15 de março de 2014

“Cristo no Posto de Controle” — Orfa em Belém


“Cristo no Posto de Controle” — Orfa em Belém

Stan Goodenough
Rute e Noemi -- os leitores da Bíblia amam esse relato romântico e emocionante. O ocorrido se deu no tempo dos Juízes (cerca de 1.100 anos a.C.), antes que os israelitas tivessem se tornado um reino. O livro de Rute conta a história de uma mulher que, forçada pela fome, juntamente com seu marido e dois filhos, teve de deixar sua cidade natal de Belém, na terra de Judá, e empreendeu viagem para o Oriente, atravessando o rio Jordão, para se estabelecer em Moabe.
Lá, entre os gentios, os jovens se casaram com moças locais -- Orfa e Rute (a tradição diz que elas eram princesas e irmãs). Mas a tragédia seguiu duramente nos calcanhares de Noemi, deixando viúvas a ela e suas noras.
Ouvindo que a fome havia terminado, Noemi, enlutada, parte de volta para casa. Ela não tinha nenhuma outra opção e nenhum outro lugar para onde ir. Orfa e Rute a seguem, mas, em sua amargura e pesar, Noemi manda-as embora.
"Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o SENHOR use convosco de benevolência, como vós usastes com os que morreram e comigo" (Rute 1.8).
Orfa volta as costas a Noemi, escolhendo refazer sua vida entre seu povo pagão. Mas Rute não quis se retirar. Apegando-se à israelita angustiada, ela fala algumas das palavras mais bonitas e altruístas de todo o Livro:
"Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti" (Rute 1.16-17).
O amor de Rute por Noemi era incondicional acerca da maneira como sua sogra reagiu e se comportou. Em resposta à amargura de Noemi, Rute mostra somente compaixão. Ternura e gentileza guiam suas palavras e determinam suas atitudes. Esse amor e a maneira como ela honra Noemi finalmente trarão cura e alegria a uma senhora idosa e uma bênção maravilhosa e oportuna para a moça.
Onde encontramos mulheres assim hoje em dia?
Vemos Noemi no povo judeu. Levado para fora de sua terra pela "mão" de Deus, ele viveu em meio aos gentios por aproximadamente 2.000 anos, onde foi perseguido obstinadamente e enfrentou sofrimento e morte. Atualmente, o remanescente daquela que seria uma das maiores nações na terra voltou -- e está voltando -- para casa. Aparentemente, ela é uma nação invejável -- reconstituída, próspera, auto-suficiente e bem-sucedida. Mas, no seu íntimo se encontram séculos de uma profunda dor acumulada.
Rute representa os gentios que creram, que se ligaram eternamente ao Deus de Noemi, ao povo de Noemi e à terra que foi dado para ele em aliança. Eles vêem os judeus por intermédio dos olhos da compaixão e do amor incondicional. E também apreço: tudo o que consideram mais precioso na vida -- Deus, o Messias, a Bíblia e tudo o que ela contém -- eles receberam através do povo de Israel. Eles lêem nas Escrituras que Israel terá sempre um propósito nacional dentro dos propósitos de Deus, que o Israel nacional tem um futuro glorioso, cheio de esperança. Em cumprimento às palavras do profeta Zacarias, eles segurarão nos judeus e lhes suplicarão:
"Naquele dia, sucederá que pegarão dez homens, de todas as línguas das nações, pegarão, sim, na orla da veste de um judeu e lhe dirão: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está convosco" (Zacarias 8.23).
Mas, e Orfa?
Onde está aquela mulher sem fé e o que ela estará fazendo hoje?
Orfa não é grata, Orfa é arrogante, Orfa é sábia segundo sua própria opinião, e Orfa está em todos os lugares (veja Romanos 11.19,25). Ela desdenha seu relacionamento com Noemi. Se ela alguma vez tentou sentir compaixão por sua sogra sofredora, e a história deixa dúvidas sobre isto, aquela inclinação há muito se desvaneceu.
Hoje Orfa representa aqueles gentios apóstatas, rejeitadores, que, embora afirmem ser cristãos, escolheram se separar das próprias fundações daquela fé -- as raízes judaicas. São adeptos da chamada Teologia da Substituição, ou secessionismo -- crendo que a igreja substituiu plenamente Israel no plano redentivo de Deus para a humanidade. Além disso tudo, eles se voltaram contra o povo judeu, que permanece o verdadeiro foco desses propósitos do Senhor -- sendo a menina dos olhos de Deus.
Durante anos, o espírito de Orfa tem se manifestado como um anti-semitismo explícito através de líderes cristãos professos, de igrejas, organizações e grupos, dentre os quais podemos citar a Igreja Católica Romana e as 349 denominações protestantes representadas no Conselho Mundial de Igrejas (CMI), inclusive igrejas que assumem freqüentemente a vanguarda dessa tendência, como a Uniting Church na Austrália e a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos.
Orfa foi e permanece sendo a corrente principal e mal orientada da cristandade -- ela tem sido assim desde que a igreja primitiva se tornou, em sua maioria, gentia.
Orfa representa aqueles que dizem que receberam sua fé e seu dom da vida eterna através do povo judeu, mas que esse povo (os judeus) já serviu ao seu propósito e agora perdeu seu significado como nação.
E o que é pior, eles dizem que isso é por causa do erro dos próprios judeus, que rejeitaram Jesus.
A mensagem de Orfa para o povo judeu é a seguinte: "Agora o seu Messias é nosso, e muito obrigado. Já não precisamos mais de vocês e, seja como for, vocês desistiram dEle quando O mataram. Nós viveremos em meio a nossas próprias nações e nos apoiaremos em nosso cristianismo do "Novo Testamento" e não temos nada a ver com vocês -- exceto para apontar-lhes nosso dedo de crítica e julgamento, e de ameaçá-los com o inferno e a condenação se vocês se recusarem a se arrepender e a se converter".
No dia 10 de março de 2014 essa Orfa hostil chegou a Belém, a cidade da mulher que uma vez ela desprezou, mas a cidade que Noemi não pode mais, pelo menos no momento presente, dizer que é sua.
Ela vem vindo na forma agourenta do Cristo ardentemente pró-palestino na Conferência "Christ at the Checkpoint" -- CATC (Cristo no Posto de Controle). É a terceira visita que ela faz a essa cidade, onde tem liberdade para ir e vir porque hoje Belém está debaixo de uma cobertura espiritualmente escura e opressiva do controle da OLP (Organização Para a Libertação da Palestina).
Patrocinada pela Faculdade de Teologia Belém, Orfa veio para o Palace Jacir, hotel cinco estrelas, na forma de centenas de delegados e participantes de diferentes partes do mundo. (Mais de 600 pessoas participaram da conferência de 2012 e, de acordo com o site, acabaram os ingressos para o evento de 2014) .
Membros da OLP, inclusive o prefeito de Belém, defensor do terrorismo, e o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, entusiasta do terror, estavam lá para estender o tapete de boas-vindas.
Todos os dias do programa começaram com uma visita ao "Checkpoint" (Posto de Controle) -- a barreira que Israel foi forçado a construir para manter afastados os homens-bomba que vinham de Belém e de outras áreas controladas pela OLP, impedindo que eles estraçalhassem os judeus. Foi para este "símbolo da opressão exercida por Israel" que a conferência trouxe seu "Cristo".
Dali, de acordo com o site da CATC, os delegados recém-inspirados sairam em bandos para o hotel para um tempo de "adoração e um estudo bíblico enfocando a natureza do Reino de Deus nos ensinamentos de Jesus".
Em meio a dias inteiros de conversações e discussões de painéis, houve visitas aos sítios "diretamente afetados pelo conflito", onde indivíduos discutiram como o conflito afeta suas vidas, e os delegados tiveram tempo para uma "reflexão pessoal e oração".
As noites completaram os dias da conferência com mais "louvor e adoração" seguidos de mais dois palestrantes.
A lista desses palestrantes é um "quem é quem" entre as vozes anti-Israel e pró-secessionistas. Dois líderes messiânicos foram semeados ali como folhas de figueira para encobrir a reveladora lista de 13 palestrantes árabes e 19 figuras internacionais.
Os mais proeminentes entre aqueles de fora do Oriente Médio são Gary Burge, Porter Speakman, Colin Chapman e Manfred Kohl. Representantes do exterior são outros anti-semitas notáveis -- Amigos da Sabeel no Reino Unido, Visão Mundial Internacional, a Igreja Ortodoxa Copta, membro do CMI, a Aliança Evangélica Mundial e o Movimento de Lausanne.
Que tipos de coisas podemos esperar ouvir de Orfa? Algumas citações da CATC de 2012 podem nos dar umas dicas:
"Se olharmos de perto o suficiente para o rosto dos oprimidos [leia-se "os palestinos"], podemos ver nossos próprios rostos. E se olharmos de perto o suficiente para as mãos do opressor [leia-se "os israelenses"], podemos ver nossas próprias mãos."
"Jesus [não] estava defendendo uma atitude resignada e passiva com respeito aos opressores [leia-se "os israelenses"]. A resposta de Jesus foi conclamar os oprimidos [leia-se "os palestinos"] para tomarem o comando da situação".
"Se nossa teologia da terra, da justiça, da eleição, se tornarem absolutas -- elas se tornam heresias".
"Não estamos inventando nosso sofrimento, O posto de controle é a nossa realidade".
"Nós realmente queremos educar a igreja em geral, mas especialmente a igreja evangélica, sobre o que está acontecendo aqui. Queremos que os cristãos de todo o mundo venham, vejam o posto de controle, vejam o muro, vejam a ocupação como ela é. E então, abram a Bíblia e digam: "O que Cristo nos diz a respeito disto?"".
"O amor não é uma oportunidade para negligenciarmos a justiça. O amor é uma oportunidade para buscarmos a justiça. (...) Não fico constrangido por dizer que eu amo o povo judeu. Toda pessoa judia é um presente de Deus.
Mas eu odeio a injustiça. (…) A ocupação israelense é um pecado. E as pessoas precisam se arrepender desse pecado (…)".
Orfa veio a Belém para amaldiçoar Noemi.
E Noemi sabe.
Os judeus sabem, e muito bem, qual é a natureza de Orfa -- desses ajuntamentos de "cristãos" em Belém.
Os judeus sabem no que essas pessoas crêem, o que elas vão dizer, que tom terão suas palavras e que cheiro terão seus ensinamentos.
Os judeus conhecem, a partir de dois mil anos de experiência amarga e desesperadamente penosa, as crenças, as visões, as convicções e as motivações dessas pessoas.
Eles sabem que os adversários mais perseverantes e mais inexoráveis que eles têm são "os cristãos".
"Os cristãos" que ensinam que os judeus mataram Cristo.
"Os cristãos" que afirmam que os judeus sofreram como nação porque rejeitaram a Cristo -- e foi bem feito.
"Os cristãos" que vêem Jesus como "nosso Salvador".
"Os cristãos" que amam o Deus dos judeus, mas odeiam os judeus.
"Os cristãos" que tentam tirar o cisco do olho de Israel quando ele mesmo não conseguem ver a trave que está no olho de sua nação.
"Os cristãos" que crêem em fazer uma cruzada para Cristo e contra o povo de Cristo, de trabalhar pela volta do "Reino de Deus" trabalhando incansavelmente contra a "restauração do reino a Israel".
"Os cristãos" que dizem que os judeus devem se reconciliar com os árabes renunciando à sua herança e ao chamado que eles têm de Deus.
"Os cristãos" que endossam o movimento BDS (boicotes, desinvestimentos e sanções) contra Israel.
Contudo, os judeus sabem o que está acontecendo em Belém.
Eles viram as charges dos soldados sem alma das Forças de Defesa de Israel expulsando José e Maria de Belém.
E eles ouviram falar sobre um dos mais altos objetivos da CATC: o desejo de erguer uma separação entre o mundo cristão evangélico, predominantemente pró-Israel, e Israel.
No dia 9 de março, o ministério de Relações Exteriores de Israel divulgou uma "sugestão" sem precedentes aos cristãos para se manterem afastados da Conferência "Cristo no Posto de Controle".
Em uma correspondência pessoal com uma publicação cristã local, um funcionário do ministério disse que "infelizmente, sabemos muito bem sobre a conferência". Ele explicou que, para o governo israelense, o evento "é particularmente problemático, porque é projetado para a liderança cristã-evangélica -- uma audiência extremamente importante para nós".
O ministério não mediu as palavras em uma declaração de última hora relativamente ao evento Cristo no Posto de Controle:
"A tentativa de usar motivos religiosos a fim de mobilizar a propaganda política e de agitar os sentimentos dos fiéis através da manipulação da religião e da política é um ato inaceitável e vergonhoso. Usar a religião para propósito de incitamento a serviço de interesses políticos mancha a pessoa que faz isso com uma nódoa de indelével infâmia".
A amarga tentativa de Orfa, levada pela inveja, de separar Rute de Noemi, usando o "amor" cristão e palavras enganosas de "reconciliação" para induzi-la a voltar para sua terra e seus costumes pagãos não vai funcionar.
E nós, Rute, precisamos nos aproximar especialmente de Noemi para reafirmá-la e estimulá-la com as promessas e a fidelidade de Deus e Seu profundo amor.
"Noemi, Deus fez de você Seu povo escolhido e lhe deu esta terra. Seus dons e Seu chamado são irrevogáveis. Você foi preservada durante centenas de anos de peregrinação e agora retornou para sua terra pela vontade dEle. Ele trouxe você de volta para ficar, e não fará com que você tenha que ir embora, que seja desapossada, deslegitimizada ou destruída".
"Não olhe para o que está acontecendo em Belém. Não ouça aquelas vozes nem preste atenção àquelas mentiras".
"Você é o tesouro especial de Deus. Ele trouxe você de volta para plantá-la em sua terra, para regozijar-se com seu cântico, e para nunca mais arrancar você deste lugar".
"Noemi, sabemos quanto você está sofrendo, quão solitária e insegura e não-amada você se sente. Mas, ouça, ouça as palavras de sua amada nora. Ouça novamente a expressão de identidade, cheia de compromisso e o amor sem igual nas palavras de Rute e, nelas, por favor, ouça nossas palavras:
"Não me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti" (Rute 1.16-17). (Stan Goodenough - http://jerusalemwatchman.org)
Divulgação: www.juliosevero.com
Para compreender os perigos da Conferência “Christ at the Checkpoint,” consulte os seguintes artigos:
Objetivo da Conferência “Christ at the Checkpoint”: Enfraquecer o apoio evangélico a Israel

Nenhum comentário :