3 de abril de 2015

A maioria dos americanos agora diz que Jesus era realmente um pecador


A maioria dos americanos agora diz que Jesus era realmente um pecador

Apesar de que de cada 10 americanos, 9 concordam que Jesus era uma figura histórica, o que eles creem acerca dEle diverge amplamente, de acordo com uma pesquisa recentemente divulgada do Grupo de Pesquisa Barna, uma organização sem fins lucrativos que analisa as tendências culturais com relação às convicções religiosas desde 1984.
Noventa e dois por cento dos entrevistados concordaram que Jesus andou na terra como homem no passado.
Mas quando o assunto foi a divindade de Jesus, os números caíram. Entre os jovens americanos, que nasceram depois do ano 2000, só 48 por cento concordaram que Jesus é Deus, dizendo que ele é apenas outra figura espiritual, comparável a Maomé ou Buda.
Cinquenta e dois por cento dos americanos disseram que Jesus foi um pecador como as outras pessoas enquanto vivia na terra.
O fato de que Jesus não tinha pecado sempre foi uma doutrina central da teologia cristã, pois sua pureza o qualificava como o sacrifício perfeito para os pecados da humanidade.
O Apóstolo Paulo escreveu: “Deus fez daquele que não tinha pecado algum a oferta por todos os nossos pecados, a fim de que nele nos tornássemos justiça de Deus.” (2 Coríntios 5:21 KJA) O escritor da Epístola aos Hebreus ecoou o mesmo ponto: “Pois não temos um sumo sacerdote que não seja capaz de compadecer-se das nossas fraquezas, mas temos o Sacerdote Supremo que, à nossa semelhança, foi tentado de todas as formas, porém sem pecado algum.” (Hebreus 4:15 KJA)
“Esse estudo mostra o grau de compromisso cristão dos Estados Unidos — mais de 150 milhões de americanos dizem que professam a fé em Cristo,” disse David Kinnaman, presidente do Grupo Barna e diretor do estudo nacional. “Essa estatística impressionante nos faz perguntar: até que ponto os americanos expressam bem esse compromisso? Muitas de nossas pesquisas anteriores mostram que a dedicação dos americanos a Jesus é, na maioria dos casos, longa em extensão, mas tem uma profundidade rasa.”
Traduzido e editado por Julio Severo do WorldNetDaily: Most Americans now say Jesus actually a sinner
Leitura recomendada:

18 comentários :

Thiago disse...

Julio, isso é muito triste.

Os responsáveis:

Liberalismo Teológico;

Descristianizacao forçada por meio de engenharia social. (Estou lendo o livro: Maquiavel Pedagogo, de Pascal Bernardin). A sua bandeira Julio, da Educação em casa, é uma questão de urgência para o meio cristão.

Thiago disse...

Julio, meu amigão, gostaria de te pedir para que você fizesse um artigo divulgando teólogos conservadores. Temos a urgência em fugir do Liberalismo Teológico e do Marxismo Teológico. Fiz o mesmo pedido no site do Fábio Blando. Por favor irmãos, ajudem a Igreja, precisamos de pessoas como vocês que denunciem o fermento maligno.

Julião, conto contigo amigão!

Flavio Jm disse...

Para católicos, recomendo Padre Paulo e Professor Felipe da canção nova.

Flavio Jm disse...

Ah, e claro.....Santo Agostinho e José Maria Escrivá para aqueles que já podem tomar um alimento mais sólido.

Thiago disse...

Flavio,

Tô com vontade de conhecer a teologia católica, principalmente a dos primeiros sete séculos.

Tô lendo o livro: "Cristãos, Judeus e Pagãos - Acusações, Criticas e Conflitos no Cristianismo Antigo". O livro é demais,muito bom mesmo.

Brigado pela dica mano.

Agostinho é do século IV,né?

Se num liga não né... eu sou que nem o Julio, "neopenteca"... Mas somos gente de bem, viu. Nós, Flavio, praticamente estamos montando um grupo de estudos dentro do blog do Júlio... (hahaha). Aprendo muito com vocês! Não esquecerei a amizade de vocês.

Valeu pela força, os dois!

Flavio Jm disse...

Oh Thiagão, falei de Agostinho pensando no que tu escreveu, sobre tua crise de falta de fé e tua experiência anterior com o secularismo...rsss

Agostinho é uma leitura ampla, foi um escritor prolífico, é o grande nome da Teologia Cristã, e é muito estudado nas grandes faculdades de Teologia ao redor do mundo. Ele faz a sintese entre a moral platonica e o salvacionismo paulino, utilizando da razão moral grega da época. Na verdade ele fecha o período apologético da cristandade, a utilização da filosofia grega moralista na expressão das verdades do evangelho, que começa com Justino Martir na metade do segundo século e que ganha grande impulso com Origenes.

É uma leitura que deve ser mastigada, coisa para um bom tempo. Mas há excelentes resenhas da obra dele. Eu já li algumas, em especial sobre a questão da salvação do homem: que trata do pecado original, do sacríficio resgatador da humanidade e do papel da graça na aproximação do homem com Deus.
O ponto fundamental que é interessante nele, é o que justamente sofremos hoje é o que Agostinho se debateu no quarto século: o porquê do sofrimento do homem e sua razão de existir. Nossa crise de fé moderna, e mesmo pessoal, não vem disto lá no fundinho?
Agostinho é um divisor de águas em todos os sentidos na história da Cristandade. Inclusive "culpado" pela divergência da visão salvacionista das três grandes correntes cristãs. Na ortodoxia grega, que foi se afastando da ortodoxia latina por causa da não aceitação da doutrina do pecado original levantada por Agostinho. E no reformismo, pois Calvino em sua visão negativa sobre o homem da idade média acaba levando as palavras de Agostinho ao radicalismo quando desenvolve sua idéia da depravação total do homem. O papel da graça na salvação e reaproximação do homem com seu Deus, que é iniciado nas epístolas paulinas, vai ser um dos alvos no ideário agostiniano para explicar as razões do sofrimento do homem e a razão deste homem de buscar a Deus como forma de dar sentido a vida.
Hoje, eu acho, dentro de minha humilde opinião, que serviria Agostinho para aquele sujeito com bom nivel intelectual, cristão, mas que enfrenta uma crise racional de fé, ou para aquele pensador cristão que se afunda no relativismo utilitarista moderno.

Mas enfim, como você falou de teólogos conservadores, já escancarei com o maior de todos né....rssss. Aliás, o segundo maior de todos. Porquê o maior é João apóstolo. O primeiro capítulo do seu evangelho simplesmente resume toda a história da humanidade. Mas esse você já leu né.....rssss

Abraço.

Thiago disse...

Em primeiro lugar senhor Flávio:
O senhor é muito inteligente. Carambola! Tudo isso aí tá tão impregnado na tua mente que sai assim, espontaneamente? Puxa vida! Você é padre?

Bom, em segundo lugar, obrigado por gastar seu tempo aqui nos ajudando, justamente nós, os "crente fundamentalista" (hahaha). Nunca pensei que fosse conversar sobre teologia com um padre ou alguém com formação teológica da ICAR.

Olha só irmão Flávio, sei que Agostinho é o cara da filosofia e da teologia e que é utilizado para "firmar na fé" da elite intelectual. Mas... quem me conquistou pra Cristo foi justamente o oposto. Foi o evangelho simples, a Presença Poderosa do Espirito Santo, os dons e maravilhas de Deus, A Paz que excede todo entendimento, a igrejinha simples com banco de plástico e pastor humilde sem formação, A oração incessante, a consagração à Deus, a busca diária, o Jejum de 24 horas, o "ser" desprezado e tido como louco ignorante. Bom... foi esse evangelho que o mundo diz que é "dos loucos", quem me conquistou, quem "virou minha vida de cabeça para baixo" - no bom sentido. Não estou aqui desprezando a instrução não meu irmão. Mas se levarmos em consideração a escala de importância, o Evangelho da Consagração é mais importante que o Evangelho da Instrução. O segundo complementa o primeiro, mas o segundo sozinho é apenas uma casca.

Eu detesto estar negligente com as coisas Espirituais. Quando estou comprometido, tenho uma Paz tão grande, parece que meu peito flutua, meu coração transborda de alegria. Mas... Também sei da importância da ortodoxia, pois o que falta no mundo do evangelho dos simples são parâmetros sólidos - não é à toa que vemos heresias. Se não fosse a misericórdia de Deus, já teríamos sidos consumidos.

Veja que contraditório:

Em muitos casos o Evangelho da Instrução, da Letra, acaba por matar a verdadeira comunhão e a busca sincera.

Já o Evangelho da Consagração, diante da mente de muitos "simples" ou até de lideranças oportunistas, acaba por cair em heresias e escândalos.

Será que não há uma maneira de vivermos a simplicidade do Evangelho, como na Igreja Primitiva, com muita Fé e Unção de Deus, e ao mesmo tempo, caminharmos numa sólida Ortodoxia?

Bom... sua amizade é preciosa e sua vida também é. Gostei do papo . Estou aprendendo bastante. Você falando sobre Agostinho e os três ramos, me lembrou a parábola da massa e do fermento. Só veio confirmar o que eu já imaginava.

Flávio, brigadão, tá sendo um professor pra mim. Valeu!

Outro Abraço.

Flavio disse...

O querido Thiago, tomamos conta do espaço né...rssss, daqui a pouco o dono nos expulsa do blog.... :)

Mas não sou padre não....aliás meu pai é ateu e minha mãe é testemunha de Jeová. Embora apaixonado por história, sou formado em Economia. Eu que nunca quis saber de religião, ia quando era novo meio que obrigado junto com minha mãe, depois que fui para o exército acabei abandonando de vez qualquer hipótese de minimo interesse religioso...pelo menos por uns 20 anos...rssss. Aprendi com as testemunhas de Jeová a desdenhar do catolicismo, e mais ainda, como quase todo bom militar, achava esta religião culpada pela fraqueza moral deste Brasilzão, além de uma seita de idólatras semi analfabetos.

Mas através de uma palestra que assisti sobre Ciência e Fé, do Professor Felipe Aquino, Doutor PHD em Fisica Quantica pela USP e palestrante da Canção Nova TV, acabei me interessando em ler algo de Santo Agostinho e aquilo me despertou.....afinal ele discorria justamente sobre os motivos que faziam eu repudiar o tal de Jesus morrendo por nós. A convicção científica do professor Felipe e a exposição deste sobre a profundidade intelectual e espiritual da fé de Agostinho mexeu tanto comigo que assisti uns dois anos toda aula que este professor dava na TV Canção Nova sobre a história e doutrina católica. Minha razão já era católica então, mas meu coração se tornou cristão após um milagre pessoal que vivenciei.....coisas de nosso Deus maravilhoso!

Mas irmão, a ciência cristã é um dom do Espírito Santo, assim como o dom da profecia, ou o dom da imposição de mãos na cura dos doentes. A filosofia cristã se desenvolveu justamente para defender o evangelho de Cristo contra as heresias demoníacas que queriam desfigurar a universalidade e totalidade da mensagem bíblica. Como por exemplo, o agnosticismo, que negava a humanidade de Jesus, do arianismo que negava a divindade do Senhor ou de movimentos como o dos albigenses que desfiguravam o corpo visível de Cristo, a Sua Igreja, ou os donatistas que queriam ser mais Santos que o Santo Senhor.

Então, não concordo que a sabedoria seja um lado da moeda e doutro lado fique a devoção. Pelo contrário. A sabedoria cristã usada para defender a fé é parte da caridade cristã. Um Dom do Espírito Santo. Já a devoção é obrigação de TODOS os cristãos, pelos menos se quiserem realmente encontrar Jesus nas suas vidas.

A beleza do cristianismo é que um não deve existir sem o outro. Ora, aquele que é devoto do Senhor não é sábio por si mesmo? E quem aprende sobre a verdadeira teologia do Amor de Deus na sede de aprender não amará ainda mais ao seu Deus?

O que não podemos é achar que na nossa simplicidade, de gastar os joelhos rezando, somos mais cristãos que aquele que se dedica a estudar sobre os mistérios de Deus. Pelo contrário. Precisamos de sábios para transmitir ao longo dos séculos a fé e dos devotos "rezadores" para clamar a Deus pela sua Graça e Misericórdia. Ora, a fé dos cristãos, e a Misericórdia Divina não são as duas maiores Graças concedidos pelo nosso Deus, sustentando Sua Igreja em todos os momentos há 2000 anos? Pensa nisso irmão.

No mais, também gosto de ler seus comentários, sempre bem centrados, me ajudam muito. Aprendo muito aqui. E vejo que nas ultimas semanas o nível do debate melhorou bastante. E peço desculpas ao dono do blog se usei agora muito de sua bondade ao me estender demais.

Thiago disse...

Olha só irmão Flávio,

Vou tomar o cuidado com as palavras para não mágoa-lo, pois vi que entramos em pontos de discordância. A fé, a forma de enxergarmos a doutrina e onde congregamos é uma coisa tão íntima, tão singular que para abordarmos este assunto é necessária precaução, um verdadeiro "andar pisando em ovos". Vi como te magoa certas opiniões sobre sua convicção, sua crença. Dói, dói muito, eu sei. Nisso você pode ter certeza que encontrou um irmão, outro sofredor; que comunga das mesmas dores d'alma.

Como eu já disse, sua alma é preciosa. Não quero escandaliza-lo. Vou tentar me expressar com o máximo de precaução possível pois você já é meu amigo.

Digamos que o culto cristão passou por profundas transformações. No século V, essa insatisfação tomou forma no movimento do Monasticismo. Algo havia mudado na Igreja, e isso instigou parte do clero à mudanças. Durante o período do século VIII até o seculo XI, houve mudanças mais profundas. Outra vez estas mudanças incomodaram parte da população e do clero. A politica principesca tomou o lugar dos homens santos no processo da hierarquia da Igreja.

Quando eu penso nos albigenses , grupo "iniciador" da Reforma, vejo de de outra forma, com um olhar diferente do teu, com todo respeito a você e a sua sabedoria. O Povao da época não teve as mesmas armas de retórica e a mesma estrutura da Igreja para construir uma apologética "trabalhada". Veja que a própria Igreja Católica demorou quatro séculos para arrematar seus posicionamentos mais fundamentais. Na verdade, na verdade, eu vejo estes movimentos à partir do seculo XI como um despertamento, um anseio de volta às origens, a busca por algo que se perdeu, um retorno à Bíblia, e é isso que verdadeiramente importa, pois nosso Deus é Amor, Misericórdia e Compaixão e as vezes o ser humano se esquece disso.

Bom, vimos que temos muitíssimo em comum e uma ou outra diferença de opiniões e posicionamentos teológicos. Nada que o amor ao outro, ao próximo, a você, a mim, a todos nós cristãos, não dê jeito, né não maninho!?

Flavio Jm disse...

Oh Thiago, não me ofendo com debate não, pelo contrário, faz muito bem. E as diferenças não desconstrói em nada o nível do debate.
Mas quanto os albigenses, conhecido como cátaros, terem relação com a reforma, eu te digo com absoluta certeza, que não há nada em comum. Os cátaros estariam mais para o kardecismo e esoterismo do que para o cristianismo. Eles eram gnósticos dualistas, acreditavam em um deus bom, Jesus, e um mal, o Javé do A. Testamento, que eles associavam a Lúcifer. Citavam Jesus na frase do "aqueles que vieram antes de mim eram ladrões e salteadores...." para afirmar a idolatria dos judeus. Desprezavam a matéria como má, achavam que o corpo aprisionava a alma. Haviam vários grupos, alguns chegaram a praticar suicídio coletivo em cerimonias de "salvação" e infanticídio, especialmente na Trácia e no sul da França! O que levou o Papa da época a uma ação enérgica, chegando o rei da França a promover uma cruzada.
Apesar das ressalvas, a Wikipédia tem um bom artigo sobre os cátaros. Os dois grandes reformadores, Calvino e Lutero, sempre se viram como católicos reformados, inclusive um deles, se não me engano Calvino perseguiu um grupo de anabatistas que tinham idéias cátaras.

Boa Páscoa irmão.

Thiago disse...

Feliz Páscoa pra ti Flávio, pro Julio e pra todos os Irmãos do blog.

Ele vivi.

Ressuscitou!

Glória à Deus!

Vitória Nossa! Através D'Ele nós somos mais do que vencedores.

Flávio:
Gostei do debate.
Obrigado por me indicar Agostinho.
Só falta agora o Julio indicar outros teólogos né não, irmão. Teologia é uma estrada nova pra mim, gostaria da ajuda de vocês.

Um abraço, "inté" mais.

Flavio Jm disse...

Abraço

Thiago disse...

Flávio,

Eu não poderia deixar esta Páscoa passar ser dizer o que você ter deixado o ateísmo é um verdadeiro milagre. Também sou ex-ateu e sofri bastante pra voltar à fé em Cristo. Vim meditando nisso enquanto fui e voltei ao culto. Só quem viveu isso sabe o que é. Tô aqui pra te apoiar irmão, te dou a maior força pra seguir acreditando, tá bom? Que história bonita. No meu caso, a descrença veio acompanhada a depressão profunda e síndrome do pânico, maldita doença que arruinou minha vida.

Fica na luz do Salvador amigo!

Pastor Lucas disse...

Thiago,

O que você colocou no seu primeiro comentário me chamou a atenção. Você disse textualmente:

"... A sua bandeira Julio, da Educação em casa, é uma questão de urgência para o meio cristão..."

Thiago, eu diria que a educação em casa é a verdadeira e única educação que toda criança deve receber. A própria Palavra de Deus confirma isso:

"Ensina à criança o caminho no qual ela deve andar; e quando envelhecer, ela não se desviará dele" (Provérbios 22:6)

Se depender da educação dita "oficial", as próximas gerações estarão tão ou mais corrompidas pelo pecado tanto quanto a geração atual.

P.S: Se você quiser se manifestar, esteja à vontade.

ÉLQUISSON disse...

Esses americanos que disseram esta blasfêmia (que Jesus era pecador) certamente nunca leram o que a Palavra de Deus diz a respeito do Senhor Jesus. Está escrito:

"Aquele (Jesus) que não conheceu pecado, Ele (Deus) O fez pecado por nós; para que Nele (Jesus) fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21, os parênteses são meus)

"Porque não temos um sumo sacerdote que não possa se compadecer das nossas fraquezas; todavia, é Um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemos, portanto, confiantes ao trono da graça, para que alcancemos misericórdia e possamos achar graça, a fim de que sejamos ajudados em tempo oportuno" (Hebreus 4:15–16)

SOMENTE O SENHOR JESUS É 100% PERFEITO, PORQUE ELE NUNCA PECOU!

Nós é que somos pecadores. E, como tal, precisamos da misericórdia de Deus todos os dias para que os nossos pecados sejam perdoados. É como diz a Palavra de Deus:

"Se o Meu povo, que se chama pelo Meu nome, se humilhar, orar, buscar a Minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então Eu ouvirei dos Céus, perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora, pois, estão abertos os Meus olhos e atentos os Meus ouvidos à oração deste lugar" (2 Crônicas 7:14–15)

"O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas aquele que as confessa e as deixa alcançará a misericórdia" (Provérbios 28:13)

"Eis que a mão do Senhor não está encolhida para que não possa salvar; nem o Seu ouvido agravado, para que não possa ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o Seu rosto de vós, para que Ele não vos ouça" (Isaías 59:1–2)

"Semelhantemente, quando o justo se desviar da sua justiça e cometer a iniqüidade, e Eu puser diante dele um tropeço, ele morrerá; porque tu não o avisaste, no seu pecado morrerá; e as suas justiças, que tiver praticado, não serão lembradas; mas o sangue dele, da tua mão Eu o exigirei" (Ezequiel 3:20)

"Digo a vós que assim haverá maior júbilo no Céu por um único pecador que se arrepende, mais até do que por noventa e nove justos que não sentem necessidade de arrependimento" (Lucas 15:7)

"Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus" (Romanos 3:23)

"Esta é uma palavra fiel, digna de toda aceitação: que Jesus Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal" (1 Timóteo 1:15)

"Portanto, nós também, por estarmos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta" (Hebreus 12:1)

"Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e não existe em nós a verdade. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:8–9)

"Quem peca vem do diabo, porque ele é pecador desde o princípio. Para isto é que o Filho de Deus Se manifestou: para desfazer as obras do diabo" (1 João 3:8)

"Filhinhos, eu vos escrevo estas coisas para que não pequeis; mas se algum de vós pecar, temos um Advogado próximo ao Pai: Jesus Cristo, o Justo. E Ele é a propiciação perfeita para todos os pecados, não somente os nossos, como também os de todo o mundo" (1 João 2:1–2)

Precisa dizer mais alguma coisa?

Thiago disse...

Pastor Lucas,

Meu irmão, como vai?

É fundamental lermos um livro chamado "Maquiavel Pedagogo" - Pascal Bernardin. Os engenheiros sociais estão empenhados em destruir a Igreja de Cristo.

Aqui vai um comentário que postei no site do Fábio Blanco:

----------------

Há Lugar para todos no Espaço Público de Debate. É inadmissível nossa exclusão:

1 – Os Laicistas que se contentem por não os combatermos pela espada, pela violência como acontece no Islã por razões doutrinárias;

2- O Cristianismo prega a não-violência, o “dar a outra face” e o respeito às autoridades constituídas.

3- A doutrina Cristã nos orienta a zelar e defender os valores e princípios morais contidos na Escritura. Do nosso ponto de vista, é preciso que defendamos cotidianamente esta população, suas práticas em meio a sociedade. Não estamos impondo aos demais tais princípios, mas possuímos valores singulares, e não podemos deixar que a sociedade laica nos obrigue a abrir mão de tais princípios em nosso cotidiano, na nossa família e com nossos irmãos de fé.

4- Existe um tremendo poder de Reengenharia Social; quem o possui é o Estado, através da Padronização da Educação e, conjuntamente, os Meios de Comunicação de Massa. Nós somos ratos de laboratório na mão dessa gente há um século (por gentileza, leiam Maquiavel Pedagogo e Violação das Massas). Quer dizer que a tradição de 2000 anos, que gerou a Civilização Ocidental não pode dar um “pitaco” sequer no Espaço Público? Se levarmos em consideração o legado Judaico, nossa base civilizatória estende muito mais longe ainda, há mais de 5000 anos. Todo este legado histórico, cultural, comportamental, filosófico, linguístico, religioso, sociológico, antropológico etc etc… Não deve sequer levantar a cabeça diante da Mídia e do Parlamento para defender valores e práticas de seus adeptos? Os Engenheiros Sociais mandam e nós obedecemos? O nosso Deus mudou de Nome para Estado? Mídia agora é o Seu Nome? Não! Jamais! O Grande eu Sou continua o mesmo, O Eterno É e sem pre Será, ponto final! Nós não nos calaremos! O Estado e a Mídia não são deuses, não substituem nosso Deus.

5- Esta população tem direito à Representação Politica? Este estrato populacional é reguardado pela Constituição, pelo Direito do Consumidor (? ); então… terá direito de escolher qual Produto Cultural consumirá? SE A RESPOSTA FOR AFIRMATIVA, ENTÃO QUE OS LAICOS CALEM A BOCA, POIS NÃO ESTAMOS IMPONDO NOSSA VISÃO A NINGUÉM, ESTAMOS APENAS RESGUARDANDO NOSSO DIREITO A PRESERVACAO E CULTIVO DE NOSSOS VALORES ANCESTRAIS.

6- Existe um “edifício invisível”, este edifício é formado por paredes que são os valores comuns que uma sociedade compartilha entre si. Este “edifício”, historicamente, é constituído basicamente pela Religião e pela Cultura. Há quem queira demolir o “edifício” moral de uma parcela significativa da população, parcela majoritária; e isso não admitiremos! Se isso desagrada ao mundo, que nos joguem aos leões ou que nos enviem para a câmara de gás, mas não cederemos nem um milimetro sequer.

7- O Povo de Deus (judeus e cristãos) já sobreviveu a muitos Impérios, a nossa força esta na preservação de nossos valores e cultura. Captulando estes dois fundamentos, deixamos de existir; mas nos martirizando e perseguindo, aniquilando nosso corpo, jamais conseguiram nos exterminar, a História é testemunha e termos resistido a tudo e a todos é a prova da nossa força, sempre firmados em Deus.

A Vitória é do Povo de Deus.

Bendito seja O Nome do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, Amém.

Fique na Paz Irmão Fábio, e os demais irmãos em Cristo também, Amém.

Obs. Moderação e Complacência com o Pecado é algo comparável ao Suicídio Espiritual. O Cristianismo Europeu Liberal é a maior prova disso, entrou em extinção.

----------------

continua

Thiago disse...

continuação



Pastor, você poderia indicar os principais teólogos pro senhor? Preciso de referências de quem seja conservador e um crente verdadeiro; de gente como vocês aqui do blog.

Ah, Pastor Lucas, já me cansei desse negócio de liberalismo e marxismo teológico, que nada mais são do que fermentos vindos diretos das fezes de Satanás. É o Mal encadernado, editado, publicado e consumido nos seminários. O inferno agradece a todas aquelas autoridades eclesiásticas que cooperaram para a apostasia final.

Pastor, este século será de grande perseguição e ódio aos cristãos praticantes e fiéis, infelizmente esta é a realidade.

Um Abraço.

Observação:

Estas mudanças do mundo não são naturais. É tudo Engenharia social Globalista à la ONU através da Educação e os Meios de Comunicação de Massa.

Lembra Pastor , antigamente, os Assembleianos e os da Deus é Amor que que proibiam a TV? Eles estavam certos. A Mídia a cada vez mais se enquadra no Arquétipo "Imagem da Besta". Em um artigo antigo do Júlio, lembro que o autor fazia um paralelo entre o "Número da Besta" e o Sistema Educacional - HUMANISTA - se encontra-lo, posto o link - é uma possibilidade, não estou afirmando ou desconsiderando - é algo para se pensar.

Thiago disse...

Amigos, por acaso questões sobre este tema foi levantado por Olavo, que publicou este artigo:

"Aprendendo Com O Povão"

http://dcomercio.com.br/categoria/opiniao/aprendendo_com_o_povao

O Povão, que não enlouqueceu como os formandos de Humanas, que não se contaminou com tanta teoria relativista "porra loka"... acabou por preservar sua sanidade.

Pastores do Brasil, não se deixem levar por teólogos "sabe tudo", não! Confiem que o Senhor Deus te dá entendimento. Qualquer um que venha aparecer pregando algo contrário ao que a Escritura ensina de forma clara e cristalina seja rejeitado por todas as lideranças, beleza meus irmãos? Qualquer professor, doutor, psicologo, pedagogo, "o diabo a quatro" que venha combater nossos princípios de fé, contrariando as Sagradas Escrituras, também merece ser "colocado para escanteio", e ponto final.

Nosso Deus é Maior!

Só devemos estudar aquilo que não vai contra as Escrituras. De resto, que entre por um ouvido e que saia pelo outro, belê?

Deixem o título de otário gramisciano e idiota útil para os filhinhos de papai, granfinos, engomadinhos... todos esquerdistas, filhos do marxismo cultural. Nosso compromisso não é com este mundo, nem com suas imundícias.