2 de outubro de 2015

Putin para aqueles que apoiaram a “Primavera Árabe” no Oriente Médio: “Vocês percebem o que fizeram?”


Putin para aqueles que apoiaram a “Primavera Árabe” no Oriente Médio: “Vocês percebem o que fizeram?”

Pamela Geller
Comentário de Julio Severo: Pamela Geller é uma americana judia conservadora que tem buscado despertar a consciência dos EUA em relação à grave ameaça do islamismo. Ela é também colunista do site conservador WND, que é frequentemente divulgado por mim há muitos anos no Brasil. Eis o artigo dela:
Putin na ONU: “Vocês percebem o que fizeram?”
Não só os delirantes líderes ocidentais não perceberam o que fizeram, mas Obama estava se gabando de seu sucesso na Líbia em seu discurso na ONU hoje. A Líbia não é nada mais do que um fracasso espetacular — está em caos total. A Líbia se deteriorou tanto que agora está numa sangrenta guerra islâmica. O primeiro-ministro fugiu do país no ano passado. Ironicamente, enquanto Obama estava se gabando de seu sucesso na Líbia, dez morreram em ataques islâmicos em Benghazi. O Estado Islâmico conquistou partes da Líbia e a intenção deles é tomar tudo.
O mundo todo está rindo de Obama — um riso que envolve o sangue dos outros.
Obama prometeu que ele transformaria radicalmente a Líbia. E ele o fez. O discurso de Putin é um momento decisivo — um líder russo dando aulas de direitos humanos e clareza moral para os Estados Unidos.
Putin para aqueles que apoiaram a “Primavera Árabe” no Oriente Médio: “Vocês percebem o que fizeram?” (com agradecimento ao Observatório da Guerra Santa Islâmica [Jihad Watch]).
“Em vez do triunfo da democracia e progresso, ganhamos violência, pobreza e desastre social — e ninguém dá a mínima para direitos humanos, inclusive o direito à vida. Não consigo deixar de perguntar aos que forçaram essa situação: Vocês percebem o que fizeram?
Não, eles não percebem o que fizeram, e estão prontos para fazer mais. E aqueles entre nós que avisaram na época que a “Primavera Árabe” não levaria ao “triunfo da democracia e progresso,” mas à “violência, pobreza e desastre social,” fomos repudiados e zombados como racistas, fanáticos e “islamófobos.” E não importa quantas vezes os analistas da elite interpretem as coisas errado, e com resultados desastrosos e fatais, ninguém nunca os faz prestar contas, e eles continuam aplicando as mesmas soluções fracassadas vezes sem conta.
“Putin: ‘Vocês percebem o que fizeram?’ escrito por Everett Rosenfeld, CNBC, em 28 de setembro de 2015:
O presidente russo Vladimir Putin na segunda-feira admoestou os que apoiaram revoluções democráticas no Oriente Médio, dizendo na ONU que eles levaram à ascensão de um Estado Islâmico que tem ambições mundiais.
“Em vez do triunfo da democracia e progresso, ganhamos violência, pobreza e desastre social — e ninguém dá a mínima para direitos humanos, inclusive o direito à vida,” Putin disse por meio de um tradutor. “Não consigo deixar de perguntar aos que forçaram essa situação: Vocês percebem o que fizeram?”
O presidente russo acrescentou que o vácuo de poder depois dessas revoluções levou à ascensão de organizações terroristas na região — inclusive a organização Estado Islâmico.
Ele disse na Assembleia Geral da ONU que seria um “erro enorme” não cooperar com o governo sírio para combater essa organização extremista.
“Ninguém, exceto as forças armadas do presidente (Bashar) Assad e as milícias curdas, está realmente combatendo o Estado Islâmico e outras organizações terroristas na Síria,” ele disse.
Num discurso anterior na ONU, o presidente Barack Obama disse que seria um erro achar que a Síria poderia ter estabilidade sob Assad.
Reconhecendo algumas das críticas ferozes que foram vergonhosamente lançadas contra a proposta da Rússia, Putin disse que seu país só está fazendo a proposta de ajudar a salvar o mundo do terrorismo.
“Devo apontar que tal abordagem honesta e franca da Rússia foi recentemente usada como pretexto para acusá-la de ambições crescentes — como se os que estão fazendo essas acusações não tivessem nenhuma ambição. Contudo, a questão não tem a ver com as ambições da Rússia, caros colegas, mas com o reconhecimento do fato de que não mais podemos tolerar a situação atual no mundo,” ele disse.
Ele propôs uma “ampla coalizão internacional contra o terrorismo,” assemelhando sua sugestão à coalizão anti-Hitler que uniu interesses diferentes para lutar contra o fascismo na Europa.
Putin avisou que a política internacional para com o Oriente Médio levou a um Estado Islâmico com planos que “vão além” de simplesmente dominar o Oriente Médio. E citando dados recentes sobre fracassos dos EUA em seus esforços para recrutar uma oposição síria “moderada,” Putin disse que os países que fazem oposição a Assad estão simplesmente piorando a situação.
“Cremos que todas as tentativas de evitar confronto direto ou ganhar tempo com os terroristas, sem mencionar armá-los, não só demonstram falta de visão, mas também representam perigo. A consequência disso poderá ser uma ameaça terrorista mundial que poderá aumentar dramaticamente e tragar outras regiões,” disse o líder russo…
Leitura recomendada:
Sobre a Primavera Árabe:
Sobre o Estado Islâmico:
Sobre Vladimir Putin:

4 comentários :

Apostle of Christ disse...

Shalom Júlio!

Em recente discussão com pessoas de grupos conservadores no Facebook, uma pessoa escreveu: "A ausência de uma força conservadora no Ocidente está forçando a Europa a se apaixonar pela Rússia iludida pelo conservadorismo de Putin. Para Ayn Rand, o Estado fascista é a evolução do Estado comunista, o que descreve exatamente a Rússia de hoje, um exemplo de Estado fascista. Portanto, se apaixonar pelo eurasianismo é uma armadilha muito perigosa."

Eu gostaria que você nos desse sua impressão sobre a pessoa e a política de Putin, seu partido e se a defesa de valores conservadores por parte dele é de fato legítima ou apenas uma estratégia de um projeto de poder.

Abraço!

Chag Sameach Sucot! - Feliz Festa dos Tabernáculos!

Julio Severo disse...

Duguinista. As olavetes (seguidores do Olavo) chamam qualquer discordante de “duguinista,” acusação que é lançada até contra mim, embora eu não tenha um único artigo de Aleksandr Dugin no meu blog nem nunca elogiei esse filósofo russo, que é um admirador do bruxo René Guénon, um francês católico que se converteu ao esoterismo islâmico.

Outro grande admirador desse bruxo islâmico é o filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, que, como o próprio Guénon, conhece muito bem o Corão em árabe.

A conexão comum deles — Guénon — faz de Olavo um Dugin brasileiro e de Dugin um Olavo russo?

Se faz, então nesse sentido, somente nesse sentido, a acusação de duguinista contra mim tem base, pois tenho, no meu blog, vários artigos escritos pelo Dugin brasileiro.

Minha fraqueza é apoiar posturas pró-vida e pró-família desde papas até filósofos. Continuarei apoiando essas posturas do Olavo e manterei seus artigos no meu blog, embora ele seja tão guenista (admirador do bruxo Guénon) quanto Dugin.

Para mais informações sobre Olavo, Guénon e Dugin, acesse: http://juliosevero.blogspot.com/2015/01/a-premonicao-magistral-de-rene-guenon.html

Julio Severo disse...

Conhecendo a natureza radical das olavetes, imagino que os duguinistas (seguidores do Dugin) não devem ficar atrás. Guénon seguia um islamismo esotérico e queria um catolicismo esotérico. Como admirador de Guénon, provavelmente o Dugin quer uma Igreja Ortodoxa Russa esotérica. E é difícil dizer que Olavo não quer uma Igreja Católica esotérica.

Julio Severo disse...

Imagino que ao lerem esta matéria, no site de uma grande judia americana conservadora, as olavetes vão pirar e dizer que é tudo mentira. Elas só vão acreditar em algo bom do Putin quando o presidente russo fizer romaria de joelhos até o Olavo. Se as olavetes tivessem cultura conservadora, soubessem inglês e acompanhassem o WND (grande site conservador americano que de forma geral rejeita os neocons), não precisariam seguir as ideias neocons do Olavo. Todo neocon odeia Putin, a Rússia e os russos.