14 de julho de 2015

Lausanne contra o marxismo


Lausanne contra o marxismo

Por Eguinaldo Hélio Souza
Comentário de Julio Severo: O Prof. Eguinaldo Hélio de Souza mostra como o Pacto de Lausanne é contra o marxismo. Mas esse é o lado bom de Lausanne, que no seu primeiro congresso tinha duas correntes principais. Uma, liderada por René Padilla e seus companheiros da Teologia da Missão Integral. Sob a influência deles, o Pacto de Lausanne tem o seu lado que agrada aos socialistas, marxistas e comunistas. A outra corrente, que era conservadora, era liderada por Peter Wagner, que produziu o lado bom do Pacto de Lausanne, o lado que assume uma postura contra o marxismo. Havia então nesse pacto palavras e doutrinas ao gosto dos marxistas e dos conservadores. Hoje, os próprios promotores da Teologia da Missão Integral (TMI) reconhecem que Lausanne está muito mais cara deles. No ano passado, por exemplo, Lausanne se reuniu no Brasil numa reunião liderada por promotores da TMI para condenar a teologia dos neopentecostais, citando nominalmente Peter Wagner e seu neopentecostalismo. Isto é, a esquerda avançou e agora vai dar o troco. René Padilla também reconhece que Lausanne é a favor da TMI. Pena que ninguém tenha levado adiante o legado de resistência conservadora de Wagner em Lausanne.
Em 1974 se reunia em Lausanne, na Suíça, cristãos do mundo inteiro para debaterem a cerca da obra de evangelização mundial. Essa reunião resultou no Pacto de Lausanne, um documento onde estão expressas as crenças que envolvem este trabalho.
Na década de 1980 foram produzidas cartilhas cujo propósito era identificar os grandes desafios da Igreja para completar sua tarefa de levar o evangelho pleno aos povos da terra. Dentre os dez  temas propostos nessas cartilhas estava o marxismo. Com o título de “O Evangelho e o marxista – Como comunicar o evangelho aos marxistas”, esta série identificou esta ideologia como uma das grandes opositoras do cristianismo, em teoria e prática.
Apesar de alguma ambigüidade, não resta dúvida de que este movimento de evangelização entendeu que a Igreja precisa confrontar as diversas vertentes da ideologia marxista. Passados mais de trinta anos caracterizados por contradições e conflitos dentro da esfera ideológica e política do socialismo se faz necessário relembrar com urgência as advertências de Lausanne. O comunismo não caiu com o muro de Berlim, apenas adquiriu formas e estratégias diferentes e o texto dessa obra ainda pode ajudar a revelar a natureza anticristã do marxismo e as formas de lidar com ele.

A diversidade do marxismo

“O marxismo de hoje não é monolítico”. Se isto era verdade antes é ainda mais verdade agora. As ideias de Marx se diluíram em inúmeras seitas ideológicas, mais ou menos radicais conforme acontece nas religiões. O que nos importa como cristãos é identificar e expor aqueles elementos que se chocam com a revelação bíblica, não importando onde se encontrem. Veneno é veneno, seja concentrado ou diluído em muita água.

Usando a Igreja

Nesta obra temos uma advertência muito séria sobre  a relação do marxismo com a Igreja. Ignorando esta advertência a Igreja foi levada a se aliar com quem lhe pretende destruir, permitiu que sua teologia se alinhasse com ideias que deveria combater.
“Visando alcançar o que lhes parece ser a finalidade da justiça e da equidade, estão sempre preparados para  usar e explorar qualquer agente, inspirados na crença de que o fim justificam os  meios. Isso é importante quando se quer compreender a atitude do marxista em face da igreja. Ele pode até ver com desdém o cristianismo, mas se puder usá-lo para realizar seus ideais e atingir os objetivos do Partido, não hesitará em fazê-lo” [Grifo meu]
“Ora, os marxistas consideram a Igreja, na melhor das hipóteses, irrelevante, e, na pior, como instituição econômica e politicamente em oposição ao pensamento e à ação marxista, e, portanto, como obstáculo ao estabelecimento tanto da justiça quanto da paz, mesmo que ela não tenha conhecimento desse fato. Assim, enquanto os marxistas estão preparados para usar a igreja na realização de seus objetivos, quando isto lhes parecer desejável, mostram-se, por outro lado, por outro lado, muito resistentes à aproximação da Igreja”
Essa prática marxista é atestado por inúmeros exemplos históricos.

Antítese do cristianismo

Nem toda doutrina que diverge do cristianismo se opõe diretamente a ele. O mesmo não se pode dizer do marxismo. Esta é anticristã em suas raízes, fato bem reconhecido pela Comissão Lausanne, que escreveu:
“O marxista acredita que o marxismo oferece uma visão de mundo totalmente abrangente. Esta visão se baseia no determinismo econômico, que nada vê além do universo material. Ele proclama-se científico, e, portanto, correto, em sua análise da história, da economia e da sociologia. Os marxistas estão plenamente convencidos de seu ateísmo e, consequentemente, uma boa parte de seu pensamento está destinada a erigir-se em antítese ao cristianismo” [Grigo meu]
“Deixamos de levar a sério o poder do treinamento marxista na análise da história da religião, o vigor com que a teoria do materialismo dialético é sustentada, e a integral contradição e antítese da cosmovisão marxista em face da cristã” [Grifo nosso]

A lenda do “cristão marxista”

A Comissão sabia muito bem o que era o marxismo e por esse motivo entendia que qualquer tipo de aliança ou mesmo aproximação com o mesmo seria impossível. Cristão marxista era algo tão inconcebível quanto um fogo frio ou uma maldade boa. Infelizmente, estas percepções foram perdidas na teologia e na prática, possibilitando alianças políticas, teológicas e intelectuais com o marxismo.
“O marxismo é uma filosofia e um programa. Como um todo, é fundamental e incontornavelmente ateu. Por essa razão, notamos no conceito “marxista cristão” uma contradição de termos”. [Grifo nosso]

Apossando-se da educação

Um sério alerta de Lausanne diz respeito a ação marxista de tomar posse dos meios acadêmicos e escolares a fim de incutir nas gerações mais novas sua visão de mundo e seus valores. Essa é uma lição da história. Assim fizeram os jesuítas no Brasil e em outras partes do mundo.
“Nos países marxistas, a educação dominada pela análise marxista da história e da religião colocou a evangelização cristã em uma posição bastante desvantajosa, já que, inevitavelmente, todas as pessoas, inclusive aquelas que não tem compromisso com o marxismo, sofrem uma influência forte da filosofia dialético-materialista. Foi nessa área, principalmente, que alguns grupos se sentiram forçados a descrever o marxismo como demoníaco e satânico”.
Não é preciso muita perspicácia para perceber que nossa educação está hoje totalmente tomada pela visão de mundo esquerdista. Começando na USP e outras universidades federais, essa visão distorcida da realidade chega as salas de aula de todas as classes, do fundamental ao nível superior, há uma saturação marxiana.
O maior expoente dessa estratégia foi Antonio Gramsci, membro do Partido Comunista Italiano, que com seus Cadernos do Cárcere, ensinou a estratégia de infiltração e ocupação dos espaços. O propósito é alterar a cultura lentamente até que a mentalidade da sociedade seja marxizada.
Esta atuação do marxismo na educação brasileira foi reconhecida pelo missiólogo Timóteo Carriker:
“Este paradigma atual também se alimenta do pensamento histórico-cultural, divulgado pelos escritos de Antonio Gramsci, que até o final da década de 1980, encontrou respaldo nacional. O pensamento histórico-cultural divulgado por Gramsci, compreende a ligação da educação com a política, e a importância da educação das camadas populares como parte essencial da democratização [leia-se marxização – Nota do autor] da sociedade e do surgimento de uma nova hegemonia [leia-se hegemonia socialista – Nota do autor]. Este  tipo de ação atingiu mesmo o pensamento teológico acadêmico.

A história da Igreja

“Não devemos consentir que os marxistas escrevam para nós a história da Igreja. Há muito já deveria ter sido desenvolvida uma relevante apologética na obra de evangelização dos marxistas”
Quem passa pelo sistema escolar e ainda mais na faculdade é submerso em crítica histórica ao cristianismo. A impressão é que a Igreja existiu para estragar o mundo. Todos os males históricos são atribuídos ao cristianismo, enquanto nada se houve sobre os cem milhões de mortos sobre o comunismo. Se nós não valorizarmos os feitos históricos dos cristãos e do cristianismo, o sistema escolar marxizado não o fará.
A série Guia Politicamente Incorreto, abrangendo Brasil, América Latinae Mundo, escrito por Leandro Narloch é uma quebra dos paradigmas historiográfico produzido por esses quarenta anos de influência marxista. Possibilita uma visão na viciada do olhar sobre a história, desnudando heroísmos esquerdistas e preenchendo lacunas para a compreensão exata de fatos.

Necessidade de confrontação

Lausanne destaca ainda a necessidade de confrontação e preparo teológico para enfrentar o marxismo. Seja ele acadêmico, político, filosófico, pessoal ou (Deus tenha misericórdia) teológico, ele é falso à luz da Bíblia e precisa ser confrontado como qualquer ideologia errada. Algumas afirmações da obra da Comissão Lausanne são bastante contundente:
“...as falhas do sistema marxista precisam ser expostas; silenciar sobre isso seria um erro. A franca discussão com os marxistas em torno dessas falhas, pode ser poderosa e eficaz, desde que conduzida em um ambiente sincero”
“Também sugerimos que se desenvolvam discussões em torno (...) histórico das ações desumanas perpetrada pelos marxistas” 
“Os cristãos devem ter uma sólida base bíblica e conhecer bem a economia, a política, a história da igreja, a história secular e a filosofia.
Esse alvo não se atinge facilmente, mas pode ser alcançado com um treinamento constante. Para facilitá-lo, recomendamos às escolas bíblicas, aos seminários e a outras escolas cristãs que reconheçam a influência do marxismo sobre nossa época [Grifo nosso] e adotem cursos relativos a este assunto em seus currículos”
“A cosmovisão marxista, oficialmente promovida através de instituições educacionais controladas pelo Estado, parece permear a estrutura mental dos europeus orientais [e do Brasil também – Nota do autor]. A Igreja está envolta nesse pensamento, e os membros da Igreja não se acham isentos dessa influência penetrante. Portanto, há uma necessidade imperiosa de oferecer treinamento teológico visando uma evangelização capaz de fixar uma apologética cristã para o desafio marxista”.
Ainda restariam inúmeros pontos a serem destacados nesta obra produzida pela Comissão Lausanne focando o marxismo. No entanto, esta voz de um passado não muito longínquo já é suficiente para mostrar o quanto a Igreja brasileira foi negligente em ouvir estas advertências. Se assim tivesse feito ao invés de deixar-se submergir numa cosmovisão antibíblica, anticristã e diabólica teria sido instrumento de bênção para a nação, evitando situações nocivas no momento, bem como as perspectivas tenebrosas no horizonte.
Leitura recomendada:

2 comentários :

Ivan Simões disse...

Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; Mt 16:18

Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que
vence o mundo, a nossa fé.
1 João 5:4

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.
Romanos 8:37-39


Será impossível todos os poderes do mundo e do inferno aniquilarem a igreja de Cristo, pois os mesmos tem tentado a séculos sem sucesso amém !

julio cesar disse...

comunismo=fascismo
comunismo=fascismo=nazismo=racismo
os frutos do comunismo são bem conhecidos e são:
1)assassinatos em larga escala
2)estupros em larga escala
3)destruição da democracia
4)destruição da natureza
5)apoio à homofobia
6)apoio ao racismo
7)fim da liberdade religiosa
8)fim da liberdade política
9)fim da liberdade de imprensa
10)fim da liberdade de ir e vir
11)fim da liberdade de expressão
12)fim do direito à propriedade privada
13)aumento da violência
14)aumento da criminalidade
15)aumento do tráfico de drogas
16)aumento da prostituição
17)incitação ao ódio
18)apoio ao nazismo e à hitler na segunda guerra mundial
19)aumento da prostituição infantil
20)aumento da pedofilia
21)difamação de opositores
22)assassinatos de líderes políticos entre os quais nicolau II da rússia e john kennedy dos estados unidos
o mais sinistro nisso tudo é que ainda tem pessoas que mesmo sabendo dos crimes do comunismo ainda apoia o comunismo das duas uma:ou isso é uma ação demoníaca para cegar o entendimento dessas pessoas ou essas pessoas agem de má-fé mesmo sabendo dos crimes do comunismo