3 de fevereiro de 2014

Tempos Perigosos: Rússia Ascendendo no Oriente Médio


Tempos Perigosos: Rússia Ascendendo no Oriente Médio

James Lewis
Comentário de Don Hank:
Nossos agradecimentos mais profundos a Julio Severo por esta dica de artigo. O autor, James Lewis, vê o panorama inteiro, ou pelo menos o bastante para entender sua essência. Ele tem um raro talento para compreender a realidade geopolitica atual: um contraste total entre uma nação enfraquecida e cada vez mais irrelevante por um lado — uma nação que voluntariamente ESCOLHEU sua própria extinção através do relativismo — e uma nação ascendente que está rapidamente se tornando forte — uma nação com força de vontade de sobreviver e defender a si e seus valores de bom senso comum — por outro lado.
Sei que será doloroso para alguns, mas senti o espírito de Reagan ao ler esta análise de Putin e sua ascendência no mundo.
Por favor, leia este artigo com cuidado e em oração, com a mente aberta.
Obama estava certo: a MUDANÇA está na verdade a caminho, mas não desta Casa Branca.  Um líder emergente se levantou para deixar Obama e seu decadente sistema de valores atrás no pó dos escombros da irrelevância.
Citação:
A maior surpresa é que no contraste com Obama, nosso presidente que mais abominou os Estados Unidos, Vladimir Putin está emergindo como um defensor dos valores tradicionais do Ocidente.
Eu não estou surpreso. Eu tenho visto os filmes soviéticos dos últimos anos da União Soviética enaltecendo a virtude da Cristianidade e mostrando a decadência do comunismo. E já na década de 1970 eu vi as igrejas ortodoxas, que haviam sido destruídas por bombardeios, sendo com amor restauradas a um custo enorme por um governo supostamente ateu, enquanto as autoridades do governo americano defendiam só da boca para fora a liberdade religiosa e uma nação sob Deus. Tudo não é como parece. (De Dios hablando pero con al mazo dando, um provérbio espanhol que significa: De Deus falando mas com o martelo batendo). Lembre-se do velho hino: Nem todos os que falam sobre céu vão entrar lá.
Os primeiro serão os últimos e o últimos serão os primeiros.
Jesus!
Don Hank
****************
Agora, o artigo de James Lewis:
Agora que os EUA fazem uma política de liderar dos bastidores, algumas potências mais sérias correm para preencher o vazio. E Obama está pronto para deixar isso acontecer, razão pela qual a Índia acaba de lançar seu primeiro porta-aviões de fabricação própria e o Japão está se rearmando para evitar que a China roube todo o Mar da China Meridional.
Quando os EUA saírem do jogo, o que virá não é amor e paz, ao contrário do que pensam os esquerdistas, profundamente iludidos. O que irá acontecer é uma disputa mundial para ver quem vai ser o “rei do pedaço”. Instabilidade produz guerra, como podemos ver nas manchetes de jornais. Obama derrubou o regime de Mubarak no Egito, um pilar de paz e estabilidade que durou trinta anos. Agora a guerra civil explodiu por todos os lados: Egito, Líbia e Síria. Grande coisa essa tão louvada “Primavera Árabe”. Os iranianos estão rindo a essa altura, se preparando para passar a perna no Ocidente mais uma vez.
E para mostrar sua profunda preocupação com a matança, Obama está mandando cartões postais da ilha de Martha’s Vineyard, onde passa férias, rindo e se divertindo.
Os árabes não estão rindo. No Egito, ambos os lados culpam Obama. Na Líbia e na Síria, os americanos também alienaram ambos os lados. E pelos bastidores, os sauditas estão pagando o exército egípcio para derrubar a Irmandade Islâmica, enquanto os barões do petróleo do Qatar tentam passar os sauditas para trás.
Israel é o único país democrático, estável e próspero da região, e observa com nervosismo enquanto seus inimigos matam uns aos outros. O Egito agora está em guerra com o Hamas em Gaza, onde a Irmandade Islâmica se abriga. E o Hezbollah está infiltrado na Síria, defendendo o regime dos rebeldes da Al Qaeda.
Na ausência da força e da confiabilidade americana, todos os protagonistas se voltam para a Rússia, que está emergindo:
como defensora declarada do Cristianismo contra a perseguição muçulmana ao redor do mundo;
como uma plausível negociadora de paz no Oriente Médio, com relações muito melhores com Israel, Arábia Saudita, Egito e Síria que as que os EUA têm hoje;
como detentora do monopólio do fornecimento de gás natural para a Alemanha, com o consentimento do eixo franco-alemão;
como o único país com um guarda-chuva nuclear confiável para proteger os amigos e deter os inimigos;
como um país que entende o valor de mercados relativamente livres (veja o imposto uniforme de 14% que Putin acabou de introduzir na Rússia).
Vladimir Putin agora parece ser o herdeiro de Pedro I da Rússia, o czar modernizador. Essa é outra estranha reviravolta da história, mas fatos são fatos.
A Rússia de Putin não é um poder marxista imperialista. Isso é importante, porque costumávamos pensar em um império soviético expansionista. Hoje, Putin tem que ser prático para recuperar a força da Rússia depois de décadas de fracasso e decadência. Por isso ele está usando a Igreja Ortodoxa Russa como sua base ideológica para construir sua popularidade. Ele segue os passos dos czares. Até o momento, Putin não avança de maneira agressiva, buscando primeiramente o prestígio internacional, conquistas econômicas e influência nos países vizinhos. Uma das razões para isso é que ele tem um competidor global: a China.
Isso não quer dizer que ele é um cara legal, ou que a Rússia não irá buscar um poder maior. Putin é um imperador da Grande Rússia. A China, a Europa e o islamismo são suas maiores ameaças históricas. Mas, na era nuclear, há ameaças por todos os lados.
Por isso, Putin busca tomar o lugar dos EUA como poder decisivo no Oriente Médio. Ele também quer desempenhar um grande papel na próxima OPEP, baseada no gás e no óleo de xisto. E também gosta de provocar os EUA.
A surpresa maior é que, ao contrário de Obama, o presidente mais antiamericano que já existiu, Vladimir Putin emerge como um defensor de valores tradicionais ocidentais.
Isso é esquisito demais para você?
Para mostrar a seriedade da Rússia no Oriente Médio, Putin visitou pessoalmente e buscou contato com todos os protagonistas, incluindo o regime de Sisi no Egito, Israel, a Síria de Assad e a Arábia Saudita. Todos agora estão buscando seu apoio.
Faz sentido. Suponha que você seja o general Sisi do Egito, tentando governar uma nação no caos. Quem você quer para garantir sua segurança? Um autodepreciativo e traiçoeiro Obama, ou um implacável, mas coerente Putin?
A resposta é clara.
Isso também se aplica a Israel, que não quer uma guerra com o Irã, mas não pode confiar nos malucos de Teerã. Somente a Rússia tem a vontade e o respaldo militar para manter os mulás em seus lugares. Os EUA têm o poder, mas não mais a vontade ou a confiança de seus aliados.
Se Putin se voltar contra os mulás, eles não têm como ganhar. Ele é perigoso demais, com uma força nuclear intimidadora e que ele está disposto a colocar em ação se Teerã em algum momento representar ameaça. Os mulás sabem o que Putin fez à Chechênia muçulmana depois dos ataques terroristas em Moscou e na Bielorrússia. O exército russo é brutal e indiscriminado. Eles não têm medo da histeria esquerdista ocidental. Obama pode ansiar por ser adorado, mas Putin quer ser temido e respeitado. Putin é um homem, com valores masculinos. Obama não.
Nossos aliados da OTAN agora estão felizes em comprar a proteção nuclear de Putin em vez de uma América fraca e vacilante. Esta semana, as forças aéreas francesas e russas estão fazendo treinamentos conjuntos. Não é coincidência.
Na política internacional, os poderes sérios prevalecem. Ninguém irá apostar sua sobrevivência a uma pequena seita de egoístas iludidos da Casa Branca. Homens como Putin irão mastigá-los, cuspi-los e pedir mais.
Durante o Império Soviético, a ascensão da Rússia teria sido má notícia. Hoje em dia, talvez dê aos EUA espaço para respirar e consertar o que está errado em casa.
Poderiam começar introduzindo o imposto uniforme de 14%, uma ideia criada nos EUA, mas que sua classe política vê com desdém.
Se o imposto uniforme funciona na Rússia, vejamos outra glasnost e outra perestroika, mas desta vez na América, se suas próprias ideias políticas voltarem do exterior.
Depois de Obama, parece que irão precisar. 
Traduzido por Luis Gustavo Gentil do original do American Thinker: Dangerous Times: Russia Rising in the Middle East
Leitura recomendada:
Sobre EUA:
Sobre Rússia:

2 comentários :

Anônimo disse...

Impressionante no que a America , que um dia era uma nacao crista, se transformou. Em que ou no que eles se transforaram e porque ?

Anônimo disse...

Julio faz tempo q eu digo isto, a Russia sera um forte país cristão e sera a potência a combater o império esquerdista q assola o mundo, estive recentemente na Russia e quero deixar bem claro,NÃO é como os jornais ocidentais dizem, a maioria dos jornais são socialistas e portanto fazem questão de demonizar a Russia, o povo sente segurança com Putin, sem falar a segurança q vc tem na rua, povo educado e de fortes valores cristãos, nós brasileiros devemos orar por Putin e pelo povo Russo, este presidente, gostem ou não é o ÚNICO q tem defendido os valores cristãos no mundo, minha amiga Russa me disse esta frase:"Qdo a nação de vcs estiverem destruídas pelos valores AMORAIS, vcs olharão pra Russia e verão nossa nação firme e forte" eu guardei esta frase e tenho certeza q irá acontecer.