24 de agosto de 2014

Ariovaldo Ramos contra o cessacionismo: Os dons só cessam quando morremos


Ariovaldo Ramos contra o cessacionismo: Os dons só cessam quando morremos

Ariovaldo Ramos
Comentário de Julio Severo: Considerando que Ariovaldo Ramos circula muito nos meios calvinistas, um terreno onde abunda a aridez da heresia cessacionista (que nega que o Espírito Santo dá hoje dons sobrenaturais como profecia e outros), sua postura de defender que hoje, enquanto somos imperfeitos, precisaremos dos dons sobrenaturais é louvável. Muito inteligente também é sua atitude de colocar Calvino como não como cessacionista. Mas mesmo que Calvino fosse cessacionista, a Palavra de Deus é maior do que ele e suas palavras. No entanto, não é só o cessacionsimo que abunda nos meios calvinistas. Nas denominações calvinistas, tanto no Brasil quanto nos EUA, o liberalismo teológico — na figura da Teologia da Missão Integral (TMI) e Evangelho Social — tem trazido contaminações marxistas. Eu acho que a Palavra de Deus é suficiente para evitarmos a TMI e suas contaminações marxistas. Não fico surpreso em saber que calvinistas e protestantes semelhantes sejam pioneiros na TMI. Mas fico surpreso que Ariovaldo, ao abraçar muito do estilo de vida calvinista, tenha se deixado contaminar pela TMI, ainda mais crendo em dons como profecia. O que ele dirá depois ao Senhor? “Eu não sabia que a TMI era errada”? Resposta do Senhor: “Você tinha Minha Palavra. Qualquer dúvida adicional, você tinha Meus dons revelatórios, para alertá-lo mais…” Até onde sei, antes de ser tornar relativamente “reformado,” Ariovaldo era um homem que subia os montes para orar e ouvir a Deus. Depois, foi influenciado por Caio Fábio e ficou deslumbrado com o mundo teológico dos calvinistas. Nesse mundo arriscado, ele conseguiu evitar a heresia cessacionista, mas não as outras. Por que a TMI, a maçonaria e o cessacionismo abundam há décadas entre presbiterianos (calvinistas)? Isso não deveria fazer parte da vida de um seguidor de Jesus que realmente crê na Palavra e nos dons sobrenaturais do Espírito Santo. A mesma Bíblia que não apoia em momento algum a heresia cessacionista também não apoia nenhum tipo de marxismo, seja Teologia da Libertação ou sua irmã evangélica, a Teologia da Missão Integral. É de chocar que Ariovaldo consiga ver uma verdade, mas seja incapaz de ver a outra. Que Deus possa remover esse desequilíbrio da vida dela. Eis o artigo de Ariovaldo em que ele acerta em cheio sobre a heresia cessacionista. Que ele ainda venha a ter o mesmo acerto sobre a outra heresia:
Cessacionismo ou Espírito Santo?
“O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará; porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado.” 1Co 13.8-10
Paulo nos diz que um dia não precisaremos mais de profecias, nem de dons, nem de conhecimento. Porque estas possibilidades compõem o que ele chama de “o que é em parte”. Na chegada do perfeito, o que é em parte será aniquilado.
Por que em parte conhecemos? Segundo João Calvino “a intenção de Paulo é mostrar que o fato de recebermos conhecimento e profecia é precisamente uma prova de que somos imperfeitos. Portanto ‘em parte’ significa que não fomos ainda aperfeiçoados. Conhecimento e profecia, portanto, terão lugar em nossas vidas enquanto a imperfeição fizer parte de nossa existência terrena, pois eles nos assessoram até que plenitude nos atinja.” (Comentário à Sagrada Escritura, Exposição de 1Coríntios, 1ª Edição em Português, São Paulo, 1996, Edições Paracletos, pg. 402)
Os dons durarão até chegar o que é perfeito. Quando chegará o que é perfeito? O que Paulo está dizendo? Segundo João Calvino “ele está dizendo: ‘Quando a perfeição chegar, tudo o quanto nos auxiliou em nossas imperfeições será abolido.’ Mas, quando tal perfeição virá? Em verdade, ela começa com a morte, quando nos despirmos das inúmeras fraquezas juntamente com o corpo; porém, ela não será plenamente estabelecida até que chegue o dia do juízo final.” (op. cit., pg. 403)
Então, enquanto vivermos precisaremos dos dons, do conhecimento e da profecia. É claro que “o benefício oriundo dos dons só é eficaz enquanto estivermos nos movendo para o alvo” (op. cit. Pg 402), isto é, os dons são os acessórios necessários para vivermos conforme a nossa vocação. “Paulo poderia ter posto nestes termos: ‘Quando tivermos alcançado o ponto de chegada, então as coisas que nos ajudaram no percurso deixarão de existir.’” (op. cit. Pg. 403) Só com a morte a gente deixa de precisar dos dons, do conhecimento e da profecia, não que a morte seja o que é perfeito, o que é perfeito vem com o juízo final: a nossa ressurreição!
Cessacionismo é liberalismo teológico e Determinismo é paganismo; não há nada de estranho no fato de andarem juntos.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

2 comentários :

Flávio disse...

Sempre achei que ele fosse cessacionista.

Ivana Freitas disse...

Estou impressionada com esse blog