16 de novembro de 2014

LGBTs Contam Estórias Exageradas no Comitê de Tortura da ONU


LGBTs Contam Estórias Exageradas no Comitê de Tortura da ONU

Austin Ruse
GENEBRA, Suíça, novembro (C-Fam) Ativistas americanos contra a “terapia reparativa” pediram que o Comitê da ONU sobre Tortura definisse a prática como forma de tortura e violação do direito internacional.
Em debate está o tratamento buscado por pessoas que batalham contra desejos homossexuais indesejados. Muitos terapeutas ainda oferecem o tratamento para os que pedem, ainda que organizações profissionais para a comunidade terapêutica digam que o desejo de mesmo sexo não seja uma forma de doença mental e desestimulem esse tipo de terapia.
Há um movimento nos Estados Unidos para proibir mediante leis todas essas terapias. Nova Jérsei e Califórnia já proibiram a terapia reparativa para menores de idade e o Centro Nacional de Direitos Lésbicos está fazendo campanha para que nos próximos cinco anos os EUA a proíbam em nível nacional. Foi essa organização que foi até Genebra nesta semana.
O Comitê da ONU sobre Tortura é um órgão de monitoração de tratados que fiscaliza a implementação do tratado da ONU contra tortura cometida por países que o ratificaram. O mesmo comitê repreendeu, de forma infame, o Vaticano no começo deste ano por causa do ensino da Igreja sobre o aborto. Um membro do comitê, a americana Felice Gaer, disse que as leis contra o aborto são uma forma de tortura.
A convenção que proíbe tortura define tortura como a imposição deliberada de sofrimento físico ou mental por parte de uma “autoridade pública” a fim de provocar uma confissão ou como forma de punição ou represália.
Os Estados Unidos estão no banco dos réus nesta semana. Sob a prática adotada pelo comitê, todos os grupos recebem uma chance de apresentar uma queixa formal na forma de “relatórios paralelos” ao comitê. Muitas vezes, o comitê, sem nada questionar, adota as acusações, e até teorias legais, apresentadas nesses relatórios quando questionam os governos que apresentam os relatórios.
Na terça-feira, os ativistas se reuniram em privado com o comitê e lhes contaram histórias de horror sobre tortura alegada que alguns passaram em “terapias reparativas.”
Uma das testemunhas foi um jovem chamado Samuel Brinton que se tornou uma celebridade desde que foi filmado num documentário americano alguns anos atrás. Brinton diz que seus pais o enviaram a um terapeuta que lhe amarrou as mãos e colocou grandes pedaços de gelo em suas palmas que estavam viradas para cima, amarrou fios de cobre em seus braços e fixou eletrodos em seus dedos a fim de torturá-lo toda vez que ele ficasse excitado com uma forma masculina. Esses tipos de acusação são comuns entre ativistas que tentam proibir a “terapia reparativa.”
A veracidade de Brinton tem sido questionada não pela direita religiosa, mas por importantes figuras LGBT, inclusive Wayne Besen, principal porta-voz da organização LGBT Campanha dos Direitos Humanos, que agora administra um site chamado “A Verdade Vence” que é dedicado a descobrir o que considera ser mentiras “antigays” entre conservadores sociais e ex-gays.
Besen disse que ele tentou por um mês chegar ao fundo da história de Brinton, mas não conseguiu. Ele pressionou Brinton para ter o nome do terapeuta que lhe fez isso. Brinton disse que não conseguia se lembrar e que ele não tem de provar sua história. Besen pois disse que a história de Brinton não é verificável e não deveria ser usada.
Mesmo assim, Brinton estava em Genebra contando sua história nesta semana.
A delegação dos EUA recebeu muitas perguntas relacionadas a esses tipos de acusações. Um questionador queria saber o que os EUA estavam fazendo para processar os profissionais que usam tal terapia.

O relatório final do comitê será publicando nas próximas semanas e provavelmente fará recomendações para restringir a “terapia reparativa.”
Tradução: Julio Severo
Fonte: Friday Fax
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

3 comentários :

Anônimo disse...

Thiago

Não concorde com eles e seja taxado de monstro. Não seja à favor da matança de bebês em gestação e seja pior do que o pior demônio que possa existir. Isso é o que eu chamo de inversão de valores. Os gays que não se sintam bem com a sua condição serão proibidos de acessar um tratamento médico? É isso que eu entendi? Cadê os Direitos Humanos nessa hora? Só servem para amenizar penas de crime heiondos? Para beneficiar menores inocentes de 17 anos que já mataram pra mais de dez?

Pera aí militância LGBT! O direito de vocês acaba quando começa o do outro. Da mesma forma que vocês podem viver como quiserem, a população também tem direito à liberdade de pensamento e à consciência religiosa. Um direito não anula o outro.

Anônimo disse...

ou nos saimos e damos a cara a tapa tal como fez o Marcos Feliciano,a Marisa Lobo,Silas Malafaia,o bispo frances,ou so ficaremos falando enquanto eles agem e nos engulimos....silvia

Anônimo disse...

CONSERVADORES BRASILEIROS SÃO UM BANDO COVARDES Q VIVEM COM MEDINHO DE SE INDISPOR COM JORNALISTA LIBERAL...