31 de maio de 2014

Cristãos brasileiros: “Destino profético” com Israel


Cristãos brasileiros: “Destino profético” com Israel

Chris Mitchell
Comentário de Julio Severo: Anos atrás, estive com o Dr. Chuck Pierce e ele disse que Deus havia lhe mostrado que em 2008 Deus havia removido a unção que Ele tinha sobre a nação americana desde que os peregrinos americanos haviam feito uma aliança com Ele. De acordo com Pierce, Deus daria essa unção para outra nação, que se tornaria então a maior potência mundial. Ele disse que o Brasil poderia ser o escolhido, contanto que se aproximasse muito de Israel. Deus pode estar então usando lideranças cristãs brasileiras, inclusive a cantora Ana Paula Valadão, para essa aproximação, conforme a reportagem abaixo da CBN News, que tem o vídeo que está em inglês. Mas quando Deus tem um grande propósito, o diabo tenta também infiltrar seu veneno. A Teologia da Missão Integral (TMI), que há seis décadas infecta a IPB e outras igrejas protestantes históricas do Brasil, começou recentemente sua infecção na Igreja Batista da Lagoinha. Se essa infecção vai se alastrar ou não para atrapalhar o mover profético de Deus não sabemos. Mas os intercessores precisam vigiar e orar. Quer saber o que uma igreja “madura” na TMI pensa sobre Israel? Veja um alerta que mostra que a TMI tem feito com que os cristãos se distanciem do apoio a Israel: “Mensageiros palestinos: Como Cristo e os cristãos são usados para promover a causa palestina”
Eis agora a reportagem da CBN News:
JERUSALÉM, Israel — A Bíblia diz que muitas nações irão à cidade de Jerusalém para adorar ao Senhor.
Isso ocorreu recentemente quando um grupo de brasileiros foi à Torre de Davi na Velha Cidade de Jerusalém para adorar.
Desde a tarde até a noite, os brasileiros se reuniram para celebrar o Deus de Israel.
Ana Paula Valadão conduziu a adoração. No Brasil, ela tem conduzido concertos com o comparecimento de um milhão de pessoas. Ela crê que o Brasil tem um destino especial com Israel.
“Creio que a nação brasileira está se levantando para orar pela paz de Jerusalém,” Ana Paula disse a CBN News.
Seu marido, Gustavo, disse que muitos brasileiros estão indo a Israel para esse próprio propósito.
“Muitos brasileiros de todo o Brasil, estão estão indo para Israel a fim de orar — orar por Israel e orar pelo Brasil neste lugar, nesta nação,” disse ele.

Hoje, o Espírito Santo está levantando guerreiros de oração.
“Temos um grande papel nisso pois o Brasil está em reavivamento,” disse Ana Paula. “E o Espírito Santo está levantando intercessão em favor dos tempos finais.”
Ela acredita que o reavivamento está mudando o Brasil.
“Hoje temos quase 40 por cento da população declarando que são cristãos que nasceram de novo, e as igrejas estão cheias,” disse ela. “As pessoas estão abertas para receber Jesus até mesmo nas ruas.”
Os brasileiros trazem exuberância para sua adoração.
“O dom redentivo do Brasil, essa alegria, essa celebração para Jesus — e é por isso que o trazemos para Israel, pois é nosso dom redentivo,” disse Gustavo.
“Cremos que temos um destino, um destino profético de abençoar e trazer a Segunda Vinda do Senhor,” Ana Paula disse.
Traduzido por Julio Severo da reportagem da CBN News: Brazilian Christians: “Prophetic Destiny” with Israel
Leitura recomendada:

30 de maio de 2014

A vitória de Maquiavel


A vitória de Maquiavel

Dr. Fábio Blanco
Existe quem analisa a política e existe quem faz política. São duas categorias de pessoas completamente diferentes. Aqueles, invariavelmente, são idealistas, acreditam em um mundo melhor, acreditam que há uma ética que dirige o jogo político e que o bem comum deve ser a principal preocupação de quem vive a política. Estes, no entanto, é como se vivessem em um mundo paralelo, onde todas aquelas preocupações dos analista não passassem de conversas de infantes.
A política real é um teatro. Há o palco e há os bastidores. Naquele se apresentam os artistas, com seus discursos que tentam convencer os ouvintes que o que dizem é verdade e que suas preocupações mais importantes são o desenvolvimento e prosperidade da nação. Por trás desse jogo de aparências, porém, há a verdadeira política, com seus conchavos, seus acertos, suas alianças obscuras e seus interesses mais egoístas.
Por isso, tentar entender a política apenas como uma disputas de forças, como fazem muitos analistas e articulistas, é inútil. Há, nela, muito mais do que lutas entre ideologias e visões de administração. Há, de fato, uma corrida por poder, que é o que move quase todos os políticos.
Nesta disputa não há inocentes. Se houver, é extirpado do jogo em bem pouco tempo. Na vida pública, parlamentar e governamental, a sobrevivência depende de muita malícia e jogo de cintura. Nela, o mais bobo dá rasteira em cobra. Não há espaço para escrúpulos exagerados. É por isso que alguns psicólogos afirmam que, na política, boa parte de seus participantes possui algum grau de psicopatia.
É certo que a política é a arte de dirigir as coisas para os fins pretendidos. Os meios, portanto, geralmente são vistos como o caminho a ser percorrido, sem grandes preocupações com suas implicações morais. Na verdade, o que move um político, homem público, é a opinião pública, ou melhor, a opinião daqueles que são seus potenciais eleitores. A única ética que conta é a da manutenção da boa imagem pessoal.
Maquiavel, decididamente venceu! Quase mais nenhum político se sente constrangido pela moral. Não há impedimentos éticos quando a questão é a conquista do poder e seus ganhos acessórios. O político atual se sente limitado somente pela lei. E se ele consegue driblá-la, então, não há mais barreiras para seus intentos.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
O profeta e o cabo-eleitoral

Pra que serve a Bancada Evangélica?


Pra que serve a Bancada Evangélica?

Thiago Cortês
“O governo ideal de qualquer homem dado à reflexão, de Aristóteles em diante, é aquele que deixe o indivíduo em paz — um governo que passe quase desapercebido” – H.L. Mecken.
A Lei da Palmada pouca ou nada tem a ver com palmadas. Ou com os direitos das crianças. Ou com educar pais estúpidos. Ou com a paquita velha Xuxa. Ou com o menino Bernardo.
Ela tem mais a ver com a heresia dos que pretendem substituir Deus pelo Estado, nossa consciência pela legislação, nossas referências morais por burocratas arrogantes.
Somos humilhados, subestimados, roubados, vilipendiados, reduzidos a pagadores de impostos, tratados como bestas de cargas e idiotizados, dia após dia, por um Estado que pretende ser nosso pai, nossa mãe, nossa religião e, no limite, “nosso” deus.
A Lei da Palmada é mais um instrumento nas mãos daqueles que desejam bisbilhotar nossa privacidade, controlar nossas famílias, “corrigir” nossos hábitos e destruir a confiança que temos na nossa bússola moral interior que nos foi concedida pelo próprio Deus.
Querem substituir nossa bússola moral pelas leis dos homenzinhos que sonham com um Estado babélico que atinja as esferas divinas, impondo-se como Guia Moral Absoluto.

Aliados

Os babélicos de Brasília estão construindo, lei após lei, mentira depois de mentira, tragédia em cima de tragédia, o seu gigantesco Estado babélico. Uma vez que ele esteja erguido, qual um Guia Moral Absoluto, nenhum reles mortal aqui embaixo achará errado ou contraditório que a proibição das palmadas venha acompanhada da legalização do aborto.
Mas que ninguém se engane! O Estado babélico é obra feita em parceria. Nos momentos em que alguns cristãos, aqui embaixo, ameaçam derrubar o ídolo dos babélicos, ocorre uma rápida e engenhosa operação de apaziguamento por parte da Bancada Evangélica.
Os membros da Bancada Evangélica passam o tempo inteiro esbravejando contra o ídolo em construção, ganhando apoio da multidão aqui embaixo, mas nos momentos cruciais, quando há uma fagulha de resistência, reagem como exemplares agentes de pacificação.
Quando um deputado resolveu questionar no Congresso a hipocrisia dos defensores do Estado babélico, em sua maioria defensores do assassinato de bebês, e o marketing vulgar da paquita chorosa, os demais membros da Bancada Evangélica o repreenderam, cassaram sua voz e expulsaram do recinto sua moralidade cristã “incorreta” em favor decoro dos imorais.
Radical expulso, os babélicos rodearam a alma pornográfica que desfilou lágrimas televisivas, em puro êxtase demagógico. É sempre um espetáculo, a hipocrisia líquida.
Os membros da Bancada Evangélica passam quatro anos esperneando contra a idolatria do Estado. Mas no ano em que tudo pode mudar eles resolvem fechar acordos com os babélicos.
Tiram fotos com líderes babélicos, discursam e choram em favor deles e sua idolatria.
Os deputados evangélicos anestesiam a multidão de cristãos com garantias de que os idolatras em Brasília são sensíveis à lei moral de Deus e que eles até oram, lá de cima, como os cristãos aqui embaixo, o que seria uma prova de que no fundo também são cristãos.
Fomos derrotados pelos idolatras — mais uma vez. Mas eles tiveram a ajuda fundamental de deputados evangélicos — mais uma vez. Os idolatras não poderiam ter aliados melhores.
Da próxima você que você olhar para o horizonte tente imaginar o tamanho que o abominável ídolo já ganhou. A sua herética altura agora só poderá ser contida pelo próprio Deus.
Pense nos idólatras invadindo nossos lares para educar nossos filhos sobre a superioridade da ideologia babélica. Imagine isso e reflita: pra que serve a Bancada Evangélica?
Leitura recomendada:
Sobre a Lei da Palmada:
Sobre a bancada evangélica:
Forças e fraquezas da bancada evangélica no Congresso Nacional

29 de maio de 2014

Sanções russas parecem ligar agenda gay à crise na Ucrânia


Sanções russas parecem ligar agenda gay à crise na Ucrânia

Dr. Scott Lively
Um artigo do jornal Daily Beast, intitulado “Putin Impõe Sanções Secretas em Homossexualistas que Apoiaram a Campanha de Obama,” comenta que “um foco foi colocado nas empresas que têm laços com a comunidade gay e lésbica; reflete a continua batalha entre o Kremlin e a Casa Branca por causa das leis da Rússia que punem a promoção da propaganda LGBT.”
Depois de mostrar que a segunda rodada de sanções dos EUA contra a Rússia curiosamente não tem relação com a Ucrânia, a própria lista sanções da Rússia contra os EUA destaca os homossexualistas que apoiam Obama. Já que os russos acreditam que as sanções devem ter relação com a Ucrânia, parece que a lista russa liga à crise ucraniana a briga toda por causa da agenda homossexual.
Pessoalmente, penso que os motivos de Obama e o momento em que o golpe ucraniano ocorreu (e a subsequente campanha para uma guerra) estão sendo influenciados pelo menos em parte pela postura inequívoca de Putin contra a perversão homossexual.
Como líder de longa data no movimento pró-família que fez uma turnê em seu país em 2006 e 2007 defendendo a própria lei que você sancionou, quero prevenir você a não presumir que você resolveu totalmente o problema com a sanção dessa lei. A batalha para proteger sua sociedade da homossexualização apenas começou, e você poderá ficar surpreso de descobrir nos próximos meses e anos que muitos líderes mundiais começarão a trabalhar agressivamente para tentar intimidar você e forçar você a se render às exigências homossexualistas.
Poucas agendas políticas na história da humanidade tiveram a tenacidade e determinação do movimento homossexualista. Seus ativistas são movidos por uma militância implacável e fervor de avançar seus próprios interesses egoístas que rivalizam até com as seitas religiosas mais fanáticas. Dá para se ver um vislumbre do espírito por trás desse movimento em Gênesis 19:4-11.
Em apenas cinquenta anos esse grupo periférico que representa apenas 2% da população tem, por meio de pura força de vontade e intimidação, ganhado mais influência política nos poderes legislativos e tribunais do mundo ocidental do que a igreja cristã. A conduta sexual que define sua identidade como indivíduos e como movimento era quase universalmente ilegal e proibida durante os anos em que nossas duas nações estavam aliadas contra a ameaça do nazismo, mas pouco mais de meio século depois os líderes homossexualistas e seus representantes ocupam a maioria dos cargos de poder no Ocidente, e estão crescendo no Oriente e nas nações em desenvolvimento também.
Ao preparar sua sociedade para reconhecer e confrontar as iniciativas do movimento de militantes gays é importante compreender que a propaganda e as políticas deles seguem o conto de que toda censura à homossexualidade leva inevitavelmente ao ódio, violência e assassinato de homossexuais. Todas as políticas pró-homossexualismo dos Estados Unidos e da Europa se apoiam nessa premissa implícita e inquestionável, mas fictícia. Portanto, o movimento homossexualista não está simplesmente buscando tolerância social, ou aceitação, mas poder e controle politico. Eles querem o poder de reprimir toda desaprovação à homossexualidade na sociedade russa e forçar todos os cidadãos (principalmente os jovens) a adotar a opinião de que a conduta homossexual é boa e normal.
Eles pedem igualdade, mas logo que conseguem todos os ideais sociais que exploraram para chegar ali, tais como tolerância social, liberdade de expressão e respeito pela diversidade cultural, vem o descarte desses ideais. Em lugar desses ideais introduz-se uma nova cosmovisão e moralidade reversa e invertida que condenam toda desaprovação à homossexualidade como uma nova forma imaginária de intolerância. Chamo esse fenômeno de “homo-fascismo” e o defino como uma forma de extremo radicalismo esquerdista e retrógrado que busca estabelecer rígidos controles autoritários sobre todos os discursos públicos e políticas governamentais com relação a normas e boas maneiras sexuais, e sancionar medidas punitivas contra pessoas que discordam por motivo de consciência, punindo ou suprimindo toda desaprovação à homossexualidade e condutas sexuais relacionadas (que evidentemente, muito embora eles neguem, rapidamente incluiriam doutrinação e exploração sexual de crianças).
Nos próximos meses e anos a Rússia e seu povo serão cada vez mais retratados por exagerações abusivas e carregadas de paixão como portadores de ódio e intolerância, decididos a exterminar os homossexuais. Aliás, a campanha de propaganda sobre esse tema já foi iniciada, com filmagens de vídeo professando mostrar neo-nazistas russos batendo em homossexuais agora circulando na internet, junto com a falsa insinuação de que essa é a intenção da lei russa.
Quando os EUA e a Europa patrocinaram o golpe de Estado na Ucrânia, apontei para o fato de que um fator importante para os ucranianos foi provavelmente a agenda LGBT da União Europeia versus a agenda pró-família da Federação Russa.
Penso que a reportagem do Daily Beast fornece uma leve força à minha hipótese.
Previno os conservadores dos EUA a não formarem fileiras com Obama contra os russos. Há mais coisas nessa crise do que o que a propaganda de guerra e as interpretações distorcidas da mídia ocidental (inclusive de algumas mídias conservadoras) querem que creiamos. Eu por exemplo não fico do lado da horda da Nova Ordem Mundial contra a única potência que está fazendo resistência à agenda homossexual e adotando valores que são bíblicos nas questões da família. Pelo menos não por causa de uma crise geo-política na qual os russos estão claramente certos.
Traduzido por Julio Severo do comunicado de Scott Lively: Russian Sanctions Appear to Link LGBT Agenda to Ukraine Dispute
Leitura recomendada:
Sobre Rússia e homossexualismo:
Sobre crise ucraniana:

28 de maio de 2014

Salvem as baleias, abortem os bebês: as prioridades do Partido Verde


Salvem as baleias, abortem os bebês: as prioridades do Partido Verde

Thiago Cortês
O que você acha dos verdes que exigem proteção total aos animais, às árvores e à natureza em geral, mas militam pela legalização do aborto de bebês humanos?
Foi o que questionei quando li no Gospel Prime a notícia: “Sem Marina Silva, Partido Verde defende o aborto e a liberação da maconha”.  Os verdes brasileiros retomaram a agenda “progressista” da morte que os identifica com os verdes europeus.
É um retorno às origens.  O que os verdes brasileiros estão fazendo é simplesmente afirmar o que sempre foram: pró-aborto e pró-legalização das drogas.
O pré-candidato à presidência do PV, Eduardo Jorge, afirmou em programa de entrevistas que o documento “Viver Bem, Viver Verde”, uma lista de diretrizes programáticas do PV que levanta a questão do aborto e das drogas, é um retorno às teses originais dos verdes:
Todos os temas que estão aí escritos, contam com meu posicionamento há mais de 20 anos. O principal redator do documento sou eu, mas me baseei nos programas do PV e documentos internacionais, as teses originais do partido, que é de vanguarda. Tudo que está aí o PV defende há 30 anos.
Eduardo Jorge reconhece que, entre os eleitores que votaram na candidata do PV em 2010, havia conservadores que foram atraídos pelas convicções pessoais e religiosas de Marina. Afastar o PV desse eleitorado conservador e cristão , garantiu o pré-candidato, não é problema, mas solução.
“Não nos interessa se vamos perder ou ganhar votos ao abordar questões tão importantes (como aborto e maconha). Não vamos fugir delas.”
O PV não se importa os eleitores “conservadores”, os que defendem a vida humana, e com a saída de Marina Silva puderam voltar a afirmá-lo sem maiores constrangimentos.
Tais bandeiras, para os verdes, não servem como atrativos eleitorais, mas para afirmação de sua identidade ideológica progressista, de esquerda.
A solução encontrada para superar as brigas internas e as baixas no PV [...] é voltar a levantar bandeiras que ficaram esquecidas. Os verdes querem voltar a ser mais verdes, num movimento que estão chamando de “refundação” do partido. O discurso volta a ser o do velho PV, com a defesa pela legalização do aborto e das drogas e a luta pelos direitos dos homossexuais.

Uma agenda da morte e anticristã

A triste verdade é que o ambientalismo é uma máscara para a agenda da morte que o lobby progressista implantou com sucesso em alguns países europeus, onde o aborto de bebês e eutanásia de idosos são tão banais quanto colocar o lixo para fora de casa.
Na Bélgica, por exemplo, não existem mais limites de idade para a eutanásia. Lá a medida poderá ser solicitada até mesmo por uma criança que apresente sofrimento físico sem tratamento. Sim, a própria criança pode optar pelo fim da vida.
O que chama a atenção é que na vanguarda desta agenda da morte se encontram hordas de verdes que, enquanto lutam pela legalização de meios de extermínio de membros da própria espécie, querem preservar baleias, tartarugas marinhas e acabar com consumo de carne.
O filósofo ateu Luiz Felipe Pondé escreveu sobre a esquerda verde: “É estranho que normalmente quem defenda os animais também defenda o aborto, com a naturalidade de quem pede uma pizza”.
O ambientalismo é o retrato perfeito da esquizofrenia moral dos nossos tempos. E as origens filosóficas do fenômeno verde trazem revelações surpreendentes para os cristãos.
Quando era estudante de sociologia lembro-me de ter ficado encantado um bom tempo com filósofo Peter Singer, o guru dos defensores dos animais e da natureza. Mas percebi que ele defendia a vida dos ratos com o mesmo entusiasmo com o qual aplaudia o aborto de bebês humanos.
Singer acredita que a preservação de ratos e morte de bebês podem ser justificada por um critério simples: a capacidade de sofrimento do ser em questão. Se o rato sofre no laboratório, deve ser liberado. Mas, de acordo com o australiano, bebês humanos não sofrem durante o aborto e, por isso, não há mal algum em matá-los.
O critério de Singer pode ser esticado até atingir deficientes mentais, idosos, crianças com doenças terminais, etc. Não por acaso, o filósofo ficou um tempo proibido de dar palestras na Alemanha.
Infelizmente, Singer permanece como grande influência para os verdes em todo o mundo. No Brasil ele foi entrevistado por um de seus fãs ardorosos, Fernando Gabeira, nome de grife do Partido Verde.
Uma revelação importantíssima sobre o guru dos verdes está contida no excelente “Esquerda Caviar”, de Rodrigo Constantino, que também despertou a atenção para a esquizofrenia moral dos verdes:
Peter Singer, o mais famoso defensor dos direitos dos animais, tem uma ética utilitarista bastante peculiar. Para ele, está tudo bem em se eliminar um bebê deficiente se isso estiver no melhor interesse do bebê (?) e dos seus familiares. Julga medieval a noção de que a vida humana é sagrada, e considera o cristianismo seu grande inimigo.
Se até mesmo os ateus Luiz Felipe Pondé e Rodrigo Constantino se surpreendem com a dessacralização da vida humana empreendida pelos verdes, os cristãos sinceros devem, ao menos, sentir coceiras na alma diante do fenômeno moderno.

Puxando votos para abortistas

A notícia publicada neste portal afirma que “após a saída da ex-ministra Marina Silva do Partido Verde (PV), que em 2010 obteve quase 20 milhões de votos, o PV planeja levar à campanha presidencial de 2014 temas polêmicos como liberar o aborto.”
A verdade dura? Marina jamais fez diferença no Partido Verde. Quando questionada sobre a legalização do aborto em 2010, saia-se com evasivas do tipo “vamos fazer plebiscito”. Os verdes sempre foram, em sua maioria, abortistas. Marina sempre soube disso e nunca se dispôs a enfrentá-los com firmeza, pois sabia que eles são a maioria na legenda.
Além disso, o sistema eleitoral brasileiro foi construído de forma a privilegiar o partido e não o candidato. Quanto mais votos determinado candidato conquista, mais ele compartilha com seus companheiros de legenda, ajudando na eleição de outros nomes do partido.
Ou seja, no fim das contas, a presença de uma puxadora de votos como Marina Silva no PV só seria benéfica para o partido. Se fosse concorrer a uma vaga no Congresso pelo Partido Verde, por exemplo, Marina Silva certamente teria contribuído com a eleição de vários abortistas na sua cola.
É preciso manter um saudável ceticismo diante de modas politicamente corretas como a agenda dos verdes. O mundo é cada vez mais um lugar sombrio e cheio de armadilhas.
Sob a ótica verde, ser politicamente correto significa defender os ratos e liberar o assassinato de bebês humanos. Na verdade, como notou Rodrigo Constantino sobre a esquerda verde:
Parecem mais odiar os homens do que amar os bichos.
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

27 de maio de 2014

Governo do PT comprova seu comprometimento com agenda abortista


Governo do PT comprova seu comprometimento com agenda abortista

Prof. Hermes Rodrigues Nery
Dilma Roussef sancionou a Lei 12.485, abrindo assim brechas para a prática do aborto no sistema SUS, com recurso público. Agora, com a publicação da Portaria nº 415, de 21 de maio de 2014, o aborto passa a ser financiado pelo estado brasileiro na rede pública de saúde.
Os organismos que estão trabalhando internacionalmente pela aprovação do aborto são as Fundações (que planejam e financiam as ações) e as organizações não governamentais (que as executam) e que promovem tudo isso com enormes somas de dinheiro, como as Fundações Ford, Rockefeller, MacArthur, a Buffet (entre as fundações), e a International Planned Parenthood Federation (IPPF, que tem filiais em quase 150 países), a Rede Feminista de Direitos Sexuais e Reprodutivos, as Católicas pelo Direito de Decidir (que não são católicas, mas usam o nome para confundir principalmente os católicos), a Sociedade de Bem-Estar Familiar no Brasil (Benfam) e a International Pregnancy Advisory Services (IPAS), entre as ONGs. A filial norte-americana da IPPF, por exemplo, detém uma rede que abarca 20% de todas as clínicas abortistas dos Estados Unidos. Segundo a fundadora das falsas “Católicas pelo Direito de Decidir”, Frances Kissling, a IPPF só trabalhou na propaganda pela legalização da prática do aborto nos EUA, mas não queria entrar diretamente no negócio das clínicas “para não ser estigmatizadas” pelo público. Mas, numa longa entrevista tornada pública, ela mesma conta que as Fundações que financiam as atividades da IPPF obrigaram-na a entrar diretamente na estruturação e gerência da própria prática do aborto, tornando-se hoje a maior promotora de abortos na América e no mundo.
O argumento, portanto, dos direitos reprodutivos não passa de retórica, que seduz os desinformados (entre eles, os políticos), em prejuízo de muitos, especialmente as mulheres pobres, que são as mais vitimadas por essa lógica inumana.
No Brasil a Fundação MacArthur, por exemplo, desde 1988, decidiu investir em programas de controle populacional, em nosso no País, alimentando várias OnGs para esta finalidade. No ano seguinte, em São Paulo, a então prefeita do PT, Luiza Erundina (hoje deputada nesta Casa) estabeleceu o primeiro serviço brasileiro de abortos em casos de estupro, no Hospital Jabaquara, dando início assim a uma rede que vem até hoje se ampliando e trabalhando com o objetivo de legalizar o aborto no Brasil, utilizando a estratégia de oferecer serviços de abortos nos casos não punitivos pela lei, que eles chamam de “aborto legal”, quando não é legal, pois ele continua sendo crime no Código Penal.
E agora querem também de alguma forma flexibilizar a legislação, nesse sentido, com a reforma do Código Penal. Os médicos brasileiros passaram a fazerem parte de “capacitações” para aceitarem gradativamente a lógica do “aborto legal” iniciado no Hospital Jabaquara, depois também no Hospital Pérola Byington, em São Paulo, no CAISM (Centro de Atendimento Integral à Saúde da Mulher), sob a direção do Dr. Aníbal Faúndes, e membro do Conselho Populacional de Nova York. A mesma Fundação MacArthur de Chicago investiu nos Foruns para o Atendimento aos Abortos Previstos por Lei, em congressos anuais, com profissionais da Saúde e organizações feministas.
Vê-se que nesse processo e contexto, o PT é o partido político mais comprometido com esta agenda, até hoje. Mas foi em 1996, após os acordos de Glen Cove entre o FNUAP, OnGs e Comitês de Direitos Humanos, que foi possível expandir os serviços de “aborto legal” no Brasil, criando assim o ambiente cada vez mais favorável principalmente entre os médicos para a banalização da prática do aborto, até chegar a plena legalização. Muitos acreditam estar trabalhando realmente em defesa dos interesses das mulheres, mas não tem o conhecimento mais a fundo da questão, e com isso favorecem os interesses das Fundações internacionais.
Em 1998, na gestão do Ministro José Serra (PSDB), tais grupos influíram para que o Ministério da Saúde adotasse a primeira Norma Técnica que permitisse, com uma medida do Executivo, ampliar tais serviços nos hospitais brasileiros. Para se ter uma ideia, pela Norma Técnica a mulher estaria dispensada de apresentar exame de corpo de delito para comprovar o estupro e solicitar um aborto, exigindo apenas a apresentação de um Boletim de Ocorrência, que pode ser obtido em qualquer delegacia de polícia sem necessidade da apresentação de provas.
Mais uma brecha, mais um ardil, fazendo avançar a agenda abortista, com o apoio do governo!
Hoje há em nosso País uma rede de hospitais equipados para tais serviços, favorecidos não apenas por aquela Norma Técnica, como outras que vieram posteriormente. A 2ª Norma Técnica, eliminou a exigência do Boletim de Ocorrência e limitou a objeção de consciência. O médico, por exemplo, que está sozinho no serviço de emergência, tem que fazer o aborto. Se não fizer pode ser processado, por omissão de socorro. É isso: Primeiro tem que matar, depois curar os outros.
E assim, de todas as formas, o governo brasileiro buscou driblar as restrições legais, obcecado que está em cumprir seus compromissos com as agências da ONU e grupos internacionais,
Desde 2005, de modo mais acentuado (como comprova farta documentação), muito foi feito nesse sentido pelo Governo Lula, cujo partido do Presidente Lula e de Dilma Roussef chegou a punir dois deputados federais do próprio PT, de marcada atuação em defesa da vida. Em 2007, foi criado o GEA (Grupo de Estudos sobre o Aborto) que diz em seu próprio site, que é “uma entidade multidisciplinar que reúne médicos, juristas, antropólogos, movimentos de mulheres, psicólogas, biólogos e outras atividades. Não é uma OnG e não tem verbas próprias. Conta com inestimável apoio do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Seu foco é capilarizar a discussão do tema ABORTO sob o prisma da Saúde Pública e retirá-lo da esfera do crime.”.
Ainda em 2010, o coordenador do Grupo de Estudos para legalizar o aborto no Brasil, constituído pelo governo brasileiro, pago com recurso público, disse que a intenção não é apenas despenalizar o aborto, mas “a ideia é ir mais longe e não fazer mais do aborto um crime”. Grupo este formado por militantes e OnGs que promovem o aborto no Brasil, inclusive faz parte o Dr. Adson França, representante do Ministério da Saúde. É preciso que o aborto não seja mais tido como crime para, anestesiada a consciência moral, utilizar então o Estado com recurso público a perpetrar este abominável atentado contra a vida, sem que haja resistência e restrição legal. O Estado que é constituído para defender a vida e a família, acaba portanto se voltando contra a vida e a família, como um Leviatã que oprime até a morte, por pressão das forças globalistas. E com os eufemismos, a retórica e a demagogia, invertem todos os conceitos. Descriminalizado, sem restrição legal, a defesa do aborto passa a ser a defesa de saúde pública. O SUS então passa a fornecer abortivos químicos (a exemplo da pílula do dia seguinte), como explica o Dr. Ives Gandra da Silva Martins, “à custa de perigosa intoxicação da mulher, por vezes com conseqüencias desastrosas para a sua saúde”. Mata a criança no ventre materno e provoca danos á saúde da mulher, ao corpo e a alma da mulher. Pois os efeitos pós-abortos são causas, muitas vezes, da depressão, da angústia, de graves problemas psíquicos e até mesmo o suicídio.
           Por isso, reafirmamos, que mente descaradamente o governo brasileiro quando diz que não está comprometido com esta agenda. Como fez a então candidata Dilma Roussef, em 2010, sobre esta matéria. Ainda no segundo turno, ela assinou uma carta compromisso de que era contra o aborto, dizendo ipsis literis: “Sou pessoalmente contra o aborto e defendo a manutenção da legislação atual sobre o assunto. Eleita presidente da República, não tomarei a iniciativa de propor alterações de pontos que tratem da legislação do aborto e de outros temas concernentes à família e à livre expressão de qualquer religião no país.” Mentira! Mente descaradamente a sra. Presidente da República nesta matéria. As iniciativas que visam legalizar o aborto no Brasil têm vindo do Executivo, com a complacência e a conivência do Judiciário. Como há pouco me lembrou o Dr. Paulo Fernando Mello Costa, aqui presente, sugiro que assistam ao vídeo que ele fez, “Dilma Mãe do Brasil”, disponível no youtube.
Temos acompanhado, há alguns anos, o trabalho desta Casa de Leis e visto os esforços de parlamentares para aplacar a sede do sangue inocente. Mas as pressões não cessam, cada vez mais intensas, promovidas, estimuladas, de modo sutil e sofisticado, e também muito bem planejado e financiado pelas fundações internacionais e por vários setores do governo federal, inclusive do Ministério da Saúde, que recentemente encaminhou a esta Casa de Leis o então PLC 03, hoje lei 12.485, que foi vergonhosa e sorrateiramente tramitada e votada sem deliberação, sem sequer que os deputados percebessem a armadilha e deixassem escapar o ardil do governo, mostrou o seu desprezo a população (a maioria ´contra o aborto e pela vida), a Presidente sancionou a Lei 12.485, abrindo assim brechas para a prática do aborto no sistema SUS, com recurso público. Agora, com a publicação da Portaria nº 415, de 21 de maio de 2014, o aborto passa a ser fato, financiado pelo estado brasileiro na rede pública de saúde.
Com a Lei 12.485, o Ministério da Saúde, utilizando-se das Normas Técnicas já aprovadas, e agora com o endosso da Presidência da República, todos os hospitais do Brasil, independentemente de se tratarem de hospitais religiosos ou contrários ao aborto, serão obrigados a encaminhar as vítimas de violência à prática do aborto. O projeto não contempla a possibilidade da objeção de consciência. Na sua versão original, o artigo terceiro do projeto afirmava que o atendimento deveria ser imediato.
A partir da sanção presidencial e agora com a publicação da Portaria nº 415/2014, bastará apenas a palavra da mulher pedindo um aborto, e os médicos terão obrigação de aceitá-la, a menos que possam provar o contrário, o que dificilmente acontece. Mas pelo menos a mulher deveria afirmar que havia sido estuprada. Agora não será mais necessário afirmar um estupro para obter um aborto. Bastará afirmar que o ato sexual não havia sido consentido, o que nunca será possível provar que tenha sido inverídico. A técnica de ampliar o significado das exceções para os casos de aborto até torná-las tão amplas que na prática possam abranger todos os casos é recomendada pelos principais manuais das fundações internacionais que orientam as ONGs por elas financiadas. Com isto elas pretendem chegar, gradualmente, através de sucessivas regulamentações legais, até a completa legalização do aborto.
Fonte: Libertatum
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
A loucura do planejamento do homem

Danilo Fernandes: Xuxa só para bobinhos e desconforto da família brasileira


Danilo Fernandes: Xuxa só para bobinhos e desconforto da família brasileira

Comentário de Julio Severo: O artigo de hoje, vindo do tabloide sensacionalista Genizah, vem por recomendação direta da Dra. Damares Alves, que o divulgou no seu perfil de Facebook. Contudo, por alguma razão, a matéria, que foi postada originalmente neste link, foi removida logo após à divulgação. No texto, Danilo Fernandes ataca o comportamento baixo da Xuxa, ataca o governo por impor a Lei da Palmada no Brasil, elogia quem se opôs a essa lei maligna, etc. O artigo está muito bom, em comparação com o lixo que ele escreve regularmente, e mostra que, quando não está envolvido em gossip (fofoca) e esquerdismo, ele até que consegue escrever algo que valha a pena ler. Mas é raridade. O único ponto desnecessário é que ele aproveitou para lamuriar a processo que está levando de Marcelo Crivella por crítica ofensiva. Esse é o problema. Se ele se ocupasse apenas em denunciar o erro sem difamar, seria um trabalho cristão digno de ser divulgado. A Dra. Damares foi muito humilde em divulgar o texto de Danilo contra Xuxa e sua sem-vergonhice, pois no ano passado a própria Dra. Damares foi alvo das difamações e ataques do Genizah, conforme registrado neste link: http://archive.today/Y6F27
Pude defender a Dra. Damares dessas calúnias aqui: http://bit.ly/13uMmH2
O Rev. Alberto Thieme, um pastor presbiteriano por quem tenho grande admiração, foi igualmente alvo de ataques de Danilo, que xingou o idoso pastor de “obscuro e nojento velho gagá Thieme” apenas porque o pastor presbiteriano “ousou” me defender, de forma extremamente educada e cristã, da avalanche de ataques que sofro periodicamente do Genizah e seus laranjas.
Imagino que se o Rev. Thieme recorrer ao Estatuto do Idoso para denunciar o modo como ele foi tratado como idoso, Danilo vai lamuriar que não só Crivella, mas também um pastor presbiteriano o está “perseguindo” injustamente!
Mas o atual artigo de Danilo — que foi removido do Genizah, mas está sendo disponizilizado aqui — mostra que, mesmo em meio a densas trevas, a luz pode brilhar. Antes da remoção do artigo, alguns achavam que poderia ter havido uma conversão. Seja como for, parabéns ao Danilo por esse artigo que demonstra que quando não está envolvido em fofocas e difamações, ele consegue trabalhar bem. Eis o artigo, conforme publicado originalmente em 24 de maio de 2014:

Xuxa só para bobinhos e desconforto da família brasileira

Danilo Fernandes
Esta semana, em sessão na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, o deputado Pastor Eurico se dirigiu à apresentadora Xuxa de maneira áspera e lamentou a sua presença na mesa diretora da CCJ. Ele afirmou que, "em 1982, Xuxa cometeu a maior agressão contra crianças", em referência à participação da apresentadora, como atriz, no filme "Amor, Estranho Amor". Xuxa não respondeu às críticas do deputado. Impedida de falar pelo regimento da casa legislativa, Xuxa fez um coraçãozinho para o pastor deputado. A liderança do PSB, partido do deputado, acredita que o deputado pastor Eurico gerou desconforto no plenário da CCJ.
O deputado Alessandro Molon (PT-RJ), relator da matéria aproveitou a quizomba causada pelo episódio para surfar a sua marola de popularidade na mais deslavada falácia lógica: “A gente está falando de crianças que são queimadas e espancadas.“ Sério? Atenção senhores pais: Agora fazer churrasco de criancinha é crime, viu?!
A coisa toda mais parece uma ópera bufa
Outros gaiatos querem dar a lei o nome do pobre menino BERNARDO, assassinado por sua madrasta no RS, como se o massacre tenebroso do garoto rejeitado pelo próprio pai se relacionasse de alguma forma a esta peça legislativa. Outros querem homenagear a menina Isabella Nardoni, jogada por seus pais da janela de um prédio. Xuxa, há dois anos atrás, ao comentar sobre a referida lei, também fez a mesma associação ao caso. A argumentação falaciosa beira o boçalidade. A disciplina infantil, um tapinha na mão da criança que insiste numa arte que pode lhe causar imenso perigo (botar o dedo na tomada) evolui para o mal trato, a lesão corporal, a tortura e até o assassinado com requinte de crueldade!
O deputado ofende a rainha dos bobinhos
Não tendo acesso a uma gravação completa do episódio, estamos limitados a arrazoar a partir do fragmento mostrando o desabafo exacerbado do pastor, o gesto midiático de Xuxa fazendo o seu “coraçãozinho” e a constatação de que a plateia se dividiu entre aplausos e vaias ao deputado.
Sabe-se também que enquanto alguns integrantes da bancada evangélica apoiavam o pastor, outros, como o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) e a deputada Sandra Rosado (PSB-RN) defenderam Xuxa “gostaria de deixar claro que essa é a opinião do Pastor Eurico. Não é posição da bancada evangélica.” disse Garotinho. “Cada um tem seu papel relevante na sociedade, seja como parlamentar, seja como artista.” disse Sandra Rosado.
Para além das reportagens traçando o perfil de um troglodita às expensas do deputado, já antevejo alguma campanha de artistas da ala do caviar fazendo coraçõezinhos criativos nas suas páginas do Facebook. Que fase, não?!
“Gerou desconforto". “Causou constrangimento”. Estas foram as expressões onipresentes nas matérias jornalísticas. Bem assim, o parlamentar já foi destituído da referida comissão e defenestrado pelo presidenciável e líder de seu partido, o governador de Pernambuco Eduardo Campos, provavelmente preocupado em não perder os votos dos fãs da Xuxa...
Desconforto e constrangimento de quem, cara pálida?
Sabemos que senso de propósito cristão, sabedoria e uma agenda reinista não são exatamente matéria abundante entre a bancada evangélica. Igualmente, percebo uma profunda inabilidade na arte da comunicação, o que causa estragos homéricos na imagem dos políticos evangélicos junto a opinião pública em geral, inclusive entre os próprios evangélicos.
Contudo, tenho de reconhecer a justa indignação do deputado Eurico (ainda que muito mal expressada) e de muitos outros deputados ali presentes em relação a mais uma intromissão maliciosa deste governo, em sua batalha para aniquilar os valores familiares da sociedade brasileira.
Na minha modesta opinião, porquanto eu posso expressa-la, ainda que à custa de processos movidos contra mim por ministros deste governo; DESCONFORTO real é aquele resultante da ação de certos segmentos representados naquele Congresso mui esmerados na tarefa de promover uma agenda legislativa que mais parece ter sido concebida no quinto dos infernos.
E, convenhamos, cristão que mereça este nome, diante deste tipo de ataque, tem mais é que sair da sua ZONA DE CONFORTO e se fazer DESCONFORTO às intenções do maligno. Seja proclamando o Evangelho, seja fazendo o bem nas ruas, nos mocambos, entre os aflitos e oprimidos e, naturalmente, na defesa dos valores que lhe são caros, fazendo uso de todos os meios possibilitados pelo estado democrático de direito, entre os quais, tocar a trombeta no legislativo. E que a Xuxa e a sua legião de fãs que se DESCONFORTEM à gosto e à vontade , posto que DESCONFORTO midiático-eleitoreiro passa, mas a legislação deletéria fica.
O DESCONFORTO de Xuxa todo mundo viu na TV e se apiedou. Tadinha da Xuxa. E o DESCONFORTO dos cristãos compromissados em barrar este ataque incessante visando a imposição de uma agenda que inclui o aborto, a ingerência do estado na criação de nossos filhos, o currículo escolar com kit gay e muitos outros eteceteras culminando na cereja deste sundae do capeta: dona Xuxa, em meio a uma audiência tratando de assunto sério, pagando de defensora das crianças e dos valores da família, enquanto a ministra Ideli Salvatti sapateia a sua vitória legislativa na cabeça da bancada evangélica? Este DESCONFORTO sensibiliza alguém? A mim sensibiliza!
Xuxa, uma coluna nos fundamentos da educação infantil no Brasil
Oi, quem? A rainha Xuxa? A manobra diversiva objetivando colher frutos de popularidade eleitoreira de uma nação já não tão hipnotizada pelas realizações do partido do governo? A santa Xuxa? Colocada em um andor pelos marqueteiros do PT para um longo périplo pelos gabinetes de Brasília a fim de abrilhantar as conquistas da presidente Dilma e fornecer uma gaveta de boas imagens para as suas matérias de campanha?
Ora pois, brasileiros, se a rainha Xuxa aprova a agenda do governo para as nossas crianças, quem irá se opor? A Globo é que não vai! Até o seu ex-namorado, o Pelé, irá dizer: Este gol vai para as criancinhas do Brasil espancadas por seus odiosos pais evangélicos!
E logo a Xuxa!
Que, sim, fez mesmo o tal filme pedófilo e que, se arrependida ou não, não teve ali, nem de longe, o ápice de sua atuação maliciosa contra a infância brasileira, mas posteriormente, em sua carreira de décadas como babá eletrônica, a frente de programas infantis infames, carregados de valores depravados e que muito contribuíram para a erotização precoce de crianças.
DESCONFORTO é a presença da D. Xuxa em uma discussão legislativa séria sobre educação infantil. Logo ela que desde a década de 80 martelou a cabeça das crianças com músicas de duplo sentido, sensualidade e moda infantil ao gosto dos pedófilos.
Xuxa e a erotização precoce

Qual foi o legado do programa da Xuxa para a educação infantil?

-A receita completa para construir gerações de ególatras consumistas, adoradores do sexo descompromissado e hostis a toda religião.
E observem nos vídeos aqui postados que, no passado, D. Xuxa até que era adepta de uma certa brutalidade com as crianças… Um tranquinho, de vez em quando, era o couvert artístico de figuração infantil no Show da Xuxa!
Não me comovem nem as lágrimas e nem o DESCONFORTO da Xuxa em busca de sua carreira de terceira idade: Mui digna defensora das crianças brasileiras! Xuxa pode não ser mais a mesma, mas no passado militou fortemente contra os valores familiares. Os vídeos neste post sublinham estes fatos.
-“Ah! Mas o deputado não teve uma atitude cristã... Ele fez o papel do acusador, mas a santa Xuxa respondeu às agressões com coraçõezinhos de amor.”
Foi mesmo, ô paquita?
Para começar, há a rainha boa Xuxa show infantil, com seus beijinhos e coraçõezinhos e há a rainha má Maria das Graças Menengel dos tribunais, a sua resposta habitual aos súditos rebeldes (CONFIRA). Xuxa já recorreu a justiça para caçar jornalistas, autores, cineastas, o twitter e até o Google por mostrar resultados de busca que não lhe caem bem. Não duvido que a Xuxa queira me processar também! Com o Crivella e a Universal num processo e a Xuxa em outro, vou morar de cobertura com vista para o "mar ressuscitado" na Jerusalem Celestial.
Xuxa não manda coraçõezinhos na TV a seus desafetos. O lance da Xuxa é promover ataques de pelanca nos tribunais. Acordem paquitas!
Azorrague no lombo de quem quer depravar a infância de nossas crianças!
Disseram:
“O pastor causou constrangimento”.
Que bom que alguém o fez. Constrangimento é a dor da hipocrisia. E hipocrisia é o que não faltou neste episódio.
Irmãos, há hora de estender a mão, há hora de partir o pão e é sempre hora de perdoar e amar. Contudo, como também nos ensina a Palavra, há a hora do azorrague. E, naquele instante no CCJ em que o jogo democrático exigia o debate firme de posições e os últimos recursos se exauriam a fim de evitar a aprovação de uma lei que viola o direito dos pais de corrigir os seus filhos (segundo nos ensina as Escrituras), era hora de ser profeta e repreender!  E eu só lamento que tenha faltado quem o fizesse a contento mas, na falta deste, louvo a Deus que ao menos UM se levantou para dizer: BASTA!
Fonte: Genizah
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Sobre Xuxa:
Sobre Genizah: