29 de fevereiro de 2016

Decência para Presidente


Decência para Presidente

Max Lucado
Como pai de três filhas, me reservava o direito de entrevistar o rapaz com quem elas iam sair. Parecia simplesmente justo para mim. Afinal, minha esposa e eu havíamos passado 16 ou 17 anos alimentando-as, vestindo-as, pagando aparelhos dentais e levando-as de carro a eventos. Um encontro face a face de cinco minutos com o rapaz era uma expectativa justa. Eu estava confiando o amor da minha vida a ele. Nas próximas horas, ela dependeria da capacidade dele de dirigir um carro, evitar más companhias e permanecer sóbrio. Eu queria saber se ele estava em condições de fazer isso. Eu queria saber se ele era decente.
Essa era minha palavra: “decente.” Ele se conduzia de modo decente? Ele trataria minha filha com bondade e respeito? Dava para confiar que ele a traria para casa em tempo? Em sua linguagem, ações e decisões, ele seria um rapaz decente?
Decência importava para mim como pai.
Decência é importante para você. Notamos a pessoa que paga suas dívidas. Apreciamos o médico que gasta tempo para escutar. Quando o marido honra seus votos matrimoniais, quando o professor gasta tempo para ajudar o aluno que tem dificuldades, quando o empregado recusa fazer fofoca de seu colega de trabalho, quando o time perdedor congratula o time vencedor, podemos caracterizar a conduta deles com a palavra decente.
Apreciamos a decência. Aplaudimos a decência. Ensinamos a decência. Buscamos a decência. A decência importa, certo?
Então, por que a decência não está se saindo melhor na corrida presidencial dos EUA?
O candidato principal para ser o próximo líder do mundo livre não seria aprovado em minha entrevista de decência. Eu o mandaria embora. Eu diria para minha filha ficar em casa. Eu não a entregaria aos cuidados dele.
Não conheço o sr. Trump. Mas tenho me desapontado com suas maneiras. Ele ridicularizou um herói de guerra. Ele zombou do ciclo menstrual de uma jornalista. Ele ridicularizou um jornalista deficiente. Ele se referiu à ex-primeira-dama Barbara Bush como “mamãe” e desdenhou de Jeb Bush por trazê-la em sua campanha. Ele rotineiramente chama as pessoas de “estúpidas,” “perdedoras” e “idiotas.” Esses comentários não foram casuais e raros. Foram transmitidos pelo Twitter, gravados e apresentados de modo público e intencional.
Tal insensibilidade não seria aceita nem mesmo numa eleição de alunos do ensino fundamental. Mas para a presidência dos EUA? E fazer isso brandindo a Bíblia e se gabando de sua fé cristã? Estou perplexo com a conduta dele e com o fato de que o público americano está apoiando essa conduta.
A explicação comercial para seu sucesso é este: ele está tirando vantagem da revolta do povo americano. Como um homem disse: “Estamos votando com uma atitude vulgar de desprezo.” Soa mais como um comentário apropriado para uma briga de gangue do que para uma eleição presidencial. Reações estimuladas por ira provocam problemas desde que Caim ficou irado com Abel.
Só podemos esperar, e orar, por uma volta da decência. Talvez o sr. Trump controlará melhor suas maneiras. (Com certeza, ele é um caso digno de oração.) Ou, talvez o público americano se lembrará de que o papel principal do presidente é ser a face dos Estados Unidos. Quando ele fala, ele fala pelos americanos. Quer concordemos ou discordemos das políticas do presidente, não esperamos que ele se conduza de um modo coerente com a condição da presidência?
Até onde me lembro, nunca rejeitei um homem com quem minha filha queria sair. Eles não eram perfeitos, mas eles eram rapazes decentes. Isso era tudo o que eu podia pedir.
Parece que deveríamos pedir o mesmo.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do site Max Lucado: Decency for President
Leitura recomendada:

11 comentários :

Anônimo disse...

O que dizer dos candidatos ficha-suja do Brasil, entre os quais temos guerrilheiros assassinos, mentirosos declarados, politicos cassados, sodomitas enrustidos, pessoas completamente ignorantes, corruptos comprovados, ateus...

Mil vezes Trump do que qualquer um dos candidatos brasileiros...

Julio Severo disse...

Praticamente todos os grandes líderes evangélicos conservadores proeminentes dos EUA não estão apoiando o Trump. Por que? Porque todas as grandiosas promessas (por exemplo, banir imigrantes muçulmanos e dar preferência para imigrantes cristãos) do Trump estão apenas na esfera teórica. Trump não tem nenhum histórico conservador ou pró-vida ou pró-família. Ele é um populista, que diz o que as massas querem ouvir e ser eleito. Você, por ser brasileiro, vota no menos pior. Não é assim com os americanos conservadores, que quando veem que não existe opção, eles simplesmente ficam em casa e não votam. Eles têm um precedente para não votar em populistas e menos piores. Na Alemanha da década de 1930, com o comunismo fortemente ameaçando varrer as eleições, o menos pior era o populista Hitler. O povo alemão, com medo dos comunistas ganharem, preferiu votar no menos pior. Confira este artigo:

O antimarxismo estridente de Hitler


Henrique disse...

Respondendo ao Júlio Severo,

Júlio,

Você disse uma coisa que me chamou a atenção:

"... Ele é um populista, que diz o que as massas querem ouvir e ser eleito. Você, por ser brasileiro, vota no menos pior..."

Júlio, é a mesma coisa que acontece quando PT e PSDB (e outros partidos esquerdistas) estão na disputa eleitoral. E quando acontece esse caso (PT contra PSDB), o povo sempre vota no "menos pior" (no caso, o PSDB).

Aliás, isso nem chega a ser novidade. Candidatos esquerdistas falam exatamente o que o povo quer ouvir: os discursos populistas (as mesmas promessas mentirosas de sempre). De um povo corrupto (como é o povo brasileiro) nunca se deve esperar nenhuma importância (ou preocupação) com valores morais e/ou cristãos.

EU DIGO SEM MEDO DE ERRAR: SE TODO MUNDO TIVESSE BOM EMPREGO, GANHANDO MUITO BEM, A ECONOMIA ESTIVESSE EM RITMO CRESCENTE, EU GARANTO (COM PLENA, CONVICTA, TOTAL, E ABSOLUTA CERTEZA) QUE NINGUÉM JAMAIS FARIA QUALQUER PROTESTO CONTRA O GOVERNO DE DILMA! BRASILEIRO SÓ QUER SABER DE DINHEIRO NO BOLSO (E O RESTO QUE SE EXPLODA)! VALORES MORAIS E/OU CRISTÃOS? NEM PENSAR!

P.S: Se você (ou alguém daqui) quiser se manifestar, esteja à vontade

Lino disse...

Eu concordo plenamente com tudo que o Henrique colocou aqui. Claro que ele se expressou num tom carregado, mas o que ele disse faz muito sentido.

Além disso, nunca se viu ninguém dizer nada contra o casamento gay, a propagação do kit gay nas escolas, legalização do aborto, enfim, nunca se viu nenhum protesto contra as aberrações que este governo diabólico do PT quer nos empurrar goela abaixo a todo e qualquer custo.

SÓ VOU ACREDITAR QUE O POVO BRASILEIRO É CONSERVADOR (OU UM POVO QUE ZELA PELA MORAL, PELOS BONS PRINCÍPIOS, E PELOS VALORES CRISTÃOS) NO DIA EM QUE PARAREM DE VOTAR NOS CANDIDATOS ESQUERDISTAS (DO PT, DO PSDB, E DE OUTROS PARTIDOS COM A MESMA AGENDA POLÍTICA)! CHANCES DISSO ACONTECER? ZERO!

E DIGO MAIS: PODE ATÉ O PRÓPRIO JESUS APARECER, MAS O BRASILEIRO CONTINUARÁ VOTANDO EM PETISTAS E TUCANOS (E OUTROS ESQUERDISTAS)! BRASILEIRO NUNCA VI DAR MAIS IMPORTÂNCIA A VALORES MORAIS E CRISTÃOS DO QUE A ECONOMIA!

Alguém concorda comigo? Quem quiser se manifestar, esteja à vontade.

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Talvez este comentário que eu vou postar aqui (embora seja repetido) explique melhor por que o povo sempre coloca esquerdistas no poder em quase toda eleição (me corrijam se eu estiver errado):

Diz um ditado popular que "o povo tem o governo que merece". Nunca, aqui no Brasil, isso ficou tão evidente, ou melhor, nunca esse mesmo ditado se confirmou de maneira tão clara como nestes últimos anos.

Basta fazermos uma análise dos governos de Lula (anterior) e de Dilma (atual). Mudam somente os "atores" (os presidentes), mas o "script" (o programa de governo) é rigorosamente o mesmo. Para que não haja mais nenhuma dúvida quanto a isso (principalmente para aqueles que não acreditam que isso seja verdade), vejamos alguns dos pontos que ambos os governos têm em comum:

– Promoção de políticas de apoio aos "direitos humanos" (leia-se privilégio para os homossexuais, os criminosos, os menores delinqüentes, e também a perseguição aos cristãos);

– Discriminalização do aborto, já que o aborto é somente um "caso de saúde pública" (ou seja, o aborto, para o governo, não é um crime contra uma vida inocente e indefesa);

– Censura à liberdade de expressão (e ainda dizem, na maior cara–de–pau, que somos um país democrático!);

– Tolerância às religiões afro–descendentes, sob o argumento de que elas fazem parte da nossa cultura, e, como tal, não podem ser discriminadas (como o diabo dessas mesmas religiões se disfarça em anjo de luz, só falta dizer que todas elas são de Deus);

– Distribuição de "kits educativos" nas escolas, com a alegação de combater a homofobia (uma forma disfarçada de fazer com que as nossas crianças sejam sutilmente induzidas ao homossexualismo, promovido pelo ex–ministro Fernando Haddad e por toda a corja do governo e dos homossexuais);

– Homenagem às "vítimas" do regime militar (ninguém jamais procurou saber o verdadeiro passado de Dilma, Lula, e outros esquerdistas).

Enfim, estas são apenas algumas das muitas semelhanças entre os governos de Lula e o de Dilma (na verdade, o governo de Dilma nada mais é do que a continuação do governo de Lula).

E por que o povo, mesmo sabendo disso tudo, ainda assim vota neles? Por uma razão muito simples: recebendo a "ajuda" (Bolsa–Família) do governo, quem é que não quer ser sempre beneficiado pelo mesmo governo de alguma forma? Tem gente que ainda tem a ousadia de dizer: "Se o governo é bom (já que ajuda o povo com o Bolsa–Família e outros benefícios), por que votar contra o mesmo governo?" Isso lembra aquela máxima do antigo Império Romano: "Dai pão e circo ao povo, que o Império sobrevive".

Não tenho nenhum medo de dizer: a nossa política está tão podre, tão suja, e tão corrompida, que nem mesmo certos políticos da bancada evangélica não são dignos da nossa confiança (e, muito menos, merecedores do nosso voto). Em suma: não dá pra confiar em nenhum político (seja de que partido for).

Se o povo tivesse vergonha na cara (e, principalmente, se este mesmo povo fosse politicamente conscientizado), não colocaria corruptos no poder em troca do Bolsa–Família (ou em troca de qualquer outro tipo de ajuda ou assistencialismo). Só que o povo, durante as eleições, vota mais com a emoção do que com a razão (isto é, mais com a barriga do que com a cabeça). E isso, infelizmente, já criou um ciclo vicioso muito difícil de ser quebrado.

Portanto, diante de tudo que foi dito aqui, só dá pra chegar a uma única conclusão: enquanto prevalecer este quadro, ou melhor, enquanto o povo, em toda eleição, ainda continuar adotando esta mentalidade clientelista (isto é, de só votar em troca de algum tipo de ajuda ou assistencialismo), o nosso país vai estar sempre sendo governado por corruptos.

Que estas palavras sirvam de alerta para que todos, a partir de agora, sejam mais cuidadosos na hora de votar (e não se deixem enganar pelas promessas mentirosas dos muitos lobos em pele de cordeiro que sempre aparecem em todas as eleições)!

Anônimo disse...

Show dos horrores!!!

George disse...

Se a decência fosse o único critério para eleger o presidente de um país, o Brasil não teria nenhum candidato aprovado.

Por que eu digo isso? Por uma razão muito simples: o povo brasileiro, de modo geral, é corrupto. Logo, quem é corrupto não tem o mínimo de decência. Em outras palavras: quem é corrupto não tem nenhuma autoridade moral para exigir decência (ou honestidade) dos governantes.

O presbítero Valdomiro disse tudo: o povo tem o governo que merece. Como pode alguém corrupto exigir honestidade de outra pessoa? Corrupto só defende corrupto. Ou será que alguém é ingênuo o bastante para acreditar que ainda é possível extrair algo de bom de um meio tão podre (como a natureza corrupta do ser humano)?

Aliás, já vi um cartaz com uma mensagem que traduz exatamente isso. Neste mesmo cartaz, estava escrito (com letras garrafais) exatamente assim:

SE VOCÊ:

– FURA FILA PORQUE ESTÁ COM PRESSA;

– RECEBE UM TROCO A MAIS E NÃO DEVOLVE;

– SUBORNA (OU TENTA SUBORNAR) O GUARDA PARA NÃO PAGAR A MULTA AO SER PEGO NUMA BLITZ;

– VENDE O VOTO EM TROCA DO BOLSA–FAMÍLIA (OU EM TROCA DE QUALQUER AJUDA OU ASSISTENCIALISMO ELEITOREIRO);

– ENGANA (OU TENTA ENGANAR) OUTRAS PESSOAS POR SE ACHAR MAIS "ESPERTO";

– ENFIM, TENTA DAR UM "JEITINHO" (OU TENTA LEVAR VANTAGEM) EM TUDO QUE É SITUAÇÃO,

VOCÊ NÃO DIFERE EM NADA DOS POLÍTICOS CORRUPTOS DO SEU PAÍS
(ELES SÃO SOMENTE UMA IMAGEM SUA)!


Precisa dizer mais alguma coisa?

Anônimo disse...

Estive nos EUA algumas vezes. Vendo algumas questoes que apontavam o declinio moral dos americanos orava para que eles VOLTASSEM PARA DEUS e, para nos, povo brasileiro, orava para que os brasileiros SE VOLTASSEM PARA DEUS. A particula "SE" eh porque nunca estivemos, realmente, com Deus, pois, idolatria e misticismoo eh a norma aqui. E, como o mundo vai de mal a pior (assim o diz a Biblia), hj, TUDO apodreceu, tanto lah como cah. Se o americano "elegeu", por duas vezes, uma pessoa que eh macom, "sucia'lista/comunista, muculmano e, pior, alienigena, originaria do meio tribal africano, conhecido como Kenia, significa que nao tem NENHUM compromisso com aquela Nacao-quase-ex-Crista. Assim, tanto faz qualquer daqueles inuteis, o fim chegou. Qto a nos, a condicao basica para se votar em alguem aqui eh que ele/ela seja, completamente, INDECENTE.

Antonio.

Conselheiro Cristão disse...

Eu preciso me atualizar mais, a coisa ta esquisita mais do que se imagina no mundo todo! So Deus!

Anônimo disse...

Quando não há uma alternativa melhor, optamos pela mais viável.

Anônimo disse...

O declínio dos Estados Unidos começou desde que permitiu-se que Suprema Corte legislasse para toda nação, isso aconteceu com a liberação do aborto a mais de 30 anos, reverter essa condição levará muito tempo...Se for possível reverter.