7 de outubro de 2015

Por que a Rússia, e não o Ocidente, defende os cristãos na Síria?


Por que a Rússia, e não o Ocidente, defende os cristãos na Síria?

Gustavo Chacra
Nos EUA, alguns políticos, como os pré-candidatos republicanos Ted Cruz e Marco Rubio, dizem estar preocupados com os cristãos no Oriente Médio. Não duvido da intenção deles. Acho que é genuína. Mas, talvez por ignorância, eles costumam sempre se posicionar contra os lados que defendem os cristãos.
Cristãos sírios
Noto que, muitas vezes, estes lados não são necessariamente os “bonzinhos”. Na Guerra da Síria, por exemplo, todos os lados, sem exceção, são ruins. Mas o fato é que os cristãos sírios, em sua maioria, se sentem protegidos pelo regime de Bashar al Assad, pelo Irã, pelo Hezbollah e, acima de tudo, pela Rússia.
Não que eles gostem do líder sírio, do regime de Teerã e do grupo xiita libanês. Alguns gostam, outros, não. Mas se sentem protegidos por eles diante da ameaça de grupos rebeldes opositores ultra radicais islâmicos, seguindo a ideologia wahabbita do islamismo sunita. Sabem também que, entre os grupos armados da oposição, todos são extremistas, não apenas o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh.
Rubio, Cruz e outros políticos dos EUA, e também algumas igrejas evangélicas americanas, se posicionam justamente contra quem defende os cristãos – ou diretamente contra as milícias cristãs pró-regime. Pode até ser legítimo, caso, por exemplo, pensem na segurança de Israel. O Hezbollah e o Irã são inimigos mortais dos israelenses e possuem dezenas de milhares de mísseis no sul do Líbano apontados para Tel Aviv e Haifa. Também vale o argumento caso queiram se posicionar contra um regime que cometeu crimes contra a humanidade, segundo a ONU, como o de Assad. Mas não vale caso eles digam que querem defender os cristãos.
A Rússia entende melhor o cenário na Síria. Entrou no conflito por uma série de motivos, entre eles, para defender os cristãos. É importante notar que a maior parte dos cristãos sírios são ortodoxos, com minorias melquitas, maronitas e assírias. Estes cristãos não se identificam com os evangélicos do Ocidente. Mas se identificam e muito com a Rússia, maior nação cristã ortodoxa do mundo.
Ontem, o Patriarca Russo defendeu a intervenção de Putin na Síria dizendo que isso é fundamental para defender os cristãos. Ao longo do conflito, o maior líder cristão da Rússia também declarou uma série de vezes apoio ao regime de Bashar al Assad por proteger os cristãos. Outros patriarcas cristãos do mundo árabe realizaram reunião ecumênica recentemente em Damasco para apoiar o líder sírio – Damasco é sede de quatro patriarcados cristãos.
Ao longo destes meus anos cobrindo o conflito, sempre fiquei surpreso como muitas vezes o Ocidente não entende o cristianismo oriental. A França até entendia os ocidentalizados e francófonos cristãos maronitas de um Líbano que deixou de existir em 1975. Hoje, nem os franceses.
Já os russos, por incrível que pareça, são os que melhor leem a situação dos cristãos. Nos EUA e mesmo no Brasil, infelizmente, pessoas que talvez sejam bem intencionadas entendem completamente errado a situação dos cristãos. Por exemplo, Ted Cruz ter sido vaiado por cristãos destes lugares quando defendeu Israel em palestra. O senador pelo Texas achava que os cristãos sírios fossem defensores dos israelenses. Coitado. Nunca havia conversado com um cristão de Damasco antes.
Fonte: Estadão
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

3 comentários :

Osvaldo Aires Bade disse...

IGREJA ORTODOXA RUSSA DECLARA GUERRA AO ESTADO ISLÂMICO! TEREMOS UMA GUERRA MUNDIAL COM VIÉS RELIGIOSO? http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2015/10/igreja-ortodoxa-russa-declara-guerra-ao.html

Saga Oliveira disse...

Lembrar que a Rússia e países relacionados a ela desde a ex-URSS não necessariamente protegem os cristãos em geral, na verdade existe perseguição a cristãos nestes países e não deixa de haver rivalidade e hostilidade entre denominações. Eles tomam partido a favor de ortodoxos, seja na Rússia, na Ucrânia, na Georgia ou no Oriente Médio.

"É importante notar que a maior parte dos cristãos sírios são ortodoxos, com minorias melquitas, maronitas e assírias. Estes cristãos não se identificam com os evangélicos do Ocidente."

Sim, eles não se consideram evangélicos, também podem se ofender em serem relacionados aos católicos romanos.

Então repetindo, a atuação e o discurso da Rússia quanto a Síria, ao falar de cristãos, tem em mente cristãos de matriz ortodoxa. Não pensem irmãos evangélicos e/ou pentecostais que seriam bem vistos e tratados na Rússia ou Ucrânia, pois são países onde o nacionalismo e a religião se misturam, existe o conceito de religião de nossos pais, de nossa terra, nossas tradições, e veem com péssimos olhos a conversão para seitas ocidentais.

Helena disse...

Verdadíssima, Saga. Os cristãos ortodoxos da Síria e Iraque, que estão sendo dizimados pelo ISIS, não aceitariam a conversão de um dos seus para a religião evangélica ou católica.