos planos de Deus. Ao ler a Palavra de Deus vai entender que todas as mulheres e homens da Bíblia sabiam que só a Jesus Cristo devemos louvar e adorar. Aos católicos, eu digo para aprender com os crentes de Bereia(Atos 17:11) "Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a Palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim." Isso quer dizer que devemos examinar se aquilo que alguém está falando da Palavra de Deus está realmente de acordo com as Escrituras Sagradas. É por isso que nós, os crentes, não deixamos de levar a Bíblia Sagrada para os cultos, para que além de lermos a Palavra de Deus acompanhemos se o que está sendo pregado está de acordo com a Bíblia Sagrada. Essa é uma responsabilidade que temos que ter com a nossa própria vida, porque não é o papa, não é o pastor, não é Maria, não é Paulo, nem Pedro e nem ninguém que pode nos salvar. Só Jesus Cristo é o nosso Salvador, então adoremos só a Ele!

Anônimo disse...

Terezinha disse tudo!!!
Deus quer que todos se salvem e venham ao conhecimento da verdade!!!

Raniele Pontes disse...

Ela deveria ser sem pecado para que Jesus não herdasse pecado, certo? A mãe dela deveria ser sem pecado para que ela não hetdasse pecado. A mãe da mãe dela deveria ser sem pecado para que a mãe dela não herdasse pecado. É assim iríamos até Adão e Eva, e estes não poderiam ter pecado, senão o pecado chegaria até Maria. O problema é que a Bíblia que todos pecaram e exclue apenas Jesus da lista. Onde está o erro em crê como diz a Palavra de Deus? Será que Deus condenará os que creram conforme as Escrituras e justificará os que mudam a fé original? Eu fico com o que diz as Escrituras, pois Jesus disse: "As Escrituras testificam de mim". É essa mesma Escritura também diz: "Se um anjo do céu vier com uma mensagem diferente, que seja maldito.