1 de janeiro de 2015

O que é um conservador evangélico?


O que é um conservador evangélico?

Um breve guia multitemático para ajudar o evangélico num ativismo conservador de orientação judaico-cristã

Julio Severo
A natureza de um conservador evangélico pode se estender num debate que vai desde teologia até política. É um debate inesgotável, onde alguns poderiam, do lado de igrejas históricas como a presbiteriana, argumentar que o conservadorismo é sinônimo de tradicionalismo eclesiástico: proibição de bater palmas nos cultos, de falar em línguas, de profetizar, de dançar no Espírito, etc.
Do lado pentecostal, especialmente na maior denominação evangélica do Brasil — a Assembleia de Deus —, o conservadorismo poderia ser interpretado como uma questão meramente de costumes: proibição de calças compridas, batons e corte de cabelo para as mulheres, etc.
Mas o conservadorismo do qual irei tratar não tem relação nenhuma com o tradicionalismo eclesiástico nem com os costumes pentecostais.
Conservadorismo, na minha visão, é um ativismo de natureza moral, espiritual e política para conservar, ou preservar, valores que possam minimamente manter uma sociedade em condições de liberdade de adoração a Deus, vida, família, trabalho, segurança e propriedade.
Onde podemos encontrar um modelo ideal de ativismo conservador em prol de valores que precisam ser preservados?
Pelo fato de que temos uma identidade evangélica grandemente moldada pela influência do trabalho missionário oriundo dos Estados Unidos, outrora a maior nação evangélica do mundo, nada mais correto do que voltarmos os olhos para esse ‘berço,’ que dispunha e ainda dispõe de muitos exemplos práticos de um conservadorismo evangélico que possa atender às necessidades de cristãos desde tradicionalistas até pentecostais e neopentecostais.

Anthony Comstock versus Margaret Sanger

O maior exemplo é Anthony Comstock (1844-1915), um evangélico americano que tinha um cargo governamental em que ele tinha autoridade para combater a pornografia, o aborto, a contracepção e até mesmo a bruxaria na sociedade americana. Ele só não combatia a agenda homossexual porque esse ativismo pervertido não existia na época dele. Se existisse, seria mais um mal na lista dele de problemas a serem confrontados e derrotados. Comstock foi o primeiro ativista pró-vida e pró-família da história moderna.
Anthony Comstock
A atuação dele no final do século XIX e começo do século XX era um terror para donos de clínicas de aborto e propagandistas da anarquia, feminismo, contracepção e socialismo. Antes de existir União Soviética, Comstock foi um espinho no ativismo pervertido da mais proeminente líder feminista, socialista e abortista da história dos EUA: Margaret Sanger (1879-1966).
O ativismo conservador de Comstock teve tanto sucesso que Sanger, que desde o início do século XX trabalhava para espalhar seu ‘evangelho’ abortista, contraceptivo e socialista, teve de fugir dos EUA, depois de ser encurralada por uma infinidade de processos e intimações. Enquanto Comstock estava vivo, o ativismo pró-cultura da morte de Sanger não conseguia avançar. Ela só voltou aos EUA depois da morte de Comstock.
Para os modernos defensores do aborto, contracepção e socialismo, Sanger foi uma heroína, ‘vítima’ da perseguição de um ‘carrasco’, um ‘censor’ e um evangélico ‘fanático.’
Mas para os evangélicos de hoje, que enfrentam em graus muito mais elevados os mesmos problemas que a sociedade majoritariamente evangélica dos EUA já estava enfrentando mais de 100 anos atrás, Comstock é um exemplo de que o ativismo conservador evangélico pode trazer grandes benefícios para a sociedade.
Se queremos então combater a cultura da morte do aborto, contracepção, pornografia e socialismo como Comstock fez, temos de adotar o conservadorismo evangélico num ativismo que faça diferença moral, espiritual, social e política.

O que não é conservadorismo evangélico

Contudo, para entender qual nossa missão como ativistas cristãos, precisamos compreender o que não é conservadorismo.
Conservadorismo evangélico não substitui o papel vital do evangelismo. Se você vive o chamado de Jesus de pregar o Evangelho e discipular os convertidos, o conservadorismo pode ser um excelente acessório para sua missão. Mas o ativismo conservador não pode sufocar, nem substituir, o chamado maior do seguidor de Jesus: pregar o Evangelho e produzir outros seguidores de Jesus.
Conservadorismo evangélico não ajuda na salvação. Pregar o conservadorismo não leva ninguém aos pés de Jesus e sua salvação. O conservadorismo, conforme demonstrado no exemplo de Comstock, ajuda a preservar bons valores na sociedade, para que seus cidadãos cuidem melhor de si mesmos sem se destruírem. Mas sociedade moralmente saudável não é sinônimo de sociedade salva do inferno eterno. Os cidadãos dessa sociedade moralmente saudável também precisam conhecer o Evangelho e Jesus. Conservadorismo ajuda a trazer ‘salvação’ social e é bom para a sociedade e cidadania, mas em nada contribui para a salvação espiritual. Se o indivíduo passou a vida inteira lutando contra o aborto, a contracepção, o socialismo e o feminismo, mas nunca conheceu Jesus e sua salvação, ele vai passar a eternidade inteira com Margaret Sanger e Karl Marx.
Conservadorismo evangélico não é ecumenismo. O movimento ecumênico busca unificar cristãos e até não cristãos nos pontos religiosos em comum entre eles. No seu ativismo em prol do bem-estar da família, o alvo do conservadorismo evangélico não é tratar de unificação religiosa com base no enfraquecimento das doutrinas essenciais da Bíblia. Entidades que fizeram isso caíram em apostasia e socialismo. O Conselho Mundial de Igrejas, cujos líderes são adeptos da Teologia da Missão Integral e Teologia da Libertação, é só um exemplo de que o ecumenismo não funciona. Por amor à ideologia socialista, muitos líderes da Teologia da Missão Integral são ecumênicos e anti-Israel. Uma das maiores denominações protestantes brasileiras adeptas do ecumenismo é a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), que tem líderes proeminentes da Teologia da Libertação e líderes proeminentes da Teologia da Missão Integral. A IECLB, que é muito ligada à CNBB, é uma das igrejas mais ecumênicas e socialistas do Brasil e, além disso, é aberta ao ativismo homossexual. O ecumenismo leva à apostasia. Portanto, a luta pró-vida e pró-família não pode incluir o ecumenismo.
Conservadorismo evangélico não é ultranacionalismo americano. Alguns evangélicos confundem, pelo fato de que o ‘berço’ do evangélico brasileiro é em grande parte o trabalho missionário dos EUA, o ativismo conservador com ativismo pró-EUA, especialmente ligado ao Partido Republicano, que não tem demonstrado um comportamento conservador evangélico. As posturas e guerras do governo dos EUA não representam necessariamente o conservadorismo evangélico. Até a época de Ronald Reagan, havia uma evidente distinção entre EUA (império do capitalismo e protestantismo) e União Soviética (império do mal e do comunismo). Como disse o escritor judeu conservador Don Feder, a expressão pró-EUA tinha significado claro na época de Reagan. Significava “ser a favor do governo representativo, a favor dos direitos humanos e a favor dos valores americanos (judaico-cristãos).” Ele declara: “Hoje, significa uma disposição de aceitar o ‘casamento’ homossexual, o aborto legal e uma ética cultural anti-judaico-cristã.” Um exemplo dos efeitos negativos do ultranacionalismo americano é as críticas de ativistas homossexuais, feministas, esquerdistas e direitistas dos EUA ao Fórum Internacional da Família Grande o Futuro da Humanidade, realizado em Moscou em setembro de 2014, com a participação de líderes pró-família de outras nações, inclusive dos EUA. Esquerdistas americanos atacaram porque era um evento conservador. Ativistas homossexuais americanos atacaram porque se opunha à agenda gay. Feministas americanas atacaram porque era pró-vida. Direitistas americanos atacaram porque acham que Moscou não tem o direito de realizar eventos pró-família. Todos eles, ainda que de espectros ideológicos antagônicos, estavam sendo movidos pelo ultranacionalismo americano.
Conservadorismo evangélico não é apologética. O ramo teológico da apologética é a defesa de doutrinas evangélicas. Se nós evangélicos quisermos lutar contra o aborto, a contracepção, a agenda gay e a pornografia na sociedade, teremos de evitar questões teológicas que comprometam a unidade na luta pró-família e pró-vida. Se trouxermos para dentro dessa luta questões como adoração a Maria, papel da Igreja, etc., teremos atrito com líderes pró-vida ligados ao Vaticano e à Igreja Ortodoxa da Rússia. Não concordamos com ambas as igrejas nem temos pretensão de uma união ecumênica com elas. Apesar disso, lutaremos ao delas na defesa da família e da vida. No entanto, essa unidade não deveria ser confundida com apoio evangélico às doutrinas do Vaticano e da Igreja Ortodoxa. Se católicos e ortodoxos trouxerem a defesa de suas doutrinas religiosas particulares para dentro do movimento pró-vida, teremos, como evangélicos, de confrontá-los com nossa versão evangélica dos fatos. Esse confronto é necessário, pois já existe uma tendência de certos setores católicos radicais de igualar catolicismo com conservadorismo, fazendo parecer que um evangélico, para se tornar um conservador perfeito, precisa ser converter ao catolicismo, e alguns têm feito isso. Esses radicais muitas vezes usam o conservadorismo como plataforma para promover ideias católicas, inclusive louvor a Maria e à Inquisição. Esses radicais, que promovem ao mesmo tempo uma catolicidade extremada com ultranacionalismo americano, se esquecem de que os fundamentos conservadores dos EUA são evangélicos, não católicos. Aliás, por causa da Inquisição, a sociedade americana dos primeiros 350 anos depois dos Peregrinos era tão anticatólica que, de 1867 a 1984, o governo dos EUA tinha cortado relações diplomáticas com o Vaticano, receosos de conspirações dos jesuítas. As relações só foram restabelecidas em 1984 por Ronald Reagan, que se uniu ao Papa João Paulo II para derrubar a União Soviética. A luta anticomunista uniu a América protestante com o Vaticano católico. Mas hoje eis que, por ironia ou não, a unidade EUA-Vaticano se inverteu em seus propósitos originais: o governo americano sob Obama e o papa jesuíta Francisco têm uma orientação e uma unidade inegavelmente mais amistosa à ideologia de Karl Marx e Maomé. O Vaticano hoje é muito mais pró-socialismo e pró-islamismo e os EUA são muito mais católicos e menos protestantes do que 100 anos atrás. É nessa união que o papa teve papel decisivo no restabelecimento das relações diplomáticas do governo americano socialista com a Cuba comunista. Devemos lembrar esses fatos básicos aos católicos radicais, que insistem numa propaganda enganosa de catolicismo como a última tábua de salvação do conservadorismo. Se nem o governo americano pode ser considerado tábua de salvação, como pode o Vaticano ser visto assim? A apologética evangélica só se tornará necessária e fundamental no movimento conservador na medida em que nossa unidade com católicos e ortodoxos for comprometida com usos e abusos em prol de proselitismos. Não havendo isso, a apologética será desnecessária.

O que é conservadorismo evangélico

O que o conservador evangélico deveria defender? Qual deveria ser o objetivo de seu ativismo?
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da vida. O sacrifício de bebês, o qual no Antigo Testamento era dedicado a Baal e outros sanguinários deuses pagãos, é o grande desafio para o conservador evangélico. A ONU quer a legalização desse sacrifício e grandes fundações dos EUA trabalham nessa direção, fazendo grandes investimentos no Brasil e outros países. Para piorar, grandes igrejas protestantes do nosso ‘berço’ americano, em sua crescente apostasia, adotam e ensinam doutrinas pró-aborto. O evangélico conservador precisa combater essa influência, que parece já ter afetado uma grande denominação neopentecostal do Brasil: a Igreja Universal do Reino de Deus. Acima de tudo, ele precisa combater o aborto. Ele precisa também conscientizar a população evangélica acerca dos malefícios da contracepção, pois a mentalidade contraceptiva leva diretamente à mentalidade anti-bebês e pró-aborto. A maior parte dos métodos contraceptivos modernos foi inventada por Margaret Sanger e seus seguidores, e tem sido incentivada e subsidiada por grandes governos, especialmente dos EUA, para propósitos de controle e redução populacional. Esses propósitos tiveram um efeito drástico na Europa, cujas populações cristãs estão sofrendo reduções muito grandes, com pouco nascimentos de bebês, abrindo espaço para a invasão de imigrantes islâmicos e seus milhares de bebês, que estão povoando a Europa e mudarão em poucos anos o perfil étnico, cultural e religioso desse continente outrora cristão. O caos demográfico europeu provocado pela ideologia de controle da natalidade comprova um fato importante: Família grande como regra é bênção social. Família pequena como regra é maldição para a sociedade. O chamado planejamento familiar (que é um eufemismo para controle da natalidade), que está destruindo o Ocidente cristão, é anti-vida, anti-bebês, anti-família e anticristão e precisa ser combatido pelos cristãos. A Federação de Planejamento Familiar (FPF) dos EUA foi fundada por Sanger e é hoje a maior entidade de planejamento familiar dos EUA, disseminando a contracepção, o aborto e a educação sexual pornográfica nas escolas. A FPF foi a grande vitoriosa na legalização do aborto nos EUA em 1973 durante o governo republicano de Richard Nixon. Desde 1973, o aborto legal assassinou mais de 54 milhões de bebês americanos. Sanger foi também a fundadora da IPPF — infame sigla em inglês que significa Federação Internacional de Planejamento Familiar —, que tem as mesmas metas da FPF e tem grande influência na ONU. Os males de Sanger inundaram os EUA e estão há décadas inundando o mundo inteiro através da IPPF. O conservador evangélico precisa seguir o exemplo de Comstock e deter as obras — FPF e IPPF — de Sanger.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da família. O direcionamento mundial, vindo da ONU e da ideologia socialista, é enfraquecer o papel do pai de família e os direitos dos pais sobre os filhos nas questões de autoridade, educação e saúde. Esse direcionamento quer colocar os filhos sob a tutela do Estado. As medidas para enfraquecer a família são vastas, desde o facilitamento do divórcio e da prostituição até a equiparação do casamento de homem e mulher com o ‘casamento’ falsificado de um homem com outro homem. Outro método destrutivo é a abrangente educação sexual pornográfica e imoral — que inclui louvor à contracepção e às práticas homossexuais — das escolas e meios de comunicação (melhor definidos como meios de desinformação). O conservador evangélico precisa lutar contra as intromissões e intervenções estatais que enfraquecem a família. Sobre o tamanho da família, o conservador evangélico precisa defender e valorizar o modelo de Deus, o qual é a família grande como bênção de Deus (cf. Salmo 127), em contraste com o modelo imposto pelo NSSM 200 e pela ONU de família pequena como ‘bênção’ da Nova Ordem Mundial. O padrão da ONU e do NSSM 200 não deveria ser regra em nenhuma família evangélica. O padrão de Deus não deveria ser exceção em nenhuma família evangélica.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da educação escolar em casa. Antes de existir o Estado, já existia a família. Antes de existir escola pública, já existia educação através da Igreja e, antes da Igreja, toda educação vinha da família. Portanto, é inaceitável que o Estado interfira no direito da família de decidir e escolher a melhor educação para seus filhos, seja educação particular, pública ou em casa. O Estado não tem o direito de impor nenhuma modalidade de educação sobre a família. O conservador evangélico precisa lutar para que o Estado não aja como um ditador contra a família e contra o modo como os pais educam os filhos. Martinho Lutero (1483-1546), o grande reformador cristão da Alemanha, disse: “Muito temo que as escolas comprovarão ser as grandes portas do inferno, a menos que elas diligentemente trabalhem para explicar as Santas Escrituras, gravando-as no coração dos jovens.” Cada vez mais o que ele disse está se cumprindo, em grande escala nas escolas públicas e em medida de certo modo menor em escolas particulares. A saída para escapar das portas do inferno da educação pública imposta pelo Estado autoritário é a educação escolar em casa ou a educação cristã particular de qualidade. Portanto, o conservador evangélico precisa encorajar as igrejas evangélicas a estabelecerem escolas cristãs particulares e desafiar as famílias que podem a adotar a educação escolar em casa.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da segurança da família. Os primeiros missionários americanos que nos evangelizavam vinham de uma cultura americana predominantemente evangélica onde a compra e o porte de armas era tão normal quanto beber água. Devido à cultura política e católica restritiva do Brasil, eles não tinham liberdade de ensinar sobre a importância do porte de armas para a segurança dos cidadãos. O conservador evangélico precisa resgatar essa visão, ajudando a libertar o povo evangélico da antiga e arcaica mentalidade política e católica do Brasil passado. Em países como Israel e Suíça, a violência social é mínima, pois existe a compreensão de que a violência armada se combate com a defesa armada. A família brasileira só terá mais segurança, diante da enorme onda de violência que assola o país há décadas, depois que lhe for garantido e facilitado seu direito de comprar, usar e portar armas e munições para sua defesa. Só um lembrete para nós: o rei Davi que orava os Salmos que pediam proteção e segurança de Deus também fazia a sua parte portando sempre uma espada, que era uma arma mortífera. Portanto, o evangélico conservador precisa se opor a todas as políticas estatais injustas que requerem o desarmamento da população civil ou dificultam a compra, acesso e uso de armas.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da propriedade privada. O trabalhador tem direito de adquirir e manter, sem opressões de impostos, seu próprio lugar para viver e trabalhar. Esse direito lhe é sufocado por um Estado brasileiro inchado e pesado que lhe corrói os ganhos mediante impostos exorbitantes e injustos. O conservador evangélico, em sua luta pelo bem-estar da sociedade, precisa conscientizar o público evangélico a adotar um ativismo para reduzir os impostos a uma taxa única de cerca de dez por cento. É impossível ter uma sociedade saudável alicerçada no roubo, que é a obtenção de 20 por cento ou mais de impostos. Nenhum cidadão evangélico pode descansar enquanto a carga opressiva de impostos não for reduzida para o mínimo necessário para a segurança da sociedade. O patrimônio do cidadão também inclui seu trabalho, que não deve ser alvo da rapinagem estatal por meio de impostos ou leis intrusivas. Se o dono do trabalho e patrimônio não quer empregados de conduta moralmente nociva, sua liberdade de escolha deve ser respeitada e garantida e toda lei contra essa liberdade deve ser encarada como lei iníqua, injusta e anárquica. Portanto, o evangélico conservador precisa se opor aos impostos elevados e lutar para baixá-los.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa da caridade verdadeira. Os pobres precisam de ajuda. Mas essa ajuda não deve vir pela força estatal tirando, mediante impostos, do salário do trabalhador para supostamente dar para quem não tem. Caridade forçada não é caridade. Caridade não é forçar os outros, especialmente por meio do governo e suas leis de impostos, a fazer pelos pobres o que nós queremos fazer. Caridade é nós mesmos darmos, sem obrigar ninguém mais e sem usar o governo para forçar os outros. A verdadeira caridade é sempre voluntária. Deus, que tem toda a autoridade de tirar dos outros para dar para os pobres, nunca deu ordem ou instrução para os governos fazerem isso no lugar dele. Por mais que haja pobreza num lugar, a caridade deve sempre ser voluntária, não estatal. Aos evangélicos socialistas que defendem o governo impondo, como um deus, a ‘caridade’ forçada por meio de impostos, a melhor alternativa para os que aceitam essa visão socialista é o governo remover uma parte do salário mensal apenas dos trabalhadores que voluntariamente oferecem seus ganhos como sacrifício ao Estado. Ninguém, nem o Estado, tem o direito de sacrificar os salários dos trabalhadores para propósitos que não sejam a segurança social. A ‘caridade’ estatal sobrecarrega o trabalhador, cortando seus ganhos e sufocando a caridade verdadeira. A caridade individual e voluntária reflete amor e gera gratidão, que abençoa quem dá e quem recebe. Mas a ‘caridade’ estatal nunca reflete amor e gera ingratidão em quem recebe, que só quer mais e mais, e em quem é forçado a dar mediante impostos. A ‘caridade’ estatal só reflete a capacidade do governo de roubar em nome da compaixão. Portanto, o evangélico conservador precisa se opor à ‘caridade’ estatal e encorajar a caridade voluntária.
O conservadorismo evangélico tem compromisso contra a Teologia da Missão Integral (TMI). De longe, a maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil é a TMI, pois essa teologia é a versão protestante da marxista Teologia da Libertação. Durante décadas, foi uma teologia incriticável pelos maiores teólogos do Brasil, vivendo aconchegada no meio da elite evangélica. As críticas são recentes, especialmente depois da publicação do meu livro “Teologia da Libertação versus Teologia da Prosperidade.” Antes desse livro, críticas à TMI eram praticamente inexistentes. Depois, houve conscientização positiva que possibilitou um crescimento de críticas necessárias. Embora os promotores da TMI aleguem defender a caridade para os pobres, seus teólogos muitas vezes vivem de gordos salários do governo socialista do Brasil. É uma teologia das igrejas históricas que se disfarça de “evangelho,” rejeitando a solução pentecostal e neopentecostal de Deus para os pobres. Sua grande paixão é o socialismo e o ecumenismo. Os promotores da TMI também sabem disfarçar sua oposição a Israel. Aliás, sabem disfarçar muitas outras apostasias. A TMI precisa ser encarada como a teologia mais nociva do Brasil e desmascarada de seu disfarce ‘evangélico,’ especialmente porque seus adeptos, de forma direta ou indireta, têm uma atuação política e social ligada aos maiores promotores da cultura da morte do aborto, contracepção, homossexualismo e socialismo. Portanto, o conservador evangélico precisa lutar contra a TMI, conscientizando o maior número possível de evangélicos que essa é apenas uma ideologia socialista disfarçada de teologia.
Charles Finney
O conservadorismo evangélico tem compromisso contra a maçonaria. Os primeiros missionários presbiterianos americanos que nos evangelizavam vinham de uma cultura americana onde ser evangélico e maçom era muito comum. Os EUA eram não somente a maior nação protestante do mundo, mas eram também — e continuam a ser — a nação mais maçônica do mundo, de acordo com o livro “Christianity and American Freemasonry,” de William Whalen, que diz que a maior parte dos maçons do mundo vive nos EUA e a maioria deles são protestantes, especialmente presbiterianos, batistas, metodistas e episcopais. A influência da maçonaria na sociedade americana é tão generalizada que, de acordo com Whalen, até as igrejas que proíbem a maçonaria têm pelo menos 90 milhões de membros que são maçons. O envolvimento evangélico com a maçonaria é motivado por pura ganância. Para eles, ser evangélico garante a salvação na eternidade e ser maçom garante a prosperidade, segurança e proteção financeira e profissional na terra. A maçonaria, para o presbiteriano americano, é tradicionalmente como uma espécie de Teologia da Prosperidade — mas no lugar da teologia, uma ideologia de sociedade secreta; no lugar de Deus, sucesso e prosperidade vindo de uma irmandade com doutrinas estranhas e ocultistas. Em vez de confiar em Deus para obter riqueza, o presbiteriano americano tradicionalmente opta por confiar na maçonaria. Ser maçom é um meio fácil e garantido de alcançar oportunidades, ascensão e poder profissional, político, social e financeiro na sociedade americana. Assim, a atuação social e política do evangélico presbiteriano americano tem sido, durante muito tempo, intimamente ligada às suas conexões e forças maçônicas. Essa influência alcançou os evangélicos brasileiros através do trabalho missionário americano. Um ponto interessante é que a Igreja Presbiteriana dos EUA, uma das maiores denominações evangélicas dos EUA e um grande celeiro maçônico, é também um grande celeiro de esquerdismo e liberalismo. Do lado brasileiro, a Igreja Presbiteriana do Brasil, que é fruto direto do trabalho missionário americano e um importante celeiro da maçonaria, tem sido há décadas celeiro da Teologia da Missão Integral e outras tendências liberais e esquerdistas, inclusive em sua famosa Universidade Presbiteriana Mackenzie. Outras grandes denominações evangélicas brasileiras que são abertas à maçonaria são igualmente mais abertas ao esquerdismo. Essa ligação entre esquerdismo e maçonaria não é de estranhar: Josef Stálin, o ditador comunista soviético mais sanguinário de todos os tempos, era maçom, de acordo com o livro “New World Order,” escrito por William L. Still, tenente-coronel da Força Aérea dos EUA. Um dos maiores denunciadores da maçonaria foi o Rev. Charles G. Finney (1792-1875), teólogo avivalista americano que começou a rechaçá-la depois de ser batizado no Espírito Santo e deixar o calvinismo cessacionista. Finney, que tinha uma atuação social e política destacada contra a escravidão nos EUA, vivia intensamente a plenitude do Espírito Santo no seu dia a dia, como um presbiteriano que rejeitava o tradicionalismo eclesiástico. Na geração dele, a escravidão era um mal tão proeminente quanto é hoje a agenda abortista e homossexualista. Juntamente com Anthony Comstock, Finney é um dos maiores ativistas cristãos da história dos EUA. Ele tem uma Teologia Sistemática (publicada no Brasil pela CPAD) que trata de ativismo social e plenitude do Espírito Santo. Classificando a maçonaria como anticristã, ele escreveu o livro “The Character and Claims of Freemasonry” (A Natureza e Pretensões da Maçonaria) em 1869. Portanto, o conservador evangélico deve rechaçar o envolvimento com sociedades secretas, especialmente a maçonaria, cuja pretensão é uma Nova Ordem Mundial. Ele precisa desprender sua atuação social e política de toda conexão maçônica. A força de seu ativismo deve ser cristã, não maçônica. A fonte de sua prosperidade e força social deve ser o Espírito Santo, não a maçonaria. Em seu ativismo social e político, acima de tudo ele deve buscar a plenitude do Espírito Santo e viver diariamente cheio desse Espírito como Finney fazia.
O conservadorismo evangélico tem compromisso prioritário com o chamado e força do Espírito Santo. O exemplo de Charles Finney deveria ser suficiente para nos inspirar a buscar a força do alto em todas as nossas atividades. Johann Christoph Blumhardt (1805-1880), pastor luterano da Alemanha, teve um ministério cheio de curas, libertações e milagres sobrenaturais depois de buscar e experimentar a plenitude do Espirito Santo. Sem essa plenitude, qualquer ministério ou ativismo é vazio, seco e oco. Com essa plenitude, Deus usa os ativistas conservadores evangélicos para abençoar a sociedade. Portanto, se o conservador evangélico ainda não tem, ele precisa buscar a plenitude do Espirito Santo. Ele precisa ir sedento à presença de Jesus e dizer que quer ser imerso, batizado e cheio do Espírito. O resto, em sua jornada cristã e conservadora, será curas, libertações, milagres e direções sobrenaturais.
O conservadorismo evangélico tem compromisso somente com o capitalismo de fundamentos judaico-cristãos. O teólogo João Calvino é considerado o fundador do capitalismo, embora muitos líderes calvinistas modernos prefiram o socialismo. O Dr. D. James Kennedy, pastor principal da Igreja Presbiteriana Coral Ridge na Flórida, disse: “Calvino trouxe à luz a livre empresa e o capitalismo que temos hoje nos EUA. Ele é chamado de fundador do capitalismo por Max Weber e Ernest Troeltsch.” Os EUA se tornaram poderosos nesses dois princípios: capitalista e evangélico (especialmente calvinista). John Adams (1735-1826), segundo presidente dos Estados Unidos, deu a chave para entendermos como deve funcionar o capitalismo. Ele disse: “Nossa Constituição foi feita para um povo cristão e com valores morais. Ela é totalmente inútil para o governo de um povo sem esses princípios”. Podemos também dizer que o capitalismo foi feito para um povo cristão e com valores morais. Ele é totalmente inútil para um país e um povo sem esses princípios. Sem esses princípios, esse sistema econômico vira ganância e exploração. O capitalismo defendido por Calvino tinha nítidos fundamentos judaico-cristãos. Capitalismo sem esses fundamentos não é melhor do que o socialismo. Aliás, o capitalismo pode conviver muito bem com o socialismo, como comprova a China, onde o capitalismo se tornou o motor do crescimento da ideologia socialista, e como comprova Israel, onde iniciativas empresariais de ponta convivem com grandes paradas gays, aborto legalizado e feminismo nas forças armadas. No atual sistema americano, que prioriza a promoção mundial da ideologia homossexual, o capitalismo é apenas uma máquina que sustenta essa causa imunda e injusta. Ao contrário do socialismo, que é uma ideologia que exige controle ditatorial de todas as áreas, o capitalismo não é uma ideologia. É apenas um sistema econômico que, em mãos cristãs, vira bênção para a sociedade. Em mãos socialistas, vira parceiro e colaborador de uma ideologia satânica. É tal qual uma faca, que pode ser usada para cortar alimentos na cozinha ou matar um ser humano. O capitalismo em si não é redentor nem abençoador. Quem o usa, como demonstrou Calvino, define se será bênção ou maldição. O conservador cristão, até onde lhe for possível, precisa resgatar e defender a visão de Calvino e dos Peregrinos americanos sobre o capitalismo de fundamentos judaico-cristãos.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa de Israel, especialmente o direito exclusivo dos judeus à Terra Prometida. Embora seja imprudente abraçar um ultranacionalismo em detrimento de valores pró-vida e pró-família, a defesa de Israel não tem nada a ver com ultranacionalismo. Israel, que é um pequeno país cercado por inimigos hostis no Oriente Médio e em todo o mundo, tem uma aliança eterna com Deus. A maioria dos judeus, que não conhece Jesus e sua salvação, está perdida. Mas a aliança de Deus com Israel, principalmente no que se refere à posse exclusiva da Terra Prometida aos judeus, é eterna. Os que abraçam o ultranacionalismo americano como se fosse autêntico conservadorismo ignoram o fato de que na Palavra de Deus não existe nenhuma aliança de Deus com os EUA. Essa aliança existe somente com Israel. Alguns evangélicos usam o exemplo de Israel para tentar dar uma posição de nação escolhida para os EUA, dizendo que os EUA “protegem” Israel. Na verdade, assim como o Brasil e a Rússia, a política americana oficial é impor o estabelecimento de dois países (israelense e árabe palestino) na Terra Prometida. Isso vai totalmente contra os planos de Deus, que tem castigos especiais para as nações que dividirem a Terra Prometida. No atual cenário, todas as nações, inimigas e supostas amigas de Israel, querem essa divisão. Mesmo quando os EUA ajudam financeiramente Israel, não é um gesto de apoio exclusivo. Recentemente, o Congresso dos EUA, sob maior controle republicano, aprovou uma doação de 300 milhões de dólares para Israel. Ao mesmo tempo, aprovou mais de 1 bilhão de dólares para terroristas islâmicos que estão estuprando, torturando e matando cristãos na Síria. Documento do NGO Monitor de 2014 registra que os governos dos EUA, Inglaterra e Holanda (que já tiveram maiorias evangélicas significativamente calvinistas) estão financiando organizações palestinas anti-Israel que trabalham para minar o apoio evangélico mundial a Israel. Além disso, o Congresso dos EUA também dá dinheiro e armas para nações islâmicas que odeiam Israel. Os EUA têm assim uma “aliança” com Israel e com os inimigos de Israel, manobrando tudo e todos conforme seus interesses geopolíticos, bem diferente da aliança de Deus, que é exclusiva e só com Israel. Portanto, o conservador evangélico precisa defender essa aliança, que inclui o direito exclusivo de posse da Terra Prometida para o povo judeu, sem necessariamente apoiar o aborto, as paradas gays e outras práticas socialistas no moderno Estado de Israel.
O conservadorismo evangélico tem compromisso com a defesa do conservadorismo. O conservador evangélico apoia posturas conservadoras de onde vierem, seja dos EUA, Vaticano ou Rússia. O Vaticano, especialmente sob o Papa João Paulo II, foi um excelente exemplo de luta contra as forças pró-aborto na ONU durante o governo esquerdista de Bill Clinton, que usou toda a força estatal americana para promover na ONU sua agenda de aborto, feminismo e homossexualismo. Por amor à causa pró-família, João Paulo II merecia o apoio de todos os evangélicos. Eu lhe dava esse apoio. Em anos recentes, a Rússia tem se destacado por promover leis anti-homossexualismo em sua sociedade e por obstruir na ONU o avanço de leis pró-aborto e pró-homossexualismo vindo da Europa e EUA. Em escala maior, os EUA hoje seguem o direcionamento imoral que Margaret Sanger queria impor sobre os EUA no passado, mas foi decisivamente rechaçada por Anthony Comstock. Só décadas depois da morte dele é que o sonho dela virou realidade. Portanto, o evangélico conservador precisa seguir o exemplo de Comstock e ser uma poderosa obstrução para todas as obras e todos os descendentes ideológicos de Sanger.

Dilemas e desafios evangélicos

Apesar de nossas muitas discordâncias teológicas com o Vaticano e a Igreja Ortodoxa da Rússia, não deveríamos deixar de apoiar as posturas morais de ambos quando se alinham ao conservadorismo.
Nosso maior desafio atual na união pró-vida com católicos não é teológico, pois não queremos ecumenismo. O maior desafio são as inclinações pró-socialismo e pró-islamismo do Papa Francisco.
Mesmo assim, precisamos vencer nossas posturas teológicas (especialmente a teologia de muitos protestantes que interpreta o Vaticano como a Grande Babilônia) para nos juntar com líderes católicos e cristãos ortodoxos na luta pró-família não ecumênica, sem comprometer nossas convicções bíblicas.

A Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa, a Igreja Evangélica e os EUA não são Israel

Eu, por exemplo, por amor à luta contra o aborto e a agenda gay frequentemente desconsidero as posturas anti-Israel de outros cristãos. Tanto as igrejas da Reforma quanto a Igreja Ortodoxa da Rússia herdaram da Igreja Católica a visão antibíblica de que a Igreja substituiu Israel, inclusive no direito exclusivo à Terra Prometida que Deus deu aos judeus. Na teologia católica, a Igreja Católica substituiu Israel, e o Vaticano tem buscado impedir os judeus de terem Jerusalém como capital de Israel. Na teologia ortodoxa, a Igreja Ortodoxa substituiu Israel. E na teologia protestante histórica, a igrejas da Reforma substituíram Israel. Todas querendo para si exclusividade e excepcionalidade, uma pretensão teológica que, devido à forte influência calvinista na fundação dos EUA, acabou se transformando em pretensão política e militar, fazendo predominar uma visão de que os EUA são exclusivos e excepcionais no que são e fazem, especialmente em intervenções militares, como se tivessem ganho de Deus o direito de serem uma versão futurista do Israel antigo. É uma versão patentemente desautorizada pela Palavra de Deus.
Todas essas visões entram em choque com o verdadeiro conservadorismo evangélico e, acima de tudo, com a Bíblia.
No caso dos EUA, há muito tempo seu governo vem se distanciando de suas origens obviamente evangélicas, não seguindo hoje nenhum direcionamento calvinista ou protestante, mas a ideia de exclusividade e excepcionalidade permanece, ainda que totalmente corrompida.
No caso de Israel, por amor à causa pró-vida eu me alio a protestantes, católicos e ortodoxos cujas teologias são contra o direito exclusivo dos judeus à Terra Prometida, privilegiando muitas vezes a causa palestina, que é claramente terrorista. Espero deles pelo menos que não usem o movimento conservador e pró-vida como plataforma para promover essa teologia anti-judaica. Se o fizerem, minha responsabilidade como conservador evangélico é defender o direito exclusivo dos judeus à Terra Prometida.

Ativismo conservador evangélico diante do epicentro mundial do anticonservadorismo

Apesar de nosso alinhamento natural ao nosso ‘berço’ protestante nos EUA, não deveríamos ignorar o atual direcionamento imoral que guia o governo dessa nação, inclusive como o principal promotor da agenda provocadora da ditadura homossexual.
O católico tradicionalista Pat Buchanan diz que hoje os EUA são o epicentro mundial do anticonservadorismo. Ele sabe exatamente do que está falando: ele era assessor especial de Ronald Reagan, o presidente mais conservador da história americana dos últimos 50 anos.
Para nós, evangélicos, não dá para imaginar os EUA, outrora a maior nação evangélica do mundo, como o “epicentro mundial do anticonservadorismo.” Parece um pesadelo. Mas a realidade leva diretamente nessa direção infeliz. Essa realidade dói muito em nós evangélicos, especialmente porque vem comprovada pelo testemunho de grandes denominações protestantes americanas, como a Igreja Presbiteriana dos EUA, que abraçaram o “casamento” homossexual, o aborto, o infanticídio e posturas antibíblicas contra Israel.
O ponto positivo é que, pelo fato de que os EUA hoje são o epicentro mundial do anticonservadorismo e a maior plataforma da Nova Ordem Mundial, os redutos evangélicos de resistência ali são os mais experientes. Meu amigo Rev. Scott Lively, autor do livro “The Pink Swastika,” diz que a situação nos EUA é irreversível, especialmente no que se refere ao avanço da ditadura homossexual. Mas ele reconhece que a experiência dos redutos conservadores evangélicos americanos (que não devem ser confundidos com o Partido Republicano, que não representa os verdadeiros interesses conservadores) pode ser de grande utilidade para outras nações. No caso de Lively, suas muitas viagens e palestras na Rússia foram fundamentais para inspirar o povo e o governo russo a adotar leis para proteger crianças e adolescentes contra a propaganda homossexual.
Rev. Scott Lively
Lively, que ajudou a fundar a Coalizão de Valores da Família, é um excelente exemplo do que podemos aprender com os redutos conservadores evangélicos americanos. Para que possamos nos beneficiar da experiência deles, todo conservador evangélico brasileiro e internacional precisa priorizar o aprendizado da língua inglesa a fim de absorver e aplicar no Brasil e outros países as ideias de Lively, Comstock, Finney e outros americanos. A língua inglesa e a conexão com os redutos conservadores evangélicos americanos são fundamentais para o avanço do movimento internacional de resistência ao anticonservadorismo pró-islamismo, pró-homossexualismo e pró-ateísmo que está se fortalecendo.

Ativismo conservador evangélico diante da ameaça da ideologia islâmica

O evangélico conservador não pode ignorar também os problemas em escala maior em seu ‘berço’ evangélico, especialmente as intervenções militares dos EUA que têm deixado um rastro de perseguição aos cristãos ao facilitarem a expansão do islamismo. Se ele nunca ignorou os crimes da Inquisição católica, por que fazer vista grossa aos problemas atuais em seu maior quintal protestante? Dentro de suas possibilidades, o conservadorismo evangélico internacional deveria encorajar os redutos de resistência evangélica nos EUA a se engajarem num ativismo contra essas intervenções cobrando do governo dos EUA todo rastro e facilitamento de perseguição islâmica aos cristãos.
Os conservadores evangélicos internacionais precisam encorajar os evangélicos dos EUA a lutar por mudanças espirituais, sociais e políticas nos EUA, que se tornaram o maior promotor da propaganda enganosa do islamismo como “religião de paz.” Na verdade, o islamismo é, de longe, a maior fonte de perseguição e martírio de cristãos no mundo inteiro. A chocante realidade de que uma potência cheia de evangélicos é facilitadora de massacres de cristãos efetuados por islâmicos deveria ser motivo de preocupação permanente entre os conservadores evangélicos do mundo inteiro.
Devido à absoluta prioridade da ameaça islâmica, os conservadores internacionais precisam combater a propaganda mentirosa do islamismo como “religião de paz” e estimular uma aliança (Israel, EUA, Rússia e Europa) contra a ideologia islâmica, especialmente da Arábia Saudita, Turquia, Irã e Paquistão.
Os crimes do ISIS e outras organizações muçulmanas terroristas anticristãs e anti-Israel precisam ser denunciados, condenados e combatidos. E a Turquia precisa ser pressionada, inclusive por meio de embargos e boicotes, a assumir responsabilidade pelo genocídio armênio (1915-1917), no qual centenas de milhares de cristãos armênios foram covardemente massacrados por assassinos islâmicos do governo turco, que hoje tem a obrigação de reconhecer seus crimes e indenizar o povo armênio.

Onde estão os Comstocks e os Finneys?

Além da preocupação essencial com a ameaça da ideologia islâmica, as questões pró-vida e pró-família também são prioridade.
Com as ideias de aborto, feminismo, socialismo e contracepção de Margaret Sanger predominando hoje no governo dos EUA e usando-o como poderosa plataforma para se espalhar pelo mundo inteiro, especialmente conforme as diretrizes do NSSM 200, o evangélico conservador precisa assumir o legado de Anthony Comstock. Só o ativismo conservador desse homem deteve, na geração dele, o ativismo pervertido de Sanger.
Há muitas Sangers em nossa geração. Onde estão os Comstocks? Onde estão também os Finneys com um ativismo social e político cheio do Espírito Santo?
Leitura recomendada:

10 comentários :

Rosani Dela Vechia Ribeiro disse...

Excelente e esclarecedor.

Moisés Mota disse...

Excelente artigo, confesso que nunca havia visto uma abordagem tão completa e esclarecedora sobre este nobre tema, pena que a maioria dos líderes evangélicos não tenham a mínima ideia do que vem a ser isto....

Marcelo Lavrinha disse...

Esclarecedor

Sou contra a esquerda disse...

Respondendo à Rosani Dela Vechia Ribeiro, ao Moisés Mota, e ao Marcelo Lavrinha,

Se eu não estiver enganado, ser conservador (ou ser de direita, como dizem alguns) significa defender estes pontos:

– Direito de ir e vir;

– Direito à liberdade de expressão (direito garantido na Constituição);

– Direito ao livre culto religioso (no caso, à crença na fé cristã);

– Direito à propriedade privada;

– Direito à inviolabilidade do lar;

– Direito à segurança individual e coletiva;

– Direito à proteção da família;

– Defesa da vida (e também do direito à vida);

– Firmeza de convicções (manutenção de determinados princípios);

– Liberalismo econômico (que os esquerdistas chamam vulgarmente de "neoliberalismo");

– Livre iniciativa (ou livre empreendedorismo);

– Estado mínimo (interferência mínima do Estado em algumas questões).

No caso, um verdadeiro conservador evangélico tem como característica principal a defesa das verdades eternas da Palavra de Deus. UM VERDADEIRO CONSERVADOR EVANGÉLICO NUNCA NEGA O NOME DO SENHOR JESUS (NEM MESMO SOB AS MAIS TERRÍVEIS AMEAÇAS, PERSEGUIÇÕES, E PROVAÇÕES). Um verdadeiro conservador evangélico adota o mesmo lema dos antigos mártires da fé cristã: "Antes morrer do que pecar". Enfim, um verdadeiro conservador evangélico confia na promessa que o próprio Senhor Jesus fez aos Seus servos:

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2:10)

Os esquerdistas acham que o Estado deve substituir a Deus em todas as áreas da vida humana. Tanto que o lema deles é: "Nada acima do Estado, nada contra o Estado, e nada fora do Estado!" Em outras palavras: o totalitarismo esquerdista vê o Estado como Deus. E ai de quem ousar discordar!

Mas o verdadeiro conservador evangélico também tem que ser "totalitarista". Em que sentido? No sentido de que só a Palavra de Deus é quem deve guiar moralmente uma nação. Parafraseando o lema do totalitarismo esquerdista, o conservador evangélico deve dizer em alto e bom som: "Nada acima da Palavra de Deus, nada fora da Palavra de Deus, e nada contra a Palavra de Deus!"

Aliás, a própria Palavra de Deus tem algumas citações "totalitaristas" contra os falsos ensinamentos. Leiamos:

"Mas ainda que nós mesmos ou até um anjo do Céu vos apresente um outro evangelho diferente daquele que eu vos tenho pregado, seja anátema. Assim como já vos disse antes, agora novamente vos digo: se alguém vos anunciar um outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema" (Gálatas 1:8–9)

Este texto do apóstolo Paulo confirma a primeira parte do "totalitarismo evangélico": nada acima da Palavra de Deus.

"Mas o Espírito expressamente adverte que em tempos posteriores muitos apostatarão da fé, e darão ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios" (1 Timóteo 4:1)

Apostatar da fé (e também dar ouvidos aos espíritos enganadores e às doutrinas de demônios) significa estar fora da Palavra de Deus (segunda parte do "totalitarismo evangélico"). Ou alguém vai dizer que não?

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade" (2 Coríntios 13:8)

Não pode existir nenhuma filosofia, ensinamento, doutrina, ou qualquer outro preceito que esteja contra a Palavra de Deus (terceira parte do "totalitarismo evangélico"). Enfim, Deus e a verdade da Sua Palavra têm que estar sempre acima de tudo e todos!

Será que eu estou certo? Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade.

Cléber disse...

Foi muito interessante o comentário do irmão acima ("Sou contra a esquerda"). E o que ele disse merece a nossa reflexão:

"Nada acima da Palavra de Deus, nada fora da Palavra de Deus, e nada contra a Palavra de Deus!"

Realmente, tem que haver um "totalitarismo evangélico" contras as heresias, as seitas, os falsos profetas, as falsas doutrinas, e tudo que for contra a Palavra de Deus. SOMENTE A VERDADE DA PALAVRA DE DEUS É A ÚNICA VERDADE ABSOLUTA CONTRA TODO E QUALQUER ENGANO DIABÓLICO. O próprio Jesus disse:

"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32)

"Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade" (João 17:17)

A mesma coisa é dita pelo apóstolo Paulo:

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade" (2 Coríntios 13:8)

Precisa dizer mais alguma coisa?

Anônimo disse...

Muito bem estruturado e explicado ... Mas quero emitir somente um adendo na questão do seu site possuir um botão que possua uma função de imprimir os seus textos , que podem até serem usados para desmascarar falsas doutrinas , mentiras , caluniações de todas as faces. Deixou aqui minha opinião e que Deus o Senhor lhe abençoe grandemente e não desista nunca de defender o Evangelho de Cristo ... Pois grande vai ser o galardão aqueles que perseverarem até o fim.

Hélio Bandeira disse...

Só não concordo com posses de armas. Mt26.52.Ter armas é confiar na carne. DEUS não é poderoso para nos livrar de alguma violencia urbana? Já me livrou de várias. Julio... sinceramente... tem hora que voce é 8 e tem hora que é 80.

Danielle Ribeiro Santis disse...

Na semana que passou estava pensando na necessidade de aprender inglês para poder ler artigos, verdadeiramente, conservadores. Realmente, já percebi certas comunidades que identificam o conservadorismo com o catolicismo e colocam a foto do papa esquerdista Francisco na página inicial, então, eu penso … não sabem nada esses inocentes.

CLAUDIO ARAUJO disse...

Sou grato ao Senhor porque sou, e sempre serei CONSERVADOR.

jc disse...

Caro Hélio Bandeira, se você tirar uma coluna todo telhado enfraquece!