25 de agosto de 2015

Bispo Macedo e homossexualismo


Bispo Macedo e homossexualismo

Julio Severo
O site oficial da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) anunciou que seu fundador Bispo Edir Macedo tem uma postura diferente, na questão homossexual, da posição de muitos líderes evangélicos.
Bispo Macedo
Segundo o site, Macedo disse: “Deus não quer nada imposto. E nós na Igreja Universal não impomos nada a ninguém. (...) Há muitos crentes, pastores e igrejas levantando uma bandeira contra o movimento gay, contra o casamento de homossexuais. Eu pergunto: Jesus faria isso se estivesse vivendo no nosso tempo? Eu não creio que Ele faria. Porque no tempo dEle já havia homossexuais e Jesus não falou nada. Jesus não levantou uma bandeira, falando: ‘Olha, vocês têm que falar contra o homossexualismo, que é proibido, que não deve.’”
Macedo iniciou sua opinião já expondo uma informação contraditória, pois existe imposição na IURD — com relação a ofertas. Uma boa parte dos cultos dessa estranha igreja neopentecostal é dedicada a impor sobre a consciência dos membros que sem ofertas elevadas, não há benção. Embora não seja uma pressão legal, é uma imposição e manipulação psicológica. O resultado da pressão psicológica é dinheiro de ofertas jorrando para os cofres da IURD e enriquecendo seus líderes maiores, inclusive Macedo, que é podre de rico às custas dos ofertantes.
De fato, Jesus realizava uma abundância de milagres de cura e libertação, mas nunca O vemos dizendo: “Se você quer ganhar um milagre, participe da Campanha dos Milagres, com uma oferta (psicologicamente obrigatória, como sempre), de metade ou mais do seu salário. Você precisa sacrificar seu bolso!” Não, com Jesus ninguém precisava esvaziar os bolsos e encher os bolsos dos outros. Mas todos recebiam milagres. Com Macedo é diferente: só quem enche o bolso dele é digno de receber milagres. Grandes sacrifícios, grandes milagres. Sua teologia é uma agressiva teologia da prosperidade.
Quanto à opinião politicamente correta de Macedo de que Jesus não falou nada sobre homossexualismo, essa perspectiva, que não é originalmente dele, tem sido expressa por evangélicos progressistas (outra designação para socialistas). O Pr. Carlos Bezerra, que é considerado o político ideal pelo tabloide sensacionalista socialista Genizah, disse em 2013:
“Quantas vezes Jesus falou sobre homossexualidade? Respondo: Nenhuma… No topo da lista dos confrontados pelo Mestre estavam os homossexuais?”
Bezerra é também deputado estadual e o líder do PSDB em São Paulo. É com sua convicção de que Jesus não condena o homossexualismo que ele nunca mobilizou o PSDB para deter as várias leis homossexualistas que estão avançando furiosamente no Estado de São Paulo, que é governado pelo PSDB.
Respondendo a Macedo, que está imitando Bezerra, dá para se dizer também: “Quantas vezes Jesus falou sobre abuso sexual infantil? Nenhuma… No topo da lista dos confrontados pelo Mestre estavam os estupradores de crianças?”
Deveríamos remover a agenda gay e o abuso sexual infantil das preocupações cristãs somente porque Jesus nunca mencionou diretamente essas questões?
Jesus só não atacou de frente a agenda gay porque essa não era a obsessão da sociedade judaica em que ele ministrou o Evangelho. Cada geração tem seus próprios desafios e ênfases. Sem o Espírito Santo para nos orientar na Palavra de Deus, é impossível dar uma resposta a esses desafios e ênfases. Nesse ponto, é importante dar atenção às palavras de Lutero: “Se eu professo com a mais alta voz e a mais clara expressão cada porção da verdade de Deus, exceto precisamente aquela pequena porção que o mundo e o diabo estão, neste momento, atacando, então eu não estou [realmente] confessando Cristo, por mais que eu cante de galo clamando que O estou professando.”
Jesus falou ou não falou contra o homossexualismo? Se acreditamos na Palavra de Deus, a resposta é sim.
“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus.” (João 1:1 King James Atualizada)
Jesus é a Palavra. Quando vemos Levítico ou Romanos condenando as práticas homossexuais, é Jesus quem está falando. Quando vemos o Antigo ou o Novo Testamento condenando as práticas homossexuais, é Jesus quem está falando.
Nessa altura, alguns poderiam concluir que Macedo está seguindo alguma profecia ou revelação doida que o fez se desviar da Palavra de Deus. Na verdade, Macedo rejeita toda profecia e revelação para os dias de hoje. Ele acredita que tais manifestações do Espírito Santo estavam disponíveis apenas dois mil anos atrás e que hoje profecias e revelações são demoníacas. Com relação a profecias e revelações, ele segue a heresia cessacionista.
Se vier então uma profecia ou revelação ao Macedo dizendo “Macedo, pare de apoiar o PT. Pare de defender o aborto. Pare de se juntar aos esquerdistas para atacar meus servos que alertam contra a agenda gay” a resposta dele será: “Xô, Satanás! Expulso você de minha vida com todas as suas falsas direções.”
Eu creio em revelação e profecias cristãs como dons dados pelo Espírito Santo para equipar sua igreja. Mas preciso desses dons para rejeitar o PT, o aborto e a agenda gay? Claro que não. Nunca precisei desses dons para saber que o PT, o aborto e a agenda gay são malignos.
E como dizer que lutar contra essas agendas malignas não tem parte numa manifestação profética dos últimos dias? A profecia de Malaquias 4 diz que antes do grande Dia do Senhor, Ele vai enviar o profeta Elias, cujo ministério era lutar contra o culto ao deus Baal, que era permeado de sacrifício de bebês — equivalente hoje ao aborto — e sacerdotes homossexuais — que equivalem hoje ao estado atual do homossexualismo, que é considerado sagrado por leis imundas.
Isto é, o profeta Malaquias profetizou a restauração do ministério profético de Elias para os últimos dias. Ops, esqueci que Macedo não acredita em profecias…
Se Macedo não está seguindo profecias e revelações, então quem ele está seguindo? Na questão homossexual, ele está seguindo Bezerra, que é esquerdista. Mas não é de hoje que Macedo vem se abraçando com a Esquerda. Embora ele hoje condene pastores que levantam uma bandeira contra o movimento gay e contra o “casamento” homossexual, ele é famoso por seu apoio político a Lula e Dilma Rousseff. Há anos, Macedo vem levantando a bandeira do PT na IURD.
Usando o mesmo padrão de Macedo, eu pergunto: Jesus faria isso se estivesse vivendo no nosso tempo? Eu não creio que Ele faria isso.
Embora ele declare que a IURD não impõe nada a ninguém, nenhum pastor da IURD parece se lembrar disso em época de eleição, quando impõem sobre suas congregações a escolha de apenas candidatos indicados pela direção nacional da IURD. E quando esses candidatos são eleitos, seu trabalho tem de estar alinhado com os mandos e desmandos do chefão da IURD. Se o chefão levanta a bandeira do PT, todos têm de imitá-lo.
Eu pergunto: Jesus faria isso se estivesse vivendo no nosso tempo? Eu não creio que Ele faria isso.
E por acaso a bandeira principal do PT é aborto e homossexualismo. Com essa bandeira, o PT ataca qualquer pessoa que se opuser ao aborto e ao homossexualismo. Aliás, todo esquerdista fará o mesmo ataque. Por isso, Ed René Kivitz e outros evangélicos progressistas defendem os direitos gays e atacam Silas Malafaia e outros em suas posturas conservadoras contra o aborto e a agenda gay. Na mesma linha, Carlos Bezerra do PSDB e Macedo da IURD fazem os mesmos ataques.
Eu gostava mais quando a IURD, no final da década de 1970, tinha um foco agressivo para libertar as pessoas da opressão das religiões afro-brasileiras. Hoje, o foco agressivo da IURD é tirar o dinheiro das pessoas e investir nas fortunas dos salomões iurdianos, que são ricos em ganância, mas pobres em sabedoria e amor cristão.
Durante a década de 1980 e 1990 a IURD era conservadora e pró-vida. Em 1993 um jornal paulistano da Igreja Universal declarava:
Segundo os ensinos bíblicos, Deus deu o livre arbítrio a todos os seres humanos, ou seja, a capacidade de cada um escolher o que deseja fazer com a própria vida. Mas o direito de conceder ou retirar a vida de uma pessoa pertence somente a Deus. Primeiro Samuel 2:6 diz: “O Senhor que tira a vida e a dá; faz descer à sepultura e faz subir”. Nenhum caso de estupro, riscos de uma criança nascer com defeitos físicos ou mentais, dá direito ao ser humano de retirar a vida de alguém. A Bíblia ensina que tudo é possível ao que crê (Marcos 9:23). Portanto, os casos que aos olhos da ciência parecem impossíveis, tornam-se possíveis sob os olhos de Deus.
Em 1996, a Folha Universal (órgão oficial da IURD) dizia:
Esse procedimento (aborto), muitas vezes inconsequente, além de provocar a morte de um pequeno ser, que nem ao menos teve a chance de se defender, ainda pode levar a sua praticante à morte. Ora, ninguém tem o direito de tirar a vida de outra pessoa.
Contudo, depois a IURD começou a se aproximar do PT e a apoiar o aborto. Antes da eleição de Lula em 2002, o Bispo Rodrigues, que era um dos fundadores da IURD, fazia peregrinações políticas no meio das lideranças evangélicas, proclamando: “Temos a obrigação de entrar de cabeça na campanha do Lula… Por isso vamos adotar uma nova forma de fazer política. Trata-se do socialismo de resultados.”
Rodrigues chegou ao ponto de pedir perdão a Lula pelos anos de oposição que a IURD lhe havia feito.
Em 2003, ele cometeu outro erro fatal: pediu perdão aos adeptos do candomblé no plenário do Congresso Nacional por toda a “oposição” que a IURD lhes havia feito.  Não muito depois, Rodrigues foi tragado pelo redemoinho de escândalos políticos do PT.
A religião que mais abraça o pecado homossexual é o candomblé, juntamente com outras religiões afro-brasileiras e feitiçaria. Quando Rodrigues, como representante máximo da IURD no Congresso Nacional, pediu perdão a essas religiões, ele deu sinal verde para os demônios dessas religiões, inclusive a pomba-gira e outros demônios de homossexualismo.
Falta agora a IURD e o Macedo pedirem perdão para Luiz Mott e o movimento homossexual do Brasil por todos os demônios de homossexualismo que eles expulsaram de pais-de-santo durante décadas.
Macedo é uma ovelha negra no movimento de teologia da prosperidade com relação a questões de aborto e homossexualismo. Um dos pregadores mais proeminentes dessa teologia, o Dr. Myles Munroe, denunciou a agenda gay.
Contudo, para quem estranha agora Macedo levantando a bandeira da oposição aos evangélicos que lutam contra a agenda gay, vale recordar que o fundador da IURD carrega, há vários anos, a vergonhosa bandeira de apoio explícito ao aborto. Em 2013, Macedo disse: “Eu sou a favor do aborto sim, e digo isso em alto e bom som, e se eu estou pecando, eu cometo este pecado consciente, sim!”
Na biografia oficial “O Bispo: A História Revelada de Edir Macedo” (Editora Larousse do Brasil), publicada em 2007, Christina Lemos e Douglas Tavolaro revelam o que Macedo diz:
“Sou a favor do direito de escolha da mulher… Sou a favor do aborto, sim. A Bíblia também é… A mulher precisa ter o direito de escolher.”
Agora, ele é a favor de homossexuais terem um suposto direito de escolher um “casamento” homossexual, em detrimento da família natural.
Portanto, a nova postura dele sobre o homossexualismo em nada deveria causar estranheza, pois é apenas uma progressão natural de quem optou pela defesa do assassinato legal de bebês gestação. É o “progresso” da decadência.
Imagino que se Macedo vivesse na época do rei Acabe e Jezabel, ele lhes daria apoio político. Como sei disso? Porque ele tem apoiado o moderno Acabe (Lula) e a moderna Jezabel (Dilma).
Quanto ao profeta Elias, que tanta oposição fazia a Acabe e Jezabel, Macedo diria: “Deus não quer nada imposto. Há muitos ‘profetas’ levantando uma bandeira contra o culto a Baal, o sacrifício de bebês e os sacerdotes homossexuais…”
Macedo, que começou seu ministério expulsando demônios, agora precisa que demônios de aborto e sodomia sejam expulsos dele.
Versão em inglês deste artigo: Bishop Edir Macedo and Homosexuality
Leitura recomendada:
Postar um comentário