26 de março de 2014

Entre o Senhor da Vida e o PV da morte


Entre o Senhor da Vida e o PV da morte

Deputado pastor se atrapalha ao tentar servir a dois senhores

Julio Severo
Imagine que, em grandioso evento, um pré-candidato à presidência da República anuncie, sem meias-palavras, que ele e seu partido pretendem legalizar a matança de bebês no Brasil. Lá, junto deles, está presente um cristão — consagrado pastor pentecostal e eleito um dos representantes dos evangélicos no Congresso.
Dentre todas as reações que poderíamos esperar de alguém eleito com a promessa, justamente, de defender a vida e a família, a única impensável e inaceitável seria a de vê-lo elogiar, publicamente, aqueles quer prometeram legalizar o aborto e lutar contra a família brasileira!
Entretanto, essa foi precisamente a reação do deputado federal e pastor Roberto de Lucena, do PV de SP, durante encontro, no sábado (22 de março), do Partido Verde, que lançou o esquerdista Eduardo Jorge como o primeiro pré-candidato oficialmente abortista desta eleição presidencial.
Roberto de Lucena
É preciso lembrar que o pastor Lucena se filiou ao PV por opção e convicção. Ele jamais foi obrigado a entrar num partido que historicamente é pró-drogas e alinhado com as radicais bandeiras da esquerda.
A elite ambientalista se reuniu na Assembleia Legislativa de São Paulo para listar suas 10 prioridades políticas (entre elas a liberação do aborto e drogas no Brasil), afirmando estar definindo e construindo rumos melhores para o Brasil.  
O deputado tentou esconder de seu público o que toda a imprensa secular noticiou: Eduardo Jorge se lançou pré-candidato focando “propostas polêmicas” como a liberação do aborto e da maconha. Oficialmente, o próprio PV diz de si mesmo:
“Único partido a apresentar propostas, de forma favorável e clara, em seu programa partidário, para a legalização do consumo da maconha no Brasil, o Partido Verde defende a legalização como uma forma de proteger os habitantes do país”
Trata-se de um programa político, no mínimo, preocupante para todas as famílias cristãs brasileiras, embora já esteja aparecendo um ou outro líder evangélico apoiando tal legalização. Recentemente, um pastor com histórico de anos no Partido Comunista do Brasil achou que a melhor forma de atacar Julio Severo era defendendo a legalização da maconha.
Convicto do teor revolucionário de suas propostas, o pré-candidato do Partido Verde trombeteou, sob os aplausos entusiasmados dos militantes e das lideranças verdes, entre elas, o pastor Roberto de Lucena, a seguinte frase: 
“O que o PV quer é a revolução de mudar a forma de viver.”
Claro: viver com aborto, maconha e homossexualidade.
Mas Roberto de Lucena, mesmo tendo prestigiado e aplaudido as propostas de sua legenda, tentou, poucas horas depois do evento, iludir, com palavras vazias, seu público eleitor que conferiu a ele a oportunidade de ser a voz da vida e da família.
O deputado pastor não se intimidou e nem mesmo respeitou a inteligência de seus seguidores quando postou várias fotos suas, durante o evento, e ao lado do pré-candidato abortista.
Não satisfeito, ele ainda elogiou o abortista Eduardo Jorge publicamente e com o entusiasmo de um militante fervoroso, em sua página no Facebook:
“Participo neste sábado do evento do PV na Assembleia Legislativa de São Paulo no qual Eduardo Jorge apresenta as diretrizes do programa de governo para a construção de um Brasil comprometido com as pessoas e com o meio ambiente. É uma grande satisfação estar ao lado de lideranças do partido de todo o País.”
O pastor não escondeu o entusiasmo ao lado do líder abortista, dizendo:
“Compartilho mais algumas fotos dos amigos que encontrei durante o evento do PV nesse sábado, na Assembleia Legislativa, e também uma foto ao lado de Eduardo Jorge, o pré-candidato do partido à presidência da República.”
Ao invés de aproveitar, talvez, a maior oportunidade que lhe foi dada para honrar seu mandato em favor da vida e da família e de confrontar o conteúdo do lobby abortista e pró-drogas do seu Partido Verde, Roberto de Lucena não apenas se omitiu com relação à verdade, mas também celebrou o evento que lançou o pré-candidato abortista com estas palavras:
“A construção de um Brasil comprometido com as pessoas”!
Como um pastor pode esperar combater a cultura da morte, do aborto e da depravação homossexual se aplaude, elogia e fortalece os construtores dessa cultura das trevas?
A imprensa secular, porém, revelou as propostas apresentadas no evento e o próprio PV, em suas redes sociais e canais de comunicação social, fez questão de restabelecer a verdade, cuidadosa e intencionalmente, omitida pelo pastor Roberto de Lucena:
“A proposta do PV declara apoio a um dos pontos que causaram maior polêmica nas eleições presidenciais de 2010: a descriminalização do aborto, tema que acirrou a disputa entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT).”
Vamos recapitular: Eduardo Jorge e outros abortistas do Partido Verde anunciam, de forma inequívoca, que pretendem legalizar a matança de bebês. E qual é a reação de Roberto de Lucena, suposto defensor da vida? 
“É uma grande satisfação estar ao lado de lideranças do partido de todo o País”, escreveu o deputado em sua página no Facebook.
O pastor deputado, certamente, aposta na boa-fé de seus seguidores que, por desconhecimento, chegaram a elogiar sua presença no encontro de abortistas e defensores da maconha (apologetas da maconha é título reservado para uns poucos do mundo gospel). Por estarem completamente iludidos, vários cristãos fizeram comentários elogiosos ao pastor.
Roberto de Lucena não poderá usar a desculpa de que não sabia das intenções do seu companheiro de legenda, o abortista Eduardo Jorge, pois a defesa do aborto está presente no documento “Viver Bem. Viver Verde” que traz as diretrizes da legenda para um possível governo.
O documento foi discutido exaustivamente entre os verdes e divulgado, amplamente, antes da reunião.
Diz um trecho do texto do documento “Viver Bem. Viver Verde”:
“Queremos a legalização do procedimento [do aborto], estabelecendo regras e limites de idade gestacional numa lei, mas que permita à mulher e seu companheiro seguirem este caminho com segurança”.
Só espera-se que o pastor deputado não faça uso do expediente petista de terceirizar a culpa e dizer que não sabia de nada. Espera-se que, pelo menos dessa vez, Roberto de Lucena seja justo e assuma que aplaudiu calorosamente inimigos da vida e da família.

A “honestidade” do Partido Verde

Há uma virtude no PV que precisa ser reconhecida: enquanto os outros partidos buscam igualmente a liberação do aborto e das drogas e fingem não o fazer, os verdes confessam abertamente suas intenções.
Qualquer pessoa alfabetizada pode conferir nos documentos internos do Partido Verde que tal legenda faz opção clara e firme pelo aborto. Ao contrário do Partido dos Trabalhadores (PT), o PV não dissimula!
Além disso, em 8 de março passado, o PV já havia noticiado ser o primeiro e único partido a assumir oficialmente o compromisso com a militância LGBT no Brasil:
“Partido Verde é o primeiro a assumir compromisso com a população LGBT nas eleições de 2014.”
Quem dissimula, então, nesse episódio? Quem é que falta com a verdade na tentativa de vender ilusões ao povo? Certamente, não são os verdes.
Entre as lideranças evangélicas no Congresso Nacional a fama de Roberto de Lucena é de alguém “em cima do muro.” Talvez seja necessário lembrar-lhe uma verdade bíblica que, parafraseada, se torna tão evidente que é impossível optar pela indecisão:
“Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou será leal a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao Partido Verde.” (Mateus 6:24 KJV)
Leitura recomendada:

22 comentários :

Anônimo disse...

Irmão Júlio, tem gente que por uns trocados mata até a mãe. Isso não passará despercebido por Deus, que o castigará nesse mundo ou no lago de fogo. Não se pode trocar A Palavra por nada, nem pela própria vida.

Eliel do Lago disse...

Fui abordado por este senhor, para votar nele à época da eleição em um café de pastores do Conselho de Pastores do Estado de São Paulo, do qual sou membro. Hoje estou feliz e aliviado, por não ter ajudado o mesmo a se eleger.

Wilson Seberino disse...

As denominações ditas "evangélicas" são muito confusas, pois ao contrário do catolicismo, não têm declarações explícitas do que acreditam e não acreditam, deixando as portas escancaradas ao satanismo. Há, é claro, evangélicos bem intencionados, mas geralmente não são pessoas ambiciosas ou com o coração suficientemente sujo para entrar no sujo jogo da politicagem brasileira. Satã vai continuar vencendo até a segunda vinda de Cristo, agora estamos de morro abaixo e sem freios; e pior: acelerando ainda mais.

Anônimo disse...

Concordo com o Wilson Seberino: a igreja evangélica brasileira é um depósito (com as suas honrosas exceções, é claro!) fétido de egos inflados de socialistas psicopatas, travestidos de bons pastores e líderes, quando na verdade, não passam de lobos devoradores do rebanho de Cristo!
É isso mesmo: Satanás vai continuar ganhando essa batalha até a volta de Cristo e os que perseverarem até o fim, serão salvos e libertos para todo o sempre desse inferno socialista.
Um abraço!
Wagner, Curitiba.

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Realmente vivemos tempos definitivos. Tempo de sabermos de que lado estamos.
Se todos (todos mesmos) os filhos de Deus Vivo, COMPROMETIDOS COM ELE E SUA VERDADE, tivessem a MESMA VOZ nas questões que implicam o absoluto de Deus, o Brasil poderia ser um referencial de UNIDADE. E o mundo veria quem é JESUS.
Que pena... são tão poucos os corajosos...

Anônimo disse...

Postei um comentario na pagina face desse lobo vermelho e ele devorou o comentario no mesmo minuto. Alias, nao vejo como chamar lobo de pastor. Eh uma afronta aos verdadeiros servos do Senhor. Lobo eh lobo, ainda que apareca com a Billia na mao e, ou, por isto mesmo.
Ontem, conversando com um irmao e falando como a religiao das trevas (eskerdista/progressista/"sucia"lista/komunista/marxista/satanista) arrombou a porta das igrejas, o mesmo me disse que a igreja que frequenta (Evangelho Quadrangular) a lideranca falou em tirar o pastor porque ele se recusou a fazer campanha politica na igreja.
Alias, a respeito desse lupuscena, ele eh entocado na Assembleia de Deus (irmaos, cuidado com o inimigo).

Antonio.

Pastor Geraldo Filho disse...

Esse é o evangelho pregado pela maioria dos "pastores" no Brasil,infelizmente o povo evangélico não acorda e sempre vota nos mesmos candidatos.O que fazer,essa cultura não muda.

Filipe Nogueira disse...

Prezados,

O Deputado é contra o aborto e ele não negocia esse princípio. Certamente isso será esclarecido.

Lembro que a opinião do candidato a presidência veio a ser publicada após o lançamento da campanha. Data essa que não poderia mais haver troca de partido.

A matéria é digna de atenção, porém extremamente fraca em esclarecimento. Uma vez que é necessário saber do Deputado qual a opinião dele. Acompanho o facebook dele e antes mesmo de tudo isso, ele reforçou a opinião dele. Veja: https://www.facebook.com/dep.lucena/photos/a.235329423203980.54099.234504343286488/622838754453043/?type=1&theater

Filipe Nogueira disse...

Informação não procede com a pratica dele.

Antes do manifesto, ele publicou em sua fanpage: https://www.facebook.com/dep.lucena/photos/a.235329423203980.54099.234504343286488/622838754453043/?type=1&theater

Lembro que Dilma disse a mesma coisa e tudo mudou. Ele é contra e acredito que a opinião dele vai mudar muita coisa no partido. Quem falou foi o candidato a presidência e não ele.

Talvez esse blog teria uma credibilidade maior se tivesse a resposta dele.

Julio Severo disse...

Felipe, a matéria reconhece que Lucena é contra o aborto e outros males. E reconhece igualmente que ele apoia gente comprometida com a agenda do aborto. Quer você seja eleitor dele ou não, caso você seja ou não cabo-eleitoral dele, a matéria claro que o problema não é Lucena ser a favor do aborto, que ele obviamente não é. O problema é como diz o texto:

Dentre todas as reações que poderíamos esperar de alguém eleito com a promessa, justamente, de defender a vida e a família, a única impensável e inaceitável seria a de vê-lo elogiar, publicamente, aqueles quer prometeram legalizar o aborto e lutar contra a família brasileira!

Como um pastor pode esperar combater a cultura da morte, do aborto e da depravação homossexual se aplaude, elogia e fortalece os construtores dessa cultura das trevas?

Anônimo disse...

"Lembro que a opinião do candidato a presidência veio a ser publicada após o lançamento da campanha. Data essa que não poderia mais haver troca de partido."

Ele nunca ouviu falar em Fernando Gabeira?

Se ele não sabia que o PV é historicamente aliado ao lobby abortista e das drogas, então, é ingênuo demais pra ser político.

Sempre foi assim. O PV nunca escondeu suas bandeiras. Ele ficou nesse partido porque quis.

Caio Cunha disse...

Cabe uma informação importante: O Partido Verde possui em seu estatuto a CLÁUSULA DE CONSCIÊNCIA, que trata-se de um dispositivo no qual qualquer filiado pode deixar de seguir a orientação do partido em temas que não for favorável devido seus valores e princípios. As últimas ações que o PV tem realizado e tais bandeiras recém levantadas parecem serem direcionadas. Não precisa ser um grande conhecedor de política para entender isso.

Anônimo disse...

Marina Silva era uma "tapada" sobre muita coisa, mas pelo menos foi esperta de sair de um partido claramente controlado com mão de ferro pelo radical Penna.

É lamentável que o deputado em questão tenha ficado para preservar o mandato ao invés de ir à luta para preservar sua consciência.

Roger disse...

SÓ DE ESTAR NUM PARTIDO DA FOICE E MARTELO E DE FUNDO VERMELHO DISPENSAM-SE CONSIDERAÇÕES!
Seria dos tais que quer pisar no fogo sem se queimar? Leva jeito.
Aproveitando a frase dele:
“Único partido a apresentar propostas, de forma favorável e clara, em seu programa partidário, para a legalização do consumo da maconha no Brasil, o Partido Verde defende a legalização como uma forma de proteger os habitantes do país” e se esqueceu do complemento:
DO JEITO QUE O DIABO QUER!
Ovelhas perdidas têm sido o meu povo, os seus pastores as fizeram errar, para os montes as desviaram; de monte para outeiro andaram, esqueceram-se do lugar do seu repouso.
Jr 50:6

Anônimo disse...

Bem...se votarmos errado sabemos que não foi por falta de saber...e o pior não é so isso...rola coisas mto piores por traz dos bastidores que Deus precisa trazer a tona ...

orley josé da silva disse...

Julio,
li sua matéria e também discordo do apoio cristão a partidos que defendam socialismo, aborto, legalização das drogas, casamento gay, adoção de crianças por casais gays e eutanásia. Não quero entrar no mérito do relacionamento e compromissos do deputado Roberto de Lucena com o PV, mesmo porque não os conheço. Gostaria apenas de registrar que conheci o deputado Lucena durante o seminário do FENASP na Câmara dos Deputados, em novembro último. Na ocasião, fui palestrante com o tema "doutrinação no livro didático/2014". Ele também palestrou, debateu e se posicionou claramente sobre os assuntos listados acima em conformidade com os valores cristãos. Foi dele, inclusive, a ideia nascida naquele Encontro de criar o Observatório da Família e da Vida,lançado oficialmente no Salão Nobre da Câmara, em 17 de dezembro. Veja esta reportagem de Cynthia Ferreira: http://www.feemjesus.com.br/noticia/lan%C3%A7ado-na-c%C3%A2mara-dos-deputados-o-observat%C3%B3rio-da-fam%C3%ADlia-e-da-vida

O plano dele para este Observatório é acompanhar o trâmite de editais nos três poderes (em âmbito nacional) que beneficiem ou prejudiquem à vida e à família. Ele se inspirou justamente no meu relato sobre o edital que resultou nos desastrados livros didáticos/2014 (visto que nós, cristãos, não o acompanhamos, mas os gays, sim). Portanto, guardo boas impressões do posicionamento cristão dele a julgar pelos dois encontros e conversas que tivemos.
Orley

Anônimo disse...

Orley, o Observatório da Família e da Vida NÃO foi iniciativa dele, mas de um grupo de deputados. O Lucenas apenas apoiou a ideia.

Não se engane, meu irmão, ele joga em todos os times. Participa dessas iniciativas, mas também vive atrás da Maria do Rosário e do Gilberto de Carvalho. O que dá voto e prestígio pra ele é que importa...

Anônimo disse...

É verdade ..ele é um pastor deputado que o q importa é o quanto ele vai ganhar financeiramente.. e qtos votos os "irmãos"vao dar p ele nessa proxima eleição. .prestem atenção irmãos. ..pois a igreja esta cheia de lobos q dizem serem pastores...

Trindade disse...

Olá Júlio;
Ao ver o comentário Felipe Nogueira informando que o Pastor do PV é contra o aborto, como o Felipe Nogueira a maioria dos eleitores evangélicos e muitos líderes que ignoram o nosso sistema eleitoral na verdade leva o eleitor a votar em um candidato e eleger outro, portanto é bom lembrar que o cristão que votar nesse pastor verde automaticamente estará elegendo um abortista e homossexualista, pois no sistema proporcional de votos os de melhores votações certamente elege um candidato com menor numero de votos.
Outra situação lamentável é o apoio que o Pr Silas Malafaia dá ao PT no Rio e ao PSDB em São Paulo, pois com esses apoios esse líder esta na verdade ajudando a propagar e disseminar o aborto e avançar a agenda gay, coisas que ele diz combater, mas ao estudar nosso sistema politico mais a fundo logo se nota que na verdade a propaganda e as manifestações contra a agenda gay e ao aborto desse líder é falsa e enganosa, pois luta contra à luz do dia e nas sombras da noite a apoia e trabalha para disseminá-la.
O cristão que não quiser pecar com o seu voto deve observar bem em que partido esta votando, pois o candidato é na verdade o menos importante nessa equação.

Anônimo disse...

Queridos esse Filipe Nogueira so pode estar sendo pago p defender..deve ser da equipe..prestem atenção...

Wilson Teles disse...

De fato não se pofe serbir a dois senhores,ou se é pastornou politico!

Anônimo disse...

Jesus disse:

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou amará a um e odiará o outro, ou há de se dedicar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamon" (Mateus 6:24)

Quantos, que se dizem cristãos, ainda estão lembrados disso?