23 de janeiro de 2016

Judeus brasileiros mudam-se para Israel em números recorde


Judeus brasileiros mudam-se para Israel em números recorde

Arno Froese
A imigração para Israel, ou aliyah, do Brasil mais do que dobrou nos últimos quatro anos, de 191 em 2011 para mais de 400 [em 2015]. O crescimento médio da aliyah para toda a América Latina, no mesmo período foi de apenas 7 por cento. Embora tenha aproximadamente a metade da população judaica da vizinha Argentina, o Brasil enviou mais imigrantes para Israel por dois anos consecutivos. Estima-se que 120.000 judeus vivem no Brasil.
"Eles buscam um futuro melhor", disse Gladis Berezowsky, 58 anos, que ajuda a administrar Beit Brasil, uma organização não governamental com sede em Israel estabelecida em 2014 para ajudar os brasileiros que pretendem mudar para Israel.
"Nós queríamos dar aos nossos filhos uma melhor qualidade de vida nos campos educacional, social e religioso", disse Fabio Erlich. "Israel permite que você seja um judeu sem limitações, não só no exterior, mas principalmente no coração. Encontrar um emprego em Israel fez o nosso grande sonho sionista se tornar realidade". — www.jpost.com, 08 de dezembro de 2015
Brasil, o país que tem tido um sucesso notável em sua reestruturação, agora está tropeçando. Como resultado, os judeus estão deixando o país para ir a Israel.
Quando Moisés se dirigiu ao povo de Israel, revelando a bênção e a maldição, ele conclui, "Então o Senhor teu Deus te fará voltar do teu cativeiro, e se compadecerá de ti, e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o Senhor teu Deus. Ainda que os teus desterrados estejam na extremidade do céu, desde ali te ajuntará o Senhor teu Deus, e te tomará dali; E o Senhor teu Deus te trará à terra que teus pais possuíram, e a possuirás; e te fará bem, e te multiplicará mais do que a teus pais. E o Senhor teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares ao Senhor teu Deus com todo o coração, e com toda a tua alma, para que vivas." Deuteronômio 30.3-6 — Arno Froese — Beth-Shalom.com.br
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

10 comentários :

Claudia Regina Teixeira disse...

shalom, se me permitem, gostaria de solicitar uma pesquisa maior sobre os números de judeus no Brasil. Na verdade, enquanto apenas 120 mil são legalmente reconhecidos, estudos de pesquisadores históricos, revelam que antes do período da colonização brasileira e periodo colonial respectivamente, a cada cinco portugueses ou estrangeiro que chegava na colonia, quatro eram judeus. Sendo assim, na verdade, mais de oitenta por cento da população brasileira tem descêndência judaica. Caso, alguém interesse por mais detalhes, favor entrar em contato: kairostravellers@Gmail.com

Osvaldo Aires Bade - EducaOK disse...

Muito obrigado Claudia Regina Teixeira
The Marranos
http://osvaldoairesbadeeducaok.blogspot.com.br/2016/01/the-marranos.html
Abraço

Anônimo disse...

O Brasil é uma verdadeira Jerusalem espiritual, mas...nao sao todos que pensam assim:
https://www.youtube.com/watch?v=NcZpxes6HUg

Anônimo disse...

A situação econômica do Brasil está ruim e deve até piorar em 2016, mas, acho que eles estão cometendo um erro.... A situação em Israel deve ficar muito pior, em breve, podemos bem ver os "sinais"... Israel ainda passará por uma enorme e terrível guerra, com no mínimo muitas vidas perdidas... Esses brasileiros judeus podem futuramente estar entre os muitos que perecerão....

Anônimo disse...

A existencia da naçao de Israel, no Oriente Medio (na "terra prometida"), é um claro e vivo sinal de que a Palavra de Deus é fiel e verdadeira, pois Deus havia feito promessas, aos pais, de que daria tal terra às suas descendencias, por possessao perpetua (Gn17:8 e Gn 48:4).
Assim sendo, é impossivel nao ver, no restabelecimento da naçao judaica, um claro sinal (para o mundo e para os proprio judeus) da existencia de Deus e da fidelidade da Sua Palavra.
Porem, em Galatas 4:25, como um divisor de aguas, Deus deixa bem claro que Suas promessas dizem respeito a duas alianças distintas, uma espiritual (segundo a fé) e outra material (segundo a lei).
A promessa material cumpriu-se (e se cumprirà até o fim) na Jerusalem terrena, a qual é comparada, por Deus, a Agar (a escrava egipcia de Abraao), da qual sao gerados filhos para a escravidao (do pecado).
Jà a aliança espiritual diz respeito à Igreja de Jesus Cristo, a qual gera filhos para a vida eterna.
Em Gn 17:20, isso parece ficar mais claro ainda quando Deus promete a Abraao que, além da posse perpétua da terra, Ele abençoaria a sua descendencia (segundo a carne), fazendo dela uma grande naçao (como vemos hoje), da qual seriam gerados 12 principes, que correspondem às doze tribos de Israel (Gn 17:20).
Dessa forma, o fenomeno do retorno, em massa, de judeus para o Oriente Medio pode ser visto de duas formas distintas: com alegria, no tocante à veracidade das promessas de Deus (contidas na Biblia) e com profunda tristeza por causa da dureza dos coraçoes dessa gente, os quais tropeçaram na pedra de tropeço, e, depois de tantas desgraças (por causa da desobediencia), ainda buscam estabelecer a sua propria justiça, nao se sujeitando à justiça de Deus (Rm 10:3).
Nossa oraçao por Israel (segundo a carne) deve ser para que eles se convertam dos seus maus caminhos e busquem a cidade cujo artificie e construtor é Deus, a Siao celestial. Até porque enquanto suas esperanças estiverem nas fracas coisas desta vida, haverà morte e destruiçao no caminho desse povo, conforme bem profetizou Daniel (Dn 9:26).

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

Perdoe-me, mas a promessa descrita em Deuteronomio 30:3-6 está condicionada ao "arrependimento", o que, nem de longe, refere-se à naçao de Israel dos dias de hoje. Ao contrário, os judeus tropeçaram na "pedra de tropeço" e crucificaram o justo, como bem disse o apostolo Pedro (um judeu), em At 4:10-11.

Anônimo disse...

A volta dos judeus a Jerusalem é a comprovação de que eles verdadeiramente não se arrependeram de ter rejeitado o Messias e continuam amando mais a lei do que os seus semelhantes.
Querem restabelecer os velhos rudimentos que foram insuficientes para livrá-los de seus opressores, os quais tomaram Jerusalém exatamente porque eles desagradaram a Deus.
Isso me faz lembrar o que frequentemente ocorre com o comunismo no mundo. Quando tudo vai por água abaixo, sempre há a desculpa de que os líderes se desviaram dos princípios, mas (dizem eles) "daqui pra frente, tudo vai ser diferente".
Sem perceber que são escravos do pecado (o verdadeiro inimigo), esses pobres mortais (tanto os judeus como os comunistas) acabam voltando aos mesmos erros do passado, odiando e sendo odiados e levando morte e destruição a muitos.
"Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres" (Jo 8:36).

marcelo victor disse...

Trocar judeus por arabes, trata-se de mais um erro da desastrosa politica externa do desgoverno brasileiro.
Sobre imigraçao, ouvi a ultima entrevista que o deputado Bolsonaro participou no RS e pude perceber que os entrevistadores, no meu modo de ver, nao passavam de idiotas uteis e esquerdistas tendenciosos. Suas opinioes eram, quase sempre, baseadas em premissas falsas e sem qualquer logica.
Quando abordaram a questao da imigraçao, por exemplo, quiseram mostrar aos ouvintes que o deputado Bolsonaro era racista e sem coraçao, uma vez que ele proprio nao passa de um filho de imigrantes.
Porem, propositalmente, eles ignoraram que, naquela ocasiao, em que ocorreram os movimentos migratorios, era interessante para o paìs trazer mao de obra qualificada.
No momento atual, nao hà o menor interesse para os brasileiros que pessoas (quase sempre desqualificadas) imigrem para cà, pois nosso pais vive um verdadeiro CAOS em todos os sentidos.
No tocante à saude, por exemplo, centenas e mais centenas de brasileiros estao morrendo por falta de assistencia medica; assim sendo, onde encontraremos lugar para atender esses imigrantes miseraveis, os quais possivelmente estao trazendo mais doenças para o nosso pais?
O desemprego tambem é um dado catastrofico para os brasileiros na atualidade, crescendo a cada dia, de sorte que nao hà razao para trazer concorrencia de fora, ainda mais se levarmos em consideraçao que os brasileiros, agora desempregados, vem pagando, hà tantos anos, uma carga tributaria abusiva, e, mesmo assim, com essa onda imigratoria, ainda serao obrigados a dividir as filas das agencias de emprego com estrangeiros que nunca contribuiram, em nada, para o progresso e desenvolvimento do Brasil.
O que dizer dos serviços publicos, que jà sao precarios e insuficientes para atender os brasileiros? Nosso povo terà que disputar lugar com estrangeiros: nas filas dos hospitais, nas filas para obter vagas nas escolas, nas filas para conseguir moradia do governo, nos programas assistencialistas, etc.
A imigraçao, do ponto de vista populista, ainda tem outro lado nefasto, o ideologico.
Hoje os imigrantes sao inofensivos, mas amanha eles passam a ter representatividade, de tal sorte que, no futuro, seremos obrigados, por exemplo, a mudar até mesmo nossos curriculos escolares para "nao impor injustamente a cultura ocidental a eles" (pobrezinhos!).
Com isso, os populistas, cheios de "compaixao" (das vitimas da sociedade), encontram vozes até mesmo no meio dos brasileiros, os quais (como idiotas uteis) saem em defesa daquilo que passam a chamar de "direito" das minorias.
Alias, atualmente, essa tem sido uma guerra silenciosa que tem atingido, por exemplo, até mesmo naçoes de primeiro mundo (desavisadas), como os EUA.
O maior pais protestante do planeta (os EUA), alem de viver uma completa insegurança com relaçao à possibilidade de atentados terroristas, ainda tem que se submeter à agenda populista do muçulmano (nao declarado) Obama, o qual, astutamente, tem usado o tal "direitos das minorias" para ganhar popularidade.
Com isso, a populaçao local é obrigada a assistir o cristianismo e a democracia (bases da cultura ocirdental) serem varridos do cenario nacional, com o apoio dos idiotas uteis (normalmente jovens rebeldes) e de pessoas alienadas que nao passam de vitimas dos programas populistas para fornecer "pao e circo" para o povo.
Os populistas, entao, acabam organizando eventos para desviar verbas publicas e manter o povo na ignorancia (copa do mundo, olimpiadas, shows, etc), enquanto montam verdadeiros imperios.

Ass. Rodrigues

Anônimo disse...

Ultima entrevista de Bolsonaro no RS:
http://www.radioguaiba.com.br/noticia/entrevista-de-bolsonaro-na-radio-guaiba-e-marcada-por-protestos-e-apoio-de-publico/

Anônimo disse...

Está me intrigando uma visão que um menino judeu chamado Natan teve sobre o futuro próximo de Israel. Segundo as pessoas que têm interpretado a visão que esse menino teve, essa visão teria a ver com a 3ª Guerra Mundial, na qual, Israel seria terrivelmente atingido!
O vídeo pode ser visto em
https://youtu.be/VOBKGkn4bOo