29 de novembro de 2014

Chaves defendeu a vida!


Chaves defendeu a vida!

O legado pró-vida do ator mexicano que morreu em 28 de novembro de 2014

Julio Severo
Roberto Gómez Bolaños (21 de fevereiro de 1929 — 28 de novembro de 2014), mais conhecido como Chaves, foi um ator, escritor, comediante, dramaturgo, compositor e diretor de televisão mexicano. Ficou conhecido mundialmente pela criação das séries televisivas Chaves, Chapolin e o Clube do Chaves, que lhe trouxeram grande prestígio e garantiram-lhe o reconhecimento internacional.
Bolaños nunca revelou sua orientação política de forma aberta, porém fazia fortes críticas à esquerda.
Em abril de 2007 uniu-se à manifestação de grupos católicos e conservadores que buscavam manter o aborto como crime, confrontando grupos esquerdistas que queriam descriminalizá-lo. Bolaños lançou anúncios em canais de televisão contra a legalização do aborto.
Um dos vídeos dele contra o aborto está disponível neste link: http://youtu.be/MyVZVPqG2Ls
Os programas do Chaves foram gravados no México pela rede Televisa entre os anos de 1968 e 1995, e exibidos em mais de 90 países, inclusive o Brasil.
Com informações da Wikipédia.
Leitura recomendada:

7 comentários :

Luiz Oliveira disse...

Grande Roberto Bolanos! Que o Senhor conforte sua família.

Anônimo disse...

EU NÃO SABIA DISSO,DE QUALQUER FORMA QUE BOM QUE SUA MÃE NÃO COMETEU ABORTO,JÁ IMAGINOU UM MUNDO SEM CHAVES,NOSSO MUNDO SERIA UM LUGAR MUITO TRISTE,ELE FOI NA MINHA OPINIÃO ,O MELHOR E MAIOR HERÓI DA AMÉRICA LATINA,UM GRANDE HOMEM ,DIRETOR,ATOR,ESCRITOR E DEFENSOR DA VIDA E AO MESMO TEMPO NOS ENCANTOU E ENCANTA GERAÇÕES ,MESMO HÁ 30 ANOS NA TELEVISÃO NUNCA DEIXO DE ASSISTIR E ME DIVERTIR,CHAVES FICARÁ PARA SEMPRE EM NOSSOS CORAÇÕES ,ELE DEMONSTROU QUE MESMO OS CONSERVADORES PODEM SE PREOCUPAR COM O DRAMA DAS CRIANÇAS ABANDONADAS,ELE FEZ SUCESSO EM TODA A AMÉRICA LATINA POR QUE MOSTRAVA A VIDA DE PESSOAS COMUNS,ENSINANDO COM AMOR COMO É FAZER BOM HUMOR,E AGORA QUEM PODERÁ NOS DEFENDER? AGORA TODA A AMÉRICA LATINA ESTÁ CHORANDO EM LÁGRIMAS.SÓ ELE PARA CONSEGUIR NOS DIVERTIR,ELE ERA TÃO BOM QUE NÃO ACREDITO QUE NÃO HAJA NINGUÉM NO MUNDO ,SEJA DA DIREITA ,DA ESQUERDA OU ATEU MAIS RAIVOSO QUE NÃO SINTA PESAR,CHORO COM SUA MORTE,AMADO POR TODOS,ELE FOI EXIBIDO EM TODA AMÉRICA LATINA,COM EXCEÇÃO DE CUBA,UMA PENA PORQUE TENHO CERTEZA QUE COM SUA MENSAGEM DE ALEGRIA ,ESPERANÇA E AMOR AO PRÓXIMO TODOS AMARÃO ELE. AGORA DEVE ESTAR NO CÉU ,JUNTO COM SEU MADRUGA,A BRUXA DO 71, JAIMINHO E GODINEZ,FAZENDO A ALEGRIA DOS ANJOS,PESSOAS BOAS COMO ELE NÃO DEVERIAM MORRER NUNCA,QUE BOM QUE O JULIO SEVERO TAMBÉM AMAVA ELE,E TAMBÉM ERA FÃ,CHAVES EU TE AMO MUITO,E AGORA QUEM PODERÁ NOS DEFENDER ? SIGAM ME OS BONS.TE AMO CHAVES ETERNAMENTE EM NOSSOS CORAÇÕES VOCÊ É ,E SEMPRE SERÁ NOSSO HERÓI,TE AMO, TE ADORO.

Anônimo disse...

O Chaves era uma criança que vivia em um barril em uma vila que poderia existir na Cidade do México ou talvez, podemos nos aventurar a dizer, em qualquer metrópole da América Latina. Chaves não tinha nome, mas um sonho: um sanduíche com presunto. Era humilhado, mas sua engenhosidade o salvava. Os personagens do bairro faziam uma paródia do enraizado classismo da sociedade mexicana. “Gentalha, gentalha!”, gritava Quico, o suposto bom menino daquela peculiar tropa, que na realidade era um garoto com enormes bochechas que se refugiava atrás da saia de sua mãe.

O Chapolin Colorado foi criado separadamente. O México é um país que, apesar de sua vocação épica, tende a olhar com uma sobrancelha levantada, de incredulidade, para o surgimento de um herói autoproclamado. Por isso Chespirito teve a ideia de criar um herói peculiar. Suas “antenas de vinil” detectavam qualquer coisa errada. Era muito (muito) desastrado. Mas tinha um grande coração. Sua “marreta biônica” (que era a sua arma) vencia os malvados, suas “pílulas de nanicolina” ajudavam a escapar de situações incômodas e “buzina paralisadora” servia para imobilizar inimigos e escapar de novo, deixando seu público, como sempre, fascinado. “Não contavam com a minha astúcia!”, falava para a câmera.

Anônimo disse...

Mas acontece que a América Latina de Roberto Gómez Bolaños o amava, e o sentimento era mútuo. Fossem salvadorenhos, chilenos, brasileiros ou peruanos,argentinos,mexicanos,venezuelanos ou colombianos

Anônimo disse...

Chespirito gostava de contar um caso. Um dia, em um hospital, um senhor de idade avançada não podia falar. Mas seus olhos brilhavam quando passava o programa de Gómez Bolaños e ainda mais quando aparecia o Chapolin Colorado. Passaram dias e semanas. Finalmente, os médicos ficaram fascinados. O paciente falou. Só disse uma palavra: Chapulín.

Anônimo disse...

Perguntado muitas vezes sobre a razão do estrondoso êxito de sua principal obra, Bolaños tinha uma explicação simples – e surpreendentemente satisfatória – na ponta da língua: "Chaves sempre defendeu valores familiares como honestidade e compaixão, e as pessoas se identificam com ele por causa disso".

Thiago disse...

Adeus Chaves!