19 de setembro de 2015

Obama nomeia homossexual assumido para liderar Exército dos EUA


Obama nomeia homossexual assumido para liderar Exército dos EUA

Julio Severo
Eric Fanning, um oficial de longa data do Pentágono que é um homossexual assumido, foi nomeado pelo presidente Barack Obama para liderar o Exército dos EUA.
Eric Fanning
“Eric traz muitos anos de experiência comprovada e liderança excepcional para esse novo papel,” Obama disse numa declaração, o jornal Washington Post informou na sexta-feira. “Aguardo ansiosamente trabalhar com Eric para manter nosso Exército como o melhor do mundo.”
Suas palavras e ações são radicalmente contrárias às palavras e ações do Pai dos Estados Unidos.
Conforme está registrado nos “The Writings of George Washington” (10 de março de 1778, 11:83-84, Gráfica do Governo dos EUA, 1934), George Washington ordenou: “Numa corte marcial geral, o tenente Enslin, do regimento do coronel Malcom, foi julgado por tentar cometer sodomia com o soldado John Monhort… que ele seja sentenciado a ser dispensado do serviço militar. Eu, o comandante-em-chefe, aprovo a sentença e com nojo e ódio de tais crimes infames ordeno que o tenente Enslin seja expulso do acampamento amanhã de manhã com anúncio público e alto para nunca mais voltar.”
Washington, o Pai dos Estados Unidos, ordenou que um soldado fosse expulso por tentar cometer um ato de sodomia. No caso de Fanning, não houve só tentativa. Ele cometeu o ato.
Você quer a verdade nua e crua? Tenho certeza de que no caso de Obama e de Fanning, o Pai dos Estados Unidos aprovaria sentença neles e trataria, com nojo e ódio, a sodomia e defesa da sodomia deles como um crime infame.
No mínimo, Obama seria expulso da presidência dos EUA e Fanning seria expulso do Exército, ambos com desonra, para nunca mais voltarem. Ambos cometeram traição contra o Pai dos Estados Unidos.
Lamentavelmente, Fanning e sua homossexualidade assumida não são os únicos escândalos no Exército dos EUA. Obama e sua defesa homossexual descarada não são os únicos escândalos no governo dos EUA. Há reportagens, até mesmo de líderes cristãos americanos, de que as ações militares e políticas dos EUA têm favorecido opressores islâmicos e prejudicado vítimas cristãs. Três artigos importantes são:
O Pai dos Estados Unidos nunca teve a intenção de que seu Exército abrigasse defensores da homossexualidade. Seria nojento e detestável para ele.
Ele nunca teve a intenção de que seu Exército favorecesse opressores islâmicos à custa de sangue cristão. Seria totalmente nojento e detestável para ele.
A intenção dele era que o Exército dos EUA fosse apenas um protetor dos EUA, não uma força policial mundial para impor uma “democracia” pró-islamismo, pró-sodomia, pró-aborto e anticristã no mundo inteiro.
Tenho lido muito sobre americanos que se orgulham de defender seus direitos de ter e usar armas argumentando que as armas são importantes para proteger a si e suas famílias. Concordo totalmente com eles. Mas o argumento deles também diz que as armas são necessárias contra um governo tirânico.
Um governo que trata, com nojo e ódio, a postura antissodomia de Washington não seria tirânico?
Um governo que favorece opressores islâmicos à custa de sangue cristão não seria tirânico?
Uma verdade nua e crua para os americanos defensores de porte de armas: se vocês não conseguem agir agora, para que serve seus direitos de ter e usar armas?
Washington teria ficado totalmente envergonhado com um Exército dos EUA liderado por um homossexual assumido.
Ele teria ficado totalmente envergonhado com um Exército dos EUA que favorece opressores islâmicos à custa de sangue cristão.
E será que ele ficaria honrado com defensores de armas que não movem um dedo enquanto o Exército dos EUA favorece opressores islâmicos à custa de sangue cristão?
Um americano verdadeiramente patriota faria uma revolução.
Por muito menos, Washington fez uma.
Esta é a verdade nua e crua.
Com informações do WND.
Leitura recomendada:

5 comentários :

Eliana disse...

Os americanos do passado, verdadeiros patriotras, faziam revoluções contra o mal. Os americanos de hoje são medrosos, preferindo cuidar de suas vidinhas enquanto o mal se alastra. A América de ontem não existe mais. O que existe hoje é outra América.

marcelo victor disse...

Seria surpeendente se esse individuo fizesse exatamente o contrario, mas, vindo de um demonio ateu-comunista, o que poderiamos esperar?

Creio que nao deve demorar muito tempo pra esse demonio aparecer, diante da midia, sentado no colo de um bigodudo, pois, como ele prega abertamente, a moral judaico-crista (que ele chama de preconceito) nao faz parte do seu dicionario (de capa cor de rosa).

Quem deve estar vibrando com tudo isso devem ser os inimigos dos norte-americanos, pois, assim como os sodomitas possuem uma queda pro lado feminino, a partir desta data o Exercito dos EUA, seguindo a postura do seu (sua) comandante, certamente deixarà a rusticidade um pouco de lado e seguirà a ideologia do "paz e amor colorido". Existe uma maxima que diz: "a tropa é espelho do seu comandante").

A meu ver, os sodomitas norte-americanos acabaram de entrar em xeque, pois, como no caso das paradas do orgulho sodomita, em que eles deveriam dar bons exemplos para que a sociedade fosse convencida de que nao se trata de um desvio de personalidade, ingenuamente eles fazem exatamente o contrario, pondo para fora tudo o que realmente sao e representam.

Da mesma forma, esse sujeito està em xeque, pois se ele afrouxar e desenvolver açoes para fazer dos combatentes americanos um bando de moças, quem vai sofrer o reflexo é a propria sociedade norte-americana. Mas, se ele radicalizar e sair destruindo tudo, a sua ideologa de vida irà cair por terra (para se juntar à sua moral de homem, ou meio-homem).

Nao duvido que em breves tempos haja mudança na cor da farda americana, para um tom menos agressivo, ou esse(a) comandante mande pintar um arco iris em cada intalaçao militar, ou determine que cada general ponha uma rosa na lapela das suas fardas...o piro està por vir.

Vou mais alem (pois esse espirito é ousado): como simbolo maximo da cultura da nova era, eu nao duvido que futuramente Obama tire a cor branca da casa Branca e a pinte de ROSA, em nome da liberdade.

Paulo Pimentel disse...

Prezado Julio, para que sua argumentação tenha a relevância que é proposta é preciso caracterizar que a repulsa do pai fundador foi à homossexualidade, e não somente ao cortejamento dentro da caserna.

Julio Severo disse...

Comentário sem noção, Pimentel. Duvido muito que você seja evangélico. Mas Washington era evangélico. E, naquele tempo, 98 por cento da população dos EUA eram evangélicos, percebendo, como eu mesmo, que a palavra “abominável” é empregada, pelo próprio Deus, de forma especial para a sodomia. Portanto, qualquer cidadão americano daquele tempo entenderia isso sem dificuldades. Contudo, duvido que mesmo alguém que não seja evangélico tenha deixado de perceber isso. Fica difícil então entender sua extrema dificuldade de compreender.

marcelo victor disse...

Essa atitude degradante e desafiadora do ateu-comunista Obama, por certo, representa um aviso intimidatorio para todo o mundo, garantindo que os EUA usarao, se necessario for, todo o seu poderio belico contra aqueles que se opuserem à agenda sodomita.

O interessante é que essas açoes, nitidamente diabolicas, parecem se repetir por toda a parte do mundo. No Brasil, nao è diferente, pois o Comandante do Exercito admitiu,m publicamente, que as Forças Armadas estao à merce de quem quer que seja que se assente no trono do Palacio do Planalto (mesmo que seja um doente mental, um facista, um guerrilheiro comunista, um filho de Fidel, um Hitler sodomita, ou coisa parecida).