12 de agosto de 2015

Para Hermes C. Fernandes, ser gay não é uma opção


Para Hermes C. Fernandes, ser gay não é uma opção

Julio Severo
Hermes C. Fernandes, figura que no passado era desconhecida, mas começou ganhando notoriedade no tabloide sensacionalista Genizah, disse no seu artigo recente “Ser gay não é uma opção! Descobertas as razões biológicas da homossexualidade”:
“Como já tenho alardeado, homofobia é pecado. E quanto à homossexualidade, poderíamos dizer o mesmo? É pecado ser homossexual? O que diz a Bíblia acerca disso? O que dizem as últimas descobertas científicas? Sim, uma questão está intimamente ligada a outra, porque, se for comprovado cientificamente que a orientação sexual tem fatores biológicos, logo, teremos que rever o que tem sido dito acerca da homossexualidade em nossos púlpitos. Como Deus poderia condenar algo sobre o qual o indivíduo não tenha qualquer controle? Se o próprio Deus o criou nessa condição, que culpa lhe restaria?”
De fato, Hermes realmente conseguiu apresentar “comprovações científicas de que a chamada “orientação sexual” tem fatores biológicos. O que ele fez foi citar “estudos científicos de Simon LeVay, Michael Bailey, Richard Pillard, Dean Hammer, etc.
E agora que ele fez um “saneamento científico” da Bíblia, os pastores precisarão rever o que dizem acerca da homossexualidade em seus púlpitos?
E agora, Deus terá de rever Suas declarações na Bíblia que condenam a homossexualidade?
As editoras evangélicas precisarão rescrever a Bíblia para tratar a homossexualidade não como pecado, mas como “amor alternativo” ou “orientação sexual” inata e imutável?
O livreto “Respostas Diretas,” publicado por Focus on the Family em 2003, detona as fontes “científicas” de Hermes (Simon LeVay, Michael Bailey, Richard Pillard, Dean Hammer). Repostas Diretas diz:
* Vários pesquisadores encontraram erros no famoso estudo cerebral de Simon LeVay feito em 1991 que tentava encontrar diferenças entre os hipotálamos (pequena parte do cérebro) de supostos homossexuais e de heterossexuais. Um pesquisador afirmou: “Seria eufemismo dizer que esse experimento é extremamente dúbio. LeVay tenta afirmar que encontrou diferença entre o cérebro dos homossexuais e dos heterossexuais quando, na verdade, nem tem certeza se há heterossexuais nesse grupo”.
* Em 1991, o psicólogo Michael Bailey e o psiquiatra Richard Pillard tentaram demonstrar que o homossexualismo ocorre com mais frequência entre gêmeos idênticos que em gêmeos fraternos. O estudo continha erro grave: Todos os gêmeos avaliados haviam crescido juntos. Esses pesquisadores não compararam as descobertas com um grupo-controle de gêmeos criados separados. Se tivessem, descobririam outros fatores influentes, tais como ambiente familiar e relacionamento com os pais, sem mencionar o fato de que somente na metade dos casos dos gêmeos idênticos analisados ambos eram homossexuais. Portanto, se o estudo tivesse demonstrado que o homossexualismo em gêmeos era genético, ambos os gêmeos teriam de ser homossexuais em 100% dos casos.

* Em julho de 1996, cinco pesquisadores dirigidos por Dean Hammer no Instituto Nacional de Câncer publicaram um estudo que tentava ligar o homossexualismo masculino a região genética específica do cromossomo X. Todavia, o Dr. Joseph Nicolosi, diretor da Clínica de Psicologia Thomas Aquinas, comenta: “O homossexualismo é muito mais complexo que mera conduta e inclui muitas dimensões complexas, entre elas pensamentos, emoções, fantasias, atrações específicas e identidade”.
Hermes C. Fernandes se considera bispo, mesmo sem aceitar a Palavra de Deus nos termos de Deus. Ele quer o título de bispo, mas não a essência da responsabilidade de um bispo, que é zelar pela Palavra de Deus, que diz:
“Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher; é repugnante.” (Levítico 18:22 NVI)
“Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem os que se entregam a práticas homossexuais de qualquer espécie, nem ladrões, nem avarentos, nem viciados em álcool ou outras drogas, nem caluniadores, nem estelionatários herdarão o Reino de Deus.” (1 Coríntios 6:9-10 King James Atualizada)
Hermes não está satisfeito com a Bíblia condenando as práticas homossexuais. Mas ele fica satisfeito e excitado toda vez que aparece um estudo “científico” que dê suporte para seus sentimentos e paixões. Ele apoiará qualquer pseudociência que lhe forneça um pretexto para abandonar o ensino claro da Palavra de Deus. E se não houver uma ciência fajuta e vagabunda para lhe dar respaldo, há sempre o último recurso dos covardes espirituais: tudo em nome do amor. Esse recurso é tão antigo quanto a própria Bíblia, que nos alerta sobre os deturpadores em nome do amor e da graça. A Bíblia diz em Judas 1:4:
Alguns homens que não temem a Deus entraram no meio da nossa gente sem serem notados. Eles torcem a mensagem a respeito da graça do nosso Deus a fim de arranjar uma desculpa para a sua vida imoral. (NTLH)
Certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem. (NVI)
Certos indivíduos, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se em vossa congregação com toda espécie de falsidades. Essas pessoas são ímpias e adulteraram a graça de nosso Deus em libertinagem. (King James Atualizada)
O que ocorre é que alguns indivíduos se infiltraram em nossas comunidades (as Escrituras nos advertiram que isso aconteceria). Eles têm aparência de espiritualidade, mas não passam de canalhas sem escrúpulos. O objetivo deles é substituir a graça pura do nosso Deus por pura libertinagem. (A Mensagem)
Não é à toa, pois, que Hermes seja grande admirador de Caio Fábio, o pregador da “graça” e do “amor,” o mago da Teologia da Missão Integral.
A esquerda apologética, que critica bispos e apóstolos, poupa Hermes, cuja notoriedade nasceu no meio dela. Se alguma vez o título de bispo mereceu crítica, é no caso de Hermes.
Anos atrás, eu já dizia que ele era liberal e esquerdista. O espírito da TMI transpirava em suas palavras e vômitos.

O espírito da TMI leva ao espírito da Teologia Gay. Abrir o coração para essa teologia é abrir as portas para a possessão do demônio do liberalismo teológico.
E um sinal inescapável do efeito da TMI em seus envolvidos é: cedo ou tarde eles acabam abraçando a Teologia Gay.
Minha pergunta agora é: quem da blogosfera “apologética” calvinista, que tem o vício de bater em pentecostais e neopentecostais, vai bater em Hermes?
Em 2009, denunciando o que ele chamou de “loucura gospel,” Renato Vargens apontou que havia “sete mil que não haviam dobrado os joelhos a Baal,” entre os quais ele louvou publicamente Hermes C. Fernandes, Genizah e Ariovaldo Ramos, chamando-os de “defensores da fé.”
No blog do apologeta calvinista Vargens, há centenas de citações positivas de Hermes. Quando precisou “criticar” Hermes recentemente, o apologeta teve o máximo de delicadeza possível, como se estivesse tocando na Sua Majestade Real, dizendo: “Antes de qualquer coisa gostaria de ressaltar que este texto não visa atacar o Bispo Hermes Fernandes, o qual respeito.” Vargens preferiria ter um infarto a ter de dizer que algum ensino do Hermes tem heresia ou loucura gospel. É sempre ao Hermes com carinho. No caso dos neopentecostais, é exatamente o contrário: Ele preferiria ter um infarto a ter de dizer que eles — com suas experiências de dons de cura, profecia, revelação e batismo no Espírito Santo — não estão envolvidos em heresia e loucura gospel. É sempre aos neopentecostais com explosivos.
O culto a Baal, que envolvia sacrifício de bebês — que hoje equivale à prática do aborto, defendida pela Esquerda —, era realizado por sacerdotes homossexuais. No que depender de Hermes, esses sacerdotes poderão fazer parte da igreja, tudo na “graça” e no “amor” — e também sob o selo da “ciência” que, para Hermes, é a palavra final acima da Palavra de Deus.
E agora? Quem vai denunciar que os “defensores da fé,” especialmente Hermes, são na verdade adoradores de um Baal científico que ainda não saíram do armário?
Como é que os pecadores homossexuais vão querer libertação em Jesus quando os “defensores da fé” lhes escondem o fato de que quem pratica atos homossexuais não pode entrar no Reino de Deus?
Quem vai denunciar esses “defensores da fé,” que pregam “graça” e “amor,” adoram “verdades” científicas que rejeitam o ensino da Bíblia e escondem a Verdade que cura, salva e liberta?
Se, como declarou enfaticamente Hermes, ser gay não é opção, então a Bíblia está errada e precisa ser “corrigida.” Contudo, se a homossexualidade é comportamento e pecado, a Bíblia está certa e Hermes está errado. Quem agora corrigirá o bispo Hermes C. Fernandes em seus erros?
Leitura recomendada:
Postar um comentário