3 de fevereiro de 2016

Islâmicos atropelam adolescentes cristãs que negaram sexo


Islâmicos atropelam adolescentes cristãs que negaram sexo

Cerca de 700 cristãs são sequestradas, violentadas e forçadas a se casarem a cada ano no Paquistão

Jarbas Aragão
Recentemente no Paquistão três meninas cristãs foram espancadas por terem rejeitado as investidas de jovens muçulmanos. Uma delas veio a falecer. O incidente ocorreu em janeiro, na capital Lahore.
As três adolescentes tinham 17, 18 e 20 anos e estavam voltando a pé para casa após mais um dia de trabalho. Quatro jovens muçulmanos em um carro começaram a seguir e assediar as meninas. Os rapazes insistiam para que elas entrassem no carro deles para “se divertirem”.
Elas recusaram o “convite”, explicando que eram cristãs e não se relacionavam sexualmente fora do casamento. Eles insistiram e elas correram. Um dos muçulmanos gritou com elas, dizendo: “como vocês ousam fugir de nós, meninas cristãs servem apenas para uma coisa: satisfazer os desejos sexuais dos homens muçulmanos”.
Os rapazes tentaram atropelar as meninas. Duas caíram no chão e tiveram fraturas. Uma quebrou o quadril a outra, as costelas. A mais nova, Kiran Masih, foi arremessada para o alto e caiu sobre o para-brisa do carro que continuava acelerando.
Segundo testemunhas, os muçulmanos riram e aceleraram ainda mais o veículo. Logo em seguida, o motorista pisou no freio com toda força. A menina de 17 anos caiu ao chão e faleceu, em consequência da fratura exposta no crânio e esmagamento dos ossos.
A denúncia desse caso é feito por Wilson Chowdhry, presidente da Associação Britânica dos Cristãos Paquistaneses (BPCA) e ativista dos direitos humanos. Ele conta que o caso das meninas foi tratado por desdém pelas autoridades paquistanesas.
“A violência contra cristãos é raramente investigada e ainda que seja, é altamente improvável que a justiça seja feita. As mulheres sofrem de uma condição social muito baixa no Paquistão, mas nada se compara às mulheres cristãs, que estão apavoradas, principalmente depois desse ataque”, assevera Chowdhry.
A ONG “Movimento de Solidariedade e Paz”, que apresenta dados alarmantes. Cerca de 700 mulheres cristãs são sequestradas, violentadas e forçadas a se casarem a cada ano no Paquistão, ou seja, praticamente duas por dia!
A menina mais nova tinha apenas 9 anos. Quando foi detido, o paquistanês afirmou que não entendia pois já tinha feito “a mesma coisa com outras meninas cristãs”. Ele foi ouvido, mas não foi preso.
A justificativa para esses atos é o entendimento que os islâmicos possuem que podem estuprar mulheres “infiéis” (não muçulmanas) sem que precisem temer uma punição divina.
O conceito islâmico de “espólio” é explicado por uma das maiores autoridades em lei e jurisprudência islâmica, o falecido Majid Khadduri. Em seus livros ele reiterava que: “O termo espólio (ghanima) é aplicado especificamente à propriedade adquirida por meio da força de não-muçulmanos. Entretanto, isso inclui não apenas propriedades (móveis ou imóveis), mas também pessoas, seja na qualidade da asra (prisioneiros de guerra) ou sabi (mulheres e crianças)”.
Esse é o entendimento dos militantes do Estado Islâmico, cujo comércio de escravas sexuais tem chocado o mundo.
Mesmo quando vivem nas nações ocidentais, muitos muçulmanos acreditam ter direito de estuprar e abusar sexualmente de mulheres “infiéis” ou até mesmo de mulheres muçulmanas se estiverem desacompanhadas à noite ou se não estiverem usando um véu.
Isso tornou-se notório para o mundo quando uma série de estupros realizado por muçulmanos ocorreu na Alemanha no início do ano. Na ocasião, a mídia mundial não deu atenção ao fato de que a motivação era religiosa. Com informações de Gatestone Institute
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

6 comentários :

Anônimo disse...

Ainda querem trazer mais pessoas carregadas de legioes demonios para o Brasil...isso é coisa de ateu-comunista que sobrevive e aproveita-se da luta de classes!!!
Nao tem nada de humanismo nisso!!!

Anônimo disse...

Alguém poderia me dizer o que esses árabes tem de bom para a cultura ocidental?
Pregam um Deus morto, tem hábitos estranhos, são fanáticos, são extremistas em tudo, não se integram à sociedade ocidental, possuem poucos hábitos de higiene, querem a morte e a destruição dos judeus e dos cristãos...

Anônimo disse...

Buscar a integração dessa gente ao mundo ocidental é pura perda de tempo, pois eles são avessos à nossa cultura, e, pelo jeito, representam um risco para os inocentes (exceto, é claro, os árabes cristãos).
Logo, não há razão para trazê-los para o Brasil; além disso, eles irão competir com os milhões de desempregados que possuímos.
Atraso de vida!

Anônimo disse...

Aqui no Brasil, a coisa parece estar bem pior do que no Paquistão, pois lá a guerra pelo menos é declarada (árabe odeia cristão e judeu), mas, aqui, basta você estar andando na rua, a qualquer hora do dia ou da noite, para ser uma vitima em potencial das gangs e das facções criminosas.
A "Lei de Anistia" é uma das grandes culpadas por essa barbárie que vivemos atualmente, pois, entre outras coisas, permitiu que um bando de torturadores cruéis e assassinos voltasse (impunes) à vida politica desta nação.
Como se não bastasse os crimes bárbaros que esse demônios ateu-comunistas praticaram, ceifando vidas inocentes em nome da ditadura do proletariado (que eles chamam, hoje, de democracia), ainda surgiu, no horizonte, a possibilidade deles atingirem a mente das crianças, com suas doutrinas diabólicas, as quais estão causando um verdadeiro estrago na vida de milhões de famílias (o câncer não foi curado com a anistia e nem poderia ser).
Dia 04/02/2016, foi publicada uma noticia que revela o reflexo dessa falácia chamada de "Lei da Anistia", com a morte de uma jovem de 19 anos, líder de gang (http://www.facanacaveira.net/lider-de-gangue-de-19-anos-carolzinha-morre-apos-cuspir-e-atirar-na-pm/). Uma vida preciosa que se perdeu, em ultima analise, por causa das politicas publicas dos ateu-comunistas que deseducaram os jovens brasileiros.
Por isso, um dos meus maiores desejos é ver os terroristas de 64 sentados nos bancos dos réus pelos crimes bárbaros que cometeram contra cidadãos inocentes, para implantar o comunismo no Brasil.
Pelo alto grau de violência e desumanidade, esse tipo de crime parece não prescrever, de sorte que os brasileiros deveriam exigir uma pronta revisão da "Lei de Anistia", para que assassinos e torturadores do passado fossem julgados justamente e pagassem pelos seus crimes.
Seria um grande e excelente exemplo para os nossos jovens...

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

A impunidade no Brasil começa por essa gente...nao sei como os militares concordaram em assinar essa tal "Lei da Anistia", que representa uma aberraçao em todos os sentidos (culpa no cartorio?).

Como alguem pode ser perdoado de crimes tao graves, como tortura, assassinato com requintes de crueldade, carcere privado, e outras aberraçoes, perpetradas contra inocentes? Nao hà qualquer justificativa para tal.

Os brasileiros deveriam, mesmo, exigir um julgamento para todos que praticaram esse tipo de açao terrorista (a qualquer tempo), pois, se assim nao o fizermos, como poderemos, por exemplo, exigir puniçoes severas para pessoas que venham a praticar crimes menos graves do que esses?

Chega de IMPUNIDADE!!! Se querem um pais justo, o exemplo tem que partir de cima.

Jorge Nogueira Rebolla disse...

Os cristãos são reprimidos nos países muçulmanos em geral, na sua quase totalidade são não cidadãos. Discriminados, segregados e alvos de todos os tipos de arbitrariedades. A violência física contra o cristão é desconsiderada pelas autoridades, isto quando por elas não é promovida.

Nos ditos países ocidentais os que se consideram a elite cultural vêm os cristãos como bárbaros atrasados, que por ignorância não aderiram ao seu estilo de vida. O hedonismo é o ideal de vida e o faças o que quiseres elevado a divisa máxima da existência.

A repressão nos países que se consideram democráticos aos crentes é discreta e silenciosa, se comparada a outros lugares do mundo, seja nas áreas sob o totalitarismo religioso (islã) ou político (comunismo), porém mais perversa. Aqui enquanto cinicamente defendem princípios como os Direitos Humanos, a Liberdade de Crença e Expressão e outros que deveriam garantir a Liberdade Individual, fazem-no de modo a excluir os que são para eles indesejados: os Cristãos. A arbitrariedade é dissimulada, a segregação sutil e a violência psicológica. Porém o objetivo final é o mesmo, o extermínio da fé que construiu a civilização que agora transformam em ruínas.