4 de setembro de 2015

Vídeos Provocam Protestos Internacionais contra a Federação de Planejamento Familiar


Vídeos Provocam Protestos Internacionais contra a Federação de Planejamento Familiar

Wendy Wright
NOVA IORQUE, EUA (C-Fam) Vídeos secretamente filmados de funcionários da Federação de Planejamento Familiar nos EUA coletando e vendendo órgãos de bebês abortados desencadearam protestos em sete países no último final de semana — e provocaram questionamentos sobre a amplitude das práticas.
“Considerando que a entidade Marie Stopes International também realiza abortos de último trimestre, é portanto justificado pedir que práticas suspeitas de seus centros de aborto na Inglaterra e outros países passem por intensas investigações governamentais,” disse Bernadette Smyth da entidade pró-vida Precious Life em Belfast onde mais de 100 pessoas protestaram.
Durante semanas, o Centro de Progresso Médico vem divulgando vídeos filmados secretamente de elevadas autoridades médicas da Federação de Planejamento Familiar loquazmente discutindo técnicas de aborto, tais como abortos ilegais de nascimento parcial, para extrair corações, pulmões e cérebros intactos — às vezes enquanto o bebê ainda está vivo — e barganhando sobre preços para vender aos pesquisadores. Essas práticas colocam as mães em risco maior e violam leis contra a venda de tecidos fetais.
Dezenas se ajuntaram em frente da Associação de Planejamento Familiar da Eslováquia “para expressar solidariedade pelos esforços de pessoas nos EUA sobre a abolição da [Federação de Planejamento Familiar] em seu país e rejeitar esforços para introduzir práticas semelhantes na Eslováquia,” declararam os organizadores.
Anna Záborská, membro do Parlamento, criticou médicos na organização eslovaca por não condenarem a Federação de Planejamento Familiar. “Que garantia as mulheres e meninas têm de que, para esses médicos, é principalmente sobre a saúde das mulheres, e não seus próprios benefícios profissionais ou financeiros,” ela disse à multidão.
A organização eslovaca de planejamento familiar havia se juntado a uma declaração em julho da Rede Europeia da Federação de Planejamento Familiar afirmando que as mulheres doaram voluntariamente partes de corpos de seus bebês e a filial americana não “se beneficiou” com isso. Desde então um vídeo foi divulgado de um técnico declarando que os órgãos de bebês eram coletados sem o consentimento de sua mãe.
“Se havia um [bebê] de gestação mais elevada e o técnico precisasse dele, havia ocasiões em que eles só pegariam o que queriam,” disse Holly O’Donnell, um informante que no passado trabalhava com StemExpress, uma firma que trabalhava com a Federação de Planejamento Familiar. Os colegas de trabalho dela “não ‘consentiriam’ com as doadoras.”
Na Irlanda, ativistas pró-vida seguravam pôsteres de bebês em gestação perguntando “Quanto Valem as Partes de Seu Corpo?” Eles querem que seu governo pare de financiar a Associação de Planejamento Familiar, que recebeu 146.807 de dólares da Federação de Planejamento Familiar.
“Parte desse dinheiro vem da extração de órgãos de bebês abortados?” perguntou Clare Molloy da entidade Youth Defence. “Eles condenarão a prática horrenda de cortar profundamente a face de um bebê para extrair o cérebro, enquanto o coração do bebê ainda está batendo?”
Com menos de 24 horas de aviso, 30 pessoas protestam na sede, que fica em Londres, da Federação Internacional de Planejamento Familiar. “Esperamos que esse protesto tenha agido como testemunha” contra o desmembramento e venda de corpos de bebês, “e tenha mostrado que há apoio internacional para o movimento #ProtestPP [Proteste contra a Federação Internacional de Planejamento Familiar],” disse Philip Campbell, um ativista pró-vida.
Os protestos ocorreram na Inglaterra, Honduras, Irlanda, México, Holanda, Irlanda do Norte e mais de 340 cidades nos EUA onde aproximadamente 70.000 participaram. Recebeu publicidade mediante a mídia social como #ProtestPP e #PPSellsBodyParts.
Theresa King de Virgínia esperava 100 pessoas nesse primeiro evento que ela já havia organizado.
 “Cara, eu estava errada. Tínhamos cerca de 10 vezes mais que isso, com uma estimativa de 750-800. Esses vídeos realmente trouxeram muita coisa à luz e convenceram as pessoas a se tornarem ativas.”
Vários estados americanos pararam de financiar a Federação de Planejamento Familiar devido às exposições. Mais vídeos ainda serão divulgados.
Tradução: Julio Severo
Fonte: Friday Fax
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Anthony Comstock: o primeiro ativista pró-vida da história moderna

Nenhum comentário :