17 de junho de 2015

Embaixador homossexual mundial fala sobre republicanos, Rússia e Arábia Saudita


Embaixador homossexual mundial fala sobre republicanos, Rússia e Arábia Saudita

Julio Severo
“Para Obama, direitos gays são prioridade,” disse, acima de tudo, Randy Berry, embaixador especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Direitos Humanos dos Indivíduos LGBTI, em entrevista a Istoé, uma das maiores revistas esquerdistas do Brasil.
Randy Berry
O foco de Berry, na entrevista publicada em 12 de junho de 2015, foi nos homossexuais como uma classe oprimida, discurso marxista e ideológico clássico. Focarei apenas na opinião dele de que independente de que um democrata ou republicano seja o próximo presidente dos EUA, Berry deixa abundantemente claro que os dois principais partidos dos EUA não afetarão seu cargo de defesa homossexual na diplomacia dos EUA. A opinião dele é que os EUA estão num curso sólido na agenda gay, embora o Partido Republicano seja visto de modo geral como conservador.
Ele também falou sobre a Rússia e a Arábia Saudita. Ele se absteve de condenar a ditadura saudita, que mata homossexuais. Ainda que a Istoé retratasse a Rússia numa luz ruim na questão homossexual, o único “crime” da Rússia é ter uma lei que proíbe a propaganda homossexual para crianças. É crime proteger as crianças de tal propaganda? Em minha opinião, não. Mas na opinião do governo dos EUA, sim.
Nessa altura, o único modo de um futuro presidente conservador dos EUA provar que sobrou algo de conservador na política dos EUA é nomeando um embaixador mundial para incentivar as nações do mundo inteiro a proibir a propaganda homossexual para crianças. Os EUA têm feito demais em prol da agenda homossexual. Passou da hora dos EUA fazerem demais também contra essa agenda maligna.
Que tal nomear Scotty Lively como embaixador especial dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Crianças e Sua Proteção contra a Agenda LGBT?
Os EUA têm sido muito ousados na propaganda homossexual. Passou da hora dos EUA serem muito ousados contra essa propaganda.
Entretanto, se Berry estiver certo, o próximo possível presidente republicano não fará nada para mudar o curso na diplomacia homossexual dos EUA.
Sabe de uma coisa? Acredito nele. Algum tempo atrás, John Boehner, o republicano mais proeminente no Congresso dos EUA, disse: “Não lutaremos contra o casamento gay.” Basicamente, ele teria dito que o Partido Republicano não mais obstruirá o avanço do “casamento” gay.
Que oposição “bonita”! Os democratas e outros socialistas avançam seus males socialistas, e os republicanos “corteses” os deixam ir em frente.
Acredito também em Berry porque o conservador George W. Bush chamou o socialista Bill Clinton de seu “irmão.” Como derrotar a agenda gay e outros males quando republicanos e democratas são irmãos preocupados apenas com questões ultranacionalistas? Boehner está certo: não haverá resistência.
De acordo com o Dr. Scott Lively, a antiga tradição judaica sustenta que a homossexualidade, mais especificamente o “casamento” homossexual, foi o “insulto final” a Deus que fez com que Ele trouxesse o Grande Dilúvio. O que acontecerá com os EUA agora que até mesmo seus alegados líderes políticos conservadores se recusam a combater uma das causas de sua destruição?
Eis Berry falando com a Istoé sobre a Rússia, a Arábia Saudita e os republicanos.
Istoé: Os EUA criticam a Rússia por ser tão autoritária com as mulheres e os gays, mas, ao mesmo tempo, mantêm relações próximas com países como a Arábia Saudita, que faz pior. O sr. se sente constrangido com essa situação?
Randy Berry:  Nossa projeção de valores e o compartilhamento de como abraçamos a diversidade é consistente. No Brasil, há uma grande confluência de visões. A mensagem não muda quando falamos com outros países, mas, obviamente, a conversa será diferente na Arábia Saudita. A habilidade de realizar mudanças e a abordagem varia de país para país. Não acho que exista uma abordagem única que sirva para qualquer circunstância. 
Istoé: No ano que vem, haverá eleições presidenciais nos EUA. Se um candidato do Partido Republicano vencer, seu trabalho estará ameaçado?
Randy Berry: Não. A questão que estou trabalhando, contra as piores formas de discriminação e a violência contra gays, não é muito controversa. Eu caracterizaria meu trabalho não como bipartidário, mas não-partidário. Trabalhar com direitos humanos não é uma questão política e não vejo uma mudança nesse sentido. Por causa da aproximação das eleições, as diferenças tendem a se destacar, mas realmente acredito que esse não estará entre os assuntos polarizadores nos EUA.
Leitura recomendada:

12 comentários :

Jonatan Souza disse...

"Os EUA têm sido muito ousados na propaganda homossexual. Passou da hora dos EUA serem muito ousados contra essa propaganda",
Pode a árvore ruim dar bons frutos,sai dela povo meu,assim esta escrito e assim esta se cumprindo as escrituras todos adoram babilônia todas querem viver na babilônia todos querem ser babilônia todos comercializam com babilônia eis ai a grande babilônia do apocalipse os estados unidos da america o país que dita as regras a quase todo o planeta o país que todos querem viver,compra, vender o pais que todos querem ter e ser eis ai babilônia e sua mulher assentada sob a besta que ela abençoa a ONU que tem sede em babilônia e quase todas as nações do mundo estão bebendo de seu vinho vivendo e agindo de acordo com suas normas e diretrizes seus estatutos este é seu vinho.

Thiago disse...

Julito,


Prepara a pipoca pois esta geração verá a pior crise econômica da história (EUA e China quebrando simultaneamente) e muito provavelmente o armagedom (terceira guerra mundial em "linguagem" mundana).

Julio, você é um homem de Deus, têm compromisso com a verdade. Já eles, não têm compromisso com a verdade. Assim como mentem o tempo todo criando bolhas e mais bolhas especulativas (um mercado financeiro com base na mentira, na espoliação, no engano...), assim também mentem dizendo que há "casamento" homossexual e jogam a verdade por terra ao perseguir a igreja, desprezando milênios de sabedoria somente para afirmar sua mentira e acumular a Ira de Deus sobre a humanidade.

Os EUA vão pagar caro por desprezar e negar seu passado puritano. E eu quero assistir de camarote.

Quem planta vento colhe tempestade.

Hahahaha....

2000 anos de pregação... o Mundo dá sua palavra final: "rejeitamos o Filho de Deus e sua salvação"...

Jesus está voltando...

Anônimo disse...

Culpar todo um povo pelos males do mundo eh ser "juiz", coisa que o Senhor nao respalda; pelo contrario, condena. A proposito, antes de jogar pedras nos EUA, o que o povo brasileiro tem sido, alem de inutil?
Irmao Julio, veja o que faz um povo que tem carater (penso que o artigo merece ser publicado aqui): http://endtimeheadlines.org/2015/06/southern-baptists-supreme-court-is-not-final-authority-on-gay-marriage/
(
Southern Baptists: Supreme Court is not final authority on gay marriage

The president of the Southern Baptist Convention has a message regarding the looming Supreme Court decision on same-sex marriage: We will not obey. “The Supreme Court of the United States is not the final authority nor is the culture itself,” declared Ronnie Floyd, the elected leader of the nation’s largest Protestant denomination. )

Antonio.

Maristela disse...

Senhor Antonio: O Supremo Tribunal dos EUA tem autoridade nacional para decidir. A Convenção Batita, que o senhor mencinou, tem liberdade de opinar. Mais nada. Seria como o governo insano de Dilma decidir algo mau e a Igreja Batista emitir opinião contrária. Quem tem poder é o governo, não a instituição eclesiástica.
Se os EUA são tão bons quanto o senhor afirma, por que, já há muitas décadas, propagam o mal pelo mundo?

Tânia disse...

A América tem gente muito boa, porém os maus estão prevalecendo contra eles. Foi-se o tempo que os bons se impunham. A reistência conservadora hoje na América é débil, na melhor das hipóteses. Que o confirme a eleição e reeleição de Obama, o homem do pecado.

Aurélio disse...

Tá difícil, Antonio, tá muito difícil. A gente, como evangélico, acha natural o Brasil promover iniquidade. Afinal, o Brasil nasceu na idolatria. Porém os EUA nasceram no Evangelho. Não existe desculpa para o que eles estão fazendo consigo e com o mundo hoje. Aborto legalizado. E muitas outras iniquidades. A terra do protestantismo virou a terra do pecado desenfreado.

Marcelo disse...

Operaçao do ERRO em curso!!!

Anônimo disse...

Suprema corte legaliza "casamento" gay no México

Anônimo disse...

Partido republicano se tucanizou ...

Marcelo disse...

A grande tribulaçao sobre os crentes verdadeiros està tomando forma, em cumprimento a Mateus 24:21, que diz: "Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver".

E nao tem outra saida, pois, como alguem disse, depois de 2000 anos de pregaçao, milhoes de milhoes e milhares de milhares nao receberam o testemunho para se salvarem e lhes serà enviado a OPERAçAO DO ERRO para que creiam na mentira (como algo justo).

Os homens crerao que hà justiça no abortismo, na sodomia, na apostasia, na pedofilia, na liberaçao das drogas...

Anônimo disse...

julio,não acho que defender direitos gays seja prioridade para os eua,tem mais há ver com provocar a rússia,nos anos 1980 o presidente conservador republicano ronald regan fez a cia treinar e armar osama bin laden e os talibãs no afeganistão para prejudicar a rússia, só reagindo quando os terroristas se voltaram contra os eua, reagan apoiou os talibãs para prejudicar os soviéticos, hoje não existe mais a união soviética mas barack obama patrocina a oposição síria.

a síria é aliada da rússia, e os eua patrocina a oposição síria,que diz que quer derrubar assad para instalar uma democracia, só que nas áreas controladas pela oposição cristãos são mortos,mulheres apedrejadas até a morte e até os gays são assassinados jogados de prédios altos e apedrejados, algo que não viamos acontecer antes quando o país era governado por assad.

se os EUA realmente se preocupasse com a vida dos homossexuais deixaria de apoiar a oposição síria pois eles são terroristas fanáticos que matam os homossexuais sem piedade,diferente do assad que deixava eles viver em paz,você não acha que os EUA estão mais preocupados em atacar a rússia do que proteger gays, afinal se os EUA REALMENTE QUISESSEM PROTEGER OS GAYS DEIXARIAM DE APOIAR A OPOSIÇÃO SÍRIA QUE MATA GAYS, E PASSARIAM A APOIAR ASSAD, POIS SE ELE CAIR OS GAYS(E ATÉ OS CRISTÃOS E ALAUÍTAS) SERÃO TODOS MORTOS.

VOCÊ NÃO ACHA QUE ASSAD RESPEITA MUITO MAIS OS DIREITOS HUMANOS(ELE NÃO MANDA MATAR MULHERES ,CRISTÃOS,GAYS) DO QUE OS TERRORISTAS APOIADOS PELOS EUA?

Helio Bandeira disse...

Obama, a desgraça americana.