14 de janeiro de 2015

A premonição “magistral” de René Guénon?


A premonição “magistral” de René Guénon?

Um alerta aos evangélicos para evitar as contaminações da Nova Era

Julio Severo
Católicos me enviaram comentários sobre meu artigo “Portal Conservador ou Católico? EUA são mais católicos ou evangélicos?” Um católico pró-vida concordou de forma geral, inclusive com minha análise mostrando que os EUA não são majoritariamente católicos. Mas a reação de outros católicos foi de negação.
A negação não foi somente de rejeitar minha resposta “protestante” de que os EUA não são e nunca foram majoritariamente católicos, mas também com relação a duas citações de René Guénon no Portal Conservador usadas como base para atacar o protestantismo.
Um católico comentou que as citações são, supostamente, de um cristão ortodoxo, de modo que o Portal Conservador e os católicos estariam isentos de responsabilidade. A insinuação foi: se o bruxo Guénon é promovido entre os cristãos, a culpa é dos ortodoxos.
Mas as citações anti-protestantismo foram aceitas, quer de ortodoxos ou não, porque estavam de acordo com a conveniência e sentimentos dos católicos desse portal, que jamais aceitaria críticas ao catolicismo.
Em todo caso, René Guénon não é ortodoxo. Suas raízes são católicas. E outros que o seguiram também eram católicos.
Mesmo hoje, os maiores divulgadores de Guénon no Brasil são católicos. Com tanta divulgação, é natural que esse homem acabe recebendo atenção. A propaganda sempre provoca interesse.
A primeira vez, conforme me recordo, que vi algo de Guénon foi anos atrás no blog de uma escritora da Editora Vida Nova. Ela o recomendava abertamente em seu blog. Eu não dava atenção porque as preferências literárias filosóficas dela eram elevadas demais para mim e eu não tinha (e ainda não tenho) tempo nem interesse para isso. Meu foco sempre foi ler e estudar a Palavra de Deus.
Mais tarde, as recomendações de Guénon no blog dela desapareceram. Seja o que for que ela descobriu, ela nunca revelou ao público as razões do desaparecimento.
Não é normal um evangélico recomendar Guénon, que era bruxo. Aliás, nos Estados Unidos, Guénon não tem visibilidade e importância nenhuma entre os evangélicos.
Mas essa escritora evangélica, muito inteligente, era uma grande fã do filósofo Olavo de Carvalho, que é católico e uma das maiores fontes de “propaganda,” direta ou indireta, de Guénon em língua portuguesa. No Google, por exemplo, se você faz uma pesquisa conjunta dos nomes “Olavo de Carvalho” e “René Guénon,” a busca traz mais de 5 mil resultados. Confira: https://archive.today/o2ohb
Antes, porém, de entrar mais nesse assunto, quero deixar claro que minha divergência é apenas com algumas recomendações do Olavo, não com a pessoa dele, a quem respeito. Divergência faz parte de relacionamentos saudáveis. Quando há inimizade e falta de estrutura, vêm os xingamentos, baixarias e assassinatos de caráter. Isso não farei, limitando-me apenas a discordar publicamente de algumas recomendações públicas dele que, na minha opinião, fazem propaganda desnecessária de promotores da Nova Era.
Acerca da alegação, em defesa do Portal Conservador, dizendo que o ataque anti-protestante usando René Guénon é culpa exclusiva de um cristão ortodoxo, a natureza do ataque, aceita em meios católicos, tem geralmente partido de Olavo, que num debate com Alexander Dugin, disse:
“O protestantismo, na sua versão calvinista, criou a primeira sociedade totalitária da Idade Moderna, numa versão ‘organicista’ bem parecida com a russa, onde Estado e Igreja formavam uma unidade compacta, exerciam controle draconiano sobre todas as áreas da existência social e cultural e sufocavam, com prisão e pena de morte, qualquer veleidade de individualismo, mesmo na vida privada. A Reforma inglesa, que começou matando em um ano mais gente do que a Inquisição em muitos séculos, foi essencialmente um empreendimento do governo civil, e resultou no estabelecimento de uma igreja estatal que, em nome da liberdade de consciência, teve entre suas prioridades a perseguição implacável aos que ousassem exercê-la em sentido pró-católico. Aí o ‘individualismo’ foi, com toda a evidência, mero pretexto ideológico para a implantação de um ‘holismo’ ferozmente centralizador.”
A insinuação de Olavo, de que a Reforma protestante foi muito mais assassina e criminosa do que a Inquisição católica, tem o DNA da clássica tática comunista soviética de acusar os anticomunistas dos próprios crimes cometidos por comunistas.
A insinuação de Olavo é que antes do protestantismo, havia liberdade de religião e consciência e a Igreja Católica, que era o único Partidão religioso da civilização ocidental, nunca condenou, perseguiu, torturou e matou pessoas de opiniões bíblicas diferentes.
O poder da Igreja Católica de controlar e decidir os pensamentos da civilização ocidental antes do protestantismo era semelhante ao poder da União Soviética. Ambas eram draconianas na total proibição às opiniões divergentes. Mas Olavo transfere para o protestantismo a culpa de tudo, como se o protestantismo tivesse sido o primeiro movimento revolucionário de linha marxista da história, sem considerar que o avanço decisivo do capitalismo ocorreu exatamente nos países protestantes.
Aliás, a coroa da aliança entre capitalismo e protestantismo é os EUA, que são o maior país protestante do mundo. Se para Olavo, protestantismo é sinônimo de socialismo, o que ele está fazendo nos EUA? Se para ele, o catolicismo é muito melhor do que o protestantismo no que se refere à questão socialista, por que ele não está no Brasil, o maior país católico do mundo? Por que o sonho do católico brasileiro é viver nos EUA?
Comparar o protestantismo com o socialismo é um absurdo tão grande quanto dizer que a Ku Klux Klan representa a nata do conservadorismo americano ou que Alexander Dugin, um seguidor de René Guénon, é o maior líder conservador da Rússia.
Dizer que Dugin é o maior “conservador” da Rússia é um exagero que equivale a dizer que a Reforma protestante matou mais do que a Inquisição. Mas os exageros não terminam aí.
Num comentário de 2013, Olavo disse: “Ninguém entenderá NADA da crise da Igreja se não levar em conta a influência tremenda que as ideias de René Guénon tiveram sobre os SEIS últimos papas.” Isso torna Guénon extremamente importante para a Igreja Católica no século passado. Querendo ou não, isso é “propaganda” e fatalmente atrairá a atenção dos católicos, que vão querer ler tudo de Guénon para buscar entender o que está acontecendo com a Igreja Católica.
Ler Guénon e buscar entender a cabeça desse bruxo é coisa que está fora do meu interesse.
Mesmo assim, nunca tive problemas em admirar o trabalho do Olavo, pois minha admiração sempre se restringiu à defesa dele da educação escolar em casa, da causa pró-vida, da liberdade dos pais decidirem questões de saúde de seus filhos e da luta contra o Estado invasivo, do marxismo cultural, etc.
Eu não ousava admirar nada que saísse dessa esfera. Portanto, quando o Olavo recomendava livros de filosofia (entre os quais do “filósofo,” “intelectual” ou “sábio” René Guénon) para leitura, eu declinava. Mas a escritora evangélica, evidentemente, acabou embarcando nas recomendações. Uma evangélica seguindo um católico e suas recomendações de Guénon. Isso mostra que inteligência terrena não é sinônimo de inteligência espiritual. Isso mostra também a necessidade de ajudar outros evangélicos a ficarem alerta.
Eu também “seguia” e admirava um católico, mas minhas razões eram outras. De forma geral, eu aceitava as recomendações do Dr. Paul Marx, um padre americano com quem eu tinha muito contato nas décadas de 1980 e 1990. Ele foi o fundador de Human Life International (Vida Humana Internacional), que na época era a maior organização pró-vida do mundo.
HLI, como é chamada Human Life International, recomendava e disponibilizava muitos livros sobre diferentes temas essenciais de guerra cultural, inclusive sobre a Nova Era. Muitos dos livros sobre a Nova Era haviam sido escritos por evangélicos, e o Pe. Marx achava importante sua divulgação. Fiquei de boca aberta com a abertura desse padre. Eu sentia o sinal verde para aceitar a maior parte das recomendações dele e nunca me arrependi. Tenho todos esses livros até hoje. Nenhum desses livros ou mesmo comentários de Marx apontava Guénon como recomendação ou referência importante. Guénon era apenas mais um bruxo lunático no universo de bruxos lunáticos.
Até hoje Human Life International não acha importante denunciar ou fazer propaganda de Guénon e sua insignificância ocultista.
Apesar da minha grande admiração pelo Olavo na questão pró-vida e pró-família, nunca senti, durante mais de 10 anos, sinal verde para seguir suas recomendações literárias, entre as quais está Guénon.
Esse sinal verde é a ação do Espírito Santo. Quando ele me dá paz sobre algo, vou em frente. Do contrário, não. Por isso, nunca tive interesse quando Olavo recomendava Guénon. Só tive interesse nesse assunto porque o Portal Conservador citou Guénon atacando os evangélicos.
René Guénon (1886-1951) era um católico que se converteu a uma das formas mais ocultistas e esotéricas do islamismo e morreu no Egito islâmico. De acordo com a escritora conservadora americana Nancy Pearcey, Guénon é um expoente da Nova Era.
Pearcey tem um livro intitulado “Total Truth: Liberating Christianity from its Cultural Captivity” (Verdade Total: Libertando o Cristianismo de seu Cativeiro Cultural), publicado pela editora Crossway Books em 2004. Esse livro tem um Apêndice 2 intitulado “Islamismo Moderno e o Movimento Nova Era,” em que Pearcey mostra como uma mistura das ideias de Platão e hinduísmo e islamismo (uma genuína salada de Nova Era) está transformando intelectuais católicos em heréticos. Ela diz:
“O neoplatonismo se tornou uma forte influência no pensamento islâmico. Hoje vários filósofos muçulmanos importantes adotaram a filosofia perenialista, com sua mistura de panteísmo ocidental e oriental. Aliás, os primeiros promotores dessa filosofia, que eram europeus, acabaram todos se convertendo para o islamismo! Para completar o círculo, o homem que lançou a filosofia perenialista (um francês de nome René Guénon) cria que existe uma essência comum unindo todos os três: neoplatonismo no Ocidente, hinduísmo no Oriente e islamismo no Oriente Médio.”
De acordo com Pearcey, promotores europeus proeminentes da filosofia perenialista que se converteram ao islamismo incluem, além de Guénon, Fritjol Schuon e Martin Lings.
Guénon é muito raramente citado na literatura evangélica porque a penetração desse ocultista nos meios evangélicos é completamente nula. Ele é um desconhecido. Mas parece que nos meios católicos o inverso está acontecendo.
Outras fontes confirmam os envolvimentos ocultistas de Guénon. O site canadense de Henry Makow diz:
René Guénon era acima de tudo um ocultista. Ele era discípulo de Papus, pseudônimo usado por Gerard Encausee, um dos principais satanistas do século XIX.
Os seguidores de Guénon gostam de dizer que ele era apenas um intelectual que estudava o ocultismo, mas ele próprio era um ocultista profundo. Ele teve uma briga com a teosofia, mas essa foi uma luta entre facções do luciferianismo mais do que qualquer outra coisa.
A essência da filosofia de Guénon é que um homem pode ser bruxo, manipular ciências mágicas e ocultas e ainda ser, exteriormente, um membro respeitado de uma religião cultural. Ele era um sabotador…
Um homem no nível espiritual e esotérico de Guénon incorporava espíritos, de modo que quando ele falava e escrevia, era o próprio diabo falando e escrevendo.
Por isso, no mundo evangélico americano, ninguém dá atenção a Guénon porque ninguém precisa gastar tempo com Satanás.
Mas no mundo evangélico do Brasil a história é diferente. Os evangélicos gostam tanto do Olavo e suas recomendações que alguns seguem o que não entendem. Sobre Guénon, Olavo disse em 2008:
“Na década de 20, Guénon, autor de análises magistrais sobre a decadência do Ocidente europeu, havia concluído que só três caminhos se ofereciam a essa civilização: a queda na barbárie, a restauração da Igreja católica ou a islamização.”
Guénon não tinha como ver uma futura islamização da Europa. Isso não foi mera inteligência humana. Isso foi, em todo sentido da palavra, premonição satânica.
Magistral, de acordo com os dicionários Aurélio e Michaelis, significa “perfeito,” “completo,” “exemplar,” “irrepreensível” e “coisa de mestre.” O que há de “magistral” numa premonição?
Em 2003, Olavo refutou os que diziam haver alguma ligação entre ele e Guénon, e desmascarou as premonições falhas do bruxo que não conseguiu ver a China se tornando comunista, mas ao mesmo tempo não deixou de reconhecer: “Guénon é sem dúvida um sábio, e tenho pelos seus ensinamentos um profundo respeito.”
Contudo, em 2008, as premonições do bruxo se tornaram, para o Olavo, muito mais que dignas de respeito. Tornaram-se “magistrais.” Isso é muito confuso…
De acordo com as análises “magistrais” do bruxo Guénon, há três caminhos para a Europa e só um deles é a solução. Se o diabo, através de um bruxo, tivesse dito que a Igreja Protestante era uma esperança, eu daria somente uma resposta: “É o fim!” Quando o diabo nos aponta o Sul como direção, é exatamente o contrário.
Eu não teria problema algum se o Espírito Santo dissesse: “Eu vou restaurar a Igreja Católica e usá-la contra a barbárie e o islamismo na Europa.”
Entretanto, não houve nenhuma profecia de Deus. O que houve foi uma premonição de um satanista. O Olavo tem se guiado por essa premonição, que veio da boca de Satanás? De um ponto de vista espiritual, a “análise” — ou incorporação mediúnica? — não foi nem coisa de mestre e muito menos irrepreensível. Foi simplesmente diabólica.
Anos depois, em 2014, Olavo reforça que se guia pela mesma “análise,” numa entrevista a um site católico de nome “Islamidades.”
De acordo com a boca do diabo que falou através de Guénon, a restauração da Igreja Católica é a única esperança da Europa.
Guiando-se por essa visão ocultista, o Olavo tem buscado construir um movimento conservador — de essência católica? A intenção é boa. Mas a inspiração é totalmente maligna e contraditória, pois se a influência de Guénon sobre os seis últimos papas foi tremenda — e supostamente destrutiva —, como crer nesse bruxo quando ele proclama que a restauração da Igreja Católica é a última esperança da Europa?
Se isso é confuso, nada menos pior do que um movimento conservador sob tal inspiração.
A escritora da Editora Vida Nova se deixou enganar por algum tempo, e quase se converteu para o catolicismo. Se ela, altamente intelectual, quase caiu na rede, o que dizer de evangélicos menos intelectuais? O que dizer de evangélicos imaturos? O que dizer de evangélicos que não têm identidade própria? Tenho recebido e-mails de jovens evangélicos contando sobre sua perplexidade vendo amigos, no movimento conservador do Olavo, sendo convertidos para o catolicismo. O movimento do Olavo então está perigosamente entrando na órbita do proselitismo, fazendo conversões intelectuais supostamente católicas em mentes evangélicas sem identidade.
Com boas intenções, esperam combater a barbárie e o islamismo na Europa. Mas só o catolicismo pode ser o baluarte para esse enfrentamento. Palavra de Guénon, o oráculo das trevas.
Não sei, como afirmou o Olavo, se Guénon teve influência sobre os seis últimos papas. Mas com Guénon ou não, os papas têm buscado uma aproximação com o islamismo. O Papa João Paulo II, a quem muito admiro pelas posturas pró-vida, não tinha vergonha nenhuma de posar junto com Yasser Arafat, o líder terrorista máximo da Organização para a Liberação da Palestina. Não eram, infelizmente, encontros para pregar o Evangelho para o terrorista, e muito menos para expulsar os demônios dele.
O atual papa está indo mais longe, declarando que “é errado igualar islamismo com violência.” O próximo passo será chamar os terroristas islâmicos de mensageiros da paz?
Para piorar, a maior mesquita da Europa está em Roma, bem perto do Vaticano. Há esperança para a Igreja Católica, conforme indicou uma possiblidade da premonição de Guénon?
Eu não vejo possibilidade nem para a Igreja Luterana da Europa. Quando estive em Munique no ano passado, vi um templo ecumênico no mais amplo sentido possível. Era um templo para rezas evangélicas, católicas, islâmicas, budistas, hinduístas, etc.
No espírito da religião mundial fomentado pela Nova Era, as religiões se unem. O templo ecumênico de Munique é mantido pela Igreja Luterana.
A única esperança é o Espírito Santo. Sem ele, os cristãos não têm vida.
Seja como for, os evangélicos não têm nenhuma vez na análise “magistral” que Guénon fez de uma solução com a restauração da Igreja Católica na Europa. Se quiserem fazer parte do combate à barbárie e ao islamismo na Europa e outros lugares, terão de se juntar ao movimento “conservador” para restaurar a Igreja Católica. Mas desde quando seguir Guénon é seguir os propósitos de Deus?
Mesmo que premonições — que são planos diabólicos — se concretizem, temos de dar atenção às comunicações satânicas e suas soluções?
Se Guénon fosse um homem de Deus, e o Espírito Santo tivesse dito ao mundo através dele que a Igreja Católica seria o último baluarte da Europa, eu mesmo ajudaria o Olavo a converter evangélicos para o catolicismo. Mas Guénon não era nada mais do que um homem usado pelas trevas. Não havia nada de Deus nele.
Os jovens evangélicos que estão caindo na rede de proselitismo católico no movimento conservador brasileiro nunca tiveram nenhum encontro com Jesus. Se antes tinham pouco, hoje têm muito menos do necessário e muito mais do desnecessário. O próprio Olavo, espiritualmente falando, está melhor do que eles?
Em seu currículo, Olavo tem pelo menos um livro de Guénon que ele traduziu para o português. E há, de sua autoria, vários livros de astrologia — geralmente considerados como ocultistas pelos cristãos. Todo esse passado, na minha visão, tem conexão com espíritos, que guiam a vítima para rumos de seu agrado.
É impossível sair, mediante esforço intelectual e humano, da esfera das forças e espíritos do ocultismo. Intelectualmente, Olavo está impossibilitado de rejeitar as revelações espiritualistas (disfarçadas de “análises magistrais”) de Guénon. Por isso, eles as admira. Mas, por que promovê-las?
Não existe saída humana e intelectual do ocultismo e suas contaminações. Uma vez mergulhado nas trevas, os espíritos das trevas nunca deixarão a vida da vítima. É um destino imutável.
Só Jesus Cristo pode libertar alguém das cadeias do ocultismo. Sei disso porque eu mesmo venho de família envolvida no ocultismo. Estavam ao mesmo tempo no catolicismo e ocultismo. Mas minha mãe, ao entrar numa igreja batista renovada, foi liberta de espíritos-guias.
Não quero dizer que a solução está na Igreja Batista. A solução é o Espírito Santo. Quem se abre para ele, seja católico ou batista, experimenta o poder sobrenatural de Deus.
Jesus me libertou e salvou. E hoje ele me usa para esclarecer e ministrar para quem está em necessidade.
Já lidei face a face com pessoas como Guénon. Quando você fala do Evangelho vivo, os espíritos se manifestam. Em cada ocasião que precisei ministrar para Guénons, os espíritos incorporados (homens e mulheres manifestando identidade estranha e voz cavernosa) deixavam claro que odiavam Jesus Cristo.
Se eles expressassem para mim alguma “análise magistral,” eu rejeitaria. E eu ficaria preocupado se um deles dissesse que ama Jesus ou que O vê como única esperança.
A verdade é: o diabo odeia Jesus Cristo e nunca elogia sua Igreja espiritual. No que depender dele, ele nunca dirá que a Igreja espiritual é algum tipo de solução para a Europa. A visão dele sobre Jesus e Sua Igreja espiritual é extremamente negativa.
Eu, se fosse católico, ficaria extremamente preocupado de saber que Guénon tinha uma visão positiva de uma restauração da Igreja Católica.
Mesmo vendo que uma premonição demoníaca é aparentemente correta, a obrigação do cristão é repreender e expulsar o demônio da vítima que faz premonições:
“E aconteceu que, indo nós para o lugar de oração, nos saiu ao encontro uma jovem escrava que estava tomada por um espírito que a usava para prognosticar eventos futuros. Dessa forma, ela arrecadava muito dinheiro para seus senhores, por meio de advinhações. Seguindo a Paulo e a nós, vinha essa moça gritando diante de todos: ‘Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação!’ E ela insistiu em agir assim por vários dias. Finalmente, Paulo irritou-se com aquela atitude e dirigindo-se ao espírito o repreendeu, exclamando: ‘Ordeno a ti em Nome de Jesus Cristo, retira-te dela!’ E ele, naquele mesmo instante, saiu.’” (Atos 16:16-18 KJA)
Vasculhar escombros e entulhos de premonições em busca de “pepitas de ouro” não é um trabalho saudável. Há casos de líderes evangélicos que ao lerem muito material satânico para entenderem como as trevas trabalham acabaram possessos. Mentes fracas? Não. O Apóstolo Paulo, ao lidar com homens cultos que haviam saído do ocultismo, só tinha uma orientação: Eles deveriam queimar publicamente seus livros satânicos e dar testemunho público de como o poder de Deus foi maior e transformador em suas vidas.
“Muitos dos que creram, assim que chegavam, começavam a confessar e a declarar em público suas más obras praticadas.  Da mesma forma, muitos dos que haviam se dedicado ao ocultismo, reunindo seus livros de magia, os queimaram diante de toda a comunidade reunida. Calculados os seus preços, chegou-se à estimativa de que o valor total equivalia a cinquenta mil moedas de prata.  E assim, a Palavra do Senhor era grandemente propagada e prevalecia poderosamente.” (Atos 19:18-20 KJA)
Necessariamente, a rejeição ao ocultismo vem depois de uma conversão genuína.
Por mais valiosos que sejam, temos de queimar os livros ocultistas. Hoje, temos de queimar os livros de Guénon. Ou somos mais sábios que Paulo?
Não podemos confiar na inteligência humana, que é alimentada por livros. Essa inteligência é vista como tolice diante de Deus:
“Onde está o filósofo? Onde está o acadêmico? Onde está o debatedor desta era? Deus não transformou em loucura a sabedoria deste mundo?” (1 Coríntios 1:20 HCSB)
Portanto, a sabedoria de Guénon nunca foi nada mais que loucura. Loucura das trevas.
A inteligência espiritual, que é alimentada pelo Livro (a Bíblia), tem o temor de Deus, que é o princípio da sabedoria.
Não posso orientar o mundo católico a rejeitar Guénon. Não posso forçar o Olavo a parar de promovê-lo e elogiá-lo.
Mas posso alertar o mundo evangélico brasileiro, que deveria tratar Guénon do jeito que Nancy Pearcey e o mundo evangélico americano o tratam: rejeição total.
Todo livro de bruxos como Guénon merece ser tratado conforme a orientação que Paulo dava aos cristãos de sua época: fogueira.
Guénon é um mestre da Nova Era. Não havia nada de magistral, perfeito nem irrepreensível no que ele falava, dizia e ensinava. O diabo falava através dele. 
Para um homem chegar ao ponto de considerar uma análise ocultista de “magistral” é porque ele, ajudado por espíritos, vê uma grande luz nela.
O contraste de minha experiência é fascinante. Muitos anos antes de conhecer o Olavo, conheci um padre (Paul Marx) recomendando vários livros evangélicos contra a Nova Era. Mas com o Olavo, me deparo com um católico amigo que há anos recomenda livros de Guénon, um dos mestres ocultistas da Nova Era.
Mesmo que não houvesse Guénon e o problema associado da Nova Era, há as diferenças teológicas que precisam da atenção dos evangélicos que seguem o Olavo. Há a questão da Inquisição católica, que já foi tratada por mim aqui: http://bit.ly/1gB9M6v
Os evangélicos que admiram o Olavo não deveriam deixar de apoiá-lo quando ele defende a vida e a família. Mas precisam ser muito cuidadosos e orar por ele para que ele venha a ter um encontro genuíno com Jesus Cristo, que liberta das cadeias do ocultismo e das luzes enganadoras.
Depois de um encontro com Jesus, ele nunca mais verá luzes onde há trevas e nunca mais se guiará por premonições de bruxos. Ele nunca mais verá nada de “magistral” na sabedoria louca de esotéricos e ocultistas. Se ele buscar os melhores dons, conforme orienta a Bíblia, o dom de profecia virá, trazendo direção de Deus. E o Espírito Santo visitará, trazendo sinais, prodígios e maravilhas.
Enquanto isso, os evangélicos precisam examinar bem o que ele recomenda sem absorver tudo.
Não precisamos de forma alguma evitar o Olavo.
Só deveríamos evitá-lo totalmente se ele fosse um pastor e líder evangélico promovendo Guénon. Nesse caso, seria heresia. No caso do Olavo, se formos evitar todas as pessoas do mundo envolvidas em ocultismo, teremos de deixar o mundo.
Neste mundo que jaz no maligno, encontraremos muitos pessoas, médicos e colegas de trabalho debaixo do poder de inspirações ocultistas. Podem ser pessoas ótimas, mas são escravas. O que fazer?
Deixar Deus trabalhar nelas através de nós.
Precisamos do poder sobrenatural do Espírito Santo, inclusive dons de revelação, discernimento espiritual e expulsão de demônios, para ajudar os homens, mulheres e crianças que se encontram espiritualmente cativos.
Que este alerta traga esclarecimento para os evangélicos. Mas nada impede que traga esclarecimento também para católicos e cristãos ortodoxos.
Leitura recomendada:

57 comentários :

Leony disse...

Ao invés deste bruxo, os católicos (e os evangélicos que aceitam os seus preceitos) que se interessam por profecias nos dias atuais deveriam consultar o livro abaixo, escrito por um verdadeiro profeta de Deus, o pastor Norte Americano David Wilkerson.

Deus deu à ele uma visão dos últimos acontecimentos na Terra antes da vinda de Jesus, algumas peculiaridades: catástrofes específicas (como um grande terremoto nos EUA), quebra financeira, apostasia. Vale a pena ler. O profeta diz que muitas das catástrofes descritas no livro seriam presenciadas pelos verdadeiros crentes.

Lá ele diz que haverá uma SUPER-IGREJA mundial, formada pela união entre a IGREJA CATÓLICA e os PROTESTANTES LIBERAIS. Esta SUPER-IGREJA PERSEGUIRÁ os verdadeiros cristãos, inclusive alguns membros que pertencem ao movimento carismático da Igreja Católica que amam à Deus de verdade. Vale a pena ler e ficar precavido.

Uma outra coisa a ser estabelecida por esta Super-Igreja será a aceitação de homossexuais e não somente isto, mas a prática será considerada por esta super-igreja como sendo um "dom de Deus".

Leony disse...

O link do livro A VISÃO, do pastor David Wilkerson:

http://www.4shared.com/office/9acRKrwnce/La_vision_DAVID_WILKERSON_Prof.html

Marcos Dutra disse...

Excelente texto e importante nos dias de hoje. Guenon é um expoente da Filsofia Perene, ou Tradicionalismo, que ensina que há a LUZ esotérica (com S) de Lúcifer por trás de todas as manifestações exteriores, as religiões exotéricas (com X). Portanto, a pessoa pode praticar qualquer religião que quiser, que irá encontrar a LUZ através de visões, meditação e rituais ocultistas.
Isso explica a jornada de Olavo pelo Hinduismo, astrologia e sufismo. Na verdade, continua no mesmo veio ocultista da Filosofia Perene.
Essa é a fórmula da religião mundial do antiCristo. Muitos católicos não se opõem a essa farsa, contanto que o Papa seja o seu líder.
Percebam que Olavo segue o misticismo católico, que é o ramo romano da Filosofia Perene. Ele valoriza a experiência mística (que pode ser facilmente falsificada pelo inimigo) sobre a Palavra de Deus, como deixou claro em seu Facebook inúmeras vezes.
De milhares de santos católicos, sua escolha como protetor é Pio de Pietrelcina, um frei que tinha visões, êxtases e chagas. Interessante notar que os seres espirituais que o frei via nunca lhe transmitiram a verdadeira doutrina cristã e a verdade pura do Evangelho, preferindo por exemplo torturá-lo fisicamente por dois dias.
Por que Olavo escolheu justamente este homem? Tirem suas próprias conclusões.

Herberti Pedroso disse...

Parabéns Júlio, pela coragem e disposição de colocar as recomendações do prof. Olavo na devida perspectiva.

Herberti Pedroso disse...

Marcos Dutra. Este seu esclarecimento, pelo menos para mim, foi muito útil. O mundo espiritual é algo muito sério e perigoso, e errar neste assunto pode significar um dano eterno.

João Amado disse...

Esse negocio de "estudar ocultismo" é mau sinal porque se fosse um verdadeiro cristao nao se daria ao trabalho de estudar, o que é diferente saber o que é o ocultismo quanto ao catolicismo infelizmente já está á muitos anos morto espiritualmente embora eu acredito que existe cristaos sinceros em todas as religioes de caris cristao, se diabo aparecesse vermelho de cornos e rabo e tridente na mao nao era tao perigoso mas infelizmente ele se disfarça de anjo "luz" e os incautos entram pelo cano.

Strider disse...

Concordo plenamente com o texto do Júlio.

Tenho lido e assistido aos vídeos do professor Olavo há cerca de dois anos, mas sempre tive em mente que o considero uma fonte de estudos da área da política.

Ele volta e meia insiste na questão da revelação de Fátima, por exemplo. Como protestante, jamais irei aceitar esse raciocínio como válido.

O Olavo não é perfeito. Parece que muitos dos seus alunos e de pessoas que acompanham as suas postagens se esquecem disso.

Em matéria de análise política e do marxismo, o Olavo é fenomenal. Esse é o ponto que eu "retenho". Em matéria de teologia, eu desconsidero muita coisa que ele diz.

"Examinai tudo, retende o que é bom."

Luis Fabiano disse...

Parabéns Júlio pelo artigo. Há mais de 4 anos acompanho na internet o mídiasemmascara e sou do tempo do trueoutspeak. Gosto muito, como você disse, do lado pró-vida do Olavo, mas em matéria de discernimento espiritual não dá pra levar em conta. Sou protestante e leio bastante a bíblia, e o Espírito Santo nos mostra na bíblia as bobagens que muitas vezes o Olavo diz ou filosofa. É preciso orar pela sua conversão, pois seria um grande ganho, mas a fé espiritual ( no espírito vivificado) é dom de Deus - Efésios 2.8-9. Ademais continue com essa coragem, sempre alertando aqueles que são levados por qualquer vento de doutrinas, sejam de homens ou de demônios. Que a graça de Senhor e Salvador Jesus Cristo te acompanhe!

Anônimo disse...

Thiago




Guenon = Perenialismo = Satanismo

http://libertoprometheo.blogspot.com.br/2014/12/unidade-transcendente-das-mitologias.html?m=1


http://libertoprometheo.blogspot.com.br/2014/12/ou-cristianismo-ou-perenialismo.html?m=1


MARIA disse...

Ótimo esclarecimento, Júlio. De fato, o Olavo é um homem de conhecimento humano admirável, mas é sob o aspecto espiritual praticamente ignorante, com todo respeito. Quando ele fala de coisas espirituais sai cada bobagem sem tamanho. Uma pena. Pela Graça e misericórdia de Deus, tenho discernido entre uma coisa e outra e retendo somente o que é bom. Lamento demais que o Olavo não tenha discernimento espiritual quase nenhum. Espero e oro para que algum dia Olavo venha a ter experiencia com Jesus.

Pastor Raimundo (Igreja do Evangelho Quadrangular) disse...

Respondendo ao Marcos Dutra,

Marcos,

Já que você mencionou o anticristo no seu comentário, eu diria o seguinte: sabemos que não vai demorar muito para que o anticristo seja revelado ao mundo, já que isto está previsto na Palavra de Deus e, portanto, será inevitável. É como disse o abençoado apóstolo Paulo:

"Pois o ministério da injustiça já opera; há somente um que ainda resiste, até que do meio seja tirado; E então será revelado o iníquo, o qual o Senhor desfará com o assopro de Sua boca, e aniquilará pelo resplendor de Sua vinda; A esse cuja vinda é conforme a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios de mentira; E com todo engano da injustiça para aqueles que perecem, pois não receberam o amor da verdade para que se salvassem. E é por isso que Deus lhes mandará a operação do erro, para que acreditem na mentira; Para que sejam julgados todos aqueles que não creram na verdade, antes sentiram prazer na iniqüidade" (2 Tessalonicenses 2:7–12)

A tendência natural das coisas é que o mal reine de forma absoluta até a volta de Jesus, até porque, como a própria Bíblia diz, "o mundo jaz no maligno" (1 João 5:19). Logo, a nossa obrigação, como cristãos, é resistir ao pecado e continuar a pregar as verdades da Palavra de Deus enquanto ainda podemos (ou enquanto ainda dispomos de uma relativa liberdade para protestarmos contra as obras das trevas e suas leis). Porém, quando elas, através da NOM (Nova Ordem Mundial), assumirem o controle total de tudo e todos, será suicídio tentar enfrentá-las de igual para igual. Em outras palavras: quando a NOM for imposta, aquele que tentar se manifestar contra ela será perseguido e morto!

E mais: dizer não ao governo mundial que será imposto num futuro não muito distante é assinar a própria sentença de morte. Sabemos que este mesmo governo perseguirá e matará todos os cristãos que encontrar pela frente. Por que isso? Porque a perseguição aos cristãos (e a conseqüente morte deles) já está prevista na Palavra de Deus, e, portanto, será inevitável. A Palavra de Deus tem que se cumprir. Deus não é homem para que minta, e nem tampouco filho do homem para que Se arrependa. O que Deus determinou na Sua Palavra nunca voltará atrás. O próprio Deus disse com todas as letras:

"Assim será a palavra que sair da Minha boca: ela não voltará vazia para Mim; antes fará o que Me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei" (Isaías 55:11)

Nas épocas do Império Romano e da Inquisição, milhões de cristãos foram perseguidos e mortos de todas as formas possíveis. E hoje não é diferente: a perseguição aos cristãos ainda continua (e de forma até mais cruel). Para que maior prova disso do que a perseguição aos cristãos que se recusam a obedecer ao "politicamente correto" do governo e dos homossexuais? Isso sem contar as perseguições e mortes de muitos cristãos em países islâmicos e muçulmanos (e em outros onde a Bíblia é proibida)!

Diante disso, não haverá alternativa: ou assumimos de vez um compromisso sério com a obediência total e irrestrita à Palavra de Deus (mesmo colocando a nossa própria vida em risco), ou seremos obrigados a aceitar a submissão ao anticristo para sobreviver.

Portanto, ainda que tenhamos que morrer por amor a Jesus e à verdade da Sua Palavra, temos que deixar bem claro a tudo e a todos que pertencemos somente a Jesus (e que nada nem ninguém jamais vai nos separar Dele). Novamente o apóstolo Paulo se manifesta:

"Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor a Ti, somos entregues à morte todos os dias; Fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou" (Romanos 8:35–37)

Que estas palavras façam com que todos permaneçam fiéis ao Senhor Jesus (e à Sua Palavra) até a morte (ou até a volta Dele).

Anônimo disse...

Júlio, você já foi luterano ? ... Qual a sua opinião sobre o luteranismo atual ?

Anônimo disse...

Antes de tudo quero deixar claro que não concordo com Guenon e nem recomendo suas leituras, a não ser a alguém bem cônscio de seus antagonismos.

Apesar de Guenon ter se intercambiado entre religiões e se perdido no meio de duas delas (o islamismo e a nova era), o fato de ter analisado e dito que o islamismo era um dos caminhos a ser oferecido à nossa civilização, em nenhum momento pode ser chamado de premonição satânica.

Afinal o que assistimos hoje na Europa?

Não como uma oferta à nossa civilização, mas como invasão premeditada da elite globalista.

Aliás, sugiro um conhecimento maior sobre Hilaire Belloc. Pensador católico que previu a ressurgência do Islã, já nos anos 20 do século passado.

Há hoje bairros europeus em que a lei é a sharia. Belloc previu isso. Mas os Cruzados, não.

Qualquer cruzada hoje teria que começar necessariamente em casa. Primeiro cristianizando de novo o mundo dito cristão. E isso leva tempo, muito... mas muito tempo mesmo.

Sugestão: http://astore.amazon.com/thecatthi-20/detail/B004QGYAXM

Julio Severo disse...

Na loja virtual americana Barnes & Noble, os livros de Guénon estão na seção de “Nova Era, Bruxaria, Magia, Ocultismo,” e você, anônimo, acredita que as previsões do bruxo não são de forma alguma premonição. Sendo ou não premonição, o Apóstolo Paulo só tem um conselho sobre como devemos tratar os livros dele: fogueira.

Dom Rafael disse...

Irmão Júlio, acredito que já está na hora de você expor de uma vez as páticas heréticas do catolicismo (maria, santos, imagens, comunicação com os mortos, única igreja de Cristo, Pedro como papa, celibato, comunicação com os mortos, extrema unção et cetera) pois, ao meu ver, muitos católicos, ao lerem o seu site, devem se sentir como cristãos, o que de fato não são, e possivelmente nunca foram. Nós sabemos que o catolicismo não vem do Senhor.

Paz.

Anônimo disse...

Dom Rafael, o senhor deve-se achar mesmo muito iluminado. A leitura da Bíblia e da história da Igreja conforme sua "santíssima" interpretação deve tê-lo deixado de miolos moles.

As fileiras da 'sharia' protestante te está aberta.

Aliás, "Dom", é TÍTULO honorífico que precede o nome dos monarcas e o dos membros do alto clero e da nobreza católica.

Antes de falar asneiras, leia Mt. 7;5 e comece por retirar o título.

anônimo Augusto

Ad Iesum per Mariam








Elias disse...

Usando a imagem do jogo Diablo 3?
Era melhor usar a imagem do jogo Diablo 2 - até porque seria mais compatível com esoterismo e o diabo dominando os que o combatem sem um grande suporte espiritual e que pensavam tê-lo vencido.
Bom, indo para o que interessa:
O Olavo não só tem essas menções de René Guénon.
Mais do que isso: o Olavo foi um dos fundadores de uma tariqa islâmica no Brasil.
Olavo nunca conheceu Guénon, que morreu muitas décadas atrás, quando Olavo era só uma criança com poucos anos de vida.
Mas Olavo conheceu Frithjof Shuon, um suíço que decidiu seguir os mesmos passos de Guénon e também criou um movimento "tradicionalista" e "perenialista".
Antes de morrer, Guénon chegou a declarar que o movimento até então incipiente de Shuon era a maior realização das aspirações de Guénon, mesmo que os contatos de Guénon e Shuon tenham sido poucos (Shuon não foi um discípulo de longa data de Guénon).
No final dos anos 1980, um grupo de brasileiros foi visitar Shuon nos Estados Unidos, onde Shuon morava há anos e lá tinha sua tariqa.
Ao voltar ao Brasil, esses brasileiros fundaram a primeira tariqa islâmica no Brasil, no ano de 1987.
Entre esses brasileiros fundadores dessa primeira tariqa, estava Olavo de Carvalho, que atendeia pelo nome islâmico de "Sidi Muhammad".
Sidi é uma denominação árabe-islâmica que significa "mestre".
Shuon deve seus estudos sufis islâmicos ao que aprendeu principalmente na Argélia, onde o título de "Sidi Muhammad" (usando o adjetivo "sidi", "mestre" e o mais importante nome do Islam, Muhammad, que é o nome do profeta Maomé) geralmente era dado a grandes expoentes das tariqas sufis daquele país.
Provavelmente, Olavo tinha impressionado bastante Shuon para usar tal nome islâmico.
O nome da tariqa fundada por Olavo no Brasil era Tariqa Maryamiyya, o mesmo nome da tariqa de Shuon nos Estados Unidos da América.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tariqa_Maryamiyya

Elias disse...

(continuação do comentário anterior)
Olavo chegou até a escrever um livro sobre a vida de Maomé, que recebeu grandes elogios e até mesmo condecorações por parte do Centro Islâmico de Brasília (ligado à Arábia Saudita).
Esse é o mesmo Centro Islâmico cuja líder declarou em entrevista semana passada que "isso não vai parar... vocês podem esperar coisa pior", sobre os ataques terroristas em Paris.
Anos depois, Olavo se desentendeu com vários membros da tariqa e abandonou-a, renegando em grande parte os ensinamentos de Shuon, que se distanciara dos preceitos de Guénon.
O "perenialismo" é muito mais algo de Shuon que de Guénon, que era mais "tradicionalista".
Guénon também era contra o movimento New Age, considerado por ele uma imitação barata e charlatã do verdadeiro esoterismo encontrado nas religiões tradicionais.
Já Shuon era mais chegado nesse papo New Age, com intercâmbio não só com as religiões tradicionais (Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, Hinduísmo e Budismo) como também com práticas de aborígenes (índios) sul-americanos e norte-americanos, o que irritou muitos guenonianos, que consideram Shuon um farsante (ele terminou sua vida respondendo a processos judiciais por abusos sexuais contra seus seguidores).
Olavo tem uma relação complicada com a pessoa e a obra de Guénon até hoje.
No artigo do site Islamidades que o Júlio mencionou, Olavo acerta ao perceber que "Quando Guénon, nos anos 30, disse que o Ocidente só tinha três saídas – a barbárie, a islamização ou a restauração da Igreja Católica, ele deixou bem claro que esta última alternativa deve ser conduzida sob a direção de autoridades espirituais islâmicas. A única diferença, portanto, entre as duas ultimas alternativas é a que existe entre islamizar a civilização ocidental de maneira ostensiva ou camuflada. A prática mostrou que essas duas alternativas não se excluem absolutamente."
Ou seja, Guénon, que se converteu ao islamismo, tinha como plano usar a estrutura católica para, aos poucos, islamizar a Europa desde as altas esferas intelectuais, por considerar que o sufismo (o islamismo místico) era a plenitude das religiões.
Olavo reconhece hoje, portanto, a influência maligna de Guénon, mas não pode se desvencilhar de velhos hábitos de pensamento que ele aprendeu ao estudar as obras de Guénon - como ficou patente no debate de poucos anos atrás entre Olavo e Alexandr Dugin (russo idiota e desequilibrado que se proclama seguidor dos ensinos de Guénon), em que Olavo mencionou coisas completamente absurdas e puramente esotéricas como as tais "Sete Torres do Diabo", um conceito esotérico idiota criado por Guénon sobre locais em que reside o "antitradicionalismo".
Olavo citou isso para tentar ridicularizar Dugin, mostrando que Guénon queria demonstrar que a Rússia era o grande centro difusor do "antitradicionalismo", já que duas dessas "setes torres" estariam no norte dos Urais (território russo, já em direção ao Oceano Ártico) e, ao se juntar os pontos dessas "sete torres" espalhadas pelo mundo, se formava a imagem da constelação da Ursa Maior, portanto, uma alusão ao "urso russo".
Mas Olavo, marotamente, não mencionou nesse debate que Guénon também considerava a Califórnia como "outra dessas torres diabólicas", embora não de forma oficial como as outras sete.
A se levar à serio as besteiras esotéricas de Guénon, não havia porque omitir isso.

As outras "torres" estariam na Nigéria (deve estar sob controle do Boko Haram, hehe), Sudão, Síria, Iraque (apontando o dedo diretamente para os yezidis) e no Turquestão (região da Ásia Central que pertenceu à União Soviética, atualmente no Turcomenistão).
Talvez venha daí, dessas idéias esotéricas idiotas guenonianas, essa fixação de Olavo contra a Rússia, pois Olavo, que diz não mais seguir as idéias guenonianas, inda acredita nas premonições de Guénon - o Dugin, na sua loucura, vê essas premonições de outro modo, pois essas idéias esotéricas idiotas se adaptam ao gosto do freguês, como uma boa cartomante.

Elias disse...

(Fim do comentário)
Resumo: Olavo pode ter renegado muitas das idéias de Guénon (de Shuon, ele parece ter desprezado quase tudo, já que Shuon se desencaminhou dos caminhos guenonianos), mas alguns cacoetes, modos de pensar e fragmentos inconscientes de idéias ainda continuam muito vivos em sua mente.
Mesmo percebendo a influência maligna de Guénon (que queria usar as bases da Igreja Católica para promover o islamismo às escondidas desde cima), Olavo não pode se desvencilhar de todo das idéias esotéricas de Guénon, pois tais idéias se imprimiram fortemente no seu ser.
Olavo é um bom sujeito, muito inteligente e extremamente valioso para a causa conservadora.
Jamais atacarei Olavo por seu passado guenoniano e schuoniano. Mas não posso deixar de observar que muitas dessas idéias esotéricas ainda continuam vivas no seu âmago.


Julio Severo disse...

Elias, um homem pode estar negro como carvão com suas experiências com o diabo e o pecado, mas quando Jesus entra e transforma, ele vira diamante. Eu venho de uma família de bruxaria e estou aqui, dando testemunho de Jesus e sua graça maravilhosa. Há muitos evangélicos intercessores que leem meu blog. Tenho certeza de que eles orarão mais pelo Olavo e sua família. Se a graça de Deus me alcançou, o que a impede de alcançá-lo?

Leandro disse...

Júlio, eu não achei esse outro artigo tão bem feito quanto o anterior, mas acredito que este deva desenvolver reflexões mais sérias (você não precisa responder logo, apenas me diga se está pensando ou não).

Sei que as ideias de Guénon são bastante ingênuos, mas creio que você está certo em suspeitar que o uso dele em um artigo escrito apenas por afã antiprotestante (mero afã, porque faz ligações de sentido grotescas) só teriam sido possível no Brasil por conta de uma pessoa: Olavo de Carvalho.

Claro que é um grande exagero considerar que Guénon teve “influência tremenda” sobre os 6 últimos papados. Isso está fora de sentido. Mas não vem ao caso.

Esqueçamos Guénon e nos concentramos em Olavo.

É certo que se trata de um intelectual com visão lúcida sobre vários assuntos contemporâneos. Tem influência (é certo que o projeto dos conselhos populares teria sido plenamente aprovado se não houvesse influência de Olavo de Carvalho), uma boa compreensão da história, e sobretudo não foi atraído pelo canto de sereia de Aécio e outros que passaram pela mesma trilha.

No entanto, o fato é que tem um limite, e é o catolicismo. Ele tem tomado decisões erradas e também cometido erros (quase sempre em assuntos relacionados ao aborto e ao evolucionismo biológico) e justamente por sua identificação estreita com o catolicismo.
Certamente é algo que ele deveria abandonar.

Em breve abordarei que limites são esses.

Ulisses disse...

Independente de alguém ser católico, evangélico, ou qualquer outra denominação, o importante é obedecer somente à Palavra de Deus. Somente ela é o verdadeiro e único guia da autêntica fé cristã. O resto é mentira diabólica disfarçada de verdade!

Precisa dizer mais alguma coisa?

Anônimo disse...

Pô, Julião, tu não postastes meu comentário só pelo motivo de meu anonimato? Ententa,eu sou tímido! Só para tirar uma dúvida: qual a sensação de promover o pensamento de um discípulo de Guenon? O que quero dizer é que durante sua vida você foi um promotor do conservadorismo do olavão, o que te faz co-participante da merda esotérica toda. rsr

Jussara disse...

Obrigado pelo texto esplêndido. Parei para avaliar minha identidade como conservadora e foi triste a constatação. Imitei o Professor Olavo sem questionar, sem filtrar nada. Como cristã evangélica, sempre me coloquei contra o comunismo. Porém com Olavo aprendi a odiar a Rússia e os russos. Meu Deus! Meu coração que deveria estar cheio do amor de Jesus começou a abrigar ódio. Meu Deus, o que foi que eu estava fazendo com o meu coração! Meu mundo está rodando.

Leony disse...

Particularmente já vi alguns videos do Olavo. Alguns comentários à respeito de política e de outros assuntos que até fazem sentido.

PORÉM, sinceramente sempre me estranhou a forma como ele se expressa fazendo o uso corriqueiro de palavrões e fumando o tempo todo. Não consegui ver mansidão e nem percebi a presença do Espírito Santo nele. Somente isto já me deixou de orelha em pé com relação a TODAS as coisas que porventura eu pudesse vir a me deparar com relação à ele. A Jussara teve um despertamento quando disse que "...com Olavo aprendi a odiar a Rússia e os russos", e que a partir daí passou a rever as motivações que surgiram em decorrência do que ela tinha visto do Olavo de Carvalho. Glória a Deus por isso, Jussara, e não se preocupe, Deus viu isto e Ele quer que você se volte mais pra Ele, apenas isso.

Leony disse...

À medida que o tempo passa, está ficando cada vez mais estreito e difícil reter o que é bom de fontes duvidosas, já que o joio está tão parecido com o trigo que se for possível até os escolhidos podem ser enganados.

A Palavra é a base. Qualquer conduta ou ideia que ferir a verdade deve ser descartada. Se porventura alguém, após a leitura deste artigo sentiu de Deus que não deve ler mais nada do Olavo de Carvalho, faça isso. Você não irá perder nada. E aquele que ainda come de algumas ideias do Olavo não condene o que não quer comer mais. Na dúvida, fiquemos só com a Palavra.

Algumas coisas neste mundo podem até fazer sentido, mas tem coisas que se você se abster não farão falta e nem acrescentarão a sua vida. Já o conhecimento bíblico, se você se abster dele com certeza fará falta e deixará de ser um grande acréscimo na sua vida.

Dom Rafael disse...

Meus caros, catolicismo NÃO É DE DEUS e, se quiserem, eu PROVO aqui.
Vê, irmão, o que eu disse sobre você ser CLARO quanto ao catolicismo? depois não diga que não foi avisado...

Paz e Dom é também sinônimo de nobreza.

Antonia disse...

Pare de ser invejoso, Severo. E daí se o professor Olavo recomenda Guénon? O importante é que ele está trazendo muitas pessoas confusas para o Catolicismo. Eu mesma estava numa destas seitas protestantes. Agora, estou na Luz. Sugiro-lhe assistir o vídeo do Pe. Paulo Ricardo que comprova o papel importantíssimo do professor Olavo para o Catolicismo Brasileiro: https://www.youtube.com/watch?v=g4NoM8_r6yo

Tá com ciúme? Faça como ele e traga gente para a sua igreja. Não atrapalhe quem trabalha.

Leony disse...

Antonia,

Você disse "...E daí se o professor Olavo recomenda Guénon?" E DAÍ???? Alguém que recomenda um bruxo para as pessoas não deve ser no mínimo exposto? É o final dos tempos mesmo. Ainda bem que Jesus disse que essa cegueira espiritual iria acontecer, então não causa mais nem escândalo...


Antonia, você deveria rever o seu cristianismo e a motivação da sua fé. É um problema gravíssimo você não conseguir ver nenhum problema no fato do Olavo indicar para as outras pessoas alguém como Guenon, que pode vir a levar as pessoas a se depararem com ocultismo.

Julio fez mais do que certo em expor este tal. Mais um que não merece a atenção de quem realmente é povo de Deus. Particularmente depois deste artigo, só por saber que o Olavo indica um cara assim para as pessoas, não fiquei nem um pouco interessado em ver mais nada do Olavo.

Tamires disse...

Senhor Júlio, postei esta pergunta em outro artigo do senhor: O Prof. Olavo de Carvalho, particularmente por intermédio do seu sítio Mídia Sem Máscara, diz que Alexander Dugin está envolvido em todo o conservadorismo da Rússia. O que o senhor tem a dizer?

Julio Severo disse...

Cara Tamires, eu admiro o professor Olavo em toda a defesa que ele faz do homeschooling e contra o aborto. Mas nunca o ouvi dizendo isso que você disse. Você não apresentou nenhum link. Daí, fica impossível verificar. Seja como for, se o que você disse fosse dez por cento verdade, esse tal de Dugin estaria presente, com certeza como palestrante, no Fórum da Família Grande e o Futuro da Humanidade. Esse evento, realizado também no Kremlin, trouxe a nata do movimento conservador pró-vida internacional: católicos, evangélicos, ortodoxos, judeus, etc.

Se o Dugin fosse isso que você está falando, ele estaria lá. Mas não, ele não estava. No movimento conservador pró-vida internacional, Dugin não tem essa importância que lhe dão. Ele não estava lá porque eu estava lá e testemunhei e entre todos os palestrantes e até mesmo russos, não havia nenhum Dugin. Ninguém lá falou no nome dele.

Acho que falar do Dugin como líder do conservadorismo russo é forçar a barra demais, seria como dizer que a Ku Klux Kan lidera o conservadorismo nos EUA. Isso não é verdade. Sim, é verdade que a Ku Klux Kan existe. Mas não é verdade que ela tem domínio sobre o movimento conservador americano.

A mesma coisa se pode dizer de Dugin. Eu sei porque eu estava lá. No maior congresso conservador que já houve na Rússia, não havia nem Ku Klux Kan nem Dugin. Mas havia católicos, havia evangélicos, havia ortodoxos e havia judeus.

Eu só vim a ouvir falar de Dugin através do Olavo. O que mais me preocupa nessa situação é que tanto Olavo quanto Dugin se inspiraram no bruxo René Guénon.

Sombra e Luz disse...

Olá sr. Júlio Severo. Há alguns dias atrás li seu artigo sobre René Guénon, intitulado, A premonição “magistral” de René Guénon?

Olha sr. Júlio, sem querer ser muito chato contigo, o sr. já sofre muitas "perseguições", sem querer ser muito desrespeitoso, pois o sr. é mais velho e mais experiente do que eu, mas, enfim, quem é o sr. para, sem haver lido uma linha de Guénon, e admitir com orgulho não ter nenhum interesse pelo autor, avaliando-o secundariamente, como fez, pelas palavras do Olavo e outros, ainda propor a queima de suas obras? inspirando-se em São Paulo Apóstolo, como se o sr. estivesse em condições de propor algo assim, a partir de um critério tão precário, como que usou para avaliar o autor?

Eu sei que há muito perigo em alguns escritos de Guénon, pois eu o leio há quinze anos. Eu não conheci René Guénon pelo Olavo, eu conheci suas obras estudando na Biblioteca Pública. O Olavo foi meu professor e sua relação com a obra de Guénon já foi mais intensa. Ele sabe dos erros que cometeu e não precisa do sr. Júlio Severo, para expor os problemas em relação a isso.

Em seu texto o sr. cita obscuramente passagens de um artigo do Olavo, porém, curiosamente o sr. não cita a fonte, o título do artigo. Eu sei qual é o artigo em questão: Sobre o mapa divino do mundo, 2003.
Curiosamente o sr. cita apenas um pequeno trecho, colhido ao acaso? ou por conveniência sua? como este:

"Em 2003, Olavo refutou os que diziam haver alguma ligação entre ele eGuénon, e desmascarouas premonições falhas do bruxo que não conseguiu ver a China se tornando comunista, mas ao mesmo tempo não deixou de reconhecer: “Guénon é sem dúvida um sábio, e tenho pelos seus ensinamentos um profundo respeito.”

O sr. esqueceu de citar o resto da frase do Olavo:

"... mas, além de não me considerar discípulo ou seguidor de quem quer que seja — a palavra “guru” sendo usada ali no sentido elástico e polissêmico que lhe dá, aliás, por vezes o próprio René Guénon —, não vejo como poderia me submeter a esses ensinamentos quando se voltam contra realidades patentes."

Então, tome tento de suas palavras acusadores sr. Júlio. O sr. gosta de acusar muito os outros, o sr. já me acusou de coisas, quando discutimos sobre rock e heavy metal. Isso é muito feio para um cristão.

Há muitos estudos importantes de Guénon. A obra dele está acessível. Guénon já havia declarado que o protestantismo não era religião. Discordo dele. Há muita coisa criticável e reprovável nas obras de Guénon, como nas obras de qualquer ser humano. Nenhuma obra humana é perfeita. Nem a sua. Só Deus é completo ou perfeito. O fato de René Guénon ter problemas em sua obra, problemas que podem ser perigosos, admito, não lhe dá o direito de impugná-lo e invalidá-lo completamente, ainda mais que o sr. confessa não o haver lido. Mas se o sr. ler o grande estudo sobre a história da Igreja, de RICARDO DE LA CIERVA - LAS PUERTAS DEL INFIERNO - LA HISTORIA DE LA IGLESIA JAMÁS CONTADA, ali o sr. saberá muitas coisas horríveis sobre Martinho Lutero e sua heresia. Caso já tenha lido, comente. Se o sr. não se interessa por nenhuma linha René Guénon, não o julgue levianamente.
Mesmo assim, eu não vou deixar de ler seus estudos sr. Julio, pois sei que tem importância, aprendo muita gente. Com Olavo, com vc, com os filósofos, escritores, grandes psicólogos, com Caio Fábio, que o sr. vive atacando. O Caio está cheio de defeitos, mas ele também sabe ensinar muitas coisas boas. Eu sei disso. Eu não impugno ninguém, pois não me acho no direito disso, e muito menos tenho capacidade "magistral" de compreender as intenções dos outros. Eu busco compreender, mesmo que leve tempo. Por tanto, procuro suspender minhas convicções, ter prudência nas interpretações.

Agora ficam esse bando de puxa sacos ai, em cima, falando mal do Olavo.

Sheyla Silva disse...

Mr. Sombra (Não me atrevo a incluir Luz…) vossa senhoria é um show. Quer condenar o dono do blog sem respeitar suas convicções claramente evangélicas. Ora, vossa senhoria disse “quem é o Severo para propor a queima dos livros do bruxo se inspirando em São Paulo Apóstolo”. Vossa senhoria gostaria que ele se inspirasse em quem? Em vossa senhoria, que condenou Severo por rejeitar o bruxo Guénon; no entanto vossa senhoria condenou Martinho Lutero referenciando uma obra de onde “o sr. saberá muitas coisas horríveis sobre Martinho Lutero e sua heresia.” Mais adiante, vossa senhoria diz estar aprendendo “com Caio Fábio, que o sr. vive atacando. O Caio está cheio de defeitos, mas ele também sabe ensinar muitas coisas boas. Eu sei disso. Eu não impugno ninguém, pois não me acho no direito disso, e muito menos tenho capacidade "magistral" de compreender as intenções dos outros”.
Então, para vossa senhoria, Severo e Lutero estão errados, pois foram impugnados pelo juízo arbitrário de vossa senhoria. Porém o feiticeiro Guéno e Caio Fábio não boas fontes, pois vossa senhoria não os impugnou.
De fato, Severo tem defeitos. Um deles foi publicar o comentáro escrachado do seguidor de Guénon. Se fosse eu mandaria vossa senhoria catar coquinhos o asfalto.

Sombra e Luz disse...

Sr. Julio Severo, que me desculpar com o sr. Não era minha intensão causar mais ataques, nem incentivar a mais atritos entre as pessoas. Eu estava apenas discordando de uma opinião. Acho que fui mal educado, então me desculpo.

PS: Senhora Sheyla Silva, pode deixar, que isso é entre eu e o Julio.

Thiago disse...

Julio,

Veja q artigo interessante:

http://catolicidadetradit.blogspot.com.br/2014/12/olavo-hegel-de-carvalho-sobre.html?m=1

q vc acha amigo?

Thiago disse...

Nossa Júlio! Vê +esse aqui:

http://catolicidadetradit.blogspot.com.br/2015/02/deus-segundo-olavo-gnose-reeditada.html?m=1

ney pimentel gomes disse...

o que esse ''bruxo'' falou é a mais pura verdade a salvaçao daeuropa e tambem das americas passa pelo vaticano,por que se depende das seitas vagabundas protestantes nois estaremos todos fudidos .

Cristiano disse...

Acerca da Inquisição católica e o modo como Olavo a defende acusando os evangélicos de inquisições piores, é a velha tática comunista que ele aprendeu em seus tempos vermelhos: ACUSE OS OUTROS DO QUE VOCÊ FAZ. Não foi Lênin quem disse isso? Acuse a Igreja Católica de Inquisição e o Olavo tem a resposta lenista pronta: Acusar as igrejas evangélicas de inquisições infinitamente maiores. Eu achava que o Lula era o único megalomaníaco do Brasil, porém vejo que isto é um problema brasileiro pervarsivo, independente da cor ideológica.

Marcelo disse...

Caro Julio,
Entendo sua preocupação e admiro seu cuidado em alertar os leitores do seu Blog, quanto ao perigo de se deixar levar pelo pensamento desta ou daquela pessoa, em detrimento da Palavra de Deus.
Também tenho procurado ter o cuidado de analisar aquilo que as pessoas dizem, clamando sempre a Deus para que me guarde das astutas ciladas do diabo.
Sò o fato daquela pobre alma (Professor Olavo) dizer tantos palavrões, jà è o suficiente para ser digna de compaixão, pois a Palavra nos adverte que: "de uma fonte não pode sair duas águas".
Eu sempre me pergunto, no que se refere ao Professor Olavo: como pode uma pessoa tao culta, no tocante aquilo que estuda, estar tao longe do Senhor?
Quando vejo isso, me recordo do versiculo que diz: "os judeus pedem sinais e os gregos buscam sabedoria, mas nòs pregamos a Cristo crucificado, escandalo para os judeus e loucura para os gregos".
Que Deus tenha piedade de todos nòs!!!

Leandro Diniz disse...

Só Deus sabe se cada um será salvo ou não. Há cristãos católicos, protestantes e ortodoxos. Não é só porque alguém não concordo com a sua visão que ele irá para o inferno.

Só Deus sabe o que se passa no íntimo de cada um. Se o Olavo fala palavrão, ele tem razões para isso e já explicou diversas vezes. Nunca assisti uma aula dele em que ele proferisse uma palavra de baixo calão. Se o Olavo acredita nas profecias de Fátima, ok. Mas não diga jamais que alguém não será salvo por isso ou por aquilo.

A única coisa que li do Guenon (A falácia espírita) me fez sair fora do espiritismo quando era mais jovem. Ou seja, mesmo o Guenón, cuja biografia não conheço; não é de todo ruim.

Agora, nenhum homem me aproximou mais de Cristo do que o Olavo. Por isso tenho por ele um profundo respeito e admiração.

PS: não sou católico, nem ortodoxo. Por definição, só posso ser protestante. Mas não frequento nenhuma denominação. Já fui em várias e detestei. Nem por isso acho que as pessoas que ali estavam condenadas à Segunda Morte. Leio a Bíblia e peço ao Espírito Santo para me dar entendimento. Longo texto para dizer: salvação é individual e cabe a Deus julgar.

Lucas disse...

Leandro, você nem sequer pode ser considerado "protestante" Você afirma: "não sou católico, nem ortodoxo. Por definição, só posso ser protestante", como se a crença protestante fosse admitida por um processo de eliminação. E qual motivo alguém teria para falar palavrões, quando Jesus disse que "a boca fala do que está cheio o coração" (Mt.12:34), e Tiago declarou:

"Se alguém se considera religioso, mas não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo. Sua religião NÃO TEM VALOR ALGUM!" (Tiago 1:26)

Mas de todas as coisas, afirmar que nenhum homem aproxima mais de Cristo do que Olavo, chega a ser blasfêmia. Infelizmente, uma multidão de pessoas acredita que basta ser um "anti-petista" (ou "anti-comunista") que já se torna, automaticamente, um "bom cristão". Não sei como que um homem que só fuma e xinga, e que incentiva seus seguidores fanáticos a seguirem seu exemplo e fazerem o mesmo, pode aproximar alguém de Cristo simplesmente por levar para mais longe do PT. Não é isso o que vemos. O que vemos é uma porção de jovens evangélicos com mente fraca, instáveis e desorientados, que nada conhecem de fato do Evangelho, migrando para o catolicismo por pensarem que para ser conservador de direita tem que ser católico. E o Olavo é o principal responsável por essa apostasia.

Solange disse...

Conheci o Dugin através do Olavo (Truespeak, Mídia Sem Máscara). A minha impressão é que os dois têm elevada admiração pelo Rene Guenon, a quem Severo chama de bruxo. Me parece que Dugin é uma espécie de Olavo russo, e o Olavo é uma espécie de Dugin brasileiro.

Jonas disse...

Júlio,

Excelente artigo! Obrigado!

Acho que você tem um papel importante a desempenhar com relação a esse tema porque, assim como Olavo de Carvalho foi um meio para levar muitos católicos romanos a René Guénon, você foi um meio para levar muitos evangélicos a Olavo de Carvalho. Vejo que você foca bastante seu trabalho no ataque a cristãos protestantes calvinistas. Se me permite, acredito que deveria desviar o foco para a reparação desse erro mencionado acima.

Respeitosamente,

Jonas

Evangélico liberto, ex-olavete disse...

Caro Júlio, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Irmão, queria agradecê-lo pelo alerta feito em seu texto "A premonição "magistral" de René Guénon?". Confesso que estava embriagado com os escritos de Olavo de Carvalho, a ponto de recepcionar quase todos os seus pontos de vista como sendo de absoluta confiança. De um tempo para cá pude observar algumas das atitudes desse escritor, dentre as quais, destaco sua reação nada pacífica diante das críticas ao seu pensamento. E quando nos dispomos a escutar a voz do Espírito Santo, o Senhor vem e tira as escamas dos nossos olhos, por isso hoje olho com muita atenção ao que é propagado por esse filósofo. Em adendo ao seu texto, encontrei uma publicação em um sítio católico tradicional, que levanta sérios questionamentos sobre a relação de Olavo de Carvalho com autores de ideias nitidamente anticristãs. Logo abaixo, deixarei o link, caso se interesse em ler. No mais, reforço meus agradecimentos e saúdo o irmão pela defesa da genuína fé cristã. Que o Espírito Santo guie a sua vida em sabedoria e em fraternal amor.

Link da Associação Cultural Montfort: http://www.montfort.org.br/old/index.php?secao=cadernos&subsecao=religiao&artigo=guenon&lang=bra

Grande abraço,

Julio Severo disse...

Duguinista. As olavetes (seguidores do Olavo) chamam qualquer discordante de “duguinista,” acusação que é lançada até contra mim, embora eu não tenha um único artigo de Aleksandr Dugin no meu blog nem nunca elogiei esse filósofo russo, que é um admirador do bruxo René Guénon, um francês católico que se converteu ao esoterismo islâmico.

Outro grande admirador desse bruxo islâmico é o filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, que, como o próprio Guénon, conhece muito bem o Corão em árabe.

A conexão comum deles — Guénon — faz de Olavo um Dugin brasileiro e de Dugin um Olavo russo?

Se faz, então nesse sentido, somente nesse sentido, a acusação de duguinista contra mim tem base, pois tenho, no meu blog, vários artigos escritos pelo Dugin brasileiro.

Minha fraqueza é apoiar posturas pró-vida e pró-família desde papas até filósofos. Continuarei apoiando essas posturas do Olavo e manterei seus artigos no meu blog, embora ele seja tão guenista (admirador do bruxo Guénon) quanto Dugin.

Julio Severo disse...

Conhecendo a natureza radical das olavetes, imagino que os duguinistas (seguidores do Dugin) não devem ficar atrás. Guénon seguia um islamismo esotérico e queria um catolicismo esotérico. Como admirador de Guénon, provavelmente o Dugin quer uma Igreja Ortodoxa Russa esotérica. E é difícil dizer que Olavo não quer uma Igreja Católica esotérica.

Julio Lins disse...

Oi Júlio, e o q vc acha do Aldous Huxley e sua "profecia" sobre a vida sexual no futuro? Algo satânico?

Julio Severo disse...

Júlio Lins, sobre Aldous Huxley não sei. Mas no caso do Guénon, a questão não foi somente a premonição dele. Guénon era de fato considerado um bruxo, no sentido rigoroso da palavra.

Julio Severo disse...



Olavo de Carvalho precisa de oração, libertação e conversão. Tempos atrás, ele publicou, em seu velho estilo dramático, um post de Facebook dizendo: “reproduzo aqui a correspondência trocada com o parceiro americano do Julio Severo, Donald Hank.”

Hank, que sempre foi amigo do Olavo, traduziu, gratuitamente, o primeiro artigo do Olavo já publicado no WND (WorldNetDaily).

Olavo está indisposto com Hank e se sentiu ofendido numa correspondência que tratava desde palavrões até a Rússia e suas posturas conservadoras.

Sobre palavrões, nem é preciso dizer muito. Olavo JAMAIS publicará palavrões em inglês nos EUA, pois ele sabe que esse comportamento é detestável para os conservadores americanos. Em contraste, a esquerda americana, no que se refere a palavrões, é igualzinha ao Olavo, sem tirar nem por. Mas os conservadores americanos são totalmente intolerantes com boca suja. Olavo sabe disso.

Sobre a Rússia, como tenho mostrado no meu blog, o Rev. Franklin Graham, presidente da Associação Evangelística Billy Graham, esteve recentemente na Rússia e tem escrito muito sobre as posturas conservadoras de Putin e a Rússia. Enquanto a ocupação quase que exclusiva do Olavo é atacar a Rússia e enxergar mirabolantes teorias de conspiração em tudo, Graham faz análises com os pés no chão. Diferença: os posts anti-Rússia do Olavo atraem em seu Facebook no Brasil uma média de 2 mil curtidas. Enquanto isso, os posts pró-Rússia de Graham nos EUA atraem em média 200 mil curtidas. Isto é, mesmo fazendo de seu Facebook um grande circo com shows de palavrões e obscenidades, Olavo consegue atrair uma plateia de focas amestradas de apenas 1 por cento (isto mesmo, UM POR CENTO) do público de Graham.

Estou com Graham, porque ele está certo. Graham consegue argumentar como um cristão sem uso de boca suja, sem uso de metodologia esquerdista.

Mas agora Olavo quer que Hank se desculpe, porque o pobre Olavo se sente ofendido. Velha tática soviética: acuse os outros do que você faz. Olavo tem feito isso abundantemente na questão da Inquisição, atribuindo aos protestantes crimes maiores e piores do que os crimes da Inquisição, comprovando assim que ele saiu do comunismo, mas a metodologia comunista nunca saiu dele.

Hank precisa pedir perdão pelo quê? Por ter tentado argumentar com o Olavo sem o uso de palavrões? POR TER DITO QUE OLAVO DETESTA DIVERGÊNCIAS ÀS SUAS OPINIÕES?

Para ser honesto, Olavo não deveria ter dito apenas “o parceiro americano do Julio Severo, Donald Hank.” No próprio instituto presidido pelo Olavo, tenho amizade com as pessoas mais importantes dali. Conheço alguns ali muito antes do Olavo saber que eles existiam.

São pessoas que, quando preciso, me dão bons conselhos. Um deles me recomendou um livro mostrando como Putin é difamado na imprensa ocidental. Dentro do círculo dos americanos que Olavo poderia chamar de amigos e aliados, pouquíssimos são os que aceitam suas ideias extremistas contra a Rússia. E NENHUM DELES, ENTRE OS EVANGÉLICOS, ACEITA PALAVRÕES.

De novo, fico com o Rev. Franklin Graham.

Julio Severo disse...



Só para lembrar: Embora um evangélico seja seu dono, o WND tem colunistas católicos, especialmente o Pat Buchanan, que já foi candidato presidencial pelo Partido Republicano. Buchanan, que era assessor do presidente conservador Ronald Reagan, é um destacado líder católico pró-vida e pró-família, muito mais conhecido do que Olavo. Buchanan tem sustentado uma linha de denúncia aos neocons, que demonizam a Rússia em tudo.

Enquanto Olavo segue uma linha geopolítica neocon, Buchanan segue uma linha de combate aos neocons. Buchanan é um católico tradicionalista.

As colunas de Buchanan são publicadas na maioria dos grandes sites católicos conservadores dos EUA. Os artigos de Olavo não são publicados nesses grandes sites. E se fossem, receberiam contestação e questionamento dos leitores americanos, conduta que nem católicos nem evangélicos do Brasil parecem estar dispostos a mostrar diante do “mestre” Olavo. E se tivessem coragem de mostrar, seriam sujeitos à Inquisição de bloqueios e uma rajada de palavrões.

Se Olavo tivesse razão em tudo, todos os seus artigos seriam publicados em todos os grandes sites conservadores dos EUA e até do Vaticano. Se ele tivesse razão em tudo, ele seria um deus — o deus que tem UM POR CENTO das curtidas de Graham.

Don Hank não é meu único nem maior amigo nos EUA. Conheço também Scott Lively, que é hoje o maior especialista americano em questões da agenda gay. Lively tem a mesma postura, sobre a Rússia, que Graham, eu e Hank.

Se Olavo abrir um Facebook em inglês e demonstrar para o público americano o mesmo comportamento que ele demonstra em português, é certo que em vez dos só 1% dos 200 mil do público do Franklin Graham, ele se reduzirá muito para muitos menos dos 1%.

Poucos são os americanos com disposição de desempenhar o papel ridículo de focas amestradas apenas para bater palmas para opiniões impensadas de um homem que se trata a si mesmo como um “sábio.”

A Palavra de Deus dá o seguinte alerta sobre essa falsa “sabedoria”:

"Quer ser considerado sábio? Quer ter reputação de quem entende? Esse é o caminho: Aprenda a viver! Escute a sabedoria! Viva com humildade! O que conta é como você vive, não o que você fala. Ambição de espírito não é sabedoria. Sair dizendo que é sábio não é sabedoria. Torcer a verdade para parecer sábio não é sabedoria: Está longe da verdadeira sabedoria. É pura malandragem! É diabólico."

Tiago 3:13-15 A Mensagem

Julio Severo disse...

“Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” (Colossenses 2:8 NVI)

Este versículo foi o tema da pregação ontem na igreja aqui onde frequento. Às vezes nos esquecemos de que, para problemas atuais, Deus já tinha uma resposta perfeita registrada na sua querida Palavra. Ele de fato nunca nos deixa sem luz.

Lílian Souza disse...

As fontes do Olavo de Carvalho precisam ser expostas para análise do público em geral e evangélico. Creio que houve um afastamento considerável de evangélicos que antes o acompanhavam. Mas, infelizmente, os brasileiros são especialmente vulneráveis a pessoas carismáticas e persuasivas e Olavo de Carvalho, por meio dos xingamentos e ataques vis, costuma espantar qualquer crítico bem intencionado. No entanto, toda figura influente precisa ser confrontada vez ou outra e Júlio Severo realiza um bom trabalho nisso.
Quanto a influência de René Guénon no meio evangélico, desconheço qualquer citação a respeito dele. Quanto a "escritora da Editora Vida Nova", talvez Júlio Severo tenha confundido com René Girard, figura muito citada no blog de uma "escritora da Editora Vida Nova". Vale a pena verificar se realmente não houve engano.

Ana Paula disse...

O QUE GRANDEMENTE ME REVOLTA É QUE OLAVO DE CARVALHO, QUE ESTÁ CONVERTENDO EVANGÉLICOS EM CATÓLICOS SOB UMA CAPA CONSERVADORA, TEM UM FILHO ISLÂMICO QUE SEGUE OS PASSOS DELE QUANDO ESTAVA MERGULHADO O OCULTISMO ISLÂMICO. SE OLAVO QUER CONVERTER, FAÇA ISSO COM O FILHO DELE, QUE PELO VISTO SÓ SE CONVERTEU PARA O ISLAMISMO. OUTRO FILHO DO OLAVO É ASTRÓLOGO E OCULTISTA. A PRÓPRIA FAMÍLIA DO OLAVO, E ELE, PRECISANDO DE CONVERSÃO E OS EVANGÉLICOS BOBOS DEIXANDO ESTE HOMEM ESPIRITUALMENTE CONFUSO CONVERTÊ-LOS. REVOLTANTE!

Julio Severo disse...

Uma coisa que gosto muito nos leitores americanos, especialmente conservadores, é que eles leem e questionam o que leem, especialmente as fontes. Diferente do leitor brasileiro, que acha que quem tem mais conhecimento é autoridade final e infalível.

O leitor americano geralmente tem muito conhecimento. Se não tem, o busca para entender melhor o assunto que lê. Esse é o motivo por que não existe um clube de olavetes nos EUA, onde o Olavo não ousa, EM INGLÊS, dizer palavrões nem xingar os protestantes americanos, como ele faz em português. Ele é esperto o suficiente para esconder sua sujeira em português, sem revelá-la em inglês. Se ele começar a escrever em inglês coisas que normalmente ele escreve em português, que a Inquisição foi invenção dos protestantes, ele perderá vez e voz nos EUA. Com esse tipo de conhecimento, Olavo só pode fazer sucesso no meio de ignorantes do Brasil.

Eu sempre defendi o Olavo nos pontos específicos da minha agenda pública de luta contra o aborto e agenda gay. Fora isso, eu sabia que ele tinha coisas que não valiam a pena ler. Quando ele recomendava o bruxo islâmico René Guénon para leitura entre seus estudantes e seguidores uns 13 anos atrás, nunca segui. Só o recomendei nos pontos pró-vida, inclusive homeschooling.

Mas quando ele, por iniciativa própria, resolveu me agredir verbalmente em 2013 por causa da Inquisição, da qual discordo e que ele defende, aí precisei estudar um pouco mais o assunto, resultando que já escrevi alguns artigos, tanto em inglês quanto em português. Meus artigos sobre Olavo e Inquisição foram publicados em grandes sites conservadores dos EUA. Por que? Porque os americanos viram que minhas fontes são boas e confiáveis. Se o Olavo tentar expor em grandes sites conservadores dos EUA suas opiniões radicais pró-Inquisição, ele será questionado e contestado por um grande público.

Gostaria que o público brasileiro tivesse essa capacidade americana de ler, analisar, questionar e contestar, mas infelizmente não tem.

É desse tipo de público ignorante que o Olavo depende para fazer sucesso, inclusive com suas teorias sobre Inquisição, que em nada diferente do marxismo.

Flávio disse...

Júlio você mesmo pode denunciar Olavo para os conservadores americanos, pegue os textos dele em português cheios de palavrão, ódio ao protestantismo e amor a inquisição e tratuza para inglês, assim olavo vai perder mais ainda voz entre os americanos.

Flávio disse...

Ocultismo é perigoso mesmo, na adolescência estive rebelde contra Deus, tinha abandonado mesmo, onde fui parar? Em Anton LaVey... Graças a Deus esse tempo já passou.

Julio Severo disse...

Olavo de Carvalho chama evangélicos de “evanjegues,” debochando deles como jegues (que também significa burros, asnos, jumentos, etc.). Ele disse:

“A credulidade com que tantos evanjegues ouvem pastores semi-analfabetos, drogados, ladrões e putanheiros é a oitava maravilha do mundo.”

Ele com certeza deve estar se referindo ao Pr. Marco Feliciano, a quem dias atrás ele insinuou que levou uma mocinha a um motel. Confira a insinuação neste link: http://bit.ly/2bfEZjO

E os alunos evangélicos dele são também evanjegues por pagarem uma taxa mensal no COF (Curso Online de Filosofia)?

Para deixar de ser “evanjegues” o evangélico tem de se matricular no COF, deixar a Bíblia de lado e tratar as palavras (inclusive palavrões) do Olavo acima da Palavra de Deus?

Mais da metade dos membros do instituto do Olavo nos EUA são evangélicos. Eles também são evanjegues? Eles já sabem que o Olavo trata os evangélicos brasileiros como evanjegues? Ou a barreira da língua os impede de ler as asneiras que o Olavo escreve em português?

Nesse ponto, fazendo um trocadilho com as palavras do próprio Olavo, digo:

“A credulidade com que tantos evanjegues se abaixam para ser pisoteados, xingados e humilhados por um filósofo esotérico é a oitava maravilha do mundo.”

Um desses “evanjegues,” o próprio Feliciano, chamou Olavo de “verdadeiro profeta” no Congresso Nacional. Mais evanjegues que isso, impossível. Confira neste link: http://bit.ly/1XHSaHr

Como diz a Bíblia, dizendo-se “sábios,” tornaram-se loucos.

Fonte: Facebook Blog Julio Severo