3 de junho de 2015

“Desinformação” e uma Fonte Questionável


“Desinformação” e uma Fonte Questionável

RESENHA LITERÁRIA: História do tenente-general Ion Mihai Pacepa difama lendário diplomata do Vaticano e mina relações positivas entre católicos e russos ortodoxos

VICTOR GAETAN
Disinformation: Former Spy Chief Reveals Secret Strategies for Undermining Freedom (Desinformação: Ex-Chefe de Espiões Revela Estratégias Secretas para Minar a Liberdade)
Ion Mihai Pacepa e Ronald Rychlak
WND Books, 2013, $25.95
Para encomendar: www.wnd.com
Comentário de Julio Severo: Dias atrás, o estupendo artigo “A KGB inventou a Teologia da Libertação? Simples demais…” (link: http://bit.ly/1BimnBh), publicado originalmente pelo Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, apontou para os exageros da argumentação de que a KGB criou a Teologia da Libertação. Essa ideia original é de Ion Mihai Pacepa. Pesquisando, encontrei outro escritor católico que, num artigo numa importante mídia católica dos EUA, também nota e anota os exageros de Pacepa. Logo que o livro de Pacepa saiu, eu o adquiri, como normalmente faço com todo livro publicado pelo WND. Aliás, tenho praticamente todos os livros do WND. Mas a obsessão de Pacepa de culpar a KGB (que já é culpadíssima de muitos crimes) por tudo o que acontece no universo parece estranha, para dizer no mínimo, e gera mais dúvidas do que certezas, ainda mais que dois autores católicos conservadores já o colocaram na parede com relação ao que ele mesmo disse e não pôde provar. Um dos autores, o premiado escritor católico Victor Gaetan, publicou sua análise em 2013 no prestigioso National Catholic Register (Registro Católico Nacional). Alguns tentaram desacreditar a análise dele nesses dois anos passados, mas a sorte não os favoreceu muito, especialmente nos pontos mais importantes levantados por Gaetan, cujas observações resistiram bem às críticas e permanecem firmes e relevantes. O grande desafio, pois, é ler o livro de Pacepa sabendo fazer a diferença entre o que é real e imaginário, filtrando o que parece ser mirabolante e impossível de comprovar. Levanta suspeitas, por exemplo, o fato de que Pacepa é elogiado pela CIA — elogio alegremente registrado no livro dele. Oposição à KGB, para um cristão conservador, não significa apoio automático à CIA, que, em matéria de espionagem e crimes, em nada perde para a KGB. Receber elogios da CIA, ou da KGB, é uma desvantagem, tendendo a tornar o elogiado digno de desconfiança. Conforme informações do próprio WND, o governo dos EUA ocultamente enviou muitos estoques de armas para os rebeldes sírios (em grande parte terroristas islâmicos ligados à al-Qaida) que estão estuprando, torturando e massacrando cristãos na Síria. A CIA teve papel destacado nesse esquema. Aliás, o WND acusa Hillary Clinton de ter ajudado a criar o ISIS, que tem massacrado milhares de cristãos no Oriente Médio. Além disso, sabe-se que a CIA deu bilhões de dólares para criar a al-Qaida no final da década de 1970, num esquema para fortalecer e utilizar o terrorismo islâmico para infernizar a União Soviética. Mas o esquema virou de cabeça para baixo quando um dos agentes islâmicos da CIA, o saudita Osama bin Laden, por algum motivo se revoltou e usou seu conhecimento e experiência contra os EUA. A CIA e seu ex-agente tiveram papel decisivo no fortalecimento do moderno terrorismo islâmico. Mas Pacepa parece desconhecer tudo isso, embora se apresente como especialista em assuntos de terrorismo islâmico. Ele insiste em atribuir 100 por cento da culpa à KGB. Pacepa, que supostamente ocupava um cargo de tanto destaque na KGB que lhe permitiria conhecer detalhadamente o envolvimento da CIA na fomentação do terrorismo islâmico internacional, no livro aparenta não ter tal conhecimento, ou o esconde a fim de ganhar as graças, favores e privilégios da CIA. Pesquisei extensamente seu livro “Desinformação” e não encontrei uma única crítica à CIA e nenhuma menção do fato de que a CIA teve e tem participação inegável no moderno terrorismo islâmico. De fato, o atual diretor da CIA é muçulmano, tendo se convertido a essa religião assassina quando estava na Arábia Saudita. Mesmo assim, à CIA, Pacepa reserva somente elogios; à KGB, críticas. Por que não, por justiça, criticar os dois? Em “Desinformação,” Pacepa diz que sua proteção, identidade e outras questões pessoais estão a cargo da CIA. Nesse ponto, alguns poderiam questionar se o livro de Pacepa denuncia a desinformação ou é um instrumento de desinformação. Eis o artigo de Victor Gaetan:
Ion Mihai Pacepa (à direita) meses antes de sua deserção para os EUA em 1978
A era soviética é um capítulo profundamente trágico na história da Igreja Católica.
Embora o Cristianismo triunfou — a perspectiva do Evangelho acerca da dignidade individual derrotou o materialismo e a luta de classes de Marx — perdemos muito: milhares de cristãos devotos, inclusive bispos assassinados e presos, propriedades da Igreja Católica confiscadas e destruídas, gerações de católicos que não foram catequizados e a supressão dos sacramentos.
Nenhum livro abrangente foi ainda escrito sobre a visão e bravura da Igreja Católica contra o comunismo (embora o papel central do Bendito João Paulo II tenha sido bem descrito em alguns).
Mas um livro recente dizendo-se capaz de oferecer novas informações sobre essa parte da história em vez disso traz confusão e exageros.
“Disinformation: Former Spy Chief Reveals Secret Strategies for Undermining Freedom, Attacking Religion and Promoting Terrorism” (Desinformação: Ex-Chefe de Espiões Revela Estratégias Secretas para Minar a Liberdade, Atacar a Religião e Promover o Terrorismo), escrito pelo ex-tenente-geral romeno Ion Mihai Pacepa e por Ronald Rychlak, professor de direito da Universidade do Mississippi, é marcado por erros significativos que falsificam tanto a história quanto os desafios contemporâneos que a Igreja Católica enfrenta.
Uma estranheza acerca de “Desinformação” é sua autoria. Os autores são especificados, mas só um faz a narração. Pacepa é uma ex-autoridade comunista intensamente polêmica cuja deserção para os Estados Unidos em 1978 ainda não é bem compreendida. Pacepa, de 84 anos, nunca aparece em público, não responderá a perguntas por telefone e responde a emails apenas por terceiros, um dos quais me disse: “Nem sei se ele existe!”
Seu coautor é Ronald Rychlak, um professor de direito católico mais bem conhecido por seu livro “Hitler, the War and the Pope ” (Hitler, a Guerra e o Papa), uma defesa bem pesquisada do histórico do Papa Pio XII durante a 2ª Guerra Mundial. Em “Desinformação,” campanhas esquerdistas para difamar o Papa Pio são apresentadas como um exemplo da máquina de propaganda do Kremlin.
O que Rychlak contribui, extraído de sua obra anterior sobre o Papa Pio, parece sólido; o que Pacepa acrescenta, extraído de seu passado sórdido como capanga e estrategista stalinista por 27 anos na Romênia, é na melhor das hipóteses questionável.

A História e Pacepa

Seis anos atrás, Pacepa revelou um relato preocupante de que ele ajudou a KGB a se infiltrar nos Arquivos Secretos do Vaticano para roubar documentos a fim de incriminar falsamente o Papa Pio XII.
No artigo “Moscow’s Assault on the Vatican” (O Ataque de Moscou ao Vaticano), publicado em 2007, Pacepa afirmou estar convencido de que o monsenhor Agostino Casaroli, diplomata lendário do Vaticano — posteriormente cardeal e secretário de Estado sob o Papa João Paulo II — permitiu que três agentes romenos, posando de padres, examinassem os arquivos papais.
Sob análise, a história de Pacepa começou a se desfazer, com dúvidas expressas por historiadores e especialistas do Vaticano.
Então a razão que Pacepa afirmou para ter credibilidade junto ao Vaticano se desmoronou: Ele disse que havia criado um “negócio de espiões” em 1959, trocando Augustin Pacha, arcebispo romeno preso, por dois espiões apanhados na Alemanha Ocidental. Mas o arcebispo Ioan Robu de Bucareste mostrou fotos da cripta do bispo de 1954, explicando que o homem heroico já estava morto quando Pacepa afirmou tê-lo libertado.
Em “Desinformação,” Pacepa tenta de novo vender a história da infiltração no Vaticano. O livro não acrescenta nenhuma evidência nova para apoiar as alegações dele. Contudo, “Desinformação” acrescenta combustível para um debate permanente acerca o próprio passado de Pacepa.

O Envolvimento de Casaroli

Uma das afirmações surpreendentes que Pacepa faz, no artigo e no livro, é que, numa reunião face a face em Genebra, o monsenhor Casaroli concordou “em princípio” dar à Romênia um empréstimo sem juros de 1 bilhão de dólares em troca da restauração de plenas relações diplomáticas com o Vaticano — relações que foram rompidas de modo dramático em 1950, quando a Romênia expulsou o núncio apostólico.
Ao lançar suspeitas sobre o caráter e a capacidade do cardeal Casaroli discernir, Pacepa mina a integridade de toda a estratégia do Vaticano entre 1963 e 1989 conhecida como “Ostpolitik.”
Essa política envolvia manter diálogo com governos comunistas a fim de ajudar a Igreja Católica e seus membros perseguidos atrás da Cortina de Ferro sem legitimar ditaduras. Em sua autobiografia, o cardeal Casaroli descreveu esse esforço como “excepcionalmente difícil.”
O Vaticano estava convencido de que a repressão comunista acabaria levando à queda da ideologia inteira. O cardeal Casaroli comparou o comunismo a uma árvore imensa que parece grande e poderosa, mas que por dentro está apodrecendo.
De acordo com o cardeal Achille Silvestrini, que auxiliava o cardeal Casaroli, o emissário trabalhou diretamente para três papas em tarefas específicas; ele não era um negociante embusteiro fazendo negociações suspeitas com oportunistas comunistas de nível médio.
“O cardeal Casaroli começou em 1963, de um modo muito organizado, como resultado de muita ponderação no nível mais elevado. É impossível que ele tenha conversado sobre dinheiro ou um empréstimo com esse homem [Pacepa] ou usado seu escritório para facilitar espiões,” o cardeal Silvestrini disse ao Register.
De acordo com o monsenhor Gabriele Caccia, assessor da Secretaria de Estado da Santa Sé, nunca se fez nenhum empréstimo para a Romênia.
Os cardeais Giovanni Cheli e Luigi Poggi, diplomatas do Vaticano, estavam envolvidos em negociações com a Romênia e o bloco soviético. O cardeal Cheli chamou as alegações de Pacepa de “cenários mentirosos,” enquanto o cardeal Poggi os declarou “produtos de uma mente e alma perturbadas.”
O arcebispo Robu, que foi consagrado pelo cardeal Casaroli, enfaticamente chama de falso o que Pacepa disse: “Saberíamos, estaria em nossas memórias, se espiões romenos ganhassem acesso aos Arquivos do Vaticano. Não aconteceu.”

Profundamente anti-russo

No geral, “Desinformação” é agressivamente anti-russo. Pacepa não faz diferença entre a era soviética e a era pós-comunista.
A descrição cáustica que Pacepa faz da Rússia e da Igreja Ortodoxa hoje contradiz de modo direto a política do Vaticano. O Vaticano vê a Rússia, junto com a Europa e a América Latina, como parte da civilização ocidental — e um baluarte contra as tendências anticristãs.
O Papa Bento 16 estabeleceu plenas relações diplomáticas com a Rússia e diálogo intenso com a Igreja Ortodoxa (que representa 71% da população da Rússia), que está experimentando um renascimento. As duas igrejas estão mais próximas hoje do que talvez em qualquer tempo desde o Cisma Oriente-Ocidente de 1054.
Em “Desinformação,” Pacepa atribui tudo a operações da KGB, desde conspirar para assassinar o presidente americano John F. Kennedy até provocar o nascimento do extremismo islâmico. Em cada cenário, ele se retrata como alguém que viu com os próprios olhos a história — quando sua verdadeira patente e descrição de cargo nunca explicariam acesso a esses eventos e decisões.

A Vizinhança que O Conhece

Larry Watts, historiador americano e especialista em inteligência que assessorou o governo romeno pós-comunista acerca de como impor controle sobre as agências de espionagem da Romênia (e fazê-las ficar em conformidade com as normas da OTAN), publicou um estudo importante sobre o relacionamento da Romênia com a União Soviética, “With Friends Like These: The Soviet Bloc’s Clandestine War Against Romania” (Com Amigos Assim: A Guerra Clandestina do Bloco Soviético contra a Romênia), em 2010, com base em pesquisas extensas em arquivos da Alemanha Oriental, União Soviética e Romênia.
Watts conclui que Pacepa deve ter sido um espião da KGB, em grande parte pelo modo como ele tentou abalar o relacionamento entre EUA e Romênia quando ele desertou para os Estados Unidos em 1978, fazendo negociações mediante o argumento de que a Romênia era um cavalo-de-troia dos interesses soviéticos.
A hipótese de Watts acerca de Pacepa foi recebida como uma bomba na Romênia, principalmente porque significa que ele é um traidor: Um agente soviético trabalhando na Romênia, principalmente depois de 1958, estaria dirigindo eventos contra as preferências e interesses da Romênia.
Dois meses atrás, um simpósio importante num museu de Bucareste foi realizado com o título “O Arquivo Pacepa.” O simpósio reuniu intelectuais, historiadores, jornalistas e políticos que lidaram com assuntos em torno de Pacepa, inclusive se ele era um agente da KGB ou não.
Um assunto foi a credibilidade de Pacepa, considerando o papel dele como iniciador de crimes contra opositores anticomunistas. De acordo com Dinu Zamfirescu, assessor científico do presidente do Instituto de Investigação de Crimes Comunistas e autoridade da CNSAS, Pacepa assinou ordens para incriminar falsamente e assassinar anticomunistas exilados.
O documento oficial Plan de Masuri (Planos Operacionais contra um Alvo), assinado por Pacepa, ordenava “intimidação frequente e a aplicação de medidas físicas corretivas” contra funcionários da Rádio Europa Livre. A CNSAS concluiu em 2006 que Pacepa era um agente da polícia política comunista da Romênia.
Quando perguntado em 2007 pelo serviço noticioso Zenit o que ele achava da história de Pacepa, o Pe. Peter Gumpel, relator do caso da canonização do Papa Pio XX, explicou seu ceticismo, dizendo: “É necessário levar em consideração que os espiões precisam justificar sua existência e precisam dar valor a coisas que têm pouca ou nenhuma importância.”
Apesar da intenção de defender o Papa Pio XII, a pose de Pacepa em “Desinformação” é audaciosa e insincera. Os leitores precisam tomar cuidado.
Victor Gaetan, que vive em Washington, é correspondente do National Catholic Register (Registro Católico Nacional). Ele é colunista da revista Foreign Affairs (Assuntos Estrangeiros). Em 2011 ele recebeu o prêmio máximo da Associação de Impressa Católica dos EUA por uma série de artigos no Register sobre Cuba.
Traduzido por Julio Severo do original do National Catholic Register (Registro Católico Nacional): “Disinformation” and a Dubious Source.
Leitura recomendada:

34 comentários :

Thiago disse...

Julio,

Muitas lideranças pós-vat 2 são agentes comunistas infiltrados sim. Podem negar o quanto quiserem, são mentirosos por natureza. Você acha que após matar 100 milhões eles poupariam algum esforço para derrubar a Igreja Católica, se teriam algum pudor? JULIO, A KGB É REPRESENTA O GOVERNO MAIS ASSASSINO DA HISTÓRIA. Qualquer um que queira defende-la acabará por se sujar conjuntamente. CAIA FORA DESSA!

KGB É COMO SODOMA; ANÁTEMA!

Julio Severo disse...

Thiago, vc está com sério problema de leitura, com essa conversa de que todo problema real é após o Vaticano II. Saida dessa Thiago! Martinho Lutero se opôs a uma Igreja Católica ANTES, muito ANTES do Vaticano II. Tanto faz antes ou depois.

Vou repetir para você uma resposta que lhe dei em outro comentário:

Thiago, vc disse: “Todo mundo sabe que a Igreja Católica verdadeira está no exílio, já se retirou de cena desde o Vaticano Segundo.” O maior e melhor feito do Concílio Vaticano Segundo foi incentivar que os católicos lessem a Bíblia em vez de confiar exclusivamente nos escritos religiosos livretos sobre a vida dos santos católicos.

Isso sem dúvida foi um avanço imenso, pois o católico praticamente não lia a Bíblia, por desencorajamento vindo do próprio Vaticano.

Insinuar que o Concílio Vaticano Segundo estava errado é a mesma coisa que dizer que os outros concílios estavam certos e que Lutero e outros lutaram contra uma igreja santa e imaculada.

Essa história de dizer que depois do Concílio Vaticano Segundo a Igreja Católica está no exílio é coisa de tradicionalista, que quer proibir a leitura da Bíblia e de novo escravizar o povo às tradições mortas. Ou você quer que, em vez de lerem a Bíblia, os católicos voltem a confiar exclusivamente nos escritos religiosos livretos sobre a vida dos santos católicos?

Se o Concílio Vaticano Segundo foi ruim, os outros foram uma porcaria.

Do ponto de vista dos tradicionalistas, o Vaticano Segundo foi uma tragédia. Eles não gostam da Bíblia na mão do povo. Eles acham que o povo não sabe “interpreter” corretamente a Bíblia, com fidelidade à volumosa tradição católica, que em grande parte entra em choque com a Bíblia.

Ao ficar tão obcecado por se juntar aos tradicionalistas para atacar o Vaticano II, você pode estar mostrando que está passando por um processo de conversão ao catolicismo.

Thiago disse...

Julio,

Eu defendo os costumes cristãos. O Vaticano Tradicionalista era a força da direita no Ocidente, e a sua vida queda foi a queda da última Bastilha da Família e dos Valores Cristãos diante do espaço público.

Júlio, a URSS ou o Comunismo KGB, foi a pior praga que já se abateu sobre a humanidade. Atacar a Igreja Católica para defendê-los é uma coisa feia. Não estou te reconhecendo.

Julio Severo disse...

A grande força da direita no Ocidente sempre foi os EUA protestantes, Thiago. Você está passando por um grave processo de conversão e alucinação religiosa.

A pior praga que já aconteceu é o islamismo.

Hitler, que tinha raízes católicas, avançou com um discurso anticomunista, e deu no que deu.

Comunismo é uma das pragas, mas discurso anticomunista não salva ninguém. Pelo contrário, pode formar um Hitler, como já formou antes.

Aderir, como você está fazendo de forma boba e cega, a um discurso pró-tradiconalista católico como se eles fossem os conservadores genuínos, é o fim da picada! Você está sofrendo lavagem cerebral.

Thiago disse...

Você está me atacando para defender a KGB? É isso mesmo?

Cara, eu estou analisando politicamente, não misture com convicção religiosa. Até os anos 1950 a maioria das Igrejas protestantes já era liberal, e a ICAR ainda resistia Conservadora. Em ternos de ideologia e valores morais, a ICAR dava de 10 a 0 em Igrejas como a Anglicana ou Reformadas da Europa.

Não estou defendendo a doutrina católica, mas sim seu conservadorismo como Ente de influência sobre o Estados Nacionais, sobre a Opinião Pública e debate político.

Julio Severo disse...

Thiago, nunca defendi a KGB. E este artigo também não defende a KGB. Não tente se defender acusando o artigo do que não disse. ATAQUEI, isso sim, sua ideia equivocada de achar que antes do Vaticano Segundo era melhor. Melhor uma ova, e já expliquei acima. Leia, por favor, sem delirar.

Denise disse...

Tiaguinho, tu está de fato se convertendo em católico tradicionalista ou coisa da espécie. E eu que achava que tu era mais firme.

Alfredo disse...

Pintar católicos tradicionalistas como a maior referência da Direita é querer dizer que todos os evangélicos, parae serem conservadores, têm que se tornar os mesmos. Lamentável e sintomático. Proselitismo de católicos extremistas dando sinais da sua presença entre leitores deste Blog. Vou orar por uma verdadeira conversão do senhor Thiago ao Senhor Jesus.

Anônimo disse...

Sério, Thiago, não entendi a sua intenção.....

Flávio

Anônimo disse...

O papa Pio XI foi amigo íntimo do sínico e sádico Benito Mussolini (Que assinou o famoso Tratado de Latrão). E seu sucessor, o papa Pio XII foi amigo chegado de Adolfo Hitler (psicopata que assassinou da forma mais cruel e covarde milhões de seres humanos). Diante destes incontestáveis fatos históricos como pode alguém, em sã consciência, defender a ICAR?
Sugiro que façam uma sincera leitura do livro "O Grande Conflito" de "Ellen G. White" para saberem realmente o que significa e quem se esconde por trás desse gigantesco e fraudulento sistema religioso chamado "Igreja Católica Apostólica Romana".

Cordiais saudações.

Pedro disse...

Não ligo se o Thiago quer virar católico ou budista. O importante é que ele nos ajude a tirar o PT do poder. O resto é o resto.

Flavio J. Machaadon disse...

Mentiroso. Os dois papas foram duas vozes contrárias ao totalitarismo. Em vez de acreditar na falsa profetiza e mentirosa compulsiva da sra White, pelo menos tenha a vergonha de pesquisar sobre a vida da mesma. Quanto aos papas, leia pelos menos.sobre os.dois, vale ate mesmo a Wikipédia.
Pio XII, por exemplo, foi homenageado até pelo judeu Albert Einstein na sua defesa do povo judeu, abrigando só no Vaticano 12 mil que fugiram da Alemanha (que na época tinha 69% da população na Igreja Alemã, de cunho evangélico luterano, comandada por Hitler).
Ah, e quantas profecias a White acertou mesmo? E tua seita adventista já decidiu se a trindade é pagâ ou não?

Ass

Anônimo disse...

Alegadamente, Pio XII ajudou judeus e nazistas. Depois da Grande Guerra, informa-se que ele providenciou a transferência de nazistas para abrigos mais seguros na América do Sul.

Flavio J. Machaadon disse...

Fazia mês que não entrava neste blog. É, mesmo a contragosto sou obrigado a dar ao braço a torcer ao Olavo de Carvalho. Julio ultimamente só fala de gay, contra a Igreja Catolica e a favor de uma suposta era de ouro protestante americana. Conhecimento histórico zero. Coerência? Sem comentários. Conhecimentos de catolicismo? Nulo.

Por falar em coerência, queria saber qual das 57 mil seitas de protestantismo catalogadas no berço "conservador" norte americano que o sr Julio indica ao Thiago para este se converter? Afinal, não sendo catolicismo qualquer uma serve né, afinal igreja não salva, como diz os protestas....o importante é sola escritura disponível para qualquer um, mesmo no Brasil com seus 57% de analfabetos funcionais (dados do Mec de 2012). Assim, "iluminado" pelo Espirito Santo, cada um abre sua igrejinha e promove uma nova teologia totalmente divergente, e todos acham que o E. Santo é quem dirige sua seita.

Publicaaí Julio, para vermos a choradeira.

Flavio J. Machaadon disse...

Sim, li na wikitirosa, escrita pelo finado Lutero que incorporou na Elen White. Sola mentira, conhece?

Silvana disse...

EUA são o maior país evangélico do mundo e são prósperos. Brasil é o maior país católico do mundo e é uma MISÉRIA só. Isto lhe diz alguma coisa, Flávio?

Anônimo disse...

OS EUA TEM DINHEIRO MAS E O MAIOR FINANCIADOR DA SODOMIA ,MASSACRE DE CRISTAOS ,ABORTISTAS E ANTI_FAMILIA TRADICIONAL,AQUI AINDA PODEMOS LUTAR BASTA PARARMOS DE FICARMOS NESTe COMODISMO E ACEITARMOS TUDO SEM GRITAR POR NOSSOS DIREITOS,numa coisa o Julio esta correto os cristaos parece que tem preguiça de ler a Biblia pois se o fizessem as coisas nao estariam esta nojeira.Silvia

Flavio J. Machaadon disse...

Falacia, mais uma, anti catolica: Se protestantismo for sinal de prosperidade, Japão, Coreia do Sul,Cingapura, Emirados Árabes e Catar, por exemplo, que nem cristão são, seriam pobres.
Bélgica, Irlanda, Itália, Áustria, Monaco,França, República Tcheca, Alemanha, Luxemburgo são de maioria católica.
Todos ricos.
A economia que mais cresce na Europa é a da Polônia nos últimos cinco anos. Católicos.
E se protestantismo garantisse riqueza, Congo, África do Sul, Botswana, Malawi, Jamaica, Namíbia seriam ricos, por exemplo.
E o Brasil, apesar da pobreza, até a invasão protestante norte-americana após 1960, era uma sociedade extremamente conservadora, mesmo nosso catolicismo sendo débil e com muitos adeptos de espiritismo em nossa sociedade. As primeiras leis anticristãs foram outorgadas sob a batuta de Geisel, presidente militar luterano praticante (divórcio e aborto). E paralelamente ao crescimento protestante e redução católica, nossa sociedade se inverteu e hoje alem de imoral, liberal é violenta, ao molde estadounidense.

Thiago disse...

Flávio e Julio,

Por favor, reflitam...

Raciocinem politicamente, mentalidade de conservador cristão, independentemente de doutrina específica. Amadureçam.

Vocês jogam a amizade no lixo por nada, né?

Somos Cristãos Conservadores ou não somos?

Dá pra divergir sem ofender?

Não pretendo me manifestar mais neste espaço; para não alimentar inimizades.

Thiago disse...

Continuo Evangélico Neopentecostal, mas sei valorizar os pontos positivos do catolicismo. E Flávio... suas palavras nos magoam também. Ofensas Gratuitas de ambos os lados. Lamentável.

Flavio J. Machaadon disse...

Silvia, os grandes estudiosos da bíblia, reconheço, são presbiterianos e luteranos. E coincidentemente são dois antros racionalistas e liberais, inclusive ordenam mulheres separadas, casam gays, promovem contraceptivos, e perseguem os que buscam o pentecostes. Na irlanda, semana passada, pastores da igreja da Irlanda, presbiterianos, defenderam publicamente o "amor", o casamento igualitário, inclusive o fiel mais famoso desta seita, o cantor Bono Vox, financiou a campanha.
Acontece que houve uma ruptura no pensamento cristão filosófico, o tomismo, sintetizada por Tomas de Aquino, mas de origem agostiniana. Essa ruptura se dá aos poucos com a idéia de separação estado e religião, e depois sob o iluminismo maçônico, que desemboca no terrível racionalismo da escola de Frankfurt, que infectou a teologia ocidental. Abriu-se na mente das pessoas, uma brecha, onde se inculcou que a religião é algo pessoal. Prá encurtar: deve-se interpretar a bíblia contemporaneamente, afastando a influência da tradição e de forma experimental, baseada nas experiências individuais. Resultado: Babilônia cultural cristã moderna, tibieza do cristianismo ocidental e liberalismo.

Flavio J. Machaadon disse...

Só para provocar: Dos doze apóstolos, que passaram mais de três anos com Jesus, vendo milagres e ouvindo duas pregações, na hora da morte e ressurreição do Senhor, um o traiu, outro o negou, um fugiu, um faltou fé na ressurreição, vários se esconderam....apenas um ficou no pé da Cruz, João.
Pedro, o mais proeminente e citado dos apóstolos, escorregou na fé flagrantemente de novo por medo dos judeus, mesmo após o pentecostes.
Depois foi escolhido um assassino para pregar às nações.


Thiago disse...

Eu desisto!

Não tem jeito mesmo!

Foi muito bom ter dialogado com vocês por um bom tempo. Já deu...

Que Deus abençoe vocês... eu tô fora dessas discussões...

É muito conflito.

Quero aposentar aos meus neurônios... Tico e o Teco já estão na fila do auxílio saúde... hahaha...



Flavio J. Machadyan disse...

Oh Thiagão, se ofendi, não foi a intenção, só provocar um pouco, é porque tem um grupelho aqui que ofende toda hora, mas toda hora os católicos...seja os tais marcelos, dons rafaéis, calvinistas alegres ou a turma dos adventolinhos...é falar mal da igreja católica.....e o pior que é sempre a mesma lorota, não se dão nem ao trabalho de investigar se não falam besteira.
Fazia uns dois meses que não entrava no blog, li as ultimas tres matérias e não me contive.....só fiz uma defesa aos católicos desavisados do blog. Aliás os convido para entrar sites católicos como O Fiel Católico, ou Thiself O Lorde....buscar no google.
Vejo que este blogue anda muito acusatório por parte de todos, o que é uma pena, deveria ser mais propositório. Não adianta só ficar na net descendo a lenha em todo o mundo ou ficar só em análise internacional. Tem que botar a mão na massa....ir em sessões legislativas, fechar clinicas de aborto, visitar os enfermos, escrever para deputados, opiniar na midia secular, escrever para jornais...ocupar espaços. Aí eu vejo uns paspalhos criticando igreja!!!! Por isso a provocação.....Eu participo no movimento pró vida GBM, liderado pelo maior nome pró vida de Santa Catarina, Sabino Werlich, de Rancho Queimado, homem que até preso já foi por fecharmos clinica de abortadouro no braço....
Não é só ser honesto para poder julgar dois mil anos de história, precisa ter conhecimento da verdade, do contexto, discernimento intelectual.....não posso julgar bilhões de seres humanos por causa de besteira de meia duzia de papas no meio de 278 papas. Por causa de alguma centena de padre vagabundo vou achar que todos os 600 mil sacerdotes são igual. O pior é ainda as mentiras da mídia secular repetidas por "protestantes". Você não precisa ser católico, mas deve investigar de forma ilesa se acha que deve odiar esta instituição. E se fosse para aqui mostrar pecados de vários fundadores de igrejas, especialmente pentecostais nos EUA, falsas profecias, etc? mas sinceramente, é o lugar para isso, num site que se afirma pró vida?

E quanto ao movimento pró vida, ou conservador......ou se ajunta e age, ou continua assim....discutindo, discutindo, discutindo.....e os esquerdopatas, que também são super divididos ideologicamente, não se engane, mas na hora da ação são um só...

A titulo de comparação: dos doze apóstolos que viveram mais de tres anos com Jesus, vendo seus milagres ao vivo, ouvindo suas palavras, quantos estiveram ao lado de sua cruz no calvário? só um, João. Os demais o abandonaram (traindo, se escondendo, negando ou fugindo). O mais citado nas escrituras, Pedro, ainda escorregou na fé feio outras vezes. Paulo foi levantado para pregar ao gregos. Quem era? um ex assassino, com feições sádicas, de cristãos. Por causa desses, que fundaram o cristianismo, vou deixar de seguir o cristianismo? Toda instituição tem seus momentos de lapso, homens falham, e isso é um teste para nós.....mas é para Glória de Deus, que ninguém se exalte por Ele. É pelo nosso pecado que a igreja se dividiu, não culpa de Deus.

Abraço thiagão, daqui há uns meses volto aqui, rsssss, falta tempo.....espero que o Julio publique esse meu ultimo comentário. Ah, e como não verei tão cedo o monte de resposta que vou receber, já adianto para oposição que sou católico de rito melquita, de origem paterna libanesa, embora em comunhão com Roma, há algumas diferenças na liturgia, não em doutrina. Então se quiserem criticar, a vontade, mas estudem mais para não passarem vergonha.

Julio Severo disse...

Flávio, conheci o Sabino Werlich numa grande conferência em Brasília 20 anos atrás. Mas essa relação com católicos pró-vida nunca envolveu, como se vê agora mais frequentemente, aquele papo arrogante de certos católicos que arrotam que o único conservador genuíno é o católico. Esse é um problema mais moderno, que nada tem a ver com os católicos que conheci durante muitos anos no movimento pró-vida.

Thiago disse...

Eu não guardo mágoas Flávio, pois quem quer ser perdoado têm de perdoar. Também não sou digno da sua atenção irmão, brigado por se dedicar escrever tudo isso pra mim. Concordo com muita coisa que você disse.

Estou cansado de discussão também.

Mas... passarei aqui de vez em quando para ver como você e o Julio estão.

Fiquem com Deus.






Claudio Vaz disse...

Não vou defender o Julio Severo até porque ele sabe fazer isso sozinho.

É interessante ler comentários dizendo que acha errado isso ou aquilo, sobre ser errado esse ou aquele post.

O blog tem nome: Júlio Severo. O dono do blog, seu moderador, é quem escolhe o quê será publicado. Simples assim.

E sejamos francos: quanta vezes vemos leitores desafiando o moderador a publicar seu comentário e o comentário é publicado?

Eu mesmo já tive opinião contrária ao moderador sobre o deputado ex-apoiador do PT Marco Feliciano (mas ainda estúpido por apoiar cotas raciais, e ainda profeteiro em causa própria sobre o Brasil ter um presidente evangélico) e minhas opiniões eram publicadas.

Não, ele não é obrigado a publicar. Ele publica o que quiser PORQUE O BLOG É DELE.

O que muda a VIDA de uma pessoa é o Evangelho da Reconciliação, a palavra do Deus vivo, que é a palavra que rege o universo.

Em tempo: existem casos - e não são poucos - de pessoas que eram analfabetas e aprenderam a ler com a Biblia POR OBRA DO ESPÍRITO SANTO que é o que dá entendimento. Eu mesmo conheço um pastor que pregou para sua empregada doméstica analfabeta que queria ler a Bíblia e assim o Espírito Santo fez para a glória se Deus.

Um conselho ao Thiago. Você lê bastante e isso é bom. Mas sempre, em primeiro lugar, a Escritura Sagrada. SEMPRE, Thiago. Ela é lâmpada para os nosso pés. Deus te abençoe.

Thiago disse...

Senhor Carlos Vaz...

Eu já disse que procurarei não mais comentar, por não ter a mesma opinião que Severo. Em respeito aos anos que a gente se deu bem aqui neste espaço. Sei que o Julio fez um favor em publicar, e ele sabe o quanto eu o respeito e gosto de sua dedicação ao Evangelho.

Quanto a NÃO ESCREVER com um português "lustroso", impecável... pra mim, tamanha preocupação não passa de raca, titica de galinha, não passo meu tempo livre preocupado com estas questões; pois sei que não sou nada, ou coisa alguma que valha, que Grande mesmo só o Senhor Deus.

O grande mal do ser humano está no orgulho, no ego, egolatria...

Não sou mais ou melhor do que um mendigo, ou uma EMPREGADA, ou um crackudo, ou um retirante, ou um homossexual perdido, ou bandido convertido numa penitenciária... por todos estes o Senhor Jesus se sacrificou, por todos eles demonstrou seu enorme amor. Desceu da glória e padeceu entre nós. Quem sou eu pra me achar mais ou melhor que alguém?

Tô nem aí... "deixe que digam, que pensem, que falem, deixa isso pra lá, vem pra cá o que é que tem (?), eu não tô fazendo nada, você também... Como é bom bater um papo assim gostoso com alguém (!)."

O Amor está acima de qualquer outra virtude.

Foi bom bater um papo contigo também, Vaz. A Bíblia é importante sim, eu leio sempre. Que Ele nos abençoe, precisamos do Seu infinito amor. Quando puder passo aqui pra ver como você está, tudo bem?

Amo os irmãos em Cristo Jesus.

Como diz aquele Louvor da Rose Nascimento:

"Mais Firme do que Nunca"

https://m.youtube.com/watch?v=NXzUcbL_25A

Eu diria que estou... mais CRENTE do que nunca.

Fico agradecido por sua preocupação.

A Paz.

Claudio Vaz disse...

Thiago, receio que você não entendeu o que escrevi.
Deus te abençoe.

Thiago disse...

Eu apostei na possibilidade de um entendimento senhor Cláudio Vaz... mas pelo visto o senhor está me "dando um fora" com todas as letras, afirmando que o blog é dele e que eu desafiei o Julio.

É... eu sempre tento ver as coisas com bons olhos... com um viés conciliatório. Mas o senhor, senhor Cláudio; não vê desta forma, não é mesmo?

Que poderei fazer além do que já afirmei que farei?

Não comento mais, pronto.

Claudio Vaz disse...

Não foi isso não, Thiago.
O único parágrafo que escrevi pra ti foi o último:

"Um conselho ao Thiago. Você lê bastante e isso é bom. Mas sempre, em primeiro lugar, a Escritura Sagrada. SEMPRE, Thiago. Ela é lâmpada para os nosso pés".

Deus te abençoe

Thiago disse...

O único nome de comentarista que aparece em seu comentário é o meu. Se você escreveu aquilo para o Flávio... bom... não ficou muito claro.

Mas tudo bem Vaz, bola pra frente. Que Deus nos abençoe sim, a mim e a ti.


Claudio Vaz disse...

O texto é a minha opinião. O último paragrafo foi pra ti. Sem mais.

Anônimo disse...

Flavio, você será chamado pra suportar o Evangelho juntos com os Adventistas.

O Espírito Santo falará ao seu coração.