8 de julho de 2014

A Bancada Evangélica traiu as famílias?


A Bancada Evangélica traiu as famílias?

Thiago Cortês
É a pergunta que martela em minha cabeça desde percebi que a aprovação da Lei da Palmada contou com participação ativa da Bancada Evangélica.
Estou tentando entender se esta contribuição dos membros da Bancada é apenas expressão de sua omissão diante dos avanços do Estado sobre a sociedade civil ou se é algo pior.
Não sei os motivos para tal capitulação. Porém, como diria o personagem de Guimarães Rosa, “eu quase que nada não sei, mas desconfio de muita coisa”.
Há tempos desconfio de muita coisa sobre nossos atuais supostos representantes.
Desconfio das atitudes. Desconfio das posturas. E tudo isso me leva a desconfiar que existe uma abismal diferença entre o que a Bancada diz e o que ela faz, de fato, no Congresso.
Para mim, não foi tão surpreendente quando o presidente da Frente Parlamentar Evangélica (FPE), o deputado federal Paulo Freire, comemorou a aprovação da Lei da Palmada como se esta fosse uma vitória da própria Bancada Evangélica.
Nas tribunas da Câmara e do Senado, e diante das câmeras de TV, os parlamentares evangélicos esbravejam, gesticulam, esperneiam, enfim, proporcionam um espetáculo teatral que só perde em sentimentalismo para as novelas mexicanas.
Nos bastidores, contudo, desconfio que seguem orientações dos caciques de partidos.
Mesmo quando isso significa votar em favor de projetos como a Lei da Palmada, que minam a liberdade dos indivíduos, a autonomia das famílias, os direitos dos pais sobre seus filhos, contribuindo para o aprisionamento da sociedade civil pelo Estado.
Enquanto gritam na tribuna contra os projetos de leis polêmicos, na “hora H” acabam votando pela aprovação das mesmas leis. Não se sabe exatamente o motivo. Mas desconfio que os seus partidos negociem tudo por boquinhas em ministérios e estatais.
Não quero ser injusto. Nem todos os parlamentares evangélicos se encaixam nesse modelo de oportunismo da Bancada. Há exceções honrosas como o deputado pastor Eurico.
Ele quase foi engolido vivo por seus colegas de Bancada Evangélica quando ousou questionar a presença de uma ex-atriz pornografia na sessão da Comissão de Constituição e Justiça que discutia um projeto de lei supostamente benéfico para as crianças.
Quando falou do filme pornográfico que aquela senhora havia protagonizado, no qual ela se deita nua com uma criança, o pastor Eurico foi abandonado pelos colegas evangélicos. É claro que, durante a campanha eleitoral, eles se apresentarão ao povo como heróis da resistência.
Eis o que desconfio de muitos membros da Bancada Evangélica: passam três anos reproduzindo um discurso apocalíptico sobre o fim das igrejas e demonizando adversários. E depois esquecem tudo para subir no palanque dos supostos “demônios”.
Apesar da enorme influência política que exercem dentro e fora do Congresso, desconfio que os deputados evangélicos colaboram ativamente para a aprovação de projetos absurdos como a Lei da Palmada em nome de interesses outros.
Ninguém os obriga. A ex-atriz pornográfica presente na sessão que resultou na aprovação da Lei da Palmada estava desarmada.
Todas essas derrotas só podem ser explicadas pela covardia ou pela incompetência. Mas a incompetência sistemática, em um período de quatro anos, aponta mais para a hipótese de fraude, no sentido de se fazer precisamente o contrário do que se diz.
As vitórias “da Bancada”, como a retirada da Ideologia de Gênero do Plano Nacional de Educação, se explicam pela forte pressão de cidadãos comuns, católicos e evangélicos, que brigam para que os deputados que se dizem cristãos ajam, de fato, como cristãos.
Eles ligam nos gabinetes, enviam emails, cartas, cobram suas lideranças. E fazem mais.
Todas as sessões que avaliam projetos polêmicos recebem a visita providencial de cristãos oriundos dos mais distantes rincões do Brasil que chegam ao Congresso para garantir que os parlamentares que dizem defender a família não aprovem projetos contra a família.
Quando a pressão do povo cristão se faz sentir aqueles covardes parlamentares evangélicos que abandonaram o pastor Eurico acabam fazendo a coisa certa. Desconfio que sem a pressão do povo cristão aqui fora, a Bancada Evangélica teria sempre mãos de Pilatos.
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
A importância de disciplinar os filhos (artigo especial de Julio Severo sobre a correção física dos filhos)

18 comentários :

Eliel disse...

Torno a repetir, mais uma vez, o mesmo comentário que eu já fiz em um artigo semelhante a este:

ESTA NOSSA BANCADA EVANGÉLICA E NADA É A MESMA COISA!

Desculpem se eu fui muito direto (ou muito grosseiro), mas, infelizmente, é desta forma que eu vejo a nossa atual bancada evangélica!

Pode ser que, dentro dessa mesma bancada, haja (se é que realmente há) algumas raras e honrosas exceções (a exemplo do pastor Eurico). Mas eu diria que 90% dessa bancada já está totalmente vendida aos interesses do governo do PT e dos demais partidos esquerdistas (sem contar os que fazem conchavos ou acordos com o mesmo governo para a obtenção de favorecimentos pessoais dos mais diversos tipos).

O que mais nos deixa indignados é vermos muitos dessa mesma bancada (que se dizem cristãos) estarem ao lado dos esquerdistas. Com "cristãos" assim em boa parte da bancada evangélica do Congresso Nacional, quem precisa se preocupar com os ataques do diabo? Ou, como se diz no popular, com "amigos" desse tipo, quem precisa de inimigos?

E digo mais: se Dilma for reeleita (como já se cogita que será), ou se Lula se recandidatar para disputar a presidência, não duvido nada que grande parte da bancada evangélica vai fazer campanha para um deles (ou ambos). Aliás, se depender dessa mesma bancada, o PT e os demais partidos esquerdistas sempre estarão no poder.

Alguém daqui ainda tem alguma dúvida quanto a isso?

Anônimo disse...

Julio meu prezado, essa bancada é só lero, lero. Eu por exemplo já dei até um nome para eles. o novo nome é: cambada evangélica. Adalberto

Thiago disse...

Irmãos em Cristo,

É isso mesmo o que o Thiago Cortês indica no seu artigo do Gospel Prime. Uma boa parte da bancada evangélica se vende por 30 moedas de prata.

E este governo (+a ONU), engajado na sua política de "desmonte" da família tradicional... CLARAMENTE UM PROJETO DIABÓLICO, SATÂNICO, IMUNDO!!!


Sugestão de Louvor
Mattie Moss Clark - Power From On High
http://www.youtube.com/watch?v=G90MeC-c_3w

Edmilson disse...

Se Jesus aparecesse repentinamente no Congresso Nacional, com certeza absoluta Ele iria expulsar de lá esses que fazem parte da bancada evangélica (e que têm sido omissos no combate ao pecado). E Ele também diria as mesmas palavras que disse ao expulsar os vendilhões do templo:

"Está escrito: A Minha casa será chamada casa de oração; mas vós a transformastes em um covil de ladrões" (Mateus 21:13)

Não é exatamente isto o que acontece hoje não só dentro do Congresso Nacional, como também em algumas igrejas ditas cristãs?

Anônimo disse...

Edmilson, na verdade, Jesus nem chegaria perto de tanta podridao. O termo mais aproximado para esses supotos evangelicos seria o daqueles que debandaram do Evangelho. Um dia, qdo o Senhor descer o cipoh no lombos deles vai ser choro e ranger de dentes.
Agora, se "elles" chegaram lah eh porque incontaveis pessoas, embora com a Biblia na mao, nada discernam.
Qualquer um que vier me pedir voto vou EXIGIR o prontuario dele.

Antonio.

Duílio disse...

Concordo plenamente com o que o Adalberto disse: cambada evangélica!

É lamentável vermos que a nossa bancada evangélica, a cada dia que passa, está ficando com a reputação cada vez mais manchada perante o público. Imagino o quanto o Senhor Jesus deve estar muito triste diante de tudo isso!

Parece que os políticos desta mesma bancada estão esquecidos do que a Palavra de Deus ensina sobre a postura de um verdadeiro cristão:

"E não vos conformeis com este mundo; mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, perfeita, e agradável vontade de Deus" (Romanos 12:2)

"Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; Para que sejais sinceros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo" (Filipenses 2:14–15)

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, todo aquele que se faz amigo do mundo se constitui inimigo de Deus" (Tiago 4:4)

"Não ameis o mundo, e nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne e dos olhos, e a soberba da vida não são do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, assim também como o seu desejo; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre" (1 João 2:15–17)

O que os ditos "evangélicos" desta bancada dirão quando estiverem diante de Jesus?

Finalizo minha mensagem com este alerta do apóstolo Paulo:

"Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus" (Romanos 14:12)

José Júnior disse...

Concordo com o Adalberto. O nome mais apropriado para esses covardes que se dizem evangélicos é: CAMBADA EVANGÉLICA.

Diácono Elias (Igreja Batista Nova Jerusalém) disse...

O Antônio disse textualmente isto:

"...Qualquer um que vier me pedir voto vou EXIGIR o prontuário dele."

Antônio, não só eu assino embaixo disso que você colocou, como eu ainda acrescentaria o seguinte (me corrija se eu estiver errado): se todos os eleitores do Brasil (inclusive os cristãos) tivessem orado e pedido discernimento a Deus antes de votar, não teríamos no poder um governo pró–homossexualismo, pró–aborto, anti–família e anti–cristão. E nem elegeríamos uma bancada que se diz evangélica, mas que não tem tido nenhum compromisso verdadeiro com a obediência à Palavra de Deus (além de ser omissa no combate ao pecado e conivente com o mesmo governo)!

Creio que o problema está não somente em muitos dos políticos que se dizem cristãos (como os da bancada evangélica), mas também de alguns cristãos eleitores que os colocam lá. Alguns desses mesmos eleitores votam somente por votar, influenciados por alguém (tipo: "Vou votar no irmão da minha igreja, pois foi o pastor quem pediu"), ou sem saber quem realmente é o candidato, quais ideais defende, quais compromissos tem, quais interesses visa, enfim, o que realmente fará ao ser eleito.

Daí, surgem certos "políticos cristãos" que estão mais preocupados em cuidar de seus negócios particulares (ou dos negócios de suas igrejas) do que em ter um compromisso sério com a obediência à Palavra de Deus e com questões que afetam a sociedade como um todo (especialmente a maioria cristã).

Portanto, é necessário que todos (não só o povo, mas também as igrejas) sejam politicamente conscientizados sobre a responsabilidade do voto. Se em toda eleição colocarmos ímpios no poder, estaremos dando carta branca para que o diabo e os demônios ataquem a tudo e a todos (além de promoverem a destruição dos valores morais, familiares, e dos princípios cristãos). Em suma: o que não podemos fazer é perpetuar este ciclo vicioso, ou melhor, não podemos continuar alimentando esta política imoral e anti–cristã que já tomou conta do Brasil. Aliás, não só o cenário político, mas, infelizmente, até algumas igrejas evangélicas estão infestadas de falsos cristãos gananciosos e vaidosos que só usam o nome de Deus para seus próprios interesses (ou para suas próprias conveniências pessoais).

Que este alerta seja amplamente divulgado a todos, para que todos saibam o quanto o voto é importante para decidir o futuro de um país.

Um grande abraço,

Diácono Elias (Igreja Batista Nova Jerusalém)

Anônimo disse...

Rsrsrs, concordo plenamente.
Macy

Anônimo disse...

A bíblia não mente, maldito o homem que confia no outro.

Anônimo disse...

Diacono elias, na verdade penso que A C A B O U. Desde 2002, pricipalmente, que as trevas fecharam o circulo. De lah para cah, todos os candidatos aa Presidencia sao sacerdotes da eligiao do Mal (sucialismo). Qto aos "evangelicos", mal sao eleitos e jah comecam a fazer pactos com "elles".
Creio que nao ha mais nada a fazer, pois, de acordo com a Biblia, TODOS OS SINAIS DO TEMPO DO FIM estao na nossa epoca. Daqui para frente, se eh que jah nao estavam fazendo, devemos buscar a santidade, pois, sem ela, ninguem verah a Deus.

Antonio.

Claudio Vaz disse...

Li atentamente todos os dez comentários. Ninguém cita nome algum.

Aliás, houve um único nome citado mas como exceção à regra. O que não é verdade, bastando apenas identificar o partido do meliante.

Não quero ofender ninguém mas não fujo da minha opinião: a bancada evangélica é uma "cambada" por causa de seus eleitores. Simples assim.

Anônimo disse...

Bancada evangelica tupiniquim...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Anônimo disse...

O post diz:
Mesmo quando isso significa votar em favor de projetos como a Lei da Palmada, que minam a liberdade dos indivíduos, a autonomia das famílias, os direitos dos pais sobre seus filhos, contribuindo para o aprisionamento da sociedade civil pelo Estado.

Se fosse só isso tava tudo bem, o problema e que esta bancada ajudou a submeter o povo de Deus a uma condição em que terão que escolher se obedecem a lei dos homens ou a lei de Deus. Ou você se dobra a estátua de Nabucodonozor (lei da palmada) para não sofrer as consequências desta desobediência, ou você se mantém firme na orientação bíblica e assume o risco . O problema é que até mesmo no meio evangélico esta lei não é vista como uma ação sutil contra nossa fé e parece que não estamos nos incomodando muito com ela. Volto a repetir, precisamos trabalhar para que nestas eleições boa parte desta bancada seja substituído. Moro em Manaus, sou membro da igreja presbiteriana do Brasil e estou agindo, na medida do possível, para esclarecer irmãos de todas as denominações e também as pessoas de boa fé. Em alguns comentários anteriores, cheguei a mencionar o pastor Everardo como opção para presidente, mas quando fui buscar mais informações a respeito dele, fiquei um pouco desanimado, e olha que ainda nem sei qual foi a postura dele, como deputado, sobre esta lei da palmada.
Normalmente tenho escrito como anônimo sem citar nenhum nome. Desta vez vou colocar o meu primeiro nome.

Sebastião

Wellington disse...

Respondendo ao Sebastião,

Sebastião,

Quem são os modernos adoradores da estátua de Nabucodonosor? Não é muito difícil de responder: são os políticos do PT (e dos demais partidos esquerdistas), bem como todos aqueles que são cúmplices das políticas pró–aborto, pró–homossexualismo, anti–família, e anti–cristãs. São também certos líderes religiosos de algumas igrejas ditas cristãs (e também alguns dos políticos da bancada evangélica) que fazem alianças com a esquerda em troca de favores e interesses pessoais dos mais diversos tipos.

Os verdadeiros cristãos têm a obrigação moral de fazer a diferença (ou seja, têm que ser luz neste mundo de trevas). Assim como Deus, em Sua Palavra, disse que reservou para Si 7.000 varões que não se curvaram diante de Baal (conforme o apóstolo Paulo diz em Romanos 11:4), nós também temos que fazer parte dos que não se curvam diante dos desmandos do governo corrupto do PT (e da esquerda). Temos que adotar conosco o mesmo lema dos antigos mártires da fé cristã: "Antes morrer do que pecar".

Por isso, não nos prostraremos diante da moderna estátua de Nabucodonosor (que representa o PT e os partidos de esquerda), como também não faremos nenhuma aliança com alguns dos políticos ditos evangélicos que estão a serviço do deus representado por esta mesma estátua.

Anônimo disse...

Wellington
No momento, ainda que nós, comentadores deste blog, não nos conheçamos, o que temos que fazer é discutir estratégias de como agir, pois temos ainda algum tempo antes das eleições. Não vamos nos acomodar achando que somos numericamente insignificantes e nos sentirmos ridículos falando sobre possibilidades de realizar mudanças. Ainda que eu, no corpo a corpo, consiga fazer apenas dez pessoas ficarem convictas do mal que esse pessoal de esquerda representa, acho que vai valer apena, principalmente se estes dez se tornarem multiplicadores. Quanto aos deputados da bancada evangélica que precisam ser substituídos, temos que nos empenhar em convencer os irmãos que a atuação destes deputados não demonstra o devido zelo pelos princípios cristãos. O problema é quando os irmãos nos perguntarem em quem votar. Aí que começa o nosso trabalho pois teremos que já ter pesquisado sobre candidatos que tenham compromisso com nossos princípios, portanto teremos que dedicar nosso tempo a investigar. Aqui no meu estado (Amazonas) vai ser um pouco difícil, mas tenho tido acesso já a algumas pessoas e acho que, à medida que se comece a falar em eleições vai ser mais fácil.

Sebastião

ELISEU disse...

Respondendo ao Sebastião,

Sebastião,

Você disse textualmente algo que me chamou a atenção (e que eu transcrevo aqui):

"... teremos que já ter pesquisado sobre candidatos que tenham compromisso com nossos princípios, portanto teremos que dedicar nosso tempo a investigar..."

Sebastião, você está certíssimo. Teria que ser assim mesmo: todos os eleitores (principalmente os cristãos) deveriam investigar a vida pregressa dos candidatos (principalmente os da bancada evangélica), o que dizem os estatutos, diretrizes, ou resoluções dos partidos aos quais esses mesmos candidatos são filiados, como votam, como atuam no Congresso Nacional, quais ideais defendem, enfim, procurar se informar (e também esclarecer a todos), para que não haja ninguém sendo enganado pelos muitos lobos em pele de cordeiro que sempre aparecem em todas as eleições.

Lembro que tinha um vizinho meu (que se dizia evangélico) que matava e morria pelo PT e pela esquerda. E era também um defensor ferrenho dos socialistas: Marx, Lênin, Stálin, Fidel Castro, Che Guevara (e outros). E não admitia que ninguém falasse mal deles!

Mas bastou eu mostrar alguns vídeos (e também algumas reportagens e alguns artigos) mostrando o que os esquerdistas realmente fazem às escondidas para que esse mesmo vizinho "acordasse". Quando ele finalmente viu a verdade sem nenhum disfarce, ele ficou tão horrorizado que me confessou: "Eu não sabia que esse pessoal agia assim nos bastidores".

Num primeiro momento, ele custou a acreditar no que estava vendo. Mas, como se diz popularmente, "contra fatos, não há argumentos". Ele, finalmente, teve que admitir que tinha sido enganado durante todo esse tempo. Aí eu aproveitei a deixa e disse a ele: "Jesus disse, com todas as letras, que o diabo é o pai da mentira (João 8:44). Os esquerdistas agem da mesma forma (exatamente igual ao diabo): fazem mil e uma promessas mentirosas para se elegerem. É somente através da mentira e da dissimulação que a esquerda consegue estar no poder (para depois mostrar a sua verdadeira face). Se não fosse pela mentira, os políticos do PT (e de outros partidos esquerdistas) jamais seriam eleitos".

Diz um ditado popular que "quem vê cara, não vê coração", não é verdade? Quantas promessas de muitos esquerdistas são feitas na nossa frente com um sorriso (mas com as intenções mais perversas por trás desse mesmo sorriso)?

Por isso é que o governo não tem nenhum interesse que o povo tenha conscientização política. É lógico: quanto mais ignorante for o povo, mais esse mesmo povo é fácil de ser enganado. Em outras palavras: o povo politicamente ignorante se torna uma massa de manobra facilmente manipulável nas mãos de quem está no poder. E considerando que este mesmo povo vota mais com a barriga do que com a cabeça em quase toda eleição, não é nenhuma surpresa estarmos sendo governados por um bando de corruptos.

Tendo um governo totalmente pró–homossexualismo, pró–aborto, anti–família e anti–cristão (e uma bancada evangélica conivente com este mesmo governo), qual será o futuro do nosso país para as próximas gerações?

Deixo esta pergunta no ar para alguém daqui responder na primeira oportunidade.

Anônimo disse...

Eliseu, este seu trabalho de mostrar vídeos é uma excelente estratégia e acredito até que já venha sendo adotada por diversos irmãos, mas precisa ser intensificada. No entanto o esclarecimento sobre quem são os candidatos é apenas uma primeira etapa. Depois vamos ser obrigados ter o trabalho de esclarecer algumas coisas sobre nosso sistema eleitoral. Digo isto porque no Brasil os deputados e vereadores são eleitos pelo sistema proporcional. Isto significa, por exemplo, que eu posso votar em um candidato “A”, com princípios semelhantes aos meus e, no entanto, acabe elegendo junto ou somente um candidato “B” que não comunga em nada comigo. Vou dar aqui um exemplo prático. Temos o pastor Eurico que é de Pernambuco e tem, de fato, defendido os nossos princípios. Espero que seja reeleito. Ocorre que ele pertence a um partido armado até os dentes de ideias esquerdistas. Imagine o pastor Eurico recebendo um grande número de votos, suficiente para eleger mais dois candidatos do seu partido ou coligação. Existe um grande risco de estes dois que seriam supostamente eleitos juntos com o pastor (devido ao seu expressivo número de votos), serem favoráveis ao aborto ou ao casamento de pessoas do mesmo sexo. Ora, quem vota no pastor Eurico é contra estas coisas, portanto, um voto que visava combater ataques à vida e à família, pode vir a fortalecer estes ataques.
Tudo isto porque o pastor Eurico resolveu se filiar a um partido de esquerda. Portanto, nossos irmãos de Pernambuco vão ter que fazer uma tremenda ginástica para não deixar de eleger o pastor Eurico, mas, ao mesmo tempo, não deixar que seja eleito junto alguém com ideologia nociva ao cristianismo.
Exemplifiquei apenas uma situação do nosso sistema eleitoral, mas existe outra.

Sebastião