2 de junho de 2014

Por que fazer teologia no Mackenzie?


Por que fazer teologia no Mackenzie?

Em entrevista exclusiva, aluno do Mackenzie fala de mensalidades caras para sustentar uma instituição com espaço escancarado para promotores do liberalismo teológico da Teologia da Missão Integral

Julio Severo
Fazer ou não teologia? Essa é a questão. Se você é presbiteriano ou de outra linha calvinista, no Brasil a Universidade Presbiteriana Mackenzie é a melhor referência.
No passado, especialmente na década de 1960 durante o governo militar, o Mackenzie se destacou por um antagonismo com a esquerda. Era comum, na época, confrontos de rua entre estudantes do Mackenzie e estudantes esquerdistas da USP — Universidade de São Paulo.
Mas nem sempre foi assim. Antes do governo militar, importantes postos-chaves da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) estavam ocupados por esquerdistas, e a chegada do governo militar ajudou os presbiterianos conservadores a fazerem uma necessária faxina na casa. Daí, foi exatamente durante esse período que o Mackenzie se mostrou mais conservador.
Mais recentemente, o que tem destacado o Mackenzie não é o conservadorismo, mas professores que, impunemente, defendem a Teologia da Libertação ou sua versão protestante, a Teologia da Missão Integral.
Mesmo sob a gestão do ex-chanceler Augustus Nicodemus, defensores de ambas as teologias já gozavam de liberdade dentro do Mackenzie — inclusive Ariovaldo Ramos, considerado um dos “apóstolos” da Teologia da Missão Integral.
Qual seria a razão da grave omissão, sendo que os teólogos do Mackenzie expõem suas contrariedades a várias questões que eles interpretam como problemas? Há, no site do Mackenzie, textos teológicos defendendo o cessacionismo — doutrina herética abraçada por uma minoria calvinista radical que acredita que os dons sobrenaturais do Espírito Santo cessaram com a morte dos apóstolos originais da Bíblia.
Há vários outros documentos no mesmo site contra pentecostais e especialmente neopentecostais, citando por nome líderes e suas práticas, inclusive “guerra espiritual,” enxergada por eles como problema.
Mas nada há tão explícito e direto contra a Teologia da Missão Integral, muito menos citando os líderes principais dessa ideologia, como Ariovaldo Ramos, Robinson Cavalcanti e mesmo Ricardo Bitun, companheiro ideológico de Ariovaldo e coordenador de teologia no Mackenzie.
É preciso destacar, porém, que depois de várias décadas de infiltração da TMI na IPB e suas instituições teológicas, recentemente a TV Mackenzie, em entrevista com dois professores da universidade presbiteriana, teve, ineditamente, como foco uma crítica à TMI. Mas presbiterianos que assistiram disseram que ao mesmo tempo em que tentaram criticar a TMI, os professores do Mackenzie passavam a mão em cima. Confira neste link meu comentário, com link da entrevista integral.
Além disso, o Mackenzie tem sido um espaço importante para radicais grupos esquerdistas. Só para citar um exemplo, o Movimento Bandeira Vermelha patrocinou um debate da Frente Perspectiva sobre “opressão contra LGBTs, mulheres e afro-descendentes,” com a apresentação de um curta-metragem recomendado por Jean Wyllys, radical supremacista gay que já esteve como debatedor no Mackenzie, vencendo o outro debatedor, que simultaneamente representava o Mackenzie e a ANAJURE. O episódio, posteriormente muito mal explicado, acabou trazendo desgaste para o próprio Mackenzie.
Curta-metragem contra opressão aos homossexuais no Mackenzie
Claro que se eu fosse chanceler do Mackenzie, nem Bitun nem Ariovaldo nem outros esquerdistas teriam espaço ali para ensinar. Só para sentar no banco e receber uma ministração de libertação.
E se eu fosse só aluno ali? Eu teria de ser um “rebelde com causa” — um “rebelde” contra a ideologia socialista.
Contudo, outros evangélicos — não todos — não estão tão preparados para identificar e confrontar essa ideologia na maior universidade presbiteriana (ou calvinista, ou reformada, conforme queiram) do Brasil.
Apesar de sua orientação claramente presbiteriana (e alguns professores pró-TMI), a grande surpresa é que a grande maioria dos estudantes de teologia do Mackenzie não é presbiteriana, nem reformada nem calvinista. São neopentecostais.
Considerando que não existe nenhuma universidade de teologia neopentecostal no Brasil, jovens e profissionais neopentecostais estão recorrendo em bandos ao Mackenzie. Outro motivo que deve estar levando a população neopentecostal ao Mackenzie são as frequentes acusações que eles recebem: “Vocês, neopentecostais, são uns ignorantes. Não têm diploma teológico!”
É verdade: a vastíssima maioria deles não tem. E para buscar um diploma dessa espécie, quais são as opções evangélicas?
Há a Escola Superior de Teologia (EST), que é o maior seminário luterano do Brasil. Mas ali impera a Teologia da Libertação com todos os seus efeitos, inclusive infiltração da militância homossexual. A Universidade de Metodista São Paulo (UMESP), com os mesmos problemas, é outra opção inviável.
E há a Universidade Presbiteriana Mackenzie, de linha calvinista. Claro que perto da EST e da UMESP o Mackenzie é “conservador,” pois a Teologia da Missão Integral, perto da Teologia da Libertação, é muito mais “suave” e sútil.
Entre essas duas difíceis escolhas, os neopentecostais escolhem o Mackenzie, mas cancelam entre a 3ª e 4ª etapa do curso de teologia. No entanto, essa desistência em massa não é devido exclusivamente à apologia à ideologia socialista. Os alunos neopentecostais se sentem incapazes de absorver a grande carga de conteúdo teológico.
O segundo maior grupo de estudantes do Mackenzie é composto de pentecostais, especialmente da Assembleia de Deus. Os pentecostais conseguem ir até o fim do curso de teologia, se afiando no calvinismo e suas doutrinas. Não estranhe, pois, pastores da Assembleia e outras igrejas pentecostais clássicas repetindo, como papagaios teológicos, a mesma linguagem dos calvinistas: a fonte é a mesma.
A minoria dos estudantes de teologia do Mackenzie é reformada (ou calvinista, ou presbiteriana).
Eu não teria problema de estudar na EST ou Mackenzie, pois sou maduro o suficiente para não absorver e retransmitir ideologias porcas. Mas outros estão absorvendo tudo ou quase tudo o que estão aprendendo nessas instituições. É nesse ponto que entra a preocupação com a ideologia da Missão Integral, que não é drasticamente diferente da radical Teologia da Libertação.
O Blog Julio Severo tem o prazer de entrevistar um aluno que sabe identificar os problemas ideológicos no Mackenzie e que procurou contato comigo para expressar sua insatisfação com os rumos da teologia na maior universidade calvinista do Brasil.
Por motivo de segurança, a identidade do aluno, que está em contato constante comigo, será mantida em sigilo, só estando disponível para as lideranças da IPB que tiverem a responsabilidade de confrontar os problemas de sua universidade.
O esquerdismo é um problema sério. Mas, pelos vários artigos no site do Mackenzie contra as experiências carismáticas, pentecostais e neopentecostais, parece que os olhos teológicos do Mackenzie estão focados apenas em uma direção. Se esse for o caso, fazem vista grossa à Teologia da Libertação e à Teologia da Missão Integral ensinada por seus professores, por amor ao ódio maior. Ricardo Bitun e Ariovaldo Ramos, com presença destacada na gestão do ex-chanceler Augustus Nicodemus, receberam treinamento na Universidade Metodista de São Paulo que, junto com a EST, é o maior foco de contaminação marxista do protestantismo brasileiro.
Além disso, tanto Bitun quanto Ramos têm um rastro, inclusive uma obra conjunta, de ataques ao neopentecostalismo. Talvez esse seja o ingrediente mais importante que o Mackenzie tenha achado neles.
Alexandre Brasil, que hoje é agente presbiteriano muito bem pago do governo do PT para ludibriar os evangélicos, também passou pelo Mackenzie, e tem igualmente um livro contra o neopentecostalismo, classificando-o como Nova Era evangélica.
Mais recentemente, em almoço para convidados especiais, o atual chanceler do Mackenzie, David Charles, teve a companhia de Danilo Fernandes, dono do Genizah, um dos maiores tabloides sensacionalistas de linha calvinista esquerdista do Brasil. O foco de ataque do tabloide é sempre cristãos do movimento neopentecostal, tratando-os com ridicularizações e difamações, mas sistematicamente poupando camaradas calvinistas como Ariovaldo Ramos e Augustus Nicodemus, cujos artigos são publicados com destaque no tabloide.
É uma unidade no antineopentecostalismo, onde abraços discretos envolvem calvinistas supostamente conservadores escondendo e acobertando calvinistas da Teologia da Missão Integral, cujo liberalismo teológico, apesar de críticas sonsas de calvinistas pseudo-conservadores, é por eles implicitamente consentida pela entrada que eles dão aos “apóstolos” dessa teologia ideológica no Mackenzie e outras importantes instituições presbiterianas.
Entretanto, talvez num ponto todos eles tenham razão em seus ataques: a ignorância dos neopentecostais. Se não fossem ignorantes, não seriam a maioria dos estudantes do curso de teologia no Mackenzie.
São ignorantes o suficiente para estudar teologia numa universidade que não abre a mão de seu cessacionismo elitista e herético, negando que hoje o Espírito Santo dá dons sobrenaturais, essencialmente colocando as experiências neopentecostais no mesmo nível da bruxaria, mas aceitando de mão cheia os promotores do maior liberalismo teológico que reina há décadas nas igrejas presbiterianas do Brasil: a Teologia da Missão Integral, promovida, sem oposição, por grandes pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).
Esta é a segunda entrevista que faço com estudantes do Mackenzie. A primeira foi com um jovem reformado. Em ambos os casos, eles me procuraram depois de pesquisar no Google sobre os problemas de socialismo que haviam identificado nas aulas de teologia da universidade presbiteriana. Ambos encontraram explicações em artigos de minha autoria, e acabaram se comunicando comigo.
Outros alunos do Mackenzie verão o relato deles, e cedo ou tarde os estudantes neopentecostais farão cobranças em suas aulas de teologia: “Eu vim aqui para aprender teologia, mas estou absorvendo marxismo e cessacionismo. Para onde está indo todo dinheiro que pago mensalmente?”
Cedo ou tarde, os alunos pentecostais, que compõem o segundo maior grupo de estudantes de teologia, farão a mesma cobrança.
E espero que a minoria de alunos reformados, calvinistas e presbiterianos consiga fazer o que não tem sido feito durante décadas na IPB: cobrar fortemente a invasão da Teologia da Missão Integral em suas instituições teológicas.
Se essas cobranças ocorrerem, então a meta dessa entrevista foi cumprida, e a IPB não terá prejuízo algum, pois se livrará de um grande câncer espiritual que a atingiu décadas atrás, mas que só agora está sendo tratado com a gravidade merecida. E a Universidade Presbiteriana Mackenzie poderá, enfim, ser o que sempre deveria ter sido: conservadora.
Se essa mudança não ocorrer, os alunos neopentecostais e pentecostais de hoje no Mackenzie estarão sob risco de se tornarem futuros pastores e outros líderes evangélicos retransmitindo a Teologia da Missão Integral. Serão meros ventríloquos de um liberalismo teológico amplamente tolerado há décadas entre os calvinistas do Brasil. Esse será o maior desserviço que a Universidade Presbiteriana Mackenzie dará à causa do Evangelho no Brasil e também às igrejas neopentecostais e pentecostais.
Neopentecostais e pentecostais não são imunes à praga da Teologia da Missão Integral. Ricardo Gondim, como pastor pentecostal da Assembleia de Deus, estudou teologia na Universidade Metodista de São Paulo, onde os diabos do liberalismo teológico deitam e rolam. Depois, ele fez pós-doutorado ali. Hoje, ele não só é um dos “apóstolos” da Teologia da Missão Integral, mas também um apóstata, defensor do “casamento” gay.
Se for para os neopentecostais e pentecostais procurarem teologia tradicional para se contaminarem, é melhor que permaneçam “ignorantes.”
A Teologia da Missão Integral aproxima os evangélicos da esquerda, colocando sua ideologia marxista no pedestal do Evangelho. Coloca irmãos contra irmãos. Os adeptos da Teologia da Missão Integral, inclusive Ariovaldo Ramos e Ricardo Bitun, assinaram manifesto público contra Marco Feliciano quando todas as esquerdas do Brasil queriam removê-lo da presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados em 2013.
No mesmo ano, Magali do Nascimento Cunha, professora da Universidade Metodista de São Paulo e promotora da Teologia da Missão Integral, lançou um ataque, devidamente repercutido pelo tabloide Genizah, contra o alerta da Dra. Damares Alves, uma pastora pentecostal, contra as campanhas do governo para sexualizar as crianças do Brasil. Magali, como esquerdista desonesta, assumiu a defesa do governo do PT. Hoje, ela assessora a infame “Comissão da Verdade” levando para essa inquisição esquerdista suas “informações” sobre igrejas que se opuseram ao socialismo durante o governo militar.
A Teologia da Missão Integral une evangélicos à esquerda e os torna combatentes de cristãos conservadores.
A Teologia da Missão Integral no Mackenzie deixará de contaminar seus alunos majoritariamente neopentecostais e pentecostais com os mesmos problemas? Mesmo que o Mackenzie contaminasse com menos Teologia da Missão Integral do que a EST e a UMESP, dá para se dizer que não existe perigo?
O veneno, em grande ou pequena dose, tem seus efeitos nocivos, que cedo ou tarde aparecerão.
E Bitun é o maior exemplo. Ele é pastor neopentecostal, formado na radical UMESP, mas fala e age como os milhares de calvinistas progressistas do Brasil. Parece-se tanto com calvinista dessa espécie que foi achado digno de confiança pela elite calvinista de ser o coordenador do curso de teologia do Mackenzie. Para estar nessa posição, tem de ser mais calvinista do que a maioria dos calvinistas.
Ele tornou um neopentecostal Denorex, que não tem quase nada de neopentecostal, mas quase tudo de calvinista progressista.
Querendo ou não, Bitun se tornou prova viva dos perigos do contato entre neopentecostais e a moderna Teologia Reformada, que se encontra sequestrada por interesses de calvinistas progressistas. Não só contato com a Teologia Reformada (calvinista), mas também com outras teologias protestantes, que igualmente estão em degradação.
Leia esta entrevista e, se você, como pentecostal ou neopentecostal, está pensando em fazer teologia no Mackenzie ou na EST ou UMESP, para escapar do rótulo de “ignorante,” cuidado com o veneno do liberalismo teológico.
JS: Quanto tempo você estuda no Mackenzie?
ALUNO MACKENZISTA: Estudo na UPM (Universidade Presbiteriana Mackenzie) há três anos.
JS: O que fez você procurar o Mackenzie?
ALUNO MACKENZISTA: Procurei a instituição pelo fato de ter uma grade curricular conservadora, que me saltou aos olhos, e trabalhar com a Teologia Reformada (que é de meu agrado). Embora eu saiba separar os estudos acadêmicos da minha fé em Cristo, optei pela UPM por ser um diferencial entre as outras. Cheguei a pensar na Universidade Metodista, mas não simpatizo com a Teologia Liberal, e na PUC, mas não sou católico. Além disso, considerei o valor da mensalidade que até o momento é, graças a Deus, compatível com o meu bolso. Ponderei a linha teológica que a instituição segue, a localização próxima ao trabalho, valor que poderia pagar e o prestígio nacional da universidade.
JS: O que você esperava no Mackenzie e não encontrou?
ALUNO MACKENZISTA: Acredito que como todos os meus colegas cristãos e pastores, esperava encontrar uma instituição conservadora e que não falasse as besteiras teológicas que muitas instituições evangélicas têm propagado por aí. Desde a minha conversão, as dúvidas sobre a Palavra de Deus foram crescendo, até que resolvi estudar, contra a vontade do meu pastor e da minha família. Como já disse, não vejo problemas em estudar até mesmo com professores da linha liberal, pois sei separar a fé da academia. Uma vez que a fé é dom de Deus e é Ele quem nos dá, eu jamais a “perderia.” De fato, durante esses três anos na UPM, posso dizer que tive apenas dois professores liberais e esquerdistas. Os demais não o são e, felizmente, de certa forma, aprendi muito com todos eles.
O que me deixa realmente triste é a infiltração esquerdista no curso de Teologia. Pensei que aquele seria um lugar onde os cristãos pudessem fortalecer os seus conhecimentos acadêmicos e fazer a diferença no país, uma vez que ao ser indagado por conhecidos sobre minha graduação, tenho como resposta, num primeiro momento, um rosto franzido e uma interrogação: “Mas o que é teologia?” “O que faz um teólogo?” “Você vai arranjar emprego com isso?” “Essa profissão paga bem?” “Você está estudando para ser padre?” Ao contrário, encontrei na UPM professores que ainda acreditam na total exploração dos trabalhadores pelos empresários, que fazem apologia petista em plena sala de aula, que pregam a Teologia da Missão Integral, que falam dos benefícios da Teologia da Libertação, que exaltam as CEBs (comunidades eclesiais de base) e a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), que nos encorajam a ler os teóricos marxistas e a Escola de Frankfurt e por aí a fora… Fico furioso quando vejo na UPM alunos expressando admiração pelas aulas com essa temática, de maneira ingênua, acreditando que isso seja o Evangelho. Com a justificativa de estar fazendo uma boa obra aos humildes e necessitados, todos acabam caindo no engodo maquiavélico de que os fins justificam os meios. 
Não quero dizer com isso que sou contra a leitura e conhecimento desse tipo de material. Pelo contrário, eu mesmo leio sempre e acredito que os estudantes devem ler o máximo que puderem. Mas não alertar sobre as desgraças que o pensamento marxista/esquerdista gerou ao longo desses anos é ser negligente. A história está aí. Não há como negar.
Para não ser injusto, durante todo esse tempo, ouvi apenas um professor explicando a real intenção da Teologia da Missão Integral e dessas outras ideologias com o apelido de “teologia”. Os demais professores, mesmo não sendo esquerdistas, nunca proferiram uma só palavra contra a TMI. Outros até apoiam, já que a justificativa é o cuidado com os pobres. Às vezes eu me questiono: “Será que é por ignorância que eles não percebem que a TMI é um câncer na igreja, ou será que é proposital”? Eu espero que seja ignorância.
Infelizmente, parece que a própria Universidade Presbiteriana Mackenzie menospreza o curso de Teologia. Não há divulgação do curso (que deveria ser a menina dos olhos da instituição); a carga horária foi reduzida de quatro para três anos; somos obrigados a participar da maioria dos eventos oferecidos pela UPM sem um aviso prévio, mesmo que estes não sejam ligados à Teologia. Isso nos faz, muitas vezes, perder o conteúdo que seria ministrado e que nunca é reposto. Não me lembro de haver nenhuma aula de reposição durante o tempo que estou lá. A instituição que tanto prega a liberdade não nos permite ter a liberdade entre optar por assistir a uma aula (para a qual nos preparamos diariamente e pagamos) ou assistir a um evento do nosso interesse. Muitas vezes percebo que quando os auditórios estão vazios, os coordenadores e organizadores dos eventos correm no prédio da Teologia e esvaziam as salas de aula para prestigiar os palestrantes com um auditório lotado. 
JS: Alunos de teologia do Mackenzie já tentaram se queixar para a diretoria da carga esquerdista nos cursos de teologia?
ALUNO MACKENZISTA: Não tenho ciência de que algum aluno tenha se queixado do conteúdo esquerdista que muitas vezes somos obrigados a engolir, até mesmo porque, majoritariamente, poucos alunos se interessam ou têm ciência desse assunto. Como disse na questão anterior, tem aluno que sai da aula maravilhado após ouvir as boas obras da Teologia da Missão Integral. Quanto a isso não há resistência, infelizmente. Nunca tomei a frente de reclamar, pois tenho certeza de que não teria o apoio da maioria dos colegas, mas apenas de um ou dois. Além disso, a instituição não nos confere o poder nem ao menos para escolher entre assistir a uma aula ou um evento, não nos respeita quanto a nos avisar de antemão quando um professor falta (e isso acontece com frequência), etc. Creio que jamais dariam ouvidos às nossas queixas. 
A verdade é que o pensamento da maioria é sempre o mesmo: “deixa para lá, isso não é nada demais”. É jogando lixo aos pouquinhos que vemos um amontoado crescer.
Também não sou contra os professores ensinarem diversas correntes teológicas. Nós estamos lá para aprender um pouco sobre todas elas. Os alunos devem conhecer de tudo e formarem a própria opinião, seguir o próprio caminho. Acontece que é uma universidade confessional, a verdade deve ser dita.
JS: Os professores liberais reconhecem e confessam que a Teologia da Libertação e sua versão evangélica, a Teologia da Missão Integral, são liberalismo teológico?
ALUNO MACKENZISTA: Nenhum deles se assume liberal. Parece também que eles não se importam com o viés marxista da TMI, já que os pobres são o “alvo” dessa teologia.
JS: Na década de 1960 durante o governo militar, o Mackenzie ficou famoso por seu antagonismo com a esquerda. Como os professores liberais do Mackenzie encaram isso?
ALUNO MACKENZISTA: Quando indagado se o Mackenzie apoiou o regime militar, um professor ficou revoltado, dizendo que isso era mentira. Eles estão sempre negando essa informação dentro do Mackenzie e não gostam quando os alunos tocam nesse assunto.
JS: Como é que o Mackenzie pode manter presbiterianos liberais hoje se no passado os expulsava?
ALUNO MACKENZISTA: Os presbiterianos comunistas foram expulsos, porém, recentemente, foram honrosamente reintegrados à IPB. Um exemplo que foi exaltado em de aula de teologia no Mackenzie, aula em que eu estava, foi o de Paulo Stuart Wright. O professor de história passou um filme sobre ele e disse que era também amigo de Jaime, irmão do Paulo Wright. (Nota: Jaime Wright foi um importante pastor presbiteriano socialista que fez resistência ao governo militar do Brasil.)
JS: Você poderia fornecer um exemplo especifico da doutrinação esquerdista?
ALUNO MACKENZISTA: Por exemplo, na aula de Sociologia da Religião, no primeiro semestre de 2013 durante a gestão do chanceler Augustus Nicodemus, o Ricardo Bitun, professor e coordenador do curso, deu três ou quatro aulas, fez todas as turmas de teologia assistirem a uma aula magna com o Pr. Ariovaldo Ramos (seu amigo pessoal) e distribuiu diversos artigos esquerdistas para as turmas apresentarem (e durante as apresentações exaltava a Teologia da Libertação e as “obras” esquerdistas). Ele disse que dava esses artigos para todas as turmas, inclusive da pós-graduação. O conteúdo dos artigos é totalmente esquerdista, absurdos às vezes. Não houve objeção de nenhum aluno. O que foi dado para leitura não passou pela crítica. Posso resumir um dos artigos, que culpava os ricos e a classe média pela violência e miséria dos pobres. Outros exaltavam as CEBs (Comunidades Eclesiais de Base, ninhos católicos da Teologia da Libertação).
Parece tudo muito bonito. Afinal, o que tem de errado em ajudar um necessitado? O que há de errado em fazer um projeto numa comunidade carente? Sabemos que tudo isso é muito bom. O problema é a ideologia por trás disso. A ideologia é o alvo. Essa mentira de que o rico é o culpado pela situação do pobre, que o capitalismo e o consumismo são a raiz de todos os males, deveria estar sendo defendida dentro da Universidade Presbiteriana Mackenzie? Será que ninguém percebe que isso é loucura? Até quando vamos continuar repetindo isso em uníssono? 
JS: Você está satisfeito com as mensalidades que paga em seu curso de teologia?
ALUNO MACKENZISTA: Eu diria que as parcelas, graças a Deus, cabem no meu bolso. Mas, pela qualidade e desrespeito com os alunos da Teologia, não estou satisfeito. Sem contar a redução da carga horária, o que tenho certeza que nos prejudicará quanto ao conteúdo do curso. A carga horária diminuiu, mas o valor da mensalidade aumentou.
JS: Quem são os professores de teologia mais esquerdistas no Mackenzie?
ALUNO MACKENZISTA: Não gostaria de citar nomes para não gerar problemas. Mas posso garantir que o coordenador do curso de Teologia, o Prof° Dr. Ricardo Bitun, é um dos que mais disseminam ideias esquerdistas durante suas aulas de Sociologia. Talvez seja por isso que alguns outros professores tenham também essa liberdade. Posso garantir que já ouvi, dentro da Universidade Presbiteriana Mackenzie, muita apologia à Teologia da Libertação e à Teologia da Missão Integral em sala de aula, a Marx e ao socialismo. Ora sutilmente, ora descaradamente.
Eu sou a favor da liberdade de opinião. Sei que todos são livres para se expressar. Sei também que eventualmente podemos ter professores esquerdistas. O meu verdadeiro incômodo é a ausência de objeção, é a uniformidade de opinião e negligência dos demais. É impossível o aluno fazer uma crítica, construir um pensamento se ele não tem a contradição. O que o professor disser, o aluno vai repetir.
JS: Como aluno, o que você recomenda para outros estudantes de teologia que estão na sua situação?
ALUNO MACKENZISTA: Eu gostaria que os alunos buscassem ir além daquilo que ouvimos em sala de aula. Tenho certeza de que se algum professor ousasse dizer em sala de aula que Cristo foi uma invenção, uma lenda, os alunos se oporiam e tomariam uma atitude. Entretanto, mesmo que sutilmente, dentro da UPM engolimos ideias socialistas a todo momento e ninguém se pronuncia. Quero crer que seja por ignorância, não por simpatia. Silenciar-se ao ouvir apologias ao regime político que assassinou mais de cem milhões de seres humanos não é nem de longe compatível com o Evangelho de Cristo. Acredito que poucos colegas saibam disso. É aquela maldita ignorância de que “os caras que estavam no poder se corromperam e aquilo não era o comunismo de Marx.” Até hoje, em todo o planeta, as ideias de Marx foram IMPOSSÍVEIS de serem postas em prática sem genocídio, controle mental, miséria e banimento do Cristianismo vivo e atuante. Falta muita informação aos estudantes universitários e, de forma particular, aos estudantes de teologia da UPM. Falta investigar a verdade. Não podemos aceitar calados as ideias que tentam inculcar em nossas mentes. Isso requer muita leitura e uma sede de justiça.
Antes de tudo, aconselho aos irmãos que se esforcem em seus estudos, não apenas teológicos, mas históricos e políticos. Só assim poderemos identificar as reais intenções de alguns professores.
Além disso, devemos questionar os professores sempre que tentarem nos persuadir com essas ideias.
Posso dizer que desde que ingressei na UPM aprendi a ser mais cauteloso e crítico. Os próprios professores esquerdistas com as suas constantes críticas ao capitalismo nos incitam a isso. Entretanto, pelo que pude entender desses professores esquerdistas da UPM, devemos ser críticos em relação à sociedade, ao capitalismo e à igreja, exceto com relação a esses mesmos professores e a universidade. 
JS: O que você faria para dar um rumo conservador para os cursos de teologia do Mackenzie?
ALUNO MACKENZISTA: Sou a favor da liberdade de opinião e expressão. Disso não abro mão.
Acontece que a maioria esmagadora de alunos é cristã, conservadora e está lá porque acreditou no diferencial da UPM. Se existe opção para todos os gostos, por que não podemos fazer do nosso curso um curso 100% conservador? O aluno que não está contente pode ir para Metodista ou aonde sentir que é melhor para ele mesmo.
Acredito que para melhorar a qualidade do curso de Teologia a UPM poderia rever o que está sendo ensinado e quem está ensinando. Se a universidade é confessional, tem liberdade para isso.
Uma vez um colega questionou um professor sobre a universidade sediar eventos que eram incompatíveis com a teologia professada pelos presbiterianos. O professor rebateu, dizendo que lá não tinha fundamentalistas e que as portas eram abertas a todos. Daí eu me pergunto: mas em qual universidade deste país nós, cristãos, temos a liberdade de falar sobre criacionismo, por exemplo, sem sermos tripudiados? Na UNICAMP? Na USP? Por que nosso espaço deve estar aberto para todo mundo e nós não temos espaço em lugar nenhum? Será que essa abertura toda é realmente positiva? Ou será que é medo de ser rotulado “fundamentalista”? Eu não sei até que ponto isso é interessante, já que as coisas estão cada dia mais censuradas para os cristãos e que a UPM é um dos poucos lugares que nos restou.
Se a TMI é incompatível com o conservadorismo dos alunos cristãos e com os propósitos originais do Mackenzie, a Igreja Presbiteriana do Brasil, que é dona dessa instituição, deveria adotar medidas para que o Mackenzie se porte como uma universidade que preza pela verdade. E verdade só há uma. E não é a da TMI.
Leitura recomendada:

20 comentários :

Anônimo disse...

Júlio, parabéns pelo blog.

Essa sempre foi uma dúvida minha. Onde posso fazer um curso de teologia online no brasil?

Abraços. Adriano

Anônimo disse...

Oi Adriano,
depende de onde vc mora.
Se vc mora em Curitiba, por exemplo, tá cheio de cursos de teologia online.
Na FTBP os encontros presenciais são semestrais. Na Facel, os encontros são semanais.
Um abraço.
Wagner
Curitiba, PR.

Anônimo disse...

Oi Julio, graça e paz!
Olha, temo dizer que as faculdades teológicas, notadamente as reconhecidas pelo MEC, se não são socialistas, tem vários professores de viés marxista/comunista.
Sou batista e nas batistas está cheio de marxista que confunde a graça com a "bondade" socialista.
Aliás, um curso de teologia é nada mais que um curso superior, nos moldes que é ministrado atualmente, pois tem que estar "antenado" com as novidades que vem lá de fora, que devem ser aprovadas pelo MEC.
Se correr o bicho pega.....
Um abraço.
Wagner
Curitiba, PR.

Flávio disse...

Fiquei surpreso em saber que a maioria dos estudantes do Mackenzie são neopentecostais, nunca imaginei isso, eu moro no ES e aqui tem somente uma faculdade de teologia reconhecida pelo MEC, eu pesquisei sobre mas no fim desisti, vi uns videos e fiquei com medo de sofrer preconceito por ser de uma igreja neopentecostal, no video que vi o professor disse que os neopentecostais não devem ser considerados evangélicos, porque as pessoas só vão nessas igrejas para receber bençãos...

Depois disso eu desisti de vez, como um neopentecostal sobreviveria em um ambiente desses?

Realmente tem muita gente que só vai atrás de bençãos e depois somem, mas tem muitas pessoas realmente preocupadas com sua salvação na igreja que frequento.

José Ribeiro disse...

A tentação de muitas faculdades de teologia em ter o seu curso reconhecido pelo MEC, levou-as à abertura de portas para ensinos contrários à Palavra de Deus. Admiro alguns seminários que rejeitaram tal reconhecimento para poderem manter-se na firmeza doutrinária. Precisamos ficar espertos quanto à onda socialista em nosso meio. Sugiro, irmão Júlio, que crie uma pequeno manual, esclarecendo para o povo de Deus, de forma simples,
o que são esses regimes anticristãos. Em tempo: irmão Wagner de Curitiba, gostaria entrar em contato com o irmão. Meu e-mail: prjribeiro@uol.com.br

Alexandre Chaves disse...

Muita bobagem nesta falsa entrevista. Essa pessoa nunca estudou l´ade fato, ou se estudou vendeu a entrevista que você queria ouvir para publicar este péssimo artigo.
Conheci o Ricardo Bitun pessoalmente, e em primeiro lugar há um erro de classificação teórica, o Ricardo não é marxista, é um autêntico weberiano; em segundo lugar o Mackenzie não é um a instituição portadora de uma teologia liberal, quem estudou lá sabe disso, ele é muito conservador, até demais.
O fato de ter uma orientação para a doutrina calvinista, está certíssima, se fosse uma instituição neo pentecostal, também iria divulgar seus valores e doutrinas.
Acho que o artigo está mal escrito e o conteúdo contém inverdades, chega a ser calunioso.

Anônimo disse...

Alexandre,

Você é uma criatura irresponsável, leviana e desqualificada.

Leia isso:

1 – Antes de tudo, prove que o relato é falso. Apresente bases para todas essas suas acusações sujas. Pare de mimimi e de idolatria a uma denominação decadente. Se não provar que o texto do Julio é falso, você está pura e simplesmente caluniando e é passível de processo.


2 – Teu parecer sobre o Bitun não esgota a questão “quem é e o que defende Bitun”. Mas a obra escrita do Bitun não deixa dúvidas, e o fato de que você, que é defensor da TMI, venha até aqui defendê-lo só confirma a veracidade do artigo. Defende o Bitun, segue o Genizah e o Púlpito Cristão. Você é a cara do Mackenzie.


3 - Uma coisa é "uma instituição portadora de uma teologia liberal", como você disse, e outra, é ser, como o texto do Julio e o relato do aluno reafirmam, uma instituição QUE TOLERA teologia liberal. Se nem isso você consegue distinguir é porque é burro mesmo e tem mais é que calar a boca.


4 – Você lê com suas emoções tortas e contaminadas pelo pecado da tolerância à heresia da TMI. O texto não diz que há problema em ser calvinista e uma instituição ser confessional.


5 – O texto deixa claro é que o problema é ser confessional, calvinista, e a universidade estar do jeito que está. Contaminada com a teologia herética da TMI, fruto do que há de pior e mais assassino no secularismo: a ideologia comunista.


6 – Você confunde orientação no método sociológico com posições políticas e teológicas. Dá dó de você. Tinha que ser entusiasta dessa palhaçada que é a TMI. Você se formou em teologia no Mackenzie, certo? É, bem se vê...
Vá para casa estudar. Talvez você volte aqui melhorzinho.


A.M. Silveira.
Palmas, TO.

tiago disse...

vou ser sincero, para ser um homem(pessoa) habilitado para anunciar a palavra de Deus e ser um pastor, obreiro, ministro, diácono ou obreiro não precisa fazer teologia, não tem na bíblia parte alguma dizendo que se dever fazer faculdade pra fazer a obra de DEUS ou liderar um ministério. isto é imposição humana e Deus qualquer tipo de doutrina que vá além de sua palavra.

Anônimo disse...

Aqui uma das provas que o Mackenzie abre as portas para esse tipo de teologia. Paulo Brabo e Ricardo Gondim no auditório João Calvino lançando livro com teologia da Missão Integral http://alexfajardo.wordpress.com/2010/12/05/o-que-eles-estao-falando-da-igreja/

Anônimo disse...

Prezado Severo,

O curso de Teologia do Mackenzie, por ser reconhecido pelo MEC, possui um programa com liberdade restrita. Deste modo existe espaço para outras linhas - por isto a contaminação marxista.

Os presbiterianos de fato não são maioria no curso do Mackenzie e não serão se a subordinação com o programa do MEC for mantida. Os presbiterianos via de regra, estudam teologia nos seminários Presbiterianos do Sul, do Norte ou no José Manuel da Conceição - JMC.

Nesses espaços, presbiterianos são maioria e os cursos não são reconhecimento pelo MEC, a posição da IPB é integral. Não há também qualquer interesse em subordinar os cursos ao MEC. Lá não há espaço para o liberalismo teológico e suas variantes. Os seminários presbiterianos, esses sim, são os Think Tanks do pensamento reformado no Brasil.

Compreendendo isso, fica mais fácil entender a posição da IPB em relação ao Mackenzie.

Élder disse...

Respondendo ao Alexandre Chaves,

Alexandre,

Qualquer igreja ou instituição pode dizer que é cristã. Mas será esta mesma igreja ou instituição coloca como prioridade a obediência somente à Palavra de Deus (ao invés de pregar outras ideologias e outros ensinamentos fora da Palavra de Deus)?

Só porque uma determinada igreja ou instituição se diz cristã apenas de boca, nem sempre significa que ela obedece 100% à Palavra de Deus. Como diz o ditado popular, "nem tudo que reluz é ouro".

Já imaginou você entrar numa igreja ou instituição que diz cristã, e o pastor ou dirigente dela se declarar a favor do aborto? Aborto, pelo que eu sei, é um crime contra a lei de Deus. O próprio Deus disse:

"Não matarás" (Êxodo 20:13)

E aí, você agora vai dizer que uma igreja ou instituição que se diz cristã (mas que prega a favor do aborto) pode ser considerada uma legítima defensora das verdades da Palavra de Deus?

Você acha que não deve haver ninguém alertando sobre estes e outros erros de muitas igrejas e instituições?

O que o irmão Júlio Severo faz é algo que muitos que se dizem cristãos (e que se deixam enganar facilmente pelas aparências) estão deixando de fazer. Será que você sabe se o pastor da igreja que você congrega (ou da instituição onde você estuda) está guiando as pessoas ao caminho da verdade?

Não foi sem razão que o apóstolo Paulo disse:

"E não vos admireis disto, já que o próprio Satanás insiste em se transformar em anjo de luz. Não é muito, portanto, que os seus ministros (como os pastores de determinadas congregações, e os dirigentes de algumas instituições) apareçam como ministros da justiça; e o fim deles será segundo as suas obras" (2 Coríntios 11:14–15)

Você acredita piamente que uma igreja ou instituição estará imune aos ataques do diabo se for comandada por pastores ou dirigentes de conduta duvidosa?

Reflita neste versículo do apóstolo Paulo:

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade" (2 Coríntios 13:8)

Marco Antonio disse...

Ao Alexandre Chaves; Se a instituição Mackenzie é conservadora "até demais", nos informe e explique; 1- Porque ela deu voz ao deputado Jean Willys? 2 - Na sua concepção, O que significa ser conservador? 3- Na sua concepção, O que significa ser liberal?

Marco Antonio

Edmilson disse...

Se a lei da ficha limpa fosse realmente cumprida, não teríamos nenhum político corrupto no Congresso Nacional. Toda a vida pregressa dos candidatos seria rigorosamente investigada, para saber se algum deles teria condições (inclusive morais) de ser eleito para o exercício de algum cargo político. O mínimo deslize detectado já seria o suficiente para barrar uma candidatura.

O mesmo critério (ficha limpa) também deveria ser utilizado para se eleger os líderes de determinadas igrejas ou os dirigentes de determinadas instituições: só seriam admitidos os verdadeiros cristãos (os que obedecem somente à Palavra de Deus), os que nunca tiveram qualquer contato, amizade ou aproximação com o PT ou outro partido esquerdista (e nem com nenhum político esquerdista), e nem com quem tolera, aceita, ou propaga qualquer filosofia marxista–leninista–comunista–socialista–esquerdista. Creio que só assim a verdadeira igreja de Jesus e as instituições ditas cristãs estarão irrepreensíveis aos olhos do público (e livres das má influências de doutrinas anti–cristãs).

Que tal as igrejas e instituições serem mais rigorosas na escolha dos seus líderes (para que o evangelho não seja motivo de escândalo)?

Fica aqui a minha sugestão para a análise de todos.

Edmilson disse...

Se a lei da ficha limpa fosse realmente cumprida, não teríamos nenhum político corrupto no Congresso Nacional. Toda a vida pregressa dos candidatos seria rigorosamente investigada, para saber se algum deles teria condições (inclusive morais) de ser eleito para o exercício de algum cargo político. O mínimo deslize detectado já seria o suficiente para barrar uma candidatura.

O mesmo critério (ficha limpa) também deveria ser utilizado para se eleger os líderes de determinadas igrejas ou os dirigentes de determinadas instituições: só seriam admitidos os verdadeiros cristãos (os que obedecem somente à Palavra de Deus), os que nunca tiveram qualquer contato, amizade ou aproximação com o PT ou outro partido esquerdista (e nem com nenhum político esquerdista), e nem com quem tolera, aceita, ou propaga qualquer filosofia marxista–leninista–comunista–socialista–esquerdista. Creio que só assim a verdadeira igreja de Jesus e as instituições ditas cristãs estarão irrepreensíveis aos olhos do público (e livres das más influências de doutrinas anti–cristãs).

Que tal as igrejas e instituições serem mais rigorosas na escolha dos seus líderes (para que o evangelho não seja motivo de escândalo)?

Fica aqui a minha sugestão para a análise de todos.

Saga disse...

Julio,

Neste momento o programa Fala Que Eu Te Escuto da chamada rede Record que é supostamente uma rede de tv evangélica e cujo jornalismo é notório aliado do PT está debatendo a LEI DA PALMADA.

Eu vi a matéria inicial do programa e achei o tom da reportagem como elogiante a Lei como forma de defender as crianças contra espancamentos e maus tratos. É de ver qual será a postura e a posição do pastor da Universal de agora em diante até o fim do programa. Sugiro que se informe e procure o programa na integra depois para avaliar se o dito canal evangélico e a igreja parceira do PT defendeu a posição da Bíblia.

[ V ] disse...

Amai seus inimigos, ofereça a outra face...
Realmente, a imagem de amor e paz do próprio Cristo de distancia dos seus ditos defensores na Terra quando eles apenas atacam e destilam ódio.
A Bíblia mostra que ser um seguidor de Jesus não é tarefa para qualquer um.
Ninguém disse que seria simples.
E deve-se ter um nível de soberba grande o bastante para "falar em nome de Jesus", considerar-se importante o bastante para representar "Deus na terra" e ignorar Jesus ao atacar e usar das armas dos inimigos, deixando um rastro de maldade.

Giovani disse...

Acho q deveriamos deixar um pouco de lado essa questão de pentecostalismo X cessacionismo, pois os dias são maus, e os verdadeiros servos de Deus devem se unir contra os erros absurdos da "teologia" da prosperidade, propagada por mtas igrejas neopentecostais
Que Deus nos abençoe!
PS: Aqui quem fala é um calvinista(na soterologia) que ACREDITA na atualidade dos dons dos Espírito Santo

Julio Severo disse...

Giovani, a obsessão calvinista de atacar a Teologia da Prosperidade é apenas cortina de fumaça para encobrir a sujeira que muitos tradicionais, especialmente calvinistas, têm deixado num rastro de décadas de Teologia da Missão Integral. O fato de que você, que diz crer na atualidade dos dons, também está nesse engodo é porque a contaminação da TMI é realmente forte no meio calvinista. Felizmente, muitos estão acordando. Recomendo a leitura do meu artigo “A maior ameaça à igreja brasileira,” neste link: http://juliosevero.blogspot.com/2014/01/a-maior-ameaca-igreja-evangelica-do.html

Anônimo disse...

Chora Julio! No Mack tem comuna, tem anarco, tem ditadura gayzista, tem esquerdopata e vai ter que nos aguentar! ahahahaha

Jeovan disse...

Sr. Julio Severo, seja razoável. Está fazendo jus ao sobrenome (Severo), rs... Primeiramente, não sou um defensor da TMI, creio que o foco principal do evangelho de Cristo é a pregação da palavra de Deus, pq "a fé vem pelo ouvir" e que esse assistencialismo pregado pela TMI é algo secundário ou opcional. Porém, devemos ser razoáveis existe um embasamento bíblico para os defensores da TMI, o que é totalmente diferente da "teologia da prosperidade", acho q vc concorda que as pessoas precisam ver Cristo em nós, pois pregamos verdades subjetivas e não devemos conviver com injustiças, portanto se presenciamos alguma pessoa passando fome, certamente a nossa ação de alimenta la provem de Deus. Amigo, acredito que a Mackenzie da voz para esses caras por simplesmente serem pessoas que professam uma fé genuína, e que determinadas divergências são sadias e para a academia é altamente enriquecedor, gera debates e trás crescimento para a nossa Teologia. As escrituras são complexas e existem linhas que seguem diferentes regras hermenêuticas. Bom, estudar teologia é saber conviver com divergências, dualidades, paradoxos e etc. Um abraço. Este blog é ótimo.