16 de março de 2015

Aliança entre Turquia e Hamas provoca temores em Israel


Aliança entre Turquia e Hamas provoca temores em Israel

Julio Severo
O Hamas, a organização terrorista islâmica perpetuamente em guerra com Israel, está recebendo patrocínio e apoio da Turquia, que é membro da OTAN.
Os líderes mais importantes do Hamas estabeleceram uma sede oficial em Istambul chamada a “Sede da Cisjordânia e Jerusalém.” Com a aprovação das autoridades turcas, Salah Al-Arouri, um dos fundadores da Brigada Al Qassam (a ala militar do Hamas), e que cumpriu uma sentença de 15 anos de prisão em Israel por crimes terroristas, vem dirigindo as campanhas na Cisjordânia para derrubar a Autoridade Palestina e atacar Israel ao mesmo tempo.
“A Turquia se tornou uma incubadora do Hamas, e membros da ala militar dessa organização estão recebendo treinamento militar em solo turco, com o conhecimento, apoio e assistência das autoridades locais,” noticiou recentemente o jornal israelense Yediot Aharonot.
Em anos recentes, os EUA têm visto a Turquia como um aliado importante para fazer uma ponte nas relações entre o Ocidente e o mundo árabe. Em 2011, no aniversário de 10 anos do ataque terrorista islâmico aos EUA em 11 de setembro de 2001, a então secretária de Estado Hillary Clinton lançou uma nova campanha antiterrorismo mundial onde, de acordo com ela, “a Turquia e os Estados Unidos servirão como co-presidentes fundadores.”
A escolha da Turquia para presidir, juntamente com os EUA, essa campanha antiterrorismo internacional causa sérias preocupações. A Turquia tem sido acusada de fazer negócios com o ISIS, comprando petróleo mais barato dessa entidade terrorista. Em parte, é esse dinheiro que ajuda a financiar o ISIS. A Turquia também tem uma política de fazer de conta que não vê os milhares de muçulmanos da Europa que passam por seu território para entrar na Síria para torturar, estuprar e matar cristãos. Em contraste, a Turquia tem adotado uma postura cada vez mais crítica a Israel.
O namoro do presidente turco Recep Tayyip Erdogan com o Hamas tem se tornado descarado.
“Esse não é um fenômeno novo,” Emmanuel Nachshon, porta-voz do Ministério das Relações Externas de Israel, disse a FoxNews.com. “Temos expressado preocupação e descontentamento com o fato de que a Turquia está mantendo em seu território líderes de alto nível do Hamas. Estamos também extremamente preocupados que isso serviria de base para preparar atos terroristas.”
“De acordo com fontes de segurança israelenses, os serviços de inteligência turcos estão ajudando a ala militar do Hamas na Turquia,” Yoni Ben Menachem, analista sênior de assuntos do Oriente Médio do Centro de Assuntos Públicos e Jerusalém, disse a FoxNews.com.
Com informações da FoxNews.com.
Leitura recomendada:

7 comentários :

Leandro disse...

Tudo isso é consequência dá desastrada política externa dos Estados Unidos, que a todo custo tem buscado parcerias estratégicas com aliados muçulmanos para não parecer, ao seu eleitorado interno, que esteja desenvolvendo uma confrontação de tipo "religioso" (como a advertida, em tons lúgubres, por Huntington e outros "profetas" do choque de civilizações).

Isso já começou na década de 1990 quando os EUA deram total apoio à independência da Eritréia sob um governo islâmico, que pôs uma forte perseguição contra os cristãos etíopes.

Desde então tem sido um erro atrás de outro, sendo rejeitadas todas as aproximações pacíficas feitas pela Síria e até pelo Irã (que, ao contrário do muita gente pensa, tem uma opinião pública muito mais simpática aos EUA do que qualquer país da América Latina), e hoje a política de Washington anda como barata tonta, com uma embaixada do Hamas dentro da OTAN e inteiramente refém da rede de conexões montada pelo wahabismo saudita.

Não houve grande diferença entre administrações republicanas e democráticas para se chegar a estado de caos.

Anônimo disse...

Desde que entrou nos EUA, agora do Islã, o comunoislamita Obama parece até castigo para os americanos - as sórdidas alianças com dele com os satanistas do Islã tem favorecido e muito incentivo ao terrorismo de forma global pois essa ideologia política parodiada de religião é aliada atualmente dos comunistas - o quanto basta - e na 2ª Guerra mundial associou-se a Hitler e depois para a antiga União Soviética, apesar de no fundo se odiarem.
Dispensam-se mais comentários!
Henoc

Marcelo disse...

Como diz a Palavra de Deus (2 Ts 2:6), hà algo de divino que tem sido um freio na vida dos seres humanos, impedindo-os de promover uma destruiçao total da especie.

Todavia, pelos ultimos acontecimentos, percebemos que o Senhor està retirando tal freio e o mundo irà viver os ultimos dias da epopeia humana, repleto de abominaçoes e apostasia da fè crista.

Anônimo disse...

Condenamos todas as formas de violência, exceto a violência que nós mesmos cometemos,Se a França tivesse uma democracia islâmica, assim como a nossa, os cartunistas não teriam sido assassinados eles teriam sido enforcados 10 anos antes.

O Islã valoriza os direitos das mulheres, especialmente os direitos das mulheres que dão à luz meninos.


mohamed hussein,líbanês.

Anônimo disse...

Fica falando aí do Hamas,que já já eles vão te pegar,se eu fosse vc,eu abria o olho,os kra não são de brincadeira não,eles são perigosos hein!

Elias disse...

Júlio, ficou sabendo da última?
Obama deu quase meio milhão de dólares para uma ONG americana de nome OneVoice.
Essa ONG repassou esse dinheiro para uma ONG que opera em Israel fazer campanha contra Netanyahu.
Tudo com consetimento de Obama e de seu Departamento de Estado - a ONG americana não pode operar legalmente em Israel, por isso precisou repassar o dinheiro para sua contraparte israelense.
Ninguém mais, nenhum país está à salvo das maquinações políticas vindas da Casa Branca, até mesmo supostos aliados como Israel.
A Casa Branca está preparando uma "revolução colorida" em Israel também.
Depois de saber disso, não há mais como negar que os EUA (seu establishment político) estão totalmente loucos, considerando que o mundo é seu (dos EUA), para fazer com qualquer nação o que bem lhe der na telha, não poupando nem supostos aliados.
Obama demonstra que está disposto a tudo para dividir a Terra de Israel, inclusive torpedear politicamente o primeiro-ministro israelense se ele não concordar com a criação do Estado da Palestina.
Não duvidaria se até mesmo uma "Maidan" (aos moldes do que se viu na Ucrânia) fosse engendrada em Israel pelos EUA, tentando assim impor sua vontade, agora, sobre a nação de Israel.
Uma nação, quando se torna poderosa demais, começa a se tornar arrogante e passa a considerar que deve impor suas vontades sobre todo o mundo.
Claramente, o ponto de inflexão dos EUA rumo à ambições imperialistas, não respeitando nem mesmo um aliado decente como Israel, já chegou.
Triste fim para os EUA, outrora uma grande nação.
Reagan deve estar se revirando no túmulo.

Cicero disse...

Caro mohamed hussein, o Islã prega a mutilação genital feminina, certo?