12 de maio de 2015

Fundador da teologia da libertação louva “novo clima” do Vaticano


Fundador da teologia da libertação louva “novo clima” do Vaticano

Nicole Winfield
Comentário de Julio Severo: A reportagem abaixo, escrita pelo maior serviço noticioso dos EUA, não é conservadora, mas dá uma ideia inescapável do clima do Vaticano. O que mais sai prejudicado com isso é a luta católica pró-vida e conservadora.
Gustavo Gutierrez no Vaticano
CIDADE DO VATICANO (Associated Press) — O pai da teologia da libertação, que no passado era criticada pelo Vaticano por suas tendências ocultas marxistas, louvou o “novo clima” no Vaticano sob o Papa Francisco que tem focado a atenção da Igreja Católica na justiça social e servir os pobres.
O teólogo peruano Rev. Gustavo Gutierrez fez sua primeira aparição numa entrevista coletiva oficial do Vaticano à imprensa na terça-feira. Foi um momento histórico considerando que o Vaticano passou boa parte das décadas passadas adotando medidas duras contra os excessos marxistas da teologia da libertação, uma teologia de inspiração latino-americana que defende os pobres, e disciplinando alguns de seus apoiadores mais eloquentes.
Gutierrez, que nunca foi disciplinado, disse que a beatificação do arcebispo salvadorenho Oscar Romero, um herói do movimento de teologia da libertação, sinalizou que “o muro da separação caiu.”
Algumas versões da teologia da libertação estão em desacordo com os ensinos da Igreja Católica porque veem Cristo como mero libertador social. O Vaticano fazia objeção à base da teologia da libertação na análise marxista da sociedade — especialmente a ideia de luta de classes na promoção de justiça social, política e econômica para os pobres.
Em comentários aos jornalistas, Gutierrez frisou que a teologia da libertação como um todo nunca foi condenada pela Igreja Católica. Mas ele reconheceu que a Santa Sé havia se engajado num “diálogo muito crítico” com seus promotores e houve “momentos difíceis.”
“Estou feliz de estar aqui no Vaticano,” ele disse em tom de ironia.
Mesmo antes do aparecimento, a teologia da libertação estava passando por um certo grau de reabilitação sob o primeiro papa latino-americano, com Gutierrez aparecendo num lançamento de um livro num auditório do Vaticano no ano passado.
“Penso que neste momento o clima em torno dessa teologia é diferente. Isso é verdade,” Gutierrez disse. Mas ele disse que a reabilitação dessa teologia não era tão importante quanto a chamada de Francisco para se colocar o Evangelho em ação mostrando uma opção preferência pelos pobres.
“Falar sobre os pobres, falar sobre as periferias, dizer que temos de avançar: É isso que é importante,” disse ele.
Traduzido por Julio Severo do artigo original da Associated Press: Liberation theology founder praises Vatican's 'new climate'
Fonte: www.juliosevero.com      
Leitura recomendada:

9 comentários :

Tânia disse...

Como diria o Padre Paulo Ricardo, o Papa Francisco está automaticamente auto excomungado. Ops, o Papa e seus assessores. Ops, o Papa e o Vaticano todo!

Flavio Jm disse...

A tradicional picuinha estado unidense contra o Vaticano....

Se querer proteger os famintos,os pobres, as periferias, a natureza, os migrantes, exercer o diálogo respeitoso com o diferente, ouvir os marginalizados, dizer que temos que ter os filhos que podemos sustentar, acolher os pecadores e buscar a respeito entre as religiões através das lideranças para defender o direito a fé é ser comuna, descobri: sou comuna.

Vade Retro EUA, bebe tu o teu veneno.

Julio Severo disse...

Flávio, ninguém precisa se tornar comunista para ajudar os pobres. O Evangelho sempre ensinou a caridade, sem ligação com coerção estatal. Ao contrário de ajudar os pobres, note quer que onde o comunismo trouxe revolução, milhares de pobres foram mortos para avançar a maldita causa de Karl Marx.

Julio Severo disse...

A lição muito simples é: o comunismo gosta de matar seja quem for, pobre, rico, etc. Aviso que deveria ser fixado em todo livro marxista: O comunismo mata!

Flavio Jm disse...

Claro Júlio, eu estava sendo irônico com a mídia estado unidense. Que o marxismo é o sistema da desesperança e da morte eu não tenho dúvida. Mas os EUA com sua cultura pós segunda guerra mundial é tão diferente nos objetivos? que cultura que hoje é imposta aos nossos jovens? qual finalidade? drogas, sexo, futilidade, rejeição a maternidade, desrespeito e indiferença a Deus?

O Ocidente, capitaneado pelos EUA, caminha para uma mistura de oligarquia econômica e fascismo em ritmo galopante! Cada vez mais parecido com a China. Capitalista no que precisa e socialista no resto.
Só vejo uma diferença hoje que é muito clara entre os dois mundos, que é a proteção a propriedade privada. Nisso eu ainda acho que não parece que a oligarquia político econômica ocidental mexerá de fato. Porque até a liberdade religiosa está sendo mitigada, inclusive pelos neocons maçonicos que tomaram o partido republicano.

Em suma, temos o neomarxismo, o imperialismo estadounidense, e o islamismo como expressão de força mundial. Todos cultura da morte.

Thiago disse...

Marcelo, Flávio e Júlio,

Oi.

Que Deus abençoe vocês, amigos. Discordâncias à parte, já considero vocês pra caramba.

Me desculpem por qualquer coisa.



Anônimo disse...

Mesma situaçao no brasil ?http://boainformacao.com.br/2015/05/pesquisa-americanos-sentem-se-mais-confortaveis-com-candidato-a-presidente-gay-do-que-um-evangelico/

Marcelo disse...

Alguem, meio desatento, poderà pensar que eu sou contra a paz mundial e que desejo guerra. Todavia, antes que o diabo faça a sua parte, eu gostaria de deixar bem claro que a minha posiçao, a esse respeito, é a da Biblia, a qual nos assegura que a UNICA e verdadeira PAZ se chama JESUS CRISTO, conforme Efesios 2:14-16.

Ainda que o homem entregasse seu corpo para ser queimado, ou desse toda a sua fortuna para sustento dos pobres, ainda assim, sem Cristo, isso de NADA valeria, pois Cristo é tambem o amor de Deus para com os homens (Romanos 5:8).

Se o lider da ICAR desse toda a fortuna do imperio romano para sustento dos pobres, eu diria que ele teria dado somente o primeiro passo para ser diferente do mancebo de qualidade, citado em Marcos 10:17. Mas, mesmo assim, restaria ainda o desafio de ser batizado como foi Cristo e a fidelidade à doutrina até o fim da sua vida.



Ian Mezzut disse...

Flavio, você está eqvocado quando associa aos EUA, malefícios (que são monstruosos) impostos pela ONU. Organização esta, claramente socialista e controlada por uma elite empresarial "global". Elite esta, composta por um percentual pequeno de aristocratas norte-americanos. Em recente enquete feita nos EUA pela Fox News, constatou-se que 81% dos cidadãos repudiavam veementemente toda essa empulhação criminosa exercida pela ONU. Essencialmente, esta entidade é o principal meio político de ação direta, comandada por essa elite empresarial global, que por sua vez tem como objetivo a dominação mundial.