7 de abril de 2015

Destaques da semana no Brasil (primeira semana de abril de 2015)


Destaques da semana no Brasil (primeira semana de abril de 2015)

Julio Severo

Acontecimentos internacionais

A reunião geopolítica mais importante, a Cúpula das Américas, acontecerá na próxima sexta-feira (10), com a presença dos EUA e Brasil como maiores nações do continente americano. Graças à intermediação do Papa Francisco, que teve papel fundamental no restabelecimento das relações entre EUA e Cuba, esta é a primeira vez, desde o bloqueio americano do início da década de 1960, que Cuba estará participando da Cúpula das Américas. Mas aparentemente Cuba não será o centro das atenções, devido à crise na Venezuela, país socialista de maioria católica que tem perseguido e prendido opositores políticos. A Venezuela, cujo governo socialista de Hugo Chavez era sustentado pela venda de petróleo principalmente para os EUA sob os governos de Clinton e Bush, tem mantido uma irracional postura antiamericana. Embora o Brasil, sob o governo da socialista Dilma Rousseff, se alinhe com a Venezuela na defesa desse tipo de socialismo antiamericano, a postura oficial do governo de Dilma na ONU é apoiar todas as propostas e avanços pró-aborto e pró-homossexualismo capitaneados pelo governo dos EUA. Venezuela e Cuba têm apoiado essa parceria brasileira pró-governo americano.  

Situação econômica

Com a situação econômica decadente como centro das preocupações, a volta da inflação — um problema típico da década de 1980 durante o governo militar — tem se tornado um medo. A situação econômica tem sido a principal causa do descontentamento e dos protestos contra o governo socialista de Dilma Rousseff. Embora o governo de Dilma siga uma linha sistemática de políticas anti-família (uma teimosa obsessão pelas causas homossexuais, não muito diferente de sua suposta oposição, o PSDB), as manifestações não têm focado nessas políticas anti-família. Desde que o ex-candidato presidencial Levy Fidelix foi condenado a pagar uma indenização de 1 milhão de reais por fazer declarações pró-família que desagradaram aos ativistas homossexuais e seus aliados, não se fez nenhum protesto a favor de Fidelix, cuja postura pró-família foi publicamente condenada pelo PT e pelo PSDB. Manifestações de caráter puramente econômico deixariam o PT encrencado, e o PSDB relativamente isento. Mas manifestações contra políticas homossexualistas acabariam atingindo não somente o PT, mas também o PSDB, que também é um grande promotor dessa ideologia.

Cristianismo

O Supremo Tribunal Federal (STF) convocou audiência pública para discutir o ensino religioso em escolas públicas do Brasil. A convocação foi feita pelo ministro Luís Roberto Barroso, relator da ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Procuradoria-geral da República, em razão do acordo do governo brasileiro e a Santa Sé que prevê o ensino católico no currículo escolar. Para a Procuradoria, a única maneira de compatibilizar o caráter laico do Estado brasileiro com o ensino religioso é por meio da “exposição das doutrinas, das práticas, da história e de dimensões sociais das diferentes religiões — bem como de posições não religiosas, como o ateísmo e o agnosticismo — sem qualquer tomada de partido por parte dos educadores.”
Tudo indica que, embora o Brasil seja o maior país católico do mundo, o catolicismo não será o maior destaque no ensino religioso que pretendem instalar nas escolas públicas. No espírito de pluralidade que já domina EUA e Europa, e defendido tanto por PT quanto por PSDB, tal ensino no Brasil teria espaço igual para o candomblé, umbanda e até para o ateísmo e agnosticismo.

Valores morais e cristãos

Conforme o site Holofote, o programa “Tá no Ar: a TV na TV”, da Rede Globo, chamou a travesti “Rogéria para participar de uma esquete onde ela narra histórias da Bíblia. O quadro recente ganhou o nome de “A Bíblia Segundo Rogéria.
Rogéria usa o vocabulário e gírias homossexuais para narrar satiricamente histórias como a de Adão e Eva e de Moisés.
O grande contraste é que enquanto se reivindica no Brasil a criminalização de programas de TV que satirizam homossexuais, agora os programas de TV destacam homossexuais satirizando a Bíblia.
Fonte: Katehon
Postar um comentário