15 de julho de 2015

Vacina anti-sarampo mata mais do que sarampo


Vacina anti-sarampo mata mais do que sarampo

WASHINGTON, EUA — Ainda que as pessoas que se opõem à vacinação compulsória para sarampo sejam amplamente retratadas como ignorantes e até perigosas por algumas autoridades, especialistas e até reportagens da mídia noticiosa, os registros dos Centros de Controle de Doenças (CCD) revelam uma verdade surpreendente: embora ninguém tenha morrido de sarampo nos EUA nos últimos 12 anos, 108 morreram como consequência dos efeitos adversos da vacina nesse mesmo período.
Antes das campanhas contra sarampo em massa na década de 1960, o sarampo já estava diminuindo dramaticamente
As estatísticas de mortes são registradas pelo Sistema de Registro de Casos Adversos de Vacinas, ou SRCAV, que apanha apenas uma pequena percentagem do número real de mortes e outras reações adversas à vacina. Além disso, 96 das 108 mortes nesse período de 12 anos foram consequência da vacina tríplice, agora a vacina preferida para imunização contra o sarampo.
Além disso, as estatísticas dos CCDs mostram que as mortes de sarampo eram raras nos EUA antes da vacina se tornar amplamente usada.
As reações adversas às vacinas de sarampo são muito mais generalizadas do que as mortes, aponta a Dra. Lee Hieb, cirurgiã ortopédica e ex-presidente da Associação de Médicos e Cirurgiões dos EUA, que estudou as vacinas e escreveu sobre elas em revistas médicas.
Num comentário recente no WND, a Dra. Hieb, que é autora do livro “Surviving the Medical Meltdown: Your Guide to Living Through the Disaster of Obamacare” (Sobrevivendo ao Colapso Médico: Seu Guia para Viver o Desastre do Sistema de Saúde de Obama), revelou que desde 2005 tem havido 86 mortes da vacina tríplice — 68 delas de crianças abaixo de 3 anos. Além disso, quase 2 mil crianças se tornaram deficientes, de acordo com os dados do SRCAV.
Como resultado de seu estudo, Hieb questiona a promoção ardente da vacinação compulsória de sarampo.
“Se você absolutamente acredita no benefício e valor protetivo da vacina, por que importa o que os outros acreditem?” ela pergunta retoricamente. “Ou você não acredita? Se você acredita que você precisa de vacinação para estar saudável e protegido, então vacine-se e a seu filho. Por que você deveria se preocupar com o que o seu vizinho escolhe fazer por seu filho — se a vacina funciona? A ideia de que se todos são vacinados a doença desaparece é ainda baseada na ideia de que em casos individuais as vacinas são realmente protetivas.”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND: Measles vaccines kill more than measles
Leitura recomendada:
Postar um comentário