25 de janeiro de 2016

Proeminente ativista gay ateu afirma que Julio Severo foi o responsável pela disseminação do termo “gayzista” no Brasil


Proeminente ativista gay ateu afirma que Julio Severo foi o responsável pela disseminação do termo “gayzista” no Brasil

Julio Severo
Um ativista homossexual conhecido afirma que eu, Julio Severo, disseminei tanto o termo “gayzista” anos atrás que até o filósofo Olavo de Carvalho acabou usando-o.
Mas, ao contrário do que diz o ativista, não fiz a disseminação através do que aprendi com amigos americanos.
Os termos que uso por hábito contra o ativismo gay estão registrados no meu livro “O Movimento Homossexual,” publicado originalmente pela Editora Betânia em 1998. Só anos depois é que conheci o termo “gayzista” — através dos artigos do Olavo.
O ativista que fez a confusão é Sérgio Viula, que ficou famoso quando abraçou publicamente, mais de uma década atrás, o homossexualismo e o ateísmo depois de ser pastor. Aliás, ele saiu do pastorado justamente quando estava ganhando notoriedade como apologeta, trabalhando para instituições apologéticas evangélicas e atacando, em artigos, muitas práticas dos pentecostais e neopentecostais.
Viula já foi entrevistado por importantes mídias seculares por sua defesa ao homossexualismo. Ele já foi entrevistado pela revista Época. Ele já foi entrevistado por Carta Capital, numa matéria medíocre atacando Silas Malafaia.
Sobre o termo “gayzista,” Viula disse:
“Ver um ou outro ateu usando termos como ‘gayzista’, por exemplo, para desmerecer a luta das pessoas LGBT por direitos iguais é algo que me causa profundo estranhamento. Primeiro, porque o termo foi cunhado por fanáticos do movimento neo-pentecostal americano que venderam essa ideia para extremistas evangélicos no Brasil, como foi o caso de Julio Severo, que através de seus canais na internet, serviu de interface entre os pastores extremistas e caça-níqueis americanos e brasileiros do ignóbil quilate de Silas Malafaia, Marco Feliciano e outros. Note bem o que estou dizendo: EU, SERGIO VIULA, já ouço Júlio Severo usando esse termo há anos. Há uns 14 anos!!! De repente, o mais fake de todos os fakes de filósofo, o insuportável Otávio de Carvalho, começou a usar o termo também. Bastou isso para que alguns ateus (não mais inteligentes do que essa turma de ignorantes) achassem o termo engraçadinho e começassem a usá-lo.”
Ele continua atacando Malafaia e Feliciano — herança dos tempos de apologeta protestante. Mas agora — não se esqueçam! — ele é apologeta gayzista.
Viula acerta quando atribui a mim à grande disseminação do termo “gayzista.” Foi uma disseminação enorme durante muitos anos, como o própria movimento gay confirma. Aliás, disseminei também tantas outras ideias contra o movimento gay que em 2007 a Editora Betânia estava sob pressões e ameaças de ativistas gays contra meu livro.
Mas Viula erra ao achar que copiei esse termo dos americanos. O fato de que quando ele via esse termo difundido mais através de mim 14 anos atrás é devido à proeminência do meu trabalho na época. Depois que meu livro foi publicado, meu nome ficou muito mais conhecido entre evangélicos e ativistas pró-vida do que o nome do Olavo. (Nos grandes encontros nacionais católicos pró-vida e conferências evangélicas sobre temática homossexual, meu livro era sempre destaque por ser pioneiro no assunto ativismo homossexual.) Daí a confusão de um proeminente ativista gay achar que Julio Severo estava divulgando um termo de neopentecostais americanos, não de Olavo de Carvalho.
Apesar das minhas discordâncias com Olavo e sua defesa intransigente e irracional da Inquisição católica, que torturava e matava judeus e evangélicos, “gayzista” é filhote dele e um termo muitíssimo apropriado: lembra nazista, cuja ideologia era imposta na sociedade a ferro e fogo.
O gayzista Sérgio Viula deveria corrigir suas ideias sobre o autor desse termo. No que se refere à “gayzista,” fui grande divulgador não de um termo criado por neopentecostais americanos, mas por Olavo Carvalho. O que divulguei e divulgo dos americanos está no meu blog e no meu livro “O Movimento Homossexual.”
Leitura recomendada:

10 comentários :

Fabiana disse...

Severo, vc é uma palhaço. Fez propaganda do velho que hoje lhe paga com palavrões. Vc é a perfeita definição de idiota útil.

Claudio Vaz disse...

Discordo, Fabiana.
Julio não fez propaganda apenas estabeleceu a verdade. Simples assim.
Nem Julio é palhaço, nem Olavo precisa de propaganda.
Você precisa refrear a língua.

Anônimo disse...

Quanta ignorancia da Fabiana!
Não consegue distinguir uma simples colocação verídica de um fato passado,de uma propapanda puxa saxo!Pobre de discernimento..

Fernando Costa disse...

Independentemente de quem criou o termo,bom saber que eles não suportam serem chamados assim. Vou usar essa rotulagem com bem mais frequencia...

Anônimo disse...

Triste a história desse pastor que virou ateu e homosexual. Serve de alerta para aqueles que ousam fazer oposição aos ministérios que O Senhor levantou. Uma coisa é enfrentar a heresia onde quer que ela se encontre, outra é tentar destruir a Igreja pentecostal e neopentecostal, pois aí compra briga com Cristo.

Leandro disse...

Não existe nada mais atormentador do que chamá-los de algo que realmente são.

Buck Williams disse...

Irmão Júlio, será que não haveria alguma chance de ter seu livro reeditado no Brasil ou mesmo de publicar uma obra nova por aqui sobre a questão? Digo isso, pois acho que seria perfeito se uma editora evangélica de grande estrutura como, por exemplo, a Central Gospel de silas Malafaia, que inclusive já vem publicando material sobre o tema há alguns anos; trabalhasse com literatura de sua autoria. Algo como "O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota(livro que compila diversos textos de Olavo de Carvalho publicados em suas colunas ao longo de sua carreira.)", porém que reunisse os teus artigos neste blog e em outras fontes; seria um serviço imenso à nossa sociedade. Entendo que este blog possua estofo de sobra para que se efetue um trabalho de tal magnitude, pois basicamente reúne matérias a respeito dos mais diversos pontos que englobam o conservadorismo evangélico(sem falar que existem vários de seus posts que, quando agrupados, renderiam sagas memoráveis num livro.). Desse modo, seria uma obra abrangente, didática, honesta e, de quebra, ainda por cima emocionante.

Fernando Costa disse...

Concordo. Existe um certo exagero vindo dessas igrejas reformadas em criticar outros irmãos.

Fernando Costa disse...

Gostei,apóio a idéia.

Julio Severo disse...

Olavo de Carvalho chama evangélicos de “evanjegues,” debochando deles como jegues (que também significa burros, asnos, jumentos, etc.). Ele disse:

“A credulidade com que tantos evanjegues ouvem pastores semi-analfabetos, drogados, ladrões e putanheiros é a oitava maravilha do mundo.”

Ele com certeza deve estar se referindo ao Pr. Marco Feliciano, a quem dias atrás ele insinuou que levou uma mocinha a um motel. Confira a insinuação neste link: http://bit.ly/2bfEZjO

E os alunos evangélicos dele são também evanjegues por pagarem uma taxa mensal no COF (Curso Online de Filosofia)?

Para deixar de ser “evanjegues” o evangélico tem de se matricular no COF, deixar a Bíblia de lado e tratar as palavras (inclusive palavrões) do Olavo acima da Palavra de Deus?

Mais da metade dos membros do instituto do Olavo nos EUA são evangélicos. Eles também são evanjegues? Eles já sabem que o Olavo trata os evangélicos brasileiros como evanjegues? Ou a barreira da língua os impede de ler as asneiras que o Olavo escreve em português?

Nesse ponto, fazendo um trocadilho com as palavras do próprio Olavo, digo:

“A credulidade com que tantos evanjegues se abaixam para ser pisoteados, xingados e humilhados por um filósofo esotérico é a oitava maravilha do mundo.”

Um desses “evanjegues,” o próprio Feliciano, chamou Olavo de “verdadeiro profeta” no Congresso Nacional. Mais evanjegues que isso, impossível. Confira neste link: http://bit.ly/1XHSaHr

Como diz a Bíblia, dizendo-se “sábios,” tornaram-se loucos.

Fonte: Facebook Blog Julio Severo