2 de dezembro de 2015

As 50 cidades mais violentas do mundo são quase todas católicas


As 50 cidades mais violentas do mundo são quase todas católicas

Julio Severo
O site Business Insider informou uma nova classificação das cidades mais violentas do mundo, explicando que dois terços dos homicídios mundiais ocorrem na América Latina, ainda que essa região tenha apenas 8% da população mundial, de acordo com dados da ONU. Esse site disse:
“O tráfico de drogas, guerras de gangues, instabilidade política, corrupção e pobreza contribuem para a violência elevada dessa região. [Essa] classificação inclui cidades com uma população de mais de 300.000 e não conta mortes em zonas de combate ou cidades com dados indisponíveis, de modo que algumas cidades perigosas poderiam não estar representadas na lista.”
Essa classificação não inclui a predominância religiosa das cidades. Mas nesta reportagem, eu a incluirei, pois na América Latina a religião sempre foi fundamental para sua existência e inseparável de sua identidade nacional.
A maioria das cidades mencionadas nesta reportagem estão localizadas em nações predominantemente católicas, de acordo com o livro “The CIA World Factbook 2014,” que informa a seguinte predominância religiosa:
Honduras: católicos romanos, 97%.
Venezuela: católicos romanos, 96%.
México: católicos romanos, 82,7%.
Brasil: católicos romanos, 73,6%.
Colômbia: católicos romanos, 90%.
Os Estados Unidos, cuja predominância religiosa é protestante, também estão representados neste relatório, com cidades muito violentas, inclusive St. Louis, Detroit, New Orleans e Baltimore. Coincidentemente ou não, todas essas cidades têm um perfil predominantemente católico.
Eis o relatório do Business Insider sobre as 50 cidades mais violentas do mundo:
1. San Pedro Sula, Honduras teve 171,20 homicídios por 100.000 residentes.
2. Caracas, Venezuela teve 115,98 homicídios por 100.000 residentes.
3. Acapulco, México teve 104,16 homicídios por 100.000 residentes.
4. João Pessoa, Brasil teve 79,41 homicídios por 100.000 residentes.
5. Distrito Central, Honduras teve 77,65 homicídios por 100.000 residentes.
6. Maceió, Brasil teve 72,91 homicídios por 100.000 residentes.
7. Valencia, Venezuela teve 71,08 homicídios por 100.000 residentes.
8. Fortaleza, Brasil teve 66,55 homicídios por 100.000 residentes.
9. Cali, Colômbia teve 65,25 homicídios por 100.000 residentes.
10. São Luís, Brasil teve 64,71 homicídios por 100.000 residentes.
11. Natal, Brasil teve 63,68 homicídios por 100.000 residentes.
12. Ciudad Guayana, Venezuela teve 62,13 homicídios por 100.000 residentes.
13. San Salvador, El Salvador teve 61,21 homicídios por 100.000 residentes.
14. Cape Town, África do Sul teve 60 homicídios por 100.000 residentes.
15. Vitoria, Brasil teve 57 homicídios por 100.000 residentes.
16. Cuiabá, Brasil teve 56,46 homicídios por 100.000 residentes.
17. Salvador, Brasil teve 54,31 homicídios por 100.000 residentes.
18. Belém, Brasil teve 53,06 homicídios por 100.000 residentes.
19. St. Louis, Missouri, EUA teve 49,93 homicídios por 100.000 residentes.
20. Teresina, Brasil teve 49,49 homicídios por 100.000 residentes.
21. Barquisimeto, Venezuela teve 46,46 homicídios por 100.000 residentes.
22. Detroit, Michigan, EUA teve 44,87 homicídios por 100.000 residentes.
23. Goiânia, Brasil teve 44,82 homicídios por 100.000 residentes.
24. Culiacán, México teve 42,17 homicídios por 100.000 residentes.
25. Cidade da Guatemala, Guatemala teve 41,90 homicídios por 100.000 residentes.
26. Kingston, Jamaica teve 40,59 homicídios por 100.000 residentes.
27. Juárez, México teve 39,94 homicídios por 100.000 residentes.
28. New Orleans, Louisiana, EUA teve 39,61 homicídios por 100.000 residentes.
29. Recife, Brasil teve 39,05 homicídios por 100.000 residentes.
30. Campina Grande, Brasil teve 37,97 homicídios por 100.000 residentes.
31. Obregón, México teve 37,71 homicídios por 100.000 residentes.
32. Palmira, Colômbia teve 37,66 homicídios por 100.000 residentes.
33. Manaus, Brasil teve 37,07 homicídios por 100.000 residentes.
34. Nuevo Laredo, México teve 34,92 homicídios por 100.000 residentes.
35. Nelson Mandela Bay, África do Sul teve 34,89 homicídios por 100.000 residentes.
36. Poreira, Colômbia teve 34,68 homicídios por 100.000 residentes.
37. Porto Alegre, Brasil teve 34,65 homicídios por 100.000 residentes.
38. Durban, África do Sul teve 34,48 homicídios por 100.000 residentes.
39. Aracaju, Brasil teve 34,19 homicídios por 100.000 residentes.
40. Baltimore, Maryland, EUA teve 33,92 homicídios por 100.000 residentes.
41. Victoria, México teve 33,91 homicídios por 100.000 residentes.
42. Belo Horizonte, Brasil teve 33,39 homicídios por 100.000 residentes.
43. Chihuahua, México teve 33,29 homicídios por 100.000 residentes.
44. Curitiba, Brasil teve 31,48 homicídios por 100.000 residentes.
45. Tijuana, México teve 29,90 homicídios por 100.000 residentes.
46. Macapá, Brasil teve 28,87 homicídios por 100.000 residentes.
47. Cúcuta, Colômbia teve 28,43 homicídios por 100.000 residentes.
48. Torreón, México teve 27,81 homicídios por 100.000 residentes.
49. Medellín, Colômbia teve 26,91 homicídios por 100.000 residentes.
50. Cuernavaca, México teve 25,45 homicídios por 100.000 residentes.
Pelo fato de que a maioria esmagadora dessas cidades são católicas, algumas perguntas são necessárias. Por que a influência religiosa católica não tem sido suficiente para proteger essas sociedades de violência social generalizada? Por que a Igreja Católica na América Latina tem muitas vezes abraçado a Teologia da Libertação para resolver questões de política, corrupção e pobreza?
O Cristianismo, em seu formato no Novo Testamento, dependia totalmente do Espírito Santo. Há promessas de Deus de que os moveres de transformação do Espírito Santo não estavam limitados ao passado, mas estão também disponíveis para hoje:
“Nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre todos os povos, os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os jovens terão visões, os velhos terão sonhos. Sobre os meus servos e as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão.” (Atos 2:17-18 King James Atualizada)         
O movimento carismático é uma parte do cumprimento dessa promessa.
Entretanto, a Igreja Católica na América Latina tem frequentemente sido muito mais aberta às promessas da Teologia da Libertação do que às promessas da Bíblia sobre o poder de transformação do Espírito Santo. Os católicos latino-americanos têm também sido muito abertos ao sincretismo com várias formas de religiões africanas como o vodu, candomblé e santería. Até mesmo em New Orleans, nos EUA, o vodu está sincretizado com a cultura católica. O Brasil, o maior país católico do mundo, está cheio de candomblé, a variedade brasileira do vodu, que é magia negra. É de admirar que o Brasil seja mais violento do que nações em guerra?
O sincretismo com as religiões africanas (que são vistas como bruxaria pelas igrejas evangélicas) é muito antigo e difundido no catolicismo latino-americano, principalmente o Brasil.
Apesar dessas fortes invasões das trevas na cultura católica latino-americana, a Igreja Católica tem sido muito limitadamente aberta para o movimento carismático e especialmente ao poder do Espírito Santo contra os poderes da bruxaria.
Na América Latina católica, a bruxaria e a Teologia da Libertação têm ajudado a promover a violência, pois a natureza e o espírito delas são demoníacos.
A Igreja Católica na América Latina deveria seriamente considerar o motivo por que ela é menos aberta ao poder de transformação do Espírito Santo, por que seus membros são mais abertos à bruxaria e por que seus membros e líderes são mais abertos ao marxismo.
Com informações do Business Insider.
Leitura recomendada:
Postar um comentário