26 de fevereiro de 2016

Ganância das grandes empresas farmacêuticas está matando dezenas de milhares de pessoas no mundo inteiro: Pacientes são exageradamente medicados e muitas vezes recebem drogas lucrativas que têm poucos benefícios comprovados


Ganância das grandes empresas farmacêuticas está matando dezenas de milhares de pessoas no mundo inteiro: Pacientes são exageradamente medicados e muitas vezes recebem drogas lucrativas que têm poucos benefícios comprovados

Anna Hodgekiss e Ben Spencer
O ex-médico da rainha da Inglaterra pediu uma urgente investigação pública das práticas “sombrias” das empresas farmacêuticas.
Sir Richard Thompson, ex-presidente da Sociedade Real de Médicos da Inglaterra [equivalente ao Conselho Federal de Medicina do Brasil] e médico pessoal da rainha da Inglaterra por 21 anos, alertou que muitos medicamentos são menos eficientes do que se pensa.
O médico faz parte de um grupo de seis eminentes médicos que hoje está avisando acerca da influência das empresas farmacêuticas na prescrição de drogas.
Os especialistas, liderados pelo Dr. Aseem Malhotra, cardiologista do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra, afirmam que um grande número de pacientes recebe drogas inúteis — e muitas vezes prejudiciais — que eles não precisam.
Eles argumentam que as empresas farmacêuticas estão desenvolvendo medicamentos para dar lucro, em vez de terem probabilidade de dar benefício.
E eles acusam o Serviço Nacional de Saúde de cometer irresponsabilidade ao não enfrentar os gigantes farmacêuticos.
Sir Richard disse: “Chegou a hora de uma investigação total e pública do modo como se obtém e revela a evidência da eficácia das drogas.”
Escrevendo para o MailOnline, o Dr. Malhotra diz que conflitos comerciais de interesse estão contribuindo para uma “epidemia de médicos mal-informados e pacientes desinformados na Inglaterra e outros países.”
Além disso, ele acrescenta que o Serviço Nacional de Saúde está dando “tratamento exagerado” para seus pacientes, e afirmou que os efeitos colaterais de medicação excessiva estão levando a inúmeras mortes.
O Dr. Malhotra disse: “Não há dúvida de que uma cultura de ‘mais remédio é melhor’ está no coração do sistema de saúde, agravada por incentivos financeiros dentro do sistema para prescrever mais drogas e realizar mais procedimentos.”
Ele acusou as empresas farmacêuticas de “se aproveitarem do sistema” gastando em comercialização o dobro do que gastam em pesquisas.
O Dr. Malhotra diz que as drogas de prescrição muitas vezes fazem mais mal do que bem.
E nos EUA, estima-se que um terço de toda a atividade do sistema de saúde não traz nenhum benefício aos pacientes.
Essa estatística foi apoiada também por uma afirmação feita pela Dra. Marcia Angell, ex-editora do New England Journal of Medicine (Revista de Medicina da Nova Inglaterra).
Numa palestra dada na Universidade de Montana, em 2009, ela revelou que das 667 novas drogas aprovadas pela FDA nos EUA entre 2000 e 2007, só 11 por cento eram consideradas inovadoras ou melhorias de medicamentos existentes.
E três quartos eram essencialmente apenas cópias dos medicamentos antigos.
Considerando o fato de que a principal responsabilidade das empresas farmacêuticas é dar lucro para os acionistas — em vez de dar saúde para os pacientes —, isso está longe de causar surpresa.
Uma pessoa que tem sido franca sobre os perigos da medicação moderna é Peter Gotzsche, professor de projeto e análise de pesquisas na Universidade de Copenhague.
Ele estima que as drogas de prescrição sejam a terceira causa mais comum de morte depois de doenças do coração e câncer.
O problema com a administração de medicação excessiva é que quanto mais drogas você toma, mais probabilidade há de que você experimentará efeitos colaterais que são interpretados incorretamente por um médico ou enfermeira como sintoma de doença que precisa ser tratada com medicamentos adicionais.
Entre 2007 e 2012 a maioria das dez maiores empresas farmacêuticas pagou multas consideráveis por contravenções que incluíam comercializar drogas por usos fora do rótulo, interpretação incorreta dos resultados de pesquisa e esconder dados sobre malefícios.
Mas se tais multas funcionam como um impedimento é algo controverso quando a obtenção de lucro é o motivador principal.
Em 2012 a empresa GlaxoSmithKline recebeu uma multa de 3 bilhões de dólares — o maior acordo de fraude da história dos EUA — por comercializar ilegalmente drogas que incluíam um antidepressivo, uma droga de diabete e outra para epilepsia.
Mas no período coberto pelo acordo, essa empresa contabilizou lucros de mais de 25 bilhões pela venda dessas drogas.
As revistas médicas e os meios de comunicação podem também ser manipulados para servir não só aos meios comercializadores da indústria farmacêutica, mas também ser cúmplices em silenciar os que pedem maior transparência e análises mais independentes dos dados científicos.
Pouco mais de 10 anos atrás, John Ioannidis, professor de medicina e políticas de saúde na Universidade de Stanford, publicou um documento histórico explicando por que a maioria das pesquisas médicas que são publicadas provavelmente é falsa.
Ele chegou ao ponto de afirmar que “quanto maiores são os interesses financeiros em determinada área, menos probabilidade há de que os resultados das pesquisas serão verdadeiros.”
A ciência médica está voltando às trevas.
E a luz do sol será seu único desinfetante.
Leitura recomendada:

10 comentários :

Isac disse...

Duvidam que faça parte do esquema da despopulação mundial, simulando curar doenças, mas dentro do medicamento um "aditivo"?
O caso do Zika Vírus e associados da estirpe, não seriam mais uns mosquitos de laboratorio e os remedios para combater "aditivados", também, ajudando na causa de desincentivo das gravidezes e ajudando tal qual no mesmo objetivo?
Vivemos em tempos sombrios, gente!

marcelo victor disse...

Espero que nao venha nenhum calvinista dizer que essa barbarie humana foi proposito de Deus.
Esse pensamento maligno faz de Deus um ser perverso, que nao respeita suas criaturas, que tem prazer no sofrimento alheio, que, por causa da Sua soberania, está acima do bem e do mal (deseja e faz o que quer, inclusive o mal) e é extremamente egocentrico, pois busca sua gloria a qualquer preço.
Que tal pensamento seja ANATEMA!!!

Anônimo disse...

Ué, mas não são vocês que defendem o capitalismo com unhas e dentes?

A indústria farmacêutica faz tudo isso por quê? qual é a motivação por trás desses abusos? seria uma motivação cultural? não. Religiosa? não. A motivação é simples: lucro.

E o lucro é uma característica exclusiva de qual sistema? anarquismo? socialismo? comunismo? capitalismo, amigos :)

Julio Severo disse...

Anônimo, trabalhar por lucro não é pecado. O lucro com suor e honestidade é a honra do trabalhador. O que busco apontar com a tradução desta reportagem é que a motivação é o lucro desonesto. Por exemplo, se você é médico e receita estritamente o necessário para melhorar a saúde do seu paciente, seu lucro é honesto. Mas se você indica todo tipo de tratamento além do estritamente necessário apenas para tirar mais dinheiro do paciente, seu lucro é desonesto.

Anônimo disse...

E o que o capitalismo tem a ver com isso? Ah, você é da turma da "justiça social para todos", então merece morrer definhando nas filas do seu amado e benevolente SUS. Nesse caso tenha ao menos um pouco de coerência e procure um hospital público, não faça como seu chefe que afirmou "a saúde pública no Brasil está a beira da perfeição" mas trata do câncer dele no Sírio Libanês, hospital de alto padrão da "elite branca, golpista e reacionária" como vocês gostam de dizer.

Anônimo disse...

O unico freio pro homem é aquele que Deus nos mostra no VT: apedrejamento, espada, fome, peste...
Por causa desse tipo de coisa é que vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediencia, atraves de tudo aquilo que assistimos nos noticiarios.
Assim sendo, quem puder, deve correr pra baixo das asas do onipotente o quanto antes, pois ninguem escapa das maos justas de Deus.

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

O diabo e seus filhos brincando com a vida alheia e usufruindo das desgraças dos semelhantes...e tem gente que ainda duvida da existencia do diabo.
Ele veio pra matar, roubar e destruir e ensinou muito bem os seus filhos a faze-lo.
O fato é que sem o freio da moral judacio-crista o mundo vai virar uma abominaçao generalizada, uma terra de ninguem, e o homem vai assumir a forma de um verdadeiro diabo, sem dó nem piedade.
Que venha a espada do islã pra castigar essa gentalha!!!

Anônimo disse...

Filhos de Mamon...

Anônimo disse...

Nem tanto céu, nem tanto inferno. 1) todo medicamento possui contraindicação, uma aspirina mal pode ser prejudicial, e até mesmo levar a morte;
2) a maioria dos problemas com medicação deve-se a automedicação, seja tomando o medicamento em grandes quantidades,seja tomando em baixas quantidades sem a supervisão de um médico, ou melhor, de uma equipe médica;
3)A maioria dos problemas de medicamentos devesse aos medicamentos psiquiátricos, que não devem de modo nenhum ser comparados com os medicamentos, pois os medicamentos psiquiátricos não foram criados para salvar vidas, mas escravizar a psique humana; não é sensato colocar todos medicamentos num mesmo balaio, pois medicamentos salvaram vidas, tomo o exemplo da vacina contra varíola, ou a invenção dos antibióticos, que mesmo tendo dezenas de contra-indicações são milhares e milhões de vidas;
4)A indústria muitas vezes usa métodos exclusos para aprovar um medicamento devido ao controle feito pelo Estado, para vc ser ter uma ideia, já temos cura para AIDS, para diversos outras doenças, como malária, dengue, e até mesmo câncer, e existe uma resistência muito grande do Estado de não permite a liberação desses medicamentos, além do, lobby de alguns grupos que querem ganhar dinheiro;
Essa é apenas uma parcela da minha contribuição para o debate, muito obrigado...

Claudio Whitaker disse...

Isso nada tem a ver com capitalismo. Na verdade trata-se de casos de corrupção, mazela observada em vários setores e níveis, privados e públicos. A corrupção por si só já é algo próprio do esquerdista, pois este por definição quer tirar à força recursos dos outros, sem mérito.