4 de fevereiro de 2014

A principal exportação dos EUA: imoralidade


A principal exportação dos EUA: imoralidade

Exclusivo: Matt Barber comenta que outras nações estão rejeitando a agenda LGBT. Por que os americanos estão tão incomodados com isso?

Matt Barber
“Quando os justos florescem, o povo se alegra; quando os ímpios governam, o povo geme.” (Provérbios 29:2 NVI).
Os Estados Unidos estão gemendo porque os ímpios estão governando.
Aliás, sob o governo do presidente Barack Obama, a principal exportação dos EUA se tornou a imoralidade. A perversão sexual, o assassinato de bebês em gestação, a redistribuição de riquezas e outros males foram desinfetados e propagandeados como “direitos humanos fundamentais.”
Por isso, quando esse presidente arrogante estiver na ONU e condenar as nações que se recusam a adotar sua marca especial de relativismo pagão, não deveríamos ficar surpresos se essas nações rechaçarem.
E estão rechaçando mesmo.
Sem dúvida, além de provocar muito mal-estar no povo americano, a obsessão febril de Obama “de chamar o mal de bem e o bem de mal” está igualmente  marginalizando cada vez mais os EUA no mundo inteiro.
Sob a liderança trágica desse homem que só pensa em si mesmo, os Estados Unidos, embora nunca tenham sido perfeitos, agora se parecem menos com a “cidade brilhando na colina” e mais como a Grande Prostituta da Babilônia na Bíblia. Uma nação que outrora permaneceu sozinha como o guia moral do mundo agora lidera o ataque desprezível para infectar nosso planeta privilegiado com seus próprios vírus de iniquidades.
E o mundo está rechaçando.
Por exemplo, ultimamente tem havido muito choro e ranger de dentes entre os grandes meios de comunicação — e outros círculos da “tolerância” intolerante — nos EUA por causa dos esforços bem sucedidos de vários governos estrangeiros de lutar contra a maré de propaganda LGBT dentro de suas próprias fronteiras soberanas.
A Rússia, a Índia, a Croácia, o Peru, a Jamaica e até a Austrália, por exemplo, junto com outras nações, estão agora agindo para se vacinarem contra o câncer de rápida metástase do relativismo sexual.
Tendo testemunhado, de longe, os resultados venenosos de tal propaganda aqui nos EUA (a hipersexualização das crianças, a desconstrução do casamento natural e da família, a propagação desenfreada de doenças sexualmente transmissíveis, a perseguição religiosa e problemas semelhantes), parece haver um reconhecimento emergente no mundo inteiro de que a radical agenda LGBT — uma das causas favoritas de Obama — não é sobre garantir “direitos humanos,” mas, em vez disso, é sobre decretar iniquidades morais.
O mundo está vendo que forçar os outros a “tolerar” — aliás, celebrar — libertinagem irrestrita, sob penalidades legais, é tão prejudicial à sociedade como tal libertinagem é prejudicial para os que a praticam.
O mundo tem olhado para os Estados Unidos em busca de liderança moral, mas tem visto que essa liderança está em falta entre os americanos. O clima sob Obama ficou tão ruim, aliás, que o líder russo Vladimir Putin se sente encorajado a reivindicar o manto do líder moral mundial — uma honra maravilhosa que até agora pertencia à velha nação americana.
O jornal DailyMail noticia que, em seu discurso sobre o estado da nação, “Putin buscou apresentar a Rússia como o árbitro moral do mundo na quinta-feira, ao mesmo tempo em que bateu forte nos ‘valores não tradicionais’ dos EUA e sua influência no mundo inteiro.”
A Rússia tem barrado a propaganda LGBT e outras propagandas de anarquia sexual.
“O sr. Putin defendeu os valores cada vez mais conservadores de seu governo,” continuou a reportagem, “e condenou a ‘revisão das normas de moralidade’ no Ocidente e outros lugares.
“‘Essa destruição dos valores tradicionais que vem da cúpula não só impõe consequências negativas para a sociedade, mas também é inerentemente antidemocrática porque é baseada numa noção abstrata e vai contra a vontade da maioria do povo’, o senhor Putin disse, acrescentando que não dá para haver benefício para a sociedade tratar o ‘bem e o mal’ de forma igual.”
Como é triste que o líder de um governo ateu, num país em que dezenas de milhões morreram sob o marxismo — outra das causas favoritas de Obama — está conseguindo ser mais cristão do que os EUA que outrora eram cristãos.
Enquanto isso, a pequena nação da Jamaica está entre centenas mais que estão igualmente sentindo as pressões esmagadoras do governo de Obama e das organizações aliadas de pressão LGBT. Eles estão também querendo impor sobre a Jamaica liberdade sexual irrestrita.
De acordo com The Gleaner, um jornal jamaicano, Peter LaBarbera, presidente de Americanos pela Verdade sobre a Homossexualidade, recentemente deu uma palestra numa conferência pró-família ali. LaBarbera “incentivou os jamaicanos a se fundamentarem em suas convicções cristãs e não se deixarem seduzir por outros países para repelir as leis antissodomia.”
“Os Estados Unidos não têm nenhum direito de passar sermão em ninguém sobre moralidade sexual,” comentou ele. “Os EUA têm abortos desenfreados, promiscuidade desenfreada, e me coloco, de todo o coração, ao lado dos jamaicanos e incentivo todos vocês a permanecerem firmes em suas convicções,” disse ele.
“A clareza moral dos meus anfitriões pró-família foi animadora, e algo que nós nos Estados Unidos precisamos aprender e extrair ânimo disso,” disse LaBarbera em sua volta. “Eu disse a eles: o governo dos Estados Unidos não tem nada para ensinar a você sobre moralidade sexual, mas vocês têm muito para ensinar aos americanos!”
“Estamos observando a Jamaica para ver o que acontece,” concluiu ele, “e creio que se a Jamaica conseguir resistir e não se prostrar às pressões, vocês poderão ser um exemplo para o mundo. Vocês não têm necessidade de seguir ninguém,” LaBarbera encorajou.
Aliás, com certeza ninguém precisa seguir os Estados Unidos. Não nessa questão. Menos nações estão adotando o que os EUA estão exportando. Colocaram um embargo na principal exportação dos EUA.
Embora os EUA estejam perdidos (mas oro para que não), pareceria que seus valores tradicionais — valores ainda tido por muitos, até mesmo a maioria, dos americanos — estão, apesar de tudo, ganhando força em outros países.
E isso é animador.
Agora, vamos orar para que esses valores, que chegaram às nações através dos EUA, voltem aos EUA através dessas nações.
Traduzido por Julio Severo do artigo do WND: America’s chief export: Immorality
Leitura recomendada:

17 comentários :

ELISEU disse...

Não sei se muitos daqui vão concordar comigo, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (me corrijam se eu estiver errado).

Se os Estados Unidos mantivesse a obediência total e irrestrita à Palavra de Deus desde a sua fundação, certamente não estaria nesta decadência moral e espiritual hoje. A obediência à Palavra de Deus é a verdadeira e única segurança espiritual do ser humano contra as tentações demoníacas de um mundo corrompido pelo pecado.

Só que a retirada do ensino religioso das escolas americanas a partir dos anos 60 foi o principal fator que contribuiu para acelerar ainda mais a decadência citada anteriormente (coincidência ou não, foi na mesma década que teve o início do movimento feminista). Ou seja, os Estados Unidos passou a não dar mais prioridade à obediência à Palavra de Deus!

E o que acontece? Muito simples: a partir do momento em que uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente em sua própria sabedoria, ela fica espiritualmente desprotegida e se torna uma presa fácil para os ataques do diabo e dos demônios (e também de todo tipo de pecado, vício, heresia, e doutrina demoníaca). É como disse o salmista:

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham aqueles que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1)

A mesma coisa é dita pelo profeta Jeremias:

"Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne o seu braço, e que aparta o seu coração do Senhor" (Jeremias 17:5)

Isso que está acontecendo nos Estados Unidos é a conseqüência do abandono total da verdadeira fé cristã. Em outras palavras: a nação americana agora está colhendo os frutos de pouco mais de 50 anos do seu desprezo à obediência à Palavra de Deus!

Em outras palavras: basta dar um pequeno vacilo ou uma única brecha (sair um instante da presença de Deus) para que o ataque do diabo e dos demônios seja imediato e inevitável! O diabo não brinca em serviço! Ele tem que ser combatido sempre! O cristão não pode (e nem deve) se descuidar espiritualmente nem por um único segundo! É como alertou o apóstolo Pedro:

"Sede sóbrios e vigiai; pois o diabo, vosso adversário, anda em derredor, rugindo como leão, e buscando a quem ele possa devorar" (1 Pedro 5:8)

Este foi o maior erro dos Estados Unidos: trocar Jesus por Satanás! E o que é pior: foi um erro deliberado (ou seja, foi feito de forma consciente)! No dia do juízo final, este mesmo erro vai ser seriamente cobrado! É como Jesus diz na Sua Palavra:

"Por que vós Me chamais de Senhor, e não fazeis o que Eu digo?" (Lucas 6:46)

"E aquele a quem muito foi dado, muito mais lhe será exigido" (Lucas 12:48)

Muito foi dado aos Estados Unidos (no caso, o conhecimento da Palavra de Deus). Só que agora muito mais vai ser exigido (a obediência à mesma Palavra). Logo, os responsáveis pelo destino moral e espiritual dos Estados Unidos fatalmente irão prestar contas da sua negligência na obediência à Palavra de Deus! O livro de Hebreus adverte sobre isso de forma bem séria:

"Pois se pecarmos voluntariamente, depois de já termos recebido o conhecimento da verdade, já não haverá mais sacrifício pelos pecados, Mas uma terrível expectativa de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça? Porque bem conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, Eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o Seu povo. Coisa horrível é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:26–31)

Tomara que os Estados Unidos "desperte" o mais rápido possível dessa sua indiferença moral antes que seja eternamente tarde demais!

P.S: Se alguém daqui quiser dizer alguma coisa (ou puder responder a este meu comentário), ficarei agradecido.

Duílio disse...

O comentário do Eliseu, em grande parte, faz sentido. Realmente, é lamentável que uma nação como os Estados Unidos, que nasceu sob o temor e a obediência à Palavra de Deus, já esteja totalmente diferente hoje, ou melhor, não é mais nem sombra do que já foi em épocas passadas. Como pode um país que um dia foi uma referência cristã a nível mundial ter decaído tanto nestes últimos anos?

Infelizmente, a tendência do ser humano (devido ao domínio do pecado em todo o mundo), nestes últimos dias, é se afastar cada vez mais da obediência à Palavra de Deus. No caso dos Estados Unidos, os seus governantes, devido ao progresso científico–material–financeiro (e também devido à influência de filosofias erradas e seitas anti–cristãs, como a Maçonaria), desprezaram a Palavra de Deus (ou melhor, relegaram a obediência à Palavra de Deus a segundo plano). Hoje, os Estados Unidos estão totalmente corrompidos (e destruídos) moralmente. O que temos lá são somente evangélicos nominais (ou seja, evangélicos somente de boca).

Muitos poderiam contra–argumentar: "Mas os Estados Unidos é um país cristão". Alguém dizer que é cristão da boca pra fora é muito fácil (qualquer um pode dizer isso, independente de estar obedecendo ou não à Palavra de Deus). Dizer que crê em Deus qualquer um diz (até mesmo o diabo). É como bem disse o apóstolo Tiago:

"Tu crês que só existe um Único Deus? Fazes bem; porque até os demônios também crêem e tremem" (Tiago 2:19)

Adianta alguém dizer que crê em Deus, mas não obedece à Sua Palavra? Adianta alguém se dizer cristão, mas não ter uma vida santificada? Obediência à Palavra de Deus também significa ter uma postura firme contra o pecado: tem que denunciar o que estiver errado, não tolerar nada fora da Palavra de Deus, não ser condescendente com o erro (seja de quem for), resistir às tentações, enfim, é servir integralmente a Deus (mesmo com todas as adversidades). É como diz o apóstolo Tiago:

"E sede cumpridores da Palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos" (Tiago 1:22)

O que está realmente faltando para muitas pessoas que se dizem cristãs é um compromisso sério e irrestrito com a obediência total à Palavra de Deus. Falando num tom bem direto: o verdadeiro cristão tem que fazer a diferença onde estiver. É como disse o apóstolo Paulo:

"E não vos conformeis com este mundo; mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, perfeita, e agradável vontade de Deus" (Romanos 12:2)

"Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; Para que sejais sinceros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo" (Filipenses 2:14–15)

Será que, algum dia, a nação americana vai voltar a ser o que era antes?

Anônimo disse...

Parabens irmao Eliseu.

Pastor Caleb

Anônimo disse...

E o Brasil? Nossa nação tem condição de ensinar alguma coisa para os EUA?

Julio Severo disse...

Em matéria de agenda gay, aborto e marxismo acadêmico, a única coisa que o Brasil tem para ensinar os EUA é o que os próprios EUA ensinaram ao Brasil.

Geovani Santos disse...

Os EUA é uma árvore cujo machado está à sua raiz. É lamentável vermos que uma nação que deveria ser um espelho para o mundo aos poucos está sorvendo a longos haustos do cálice dos demônios. A nação que deveria ser um potente luzeiro na colina está se tornando um farol apagado. No mesmo bojo, nosso imenso Brasil, inebriado pelas falácias do Diabo embarca na mesma canoa furada. Oremos, irmãos, o Dia está se aproximando. Maranata!

Téo disse...

Respondendo ao Geovani Santos,

Amigo Geovani,

Você está certíssimo: a nação que deveria ser um fonte de luz (espiritualmente falando) hoje está totalmente apagada. E, infelizmente, o nosso Brasil (como você bem colocou) também vai seguindo o mesmo caminho.

E o Eliseu também disse uma coisa muito certa: a partir do momento em que uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente em sua própria sabedoria, ela fica espiritualmente desprotegida e se torna uma presa fácil para os ataques do diabo e dos demônios (e também de todo tipo de pecado, vício, heresia, e doutrina demoníaca).

É lamentável vermos o mundo estar totalmente fora da obediência à Palavra de Deus. Daqui pra frente, só podemos esperar o pior!

Anônimo disse...

Sei que muitos criticam os EUA por estar exportando imoralidade,por abandonar princípios cristãos e se transformarem numa nação pagã e anti-cristã.
Gosto muito dos EUA,mas,eu como estrangeiro não posso no solo americano ou fora dele ficar exortando,clamando para que os americanos abandonarem a imoralidade,voltarem para os princípios cristãos eá Deus,denunciar os pecados do país.

Isto é tarefa no caso para os americanos piedosos e tementes a Deus. Aliás ! O autor deste texto. Matt Barber é um destes americanos piedosos,com certeza esse texto é uma mensagem e exortação dirigida ao povo americano. A coisa é simples americanos exortam americanos,russos exortam russos,polacos exortam polacos,brasileiros exortam brasileiros.
Quanto aos estrangeiro exortar ao povo do país que mora e ama. È ruim ouvir aquela pergunta : ___ Por que não vai cuidar das coisas de sua terra onde nasceu ?

Por isto limitemos a lutar por nosso país principalmente,deixando que os naturais de seu próprios
países cuidem dos problemas deles.
Eu como brasileiro só posso lutar contra os problemas de meu país, embora ame e deseje muito bem um outro país. Melhor que faço é orar por este país. No caso dos EUA. Peço a Deus que levante mais,dê forças e dê coragem americanos piedosos e temente a Deus como Matt Barber,autor deste texto.

NILL

Julio Severo disse...

Nill, se o problema do aborto e agenda gay fosse apenas um problema do governo americano impondo esses males ao seu próprio povo, sim isso seria um problema do povo americano com o governo americano. Mas a partir do momento em que o governo americano trabalha para impor seus próprios valores em outros países (nesse caso, valores extremamente pervertidos), esse é um problema do governo americano com outros países.

Se você não tem conhecimento, então você não tem o que falar. Mas quem tem esse conhecimento, precisa cobrar. Desde pelo menos o começo da década de 1970, o governo americano tem usado a ONU e outros organismos internacionais para pressionar os países a reduzir suas populações. A meta dessa redução drástica, que é enfeitada como melhorar o nível de vida dos países, é guardar os recursos de nações estratégicas para as futuras necessidades dos EUA. Tudo isso está registrado oficialmente no infame NSSM 200, ou Relatório Kissinger. Além do mais, temos a evidência documentada de que o governo americano está impondo a agenda gay sobre as nações. Confira este vídeo:

Imperialismo cultural: a agenda de direitos sexuais

Portanto, como muitas nações estão sendo vítimas de um imperialismo do mal, esse é um problema entre o governo americano e muitas nações. Todos os que nos sentimos afetados por esse imperialismo do mal temos o direito de denunciar e cobrar. Não fazer isso é covardia. Conheço pessoas que têm muito medo de denunciar o governo americano para não perderem vistos ou permanência. Mas o cristão verdadeiro não pode seguir esse caminho da covardia. Precisamos denunciar o que precisa ser denunciado. Se o governo americano impusse o mal apenas a seu próprio povo, isso seria problema apenas dos americanos. Mas o mal que esse governo e sua cultura impõem é sobre muitas nações, e é infinitalmente pior do que qualquer político do PT.



Julio Severo disse...

Nill, outra observação: Nos tempos da União Soviética, denunciávamos continuamente as ações dos russos, pois eles estavam exportando o comunismo. Temos então esse exemplo com o que está atualmente acontecendo com as exportações imorais americanos. É nosso dever e obrigação denunciar as exportações americanas assim como denunciávamos as exportações soviéticas. Nossa obrigação é a mesma. Nada mudou.

Julio Severo disse...

Outro problema grave, Nill: O governo dos EUA está espionando e monitorando pessoas do mundo inteiro, inclusive pessoas que se opõem à agenda gay e ao aborto:

“1984” ao vivo! Escândalo de monitoração dos EUA é a maior história da sua vida

Geovani Santos disse...

As evidências proféticas da Bíblia são atualissimas e os acontecimentos em escala mundial dão prova disso. A atmosfera deste mundo pecaminoso está ficando cada dia mais rarefeita para nós cristãos. Estamos na esteira dos últimos dias amados. JESUS em breve virá!

Nil disse...

Muito bem ! Júlio. Mas ! Fico animado que exista americanos piedosos como Matt Barber. No entanto você tem muita razão no que disse, concordo com você.

Noticia bomba ! Aconteceu médica cubana foge e pede asilo no Brasil.

Veja: http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/comunismo-2/bomba-medica-cubana-pede-asilo-no-brasil-ou-a-prova-de-que-o-governo-do-pt-e-cumplice-de-escravidao/

Anônimo disse...

Ao NILL,

querido como fica entao quando o Judeu Jonas foi pregar o arrependimento a cidade de Ninive ?

Sua colocacao esta totalmente equivocada.

Pastor Caleb.

Pastor Lucas disse...

Respondendo ao Geovani Santos,

Amigo Geovani,

Não só você, mas todos os cristãos também têm essa mesma certeza: Jesus virá! O próprio Jesus garantiu isso na Sua Palavra:

"Não seles as palavras da profecia deste livro, pois o tempo está próximo. Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, que se suje ainda mais; e quem for justo, procure se manter justo; e quem é santo, continue a se santificar. Eis que Eu venho sem demora, e tenho Comigo o Meu galardão para dar a cada um segundo a sua obra. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Derradeiro. Bem–aventurados aqueles que lavam as suas vestes no sangue do Cordeiro, para que possam ter direito à árvore da vida e para que entrem na cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os idólatras, os homicidas, os que se prostituem, e todo aquele que ama e pratica a mentira. Eu, Jesus, enviei o Meu anjo para vos testificar estas coisas nas igrejas; Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã" (Apocalipse 22:10–16)

Muitos, pelo jeito, só vão crer quando verem Jesus pessoalmente! E aí poderá ser tarde demais!

Quantos estarão preparados para este dia?

Nil disse...

Veja no JH: Acompanhe como funciona o comércio ilegal de remédios abortivos pela internet .

Agora a pouco assisti uma reportagem sobre o comércio ilegal de remédios abortivos pela internet. Passada no Jornal Hoje da Globo.

Acontece que os traficantes de remédios abortivos eram picaretas espertos que pegavam o dinheiro das vitimas e mandavam uns vidrinhos com um produto sem valor para elas.
A repórter da Globo fica indignada com a esperteza dos falsários que pegava o dinheiro das vítimas,pobres moças e só recebiam uns vidrinhos sem nada.

O terrível é que não se condena nem um pouquinho as "pobres vitimas" que usavam deste expediente para praticar o terrível crime do aborto. A Globo foi super legal com os compradores dos tais remédios abortivos.
Talvez se os falsários fossem "honesto" e entregassem o remédio combinado,não seriam tão maus. Mas ! As vitimas são sempre boas pessoas.
O que vi no jornal passado na televisão, não está neste vídeo.

http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-hoje/t/edicoes/v/veja-no-jh-acompanhe-como-funciona-o-comercio-ilegal-de-remedios-abortivos-pela-internet/3129185/

Anônimo disse...

Diante dos acontecimentos atuais, já estamos começando a viver o princípio das dores (Mateus 24:8)...