8 de outubro de 2014

Governo dos EUA provoca atrito diplomático com a Rússia por causa de adolescente russo seduzido por dupla homossexual americana


Governo dos EUA provoca atrito diplomático com a Rússia por causa de adolescente russo seduzido por dupla homossexual americana

Comentário de Julio Severo: Um rapaz russo de 17 anos foi enviado para estudar nos EUA e agora ganhou asilo do governo dos EUA depois de ser “adotado” por uma dupla homossexual que ele conheceu numa igreja liberal. O governo da Rússia protestou contra a atitude do governo americano, dizendo que o jovem foi seduzido. Uma leitora do Daily Mail, onde saiu a reportagem, deixou claro que ela considera “abominável” a lei russa que proíbe propaganda homossexual para crianças e adolescentes, mas mesmo ela confessou: “Estou confusa. Como é que um rapaz de 17 anos num programa de intercâmbio internacional acaba sendo adotado? Sei que as coisas podem ficar nebulosas na situação de bebês e crianças novas, mas como é que alguém quase adulto, que obviamente foi criado e amado por um pai e uma mãe e enviado ao exterior para estudar, afirma agora que ele é legalmente um órfão? Esse negócio todo de adoção está parecendo muito nebuloso.”
Para proteger a sedução ou outra questão homossexual envolvida, o governo dos EUA preferiu entrar em atrito diplomático com a Rússia, que agora não mais permitirá a ida de estudantes russos aos EUA. Afinal, e se esse tipo de sedução homossexual acobertada e protegida pelo governo dos EUA virar moda contra os jovens russos?
Eis agora a reportagem complete do DailyMail:

Tempestade diplomática no momento em que a Rússia reivindica que um estudante de intercâmbio em busca de asilo nos EUA foi ‘seduzido por gays mais velhos’ que ele conheceu na igreja

Ollie Gillman para o MailOnline
Um estudante russo do ensino médio ficou no centro de uma tempestade diplomática depois que ele foi adotado por uma dupla homossexual enquanto estava em um programa de intercâmbio nos EUA.
Acham que o rapaz anônimo de 17 anos de idade procurou asilo nos EUA por ser gay, seguindo uma onda de russos homossexuais que migraram para os EUA por causa de leis rigorosas contra “propaganda” homossexual legisladas pelo governo russo em 2013.
Diplomatas russos dizem que o rapaz anônimo de 17 anos de idade foi seduzido por um casal homossexual em uma igreja (foto de arquivo)
Mas o governo russo afirma que o rapaz foi “ilegalmente” colocado para adoção e que ele foi “seduzido” por uma dupla de homossexuais mais velhos que ele conheceu numa igreja.
A mãe do rapaz viajou para Michigan, onde ele estava estudando, no início deste ano, em uma aparente tentativa de convencê-lo a voltar para casa.
Lisa Coate, vice-presidente da organização que opera o programa de intercâmbio, disse que os EUA “financiaram a viagem [da mãe] para permitir-lhe falar com seu filho e dizer-lhe tudo o que ela queria dizer a ele”, mas o rapaz decidiu ficar.
Pavel Astakhov,  ministro de assuntos de crianças da Rússia, disse que não está claro por que os EUA concederam asilo ao rapaz já que ‘ele vem de uma família decente e é saudável’
A agência estatal de notícias Tass disse que diplomatas russos visitaram o rapaz de 17 anos e descobriram que ele foi “seduzido” por “dois homossexuais idosos da igreja, ex-militares que já tinham adotado dois rapazes americanos e que se ofereceram para serem seus patrocinadores e até mesmo pagarem por seus estudos na Universidade de Harvard”.
Foi neste momento que o rapaz se entregou às autoridades de imigração, em busca de asilo.
O estudante devia voltar para a Rússia na primavera deste ano, mas as autoridades do país só tornaram o caso público esta semana.
Pavel Astakhov, ministro de assuntos de crianças da Rússia, disse: “Um rapaz, que tem uma mãe na Rússia, foi colocado ilegalmente sob tutela, sendo entregue para uma dupla gay dos EUA”.
“O rapaz vem de uma família decente e é saudável, por isso não está claro quais os argumentos que guiam as autoridades dos Estados Unidos”.
John F. Tefft, embaixador dos EUA em Moscou, disse que lamenta a decisão do governo russo em cancelar o programa de intercâmbio (foto de arquivo)
A advogada do rapaz, Susan Reed, do Centro de Direitos dos Imigrantes de Michigan, disse ao site BuzzFeed que as autoridades russas estavam “descaracterizando completamente” o que tinha acontecido, mas não deu mais detalhes.
A disputa levou a Rússia a cancelar o programa de intercâmbio de estudantes, já de longa data, em meio a tensões maiores entre as duas nações.
O Programa de Intercâmbio de Líderes do Futuro (sigla em inglês FLEX), patrocinava estudantes do ensino médio de ex-repúblicas soviéticas para virem aos EUA para estudar.
Pelo menos 15 estudantes russos se recusaram a voltar para casa desde o início do programa em 1993.
Konstantin Dolgov, do Ministério das Relações Exteriores do Kremlin, disse: “Uma situação inaceitável surgiu como resultado disso, quando nossos estudantes [russos] foram de fato submetidos a legislação dos Estados Americanos, onde os menores estão aptos a escolher, por conta própria e sem a permissão de seus pais, o seu lugar para viver ou serem adotados”.
John F. Tefft, embaixador dos EUA, respondeu em um comunicado através do site da embaixada de Moscou. Ele dizia: “Lamentamos profundamente esta decisão do governo russo em acabar com um programa que há 21 anos tem construído conexões profundas e fortes entre os povos da Rússia e dos Estados Unidos”.
Desde que a chamada lei contra “propaganda homossexual” entrou em vigor na Rússia em 2013, houve uma onda de russos que procuraram asilo nos países com mais direitos iguais para os homossexuais, incluindo os EUA.
Os dois países ficaram em desacordo em 2012, depois dos Estados Unidos barrarem a entrada de todos os suspeitos de abusos aos direitos humanos, levando a Rússia a proibir todas as adoções de crianças russas por americanos, bem como de quaisquer outras nações que permitem o “casamento” gay.
Leitura recomendada:

8 comentários :

Jonatan Souza disse...

Este estados unidos é uma grande babilônia mesmo ô paísinho sujo que promove tudo quanto é abominação

Cláudia disse...

Bastam mais alguns motivos para a Rússia entrar em guerra com os EUA.

Marcelo disse...

Que pena que não é contra o Brasil que os EUA estão irados, pois infelizmente este país já está dominado pelo crime e pela perversão dos valores morais em todos os níveis.

O crime organizado praticamente tomou conta das instituições republicanas brasileiras e a criminalidade barata, que é reflexo do tráfico de drogas, opera sem receio nas ruas das nossas cidades, produzindo um número cada vez maior de alienados mentais, de pessoas desprovidas de motivação para o trabalho e para o estudo, e de futuros ladrões e homicidas.

Por isso, assistimos, abertamente, nas ruas e na mídia, um desfile monumental de pessoas pervertidas sexualmente e dependentes do submundo, todas elas com ar de pessoas evoluídas, livres das amarras da moral e membros de uma nova raça: os maluco-beleza, meio-homem e meio-mulher.

As barreiras que ainda restam para que o crime seja oficializado como direito inalienável da pessoa humana brasileira são alguns policiais militares, abnegados, que ainda sonham com uma sociedade justa (constituída por autoridades justas), os quais, de forma incompreensível, ainda arriscam suas vidas para nos defender dessa barbárie.

Pergunta-se: porque essas são praticamente as únicas barreiras? Porque, como sabemos, as leis que deveriam nos proteger, favorecem as trevas e aos discípulos delas, desde quando são concebidas, no Congresso, o qual já está tomado pelo Partido da CORRUPÇÃO.

Todavia, a tendência é que essa barreira caia muito em breve, pois a campanha contra as forças policiais é declarada e desproporcional, com ampla aceitação social, a qual é manifestada direta ou indiretamente (como, por exemplo, no voto).

Ainda que mais e mais cidadãos de bem, a cada dia, derramem seu sangue nas mãos dos bandidos, ou assistam seus filhos morrerem, ou se tornarem escravos desse submundo, a sociedade voluntariamente apoia isso tudo, como ovelha que é conduzida para o matadouro.

Assim sendo, quando os policiais abnegados cuidarem em defender somente as suas próprias vidas e das suas famílias, será o estabelecimento do CAOS social nesta pobre nação. Salvo erro, isso ocorrerá muito em breve não porque as autoridades preservem os policiais (ao contrário, elas os odeiam), mas simplesmente porque somente os policiais portarão armas de fogo e terão chance de se defender desse genocídio, promovido pelo governo do crime organizado e aceito pela sociedade.

Marcelo disse...

Eu gostaria de saber de que lado a idolatria romana se posiciona nessa guerra fria...pois, na segunda guerra mundial, ela não deixou dúvida de que lado estava.

E porque levantar essa questão a respeito dessa denominação religiosa?
Simplesmente porque tal denominação se diz a representante de Cristo na terra, e, como tal, contrária àquilo que Deus abomina.

Veja algo a respeito dessa problemática em:
https://www.youtube.com/watch?v=ikxMOe21v8E

Anônimo disse...

A ditadura gay no Brasil não fica atrás! A OAB não está, por um acaso, correndo atrás de processar o Levy Fidelix por "homofobia", um tipo criminal não existente? A coisa tá tão feia que, mesmo sem lei, a "gaystapo" quer prender qualquer desafeto, imagine se passar o tal PL da "homofobia"! Final dos tempos chegando.

Marcelo disse...

Quem diria que um dia os valores seriam invertidos! Jovens são iniciados no homossexualismo em igrejas (católicas e evangélicas) nos Estados Unidos, enquanto que os russos, socialistas/comunistas saem em defesa da família e da moral. No Nordeste brasileiro os muçulmanos já chegaram e a "vida boa" dos gays por estas paragens já correm risco, porque eles estão dispostos a investir em sua religião.

Está tudo de cabeça pra baixo. Mas é bom abrirmos os olhos - os americanos, como Governo, não são mais confiáveis, o povo, por outro lado, é bom. São duas entidades diferentes, como cá no Brasil: O Estado de um lado e o povo do outro. Peraí: Acho que foi sempre assim - menos governo, mais liberdade, é minha oração.

Julio Severo disse...

Marcelo, você disse que os russos socialistas e comunistas saem em defesa da família. Sua informação está equivocada. No mês passado, por exemplo, eu e muitos líderes pró-família internacionais estivemos em Moscou. Pudemos também estar no Kremlin em atividades o dia inteiro, com palestras atacando a agenda gay e o socialismo. Sim, você leu direito: atacamos lá, livremente, a agenda gay e o socialismo.

Anônimo disse...

O governo dos EUA com suas políticas anticristãs estão aliciando os jovens russos ao homossexualismo? Quem diria que uma país antes considerada cristão, hoje prega a sodomia aos quatro cantos do mundo.