28 de setembro de 2014

Alerta: Resolução pró-homossexualismo do Brasil é aprovada na ONU


Alerta: Resolução pró-homossexualismo do Brasil é aprovada na ONU

Comentário de Julio Severo: A ONU aprovou, em 26 de setembro de 2014, resolução liderada pelo Brasil que, pretensamente, visa monitorar as “violações contra homossexuais.” Pela primeira vez em sua história, a ONU vai fiscalizar de perto tais violações, que nada mais serão do que capa para promover e até impor a agenda gay. Em 2003, denunciei o governo Lula por ter introduzido na ONU a primeira resolução classificando o homossexualismo como um direito humano inalienável. Pelo esforço de grupos e países pró-família, Lula perdeu. Mas agora Dilma conseguiu, com o apoio do Chile e Uruguai. Os Estados Unidos e seus aliados europeus também deram todo apoio à resolução do Brasil na ONU. Em contraste, entre os aliados comerciais do Brasil no BRICS, a Índia se absteve de votar enquanto que a Rússia de Vladimir Putin votou contra o Brasil, preferindo rejeitar a resolução brasileira. Os países africanos — menos a marxista África do Sul — também votaram contra o Brasil. Dilma consultou o povo brasileiro antes de usar a delegação brasileira na ONU para avançar a agenda gay?
ATENÇÃO: LEIA TAMBÉM E DIVULGUE ESTE ARTIGO: ONU ADOTA RESOLUÇÃO HOMOSEXUAL LATINO-AMERICANA
Leia agora a matéria do Portal R7 que, apesar de ser favorável à resolução brasileira e não informar sobre seu propósito de promover a agenda gay, ainda assim traz algumas informações aproveitáveis:

ONU fará raio X mundial de homofobia

Nações Unidas fará avaliação a cada dois anos sobre as violações contra gays

Liderada pelo Brasil, uma resolução foi aprovada nesta sexta-feira (26) na ONU introduzindo de forma definitiva o debate sobre a violência contra homossexuais na agenda das Nações Unidas. O projeto apenas pede que a entidade faça uma avaliação a cada dois anos sobre as violações contra gays, mas já era suficiente para ser atacado por diversos governos como "imperialismo cultural". Na prática, o documento transforma a ONU em um instrumento para expor e denunciar governos que criminalizam o homossexualismo.
O jornal O Estado de S. Paulo revelou com exclusividade há duas semanas o projeto que, além do Brasil, era patrocinado por Chile e Uruguai. A esperança de Brasília era de que o projeto não exigisse uma votação e que o documento fosse aprovado por consenso. Mas, diante da resistência de africanos e árabes, o Conselho de Direitos Humanos, com sede em Genebra, foi obrigado a chamar um voto.
A resolução acabou passando por 25 votos a favor, 14 contra e sete abstenções, em um reflexo de como o assunto divide a comunidade internacional. O texto orienta a ONU a realizar levantamento da violência e ataques contra homossexuais a cada 2 anos, além de "expressar a grave preocupação contra atos de violência e discriminação cometidos contra indivíduos por causa de sua orientação sexual e identidade de gênero".

Apoio

Ao lado do Brasil votou o governo dos Estados Unidos. Nesta semana, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, havia declarado que daria "todo seu apoio" à iniciativa. No início do ano, Washington chegou a ameaçar cortar a ajuda ao governo de Uganda diante de medidas contra homossexuais no país africano.
Nesta sexta, uma aliança de governos latino-americanos e europeus garantiu votos suficientes para aprovar o texto. Já no campo contrário estavam Argélia, Botswana, Costa do Marfim, Etiópia, Gabão, Indonésia, Quênia, Kuwait, Marrocos e Arábia Saudita.
As críticas mostraram o racha entre Ocidente e o mundo islâmico. "O termo orientação sexual pode ser destrutivo e é um inimigo à fé muçulmana e aos jovens", declarou a delegação do Paquistão, em um documento enviado à ONU.
"Esta resolução é uma violação aos direitos humanos e é uma imposição cultural", atacou a delegação saudita.
Os Brics - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - não votaram em bloco. A surpresa para muitos foi a rejeição do governo de Vladimir Putin pela proposta. A esperança era de que Moscou pelo menos se abstivesse. Já a Índia preferiu se abster.
Também estava sendo observado com atenção o voto sul-africano. O país toma a defesa de homossexuais, mas estava sendo pressionado pelo bloco africano a seguir a linha do continente, contrária à resolução. Pretória acabou votando ao lado do Brasil.
Para a Human Rights Watch, a aprovação da resolução proposta pelo Brasil é "um marco" na defesa dos direitos dos homossexuais. Segundo a entidade, um total de sete emendas foram apresentadas para tentar "aguar" o documento. "Esse é um momento significativo para o movimento LGBT", declarou Monica Tabengwa, representante da entidade. "O documento manda uma mensagem forte", declarou Jonas Bagas, da entidade TLF, das Filipinas.
Fonte: Portal R7
Divulgação: www.juliosevero.com
ATENÇÃO: LEIA TAMBÉM E DIVULGUE ESTE ARTIGO: ONU ADOTA RESOLUÇÃO HOMOSEXUAL LATINO-AMERICANA
Leitura recomendada:

4 comentários :

Andressa disse...

Pôxa vida! Os EUA, que eram para votar contra, ajudam Dilma nesta porcariada homossexual, enquanto que a Rússia, que achávamos que devería sempre cumprir papel de amiga da destruição, vota contra a destruição homossexual promovida pelo Brasil na ONU. O mundo virou de cabeça para baixo!!!

Leandro disse...

Júlio, como devemos agir, teologicamente até, diante de igrejas que adotaram a agenda hedonista sob o disfarce de "inclusão"?

Nil disse...

Presidenciáveis reagem contra fala homofóbica de Fidelix

Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves repudiaram a declaração do nanico; PV pediu que Ministério Público abra inquérito para apurar crime
a homofóbica de Levy Fidelix (PRTB) durante o debate na TV Record, neste domingo, provocou reações dos principais candidatos à Presidência da República. Nesta segunda, Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) criticaram a fala do folclórico candidato do Aerotrem, que associou homossexualidade a pedofilia.

Durante agenda em São Bernardo do Campo (SP), Aécio Neves classificou a fala como lamentável. "Nosso repúdio absoluto àquelas declarações. E como já disse mais de uma vez, na minha avaliação, todo tipo de discriminação é crime. Homofobia também."

Em entrevista coletiva em São Paulo, Dilma usou o episódio para se posicionar a favor da criminalização da homofobia. "Eu já disse que sou contra a homofobia e acho que o Brasil atingiu um patamar de civilidade que não podemos conviver com processos de descriminalização que levem à violência. Eu acho que a homofobia tem de ser criminalizada", afirmou.

A candidata do PSB, Marina Silva, considerou "homofóbicas e inaceitáveis em quaisquer circunstâncias" as declarações de Levy Fidelix e disse que sua Rede Sustentabilidade avalia entrar com ação na Justiça contra o candidato. "Não aceitamos em hipótese alguma atitude que incita ao preconceito, desrespeito, violência contra comunidade LGBT ou qualquer que seja", disse.

O Partido Verde protocolou nesta segunda-feira uma representação contra Levy Fidelix. A representação, feita a pedido de Eduardo Jorge, candidato do partido à Presidência da sigla, pede que o MP abra um inquérito contra Fidelix para apurar desrespeito à dignidade humana.

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/presidenciaveis-se-unem-em-criticas-a-levy-fidelix

Cristiano disse...

VIOLAÇÃO CONTRA GAYS.

ESTUPRAR UM ÂNUS NÃO É VIOLAÇÃO?