26 de junho de 2015

Direitos gays: Ed René Kivitz versus Silas Malafaia


Direitos gays: Ed René Kivitz versus Silas Malafaia

Teologia da Missão Integral versus conservadorismo evangélico

Julio Severo
Em audiência na Câmara dos Deputados na quinta-feira (25 de junho de 2015) para tratar do Estatuto da Família, o Pr. Silas Malafaia destacou que família e casamento é apenas homem e mulher.
Silas Malafaia detonando os direitos gays
Ele também frisou que enquanto a Constituição só reconhecer essa noção de família, os ativistas homossexuais não terão base, nas minhas palavras, para exigir a desfiguração da família tradicional a fim de inventar uma família encabeçada por uma dupla de marmanjos depravados. Tal desfiguração é um componente essencial dos chamados “direitos gays.”
Referindo-se aos que se apoiam em Karl Marx para exigir tais direitos, Malafaia disse: “Por acaso Marx vale mais do que Jesus? A ideologia de Marx está no buraco e a de Jesus está em vento em popa.”
Para contra-atacar a presença e fala pró-família de Malafaia na Câmara dos Deputados, Carta Capital, uma das maiores mídias esquerdistas do Brasil, entrevistou vários pastores evangélicos da Teologia da Missão Integral (TMI).
Na entrevista, o Pr. Carlos Bezerra, que é líder do PSDB em São Paulo, disse que a ótica da bancada evangélica não é a ótica de Jesus. Ora, Bezerra já declarou publicamente que Leonardo Boff, um dos maiores promotores da Teologia da Libertação, é “um cara que me inspira há anos com o que escreve e prega.” Boff vê Jesus Cristo apenas como um office-boy da agenda marxista. Como Bezerra ousa dizer o que é a ótica de Jesus quando a ótica dele é a ótica de Boff e da TMI?
Bezerra deixou claro que ele não aceita que a bancada evangélica chame de ação cristã, presumivelmente, a ação de barrar os “direitos gays.” Concordo que às vezes a bancada evangélica erra. No ano passado, a Lei da Palmada, que pune pais que seguem a orientação da Bíblia sobre disciplina física dos filhos, foi aprovada com a ajuda dessa bancada, embora Marco Feliciano tenha se posicionado contra esse erro. Mas a bancada evangélica não erra quando tenta impedir o totalitarismo homossexual.
Outro entrevistado por Carta Capital, Levi Correa, faz parte da Igreja Batista da Água Branca do Kivitz. Levi disse sobre a Frente Parlamentar Evangélica: “A frente mais horrorosa que este país já teve.” Mas ele não estava se referindo ao papel horroroso da frente aprovando a Lei da Palmada. Ele se referia às ações da frente para impedir o avanço do totalitarismo homossexual.
Outra evangélica progressista entrevistada por Carta Capital atacou diretamente, dizendo que “o movimento conservador dita regras de forma impositiva.” Sobre o movimento homossexual, que dita regras e impõe uma agenda destrutiva para o Brasil, suas famílias e crianças, a evangélica progressista nada disse.
Defensor dos direitos gays
Outro entrevistado de destaque de Carta Capital foi o Pr. Ed René Kivitz, que disse: “Aquele que é detentor de um mandato eletivo não está lá para impor sobre a sociedade e sobre os cidadãos as suas crenças particulares, os seus interesses de grupo ou defender o seu segmento de sociedade que o colocou lá.”
Tudo o que Kivitz disse cai como uma luva em Jean Wyllys e outros políticos determinados a impor a agenda homossexual na sociedade. Entretanto, Carta Capital não o entrevistou para atacar a agenda gay, mas para atacar os líderes evangélicos que estão denunciando essa agenda.
Afinal, de que lado Kivitz está?
A resposta vem da BBC de Londres, que recentemente também entrevistou Kivitz, numa reportagem já com título de provocação aos evangélicos conservadores: “Tom ‘bélico’ de alguns líderes evangélicos cria clima propício à intolerância, diz pastor.”
A matéria da BBC reconheceu que Kivitz é um líder da Teologia da Missão Integral e também “a favor dos direitos LGBTs, por entender ‘que são cidadãos, independentemente da minha concordância com a orientação sexual ou a identidade de gênero que eles têm.’”
O que são direitos gays? Não é direito de viver, trabalhar, se sustentar e ter lazer. Como todo brasileiros, quem pratica o homossexualismo já tem esses direitos básicos garantidos.
Direitos gays é “casamento” gay, adoção de crianças por duplas gays, a proibição médica e bíblica de condenação ao estilo de vida homossexual, etc.
Para Kivitz, que declarou publicamente para a BBC que é a favor desses direitos, todos os cidadãos que escolheram as práticas homossexuais têm direito ao “casamento” gay, adoção de crianças por duplas gays, a proibição médica e bíblica de condenação ao estilo de vida homossexual, etc.
Basicamente, a opinião de Kivitz, que nunca criticou Jean Wyllys, é: O ativista homossexual que é detentor de um mandato eletivo está lá para impor sobre a sociedade e sobre os cidadãos as suas crenças particulares, os seus interesses de grupo ou defender o seu segmento de sociedade que o colocou lá.
Para os evangélicos, a história é outra: O evangélico que é detentor de um mandato eletivo não está lá para impor sobre a sociedade e sobre os cidadãos a agenda pró-família, as suas crenças particulares, os seus interesses de grupo ou defender o seu segmento de sociedade que o colocou lá.
Tenho certeza de que a Carta Capital e todo o seu público esquerdista aplaudiram de pé Kivitz e outros líderes da TMI que disseram exatamente o que Marx e seus seguidores diriam contra os evangélicos conservadores.
Na guerra cultural atual, cada vez que um evangélico tiver oportunidade de expressar uma opinião conservadora num grande espaço público, a mídia esquerdista escolheu como estratégia de contra-ataque dar vez e voz para líderes evangélicos da TMI.
Os sinais são muito fortes de que essa estratégia já está sendo implementada.
Em sua reportagem sobre a recente parada gay de São Paulo, o jornal Folha de S. Paulo destacou um pastor da TMI que foi ao evento homossexual para prestar solidariedade com uma campanha intitulada “Jesus Cura a Homofobia.” Danilo Fernandes, do tabloide Genizah e igualmente um defensor da TMI, foi um dos citados na matéria.
Prepare-se: Carta Capital, Folha de S. Paulo e outras grandes mídias esquerdistas estão agora usando evangélicos da TMI para tentar neutralizar a voz conservadora pró-família dos evangélicos.
Os seguidores de Jesus Cristo não têm a ótica de Karl Marx nem da TMI. Eles não pregam “direitos gays.” Eles pregam o Evangelho verdadeiro, que revela que Jesus salva, cura e liberta, inclusive do pecado homossexual.
Leitura recomendada:

17 comentários :

Fabrício disse...

Hoje enfrentamos a oposição a partir de dentro do suposto movimento evangélico, que está sendo violado por falsos pastores como esses que, se não se arrependerem e mudarem, já garantiram lugar de honra na galeria do inferno.

Leony disse...

Verdade Fabrício, TMI (Teologia da Missão Integral) tem dado origem a diversos conceitos relativistas com relação ao evangelho onde em alguns momentos faz de Jesus uma muleta-assistencialista (foco na caridade) e um "aceita-tudo" (relativização do pecado).

Toda essa aparente discórdia contribui para passar as demais pessoas a sensação de que não existe consenso no meio cristão.

Mas Deus está escutando o clamor daqueles que servem e que tem um coração voltado a Ele e que, vez por outra até se indignam com Deus dizendo que o Senhor está deixando que os ímpios e os falsos crentes tenham mais êxito nos seus intentos. A mensagem de Deus é a seguinte (POR FAVOR, LEIAM):

"As vossas palavras foram agressivas para mim, diz o Senhor; mas vós dizeis: Que temos falado contra ti?

Vós tendes dito: Inútil é servir a Deus; que nos aproveita termos cuidado em guardar os seus preceitos, e em andar de luto diante do Senhor dos Exércitos?

Ora, pois, nós reputamos por bem-aventurados os soberbos; também os que cometem impiedade são edificados; sim, eles tentam a Deus, e escapam.

Então aqueles que temeram ao Senhor falaram freqüentemente um ao outro; e o Senhor atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o Senhor, e para os que se lembraram do seu nome.

E eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos; naquele dia serão para mim jóias; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve.

Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve.

ENTÃO VOLTAREIS E VEREIS A DIFERENÇA ENTRE O JUSTO E O ÍMPIO; ENTRE O QUE SERVE A DEUS, E O QUE NÃO O SERVE." (Malaquias 3:13-18)

Leony disse...

Gente, Deus não vai deixar barato. Elias (verdadeiro profeta - representando a minoria temente à Deus) e os profetas de baal (falsos profetas - representando a maioria não-temente à Deus) construíram um altar. Ambos clamaram, mas Deus respondeu apenas um.

Os dias atuais não são diferentes. Muitos (pastores de TMI, pastores de prosperidade, católicos religiosos, "pastores" gays, lésbicas, etc) estão construindo "altares" e clamando. Mas na hora certa, Deus irá responder com fogo apenas o altar construído pelos tementes à Deus.

Não importa quantos falsos existam, o altar do justo é o que irá prevalecer. O segredo está no tipo de altar que estamos construindo à Deus.

Leony disse...

Link da audiência

https://www.youtube.com/watch?v=fmfOxYbMpVQ

Thiago disse...

Oi Leony,

Muito bom seu comentário.

Saudações.

Leony disse...

Acabei de assistir o video. A fala do Pr. Silas Malafaia está incontestável. Não tem por onde correr, conseguiu deixar claro que tudo não passa de uma IMPOSIÇÃO DOUTRINÁRIA encabeçada PELO MARXISMO, onde faz parte a ideologia de gênero.

Agora é pedir à Deus para que a situação seja segurada para que o evangelho seja pregado com maior liberdade. A palavra de Deus não mente quando diz que ninguém está indesculpável.

Achei fantástico quando ele falou mais ou menos assim: "A ideologia de Marx caiu, mas a de Jesus está de vento em popa."

E nas palavras do nosso Senhor:

"...eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar..."(Apocalipse 3:8)

"...sobre esta pedra [Jesus] edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;" (Mateus 16:18)

Ivan Simões disse...

Pois é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao Evangelho de Deus? 1 Pedro 4:17

Estejamos atentos estes filhos do erro querem calar a voz conservadora da verdadeira igreja de Cristo !

Ana Mônica Jaremenko disse...

Não é de agora que a mídia usa do artifício de citar pessoas que se dizem de determinadas denominações apoiando a agenda homossexual. A Revista Carta capital é uma dessas revistas. Alguns não falam em nome dessas igrejas, apenas são membros ou frequentadores, mas a revista cita-os como se falassem pela instituição. Chamo a isso de "estelionato intelectual e informacional".

Aconteceu em 2011, quando, em um artigo, entre outros defensores da ideologia de gênero que se dizem cristãos, a Revista Carta Capital entrevistou o Sr. Anivaldo Padilha, pai do então Ministro da Saúde à época, Alexandre Padilha. O Sr. Anivaldo é sim membro da Igreja Metodista, (ou pelo menos era naquele momento) porém não fala pela igreja. E isso ouvi do Pr. Edinei Berteli Reolon e do Bispo Adonias Pereira do Lago quando os questionei pessoalmente sobre o fato.

Neste link, o artigo na Revista Carta Capital: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/ser-gay-e-pecado/

Neste link, o que escrevi sobre o assunto em meu blog FAMÍLIA ABENÇOADA JAREMENKO: http://familiaabencoadajaremenko.blogspot.com.br/2011/11/ser-gay-e-pecado.html

José Marinheiro disse...

KiVitz mostra que nem todo evangélico é grosseiro e intolerante. Há espaço para evangélicos humanos e bondosos.

Denise Ribeiro disse...

Muito bom seus comentários!
O que esse camarada (Kivitz)quer afinal?Abafar a palavra de Deus que nos manda CONFRONTAR???? Romanos 12:2
Ou o "negócio" dele é fazer como o Jeanus wyllys??
Malafaia disse tudo e dentro da palavra de Deus e a mídia diabólica sempre tendendo para arrebentar com os cre
ntes..

Brigido Cruz disse...

Caros "Irmãos"
Podemos notar claramente que a aparente preocupação com nossas doutrinas e posições pessoais, tem nos afastados do verdadeiro propósito de Jesus Cristo descrito em Mateus 25:45, pensem nisto e vamos parar de construir templos maravilhosos, andar em carros blindados com segurança, investir menos em si mesmos e sustentar nossos missionários abandonados nos campos. Precisamos fazer mais e falar menos menos. Jesus não se preocupava com as opiniões contrárias ou a favor e sim em fazer a vontade do nosso Pai que está nos céus.

Sergio Rodrigues disse...

Bom dia a todos, temos que pensar na seguinte contextualização dos fatos. O que Jesus faria? E não oque eu penso!

Gustavo disse...

Concordo!

Alex Ribeiro disse...

Tenho escutado muitas ministrações de Ed Rene Kivits e confesso que tenho aprendido muitas coisas, porém não consigo entender como uma pessoa com ele(Kivits) com um vasto conhecimento Bíblico, ainda tá no muro. Pois estou me referindo ao posicionamento dele em relação ao homossexualismo, realmente não entendo. Mas duas coisas faço, 1º não deixar de ouvir as pregações e 2º não só vou orar por ele, com todavia vou pedir aos meus amigos orem também, para a confusão na cabeça dele parar.


Alex Braz

Martinho Bernardo disse...

Amados do Senhor,Deus deu o livre abtrio para cada um ser humano ele escolhe o caminho que ele quer andar,eu sou apenas um embaixador do rei se ele disse que é abominável quem sou eu para questionar o seu decreto,cada um faz o que convém,todos irá infentar o tribunal de Deus.

Lucas Ennes disse...

Estou começando a acompanhar o PR. Kivitz recentemente e sinceramente, concordo com ele. Ele não disse que é a favor do casamento religioso de casais homossexuais, ele é a favor dos direitos sociais dos homossexuais, na entrevista para a BBC ele foi muito claro no posicionamento contrário a prática homossexual, pecado é pecado e ponto, porém não é por isso que eles não podem ter direitos.

Albert Salem disse...

João: 8. 10. Quando Jesus se ergueu, não vendo a ninguém mais, além da mulher, disse a ela: “Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?” 11. Disse ela: “Ninguém, Senhor.” E assim lhe disse Jesus: “Nem Eu te condeno; podes ir e não peques mais.”
Entendo que devemos seguir ao que " JESUS faria ".
A lição neste episódio foi de amor, perdão e não de atirar pedras.