12 de janeiro de 2015

Portal Conservador ou Católico? EUA são mais católicos ou evangélicos?


Portal Conservador ou Católico? EUA são mais católicos ou evangélicos?

Julio Severo
A Rádio Vox, que costuma trazer informações importantes para um público que precisa ser conscientizado, entrou em profundas águas escuras ao divulgar, em seu Facebook, uma estatística alucinada: “Catolicismo já é a maior religião cristã dos EUA.”
Como evangélico conservador, nada tenho contra essa informação desde que (1) seja verdadeira e (2) tenha resultados positivos comprovados.
É obrigação de uma mídia conservadora avaliar bem as informações que recebe e divulga, especialmente quando o assunto é polêmico e altamente inflamatório.
A fonte em questão veio do Portal Conservador, e a Rádio Vox divulgou tudo sem questionar a legitimidade. Muitos, confiando apenas no nome conservador de ambas as mídias, poderiam repassar a mesma estatística, sem colocar em dúvida sua veracidade. Tal atitude poderia acabar trazendo descrédito para o movimento conservador por evidenciar que espalhamos qualquer notícia apenas por ter algum rótulo conservador.
Vou fazer então uma avaliação conservadora do artigo “O catolicismo é a maior religião dos Estados Unidos,” publicado primeiramente pelo Portal Conservador.
O Portal Conservador apresentou uma lista de 10 igrejas nos EUA e a Igreja Católica ficou em primeiro lugar. A numeração está desajeitada, pois incluiu a Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, que não é cristã. É a religião mórmon.
No caso protestante, a informação do Portal Conservador mostrou apenas algumas denominações, sem dar o total do protestantismo americano. Mas no caso mórmon, a computação não dividiu a religião mórmon em suas várias denominações diferentes, preferindo dar o total dessa religião: 6.157.238 membros.
Evidentemente, existe um erro metodológico aí. Há um grande número de denominações protestantes, porém todas recebem a designação comum e tradicional de “religião protestante.” O Portal Conservador tinha a obrigação de apresentar o número total sob essa designação comum, porém se omitiu ao dar poucos números parciais. Mas não cometeu a mesma omissão ao dar o número de mórmons e católicos. Foi total.
A informação do Portal Conservador é que a Igreja Católica, segundo dados de 2011, tem 68.202.492 membros. As oito denominações restantes da lista do Portal Conservador somam aproximadamente 45 milhões de membros. As muitas outras denominações protestantes omitidas pelo Portal Conservador estão devidamente registradas no The World Almanac and Book of Facts 2015 (Almanaque Mundial e Livro de Fatos 2015).
Se o Portal Conservador quisesse dizer que a Igreja Católica é a maior denominação cristã dos EUA, essa informação estaria correta. Entre as inúmeras denominações protestantes, a Igreja Católica sobressairia. Mas como religião total, a história é muito diferente.
Afinal, qual é a maior religião dos Estados Unidos? Segundo o CIA World Factbook 2014 (Livro de Fatos Mundiais da CIA 2014), o registro oficial é que os protestantes perfazem 51,3% da população dos EUA. E quanto aos católicos romanos? A CIA diz que eles são apenas 23,9%. Diferente do Portal Conservador, que incluiu o mormonismo entre as denominações protestantes, o Livro da CIA separou o mormonismo do protestantismo, atribuindo-lhe o número de membros em 1,7% da população americana. O registro da CIA foi muito mais honesto do que a propaganda do Portal Conservador.
Portanto, a informação do Portal Conservador, divulgada sem nenhuma análise e questionamento pela Rádio Vox, não tem base nenhuma.
A linha principal do Portal Conservador e da Rádio Vox é católica. Parece então que a euforia católica falou muito mais alto do que o conservadorismo. Em todo caso, tanto a mente católica quanto a mente conservadora deveriam analisar o que recebem, leem e divulgam. Mas esse episódio serve para recordar que, invariavelmente, quando a euforia entra, catolicismo e conservadorismo têm dificuldade de andar juntos. É certo que se ambas as mídias fossem mais conservadoras do que católicas questionariam sem hesitação tudo o que está por trás do pretencioso título “Catolicismo já é a maior religião cristã dos EUA.”
Agora, vamos aos fatos que não incomodam a mente conservadora, mas causam incomodo entre católicos eufóricos.
Os EUA foram fundados como nação evangélica e permaneceram por muito tempo com uma população majoritariamente evangélica. Embora o dado de 51,3% que a CIA apresentou seja elevado, é mais baixo do que nas décadas anteriores. Mas é muito mais elevado do que os 23,9% da religião católica.
Havia uma maioria tão absoluta de evangélicos no passado dos EUA que, ao assinar a Declaração de Independência dos Estados Unidos, Samuel Adams afirmou: “Tenho a confiança de que neste dia o reinado do protestantismo político se iniciará”. Os 56 signatários eram na grande maioria protestantes.
No entanto, só números não significam nada. Embora os EUA sejam religiosamente um país de maioria protestante, a qualidade dessa religião vem se deteriorando há muitas décadas devido ao liberalismo e esquerdismo. Grandes denominações, como a presbiteriana, apoiam o aborto, o “casamento” homossexual e são hostis a Israel.
A solução seria os EUA se converterem para o catolicismo? E se os EUA passassem a ser católicos, como querem muitos católicos eufóricos, como os católicos da Rádio Vox e do Portal Conservador?
O número de católicos nos EUA está aumentando, graças à imigração da América Latina. Geralmente, os católicos latino-americanos têm inclinações conservadoras e pró-vida. Mas, por causa das bolsas-esmolas do Partido Democrata (que é profundamente socialista, pró-aborto e pró-homossexualismo), eles votam esmagadoramente no Partido Democrata, o partido de Obama. Nos EUA, os católicos votam em Obama do jeito que no Brasil votam em Lula e na Dilma. Não há diferença.
Os católicos latino-americanos, pois, não têm posturas conservadoras e pró-vida sólidas. Tudo pode ser negociado, tal qual acontece rotineiramente no Brasil.
E se os EUA viessem a ser a maior nação católica do mundo? Como é ser o país mais católico do mundo? O Brasil mantém hoje esse título. Embora haja conservadores católicos com valores sólidos e inegociáveis, eles são minoria absoluta e não representam ameaça para a hegemonia esquerdista no governo e na cultura do Brasil. Em 2012, o PT declarou que a única ameaça a essa hegemonia são os televangelistas neopencostais, que mantêm posturas sólidas e inegociáveis contra o aborto e a agenda gay — com exceção da Igreja Universal do Reino de Deus.
O Brasil católico é o maior celeiro mundial de Teologia da Libertação.
Se os católicos não estão fazendo diferença na maior nação católica do mundo, como esperam transformar os EUA em católicos e ainda por cima numa “potência católica conservadora”?
Os católicos tiveram, desde o descobrimento do Brasil em 1500, mais de 400 anos para fazer do Brasil uma nação moderna e próspera. E o que conseguiram?
Os evangélicos, desde 1600, tiveram uns 300 anos para fazer dos EUA uma nação moderna e próspera. E o que conseguiram? É só comparar o país mais católico do mundo com o país mais evangélico do mundo.
E agora esperam que a forte imigração católica da América Latina transforme os EUA no que eles nunca conseguiram fazer em seus países católicos?
Os católicos latino-americanos que compõem o crescimento católico nos EUA estão transformando os EUA em país de bolsas-famílias, exatamente como o Brasil. Se os EUA virarem um Brasil católico, será outro celeiro mundial de Teologia da Libertação.
Entretanto, os católicos brasileiros eufóricos preferem olhar para os católicos brancos americanos, que para eles são a verdadeira referência, identidade e esperança de catolicismo e conservadorismo autêntico. Acontece que, como mostrou reportagem do DailyMail, não se deve, em pesquisas sobre catolicismo nos EUA, levar em consideração os católicos brancos, pois eles “são muito mais mesclados e influenciados pela cultura protestante mais ampla.” Isto é, o conservadorismo dos católicos brancos americanos reflete o protestantismo americano original!
Além disso, o DailyMail atribui o espírito criativo americano, que é um importante fundamento dos EUA, ao protestantismo na cultura americana.
Não desejo defender a religião protestante como “única igreja que salva.” Nenhuma igreja salva. Só Jesus Cristo salva. Se você é protestante ou católico, mas não vive em Jesus, sua igreja nada poderá fazer para salvar você.
Ambas as igrejas podem ser criticadas — desde que com honestidade. De preferência, com a Bíblia, não com dados desonestos.
No protestantismo, gosto de sua liberdade e responsabilidade de crítica e autocrítica. A apostasia nos EUA está crescendo? Sim, e há inúmeros artigos e livros, escritos por protestantes americanos, acerca desse assunto.
No catolicismo, há um receio ou medo de criticar abertamente seus próprios escândalos. Criticar o Vaticano? Nem pensar. Por que não, quando necessário?
Muitos protestantes criticam os EUA. Seria como, em termos católicos, criticar o Vaticano, pois os EUA, desde sua fundação, se tornaram como um “Vaticano” protestante.
Mesmo assim, não tenho, como evangélico, a euforia irracional de defender os EUA apenas porque, numericamente, ainda continuam o país mais protestante do mundo.
O compromisso evangélico genuíno é com a verdade, não com seu “Vaticano” protestante. Já critiquei os EUA por estarem na liderança mundial da promoção do homossexualismo. Meu artigo está aqui: Washington, D.C.: A capital do governo mundial imoral
Não sou o primeiro nem o último evangélico a criticar os escândalos dos EUA. Essa é a liberdade e responsabilidade de crítica e autocrítica do protestantismo.
Nessa liberdade e responsabilidade, critico a aliança esquerdista entre o Papa Francisco e Obama. Critico muito mais líderes de igrejas protestantes do que critico o esquerdismo do papa. Mas os católicos não ousam criticar seu papa, mesmo quando o esquerdismo é descarado e patente. A falta de autocrítica conservadora, tão presente nas igrejas protestantes, é um mal devastador na Igreja Católica.
Os católicos eufóricos, que colocam seu catolicismo acima do conservadorismo, críticas e questionamentos, preferem promover qualquer estatística que privilegie o catolicismo sobre o protestantismo, independente se a fonte é verdadeira, suspeita ou descaradamente desonesta.
Portanto, o artigo “O catolicismo é a maior religião dos Estados Unidos,” do Portal Conservador, está totalmente errado em sua conclusão, conforme informação da CIA.
Errado também está o artigo “O fenômeno evangélico como uma criação do Individualismo,” igualmente do Portal Conservador, que condena o protestantismo. Afinal, a meta “conservadora” deles é condenar o marxismo ou o protestantismo?
Qual é a base para tal condenação? O Portal Conservador diz:
“Sabemos que René Guénon, Julius Evola e outros tradicionalistas foram enfáticos em suas condenações ao protestantismo.”
“Além disso, Guénon vai ainda mais longe e coloca o protestantismo como um quase irmão da modernidade. De fato, além de não possuir qualquer qualificação religiosa e não passar de um simulacro de Cristianismo, o protestantismo gerou uma das maiores aberrações religiosas dos dias de hoje: o evangelismo. É óbvio que sabemos das diferenças entre as seitas protestantes, surgidas na reforma de Lutero, e as seitas pentecostais, neopentecostais, evangélicas e semelhantes.”
A base da condenação do Portal Conservador ao protestantismo é René Guénon (1886-1951), um católico que se converteu a uma das formas mais ocultistas e esotéricas do islamismo e morreu no Egito islâmico. De acordo com a escritora conservadora americana Nancy Pearcey, Guénon é um expoente da Nova Era. Um católico usar Guénon para fundamentar condenações católicas ao protestantismo é a mesma coisa que um evangélico usar um bruxo para fundamentar condenações protestantes ao catolicismo. 
Pearcey tem um livro intitulado “Total Truth: Liberating Christianity from its Cultural Captivity” (Verdade Total: Libertando o Cristianismo de seu Cativeiro Cultural), publicado pela editora Crossway Books em 2004. Esse livro tem um Apêndice 2 intitulado “Islamismo Moderno e o Movimento Nova Era,” em que Pearcey mostra como uma mistura das ideias de Platão e hinduísmo e islamismo (uma genuína salada de Nova Era) está transformando intelectuais católicos em heréticos. Ela diz:
“O neoplatonismo se tornou uma forte influência no pensamento islâmico. Hoje vários filósofos muçulmanos importantes adotaram a filosofia perenialista, com sua mistura de panteísmo ocidental e oriental. Aliás, os primeiros promotores dessa filosofia, que eram europeus, acabaram todos se convertendo para o islamismo! Para completar o círculo, o homem que lançou a filosofia perenialista (um francês de nome René Guénon) cria que existe uma essência comum unindo todos os três: neoplatonismo no Ocidente, hinduísmo no Oriente e islamismo no Oriente Médio.”
De acordo com Pearcey, promotores europeus proeminentes da filosofia perenialista que se converteram ao islamismo incluem, além de Guénon, Fritjol Schuon e Martin Lings.
Guénon é muito raramente citado na literatura evangélica porque a penetração desse ocultista nos meios evangélicos é completamente insignificante. Ele é um desconhecido. Mas parece que nos meios católicos o inverso está acontecendo.
Outras fontes confirmam os envolvimentos ocultistas de Guénon. O site canadense de Henry Makow diz:
René Guénon era acima de tudo um ocultista. Ele era discípulo de Papus, pseudônimo usado por Gerard Encausee, um dos principais satanistas do século XIX.
Os seguidores de Guénon gostam de dizer que ele era apenas um intelectual que estudava o ocultismo, mas ele próprio era um ocultista profundo. Ele teve uma briga com a teosofia, mas essa foi uma luta entre facções do luciferianismo mais do que qualquer outra coisa.
A essência da filosofia de Guénon é que um homem pode ser bruxo, manipular ciências mágicas e ocultas e ainda ser, exteriormente, um membro respeitado de uma religião cultural. Ele era um sabotador…
Julius Evola, citado pelo Portal Conservador como outra referência “tradicionalista” para condenar o protestantismo, era na verdade discípulo de Guénon, de acordo com o site de Makow, e o “tradicionalismo” de ambos era apenas uma extensão da teosofia. Era tudo Nova Era.
O primeiro livro sobre Nova Era que li foi “The Hidden Dangers of the Rainbow” (Os Perigos Ocultos do Arco-Íris), escrito pela Dra. Constance Cumbey e publicando originalmente em 1983. Esse livro, que se tornou best-seller nos Estados Unidos e foi pioneiro contra a Nova Era, me foi dado no final da década de 1980 pelo falecido Pe. Paul Marx, fundador de Human Life International (Vida Humana Internacional), uma grande organização católica pró-vida que combate não só o aborto, mas também a Nova Era. Entre muitos assuntos importantes, Cumbey desmascara o marxista Dom Hélder Câmara, fundador da CNBB, como indivíduo conectado à Nova Era.
Fica evidente então que se até a CNBB não escapou, décadas atrás, de ter um promotor da Nova Era em seu meio, outros meios católicos brasileiros não conseguiriam ficar ilesos.
A Nova Era, que foi abundantemente denunciada nas igrejas evangélicas nas décadas de 1980 e 1990, hoje se infiltra nos meios católicos brasileiros para fundamentar condenações ao protestantismo.
Se houvesse uma real liberdade e responsabilidade de crítica e autocrítica nos meios católicos brasileiros, o Portal Conservador poderia detectar a infiltração da Nova Era em seus argumentos em prol de uma inútil e boba euforia católica contra o protestantismo.
Argumentos como “catolicismo nos EUA é maior do que o protestantismo” ou “catolicismo é verdadeiro e único conservadorismo” ou “protestantismo é sinônimo de revolução marxista” são mentiras de pernas muito curtas diante dos fatos e da realidade. O protestantismo não está acima de crítica. Mas a crítica, para ser válida, precisa de bases sólidas e imparciais e motivações honestas.
É com essa imparcialidade e honestidade que tenho divulgado em português o importante alerta de Pat Buchanan, católico tradicionalista que disse que hoje os EUA são o “epicentro do anticonservadorismo mundial.” Buchanan era assessor de Ronald Reagan, o presidente mais conservador da história americana dos últimos 40 anos. Não me importo se ele é católico tradicionalista. O importante é que ele foi honesto e verdadeiramente conservador em sua avaliação acerca do estado atual do “Vaticano” protestante.
O difícil, é claro, seria um católico tradicionalista denunciando, quando necessário, o Vaticano católico com a mesma ousadia e energia. Mesmo assim, o alerta do Buchanan é oportuno.
Ser católico é muito mais importante do que ser conservador? Minha mãe me contou anos atrás que quando John Kennedy foi eleito presidente nos EUA, a euforia no Brasil foi enorme. O maior país católico do mundo estava celebrando, com pulos de alegria, a eleição do primeiro presidente católico na nação mais evangélica do mundo. Mas o que havia para celebrar? Sabe-se hoje que Kennedy tinha inúmeras amantes e ligações com a máfia.
Seja como for, eu, como evangélico, não celebro o fato de os EUA serem o maior país evangélico do mundo. De que adianta essa maioria se os EUA têm um presidente marxista pró-islamismo? De que adianta essa maioria se, desde 1973, os EUA têm uma das mais sanguinárias leis de aborto do mundo? O que há para celebrar?
E se eu fosse católico, também não celebraria o fato de o Brasil ser o maior país católico do mundo. O que há para celebrar?
Os EUA serem católicos é mais importante do que os EUA serem conservadores? Então, por que celebrar Kennedy? Por que celebrar dados mentirosos, refutados pela CIA, de uma América mais católica do que protestante? Por que destacar um místico herético da Nova Era para fundamentar condenações católicas ao protestantismo?
De que adiantaria uma América majoritariamente católica, esquerdista à la Teologia da Libertação ou ocultista à la Guénon e muito mais próxima do islamismo do que já está?
Deveria o conservadorismo ser usado para promover um catolicismo regado de influências da Nova Era, que está convertendo conservadores iniciantes e imaturos numa mescla exótica de católicos heréticos? Isso não é bom nem para evangélicos nem para católicos. Evangélicos que são iludidos por esse tipo de propaganda católica podem acabar no final aos pés de Maria, Maomé ou os santos e profanos da Nova Era — cujos promotores estão, como Guénon, mascarados de bons intelectuais e filósofos.
Se o Portal Conservador continuar a citar Guénon e outros bruxos como referência contra o protestantismo, daqui a pouco nem o título de Portal Católico lhe servirá. Uma das missões do Portal Conservador, conforme consta numa de suas guias principais, é a “Apologética” — que supostamente é defender a fé católica. Como esperam fazer isso combatendo o protestantismo, mas não a Nova Era? Como esperam fazer isso dando propaganda gratuita para expoentes da Nova Era? Como esperam ser ao mesmo tempo pró-conservadorismo, pró-catolicismo, pró-Nova Era e anti-protestantismo? Pretendem agora, de lança na mão e montados no pangaré da Nova Era, atacar o protestantismo? Promover bruxos agora virou conservadorismo? Manter o título de Portal Conservador e ao mesmo tempo promover Guénon e outros bruxos é fomentar sabotagens ocultistas no meio dos conservadores.
Eu diria aos católicos da Rádio Vox e Portal Conservador: “Desejam ser bons conservadores? Imitem os católicos brancos dos Estados Unidos. Combatam a Nova Era em seu meio. E tenham muita crítica e autocrítica honesta do catolicismo, do protestantismo, do Vaticano e dos Estados Unidos.”
Esse é o verdadeiro espírito do conservadorismo cristão.
ATENÇÃO: A continuação deste texto, tratando do bruxo René Guénon e sua influência no conservadorismo católico do Brasil, encontra-se neste artigo: A premonição “magistral” de René Guénon?
Leitura recomendada:

56 comentários :

Sou contra a esquerda disse...

Júlio,

Se eu não estiver enganado, ser conservador (ou ser de direita, como dizem alguns) significa defender estes pontos:

– Direito de ir e vir;

– Direito à liberdade de expressão (direito garantido pela Constituição);

– Direito ao livre culto religioso (no caso, à crença na fé cristã);

– Direito à propriedade privada;

– Direito à inviolabilidade do lar;

– Direito à segurança individual e coletiva;

– Direito à proteção da família;

– Defesa da vida (e também do direito à vida);

– Firmeza de convicções (manutenção de determinados princípios);

– Liberalismo econômico (que os esquerdistas chamam vulgarmente de "neoliberalismo");

– Livre iniciativa (ou livre empreendedorismo);

– Estado mínimo (interferência mínima do Estado em algumas questões).

No caso do evangelho, um verdadeiro conservador evangélico tem como característica principal a defesa das verdades eternas da Palavra de Deus. UM VERDADEIRO CONSERVADOR EVANGÉLICO NUNCA NEGA O NOME DO SENHOR JESUS (NEM MESMO SOB AS MAIS TERRÍVEIS AMEAÇAS, PERSEGUIÇÕES, E PROVAÇÕES). Um verdadeiro conservador evangélico adota o mesmo lema dos antigos mártires da fé cristã: "Antes morrer do que pecar". Enfim, um verdadeiro conservador evangélico confia na promessa que o próprio Senhor Jesus fez aos Seus servos:

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2:10)

Os esquerdistas acham que o Estado deve substituir a Deus em todas as áreas da vida humana. Tanto que o lema deles é: "Nada acima do Estado, nada fora do Estado, e nada contra do Estado!" Em outras palavras: o totalitarismo esquerdista vê o Estado como Deus. E ai de quem ousar discordar!

Mas um cristão (que é o verdadeiro conservador evangélico) também tem que ser "totalitarista". Totalitarista em que sentido? No sentido de que só a Palavra de Deus é quem deve guiar moralmente uma nação. Só a Palavra de Deus é mais do que suficiente como guia da verdadeira fé cristã. Fazendo uma "adaptação" do lema totalitarista esquerdista, o cristão deve dizer em alto e bom som: "Nada acima da Palavra de Deus, nada fora da Palavra de Deus, e nada contra a Palavra de Deus!"

Aliás, a própria Palavra de Deus tem algumas citações "totalitaristas" contra os falsos ensinamentos. Leiamos:

"Mas ainda que nós mesmos ou até um anjo do Céu vos apresente um outro evangelho diferente daquele que eu vos tenho pregado, seja anátema. Assim como já vos disse antes, agora novamente vos digo: se alguém vos anunciar um outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema" (Gálatas 1:8–9)

Este texto do apóstolo Paulo confirma a primeira parte do "totalitarismo cristão": nada acima da Palavra de Deus.

"Mas o Espírito expressamente adverte que em tempos posteriores muitos apostatarão da fé, e darão ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios" (1 Timóteo 4:1)

Apostatar da fé (e também dar ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios) significa estar fora da Palavra de Deus (segunda parte do "totalitarismo cristão"). Ou alguém vai dizer que não?

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade" (2 Coríntios 13:8)

Não pode existir nenhuma filosofia, ensinamento, doutrina, ou qualquer outro preceito que esteja contra a Palavra de Deus (terceira parte do "totalitarismo cristão"). Enfim, Deus e a verdade da Sua Palavra têm que estar sempre acima de tudo e todos!

Será que eu estou certo? Se você (ou alguém daqui) quiser se manifestar, esteja à vontade.

Alex Pereira disse...

Caro Julio,
Sou Alex Pereira, criador da Rádio Vox, e queria concordar com a sua análise sobre essa postagem realizada por um colaborador da rádio.

Os erros do texto citado no seu artigo são grosseiros.

A rádio é cristã, com participantes católicos, evangélicos e ortodoxos.

Fique tranquilo que vamos redobrar a atenções nas postagens dos colaboradores, e de convidar você para participar da nossa programação.
Grande abraço!

Anônimo disse...

Thiago




Muito bom esse artigo, Julio.

Welber disse...

A verdadeira igreja de Jesus é aquela que, independente de denominação (seja católica, evangélica, ou qualquer outra que existe), obedece única e exclusivamente à Palavra de Deus. Denominações são criadas por homens, mas a Palavra de Deus é a mesma!

No meu caso, eu congrego na Igreja do Evangelho Quadrangular. Mesmo assim, eu não faço propaganda da denominação onde eu congrego. Muito pelo contrário: eu falo somente da Palavra de Deus. Ela, sim, é o verdadeiro e único guia para conduzir todas as pessoas à salvação (independente da igreja que essas mesmas pessoas freqüentam). Enfim, temos que obedecer ao que o Senhor Jesus ordena na Sua Palavra:

"Ide por todo o mundo e pregai o evangelho para toda criatura" (Marcos 16:15)

Não seria muito mais proveitoso agirmos assim ao invés de ficarmos discutindo sobre qual igreja é a certa?

Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade.

Anônimo disse...

Thiago




Falou e disse meu irmão!

Julio, você abordou um tema tabu entre muitos conservadores. Concordo plenamente contigo senhor Julio Severo. Sempre fiquei "com a pulga atrás da orelha" quando via católicos citando um bruxo para refutar o cristianismo bíblico. Sempre me incomodou, da mesma maneira que me incomoda a crítica (chuva de pedratas) que os protestantes reformados, maçons, gayzistas, e aborteiros (muitos hoje tão firmes que se tornaram ateus ou "desigrejados") fazem ao pentecostalismo, ao neopentecostalismo e ao cristianismo biblico fundamentalista e ao puritanismo tradicional.

É fácil atacar pedras, o difícil e produzir algum fruto.

Tô cansado da intelectualidade evangélica seca, esturricada, que só sabe acusar quem ainda com muita dificuldade, nesse mundo apocalíptico, consegue produzir algum fruto.

Anônimo disse...

Não está nem evangélico e nem católico, está joio!

Anônimo disse...

Aproveitem e deixem que as pessoas vejam o site por si mesmo: www.portalconservador.com

CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE disse...

Na verdade, o crescimento do catolicismo nos EUA coincide com o declínio moral dos EUA.

Anônimo disse...

EUA sendo em sua maioria católica ou protestante não irá fazer a menor diferença.....
milhões de abortos por ano vão continuar assim como metade dos casamentos terminará em divórcios

Lucas disse...

7) O Portal Conservador não pode ser chamado Portal Católico dessa maneira pelo, já que abriga entre seus colunistas um ortodoxo que trata abertamente de sua fé e escreve os artigos à luz de sua fé, como é o caso dos exemplos, ou à luz dos autores que lhe influenciam (como Guenón, Évola etc.);

8) Tenho outras observações a fazer sobre seu artigo, mas não as farei aqui, por serem muitas e mais extensas.

Att,

Lucas P. Novaes

Anônimo disse...

Maiores abortistas do mundo. Milhões de abortos, milhares anuais desde os anos 70;

Maiores promovedores da agenda gayzista em todo o mundo;

Criadores da maior festa de bruxaria do mundo. Inclusive exportada: o Hallowenn;

Maior exportador de pornografia do mundo;

Maiores consumidores de drogas ilícitas do mundo;

Que mais dizer?

Que mais dizer de uma nação criada não somente no protestantismo e principalmente pela revolta como a Maçonaria, que vai contra Deus e seus princípios?!

E ainda há estúpidos relacionando a decadência dos EUA com o aumento RECENTE de católicos naquele país.

Anônimo Pietro







Lucas disse...

P. S.: Tudo indica que Rafael Daher seja mesmo ortodoxo:

1) Se este tiver sido mesmo seu blog, ele trata da fé dos ortodoxos: http://rafaelrdaher.blogspot.com.br/;

2) Tradução em site ortodoxo; http://igrejaortodoxadobrasil.org.br/teosalvadorpessoal.php;

3) Artigo crítico ao catolicismo: http://diariodeumbobodacorte.blogspot.com.br/2010/04/nossa-senhora-de-fatima-desmascarada.html;

4) Artigo traduzido: http://www.fatheralexander.org/booklets/portuguese/sola_scriptura_john_whiteford_p.htm;

5) Artigo traduzido: http://www.fatheralexander.org/booklets/portuguese/charismatic_revival_s_rose_p.htm;

Lucas P. Novaes

Lucas disse...

Julio,

Primeiramente deve-se distinguir algumas coisas que você mencionou acima:

1) O texto sobre o crescimento católico nos EUA não é do Portal Conservador, mas do site Tradição em Foco com Roma (site católico, é claro, que não fala em nome da Igreja, mas se esforça para divulgar coerentemente os ensinamentos que são conformes ao Magistério da Igreja). O link do texto original se encontra ao fim do artigo do Portal Conservador;

2) O texto afirma que "o Catolicismo é a maior RELIGIÃO CRISTÃ", querendo dizer, com isso, que á a maior denominação cristã (isso não foi devidamente destacado por você, que diz que o autor foi desonesto, mas você afirma que "Se o Portal Conservador quisesse dizer que a Igreja Católica é a maior denominação cristã dos EUA, essa informação estaria correta");

3) As informações não foram inventadas pelo Portal Conservador, muito menos pelo Tradição em Foco com Roma (o autor nem mesmo cometeu o "erro metodológico" ao listar as denominações tal como estão ali). As informações foram retiradas do Hartford Institute for Religion Research (http://hirr.hartsem.edu/research/fastfacts/fast_facts.html#largest), que cita o 2012 Yearbook of American and Canadian Churches e afirma textualmente: "The single largest religious group in the United States is the Roman Catholic Church, which had 67 million members in 2005". Logo, a "metodologia" é deles em enumerar as maiores denominações (25 no site). Eu não sei do Portal Conservador (com esse destaque dado a Guenon e Cia em outros artigos), mas o Tradição em Foco com Roma não consideraria cristão o mormonismo, tampouco se preocupou em agrupar as denominações protestantes ou dividi-las de outra forma, já que copiou a divisão já pronta de outro site;

4) Continua sendo verdadeira, pelas informações da CIA, a afirmação de que a Igreja Católica é a maior religião cristã nos EUA. O Tradição em Foco com Roma explica os porquês desse destaque no decorrer do artigo, já que é espantoso testemunhar isso em um país que nasceu protestante. O destaque é dado também ao papel que a Igreja desempenha com a resistência aos males e o progressismo que afligem a sociedade americana, que vem sendo combatidos pela conferência dos bispos daquele país, a USCCB;

5) O outro texto do Portal Conservador é de autoria de Rafael Daher, como o fim do artigo indica. Posso não estar certo, mas ele deve não possuir ligações com o Tradição em Foco com Roma. Além de citar gente como Guenón e Julius Évola, uma das fontes citadas pelo autor é o site orthodoxinfo.com, de conteúdo ortodoxo, E NÃO católico. Isso é indicativo de que o autor em questão é ortodoxo e não católico (falo indicativo, porque não posso ter certeza, já que nem o conheço), porque seu nome e seus artigos aparecem ligados a fontes e sites ortodoxos (outro de seus artigos Portal Conservador lidam com assuntos ligados à realidade russa e aos ortodoxos: http://portalconservador.com/a-russia-e-os-sinais-dos-tempos/);

6) Portanto: é falsa a associação entre o texto que trata de catolicismo (porque é de um site confessadamente católico, o Tradição em Foco com Roma, que utiliza informações sobre as religiões do site americano) e o texto que trata do individualismo protestante, já que o último é de autoria de um ortodoxo. Por mais que alguns católicos possam ser seduzidos por René Guenón e companhia, o texto de um ortodoxo nunca pode ser prova dessa ligação. Além disso, o site católico de onde foi tirado o artigo original certamente não tem influência guenoniana, da Nova Era ou o que quer que seja (posso falar dele, porque eu o acompanho). Peço, então, respeitosa e educadamente, uma revisão das informações que embasam essa parte do texto, já que a atribuição dessas baboseiras espiritualistas modernas não pode ser feita aos católicos do Tradição em Foco com Roma;

Lucas disse...

Perdoe-me se postei comentários repetidos - estava tendo problemas com o navegador aqui

Lucas P. Novaes

Julio Severo disse...

Lucas, não vou me alongar, pois meu artigo deixou bem clara a desonestidade na informação do artigo “O catolicismo é a maior religião dos Estados Unidos,” do Portal Conservador. Já mostrei, com dados oficiais, que o catolicismo não é a maior religião dos EUA. Daí, você diz que o Portal Conservador apenas republicou do site católico Tradição em Foco com Roma. Nesse site católico, o artigo tem o nome de “Católicos agora são maioria nos EUA.” Isso também é mentira. Assim, já no título os dois artigos (do Portal Conservador e Tradição em Foco com Roma) erram. Se você for trazer esse dado aos americanos que trabalham com informações, no mínimo eles vão rir na sua cara. Mesmo com a grande imigração latino-americana, os católicos estão muito, muito longe de ser maioria nos EUA. Portanto, não defenda uma mentira com outras mentiras. Sobre o autor da informação, constante no Portal Conservador, ser ortodoxo, que diferença faz? Católicos anti-protestantes poderiam até citar, por pura conveniência, espíritas se a postura for anti-protestante. O fato do autor ter citado René Guénon, o bruxo, não incomodou em nada os católicos do Portal Conservador. Ou você vai dizer que não existem católicos que leem e se guiam por Guénon? Duvido que o Portal Conservador publicaria um artigo do mesmo autor atacando o catolicismo. Aceitaram publicar o texto anti-protestante porque é conveniente para sentimentos católicos e ortodoxos radicais.

Ana Lucia disse...

Fui ao portal conservador e, verdade, não tem lá não nenhum texto criticando a igreja católica.

Anônimo disse...

O Portal Conservador tem a obrigação de publicar um atrigo acerca da maioria protestante dos EUA

manuel disse...

Portal Vigarista

Alexandra disse...

O que que custa se retratar com decência? Se eu tivesse errado ao veicular que a Igreja Católica ou a Igreja de Satã é a maior dos EUA ou do mundo, por que não reconhecer o erro? Falta humildade ao senhor Lucas e ao Portal Conservador. O senhor Júlio foi educado e nem os aviltou pelo desrespeito e desinformação.

ÉLQUISSON disse...

Respondendo a todos que puseram seus comentários aqui,

Não sei se a opinião que eu vou dar aqui vai ser muito pertinente (ou muito apropriada) em relação ao assunto deste artigo, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (me corrijam se eu estiver errado):

Se os Estados Unidos, até hoje, mantivesse a obediência à Palavra de Deus (como desde a sua fundação), certamente não estaria nesta decadência moral e espiritual nos dias atuais. Ainda segundo algumas pessoas antigas contam, a nação americana nasceu e cresceu sob o temor e a obediência à Palavra de Deus. Enquanto se manteve assim, prosperou em todos os sentidos. Todo e qualquer autêntico cristão sabe muito bem que a obediência à Palavra de Deus é a verdadeira e única segurança espiritual de que dispomos para estarmos protegidos contra o mal neste mundo corrompido pelo pecado.

Só que, com o passar do tempo, o desenvolvimento material, científico, e financeiro fez com que os Estados Unidos começasse, aos poucos, a negligenciar a obediência à Palavra de Deus. Sem contar que a influência da Maçonaria (e de outras filosofias diabólicas) também contribuiu muito para aumentar essa mesma negligência. E também houve um outro fator que agravou ainda mais esse processo: a retirada do ensino religioso das escolas americanas a partir dos anos 60 (coincidência ou não, foi na mesma década que teve o início do movimento feminista). Em suma: os Estados Unidos passou a não dar mais prioridade à obediência à Palavra de Deus!

E quando isso acontece, qual o resultado? Muito simples: a partir do momento em que uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente em sua própria sabedoria, ela fica espiritualmente desprotegida e se torna uma presa fácil para os ataques do diabo e dos demônios (e também de todos os tipos de pecado, dos vícios, das heresias, dos falsos profetas, das seitas, e das falsas doutrinas). É como bem disse o profeta Jeremias:

"Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne o seu braço, e que aparta o seu coração do Senhor" (Jeremias 17:5)

O que está acontecendo hoje nos Estados Unidos nada mais é do que a conseqüência do abandono total da verdadeira fé cristã. Em outras palavras: a nação americana agora está colhendo os frutos de pouco mais de 50 anos do seu desprezo à obediência à Palavra de Deus!

O maior erro dos Estados Unidos foi exatamente este: trocar Jesus por Satanás! E o que é pior: foi um erro deliberado (ou seja, foi feito de forma consciente)! No dia do juízo final, este mesmo erro vai ser seriamente cobrado! É como Jesus diz na Sua Palavra:

"E aquele a quem muito foi dado, muito mais lhe será exigido" (Lucas 12:48)

Muito foi dado aos Estados Unidos (no caso, o conhecimento da Palavra de Deus). Só que agora muito mais vai ser exigido (a obediência à mesma Palavra). Logo, os responsáveis pelo destino moral e espiritual dos Estados Unidos fatalmente irão prestar contas da sua negligência na obediência à Palavra de Deus! O livro de Hebreus adverte sobre isso de forma muito séria:

"Pois se continuarmos a pecar voluntariamente, depois de já termos recebido o conhecimento da verdade, já não haverá mais sacrifício pelos pecados, Mas uma terrível expectativa de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça? Porque bem conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, Eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o Seu povo. Coisa horrível é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:26–31)

Tomara que os Estados Unidos "desperte" o mais rápido possível dessa sua indiferença moral e espiritual antes que seja eternamente tarde demais!

P.S: Se alguém daqui quiser dizer alguma coisa (ou puder responder a este meu comentário), ficarei agradecido.

Mauro disse...

O protestantismo só trouxe decadência aos Estados Unidos da América. Agora que o Catolicismo vem para resgatar a nação perdida, os suicidas querem impedir. Protestante merece decadência. Vou me tornar leitor assíduo do Portal Conservador.

Anônimo disse...

Thiago




Apesar de discordar do artigo do Portal Conservador, desejo registrar que acompanho o portal há muito tempo e que é um excelente portal. Falhas todos cometemos.

No caminho para crescermos em conhecimento como conservadores cristãos de direita, nos depararemos com muitas divergências, pois há muitos ramos no cristianismo. Temos que amadurecer e aprender, agregar ao nosso repertório somente aquilo que não entre em conflito com nossa visão de fé, nem com as Sageadas Escrituras. Nunca haverá um conteúdo conservador "mastigadinho", de acordo com nossa visão ou igreja. Precisamos aprimorar nossos conhecimentos sem que perdermos a identidade e a fé. Eu sei que é difícil, mas é preciso ter mais " jogo de cintura". É uma tarefa árdua, é uma guerra de todos contra todos, onde os cristãos perdem mais tempo atacando outros ramos do que nos defendendo contra os ataques externos. Mas é necessário o esforço. É preciso orar sempre, sempre ler a bíblia e estar em comunhão na igreja para que não enfraquecer diante de tantas críticas, algumas justificadas, outras, puro levante do demônio.

Apesar da falha do Portal Conservador, sei que eles apresentam bons conteúdos, aprendi muito sobre politica lá. Mas não deixarei a minha visão e fé (neo)pentecostal. Leio até Padre Paulo Ricardo e alguns pastores reformados calvinistas. Sei que é "osso duro de roer" analisar o pensamento de um crítico da sua visão de mundo, mas é necessário para um maior conhecimento, até para uma melhor defesa da sua fé.

É necessário separar conservadorismo politico de guerra entre denominações. É dificil, pois tem horas que pisam na bola, e a gente não pode deixar de alertar. Mas que esses alertas ocasionais não sejam o estopim para uma guerra entre cristãos, como a que existe atualmente entre protestantes reformados (históricos) contra o pentecostalismo e o neopentecostalismo (no Brasil) e nos EUA, dos históricos "liberais" contra o fundamentalismo bíblico e puritanos tradicionalistas.

Eduardo disse...

De fato, li o artigo que o Julio comenta, e tanto o título quanto o próprio texto do mesmo é tremendamente tendencioso e, sem meias palavras, mentiroso, chegando às raias do cinismo puro e simples. Quem lê um título que diz "O catolicismo é a maior religião dos Estados Unidos" vai já pensar que se trata de uma declaração de que o catolicismo agora tem mais membros do que o protestantismo, tradicionalmente majoritário no país.

Mas, ao ler o corpo do artigo, percebe-se uma clara manipulação: o autor divide, separando as diversas denominações protestantes dos EUA, isolando-as umas das outras, fazendo assim seus números parecerem minguados diante dos mais de 60 milhões de católicos que afirma viverem no terra do Tio Sam.

Em outras palavras, isoladamente, o catolicismo pode mesmo ser a maior igreja, mas o protestantismo tem várias correntes e, em seu conjunto, tem quase três vezes mais adeptos do que o catolicismo nos Estados Unidos.

Ora, fazer isso que o autor do artigo fez equivale ao que uma famosa marca de achocolatado em pó fez quando lançou sua linha de produtos diet, afirmando que com o diet, a redução calórica chegava a 45%. Só que, para chegar a isso, ela comparava 300 ml de leite integral com 3 colheres de sopa do achocolatado comum, a um outro copo com 200 ml de leite desnatado com 1 colher de sopa do achocolatado diet. Ora, assim qualquer um pode "provar estatisticamente" o que bem quiser.

O detalhe é que a imigração latino-americana pode até aumentar os números do catolicismo nos EUA, mas não é motivo para os rad-trads ficarem muito animados, porque o protestantismo cresce na América Latina com uma velocidade bem maior do que o catolicismo cresce nos EUA. Continuando assim, logo esse crescimento católico no território americano vai perder força.

Julio Severo disse...

Oi, Thiago! Concordo com você. Há muita coisa boa no site Portal Conservador. A discordância foi somente com pontos específicos. Temos de divergir quando necessário. Se não divergirmos, teremos de nos tornar católicos anti-protestantes. Basta acompanhar o Portal Conservador sem perder a identidade evangélica. Que eles sejam católicos, é direito deles. Que eles queiram atacar o protestantismo e tolerar citação de bruxos, é direito deles. Mas é direito nosso acompanhar esse portal, ou não, e divergir.

Sirley disse...

Católico massacra ortodoxo. Ortodoxo massacra católicos. Porém quando veem um protestante, esquecem suas guerrinhas para massacrar o protestante. Eita! nada de novo debaixo do sol.

Anônimo disse...

Não sei se o Senhor, Júlio, é leviano ou ignorante ao dizer que os católicos não ousam criticar o seu Papa. O senhor, indubitavelmente, (como 99% dos protestantes) desconhece a história do catolicismo e obviamente do cristianismo, ou a distorce para justificar o olhar míope sobre a questão.

Obviamente nunca deve ter ouvido falar de um Monsenhor Lefebvre e tantos outros padres, bispos, presbíteros, arcebispos e até monges e santos, como São João Crisóstomo que criticaram não somente Papas, mas até Concílios como o nefasto Vaticano II.

O Portal Conservador não fala pela Igreja Católica, assim como várias outras entidades católicas têm opinião destoante da Santa Sé em vários assuntos (Oh, então há liberdade?) mas para a troça dos rebeldes de Lutero, Calvino e Zwinglio, o Vaticano é a Babilônia inquestionável.

A Santa Sé é questionável, quando põe em perigo os dogmas e doutrinas, milenares da Igreja, mesmo que seja promovido por um Papa ou Concílio.

A maioria dos católicos não compartilham das idéias de René Guénom, senhor Júlio, eu em particular compartilho dos ensinamentos de um Santo Antonio de Pádua, São Gaspar Del Bufalo (converteu muitos sectários da Maçonaria) e São Pedro Canísio (este à protestantes), além de escritores como G.K. Chestertom, Gustavo Corção e centenas e milhares de outros que engrandeceram a Igreja para a Glória de Cristo.

Para mim e creio que para a maioria dos católicos, não importamos com números, mas com conversões autênticas à fé católica e estas, isso é fato, cresce vertiginosamente nos EUA. Basta uma simples pesquisa num site de busca e encontrará conversões até de Igrejas Protestantes inteiras por lá.

Ao divulgar a informação, o Portal Conservador não foi agressivo ao protestantismo, como o senhor demonstra, por outro lado, quanto mais cresce a religião dos "santinhos", no Brasil e AL acontecem virulências e atitudes catolicofóbicas como esta:

http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,evangelicos-invadem-igreja-e-destroem-imagens-de-santos,1530106

Edir Macedo (fundador de um dos milhares ramos do protestantismo, ainda que o senhor discorde) já disse que o que incomoda a Igreja Católica são os números, a sua fala tem razão, eis que vê em cada um de seus "fiéis" como fios metais, menos pessoas. Mesmo porque, para a heresia, Cristo é diuturnamente vendido por 30 denários e muito mais.

Tão bom ou melhor que o aumento de católicos nos EUA, é saber do aumento de católicos em África e da força da fé de permanecerem católicos os iraquianos, sírios e nigerianos mesmo sob o martírio provocado pelos infiéis islâmicos, bem como tantos outros em países comunistas.

“κἀγὼ δέ σοι λέγω ὅτι σὺ εἶ Πέτρος, καὶ ἐπὶ ταύτῃ τῇ πέτρᾳ οἰκοδομήσω μου τὴν ἐκκλησίαν καὶ πύλαι ᾅδου οὐ κατισχύσουσιν αὐτῆς.”

"Quia tu es Petrus, et super hanc petram aedificabo Ecclesiam meam"


João Adamastor
Um Católico Apostólico Romano
Viva Cristo e a Virgem Santíssima!







Anônimo disse...

Thiago


É verdade Julio!

É extremamente inadequada a citação de um bruxo (utilizei esses termos somente para ser educado e respeitoso). Também discordo plenamente do artigo do Portal Conservador, sem desfazer do auxilio que eles nos proponaram em conteúdos passados.

Que Deus nos dê paciência para suportarmos uns aos outros, em nossas falhas, problemas e dificuldades. Muitos se enfraquecem na contenda.

Nesses últimos anos, tem aumentado a força e o tamanho das ondas que atigem nossa casa/comunhão/alma. Se não estivermos bem alicerçados em Cristo, seremos arrastados pela correnteza e grande será a nossa destruição.

Eu já me desviei uma vez e fui ateu por muitos anos. Não desejo isso pra ninguém.

Meu conselho a todos: coloquem Deus em primeiro lugar no dia-a-dia, a gente não sabe do dia nem da luta de amanhã.

E para quem está fraco: olhe sempre para Jesus Cristo, pois a falha, o engano e o pecado é do homem. Só em Cristo estaremos seguros. A instituição igreja é necessária para que congreguemos e para que o Evangelho chegue até nós e aos demais, porém é formada por homens que muitas vezes são extremamente corruptos espiritualmente e materialmente. O Senhor há de julgar a todos, não se preocupem com escândalos. Se a sua fé depender de homens, o Diabo terá uma excelente brecha para entrar em você e te destruir.

Obs: esse alerta é muito importante Julio, temos que apresentar os pontos em que discordamos deles, sem deixarmos de dialogar no que for útil para o crescimento de ambos.

Anônimo disse...

Irmão Júlio,

Espero, que um dia o espírito santo abra os seus olhos para com respeito à AGENDA dos chamados "tradicionalistas" ou "conservadores", que juntam em seu seio ideologias fascistas, ocultistas, esotéricas e neo paganistas como as de Guénon e Julius Évola. Que são nada mais que infiltrados dentro de muitas igrejas, travestindo o anti cristianismo de "filosofia" e "alta cultura" humana.

Os católicos que na maior parte da história de sua igreja permitiram a infusão da tais doutrinas em seu interior, hoje pretendem se auto denominar como o "ultimo bastião" da civilização ocidental, como a maior representante na luta consta as ideologias vermelhas e também como representante do conservadorismo.

É por isso que raramente você os verá fazer uma distinção de conservadorismo católico e protestante, pois para os mesmo o conservadorismo só pode ser católico, sendo a igreja deles a "mãe" de todas as outras. O que me faz lembrar da conversa de cristo com a samaritana no poço.

Após 3 anos analisando esta situação (as intrigas entre os protestante e católicos), eu decidi que não servirei de massa de manobra para agendas de pessoas que valorizam mais a tradição humana do que a escritura.

E me recordo dessa mesma escritura quando ela diz que se homens não pregassem, a pedras pregariam. Portanto também me afasto de homens e instituições que se julgam extremamente necessários ao propósito que é do Altíssimo, e que somente pelo poder DELE se concretiza.

Cuidado irmão Júlio, pois as agendas de homens estão agachadas sob o teu calcanhar.

Marcia disse...

Não se deixe enganar senhor Júlio. As origens de Guénon e Evola são católicas. Estes dois feiticeiros estão sendo introduzidos em igrejas evangélicas e ortodoxas por astutos católicos. O bolo aí é muito maior do que você possa imaginar. Pesquise, meu caro, e você verá as entranhas de Satanás.

Anônimo disse...

Thiago





Senhor anônimo...



Você foi direto ao ponto!

Nós evangélicos devemos nos guiar exclusivamente através das Escrituras. Desconfiem de ensinamentos estranhos.

É preciso muito cuidado ao se aprofundar no conservadorismo. Evitem textos que abordem questões espirituais, foquem em temas políticos.

Sobre temas espirituais já nos basta a Bíblia Sagrada a a nossa comunhão com Deus. Muito cuidado com discussões teológicas, principalmente quando as fontes forem estranhas às Escrituras. Se você ver alguém detonando uma árvore que você sabe que produz bons frutos, não dê ouvidos, ignore tal julgamento. SEMPRE FIQUEM DE OLHO NOS FRUTOS, mais do que na condenação. Peçam discernimento ao Senhor Jesus Cristo.

Duílio disse...

O Thiago disse textualmente isto:

" ... devemos nos guiar exclusivamente através das Escrituras. Desconfiem de ensinamentos estranhos... "

Thiago, isso que você colocou aqui nada mais é do que o dever moral de todo e qualquer verdadeiro cristão (independente de ser evangélico, católico, ou outra denominação). Somente a Palavra de Deus deve ser o único guia da verdadeira fé cristã. Utilizando o lema "totalitarista", o cristão deve dizer em alto e bom som: "Nada acima da Palavra de Deus, nada fora da Palavra de Deus, e nada contra a Palavra de Deus!"

Aliás, a própria Palavra de Deus fala por si mesma nesse sentido. Leiamos:

"Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que testificam de Mim" (João 5:39)

"Se vós permanecerdes na Minha Palavra, verdadeiramente sereis Meus discípulos" (João 8:31)

"Se alguém Me ama, guardará a Minha Palavra e Meu Pai o amará; e viremos para ele, e nele faremos morada" (João 14:23)

"Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade" (João 17:17)

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade" (2 Coríntios 13:8)

"Toda a Escritura é inspirada por Deus, e é proveitosa para ensinar, repreender, corrigir as coisas, disciplinar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente preparado para toda boa obra" (2 Timóteo 3:16–17)

"Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e é mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para distinguir os pensamentos e as intenções do coração" (Hebreus 4:12)

Quanto à questão de desconfiarmos de ensinamentos estranhos, a Palavra de Deus diz como devemos proceder:

"Mas ainda que nós mesmos ou até um anjo do Céu vos apresente um outro evangelho diferente daquele que eu vos tenho pregado, seja anátema. Assim como já vos disse antes, agora novamente vos digo: se alguém vos anunciar um outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema" (Gálatas 1:8–9)

"Amados, não acrediteis em todo espírito; mas antes provai se tais espíritos são de Deus, porque muitos falsos profetas têm surgido em todo o mundo" (1 João 4:1)

"Cuidado para que ninguém vos faça presa sua, através de filosofias e vãs sutilezas de acordo com a tradição dos homens e conforme os preceitos do mundo, e não segundo Cristo" (Colossenses 2:8)

Precisa dizer mais alguma coisa?

Lucas disse...

Julio,

Mais uma vez, respeitosamente, colocarei a minha opinião.

Os dados oficiais que você citou são da CIA e colocam o protestantismo (sob várias denominações) como sendo a religião de mais da metade (51%) da população americana. Não usei de nenhuma mentira para disfarçar ou negar esse dado, já que ele é verdadeiro (é claro que todas as denominações protestantes em conjunto somam mais que os católicos nos EUA). Só argumento que a CIA coloca sob o nome de protestantes denominações tão distantes entre si como episcopalianos, presbiterianos e testemunhas de Jeová (que certamente não frequentam semanalmente a mesma igreja e têm diferenças teológicas entre si, ou seja, são protestantes,porque filhos do protestantismo, mas não "a mesma coisa"). O que a outra metodologia (que não é nem do Portal Conservador, nem do Tradição em Foco com Roma, mas do YearBook of American and Canadian Churches, portanto, americano) fez foi dividir as maiores - e principais - denominações para concluir que a Igreja Católica é "The SINGLE largest religious group in the United States" (a conclusão não é minha, não é brasileira, não é do Portal ou do Tradição em Foco com Roma, mas de um órgão estrangeiro, americano: 1. http://hirr.hartsem.edu/research/fastfacts/fast_facts.html#largest; 2. http://www.yearbookofchurches.org/).

Não somente essa fonte usa essa expressão ou faz essa divisão:

1. "As the largest religion in the U.S. ..." (http://cara.georgetown.edu/CARAServices/requestedchurchstats.html)

2. Encyclopedia of Religion in America: "Since 1840's Roman Catholic Church had been the single largest denomination in the United States..." (https://books.google.com.br/books?id=BN7wAgAAQBAJ&pg=PT802&lpg=PT802&dq=the+single+largest+religious+group+in+united+states&source=bl&ots=5pizFy4WyW&sig=NiZT0AULeKBDCWtlw7BDq0vIld4&hl=pt-BR&sa=X&ei=WqC1VJu4EcWZgwTA6oGgCw&ved=0CE8Q6AEwBjgK#v=onepage&q=the%20single%20largest%20religious%20group%20in%20united%20states&f=false)

3) O próprio site da CIA faz outras divisões (não para os EUA, mas para outros países) - ou seja, a MESMA FONTE reúne, por exemplo, Anglicanos, Católicos, Presbiterianos e Metodistas sob o nome de Cristãos para o Reino Unido ou Nova Zelândia, mas em outros países separa protestantes de católicos ou separa os protestantes por denominação (na Hungria as denominações são divididas, no Brasil - apesar de agruparem também sob o nome Protestantes - etc., etc.): https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/fields/2122.html

Mais uma vez afirmo: seria tolo de minha parte falar que TODAS as denominações protestantes REUNIDAS somam menos pessoas que os católicos nos EUA, mas não é errado falar e destacar que a Igreja Católica é a maior denominação (tomada individualmente) dos EUA, como afirmam as pesquisas e como afirmaria a da CIA, se ela também dividisse os protestantes por denominação como fez com os outros países.

Outros americanos trabalham com os mesmos dados ou divisões - portanto não seria estranho para eles. E é claro que os católicos não são maioria absoluta (sim, estão longe de ser), mas tampouco as denominações protestantes, tomadas em separado, o são. Não acho que um testemunha de jeová ache muita coisa em comum com um anglicano para se considerar como membro de uma mesma (e maior) denominação e assim constituir a maioria.

Lucas P. Novaes

Lucas disse...

Primeiramente , não defendi o Portal Conservador, pelo contrário (defendi o site católico que acompanho, o Tradição). E católicos fieis à Igreja seguem a fé católica (eles não são "anti-protestantes" só por não serem protestantes). Os sites católicos sérios que acompanho não citam espíritas, muçulmanos ou ortodoxos só para falar mal do protestantismo (podem até citar dentro de um contexto específico, falando dessas religioes, mas não como fontes sérias de teologia cristã ou da história da Igreja). Acompanho seu blog e sei que você, por exemplo, não precisa usar de ortodoxos, muçulmanos, ateus ou espíritas para defender o protestantismo ou para outros fins. É exatamente o uso de tais pensadores que me faz suspeitar de sites como esse. O que eu pedi foi para que você distinguisse a crítica a um artigo originalmente publicado num site católico de um site dito "conservador", para separar bem as coisas, porque sei que católicos não devem seguir Schuon, Guenón, Évola e afins de bom grado, só para "atacar o protestantismo". O artigo foi de autoria de um ortodoxo, que foi tolerado pelos católicos que colaboram com o Portal. Nunca disse que não existem católicos que não leem Guenón (pelo contrário, é só ver acima), mas disse que o pessoal do Tradição não pode ser associado a um site que publica esse tipo de conteúdo condenável pela fé católica (se os católicos de lá toleram, eu é que não quero ler os artigos que de lá saírem).

Att,

Lucas P. Novaes

Anônimo disse...

Thiago


Obrigado por responder Duílio


É preciso cuidado e cautela ao acessarmos outros conhecimentos, como o conservadorismo político.
Atenção também ao analisarmos outras interpretações de outros ramos do cristianismo.

As citações da bíblia que você publicou encerram com "chave de ouro" a questão.

Quando leio artigos e livros cristãos e /ou conservadores sempre me pergunto:

Somos fortes e maduros o suficiente para analisarmos e refletirmos sobre tantas críticas?

Tanto pensamento critico não destruirá a nossa fé?

Será que tal artigo x, y ou z está relativizando demais o mundanismo tornando-o aceitavel, de forma a ser trazido para dentro da igreja?

Tanto julgamento por parte do autor do artigo x não estará excluindo a misericórdia de Deus para com a ignorância e limitações de tal liderança do Ministério y?

...quero dizer que ser crítico demais ou cético demais ou ainda julgador demais nos torna fracos na fé...

Mais importante do que aumentar nosso conhecimento, é mantermos a nossa fé fortalecida.

Qualquer ensinamento que queira combatê-la, questioná-la nos fará mais mal do que bem. E se além da duvida, ainda trouxer ensinamentos estranhos às Escrituras, será somente para o nossa queda.

VIGIAI!


Anônimo disse...

Lucas disse
….....
a CIA coloca sob o nome de protestantes denominações tão distantes entre si como episcopalianos, presbiterianos e testemunhas de Jeová (que certamente não frequentam semanalmente a mesma igreja e têm diferenças teológicas entre si, ou seja, são protestantes,porque filhos do protestantismo, mas não "a mesma coisa")
…...

Fiquei surpreso porque acho difícil encontrar um católico que perceba esta diferença. Eu também sou evangélico mas frequento sites católicos (Padre Paulo Ricardo, frei clemente Rojão e mais alguns outros). Nós (Evangélicos e Católicos) não precisamos ficar alimentando discussões ou disputas teológicas pois, conforme diz o próprio padre Paulo Ricardo, o que pensamos um do outro já está estabelecido há muito tempo. O fato de encontrarmos aqui e acolá alguns ataques a protestantes em sites católicos (e vice versa), não pode causar acirramentos. Temos, na verdade, algumas brigas em que precisamos estar do mesmo lado, principalmente ficando atentos a estas investidas que este pessoal de esquerda faz contra nossos valores (lei da palmada que precisa ser derrubada, a tal lei da homofobia que parece agora vir em nova versão, e outras leis).

Sebastião

Anônimo disse...

enquanto nos cristaos nos engalfinhamos ficamos mais fracos ,divididos e as degradaçoes do mundo aumentam,se somos cristaos so devemos seguir a biblia e seus ensinamentos e nao nas pessoas que distorcem os ensinamentos,cade a uniao do povo de Deus.Silvia

Anônimo disse...

Ola Caros,

Nao vou aqui ficar rodeando no assunto, so gostaria que dessem uma vista de olhos nestas mensagens que sao difundidas da Alemanha para o mundo e ninguem ainda dá atencao. Tenho acompanhado a Radio Vox e alguns conteudos deste Blog. Por vezes vejo a postagem de opinioes , tomando uma visao modernista e esquecendo da história.

Partindo das mensagens difundidas por Deus, que para mim é fonte primeira, vejo que o que é veículado na Radio Vox faz muito mais sentido e vai de encontro àquilo que está escrito do que em alguns artigos aqui.

Concluo aqui, dando retrocedendo aos tempos antes da divisao da igreja. Igreja Católica, na sua verdadeira essencia, fundada por Cristo, nao precisa de Radio Vox ou nenhum de nós para sobreviver...Ela é por si mesma como sempre foi, independente do que qualquer um de nós pensamos. O homem sempre tentou distorcer as suas verdades e acham ainda que irao conseguir, o que é impossível.

Abaixo o Link para os interessados

Regente Santo

Lucas disse...

Sebastião,

Quanto à "guerra cultural" e ao combate, é isso mesmo: as semelhanças nos aproximam e nos levam a combater o inimigo comum. Quis considerar as diferenças somente para a temática tratada aqui (assim como considero as diferenças no campo teológico), mas no estado em que vivemos, toda a Cristandade sofre o assalto das bandeiras progressistas e deve sim se unir para enfrentá-las.

Muitos papas desde Leão XIII já se referiram aos protestantes como "irmãos separados", ressaltando a aproximação mais do que as diferenças (ainda assim sem ignorar, é claro, as diferenças teológicas).

Att,

Lucas P. Novaes

Leandro disse...

Julio!
Você não tem em nada que corrigir suas observações sobre esse incidente.
(Li o artigo e todos os comentários, e só posso dizer que o que você escreveu está disposto com razõo, e isso me permite concluir que o ‘Portal Conservador’ segue uma linha que não é adequada; não conhecia esse portal, mas o que foi dito já é suficiente para excluir qualquer possibilidade de algo em comum).

Trata-se de uma provocação, gratuita, inoportuna, e também um exercício da mais elementar falsidade. ‘Não vos mistureis’ (2Tess 3.14), é a única coisa que se pode dizer sobre isso.

Não sei quem é Lucas P. Novaes, mas sua tentativa de tentar consertar o estrago complicou ainda mais, pois onde faltou humildade para aceitar o erro veio somente a espalhar ainda mais confusão e aprofundar-se na própria mentira (2 Pedro 2.22).
Vejamos:

1. No primeiro ponto, ele afirma que o texto (que a rigor não é um artigo, mas uma horrível peça de proselitismo) não é de autoria do Portal, mas uma adaptação de outro (e com dados de outro, e assim por diante...).
Não nos cabe fazer uma comparação entre os dois textos (o original, aliás, de péssima qualidade), mas apontar que a intenção foi a mesma. Ao resumir os pontos principais do Tradição em Foco em sua postagem, o Portal Conservador admitiu concordar com seus pontos-chave.
Portanto, essa primeira desculpa é esfarrapada.

2. No segundo ponto, a ideia foi dizer que aconteceu apenas uma confusão de conceitos entre ‘maior religião’ e ‘maior denominação’, e que na primeira observação subentende-se a segunda.
Sim, mas foram eles, os articulistas do TFR e PC, que se enganaram, e não eu, o Julio ou os demais leitores que perceberam isso. Então, eles é que devem ter a humildade de se retratar.

Pensam que somos parvos?
Vejamos o primeiro parágrafo (“enquanto a mídia secular está arrotando o resultado das pesquisas... nos EUA a situação concreta é bem diferente: ... agora o Catolicismo já é a maior religião cristã”).
Está claro que o TFR confundiu-se desde o começo, e apresentou como fato novo um dado que não é real.
E se fosse o caso da Igreja católica ser a maior denominação cristã dos EUA, esse índice jamais poderia ser apresentado como uma novidade, pois nunca existiu uma denominação protestante majoritária (nem mesmo um ramo) pelo menos desde o século XVIII.
Ou seja, visto que o protestantismo abriga diferentes ramos e denominações, o dado de a Igreja Católica ser a mais numerosa poderia ser aplicado certamente cem anos atrás, que já estaria correto.

Ao se amparar nessa confusão de conceitos para ilustrar uma falsa notícia, o Tradição em foco com Roma mostrou-se amplamente desonesto e mentiroso, ao qual não deve ser dado o menor crédito.
(menos mal que o PC omitiu esse adendo: “A maioria convertida do protestantismo”, ignorando a importância da imigração hispânica e criando um fato inteiramente fictício).

Julio Severo disse...

Sobre a questão do bruxo Guénon estar sendo, conforme disse o Lucas, promovido por um cristão ortodoxo, faz parecer que a culpa é somente dos ortodoxos. Mas quem são os maiores divulgadores do bruxo Guénon no Brasil? São justamente os católicos. Basta clicar no link abaixo:

A premonição “magistral” de René Guénon?

Augusto Paiva disse...

Num diálogo inter-religioso entre diversas denominações cristãs — porque os cristãos de diversas denominações têm muito mais em comum do que eles pensam e não querem ver, que é o amor em Jesus Cristo —, o católico é sempre o persona non grata. E isso se ele for aceito no meio! Muitos cristãos de algumas dessas diversas denominações são profundos conhecedores e praticantes da Palavra — outros, porém, com suas teologias que escapam completamente à sensatez, e à Palavra, são joio, os eternos cismáticos que acabam por criar mais e mais confusão, como um câncer metastático.

Eu não me importo se os EUA ou o Brasil sejam majoritariamente católico ou protestante, desde que sejam cristãos, um pregador do Evangelho e firme militante contra o que não presta, como o islã, que vem preenchendo as lacunas. Especialistas dizem que o Ocidente se islamiza exponencialmente. Olhem esse mal exemplo que só gera mais discórdia: https://acidblacknerd.wordpress.com/2013/07/31/malafaia-critica-a-igreja-catolica-e-toma-licao-de-padre/

Silas Malafaia, mesmo, denunciou quando os homossexualistas escarneceram a fé católica na parada gay, usando imagens de santos em posições homoeróticas; e os católicos devem fazer o mesmo (defender) quando os gayzistas acusam os evangélicos, que eu sei que eles fazem, pois eu já li uma matéria de uma católica mostrando quando o Silas Malafaia detonou a Marília Gabriela numa entrevista, onde ela havia lhe preparado laços, muito bem contornados pelo pastor. E já vi outros mais defenderem os evangélicos.

Os evangélicos são grandes defensores da vida, e tem feito um trabalho inestimável na câmara, assim como há católicos, com a TFP, a Legião da Decência e tudo mais. Já disse uma vez e repito: enquanto evangélicos e católicos ficam nesse cabo-de-guerra, sectarizando Cristo e o Cristianismo, disputando os mesmos peixes, o inimigo descuidista se aproveita dessa brecha. Eu encontrei nos defensores dos bons costumes esperança. Admiro os grandes e verdadeiros pregadores, são um estro moral para a nação.

Contudo, a dissidência de exegetas e as falsas intenções causam a impressão que se tem das boas pessoas. Estamos combatendo o inimigo como num abraço dos afogados. O maior entrave para esses males é o Cristianismo, e tenho fé que as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja. Não estou sugerindo ecumenismo, LONGE DISSO, cada pastor que apascente suas ovelhas. Mas como nos amamos em Jesus Cristo, é hora de nos prepararmos. E vigiai.

P.S.: De fato, é estranho para os católicos essa relação com Guénon, mas não são todos os católicos que divulgam-no.

Augusto Paiva disse...

Eu uso as armas que me são propostas, que estão à minha disposição. Armas poderosíssimas. A primeira, é claro, é o Evangelho. Os protestantes legaram farto material, um verdadeiro arsenal, refutando o ateísmo, a homofascismo, o abortismo, as doutrinas políticas pérfidas. No meu ver, se é em nome de Jesus — como se ele precisasse de defesa, de advogados, mas aqueles que testificam o seu santo nome terão a sua parte que cumpre ser, pois Deus é fiel —, é imprescindível. O amor a Deus esteja acima de todas as coisas. E adoremos. Mas Deus e Jesus Cristo não precisam de advogados, reiterando. Deus é o Supremo Juiz. Mas enfim, as armas que me vêm à mão são combativas, se são em nome de Jesus. C.S. Lewis (anglicano); G.K. Chesterton (católico); Willian Lane Craig (protestante); Norman Gleisler (protestante); além dos clássicos e dos bíblicos, é claro. É uma gama inestimável. Cada um tem falhas? Tem, é claro. Somos humanamente falhos, pecadores. A apologética defende o Cristianismo como um todo, não? Diferenças e heresias à parte, eu ainda vejo muito mais em comum entre os irmãos. E as armas que se me dispuserem para combater o inimigo, eu não hesitarei em usá-las.

Augusto Paiva disse...

Quando ateus acusam a religião, principalmente a Cristã, de ser o mal da humanidade, citando as cruzadas e a inquisição, por exemplo, o apologista poderia sair dizendo: ''Mas eu não sou católico'', ''isso é coisa da Igreja Católica'' e coisa e tal. Mas sabemos que as coisas não são assim, mesmo que um não tenha que justificar o erro do outro (e quem dentre nós não tem erros?) E os ateus militantes, virulentos como só eles, não pouparão ataques contra a Fé Cristã e contra o próprio Deus. Mas Deus não precisa de advogados, pois Ele é o Juiz Soberano que há de julgar a todos, até os ateus, não gostando eles dessa nada hipotética grandeza.

Leandro disse...

Durante a época das Cruzadas, não tinha ainda acontecido a Reforma protestante.
Logo, as pessoas daquele tempo não podem ser enquadradas conforme uma opção que nem tiveram.

Portanto, os evangélicos atuais precisam conhece mais sobre as motivações, erros e acertos do evento das Cruzadas. Não é algo que não se tenha relação alguma (como diz a crítica anticatólica que até levou a algumas conversões superficiais), mas também não é algo próximo, seja a católicos ou protestantes atuais.
Tudo o que é ocidental (inclusive as aberrações da pós-modernidade) deve muito mais às Cruzadas do que às religiões atuais, para as quais a ideia de uma guerra santificada é inteiramente inconcebível.

Clarice disse...

A maioria das igrejas evangélicas computa seus membros pelos dados reais de pessoas que são membros. Na igreja católica, se você foi batizado, você consta como membro até o fim da vida, ou até dar baixa no batismo — coisa que nunca vi ninguém fazer. Daí, se um sujeito é batizado na igreja católica e depois de converte numa igreja evangélica, ele termina na computação de duas igrejas! Mas se um pentecostal sai de uma igreja pentecostal e vai para a igreja católica, ele perde automaticamente seu lugar de membro na igreja pentecostal. Os dados de membros católicos são muito ambíguos e certamente mais baixos do que aparentam ser.

Anônimo disse...

Caro Júlio, acontece que vc quer aceitar a verdade, muitos protestantes americanos se tornaram católicos por saberem da verdade, e pare de atacar os católicos, pois quem aponta é o inimigo. Então abre os seus olhos e veja a verdade, e pare de ter dor de cotovelo. Mas vou rezar por todos.
. Atenciosamente,
. Gabriel Felipe de Paula.

Anônimo disse...

Pare de ficar acusando os católicos Júlio, como se os protestantes fossem os certos. A única e verdadeira religião deixada por Cristo é a Igreja Católica. Então aceita a verdade de que os americanos estão descobrindo a verdade, e pare de postar esses textos que nos ofende, que tipo de cristão é vc?

João Victor disse...

Ótimo texto, parabéns! Sou católico e concordo com parte do que foi colocado, embora o texto seja leve e inevitavelmente tendencioso, mas tenho em mente que essa questão não deve ser levada em consideração no momento, seria um atrito desnecessário haja vista a instante necessidade da união política de protestantes e católicos.
Deus abençoe!

Antonio disse...

Se denominar "evangélico" é ridículo e demonstra imensa ignorância história, pois se por "evangélicos" querem dizer que seguem a Bíblia não o Papa, não são mais que meros filhos bastardos da Igreja Católica e/ou ovelhas Católicas desgarrados, pois a Bíblia Cristã é uma invenção Católica(do contrário, mostre onde nas Leis de Moisés os Evangelhos Cristãos são citados) e sua utilidade era ser uma espécie de manual, não algo que deixa Deus e Jesus complemente contidos e imutáveis em um mero livro. Querem bancar os "Evangélicos", façam como islã e, em parte, os Mórmons e tenham seu próprio, pois assim são meros CATÓLICOS PROTESTANTES e ingratos com a IGREJA MÃE da de vocês.
Quer refutar? Não me venha com opiniões, mas sim com dados, como, por exemplo, quem é mais mais antigo a figura Papal ou Bíblia Cristã?Uma dica: Tinha uma Papa envolvido na compilação da Bíblia.

Julio Severo disse...

Anônimo, entenda algo muito simples e básico. Nem Jesus nem seus apóstolos nunca criaram nem fundaram e muito menos mencionaram IGREJA CATÓLICA APÓSTOLICA ROMANA. Isso foi pura invenção. Não está na Bíblia. Abra sua Bíblia católica agora mesmo e me mostre ali escrito IGREJA CATÓLICA APÓSTOLICA ROMANA. Nem os livros apócrifos mencionam IGREJA CATÓLICA APÓSTOLICA ROMANA. Isso não existe e nunca existiu na Bíblia. Não veio de Deus. Se fosse para eu me converter para uma tradição, eu iria para o judaísmo, que SEMPRE foi perseguido pela Igreja Católica. Mas não preciso ir nem para o judaísmo nem para o catolicismo nem para outra tradição morta. Fui para Jesus e isso é suficiente para mim. Jesus me salva, me cura e me liberta.

A Igreja Católica não existe na Bíblia. Quando já existiam os livros do Novo Testamento, de posse dos apóstolos, não existia igreja católica. Não existia padre e papa.

Aliás, sobre papa e padre, palavras que significam “pai,” Jesus foi bem categórico, dizendo:

“E a ninguém sobre a terra tratai de vosso Pai; porquanto só um é o vosso Pai, aquele que está nos céus.” (Mateus 23:9 KJA)

Anônimo disse...

Tem muito cristão conservador caindo na lábia eurasianista. São os eurasianos os maiores entusiastas de Guenón e Evola.

Marlene disse...

Se esse papo de eurasianista está correto, então Olavo de Carvalho é o maior eurasianista do Brasil, pois ninguém em língua portuguesa nunca divulgou tanto o feiticeiro Rene Guenon quanto Olavo.

Anônimo disse...

Se quiser escapar do Dugin louvador do Guénon, siga Olavo louvador do Guénon. Isto faz TANTO sentido.....

MARIO

Salomão disse...

Caro Severo, gostei muito de seu texto, sou católico apostólico romano, devo admitir que gostei de partes dele pois está em partes tendencioso ao protestantismo.
Acredito que haja mais fatores que influenciem o crescimento numérico católico, como a degradação da identidade protestante nos EUA, pois a igreja católica, não dizendo por ser católico mais por conhecer tal realidade, diferentemente do Brasil adota a postura correta a conservadora, que de certa forma no Brasil se "perdeu" pois apesar de condenada pela santa sé a teologia da libertação ganha força nesta terra de santa cruz.
E sim eu digo sem medo de errar assim com aquele que é católico, não pelo papa, não pelo padre, mas sim por Jesus Cristo que há no Vaticano muitos pecados horríveis, mas vemos que o que muitos protestantes espalham de que: "Os papas apoiam os pedófilos dentro do Vaticano" a resposta é clara como pode-se a pouco mais de um mês se não estou enganado o papa deu mais poderes a cúria romana para que podessem julgar com mais trasparência os padres e bispos acusados de pedofilia.
Tambe´m não concordei com a parte em que dizes "...Maria, Maomé ou santos profanos da nova era..." não pretendo discutir convosco mas acredito que não tenha provas de que a santa igreja seja vinculada a Nova Era pois a própria cúria, padres, bispos o próprio papa buscam destruí-la para que o reino de Deus triunfe sobre a terra, aqui mesmo em minha cidade muitas vezes bispos vinham de longe, para falar sobre a nova era, encontros e mais encontros, pregações e mais pregações, então eu te pergunto como o próprio crsito perguntou "E, chamando-os a si, disse-lhes por parábolas: "Como pode Satanás expulsar Satanás?
E, se um reino se dividir contra si mesmo, tal reino não pode subsistir;
E, se uma casa se dividir contra si mesma, tal casa não pode subsistir.
E, se Satanás se levantar contra si mesmo, e for dividido, não pode subsistir; antes tem fim."
Marcos 3:23-26
Acaso se a igreja pregasse contra a nova era e fizesse parte da nova era acaso ela resistiria?
A resposta é clara: NÃO.
Por isso meu caro eu te digo alguns de vós criam acusações falsas contra a santa igreja, pois tenho a plena consciência que alguém que cria uma falsa acusação contra a santa igreja romana só pode estar cheio dos espíritos malignos, pois aquele que diz que a igreja se desviou do caminho certo diz que cristo é um mentiroso "Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos." Mateus 28:20

Masse desde já te parabenizo, não podemos calar diante de algumas coisas embora eu tenha discordado de muita coisa encontrei muita coisa edificante.
Meus parabéns! E obrigado pela compreensão!

Luciano disse...

Eu discordo, quanto a relação entre aumento do catolicismo e a decadência moral dos Estados Unidos, que é um país que já nasceu podre, pois tinha mais escravocratas entre os generais que apoiavam a independência do que entre os generais britânicos que apenas queriam que os colonos pagassem os impostos devidos, que aliás eram mais baixos do que os cobrados hoje no Brasil.

Julio Severo disse...

Luciano, se você quiser usar a escravidão como medida de todas as coisas, vamos lá. A luta pela abolição da escravidão na Inglaterra, dona do Império Britânico, não começou com católicos. Começou com o evangélico William Wilberforce (1759-1833). Embora os EUA, de maioria protestante, só seguissem mais tarde o exemplo da Inglaterra, também de maioria protestante, que assumiu a liderança da abolição da escravidão, por causa de Wilberforce, o Brasil, de maioria católica, só aboliu a escravidão bem mais tarde. Então, se para você por causa da escravidão os EUA estavam podres, o Brasil muito mais. No caso dos impostos, os americanos fizeram muito bem de rejeitar os aumentos. Claro que, como você apontou, no Brasil católico os impostos eram muito mais elevados, mas não houve revolta. O brasileiro por natureza é submisso à exploração. Essa é a herança de um povo herdeiro da tradição governista católica.

A escravidão continua hoje forte e firme na África, como sempre foi. Negro escravizando negro. Na sua visão, a África está podre.