4 de dezembro de 2014

Famílias brasileiras querem legalização da educação escolar em casa


Famílias brasileiras querem legalização da educação escolar em casa

Julio Severo
Um grupo de famílias fez uma viagem de 12 horas para estar em Brasília, a capital do Brasil, para comparecer a uma votação no Congresso Nacional sobre a educação escolar em casa. A votação foi adiada, mas a presença dessas famílias e seus filhos tocou muitos deputados.
Famílias que educam em casa no Congresso Nacional
Essas famílias, que estavam sendo patrocinadas pela ANED (Associação Nacional de Educação Domiciliar), prometem estar em Brasília de novo na próxima quarta-feira, quando haverá uma possível nova votação.
Deputados aderindo às famílias que educam em casa
O atual governo brasileiro é controlado pelo socialista Partido dos Trabalhadores, e é hostil à educação escolar em casa. O governo passado do PSDB, do marxista Fernando Henrique Cardoso, era similarmente hostil.
A oposição ideológica do Partido dos Trabalhadores nos faz recordar do Partido dos Trabalhadores na Alemanha uns 80 anos atrás. Aliás, esse era o Partido dos Trabalhadores Nacional Socialista da Alemanha, também conhecido como Partido Nazista, que proibiu a educação escolar em casa na Alemanha na década de 1930. Depois da proibição, o ditador nacional socialista Hitler disse: “As crianças de hoje sempre serão os adultos do futuro. Por esse motivo, colocamos diante de nós a tarefa de inocular nossas crianças com o espírito de sociabilização em idade bem nova, numa idade em que os seres humanos não foram ainda pervertidos e portanto estão ainda intactos. O governo nazista tem as crianças como sua base e está se construindo para o futuro nessa base. E o governo nazista não dará suas crianças a ninguém, mas assumirá o controle delas e dará a elas a própria educação e a própria criação do governo.”
A lei de Hitler que proibiu a educação escolar em casa está em vigor na Alemanha ainda hoje. A Alemanha, que tolera muitos tipos de práticas e costumes muçulmanos radicais de seus imigrantes islâmicos, tem mostrado intolerância radical para com toda prática de educação em casa de pais cristãos.
A Alemanha está longe de um dos fundadores mais importantes da moderna língua alemã, Martinho Lutero, que disse: “Muito temo que as escolas comprovarão ser as grandes portas do inferno, a menos que elas diligentemente trabalhem para explicar as Santas Escrituras, gravando-as no coração dos jovens.”
Sobre o governo brasileiro, por que ele deveria imitar a conduta do governo alemão contra os pais cristãos? Sobre a presidente Dilma Rousseff, que era admiradora da União Soviética, por que ela deveria manter a lei que proíbe a educação escolar em casa? Por que o governo dela deveria perseguir os pais cristãos que educam os filhos em casa de um modo cristão?
A União Soviética não mais existe. Na Rússia de hoje a educação escolar em casa é legal. Em minha reunião pró-vida e pró-família em Moscou dois meses atrás, um dos mais proeminentes líderes da educação escolar em casa no mundo me disse que a Rússia tem vários currículos de educação em casa. Na Rússia de hoje, não é crime educar os filhos em casa. Por que no Brasil é?
A CBN News, do Pat Robertson, noticiou que a Rússia “é uma das nações mais livres para educar os filhos em casa.”
“Temos completa liberdade de educar em casa na Rússia, em termos de legalidade,” disse Pavel Parfentiev, líder pró-família na Rússia.
“A Federação Russa é mais ou menos uma campeã de direitos humanos nessa área específica. Por isso, é evidente que penso que a Rússia é um bom exemplo para a Alemanha e Suécia onde os adeptos da educação em casa são perseguidos,” disse ele para a CBN News.
Se Dilma admirava muito a velha Rússia, por que ela deveria admirar menos a nova Rússia? Ela deveria permitir a educação escolar em casa e até imitar uma lei russa que proíba a propaganda gay para proteger as crianças.
Ela não deveria imitar a Alemanha, que pratica intolerância para com os pais cristãos que educam os filhos em casa, mas tolera de forma extrema os radicalismos islâmicos.
Dilma deveria fazer uma viagem a Rússia e aprender lições básicas de liberdade, proteção e escolhas educacionais para as crianças.
Ela deveria proibir a propaganda homossexual, não a educação escolar em casa, para crianças e adolescentes.
Versão em inglês deste artigo: Brazilian Families Want Legal Homeschooling
Leitura recomendada:

7 comentários :

Julio Severo disse...

Gente, a luta dessas famílias é muito louvável, mas de acordo com o Dr. Fábio Blanco, que é advogado, o projeto de lei que está sendo votado deixa MUITO a desejar. Confiram o inteligente artigo do Dr. Fábio: http://bit.ly/1vRBIcl

Anônimo disse...

ha mas se houvesse algum incentivo eles votariam igual hoje de madrugada,feliz em ver Dra Damares nessa luta,Marcos Fel.so nao vi o Senador Magno Malta.....Silvia

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

A educação familiar é, sem dúvida, a que forma o caráter do verdadeiro homem. É dentro do lar (juntamente com a família) que a pessoa se torna um bom cidadão. Só que o Estado quer usurpar este direito da família (que é sagrado por natureza). Em outras palavras: o Estado quer se achar no direito de dizer aos pais que tipo de educação eles devem dar aos seus filhos. Sabemos que a atual educação dada pelo Estado destrói os bons princípios que foram ensinados dentro do ambiente familiar.

E mais: a partir do momento em que idéias marxistas, comunistas, socialistas, e esquerdistas (que são, na verdade, doutrinas de demônios) começaram a se infiltrar no nosso sistema educacional, as escolas (principalmente as escolas públicas) se corromperam por completo. Em virtude disso, não é de se espantar que, da escola primária à universidade, todos já saem educados dentro dessas mesmas idéias (que têm como ponto em comum a concepção esquerdista de que o governo é quem deve atender às necessidades de todos). Isso sem contar que uma escola com a mesma linha de pensamento ensina a todos a aceitarem o homossexualismo e o aborto como algo normal, tolerância às religiões afro–descendentes como sendo parte da nossa cultura, combate à homofobia (que o governo, sutilmente, prega como "respeito às diferenças"), enfim, coisas que são totalmente contra os princípios cristãos e bíblicos.

Uma coisa é certa: NENHUMA ESCOLA OU UNIVERSIDADE, POR MELHOR QUE SEJA, JAMAIS VAI SUBSTITUIR INTEGRALMENTE A FAMÍLIA EM TERMOS DE FORMAÇÃO MORAL! É A FAMÍLIA QUEM DÁ A VERDADEIRA EDUCAÇÃO AO SER HUMANO!

Torno a repetir, mais uma vez, o que eu já comentei em um artigo semelhante a este: qualquer país pode ter a melhor educação do mundo. Mas se esse mesmo país não colocar a obediência à Palavra de Deus como prioridade, a educação que esse mesmo país oferece aos seus cidadãos não passará de uma fábrica de demônios com diplomas de faculdade. É como bem disse o apóstolo Tiago:

"Quem, dentre vós, é sábio e tem verdadeiro entendimento? Que o demonstre por seu bom proceder cotidiano, mediante obras praticadas com humildade que têm origem na sabedoria. No entanto, se abrigas em vosso coração inveja, amargura e ambição egoísta, não vos orgulheis disso, nem procureis negar a verdade. Porquanto esse tipo de sabedoria não vem dos Céus, mas é terrena; não é celestial, mas demoníaca. Pois, onde existe inveja e rivalidade, aí há confusão e todo tipo de atitudes maléficas" (Tiago 3:13–16)

A verdadeira educação só é obtida no ambiente da família. E a melhor estudo é dado pela Palavra de Deus, porque ela é quem forma moralmente o verdadeiro homem. Está escrito:

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência" (Provérbios 9:10)

"Ensina à criança o caminho no qual ela deve andar; e quando envelhecer, ela não se desviará dele" (Provérbios 22:6)

"Bem–aventurado é o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, e não se assenta na roda dos escarnecedores. Antes o seu prazer está na lei do Senhor; e nela medita dia e noite" (Salmo 1:1–2)

"Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, pois medito nos Teus testemunhos" (Salmo 119:99)

"Toda a Escritura é inspirada por Deus, e é proveitosa para ensinar, repreender, corrigir as coisas, disciplinar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente preparado para toda boa obra" (2 Timóteo 3:16–17)

Que todos nós possamos lutar para educarmos os nossos filhos dentro dos nossos lares (e na obediência à Palavra de Deus), para que eles sejam futuros bons cidadãos!

P.S: Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade.

Lino disse...

No meu tempo de criança, eu estudei em escola pública. Antes de entrar na sala de aula, cantávamos o Hino Nacional (tínhamos noções de civilidade e de patriotismo).

Naquela época, lembro que havia o ensino religioso obrigatório (era parte integrante do currículo escolar). Quando entrávamos na sala, o professor rezava o Pai Nosso juntamente com toda a turma. Tínhamos também aulas de Educação Moral e Cívica, etiqueta, boas maneiras, procedimento pessoal, éramos educados dentro dos bons costumes (e do respeito a todas as pessoas, principalmente as mais velhas), enfim, a escola pública nos ensinava a ser verdadeiros cidadãos de bem.

A educação escolar era um verdadeiro complemento da educação familiar. Os próprios pais faziam questão de colocar os filhos em escolas públicas (que, em sua grande maioria, eram administradas por religiosos). E por ter uma disciplina bastante rígida para punir com rigor qualquer erro, nós aprendíamos a obedecer ordens. Não estou dizendo que a escola pública daquele tempo era 100% perfeita (sem falhas), mas ela, pelo menos, se preocupava em zelar pela integridade moral dos seus alunos. Como testemunha viva de quem presenciou pessoalmente tudo isto (principalmente nas décadas de 60 e 70), posso falar com autoridade: fazia gosto para qualquer pessoa estudar em uma escola pública (era motivo de orgulho).

E o presbítero Valdomiro disse uma coisa muito certa: a partir do momento em que filosofias e idéias marxistas, comunistas, socialistas, e esquerdistas começaram a se infiltrar no nosso sistema educacional, a escola pública se corrompeu. O ensino religioso e o de Educação Moral e Cívica foram retirados do currículo escolar. A disciplina rígida que havia foi relaxando (e, depois, deixada de lado). Enfim, a escola pública passou a "se adaptar" às idéias e filosofias que foram introduzidas (e passou também a tolerar tudo que é sujeira).

E o que aconteceu depois? As escolas públicas abandonaram todos os bons princípios com os quais elas educavam seus alunos. Como conseqüência disso, o resultado não poderia ser outro: as atuais escolas públicas são verdadeiros antros de perdição. Hoje o que rola dentro delas é o uso de drogas, bebidas alcoólicas, gravidez de adolescentes, homossexualismo, enfim, uma podridão total. Em outras palavras: faltou uma vigilância contra a proliferação de idéias erradas dentro das nossas escolas públicas.

Será que hoje haveria alguma possibilidade de fazer com que a escola pública voltasse a ter o mesmo padrão de comportamento moral dos tempos antigos?

Gostaria de saber as opiniões de todos a respeito disso.

Anônimo disse...

É notória a péssima educação pública ou privada do Brasil – corroborados pelos testes internacionais que nos impõem um vexatório último lugar ano após ano, ao passo que o governo apenas tergiversa e dá de ombros, como se o problema não fosse dele – convenhamos... Seria ingenuidade esperar do PT compromisso com a educação, afinal quais instruídos de verdade votariam neles?
Mediante esse quadro vergonhoso da educação do País, nada mais natural do que os pais buscarem a melhor formação escolar para seus filhos, por meio da educação domiciliar, com a vantagem de transmitir-lhes, além do conhecimento, bons valores de cidadania, moral e respeito ao próximo, com valorização da família e da vida – valores cristãos – bons valores de que o mundo necessita bastante atualmente.
Mas o que fazer se a lei, a famigerada LDB, impede a educação domiciliar? Talvez exista uma saída. Não sei se os amigos sabem, li em algum site da internet que o Brasil é signatário do Pacto de San José, tratado que permite a educação em casa. Baseando-se nesse tratado, os pais educadores poderiam escapar das artimanhas estatais de processos e multas por não aceitarem enfiar suas crianças nas decadentes e carcomidas escolas públicas ou privadas.
Interesso-me pela educação domiciliar por que sou graduado em duas licenciaturas e minha esposa tem mais uma licenciatura diferente da minha. Pretendemos a revelia do estado, alfabetizarmos nossos filhos em casa e conduzirmos suas formações até o ensino médio.

Boa sorte aos que buscam a educação domiciliar – que Deus os iluminem nessa nobre missão!

Tiagoalvespereira disse...

simples,a doutrinação nas escolas é voraz e destruidora onde somos obrigado a aceitar para poder usufruir de um diploma para um futuro emprego!

Cléber disse...

Júlio,

O teor deste artigo que você publicou aqui nos obriga, de certa forma, a fazer uma reflexão sobre uma questão crucial: a educação caseira. Até que ponto esta mesma educação poderia servir de alternativa à educação "oficial" imposta pelo governo?

Estive lendo o artigo do Dr. Fábio Blanco (artigo esse que já foi publicado aqui no seu blog). Embora, neste mesmo artigo, o PL 3179/12 (de autoria do deputado Lincoln Portela) possibilite (teoricamente) que os pais eduquem seus filhos como acharem melhor (inclusive fora do ambiente escolar "oficial"), este mesmo projeto, infelizmente, permite uma intromissão excessiva do Estado nas decisões da família. Para isso, vamos analisar atentamente o que diz o teor do projeto:

§ 3º – "É facultado aos sistemas de ensino admitir a educação básica domiciliar, sob a responsabilidade dos pais ou tutores responsáveis pelos estudantes, observadas a articulação, supervisão e avaliação periódica da aprendizagem pelos órgãos próprios desses sistemas, nos termos das diretrizes gerais estabelecidas pela União e das respectivas normas locais."

É como se o governo dissesse: "Vocês (pais e mães de família) podem educar seus filhos em casa, desde que eu (governo) saiba o que vocês estão ensinando (e se o que vocês ensinam é de acordo com o que eu quero)"

Então, se eu me recusar a matricular um filho meu numa escola que seja a favor do homossexualismo (por eu achar que o homossexualismo é errado), eu posso ser visto como "homofóbico" pelo governo (que é pró–homossexualismo). E, a depender, eu posso ser acusado de abandono intelectual (por não concordar com a ideologia do mesmo governo, que é propagada na maioria das nossas escolas). Só não enxerga essa intromissão do governo nas famílias quem não quer!

Tem um ditado popular que diz que "casa de pai é escola de filho". Independente de quem seja o autor do mesmo ditado, não existe verdade maior do que esta, até porque, hoje, eu, particularmente, não vejo nenhuma condição de educar meus filhos nas atuais escolas ditas “oficiais”. Então, a única solução, pelo jeito (e considerando as atuais circunstâncias) é a educação caseira. Aliás, eu diria que a educação caseira, neste sentido, é muito mais benéfica moralmente do que a educação dita "formal". Não que isso seja para sempre, mas uma certeza eu tenho: enquanto a educação dada pelas escolas ditas "regulares" estiver toda corrompida, é melhor a educação caseira. Pelo menos, nossos filhos não estarão se desvirtuando dos bons princípios que ensinamos a eles.

Outro ditado igualmente certo é este: "O homem nada mais é senão o que a educação faz dele". Embora a escola tente, como se diz por aí, ser a continuação da família, a verdade é que a escola JAMAIS conseguirá substituir integralmente a família em termos de verdadeira educação. É a família quem realmente educa a pessoa desde cedo. Tanto que um antigo sábio disse: "O mundo será o que forem as suas famílias".

Precisa dizer mais alguma coisa?