25 de dezembro de 2015

O Nascimento de Jesus


O Nascimento de Jesus

Deus enviou o anjo Gabriel à cidadezinha de Nazaré, na Galiléia, a uma virgem prestes a se casar com um homem chamado José, descendente de Davi. O nome da virgem era Maria. Ao entrar, o anjo disse a ela: “Alegre-se! Como você foi agraciada! Agraciada pelo belo agir de Deus! Deus está com você!”
Ela ficou perplexa, pensando muito nas palavras do anjo. Mas ele a tranquilizou: "Maria, não há nada a temer. Deus preparou uma surpresa: você vai engravidar, dará à luz um filho e irá chamá-lo Jesus. Ele será grande, será chamado ‘Filho do Altíssimo’. O Senhor Deus dará a ele o trono de seu pai Davi. Ele governará a casa de Jacó para sempre — E o seu Reino jamais terá fim”.
Maria perguntou ao anjo: “Mas como, se sou virgem?”
O anjo respondeu: “O Espírito Santo virá sobre você, o poder do Altíssimo a envolverá. O filho que você dará à luz será chamado Santo, Filho de Deus. E saiba que sua prima Isabel engravidou, apesar da idade. Todos comentavam que ela era estéril, e agora está no sexto mês de gravidez! Como você pode ver, para Deus, nada é impossível”.
Já sem se conter, Maria exclamou: “Agora tudo está claro: sou serva do Senhor, quero fazer a sua vontade. Que aconteça comigo conforme todas estas palavras”.
Então, o anjo a deixou.
Então, Maria irrompeu em louvor: “Meu coração extravasa em louvor a ti, ó Senhor; Quero dançar ao som da canção do meu Salvador. Deus decidiu olhar para mim, e vejam o que aconteceu: a mulher mais feliz da terra sou eu! O que Deus me fez nunca será esquecido, o Deus cujo nome é santo, para sempre engrandecido. Suas misericórdias sempre se renovam sobre aqueles que de coração o adoram. Ele estendeu o braço e mostrou que é poderoso, dispersou todo arrogante e todo orgulhoso. Derrubou do trono os tiranos assoberbados, e exaltou os simples e humilhados. Aos pobres e famintos deu um banquete extravagante; ficaram a ver navios os ricos arrogantes. Voltou a abraçar Israel, seu filho escolhido; por sua eterna misericórdia sentiu-se compelido. Cumpriu-se a sua promessa! Está consumada! Firmada com Abraão, agora manifestada”.
Naquele tempo, César Augusto ordenou o recenseamento de todo o império. Esse foi o primeiro recenseamento do período em que Quirino era governador da Síria. Cada habitante do império teve de viajar até sua cidade natal para se cadastrar. Por essa razão, José saiu de Nazaré, na Galiléia, e foi a Belém, na Judeia, a Cidade de Davi. Como descendente do rei Davi, ele precisava comparecer em Belém. Maria, sua noiva, que estava grávida, o acompanhou.
Enquanto estavam em Belém, chegou a hora de Maria dar à luz, quando nasceu o tão esperado primeiro filho. Com todo cuidado, envolveu-o em panos e o deitou numa manjedoura. Com tanto gente na cidade, não havia lugar para eles na hospedaria.
Havia pastores de ovelhas na vizinhança que se revezavam em turnos para tomar conta delas durante a noite. De repente, um anjo de Deus apareceu no meio deles, e a glória de Deus brilhou no lugar onde estavam. Eles ficaram aterrorizados, mas o anjo os tranquilizou:
“Não tenham medo. Eu vim para anunciar a melhor notícia do mundo: o Salvador acaba de nascer na Cidade de Davi! Ele é o Messias, o Senhor. Vocês o acharão! O bebê está envolto em panos e deitado numa manjedoura”.
Imediatamente, junto ao anjo surgiu um imenso coro angelical, cantando louvores a Deus:
“Glória a Deus nas maiores alturas, Paz a todos os homens e mulheres na terra que lhe agradam”.
Enquanto o coral de anjos se recolhia ao céu, os pastores disseram eufóricos: “Vamos logo a Belém para ver o que Deus nos revelou”. Eles saíram correndo e encontraram Maria, José e o bebê deitado na manjedoura. Foi ver para crer! E eles saíram contando a todos o que os anjos disseram a respeito do menino. Todo mundo ficou impressionado e estarrecido.
E, atenta, Maria guardava no coração tudo que acontecia. Os pastores voltaram ao trabalho, louvando a Deus pelas maravilhas que tinham visto e ouvido. Tudo aconteceu exatamente como lhes fora dito!
Lucas 1:26-38, 46-55; 2:1-20 A Mensagem
Leitura recomendada:
Celebrando a “condescendência” de Jesus

2 comentários :

Leandro disse...

Excelente mensagem.
O que me faz pensar é que a humanidade, por si só, não merecia essa graça, e poderia seguir sua trajetória rumo ao fim sem o Salvador, e mergulhar ainda mais em seus descaminhos e pecados.
Eis a mensagem central do Natal: "Deus não nos esqueceu!"

Junior Melo disse...

AMém, servo de Deus. HOje temos acesso a Grande SAlvação pelo nascimento, morte e ressureição do Rei dos Reis .Feliz natal;