25 de abril de 2015

Na Moral: Pr. Silas Malafaia acerta… e escorrega


Na Moral: Pr. Silas Malafaia acerta… e escorrega

Julio Severo
A participação do Pr. Silas Malafaia no programa Na Moral, de 18 de abril de 2015, foi fundamental para defender valores morais, e ele fez isso muito bem.
Mas mesmo falando bem, ele escorregou em importantes detalhes informativos.
Ele falou de um estudo da Universidade do Texas sobre crianças criadas por duplas gays. O estudo é importantíssimo, pois mostra os prejuízos que as crianças sofrem quando são criadas por homossexuais.
Para que a audiência não pensasse que ele estava inventando tudo, ele deixou claro: “Gosto de dar nome.” O nome que ele apresentou foi “Marquis Renegau,” ou algo assim. E destacou: qualquer coisa “é só entrar no Google.”
A fala de Malafaia está em vídeo neste link de Facebook.
Fui ao Google, como faria qualquer um da audiência do programa Na Moral, procurar “Marquis Renegau” e homossexuais, e o resultado foi zero.
Claro que eu já sabia que esse nome está incorreto. O nome certo é Dr. Mark Regnerus. Já escrevi sobre esse assunto neste artigo: “Estudo diz que crianças criadas por dois homossexuais se tornam mais saudáveis do que crianças criadas por pai e mãe.”
É importante citar os nomes certos para que o público seja encaminhado corretamente às informações certas. Talvez falte uma boa assessoria para Malafaia, que falou muito bem, mas escorregou nesse detalhe importante.
Outro escorregão dele foi dizer: “Na América pesquisa é coisa séria” e “Na América não tem o negócio de botar um estudo e a imprensa bater palma.”
É como dizer que nos EUA só estudos sérios têm credibilidade e publicidade e estudos fraudulentos não têm vez.
O maior embuste científico da história da humanidade é o Relatório Kinsey, produzido nos EUA em 1948, numa época em que os EUA eram muito, muito mais conservadores do que hoje. Esse estudo fraudulento e criminoso dominou e domina de forma absoluta as áreas científicas, legais e comportamentais dos EUA, sendo a origem do mito de que 10% da população são homossexuais.
Nenhum estudo “científico” causou mais estrago para a humanidade do que o Relatório Kinsey, que mudou leis, desclassificando perversões sexuais (inclusive estupro de crianças) de crimes para esferas muito mais brandas.
Diferente do que disse Malafaia, na América pesquisa não é coisa séria. Como comprova o Relatório Kinsey, na América pesquisas criminosas e fraudulentas são tratadas como coisa séria.
Durante décadas, a comunidade científica internacional caiu num dos maiores contos do vigário científicos da histórica, ao abraçar as pesquisas sobre conduta sexual realizadas por Alfred Kinsey na década de 1940. Suas pesquisas se tornaram históricas e referência para gerações de estudiosos e cientistas, que se tornaram multiplicadores respeitáveis de algo nada respeitável: fraude.
Com seus livros nas décadas de 1990, a Dra. Judith Reisman demoliu a metodologia “científica” fraudulenta de Kinsey, que era não apenas um pervertido, mas também envolvia pervertidos ativos em seus trabalhos, inclusive estupro de crianças.
Kinsey foi pioneiro nas pesquisas que dão credibilidade à conduta homossexual. Foi uma das maiores macumbas “científicas” do século XX.
Mesmo depois dos estudos magníficos da Dra. Reisman demolindo as mentiras de Kinsey, o Relatório Kinsey continua reinando imbatível nas comunidades legais e científicas dos EUA.
Na Moral, Malafaia defendeu de forma excelente valores morais. Mas ele não deu o nome correto do Dr. Mark Regnerus, deixando a audiência sem meios de buscar mais informações.
Ele errou também ao colocar os EUA num pedestal de seriedade com pesquisas corretas que não existe na realidade.
É exatamente o contrário do que Malafaia disse. Os EUA têm tratado o relatório mais fraudulento, desonesto e criminoso de sua história como o documento mais sério do universo há muitas décadas.
Talvez falte ao pastor assembleiano uma assessoria para mantê-lo informado dessa dura realidade, que precisa ser exposta ao grande público.
Leitura recomendada:

22 comentários :

Thiago disse...

Julinho, você fez muito bem em lembrar do embusteiro fraudulento do "Relatório Kinsey".

Eu sou totalmente contra esta emissora; boicote total, definitivo e eterno neles!

Julio, você acha que o Malafa agiu corretamente ao ir à "casa do kapeta"?

Anônimo disse...

Vou dar meu voto de respeito ao pastor Silas Malafaia nessa questão, SEM NENHUMA CRÍTICA CONTRÁRIA, afinal onde muito pastor cheio de informação e tirado a teólogo amarelaria ele foi lá sozinho contra três filhos do Diabo e não cedeu nenhum milímetro diante das sandices que Pedro Bial perversamente tramou.
Uma coisa é defender seus pontos de vista atrás de um computador, com tempo para pensar e responder, outra coisa é pessoalmente. Meus parabéns Pastor Silas Malafaia, o senhor mostrou que não é covarde. É preciso muita coragem para defender o Evangelho como o senhor defendeu.

Thel.

Thiago disse...

Thel,

Eu sempre admirei o Malafa como pregador.
Sempre defendi o pentecostalismo e televangelistas.

Mas não tolero mais a dona Rede Globo. Já deu, saturou minha paciência.

Torço pelo Malafa há muito tempo, se ele acerta uma cesta, me alegro. Meu problema nunca foi e nunca será com esse valente defensor do Evangelho.

Anônimo disse...

Amém por isso irmão Thiago.

A Rede Globo há muito tempo vem sendo pedra de tropeço contra o Evangelho, jogando almas no Inferno, seja através do incentivo ao Espiritismo, à pornografia ou ao homossexualismo.

Precisamos que todos se unam a um boicote total a ela, mas tem muitos "crentes" que ainda não se aperceberam do mal que essa transmissora faz contra os preceitos de Deus.

Thel.

Everaldo disse...

Thiago e Thel,

Em relação à Globo, nem precisa dizer muita coisa. Todos nós sabemos que ela é uma emissora de televisão totalmente a serviço do diabo e de seus escravos. A programação dela, vinda diretamente do inferno, só tem destruído os lares de quem assiste à podridão moral que ela transmite. Só não entende, não aceita, e não enxerga isso quem não quer!

Apesar da Globo ser a emissora "oficial" deste governo corrupto do PT, de toda a esquerda, e também dos homossexuais (e seus cúmplices), ninguém pense que as demais (Record, SBT, Band, e outras) são algum modelo de santidade. Querem ver um exemplo? A Record. E quem é o homem forte da Record? Ninguém mais ninguém menos do que Edir Macedo, o poderoso chefão pró–aborto da Igreja Universal (aqui pra nós: até hoje, a compra da Record pela Universal é uma história que, a meu ver, ainda está muito mal contada). A programação da Record é a mesmíssima da Globo (não muda rigorosamente nada)!

Graças a Deus que este blog do nosso amado irmão Júlio Severo tem sido um canal abençoado para nos manter sempre informados de tudo o que acontece no Brasil e no mundo (e também para nos mostrar tudo o que a mídia corrupta nunca mostra)!

Thiago disse...

Verdade Irmão Thel,

Parabéns! Isso mesmo! Apoiado!

A mídia está em pé de guerra contra os princípios cristãos. Até nas propagandas estão fazem uma campanha contra o "preconceito". Ser cristão é praticamente um crime.

Não assisto mais TV. Não vejo mais filmes.
A não ser notícias ou pregação

A Paz Irmão.

Thiago disse...

Everaldo,

Acreditar na Bíblia é preconceito.

Se você não se curva diante do altar pos-moderno do relativismo moral, então você cultiva pre-conceitos, conceitos pre-pos-modernos.

Traduzindo...

Ou você aceita o que a mídia e a ONU impõe, ou vai levar porrada (hahaha).

traduzindo mais ainda..

eu quero é mais que a mídia se dane, vou acreditar no que quiser, vou cultivar o conceito que eu quiser e ninguém tem nada à ver com isso.

MARIA disse...

O PR. Silas é desinformado demais.

MMCC disse...

Verdade!!!



Laurinei Flores disse...

Eu resolvi esse problema de lixo na minha casa não tenho mais tv assim nem me preocupo com o que tem nela o maior erro da Igreja Brasileira foi liberar esses lixos pra dentro de casa.

Denilson Lopes disse...

Não sei onde estão os gênios cristãos, mas os defensores valentes do Deus vivo eu sei, estão se expondo a todos os ataques, mentiras, calunias (inclusive de pseudo-cristaos), agressões, difamações, etc, e nós muitas vezes não defendemos nossa fé nem em casa, a fé sem ação é morta. O Pastor Silas é hoje uma das maiores referências de oposição ao processo de destruição que o Brasil vem passando.

Thiago disse...

gênio o karái

Thiago disse...

Não sou bosta nenhuma, e nem quero ser.

Só quero abrir o olho do povo de Deus pra cachorrada que a mídia e o governo estão fazendo com ele.

Anônimo disse...

Julio, pesquisando na internet achei justamente uma pesquisa do Regnerus com resultado contrário do que você postou. Esta pesquisa mostra que crianças vivem melhor com pais hetero do que com pais homosexuais. Inclusive foi feita para confirmar ou bater a pesquisa que você citou. Vou citá-la abaixo. Se eu estiver errado, me perdoe. Mas se eu estiver certo poderia corrigir sua informação neste post?

http://www.regnerusfallout.org/the-story
Meu e-mail: leandrofviana@gmail.com

Julio Severo disse...

Oi, Leandro! Meu artigo com o título “Estudo diz que crianças criadas por dois homossexuais se tornam mais saudáveis do que crianças criadas por pai e mãe” apresenta um estudo homossexual, rejeitado por mim, e em seguida, em oposição ao estudo, apresento um estudo melhor, do Mark Regnerus, refutando a pretensão dos homossexuais. Não vá pelo título do artigo. Leia o artigo e você verá que, usando o estudo do Regnerus, eu refuto a ideia de que crianças criadas por dois homossexuais se tornam mais saudáveis.

Anônimo disse...

Júlio

Sobre esta matéria:


“Estudo diz que crianças criadas por dois homossexuais se tornam mais saudáveis do que crianças criadas por pai e mãe.”

Entenda algo, existe sim uma tentativa de criar matérias com materias verdadeiros, mas distorcidas, pra causa dúvida nas pessoas na internet.

Mas sem mudar foco, isto que Silas Malafaia queria falar:


http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/14050-pesquisa-de-mark-regnerus-ainda-assusta-gayzistas.html

marco mansur disse...

Acredito que sobre esse estudo com certeza teve cientistas sérios e muitos para derrubar esse estudo, já que nos vemos que a brasa agr ta mais pro lado dos homossexuais, então já que houve tentativas de achar algo falho é assim não foi feito, acredito que realmente não terias Pq duvidar desta pesquisa.

karla crsitina disse...

Sim, Silas pisou no tomate, talvez tenha ficado nervoso e não foi tão bom como em outras oportunidades. E opinões generalizadas perdem credibilidade,o exemplo de que nos Estados Unidos os estudos são mais respeitos, mesmo que sofram influencias, poderia ter ficado assim, e não exaltado os EUA como fez. E por mais que sofram influencias, não se compara ao Brasil, que o nível de debate sobre o assunto é inexistente a nível intelectual, nisso ele acerta. Mas enfim, a intenção dele foi boa, a crítica de Julio é construtiva, válida e não desmerece sua boa intenção.

Nil disse...



Deputados evangélicos preparam nova reação a ‘Babilônia’.
http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/televisao/deputados-evangelicos-se-revoltam-com-babilonia-de-novo/

Minha resposta a colunista da Veja Lauro Jardim de que a personagem Lais é preconceituosa.
Meu comentário :" Para podermos julgar melhor o que acontece nas novelas,nada melhor do que pensar e se esta situação,drama das novelas acontece-se na vida real.
Melhor dizendo e se o amor problemático de 'Laís' e 'Rafael' estivesse acontecendo de verdade ,na vida real. Fosse o amor de duas pessoas reais e não dois personagens fictícios. Como as coisas se dariam ?
Pois nas novelas gostam de embelezar coisas que na vida real não tem beleza alguma. Tipo: adultério não traz sofrimento terrível a pessoa traída nas novelas.
Voltando ao Amor de Laís e Rafael. Acontece um fato interessante,a jovem Laís (personagem de ficção) age,como agiria uma moça de verdade . Caso conhece-se um maravilhoso rapaz e ficasse apaixonada por ele e até que um dia.... Fosse conhecer os 'pais' do rapaz e desse de cara. Com a cena deste rapaz ser criado por um casal lésbico. Filho de duas mulheres. No caso a moça de verdade ficaria tão chocada quando Laís e mais amargurada ainda. Pelo rapaz ainda não se envergonhar de sua situação e achar 'tudo normal'e ainda a humilhar tachando de preconceituosa. A personagem Laís , aí neste ponto é extremamente realista,tem as mesma reação de uma garota real, num caso semelhante real. Pergunto as moças que por ventura leiam este comentário meu,se não agiriam da mesma forma que Laís ? No caso de amor semelhante a de Laís e Rafael. Pergunto isto para não dizer que isto é só opinião de um homem. Preconceituoso por sinal!!!!!????
Fora disto. A novela já passa a 'embelezar' a situação apelando para um suposto preconceito,discriminação,intolerância,ignorância,incompreensão e maldade da personagem Laís.
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Jean Wyllys está usando a novela Babilônia para se promover e conquistar simpatizantes. Vejam:https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=873960109318664&id=163566147024734&_rdr

Juliana Patrick disse...

Críticas[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Judith Reisman
Uma das mais conhecidas críticas de Kinsey é a Dra. Judith Reisman, chefe da RSVPAmerica (Restore Sexual Virtue and Purity to America), autora do livro Kinsey: Crimes & Consequences. Em 2004 a revista Variety, dos Estados Unidos, recusou um anúncio de página inteira da Judith Reisman que chamava Alfred Kinsey de "um homem que produziu e dirigiu o estupro e a tortura de centenas de jovens e crianças".1 Segundo Judith Reisman, Alfred Kinsey e sua equipe teriam abusado de crianças para chegar a certos dados do relatório Kinsey. Essa temática não é verdadeira e teria sido escolhida como apelo emocional para desacreditar os estudos de Alfred Kinsey, vítima do macartismo.2

Conquistas do movimento gay[editar | editar código-fonte]
Nunca antes houve um estudo sobre sexualidade humana envolvendo tantas pessoas. É por isso que, até hoje, estes dados ainda são considerados como um dos maiores estudos mundiais de comportamento sexual humano, embora vários estudos posteriores tenham apresentado resultados diferentes dos propostos por Kinsey.

Como um resultado prático dos estudos de Kinsey, em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria removeu a homossexualidade da lista de desordens mentais, recusando-se a continuar considerando os homossexuais como diferentes ou passíveis de correção. O mesmo aconteceu com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que também passou a não considerar a homossexualidade como uma doença, a partir de 1986.

Anônimo disse...

Julio este é o estudo do dr MARK REGNERUS
Estudo de Mark Regnerus cientificamente válido
A Universidade do Texas em Austin afirmou que levou a cabo uma investigação e não encontrou qualquer evidência de má-conduta no estudo que apurou que as crianças de "famílias" homossexuais "são mais susceptíveis de 1) reportarem estar sem emprego, 2) serem menos saudáveis, 3) serem mais deprimidos, 4) terem traído o/a esposo/a ou o/a parceiro/a, 5) fumar, 6) ingerir drogas, 7) terem tido problemas com a lei" do que as crianças de famílias tradicionais pai-mãe. Num comunicado da Universidade do Texas, emitido recentemente, lê-se:

A Universidade do Texas determinou que nenhuma investigação formal é necessária em torno das alegações de má-conduta científica apresentadas contra o professor assistente Mark Regnerus em relação ao seu artigo de Julho último publicado na revista Social Science Research.

O comunicado dizia ainda que o painel consultivo composto por 4 altos-membros do corpo docente da universidade foi consultado, para além dum consultor externo com o nome de Alan Price, a quem foi pedido que revisse as acusações como parte do inquérito que a universidade estava a fazer devido às alegações feitas pelo homossexual Scott Rosensweig numa carta enviada à escola.

A conclusão foi a de que os assuntos listados englobavam-se na cláusula de que "erros comuns, diferenças bem intencionadas de interpretação dos dados, desacordos académicos ou políticos, opiniões pessoais ou profissionais bem intencionadas, ou comportamentos ou pontos de vista morais e éticos não são má-conduta."


A universidade disse que considera o assunto fechado depois de Robert Peterson, Oficial da Integridade na Pesquisa, ter dito aos oficiais que "nenhuma das alegações de má conduta científica avançadas pelo senhor [Rosensweig] foram confirmadas pelos dados físicos, pelo material escrito ou pela informação disponibilizada durante as entrevistas." Ele escreveu que "não existiam evidências" que apoiavam a inferência de Rosensweig de que, como ele acreditava que havia falhas no estudo, então tinha que ter ocorrido má-conduta científica.

Anônimo disse...

http://ohomossexualismo.blogspot.com.br/2014/10/estudo-de-mark-regnerus-cientificamente.html