25 de junho de 2015

Voltemos ao Evangelho! Jesus salva, cura e liberta do homossexualismo


Voltemos ao Evangelho! Jesus salva, cura e liberta do homossexualismo

Julio Severo
As décadas de 1950, 1960 e 1970 foram de grande crescimento para a Igreja Evangélica do Brasil. Campanhas evangelísticas eram realizadas para alcançar as pessoas em suas maiores necessidades.
Num Brasil onde a pobreza estava fortemente marcada por alcoolismo e problemas sérios de família e emprego, as campanhas evangelísticas anunciavam que Jesus salva, cura e liberta. Homens e mulheres vinham aos cultos com suas doenças, vícios e misérias, aceitavam Jesus e experimentavam transformação. Ao verem a pessoa transformada, parentes e amigos muitas vezes buscavam a mesma fonte de bênção. Era uma cadeia abençoada.
Os cultos evangelísticos eram marcados por orações por cura, muitas vezes acompanhada de revelações, e expulsão de demônios. Era uma época em que as igrejas não tinham medo de anunciar: Se você está sob a opressão da bruxaria (e todo mundo sabia o que isso significava: candomblé, umbanda, etc.), venha para Jesus e ele trará libertação para você e sua família!
Todos os tipos de campanhas evangelísticas eram realizados para levar as pessoas a um encontro de libertação com Jesus. Campanhas com lenço ungido e, na mesma linha, água ungida, seguiam o bom exemplo do Apóstolo Paulo:
“Deus fazia milagres maravilhosos por meio das mãos de Paulo, de tal maneira, que até lenços e aventais que Paulo usava eram levados e colocados sobre os doentes. Estes eram curados de todas as suas enfermidades, assim como espíritos malignos eram expelidos deles.”  (Atos 19:11-12 King James Atualizada)
Outra versão diz:
“Deus fez coisas poderosas e incomuns por meio de Paulo. A notícia se espalhou, e as pessoas começaram a trazer peças de roupas — lenços, mantas e coisas semelhantes — para que tocassem com elas Paulo e depois os doentes. Foi impressionante: os doentes eram curados e restaurados.” (Atos 19:11-12 A Mensagem)
Milagres ocorreram nessas campanhas evangelísticas de Paulo dois mil anos atrás.
Milagres aconteceram nas periferias e regiões de pobreza do Brasil décadas atrás.
Hoje, numa sociedade inundada de propaganda homossexual, esquecemos que Jesus salva, cura e liberta? O mesmo Apóstolo Paulo dos milagres dos lenços e outras peças de roupas reconheceu dois pontos importantes sobre o vício: 1. O vício impede seu praticante de entrar no Reino de Deus. 2. Jesus liberta qualquer um de qualquer vício.
Eis a lista de vícios que Paulo apresenta que condena seus praticantes a não entrar no Reino de Deus:
“Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem os que se entregam a práticas homossexuais de qualquer espécie, nem ladrões, nem avarentos, nem viciados em álcool ou outras drogas, nem caluniadores, nem estelionatários herdarão o Reino de Deus.” (1 Coríntios 6:9-10 King James Atualizada)
Ao falar com os membros da igreja na cidade de Corinto, Grécia, Paulo deixa claro que alguns deles estavam nessas práticas, mas foram libertos. Paulo disse:
“Assim fostes alguns de vós. Contudo, vós fostes lavados, santificados e justificados em o Nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito Santo do nosso Deus! Nosso corpo é santuário de Deus.” (1 Coríntios 6:11 King James Atualizada)
Outra versão diz:
Alguns de vocês, por experiência, sabem do que estou falando, pois, não faz muito tempo, vocês estavam nessa lista. Mas foram purificados e tiveram uma nova chance, oferecida por Jesus, nosso Senhor e Messias, e pelo Deus presente em nós, o Espírito.” (1 Coríntios 6:11 A Mensagem)
Isto é, imorais, idólatras, adúlteros, homossexuais, ladrões, avarentos, viciados em álcool ou outras drogas, caluniadores e estelionatários foram libertos, lavados, santificados e justificados pelo Espírito Santo!
Quem sabe quantos desses pecadores foram libertos no culto enquanto Paulo ministrava, ou mediante lenços e outras peças de roupas ungidas que mães levavam dos cultos para casa para colocar no filho ou marido viciado.
Contudo, hoje, embora vejamos todos os vícios mencionados por Paulo se alastrando na sociedade, o único vício protegido por lei é o homossexualismo.
O alcoolismo, o adultério e o latrocínio sempre foram um problema comum. Mas a igreja nunca foi legalmente ameaçada por tratá-los como pecado. Mesmo na questão do cigarro, quando era chique ter esse vício, incentivado por filmes de Hollywood 60 anos atrás, as igrejas e suas campanhas evangelísticas tratavam livremente desse pecado, condenando-o e dizendo claramente que Jesus liberta desse vício.
Por que a igreja deveria abdicar de sua responsabilidade só no caso do homossexualismo? Isso significa que quando a lei oficialmente protege um pecado, a igreja deve se sentir proibida de pregar que Jesus liberta os homens e as mulheres que querem libertação desse pecado?
Vemos propagandas de proselitismo homossexual em todas as cidades do Brasil. Em contraste, onde estão as propagandas evangelísticas em todas as cidades do Brasil dizendo que Jesus liberta do homossexualismo e do proselitismo homossexual?
Não há até o momento nenhuma Parada do Orgulho do Álcool, do Adultério, da Idolatria, das Drogas e outros pecados. E se houver? Deixaremos de proclamar que Jesus liberta?
Não há até o momento nenhum projeto de lei para criminalizar quem critica o vício do álcool, adultério, idolatria, drogas, etc. E se houver? Deixaremos de proclamar que Jesus liberta?
A elite da sociedade, que está sob o poder das trevas, quer que a igreja trate o homossexualismo como um pecado incriticável, como um pecado que não pode ser tratado como pecado. Se obedecermos, o que será do Evangelho que dizemos acreditar? Vamos proclamar que Jesus salva, cura e liberta o alcoólatra, o idólatra, o adúltero e outros pecadores, mas não pode libertar os homossexuais porque a lei impede?
Então, onde está a propaganda evangelística “Jesus salva, cura e liberta do homossexualismo”? Onde estão as campanhas para que as mães tragam lenços e outras peças de roupa de seus filhos para serem ungidos como canal de libertação do Espírito Santo?
Onde estão as campanhas “Se você tem um filho ou filha sofrendo os efeitos da doutrinação e proselitismo homossexualista da mídia e das escolas, traga suas peças de roupa para unção”?
Para confrontar a propaganda onipresente que louva e sacraliza o pecado homossexual, a igreja está com medo ou vergonha de realizar campanhas igualmente onipresentes de que “Jesus salva, cura e liberta do homossexualismo”?
Voltemos a acreditar na libertação dos pecadores. Voltemos aos lenços ungidos. Voltemos às peças de roupa ungidas. Voltemos ao Evangelho!
Leitura recomendada:

8 comentários :

Thiago disse...

Esse seu texto é uma bença.

Fala mesmo Jesus, usa o vaso.

Toda Honra e Toda Glória a Jesus de Nazaré. Aleluia! Glória a Deus.

Meu pastor Jayme de Amorin Campos prega arrependimento e libertação do homossexualismo.

Meu antigo pastor, o ap. Valdemiro também não deixava de pregar.

Desemboca o Vaso Jesus:

https://m.youtube.com/watch?v=kZpVjjeJt7I

https://m.youtube.com/watch?v=VpL5K07hEOs

https://m.youtube.com/watch?v=9b7yhgQkAOQ

Márcio Barthem disse...

Lenços ungidos? Não...

Leony disse...

A santidade pessoal de um homem Deus transforma um lenço em uma extensão da glória de Deus que torna possível o milagre acontecer, quando o homem de Deus não pode ir até o local. Os lenços podem até voltar, mas que sejam precedidos pelo amor ao Senhor acima de todas as coisas e junto a isso, a separação do mundanismo.

Eu creio em um último derramar do Espírito.

Anônimo disse...

Jovem Thiago: Por favo,me explique que palavras são estas (bença e desemboca )
obrigado

Thiago disse...

É a simpricidade da fé, meu cumpadinho.

Marcelo disse...

Caro Julio,
Voce trouxe um texto que fala sobre homossexualismo (uma aberraçao), mas o que dizer do FEMINISMO que hà muito invadiu os lares e os muros de muitas igrejas evangelicas, as quais andam em franca desobediencia à Palavra de Deus (ordenando mulheres e fazendo-as ter autoridade sobre homens)?

Quando serà que aqueles que se dizem servos de Deus vao entender que nao se trata de uma questao de capacidade (por parte da mulher), mas de obediencia à Palavra de Deus?

Sugiro que ninguem discuta com o Senhor, pois o céu pertence a Ele e nao a nòs; de sorte que sò entrarà na Jerusalém Celestial quem se submeter à vontade de Deus, e abrir mao das suas proprias convicçoes.

A meu ver, quem define isso como autoritarismo e machismo està combatendo contra o Senhor e nao contra os homens. Além disso, creio que Deus saiba perfeitamente o que està fazendo (ao determinar que a mulher nao exerça autoridade sobre o homem), pois tudo que Ele determina é o melhor para os seres humanos.

Anônimo disse...

Thiago, acho que você ainda está em uma igreja errada, a IIGD pode ser melhor que a IMPD mas ela é contra profecias e revelações, vá para uma igreja pentecostal de verdade que creia de fato nos dons.

Thiago disse...

Sou pentecostal em espirito (creio nos dons), mas neopenteca de coração.

Aceitei Jesus e fui batizado na Renascer.
Voltei pra Jesus na Mundial, fui liberto do ateísmo e vícios.
Estou na Graça e aprendo muito com o pastor Jayme.

Aliás um abraço pra todos os irmãos pentecas assembleianos e aos neopentecas. Deus me resgatou, e vocês foram usados por Sua infinita misericórdia. Os amo do fundo do meu coração.