21 de abril de 2015

EUA Dão Milhões de Dólares de Impostos para Grupos Internacionais de Aborto


EUA Dão Milhões de Dólares de Impostos para Grupos Internacionais de Aborto

Wendy Wright
NOVA IORQUE, EUA, abril (C-Fam) Um relatório governamental mostra que dois grupos internacionais que defendem o aborto receberam 128 milhões de dólares da USAID, uma agência federal que distribui assistência estrangeira.
Um deles — a Federação Internacional de Planejamento Familiar (conhecida pela sigla em inglês IPPF) — trabalha na ONU. Sua meta é requerer que os países vejam o aborto como um direito e o incluam em campanhas mundiais de pobreza e saúde. O outro, o Conselho de População, trabalha para tornar os abortos amplamente acessíveis nos países em desenvolvimento onde é especialmente perigoso.
Ambos grupos têm origens no movimento de eugenia.
A lei dos EUA proíbe assistência externa que pague abortos. Mas sob uma ordem executiva do presidente Obama, dólares de impostos podem ir para grupos internacionais que fornecem e promovem aborto. Embora o dinheiro não possa ser gasto para fazer abortos, pagar por itens como despesas gerais, ativismo e materiais livra outros recursos monetários para serem gastos em abortos.
A IPPF é uma organização que abrange 152 filiais no mundo inteiro. No ano passado, a IPPF publicou um manual sobre pressionar os países para integrarem “saúde e direitos sexuais e reprodutivos” — eufemismos para aborto e questões sexuais — nas novas metas de desenvolvimento da ONU. Essas metas guiarão as prioridades internacionais e nacionais — e bilhões de dólares — para os próximos 15 anos.
O manual diz aos ativistas que façam pressões nos governos que não apoiam “certas questões de saúde e direitos sexuais e reprodutivos” para que “fiquem em silêncio em vez de falarem contra elas.” O manual endossa a noção de que direitos sexuais “abrangem o direito a uma vida sexual segura e plena” — embora admita que não existe nenhuma definição internacionalmente aceita para o termo.
O Conselho de População, que tem um histórico no movimento de controle populacional, conduz pesquisas para tornar o aborto generalizado e disponível sem acesso a profissionais médicos, principalmente mirando mulheres pobres nos países em desenvolvimento.
Quando nenhuma empresa farmacêutica nos EUA queria se envolver com a RU-486, a pílula francesa de aborto, o Conselho de População assumiu a propriedade da droga e solicitou sua aprovação na FDA. O aborto numa pílula é visto como um jeito de evitar médicos e contornar leis que regulam o procedimento. Subsequentemente, mais de doze mulheres — que foram registradas — morreram depois de tomar a droga.
“Como a maioria do povo americano, defendo a vida — em gestação ou já nascida — e é uma afronta para nós quando vemos nosso suado dinheiro de imposto indo para grupos que exterminam vidas inocentes,” disse a Dep. Vicky Hartzler.
Mais de 70 congressistas solicitaram a investigação da Secretaria de Responsabilidade Geral para decidir quanto dinheiro federal é dado para seis grupos que defendem o aborto: a Federação de Planejamento Familiar dos EUA (PPFA), o Conselho de População, a Federação Internacional de Planejamento Familiar (IPPF), o Instituto Guttmacher, Advocates for Youth (Defensores dos Jovens) e o Conselho de Educação e Informações Sexuais dos Estados Unidos.
Alguns dos grupos têm tentado minimizar seu fornecimento e ativismo de aborto caracterizando-o como apenas uma parte do que eles fazem.
Dois dos beneficiários de verbas federais — a Federação de Planejamento Familiar dos EUA (filiada à IPPF) e o Instituto Guttmacher — doam para o IPAS, uma organização que só faz uma coisa: fornecer aborto e promover acesso a ele em países em desenvolvimento. O IPAS foi fundado para distribuir equipamentos de aborto depois que o Congresso aprovou uma lei que proíbe financiamento federal para abortos em outros países.
“Para resumir, sob nenhuma circunstância o governo federal deve usar dólares de impostos para cumplicidade do aborto,” disse a Dep. Diane Black.
Tradução: Julio Severo
Fonte: Friday Fax
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Desmascarando a agenda de controle populacional global

3 comentários :

Anônimo disse...

Há algum tempo eu comecei a suspeitar que a Babilônia descrita em Apocalipse pode ser os EUA por uma série de razões, muitas delas relatadas aqui pelo Júlio ao longo dos anos. Mas duas razões em particular reforçam essa suspeita: no livro "Filho do Fogo" o ex-satanista Daniel Mastral diz que o centro mundial do satanismo fica em São Francisco, na Califórnia, a capital mundial do gayzismo. A outra razão é a iminência do "Big One", o terremoto que irá devastar a Costa Oeste dos EUA, onde ficam São Francisco e Los Angeles. Talvez eu esteja equivocado em minha suspeita... Ou não.


Atanásio contra o mundo!

Marcelo disse...

Esse negocio de "mudar o mundo" e "liberdade" é coisa de adolescente que não sabe o que quer e que ainda não entendeu a vida.
Os EUA já deveriam saber muito bem como é a vida, não só pelas duras experiencias que tiveram, mas principalmente por ser um pais que tinha a maior população de protestantes do planeta (conhecedora da VERDADE).
Todavia, parece que eles resolveram sonhar, voltar a ser criança...certamente esse sonho vai terminar muito MAL.
Pode aguardar, pois Deus não se deixa escarnecer e uma hora dessas a cobrança vai chegar.
O fato é que, pelas aberrações que estão cometendo, o barril vai entornar de tal forma que não ficará raiz nem ramo.
Isso que estão tentando promover no mundo é, nada mais nada menos, do que um sacrifício de crianças em oferenda ao deus do prazer da carne...o diabo.
Como disse um estudioso: "quando você contempla o abismo, o abismo contempla você". Ou seja, evoque o diabo e ele virá ao teu encontro, trazendo toda a sorte de desgraças...pobre nação americana...e ai daquela que seguir os seus passos!!!

Marcelo disse...

Talvez a maior parte da população norte-americana nem saiba do que està sendo feito pelo presidente e pelo grupo que o comanda, exatamente como ocorre com o Brasil.
Quando acordarem do engano, poderà ser tarde demais, exatamente como no Brasil.
Quando menos esperarem, jà estarao debaixo das redeas da besta (do ferrao), sem terem pra onde correr, tendo que abraça-la, a qual trarà a soluçao para todos os males do universo (o deus da nova religiao).
Creio atè que isso tudo jà faça parte do juizo de Deus, pois o mundo nunca se importou, de fato, com a Palavra de Deus.
Dessa forma, 2 Ts 2:7 terà seu fiel cumprimento, quando Deus afastarà, dos habitantes da terra, o Seu maravilhoso e Santo Espirito (o freio que ainda segura o homem), permitindo que se instale uma APOSTASIA generalizada (2 Ts 2:3).
Com sinais e prodígios, a besta convencerà a todos, os quais deitarão em berço esplendido, no colo da mãe besta.