12 de dezembro de 2015

Número recorde de judeus brasileiros volta para Israel


Número recorde de judeus brasileiros volta para Israel

Fuga da crise e da violência urbana estimula a aliyah

Jarbas Aragão
O jornal Jerusalém Post, um dos mais influentes de Israel, deu destaque nesta terça (8) ao número recorde de judeus brasileiros imigrando para o Estado judeu.
Segundo a reportagem, a motivação deles não é o antissemitismo enfrentado por judeus em muitos outros países, mas a opção de escaparem da crise atual e, sobretudo, da violência urbana.
A imigração para Israel, ou aliyah, a partir do Brasil mais do que dobrou nos últimos quatro anos, de 191 em 2011 para mais de 400 este ano. Para efeitos de comparação, o crescimento médio da aliyah da América Latina, no mesmo período, foi de apenas 7%.
Embora tenha aproximadamente a metade da população judaica da vizinha Argentina, o Brasil foi o país latino que enviou mais imigrantes para Israel por dois anos consecutivos. Calcula-se que 120.000 judeus vivem no Brasil. No ano passado foi fundada a Beit Brasil, organização não governamental sediada em Israel para ajudar os brasileiros que pretendem mudar para Israel.
O jornal entrevistou vários brasileiros que optaram em viver em Israel, mostrando que a preocupação da maioria é um “futuro melhor”.  Embora viver em solo israelense signifique conviver com a constante ameaça por parte dos palestinos, os brasileiros acreditam que estão mais seguros por lá do que no país em que nasceram.
Para o Jerusalém Post, o Brasil é “um dos países mais sangrentos na Terra”, lembrando as estatísticas de que mais de 58.000 pessoas tiveram uma morte violenta por aqui em 2014. O analista Robert Muggah, declara: “Mais pessoas são mortas a cada ano no Brasil por meio da violência intencional do que em qualquer outro lugar do planeta, incluindo a maioria das zonas de guerra do mundo combinados”.
O jornal também mostra como a crise econômica que se acentua está estimulando os judeus brasileiros a procuraram uma estabilidade maior. Afinal, a volta da inflação, a desvalorização do real frente ao dólar e o desemprego galopante criam grande incerteza do que ocorrerá no país.

Volta profética

Não são apenas brasileiros que continuam aumentando os índices da aliyah. Em 2014, 26.429 imigrantes judeus chegaram a Israel. Um grande salto comparado aos 19.012 de 2013. A expectativa é que 2015 termine com um aumento de mais de 40% em comparação ao ano anterior.
A origem da maioria dos olim, como são chamados os judeus que regressam a Israel, é:  Ucrânia (26%), França (25%), Rússia (21%) e Estados Unidos (9%).
De acordo com o Times of Israel, no primeiro semestre de 2015 vieram 3.756 judeus da Rússia e da vizinha Ucrânia quase 6 mil. Um aumento de 52% em comparação a 2014.
Eles estavam fugindo do clima de guerra entre os dois países. Após os atentados na França no mês passado, centenas de judeus franceses encaminharam os documentos para imigrarem para Israel. Mas a grande surpresa desse ano foi a aprovação da aliyah de 9000 etíopes, que constituem o maior bloco étnico. Segundo a tradição, os judeus vivem na Etiópia há 3000 anos, desde a época do reinado de Salomão.
Para os estudiosos de profecias, é significativo que esses números aumentem tanto num ano em que os rabinos vem falando repetidas vezes que a chegada do Messias se aproxima. O rabino Chaim Kanievsky, uma das maiores autoridades do judaísmo ultra ortodoxo, tem pedido que todos os judeus voltem para Israel o mais rapidamente possível. O entendimento é que essa é uma ação espiritual que marca a vinda do Messias judeu.
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

2 comentários :

Walter Monteiro disse...

Está acontecendo... o Dia do Senhor está chegando.

Anônimo disse...

Particularmente, acredito que a igreja, formada por judeus e gentios, é o Israel de Deus (Rm 2:28), mas, de qualquer forma, esse acontecimento chama a atençao de qualquer um, ainda que seja uma aspiraçao natural de todo judeu retornar ao Oriente Medio.
Agora, a noticia que nao quer calar em meu peito é a triste (pra nao dizer desesperadora) realidade da violencia no Brasil, a qual parece contar, de uma forma geral, com a total complacencia de muitas autoridades e com o silencio da midia (tudo pra nao gerar impopularidade contra o governo do crime organizado).
Em outras palavras, as autoridades querem poder, mesmo a custa de muito sangue brasileiro (uma covardia e grande desumanidade para com que sustenta esta naçao).
O que me deixa mais perplexo, ainda, é que nao se vislumbra nenhuma perspectiva de melhora, ou seja, nenhum movimento para frear essa mortandade indiscriminada. Ao contrario, o que assitimos sao os generais das forças armadas dizendo que esta tudo bem, acompanhado de manchetes diarias contra a Policia (uma estrategia do crime organizado).
De fato, o crime organizado e os corruptos dominaram tudo e todos e instalaram, em nossa patria, uma terra sem lei, sem moral e sem dignidade.
SALVE-SE QUEM PUDER!!!