8 de outubro de 2015

Rússia declara “guerra santa” ao Estado Islâmico


Rússia declara “guerra santa” ao Estado Islâmico

Enquanto isso, Obama fica do lado dos “combatentes da liberdade” que assassinam cristãos

Raymond Ibrahim
A Igreja Cristã Ortodoxa, que mantém um papel importante numa Rússia insurgente, descreve como “guerra santa” a luta de seu governo contra o Estado Islâmico e outros grupos islâmicos de oposição na Síria.
Putin e líderes da Igreja Ortodoxa Russa
De acordo com Vsevolod Chaplin, diretor do Departamento de Assuntos Públicos da Igreja Ortodoxa,
A luta contra o terrorismo é uma batalha santa e hoje nosso país é talvez a força mais ativa no mundo combatendo-o. A Federação Russa fez a decisão responsável de usar as forças armadas para defender o povo da Síria dos sofrimentos causados pela arbitrariedade de terroristas. Os cristãos estão sofrendo na região com o rapto de clérigos e a destruição de igrejas. Os muçulmanos não estão sofrendo menos.
Esse não é algum “truque” novo para justificar uma intervenção na Síria. Durante anos, os líderes ortodoxos da Rússia vêm expressando suas preocupações pelos cristãos perseguidos. Já em fevereiro de 2012, Vladimir Putin se reuniu com representantes da Igreja Ortodoxa Russa. Eles descreveram para ele o tratamento horrível que os cristãos estão sofrendo no mundo inteiro, principalmente no mundo muçulmano:
O diretor de relações eclesiásticas externas, o metropolita Illarion, disse que a cada cinco minutos um cristão é morto por sua fé em alguma parte do mundo, especificando que ele estava falando sobre tais países como Iraque, Egito, Paquistão e Índia. O clérigo pediu a Putin que fizesse da proteção aos cristãos uma das direções de política externa no futuro.
“É assim que vai ser, não tenha dúvida,” Putin respondeu.
Compare e contraste isso com o presidente americano Obama, que nega que existe uma conexão entre ensinos islâmicos e violência; cujas políticas habitualmente dão poder aos islamistas que perseguem cristãos, que impede os representantes cristãos de darem testemunho contra seus opressores; e que até expulsa dos EUA refugiados cristãos de volta aos leões, enquanto aceita dezenas de milhares de imigrantes muçulmanos.
O patriarca russo Cirilo chegou uma vez a escrever uma carta comovente para Obama, implorando ao presidente americano que parasse de dar poder aos muçulmanos de guerra santa que perseguem os cristãos. O patriarca disse: “Estou profundamente convencido de que os países que pertencem à civilização cristã têm uma responsabilidade especial pelo destino dos cristãos no Oriente Médio.” Essa declaração só deve ter garantido que a carta fosse jogada na lata de lixo da Casa Branca.
É claro que a preocupação da Rússia pelas minorias cristãs será tratada com cinismo e desprezo pelos maiores líderes pretenciosos dos dois grandes partidos dos EUA. Embora tais desprezos tivessem repercussão entre os americanos no passado, estão se tornando cada vez menos persuasivos aos que estão prestando atenção, conforme explicado no artigo “Putin’s Crusade—Is Russia the Last Defender of the Christian Faith?” (A Cruzada de Putin: Será que a Rússia é a Última Defensora da Fé Cristã?)
Para nós que crescemos nos EUA ouvindo que os ateus comunistas ímpios da Rússia eram nossos inimigos, a ideia de que os EUA poderiam abandonar Deus e o Cristianismo enquanto a Rússia abraça o Cristianismo poderia no passado ser difícil de aceitar. Mas no ano de 2015, os sinais diários nos EUA mostram um desprezo crescente para com o Cristianismo, sob o primeiro presidente cujas próprias afirmações de ser ele cristão são questionáveis. A tendência oposta exata está acontecendo com a Rússia e seus líderes — uma volta às suas raízes cristãs.
Aliás, um número crescente de americanos que não têm nenhum amor especial pela Rússia ou pelo Cristianismo ortodoxo — desde o magnata bilionário Donald Trump até os evangélicos — estão sendo conquistados pelas opiniões francas de Putin.
Como é que eles não se convenceriam? Depois de um de seus discursos louvando a herança cristã do Ocidente — algo que poucos políticos americanos ousam fazer — Putin concluiu com algo que com certeza deve provocar repercussão entre milhões de americanos conservadores: “Precisamos proteger a Rússia daquilo que destruiu a sociedade americana” — uma referência ao liberalismo anticristão e a libertinagem que perderam o controle no Ocidente.
Até mesmo a resposta do Rev. Franklin Graham à intervenção militar russa na Síria parece inusitadamente positiva, vindo do próprio presidente da Associação Evangelística Billy Graham: “O que a Rússia está fazendo poderá salvar a vida de cristãos no Oriente Médio… Entendam que o governo sírio… tem protegido os cristãos, eles têm protegido as minorias contra os islamistas.”
Se os islâmicos de guerra santa (“rebeldes”) apoiados pelos EUA conseguirem derrubar o governo da Síria, Graham prediz corretamente que haverá “um banho de sangue de cristãos”:
Haveria dezenas de milhares de cristãos assassinados e massacrados e, além disso, haveria centenas de milhares de mais refugiados fugindo para a Europa. Portanto, em relação à Rússia de agora, eu vejo sua presença como ajudando a salvar a vida dos cristãos.
Evidentemente, é um fato comprovado que os “rebeldes bons — chamados de moderados — estão perseguindo os cristãos tanto quanto o Estado Islâmico persegue os cristãos.
Quando lhe perguntaram o motivo por que o governo de Obama está ignorando a perseguição aos cristãos, Graham, ecoando Putin, disse que Obama está mais envolvido em promover a agenda homossexual do que ele está em proteger as minorias cristãs:
Não estou aqui para criticar os gays e as lésbicas e eles certamente têm direitos e compreendo tudo isso, mas este governo tem focado mais nessa agenda do que qualquer outra coisa. Como consequência, o Oriente Médio está ardendo em chamas e há mais refugiados hoje se deslocando do que na 2ª Guerra Mundial. Dava para ter impedido isso.
Aliás, no final, não são as afirmações dos russos de que eles estão travando uma guerra santa para salvar os cristãos da guerra santa islâmica que merecem tratamento de cinismo e desprezo, mas todas as afirmações que o governo de Obama faz para justificar seu apoio à oposição na Síria, quando a maior parte desses opositores nem síria é.
Não existe nenhum “rebelde moderado.” Todos eles estão ansiosos e empenhados numa guerra islâmica para estabelecer a lei islâmica, que é o oposto exato de tudo o que o Ocidente costumava valorizar. Se o “ditador diabólico” Assad mata pessoas no contexto da guerra, os “rebeldes” torturam, mutilam, escravizam, estupram, degolam e crucificam pessoas unicamente porque elas são cristãs.
Como é que dá para preferir os rebeldes em vez de Assad?
E, com base em precedente comprovado — olhe para o Iraque e para a Líbia, os outros países que a liderança dos EUA ajudou a “libertar” — podemos entender que o resultado de derrubar o homem forte secular da Síria será mais atrocidades, mais perseguição aos cristãos, mas igrejas destruídas por bombas, mais locais arqueológicos destruídos e mais terrorismo, inclusive no Ocidente, apesar das garantias absurdas de John Kerry de que a Síria será mais “pluralista” depois da derrubada de Assad.
Portanto, mais uma vez, os EUA se acham do lado dos terroristas islâmicos, que sempre reservam seu melhor para os EUA. Os sauditas — a cabeça da Cobra de Guerra Santa Islâmica diante da qual os presidentes dos EUA estão acostumados a beijar e se prostrar — já estão gritando em protesto e exigindo uma guerra santa islâmica maior na Síria em resposta à atitude corajosa da Rússia de fazer uma guerra santa cristã.
Obama e a grande mídia americana atenderão aos sauditas, inclusive por meio de uma campanha de propaganda maior? Grandes clérigos islâmicos como Yusuf Qaradawi — que já apareceu ao vivo na televisão americana pedindo que os EUA façam uma guerra santa islâmica em prol de Alá contra Assad — parecem ter tal opinião. Os Estados Unidos já deram as boas-vindas à nova piada cruel de que a Arábia Saudita — um dos piores violadores de direitos humanos do mundo — presidirá uma comissão de direitos humanos da ONU.
No final e colocando imperativos políticos de lado, não há como negar a realidade: o que os Estados Unidos e seus aliados ocidentais fizeram e estão fazendo no Oriente Médio — culminando com a ascensão de um califado sanguinário e as piores atrocidades do século XXI — é tão ímpio quanto é santa a determinação da Rússia de lutar.
Raymond Ibrahim é membro do Centro de Liberdade David Horowitz.
Traduzido por Julio Severo do artigo original da revista FrontPage: Russia Declares ‘Holy War’ on Islamic State
Leitura recomendada:
Artigo de Franklin Graham:
Outros artigos de Raymond Ibrahim:

18 comentários :

marcelo victor disse...

Sugiro que os soldados do MST voem de jatinho da FAB pra Síria pra passar um tempinho lá e ganhar um pouco de experiência, eles que gostam tanto dos muçulmanos.

Anônimo disse...

A atitude de Putin vai beneficiar o ocidente pois, uma vez estabelecida a ordem na Síria, vai diminuir o número de pessoas migrando para a Europa como refugiados de guerra.
Só gostaria de corrigir algo que entendo ser um pouco injusto. É quando se coloca o Egito no mesmo balaio com outros países islâmicos ou hindus, no que diz respeito à perseguição de cristãos. Não é que não haja perseguição no Egito, mas nem se compara com outros locais.
Sebastião

Edimar disse...

Não estou entendendo mais nada senhor Júlio. Dias atrás o Mídia Sem Máscara, do qual sou leitor assíduo publicou um artigo excelente deste Raymond. E agora vejo artigo dele no seu blog elogiando a Rússia, sendo que o Mídia retrata a Rússia sempre como o demônio da terra. E agora? O que faço? Aliás, o que o Mídia vai fazer agora? Expulsar o Raymond de lá dizendo que ele está possesso por demônios russos?
Ou o Mídia está louco ou quer deixar todo mundo doido.

Julio Severo disse...

Pois é, Edimar. O artigo de hoje foi escrito pelo americano cristão Raymond Ibrahim, que foi também autor de um artigo do MSM dias atrás e repostado no meu blog aqui: https://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fjuliosevero.blogspot.com%2F2015%2F10%2Fobama-lanca-refugiados-cristaos-aos.html&h=fAQF6yAxq

Julio Severo disse...

Lew Rockwell, fundador e presidente do famoso Instituto Mises, era amplamente elogiado e promovido pelo Mídia Sem Máscara, que já publicou inúmeros artigos dele. Mas desde que o Lew Rockwell publicou um artigo elogiando o presidente russo Vladimir Putin. Rockwell, o MSM terá dificuldade de continuar publicando artigos do Rockwell. Daqui a pouco, o MSM não vi publicar artigo de nenhum conservador cristão americano. Só dos neocons. Veja aqui o artigo que Rockwell publicou: http://juliosevero.blogspot.com/2014/12/vladimir-putin-e-o-lider-do-mundo-moral.html

Julio Severo disse...

Alguns que se dizem anticomunistas são muito mais antirussos do que anticomunistas. E eles conseguem tb ser tão pró-Inquisição e antievangélico quanto antirusso e anticomunista.

Dani disse...

Folha de São Paulo, Estadão, Rede Globo e toda a grande imprensa sustentada pelo PT se posicionam contra Rússia. Mídia Sem Máscara tb contra Rússia. Todo mundo contra Rússia. Só vc Severo quer nadar contra correnteza? Vc é maluco.

Anônimo disse...

Julio Severo é agente sionista. Ele recebe ordem para por enquanto se posicionar a favor da Russia.

Quando isso passar, o mesmo Julio Severo vai ficar contra a mesma Russia.

Unknown disse...

Somente pessoas ignorantes ou moralmente e intelectualmente delinquentes continuam a dizer que o islamismo é uma religião de paz.

Anônimo disse...

Queira ou não, a Russia tem implementado ações que protegem os cristãos e os valores critãos. Quem deveria estar implementado estas ações (EUA), não está fazendo, e pior, agindo em outra direção. Sabemos que não dá para meter a mão no fogo pelo Putin, mas enquanto ele continuar nesta caminhada, terá nossos elogios, ainda que seja por motivações puramente políticas.
Com respeito a dizer que os sionistas estão dizendo para apoiar a Russia, pelo que sei, Israel parece também estar interessado na queda de Assad.

Sebastião

Elias disse...

Os EUA (o establishment político de Washington, o que inclui não só Obama, mas, pior, centenas de políticos dos dois partidos, junto com outros milhares de assessores, "estrategistas", empresários, lobistas, jornalistas etc.) é uma nação que hoje está sob possessão demoníaca.
Eu procuro achar outra explicação, mas não encontro nenhuma.
Os EUA estão abertamente apoiando a Al Qaeda na Síria.
A mesma Al Qaeda que matou milhares de americanos no 11 de setembro.
Só mesmo sob possessão demoníaca por parte de todo, eu repito, todo o establhimnent de Washington para que uma insanidade dessas de apoiar a Al Qaeda acontecer.
Os EUA, definitivamente, selaram seu destino como a "Grande Babilônia", terra de confusão.
Os globalistas desejam ardentemente o fim do Cristianismo e dos cristãos, e nada melhor do que poder contar com fanáticos islamistas jihadistas para fazer esse serviço sujo sem precisar de sujar.
A turma "progressista" de Obama e a turma neocon do McCain atendem aos mesmos interesses globalistas que desejam se livrar desse empecilho que são os cristãos. Tudo em nome do governo global que agora usa a estrutura dos EUA para a implantação de seus planos, assim como no passado usava a estrutura da União Soviética.
A Rússia só conseguiu se livrar da maluquice revolucionária soviética a duras penas, não sem antes causar muitos estragos mundo afora.
E quanto aos EUA? Quanto tempo levará para essa nação se livrar da sua possessão demoníaca de querer se arvorar em senhora do mundo? E quantos estragos o mundo presenciará até que isso aconteça?

Anônimo disse...

OS EUA TEM UM PLANO MUITO BEM ARQUITETADO ENTRE ELES E SEUS CONLUIOS ,PRIMEIRO MUÇULMANOS SAO O INIMIGO DEPOIS SAO AMIGOS ,DESTROI CIDADES MUÇULMANAS , MATA LIDERES -AGORA SAO OS INJUSTIÇADOS ,GANHAM TAPETE VERMELHO PELOS EUA E SEUS PARES E AI DAQUELE QUE SE OPUSER ,MAS ESPEREM ALGUMA ELES VAO LEVAR ,LOGO SEUS PLANOS VAO APARECER. O PRIMEIRO PONTO EM COMUM E DESTRUIR CRISTAOS E SEUS PRECEITOS

Anônimo disse...

Julio, você conhece (ou pode me indicar) algum livro - em português - sobre a religião na Rússia? Acredito que os cristãos, na Rússia, passaram por um período muito difícil enquanto a União Soviética detinha todo o poder sobre a fé da população russa. Pode ser algum artigo. Abraços.

Dom Rafael disse...

É, eu acho que a Grande Questão do Século XXI é:

O QUE QUER A RÚSSIA, AFINAL??? ou o que É a Rússia, afinal!

De um lado, EUA e União Européia, com o homossexualismo, aborto e confissões de que George Soros injetou dinheiro e CRIOU a Crise da Ucrânia.
de outra, a Rússia de Vladmir Putin, que disse que a queda da União Soviética foi uma das maiores catástrofes do século XX, além de que boa parte da culpa da SUBVERSÃO de valores do Ocidente foi causado pela mesma Rússia e KGB!
Como entender isso?!
De certo, há muito mais em jogo do a superfície mostra para a gente, pois, ao que parece, OS DOIS LADOS SÃO MAUS!

Paz

Julio Severo disse...

Não vi, Dom Rafael, até agora nenhum discurso de Putin elogiando a União Soviética ou dizendo que quer sua restauração. Pelo contrário, tenho visto discursos dele elogiando valores cristãos. Por outro lado, muitos dos ataques e acusações contra ele e a Rússia no Brasil têm origem numa ala ultra-radical que se considera católica e distorce tudo o que Putin e a Rússia falam e defendem, inclusive valores conservadores. Você poderá notar, como eu mesmo já notei, que esses pseudo-católicos defendem ardorosamente a Inquisição, que torturou e matou milhares de judeus e evangélicos. Se você pesquisar mais a fundo, você vai ver que esse pseudo-católicos têm também declarações e até artigos também contra os evangélicos. Então o problema deles não é só com Putin, a Rússia e os russos. O problema é bem maior. Tire Putin, a Rússia e os russos do cenário e você sabe que esses radicais vão mirar? Exato: os evangélicos. Pior que há evangélico bobo se juntando a esses pseudo-católicos na luta contra a Rússia sem perceberem que eles serão os próximos na fila.

Minha pergunta é: o que de fato querem esses pseudo-católicos que usam uma suposta luta contra o comunismo e demonização da Rússia como cortina de fumaça para esconder suas reais intenções?

Preciso lembrar que Hitler fez a mesma coisa. Confira: O antimarxismo estridente de Hitler

Fiszpan Porcel disse...

Parece que D'us esta a usar a Russia como certa epoca usou a Babilonia (para punir a idolatria de Israel), o imperio Medo-Persa (para restaurar Israel) e o Imperio Grego (para pavimentar uma "estrada cultural" a unir os povos sob o idioma Grego, facilitando as pregacoes e cartas de Paulo de Tarso a serem lidas por inumeros povos em diversos lugares). Talvez o proposito da Russia (inconsciente por parte desta) seja, dentre outas coisas, avisar ao povo que o Arrebatamento esta mais perto que nunca. Talvez possa ser tambem um provavel gatilho para a eclosao da TGM. Guerra que possivelmente provocaria um colapso financeiro e ensejaria o aparecimento (diante das camaras de TV) do Anticristo.

Julio Severo disse...

Você se esqueceu de mencionar algo, Fiszpan Porcel. Diferente de todos os império pagãos, a Rússia de hoje não é pagã. É o maior país cristão ortodoxo do mundo.

Paulo Junior disse...

Julio concordo integralmente com você, sou católico apostólico romano conservador. No meu meio existem alguns mal informados que são contra a Russia de qualquer maneira. Os argumentos usados por esse pessoal se baseiam nas afirmações do Olavo de Carvalho, usadas ao pé da letra. Eu acho que o Olavo em breve deverá reformular suas ideias a respeito da Russia. Por outro lado tenho visto na internet que os chineses estão se cristianizando rapidamente e logo serão a maior nação cristã do mundo, o que voce acha?