1 de setembro de 2014

Acidente suspeito de avião dispara candidatura presidencial de pentecostal socialista e fortalece interesses globalistas


Acidente suspeito de avião dispara candidatura presidencial de pentecostal socialista e fortalece interesses globalistas

Julio Severo
Wayne Madsen, um jornalista investigador cujas pesquisas sobre questões de segurança conheci pela primeira vez em meu site conservador favorito, o WND, lida com a ascensão vertiginosa de Marina Silva, uma radical ambientalista e socialista que é a candidata mais provável para derrotar a presidente socialista do Brasil, Dilma Rousseff, na eleição presidencial.
Madsen tem alguns pontos interessantes, mas em outros aspectos ele não consegue ver o que é óbvio para nós conservadores brasileiros. Por exemplo, ele disse: “A derrota de Dilma sinalizaria uma vitória para as atividades secretas do governo Obama para eliminar de cena os presidentes progressistas em toda a América Latina.”
Ora, por que o Obama progressista iria querer eliminar seus camaradas progressistas na América Latina? O padrão, de acordo com Madsen, parece ser “pró-negócios” versus “anti-negócios” — e os EUA são campeões em negócios. Por isso, se um presidente progressista da América Latina se opõe aos grandes negócios do presidente progressista dos EUA, ele sofrerá oposição do governo americano. Por outro lado, se um presidente progressista latino-americano defender o aborto e a homossexualidade, ele não enfrentará nenhuma oposição de seu camarada na Casa Branca. As ávidas políticas pró-sodomia e pró-aborto de Dilma nunca enfrentaram nenhuma oposição do governo dos EUA. Ela está enfrentando isso agora só por causa de questões de negócios.
Madsen também parece pensar que “socialista” e “pró-negócios” são estranhos parceiros de cama.
Se “pró-negócios” não habilita um socialista a ser socialista, então a China, com seus milhares de fábricas americanas, certamente não é socialista nessa definição. Mas a verdade é, a China é radicalmente socialista e um grande e privilegiado aliado comercial dos EUA.
Os socialistas no Brasil podem ter variadas nuanças para lidar com a economia, mas sua abordagem às questões morais fundamentais é basicamente igual. Em palavras e ações políticas, eles têm defendido, em menor ou maior grau, o aborto e a agenda gay, principalmente o “casamento” gay, do jeito que os socialistas ocidentais fazem.
Madsen diz que Marina Silva é “pró-israelense.” Qual é a base dele para tal declaração? Ele parece não gostar de Israel. Al Jazeera, um site noticioso muçulmano que não é conhecido por simpatizar com Israel, noticiou de forma simpática sobre Marina. Nenhuma menção sobre posturas “pró-israelense” de Marina.
A aparente postura anti-Israel de Madsen não faz sentido, pois George Soros, denunciado por ele como por trás da ascensão de indivíduos progressistas como Marina e, consequentemente, da “desestabilização” da eleição do Brasil, está igualmente investindo na desestabilização do tradicional apoio evangélico a Israel. Com sucesso, ele investiu na desestabilização da Ucrânia. Tal é seu poder. Como geralmente fazem os esquerdistas, Soros coloca sua ideologia socialista anti-Israel acima de sua herança judaica. De forma semelhante, Marina coloca sua ideologia socialista acima de sua fé cristã.
Conversei com um grande especialista evangélico sobre Israel, e ele nada sabe de uma Marina “pró-israelense.” Além disso, os aliados políticos dela são socialistas anti-Israel.
Talvez Madsen supôs que pelo fato de que Marina Silva é membro de uma igreja pentecostal — a Assembleia de Deus —, a conclusão lógica é que ela é naturalmente pró-Israel tal qual é a maioria dos pentecostais do Brasil. No entanto, as raízes religiosas originais dela vêm da forma mais popular de catolicismo no Brasil: a Teologia da Libertação, que é anti-Israel.
Essa teologia é muito comum entre católicos do Brasil, que é a maior nação católica do mundo. Mas não é comum entre pentecostais. Geralmente, as pessoas que têm uma conversão na Assembleia de Deus ficam sob a obrigação de abandonar sua vida passada, inclusive o catolicismo e a Teologia da Libertação. Não existe explicação para o que aconteceu no caso de Marina. Não se conhece a razão de seu marxismo católico popular ter tido liberdade de sobreviver à sua conversão religiosa ao pentecostalismo.
Meu livreto “Teologia da Libertação versus Teologia da Prosperidade” diz: “Marina Silva, que hoje é membra da Assembleia de Deus em Brasília, se gaba de que conheceu o “evangelho vivo” na Teologia da Libertação que aprendeu com Leonardo Boff, um dos maiores propagandistas dessa teologia no Brasil. Boff e sua teologia foram oficialmente condenados pelo Vaticano durante o papado de João Paulo 2, mas essa condenação oficial não impediu Marina de seguir o homem e sua teologia” (p. 12). Boff é seu conselheiro.
Marina Silva se queixou da “onda de conservadorismo” que quase derrotou Dilma Rousseff na eleição presidencial de 2010. A onda conservadora foi a expressão de fortes sentimentos cristãos contra o aborto e o homossexualismo. Em vez de se colocar frontalmente contra o histórico e posições patentemente abortistas e homossexualistas de Dilma e do PT, Marina, em sua “Carta Aberta aos Candidatos à Presidência da República Dilma e Serra”, criticou abertamente o que ela enxergou como “esse conservadorismo renitente que coloniza a política e sacrifica qualquer utopia em nome do pragmatismo sem limites” (p. 16).
O histórico político dela é o mesmo de Dilma: o Partido dos Trabalhadores.
A análise de Madsen tem só uma conclusão: os EUA só apoiarão progressistas “pró-negócios” (isto é, pró-EUA).
Minha opinião é que o Brasil deveria se livrar de ambos progressistas (pró e anti-EUA). E os EUA deveriam também se livrar de seu progressista na Casa Branca.
Sobre a CIA assassinando indivíduos que atrapalham os interesses do governo dos EUA, recomendo o livro “Target: Patton: The Plot to Assassinate General George S. Patton” (Alvo: Patton: O Complô para Assassinar o General George S. Patton), que mostra como a organização predecessora da CIA pode ter sido responsável pelo assassinato de Patton, que queria derrubar a União Soviética. Aliás, este livro mostra a CIA e sua predecessora matando muitos outros inimigos (inocentes ou não) dos interesses dos EUA.
Não me entenda mal: não me oponho se o governo dos EUA e a CIA matam bandidos. Há informação de que quando os militares do Brasil derrubaram os comunistas na década de 1960, o governo americano os “ajudou.” Mas o atual governo dos EUA está traindo os militares anticomunistas e ajudando apenas os progressistas do Brasil a fortalecer os interesses dos progressistas americanos “pró-negócios.”
Agora a guerra não é sobre comunistas versus conservadores. É progressistas pró-EUA versus progressistas anti-EUA. É progressistas americanos “pró-negócios” contra progressistas estrangeiros “anti-negócios.”
O que é interessante é que Madsen não faz nenhuma menção acerca da obsessão socialista unificada e enorme em prol da promoção do aborto e homossexualismo. Questões econômicas importam mais para ele do que questões morais e éticas? Obama e Dilma não têm nenhuma discordância sobre impor suas ideologias progressistas de aborto e homossexualidade. As discordâncias deles são apenas econômicas. Em outros aspectos, eles são “família” — uma família progressista.
Agora leia a análise de Madsen tendo em mente o que a Bíblia diz:
“Examinai todas as evidências, retende o que é bom.” (1 Tessalonicenses 5:21 KJA)

Todos os fatores apontam para a CIA no assassinato por meio de um acidente aéreo do candidato à presidência do Brasil

Wayne Madsen
O acidente de avião que matou o candidato à presidência do Brasil, Eduardo Campos, que estava cotado em segundo lugar, atrás da atual Presidente Dilma Rousseff, tem prejudicado gravemente as chances de Dilma à reeleição. A substituta de Eduardo Campos na linha de sucessão, a ex-líder do Partido Verde, Marina Silva, é uma fantoche de George Soros, que agora tem uma boa chance de derrubar Dilma Rousseff, num provável segundo turno da eleição. A derrota de Dilma sinalizaria uma vitória para as atividades secretas do governo Obama para eliminar de cena os presidentes progressistas em toda a América Latina.
Uma revisão da história pós-Segunda Guerra Mundial revela que, de todas as muitas maneiras que os serviços de inteligência têm usado para eliminar as ameaças políticas e econômicas, o assassinato através de um acidente aéreo classifica-se em segundo lugar, à frente de acidentes automobilísticos e envenenamento, só ficando atrás do uso de armas de fogo e munições, como o “modus operandi” favorito da Agência Central de Inteligência (CIA) para efetuar um assassinato político.
Os assassinatos por meio de acidentes aéreos do secretário-geral das Nações Unidas, Dag Hammarskjöld, do presidente de Ruanda, Juvenal Habyarimana, do presidente do Burundi, Cyprien Ntaryamira, do primeiro-ministro português, Francisco Sá Carneiro, do presidente do Paquistão, Muhammad Zia Ul-Haq, do futuro primeiro-ministro indiano, Sanjay Gandhi, do presidente da União dos Trabalhadores Automotivos Unidos dos EUA, Walter Reuther, do ex-senador pelo Texas, John Tower, e do senador de Minnesota, Paul Wellstone, todos eles traziam as marcas do envolvimento de uma ou mais agências de inteligência dos EUA no intuito de pôr um fim à carreira política que ameaçava os fundamentos da América imperial.
A América Latina, em particular, tem sido marcada por acidentes aéreos que mataram dois líderes que estavam determinados a se afastar da influência da política americana, o presidente Jaime Roldós Aguilera, do Equador e do presidente Omar Torrijos do Panamá. Ambos os líderes morreram em 1981, com Roldós morrendo poucos meses antes de Torrijos. John Perkins, o autor de “Confissões de um Assassino Profissional Econômico” e ex-membro dos serviços de inteligência dos EUA, apontou os Estados Unidos em ambos os assassinatos realizados através de um acidente aéreo.
Esse antecedente do envolvimento dos EUA em assassinatos através de acidentes aéreos torna a queda da aeronave Cessna Citation 560XLS, no dia 13 de agosto, em Santos, Brasil, que matou o candidato “pró-negócios” à presidência, pertencente ao Partido Socialista Brasileiro, Eduardo Campos, seus assessores e a tripulação, ainda mais suspeita. O momento do acidente, durante uma campanha eleitoral que favorecia uma vitória fácil para Dilma Rousseff, provoca questões significativas entre os investigadores brasileiros e o público em geral.
Desde a sua introdução em 1996, o modelo Cessna Citation 560XLS tem desfrutado de um histórico de segurança perfeito. A morte repentina de Campos inverteu a campanha presidencial brasileira de uma forma que pode beneficiar os Estados Unidos e a agenda de longo prazo da Agência Central de Inteligência (CIA) para a América Latina.
Questões perturbadoras estão sendo levantadas sobre a propriedade da aeronave que carrega o número de cauda PR-AFA. Os obscuros registros da inscrição e dos proprietários do avião, juntamente com a falta da gravação do áudio do voo, graças a uma aparente avaria no gravador de voz da cabine do avião, têm levado um grande número de brasileiros a quererem saber se o avião foi sabotado pelos Estados Unidos. Ao invés de ter a gravação das conversas da tripulação do voo do acidente de Eduardo Campos, o gravador só tinha as gravações de voz de um voo anterior.
O avião estava voando na rota do Rio de Janeiro – Aeroporto Santos Dumont – para o Guarujá, quando caiu em uma área residencial de Santos.
O avião era operado pela AF Andrade Empreendimentos e Participações, que tem sede em Ribeirão Preto, no estado de São Paulo, mas arrendado da Cessna Finance Export Corporation, uma divisão da Textron, um dos principais fornecedores de defesa e inteligência dos EUA. A Cessna é uma divisão da Textron. O gravador de voz com defeito foi fabricado por outra fornecedora de defesa e inteligência dos EUA, a L-3 Communications. Os negócios da AF Andrade estão centrados em sua propriedade de uma destilaria. Um porta-voz da AF Andrade disse que a aeronave de 9 milhões de dólares não tinha sido recentemente inspecionada, mas salientou que tinha um registro perfeito de manutenção.
No entanto, o porta-voz da AF Andrade não podia declarar especificamente quem era o proprietário da aeronave, mas admitiu provavelmente apenas o contrato de arrendamento, que o avião estava à venda e, recentemente, tinha sido comprado por um grupo de “donos de fábricas e importadores” de Pernambuco. Campos era um ex-governador de Pernambuco.
Os compradores fizeram um consórcio que incluía a Bandeirantes Pneus Ltda. A empresa de pneus disse que as negociações sobre a transferência de propriedade estavam em curso quando o avião caiu e que a Cessna Finance Export Corporation ainda não tinha aprovado os direitos finais de leasing. Observadores brasileiros acreditam que o Cessna que caiu era um “avião fantasma”, com propriedade obscura, a fim de acobertar o uso do avião para operações secretas envolvendo a CIA. Aviões similares com registros de propriedade e registros manchados foram usados pela CIA para sequestros de muçulmanos rendidos para interrogatório e aprisionamento nos “locais negros” da América em todo o mundo.
O Conselho de Segurança Nacional de Transporte dos Estados Unidos (National Transportation Safety Board – NTSB) enviou um equipe ao Brasil para investigar o acidente aéreo. No entanto, se o desempenho do NTSB sobre acidentes, como o TWA 800 e o voo 587 da American Airlines, é alguma indicação, a agência só se destaca no acobertamento de ações criminosas.
Eduardo Campos foi substituído na chapa por Marina Silva, que é uma queridinha financiada por George Soros e direcionada para os movimentos de globalização e a “sociedade civil”. Marina Silva, que é membro pró-Israel da Igreja Pentecostal da Assembleia de Deus, é muito mais pró-negócios e pró-EUA do que Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores, um partido de esquerda brasileiro. Recentemente, Dilma Rousseff, junto com seus colegas líderes dos BRICS da Rússia, Índia, China e África do Sul, criaram um novo banco de desenvolvimento que desafia a supremacia dos EUA que opera o Banco Mundial. A criação do banco enfureceu Washington e Wall Street.
Marina Silva pode estar desfrutando de mais do que um mero voto de simpatia, recentemente adquirido nas pesquisas contra Dilma Rousseff. A presidente brasileira é vista por Washington como uma adversária, especialmente depois que os detalhes foram divulgados, por Edward Snowden, da enorme vigilância da Agência de Segurança Nacional (NSA) sobre a presidente brasileira.
Se Dilma Rousseff foi forçada a ir para um segundo turno com Marina Silva, como primeiro ou segundo lugar no primeiro turno, Aécio Neves, do “conservador” Partido Social Democrata afirmou que ele endossaria Marina Silva se ele ficar em terceiro lugar. A aritmética política poderia significar problemas para Dilma Rousseff, que provavelmente teria deslizado para a vitória se não tivesse sido o avanço de Marina Silva para a cabeça de chapa do Partido Socialista Brasileiro. O candidato à vice-presidência na chapa de Marina Silva é Beto Albuquerque, cujas credenciais na “sociedade civil” estão na proteção dos direitos humanos e do consumidor, o que indica uma “criação” ao estilo Soros.
As pesquisas atuais para 5 de outubro no primeiro turno é de Dilma Rousseff, com 36% dos votos, Marina Silva, com 21%, e Aécio Neves, com 20%. No entanto, com Aécio Neves fora da disputa no segundo turno, agendado para o dia 26 de outubro, algumas pesquisas mostram Marina Silva batendo Dilma Rousseff com 47% contra 43%, enquanto outros mostram Marina Silva derrotando Dilma Rousseff por uma margem de 9%. É claro que as pesquisas de opinião já não são independentes, mas são artifícios de agências de inteligência corporativas e ocidentais usados para influenciar a opinião pública e se envolver na “programação preditiva” de populações inteiras.
O ambiente favorável para Marina Silva como resultado do possível assassinato através do acidente aéreo de Eduardo Campos e seus assessores possui muitas suspeitas sobre o papel da CIA na queda do avião, especialmente depois que impressões digitais da CIA foram descobertas em assassinatos através de acidentes aéreos dos presidentes Torrijos e Roldós, em 1981. Recentemente, em fevereiro deste ano, o helicóptero presidencial normalmente usado pelo presidente do Equador, Rafael Correa, um forte opositor das políticas de Washington e um aliado de Dilma Rousseff, caiu nas montanhas em um voo de Guayaquil a Quito. O piloto pessoal de Rafael Correa morreu no acidente. Rafael Correa, que estava se dirigindo a um comício de campanha no momento do acidente, ressaltou que ele não estava programado para estar no voo helicóptero Dhruv, produzido na Índia. Entretanto, a suspeita de sabotagem pela CIA não podia ser contida entre a população equatoriana.
Marina Silva está sendo apontada como uma candidata de “Terceira Via” no Brasil. A “Terceira Via” é um movimento internacional que tem sido usado por políticos corporativos, muitos deles financiados por George Soros, para se infiltrarem e assumirem partidos historicamente pró-trabalhista, socialistas e progressistas. Os políticos mais notáveis das “Terceiras Vias” incluem Bill Clinton, Tony Blair,  Gerhard Schroeder da Alemanha, Justin Trudeau do Canadá, o presidente Francês françois hollande, o primeiro-ministro francês manuel valls, o primeiro-ministro italiano matteo renzi e o ex-primeiro-ministro italiano Romeo Prodi, José Sócrates de Portugal, Ehud Barak de Israel e funcionários do Partido Socialista Brasileiro, do Partido Verde e dos Partidos Sociais-Democratas, incluindo Marina Silva, Aécio Neves, o falecido Eduardo Campos e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. No entanto, quando se torna vantajoso assassinar um membro da “Terceira Via” a fim de promover outro, não há nenhum problema em eliminar alguém como Eduardo Campos, a fim de abrir caminho para um político mais popular (e controlado) como Marina Silva, especialmente quando os interesses de Israel e Wall Street estão em jogo.
O Cessna levando o primeiro-ministro português Sá Carneiro, que caiu enquanto o primeiro-ministro estava voando para um comício de reeleição em Porto, destruiu as perspectivas futuras da esquerdista Aliança Democrática, porque os dois sucessores leais a Sá Carneiro que o substituíram não tinham o seu carisma. Eventualmente, Mario Soares, da “Terceira Via” e pró-OTAN, “socialista apenas no nome”, tornou-se primeiro-ministro e conduziu Portugal no caminho da “Terceira Via” subserviente a uma Europa unida e à globalização. O embaixador de Portugal, na época da morte de Sá Carneiro, era o agente da CIA Frank Carlucci, cujas impressões digitais estavam no assassinato do ex-primeiro-ministro Patrice Lumumba, no Congo, em 1961. Carlucci tornou-se vice-diretor da CIA, Conselheiro de Segurança Nacional e o secretário de Defesa no governo do presidente Ronald Reagan. Carlucci também é o presidente emérito do Grupo Carlyle, conectado a CIA. A morte suspeita de Eduardo Campos no Brasil parece ser uma cópia exata da execução rápida de Sá Carneiro efetuada pela CIA, com Dilma Rousseff como o alvo final da ação e Marina Silva e seus apoiadores globalistas como beneficiários.
Traduzido por Dionei Vieira do artigo da Fundação de Cultura Estratégica: All factors point to CIA aerially assassinating Brazilian presidential candidate
Leitura recomendada:

10 comentários :

yuna007 disse...

mídia brasileira só discorda do pt na economia, na cultura apóia tudo que os globalistas gostam
a mídia do brasil está a soldo de george soros??

Anônimo disse...

A interpretação que faço é que a defesa de Israel da parte de Marina viria do background cristão que entenderia Israel como povo escolhido por Deus.
.
Não obstante a questão vai mais além, porque também é verdade que Israel é o povo que gerou tanto a melhor semente quanto a pior (Abel e Caim). E que qualquer força alinhada com a pior semente Israelita pode usurpar a legitimidade de querer levantar a bandeira dizendo ser "a escolhida" sem que verdadeiramente o seja. Portanto é importante ficar alerta a quem apóia quem dentro da política.

Claudio Vaz disse...

Intetessante texto de Wayne Madsen com excelente esclarecimento de Júlio Severo.

Ainda tem gente que fala em "livramento", é dose.

MARINA é o cavalo premiado do mega capital global. Adeus Banco Central e alguma política econômica independente. Adeus Amazônia, a floresta tropical deve ser um museu para nós brasileiros otários mas fonte de riqueza e poder para o megacapitalismo do Governo Mundial.

Isso, votem em Marina.

Anônimo disse...

O artigo possui determinada fundamentação anterior a eu o ler, a saber, concordando em tese com ele:
Como os comunistas são verdadeiros animais, odeiam a Deus e entre si mesmos, ou se abraçam esses mesmos, dependendo dos interesses, eu via a amizade de Dilma com Putin ameaçadora aos interesses dos EUA!
Teriam medo de perder o Brasil, a hoje América Latrina nas mãos dos "defensor da ética-moral" Putin e, daqui a uns tempos ficarem cercados pelos russos, perderem negocios e daí resolveram interromper o caminhos do PT em direção aos soviéticos.
Daí, entre eles mesmos comunistas, para atenderem quaisquer interesses, "todos os meios justificam os fins" e a "ética-moral" deles todos é o oportunismo!
Fora do materialismo, para eles, tudo mais é ilusão!

Cicero disse...

Pergunta que não quer calar:
E se Marina estivesse naquele avião também?? o que haveria grandes chances!

Parece que a CIA errou o alvo...

Marinês disse...

A CIA, com seu vasto conhecimento de espionagem, sabia exatamente quem estaria no aviao e quem era o alvo. Porisso Marina esta vivinha da silva.... Ela tem uma missao a cumprir.

Claudio Vaz disse...

MARINA etava no Rio e DEIXOU de embarcar para São Paulo.

O SOCIALISTA Eduardo andava colado com Marina pra cima e pra baixo justamente para ganhar votos. Mas naquele manhã, isso não aconteceu.

Por que ela não embarcou?

Quem tem alguma IDÉIA de como operações de inteligência funcionam sabe que as INFORMACÕES são compartimentadas, ou seja nem todos os envolvidos sabem de todos os detalhes.

O que estou tentando dizer é isso: Marina não tem a menor idéia do que aconteceu.

No desenrolar dos fatos naquele estranho 13 de agosto (que mês) fiquei atento. Tudo que foi dito é que Marina decidiu por outro compromisso. Apenas isso.

Não é estranho que mais nada tenha sido explicado? Até hoje não me lembro de ter lido ou visto nada a respeito do compromisso que "salvou" Marina.

E sabemos com a mídia gosta de explorar a emoção das pessoas.

Quando a eleição passar, será contada uma bela história no Fantástico que fará todo o sentido. E todos acreditarão.

Não há nada de novo debaixo do sol. Nem uma "nova política".

Italo Salomão disse...

O comentário do Cláudio Vaz faz todo sentido. Sempre achei estranho essa morte do Eduardo Campos e o fato de a imprensa não noticiar nada a respeito do tal compromisso de Marina que a tirou justamente do avião que outrora viajava.

Anônimo disse...

Por que Marina não estava no avião: http://coturnonoturno.blogspot.com.br/2014/08/o-oportunismo-calculado-de-marina-silva.html.
Aqui está um trecho com a explicação: "Marina Silva não entrou no avião para não apoiar um ato organizado por Márcio França (PSB), vice de Geraldo Alckmin (PSDB), na cidade de Santos. Se fosse um evento da Rede, ela teria entrado. (...) Já a respeito da esposa de Campos, ela estava voltando pra casa com um menino de sete meses.Não poderia ficar fazendo escalas em voo político."

Anônimo disse...

BRASILEIRO É A RAÇA MAIS LIBERAL CULTURALMENTE DO MUNDO..
PT/PSDB(PARTIDOS PROGRESSISTAS) CONTINUARÃO ETERNAMENTE LUTANDO PELA PRESIDÊNCIA
BRASILEIRO NUNCA EXIGIRÁ UM PARTIDO\CANDIDATO CONSERVADOR, POIS **** PRA CONSERVADORISMO
LUTA POLÍTICA NO BRASIL SE RESUME A COMUNISMO X ANTICOMUNISMO