2 de janeiro de 2014

O engano da aparência: blogs, blogueiros, blogagens e blogosfera cristã


O engano da aparência: blogs, blogueiros, blogagens e blogosfera cristã

Maya Felix
Comentário de Julio Severo: Não sei se é correto, como fez o texto da Maya, enquadrar Norma como cessacionista. De acordo com seus amigos mais chegados, no passado ela não era. É possível que ela seja hoje, considerando que não muito tempo atrás ela disse algo como “no tempo em que eu era neopentecostal…” Em 1 Tessalonicenses 5:19 o Apóstolo Paulo nos manda não apagar (em nós e nos outros) o fogo do Espírito, pois como toda chama natural, o fogo espiritual também pode ser apagado com muita facilidade. Um dos grandes teólogos ao lado de Norma, por exemplo, era batizado no Espírito Santo e tinha dons sobrenaturais. Hoje, ele é cessacionista. Ele é um especialista no apagamento do fogo. Quando esse tipo de teólogo calvinista conta de uma igreja Assembleia de Deus que abandonou o dom de línguas para se tornar uma igreja calvinista (veja o relato neste link: http://bit.ly/1eWe6LT), ele fala de experiência própria. O apagamento que ocorreu em sua vida ele quer para outros também. Todos de fogo apagado. Não sei se seria justo o texto da Maya rotular os calvinistas de reformados como se fossem os únicos herdeiros da Reforma, já que a Reforma veio de Lutero, mas os calvinistas tentam aparentar que eles são os legítimos guardiões de toda a Reforma. Dave Hunt, que é protestante tradicional, tem um vídeo acusando os calvinistas de terem sequestrado a Reforma. Nada entendo de arminianismo. Só sei que antes de existir o rótulo protestante, católico, calvinista e arminiano, havia Jesus e seus apóstolos, e é aí que estou. Fora essas considerações, o texto da Maya é interessante, ainda mais que o teólogo calvinista John MacArthur escreveu recentemente um livro acusando o pentecostalismo inteiro de herético. Isto é, se você é da Assembleia de Deus ou qualquer outra igreja pentecostal, você está contra Deus, especialmente se você fala em línguas e tem profecias, na opinião de MacArthur, que é referência obrigatória entre os calvinistas cessacionistas do Brasil. Em seu cessacionismo fanático, MacArthur nunca recomendou nenhum pentecostal. O que é ultrajante e vergonhoso é que muitos pentecostais, inclusive líderes desatentos da Assembleia de Deus, recomendam MacArthur. A CPAD, a maior editora assembleiana e pentecostal do Brasil, publicou um livro de MacArthur, recomendando-o a milhões de seus leitores. Isto é, se os cessacionistas precisarem degolar os pentecostais “heréticos,” a CPAD e outros com muita alegria lhes darão uma faca ou espada! Uma pergunta que os pentecostais poderiam fazer a MacArthur e seus seguidores fanáticos no Brasil é: “Se o pentecostalismo é que é a heresia, por que então a maior denominação presbiteriana dos EUA ordena pastores gays e a Assembleia de Deus não?” É rir para não chorar: os assembleianos não estão cometendo a heresia e apostasia de ordenar pastores gays, e a maior denominação presbiteriana dos EUA (repleta dos famosos apologetas) já tem pastores gays, e quem leva o nome de “heréticos” são os assembleianos? Claro que há muitos outros problemas heréticos entre os presbiterianos americanos, inclusive a maçonaria e a postura de incitar boicotes contra Israel em apoio da causa palestina. Com isso, não quero dizer que os assembleianos estão isentos de problemas. Em 2008, meu blog fez a denúncia pioneira de que o Bispo Manoel Ferreira, presidente da segunda maior denominação assembleiana do Brasil, estava aliado com o falso messias Rev. Moon: http://bit.ly/JwfsA8 Mas o “apologeta” MacArthur não atacou os pentecostais por isso. A motivação dele foi o cessacionismo: a heresia que diz que Deus não concede hoje dons sobrenaturais como línguas, profecias, curas, etc. Se MacArthur tivesse dito que aliar-se ao Rev. Moon e ter pastores e presbíteros maçons é heresia, eu concordaria. Mas definir como “heréticos” quem tem dons sobrenaturais do Espírito já é em si uma grande heresia. A seguir, o texto da Maya que precisa ser divulgado entre os que cegamente recomendam MacArthur e outros cessacionistas fanáticos:
Maya Felix
Neste ano de 2013 comecei a me dar conta de que as postagens da página de um portal de blogs de maioria pentecostal no Facebook traziam cada vez mais frases, pequenos textos e imagens de pastores calvinistas. Não só calvinistas, eu percebi: cessacionistas. Mas o que é um “calvinista cessacionista”? Em linhas muito gerais, é alguém que não somente crê que o homem não tem absolutamente nenhum papel, nenhuma escolha a desempenhar no processo da salvação (pois ele é um “escolhido”, ou seja, será salvo mesmo se não quiser ser salvo) como também que os dons do Santo Espírito, revelados ao longo de todo o Novo Testamento, não mais nos são dados hoje. Isso que dizer: Deus não mais age, por meio de homens, para curar, por exemplo. Dons de língua também não existem, são apenas invencionices. Para os calvinistas cessacionistas, o movimento pentecostal não passa de uma heresia. Sim, para os cessacionistas eu sou uma herege.
Ao fazer um tour por blogs de calvinistas cessacionistas, como o famoso Ó Tempora, Ó Mores! [célebre frase do senador romano Cícero, em latim, que foi publicada nas famosas Catilinárias, discursos em que Cícero condenava Catilina, outro senador, e apontava os tempos e costumes perversos da época. Significa: Ó tempos, ó costumes!] e o Blog da Norma Braga, não vi nem sequer um link para algum blog pentecostal, arminiano, adepto do sinergismo. Todos eles só têm entre seus links “recomendados”, blogs e sites calvinistas cessacionistas. É claro, têm toda a liberdade para tal e para mim isso não é nenhuma surpresa.
O que me deixa perplexa é perceber quantos blogs pentecostais, cujos autores se definem como arminianos, de igrejas como Assembleia de Deus ou Metodista, recomendam expressamente, com links e artigos copiados, esses blogs que se intitulam “reformados” [que designa uma parcela muito pequena dos cristãos adeptos do evangelicalismo no Brasil e no mundo: os calvinistas cessacionistas].
É claro, não indico um blog em minha lista de blogs somente se esse blog me indicar. A questão não é precisamente a “reciprocidade”, apesar de ela ter, também, sua razão de ser. O ponto central é precisamente a base da doutrina teológica dos que se chamam reformados e por que tantos pentecostais se rendem a seus textos sem enxergar o que de fato eles pregam.
Vamos por partes:
1. Os calvinistas cessacionistas advogam o total alijamento da vontade do homem no processo de salvação. Ainda que eu quisesse crer nisso, pois sei que Deus é onipotente, não poderia, pois, como disse C. S. Lewis, entre tantos outros, podemos impedir Deus de agir, se quisermos: temos o livre-arbítrio (Cristianismo Puro e Simples, p. 271). Não porque Deus não seja onipotente, mas porque escolheu limitar-se em relação à nossa escolha de amá-lo ou não. Assim como Cristo escolheu limitar-se a um corpo humano para nos salvar. Os arminianos, pentecostais ou não, creem que o homem escolhe amar a Deus; os calvinistas creem que o homem não tem nenhuma escolha a fazer em relação à sua salvação;
2. Em segundo lugar, os dois blogs de que eu falei, além de outro, do pastor Renato Vargens, de Niterói – entre tantos – apoiam declaradamente ou tacitamente os blogs “apologéticos”, conhecidos pelo escárnio e pela zombaria com que tratam assuntos ligados aos neopentecostais. Refiro-me ao blog Genizah, sobretudo, conhecido por sua falta de postura leal e de ética no debate teológico. Só o escárnio e a falta de respeito que têm para com outros cristãos [que eles nem mesmo consideram cristãos, aliás] já seria motivo para nos afastarmos de blogs que se julgam sérios mas nada dizem contra os “apologéticos”. Mas os blogueiros pentecostais fecham os olhos para isso também. Julgam a Teologia da Prosperidade mais grave – e mais kitsch, mais brega, menos chique, menos “acadêmica” – que a Teologia Cessacionista. Ora, ora. Os cessacionistas, que fique registrado, apresentam-se envoltos em uma aura de academicismo, racionalidade, cientificidade, ordem... Já os neopencostais são barulhentos, ridículos, ostentadores de riquezas... E aí fica meio difícil julgar as pessoas pelo que elas realmente são: mentirosas. Os cessacionistas mentem, quando afirmam que o Espírito Santo não mais age nos dias de hoje, produzindo “maravilhas e sinais” como nos tempos de Jesus. Os adeptos da Teologia da Prosperidade mentem, quando afirmam que se você der muito dinheiro para a igreja, Deus vai recompensá-lo. Tanto uma quanto outra teologia podem se embasar em trechos da Bíblia. Se até Jim Jones se baseou em trechos da Bíblia, nenhuma dessas teologias leva vantagem sobre outra;
3. O problema é que muitos pentecostais acreditam que as igrejas neopentecostais são um mal maior diante dos cessacionistas. Porque os neopentecostais estão na TV, nas ruas, nas gravadoras, em todo lugar. Não queremos que nossa fé, tão “pura”, seja maculada pelo vil metal, não querermos nos identificar com os neopentecostais. Já os cessacionistas, até por serem em número muito menor, não se colocam em franca evidência. São discretos, repetem o mantra da “ordem no culto” [será que pode bater palmas, falar um “aleluia” de vez em quando, um “oh! Glória!”...?], não gostam da “música gospel”, condenam o excesso de entusiasmo nas orações, no louvor, na pregação. Ou seja: os cessacionistas estão para os neopentecostais como a bossa nova está para o axé music. E, é claro, como somos todos muito civilizados, cultos e racionais, não examinamos as escrituras: preferimos a bossa nova, ainda que seja tão herética quanto a axé music [foi só uma ilustração, eu gosto do João Gilberto, ok?];
4. Além de tudo o que já disse, devo acrescentar: os cessacionistas combatem a Teologia Pentecostal. Sim, é isso mesmo. Enquanto blogueiros pentecostais fazem propaganda de blogs cessacionistas, os cessacionistas não se cansam de repetir, entre si ou, mais discretamente, em seus blogs, que crer na ação do Espírito Santo nos dias de hoje – nas curas, na glossolalia, em arrebatamentos e outros fenômenos espirituais sobrenaturais – é mistificar a fé cristã. E aí, mais uma vez, os pentecostais morrem de medo de serem identificados com a toalhinha da Igreja Mundial do apóstolo Valdemiro Santiago. Por isso, tendem a se aproximar, na crítica aos excessos dos neopentecostais, de quem nega por completo a ação do Espírito. Não conseguem explicar – e acham que ninguém vai entender, tão tênue é a linha – que os fenômenos do Espírito Santos existem, mas que precisamos ser um tanto céticos quanto à maneira como acontecem e examinar tudo à luz da Bíblia, já que há mais mercado da fé hoje do que nos tempos de Lutero;
5. A prova do que acabo de dizer no ponto anterior é exatamente a lista de blogs recomendados pelos blogueiros cessacionistas. Visite um deles. Dois. Dez. Dificilmente, quase nunca, provavelmente jamais haverá a divulgação de blogs pentecostais/arminianos nos blogs dos irmãos calvinistas cessacionistas. E os pentecostais, ao desejar alcançar a unidade com tais irmãos, não percebem que a reciprocidade na divulgação dos blogs não existe porque eles descreem e condenam tudo o que é arminiano e pentecostal. Só que, ao contrário dos pentecostais, os cessacionistas não fazem propaganda do que não creem em seus sites. E, se nós [estou me incluindo como pentecostal, mas não faço propaganda de blogs que combatem a minha fé] fazemos propaganda de seus blogs, é porque cremos no que eles dizem, certo? Errado. Não podemos blasfemar contra o Espírito Santo, afirmando que Ele não mais cura, e que os sinais não mais se fazem ver. Não podemos afirmar que o homem é uma marionete, se cremos que todo homem escolhe a salvação, dá um passo em direção a Deus, toma a decisão de amá-lo, ainda que de modo imperfeito. Por curiosidade, a fim de escrever este texto, visitei o Blog da Norma. Deparei-me com seus desejos para 2014. Entre eles, dois me chamaram a atenção: “Que a igreja se desembarace cada vez mais da influência do paganismoda teologia da prosperidade e da teologia da libertação”. Bravo! Concordo! Mas... e o cessacionismo? A igreja não deveria se desembaraçar dele também, a fim de perceber que os sinais e maravilhas de que Deus fala claramente na Bíblia se cumprem e que a volta de Cristo deve estar próxima? Não seria um desserviço a Deus, um agir demoníaco, não divulgar que Cristo está voltando? Como está escrito em Atos, capítulo 2, verso 17: “E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos; e também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão [...]” Por que não devemos tirar as vendas dos olhos da Igreja quanto ao derramamento do Santo Espírito nos dias de hoje? Outro desejo de Norma para 2014: “Que mais livros reformados sejam lidos, escritos, debatidos (orem por mim!)”. Sabemos que quando Norma Braga e todos os demais cessacionistas falam “reformados” eles se referem especificamente à literatura calvinista cessacionista. Não se referem aos pentecostais, nem aos metodistas, nem à Igreja Cristã Maranata, nem à Quadrangular... Por que Norma Braga não desejou simplesmente que mais livros “cristãos” sejam “lidos, escritos, debatidos (orem por ela!)” em 2014? Ou então "mais livros cristãos protestantes..."? Alguém aí sabe dizer? E o seu blog, irmão arminiano, sinergista e pentecostal, não está entre os recomendados por Norma Braga e Augustus Nicodemus?;
6. No mais, e para fechar, gostaria de mencionar uma curiosidade que vou desenvolver em outro texto: alguém além de mim já percebeu o quanto a ideia errônea de Deus dos cessacionistas se aproxima da ideia de Deus também equivocada dos teístas abertos? Não? Pensem a respeito. Voltarei ao tema depois.
E que o Santo Espírito nos alimente em 2014, nos cure, nos transforme, nos abençoe, nos perdoe, nos leve a pregar a Palavra da verdade e a repudiar as mentiras que têm se abatido sobre os cristãos. Que em 2014 estejamos mais atentos aos nossos irmãos perseguidos em tantos países. Que a nossa palavra seja mais ação para um mundo sedento de amor. Que nossa mão esteja pronta a ser estendida aos que sofrem. Que Deus tenha misericórdia de todos nós. E que Jesus venha!
Um abraço, feliz 2014.
Maya Felix
Fonte: Maya Felix
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

24 comentários :

PRESBÍTERO VALDOMIRO disse...

Amiga Maya Felix,

Infelizmente, a teoria do cessacionismo contaminou muitas pessoas e igrejas (inclusive, eu já tive a oportunidade de ver aqui alguns artigos que o nosso amado irmão Júlio Severo publicou falando especificamente disso).

Devido a essa mesma teoria, algumas das pessoas e igrejas mencionadas anteriormente já não estão mais crendo nas manifestações vindas do Espírito Santo.

Só que o verdadeiro cristão jamais rejeitaria a atuação do Espírito Santo. Este mesmo espírito tem todo poder para atuar como quiser na vida do cristão, desde que ele dê espaço. O apóstolo Paulo explica isso de forma mais detalhada:

"Porém, nós não recebemos o espírito do mundo, mas sim o Espírito que vem de Deus, para que pudéssemos conhecer aquilo que nos é dado gratuitamente por Deus; as quais também falamos, não com palavras da sabedoria humana, mas com as que são ensinadas pelo Espírito Santo, comparando as coisas espirituais com as espirituais" (1 Coríntios 2:12–13)

"Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas o Deus que opera em tudo e em todos é o mesmo. Porém, a manifestação do Espírito é concedida a cada um para aquilo que for útil. Pois a um é dada, pelo Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; a outro, pelo mesmo Espírito, o dom da cura; e a outro, a operação de maravilhas; e a outro, a profecia; e a outro, o dom de distinguir os espíritos; e a outro, a diversidade de línguas; e a outro, a interpretação de línguas. Porém o mesmo e único Espírito faz todas estas coisas, dividindo particularmente a cada um como quer" (1 Coríntios 12:4–11)

Quem tem comunhão com o Espírito Santo crê em todas as visões, dons e revelações dadas por Deus. Infelizmente, é esta mesma comunhão que está em falta em muitas igrejas atuais! Em virtude disso, muitas pessoas se deixam enganar por falsas revelações (e falsos profetas).

Foi justamente para alertar contra esses e outros enganos que o apóstolo João advertiu:

"Amados, não acrediteis em todo espírito; mas antes provai se tais espíritos são de Deus, porque muitos falsos profetas têm surgido em todo o mundo" (1 João 4:1)

Eu pergunto: não é exatamente isto o que está acontecendo dentro de muitas igrejas ditas cristãs nos dias de hoje?

ÉLQUISSON disse...

Amiga Maya Felix,

O comentário do presbítero Valdomiro sobre os dons espirituais foi mais do que oportuno. Não só eu concordo com o que ele disse, como eu ainda acrescentaria o seguinte: o próprio Jesus, antes de voltar para o Pai, prometeu mandar o Espírito Santo aos Seus discípulos. Ele mesmo garantiu:

"E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre: o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê e nem O conhece; mas vós O conheceis, porque Ele habita convosco e estará em vós" (João 14:16–17)

"Mas o Consolador, o Espírito Santo, que é Aquele a quem o Pai enviará em Meu nome, Ele vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que Eu vos tenho dito" (João 14:26).

Com estas palavras, Jesus disse que o Pai enviaria o Espírito Santo para ensinar e orientar todos os homens (não só os Seus apóstolos, como também todos os cristãos dos dias de hoje).

Mais adiante, Jesus explica melhor o papel do Espírito Santo:

"Todavia, Eu vos digo a verdade: convém que Eu vá, porque, se Eu não for, o Consolador (o Espírito Santo) não virá a vós; mas Eu, quando for, Eu O enviarei. E Ele, quando vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça, e do juízo: do pecado, porque não crêem em Mim; da justiça, porque volto para Meu Pai e não Me vereis mais; e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. Muito ainda terei para vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Quando, porém, Ele, o Espírito da verdade, vier, Ele vos guiará em toda a verdade; pois não falará por Si próprio, mas vos dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir" (João 16:7–13, o parêntese é meu)

No livro de Atos dos Apóstolos, eis o que o apóstolo Pedro disse sobre a manifestação do Espírito Santo:

"E acontecerá, diz o Senhor, que nos últimos dias derramarei do Meu Espírito sobre toda carne; vossos filhos e filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e vossos velhos terão sonhos; e também derramarei do Meu Espírito sobre Meus servos e Minhas servas, naqueles dias, e profetizarão" (Atos 2:17–18)

O Espírito Santo está presente, e continua ativo ainda hoje (em que pese toda a teoria contrária dos cessacionistas). O que todo verdadeiro cristão precisa fazer é ter comunhão com Ele, e buscar os dons espirituais. Em relação a isso, o apóstolo Paulo afirmou com autoridade:

"Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar" (1 Coríntios 14:1)

Precisa dizer mais alguma coisa?

Mais um no mundo disse...

Explicou o calvinismo como eu explicaria biomedicina molecular. Está de parabéns, falou sem saber o que é...

carloshenrique disse...

Felix Maya escreveu: "Em linhas muito gerais, é alguém que não somente crê que o homem não tem absolutamente nenhum papel, nenhuma escolha a desempenhar no processo da salvação (pois ele é um “escolhido”, ou seja, será salvo mesmo se não quiser ser salvo)"
Essa é de matar de rir. Nem sequer sabe o que o calvinismo ensina. Nem de longe a doutrina calvinista diz que uma pessoa será salva sem o quiser ser.
E essa história de ",arionetes" também é de morrer de rir, pois a doutrina calvinista não ensina que ninguém seja marionete.
O Cessacionismo está errado, mas essas coisas que a Félix Maya diz sobre o calvinismo é pura demonstração de falta de conhecimento sobre o mesmo.
E quanto a isso: " Não porque Deus não seja onipotente, mas porque escolheu limitar-se em relação à nossa escolha de amá-lo ou não."
Pode até parecer bonito, mas afronta totalmente contra a Santidade e Soberania de Deus. Deus não se limitou a si mesmo. Deus não pode ser limitado. Deus sendo Soberano e Eterno, é ilimitado, e ao mesmo tempo garante que o Ser Humano é responsável por suas ações.
E quanto a essa questão de livre-arbítrio, o dito livre-arbítrio não têm nenhum embasamento bíblico. Se houvesse livre-arbítrio, por quê então ninguém pode escolher aonde nascer, de quem nascer, e em quê Planeta Nascer? Por quê então ninguém pode escolher uma cor diferente, totalmente inexistente, além das já criadas e existentes? Se temos livre-arbítrio, por quê após essa vida só há dois destinos eternos, e não podemos criarmos outros destinos além desses?
O que com isso quero dizer é que o livre-arbítrio não passa de mito. Somos seres responsáveis com uma liberdade limitada, e não com livre-arbítrio. Somos seres com escolhas limitadas a serem feitas, e tão somente dentro das possibilidades limitadas desse mundo real limitado, o que já por si mesmo demonstra inequívocamente a inexistência de algum suposto livre-arbítrio, o que prova o livre-arbítrio ser uma mentira.
O livre-arbítrio é tão mentiroso quanto o cessacionismo só para completar.

Anônimo disse...

O calvinismo tem uma história de tantas brigas e guerras – sim! guerras nas quais tiravam a vida uns dos outros por querelas doutrinárias – que eles mesmo não entendem sua doutrina. Dentro do Protestantismo, o ramo calvinista é de longe o mais brigão e intolerante.

-JORGE SANTOS-

Marcos Lopes disse...

Cara irmã, lhe recomendo conhecer um pouco mais o calvinismo, para que você não seja injusta.

Na verdade, como o próprio Júlio Severo tem apontado, um calvinista não é necessariamente um cessacionista.

Temos teólogos calvinistas famosos que optaram por crer no continuísmo semelhantemente aos pentecostais, entre os quais são Martin LLoyd Jones, Wayne Grudem e Vincent Cheung.

Quanto ao suposto livre-arbítrio, apenas pense no versículo:
"Isto não vem de vós, é dom de Deus" Ef 2:8

Sobre Deus "salvar quem não quer ser salvo", você ignora a doutrina da regeneração, a saber, que Deus ao salvar alguém transforma o seu coração, mudando assim seus desejos e vontades. Por isso recomendo que estude um pouco mais antes de condenar o que não conhece.

Anônimo disse...

O problema dos cessacionistas é somente 1: deixa Deus colocar um calo nos seus pés, uma doença por exemplo nele ou em um ser amado (um filho por exemplo)de sua família em um instante estarão atrás de nós dizendo: "irmão ora a Deus para que eles nos cure, pois tú és cheio do ESPÍRITO SANTO!"Ai nós, como verdadeiros cristãos, o que fazemos?Vamos e oramosNesse momento vejo uns dizendo: não venha, só fale que meu familiar será curado e ele sera, pois sou um oficial das foças armadas e digo aos meus subordinados....ai meu amigo Júlio, nós diremos "nunca vi tanta fé assim no mundo pós moderno"

Paulo César Cândido

Apologista disse...

John Calvino foi um humanista, um burguês, ensinava o enriquecimento capitalista como forma de ser salvo e pobre para mostra de que um escolhido de Deus tinha que se transformar em um burguês, foi um anti semita. Com esta ideologia raciona ganhou apoio da burguesia da sua época, foi critico da igreja católica romana, que seus seguidores mais tarde se adaptaram em procura a adaptar a Bíblia ao iluminismo, principalmente depois da revolução francesa.
Está questa de predestinação é coisa período do renascimento de que Deus deixou de ser o centro do mundo e passou o homem a ser o centro do mundo. Se homem agora era livre do que a Bíblia diz, em relação a salvação. Calvino levantou sua tese da predestinação que foi bem aceita pela burguesia, de que foi reforçado no iluminismo, trazendo a ateísmo. Coisa de que os calvinista não fizeram devido a racionalidade e a ideologia estamental de ver o pobre e o rico. Os iluminista fizeram o que o renascimento começou de que era a negação de Deus. Por isso vemos as igrejas históricas muitas mergulhadas na filosofia iluminista marxista. Os pentecostais como já disse precisam estudar mais sobre o renascimento e iluminismo e sua influência para com a religião. Não esquecendo da influência poderosa da maçonaria nas igreja tanto históricas como pentecostais, dizendo que não são uma religião, mas quando vc estuda sobre eles, são completamente mistica no gnosticismo.
Deus te abençoe

Anônimo disse...

Julio Severo:

Contudo, sem dúvida alguma o cessacionismo é heresia. É o pecado contra o Espírito Santo.

Com toda a certeza e diante da Eterna Palavra de Deus o cessacionismo pregada como doutrina pelos calvinistas e uma arma letal de Satanas e do inferno para afrontar a Deus , o Senhor Jesus Cristo e o Espirito Santo . pois quando os pastores, reverendos e lideres do Calvinismo pregam essa heresia , estao declarando em alto e bom som que Deus e mentiroso, que a sua Palavra nao e real e nem digna de confianca, e que as ordens do Senhor jesus e as manifestacoes do Espirito Santo e algo falso, enganoso e estelionatario. Fujam, pelos amor de suas almas e por sua salvacao eterna, FUJAM desse enlaco de satanas e de doutrinas de demonios. Pois qual e melhor vc acreditar e viver ? Nos cessacionistas com seus charutos belos e lindos copos de uisque em maos ? ou no Poder do Espirito Santo , em seu Poder , Sinais e maravilhas como nos ensina e nos exorta a Biblia a crermos e vivermos?

Pense....

Pastor Caleb.

Aprendiz disse...

"Apologista"

Não seja tacanho na sua crítica a Calvino. Foi um teólogo bastante profundo, e não viveu atrás de dinheiro como você parece deixar a entender. Se burgueses (ou quem quer que seja) vieram a crer no evangelho por meio dele, glória a Deus.

PS: SOU ARMINIANO.

Aprendiz disse...

Julio Severo

Um pequeno comentário sobre o texto da Maya. Um leitor desavisado pode entender deste texto que os arminianos creem que o homem pode, por iniciativa própria, buscar a Deus. Essa não é a verdadeira doutrina arminiana, mas sim pelagiana (ou semi-pelagiana) embora existam alguns pelagianos que se apresentem como arminianos.

A doutrina arminiana não nega a verdade bíblica: "não há ninguém que busque a Deus". O arminianismo wesleyano, por exemplo, resolve essa questão através da antiga doutrina da graça previniente. Essa doutrina afirma que Deus concede uma graça anterior à salvação, pela qual o homem se torna apto a escolher aceitar o dom da salvação, mas note bem, é uma aptidão, não uma obrigatoriedade. O ser humano, assim, por um instante volta a ter a liberdade que Adão tinha para escolher, e nesse momento, muitos escolhem a vida, e outros, mesmo tendo recebido essa aptidão, escolhe continuar no caminho da morte. Essa antiga doutrina da graça previniente era aceita inicialmente pelos reformados, mas depois só os arminianos a mantiveram.

Claudio Vaz disse...


São tantas doutrinas.

Sem demagogia, mas seguir Jesus não pode ser mais simples?

Feliz Ano Novo pra todos vocês!

Julio Severo disse...

Pessoal, a perspectiva da Maya é importante. Não sou nem assembleiano nem calvinista, mas acho injusto ver blogs calvinistas exclusivamente dedicados a criticar pentecostais, mas nenhum blog pentecostal exclusivamente dedicado a criticar calvinistas. A gota d’água foi MacArthur, ao dizer que todo o pentecostalismo é heresia. Mesmo com tamanha estupidez e burrice, frontalmente contra a Palavra de Deus pelo fato de MacArthur ter 100 por cento de certeza de quem fala em línguas ou tem profecia hoje é “herético,” não vou ir ao outro extremo de dizer que todo o calvinismo é herético. Há algumas heresias no calvinismo e pentecostalismo, mas ambos os movimentos em si não são heréticos. Contudo, sem dúvida alguma o cessacionismo é heresia. É o pecado contra o Espírito Santo.

Aprendiz disse...

Considerando que nossa irmã Norma Braga foi citada, gostaria de fazer um esclarecimento. Nunca, jamais, vi qualquer comentário maldoso dela em relação àqueles que não não cessacionistas e/ou calvinistas. Ela defende sua visão, e tem o direito de faze-lo, e como costumam fazer os calvinistas, evita indicar blogs arminianos. Mas isso é muito diferente do que fazem certos calvinistas que denigrem e esculacham aos arminianos e petencostais.

Senti a necessidade de falar isso, porque algum leitor desavisado poderia, por associação de ideias (já que o texto fala de certos calvinistas agressivos) imaginar outra coisa. Já li muitos textos da Norma Braga e suas respostas nas caixas de comentários. Ela é um exemplo maravilhoso de gentileza com todo mundo, o tempo todo.

Plínio disse...

Acho que essa questão do livre arbítrio (que foi abordada nos comentários do Carlos Henrique, do Marcos Lopes, e do Aprendiz) precisa ser melhor esclarecida. Por isso, eu vou dizer exatamente o que eu penso (vocês podem concordar ou discordar).

Que todos nós, de alguma forma, somos livres para agirmos, isso é fato. O ser humano possui uma determinada liberdade para agir como quiser. Porém, esta mesma liberdade é estabelecida dentro de alguns limites impostos por Deus. Não foi sem razão que alguém disse: "O excesso de liberdade é uma porta aberta para o mal". Liberdade não pode (e nem deve) ser confundida com libertinagem. Temos que ter plena consciência de que responderemos pelo mau uso que fizermos da liberdade que nos foi dada por Deus. É como disse o apóstolo Paulo:

"Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus" (Romanos 14:12)

Infelizmente, muitas pessoas pensam que livre arbítrio significa fazer a primeira coisa que vier à cabeça. Não é bem assim. Existem algumas regras de convivência que são estabelecidas para se manter uma certa ordem dentro de um determinado meio social. Ser livre, portanto, não significa necessariamente agir errado. Como foi dito anteriormente, liberdade não pode (e não deve) ser confundida com libertinagem. Temos que ter plena consciência de que responderemos perante a lei pelo mau uso que fizermos do nosso livre arbítrio. Como disse com muita razão um antigo sábio, "a liberdade tem que ser limitada para poder ser realmente conquistada".

Sobre este mesmo ponto, eu lembro que eu discuti com uma colega de escola. E ela disse exatamente: "Se eu quero ser uma boa pessoa dentro de um determinado meio social, eu tenho que viver dentro daquilo que eu acredito que é certo para mim". Eu, prontamente, discordei. Quando ela quis saber a razão disso, eu simplesmente disse a ela que nem sempre o que eu acredito é o que as pessoas acreditam.

Explicando: nem sempre o que eu acredito que é certo para mim pode ser necessariamente certo para outras pessoas. Se este raciocínio que a minha colega colocou fosse obedecido (ou interpretado) ao pé da letra, então um criminoso pode muito bem dizer que o seu próprio comportamento está certo (porque ele acredita que o que ele faz é certo). Pode ser certo para ele, mas, com certeza, não é certo para outras pessoas que vivem no mesmo meio social onde ele está inserido, ou melhor, isso é uma demonstração evidente de egoísmo. É como se este mesmo criminoso dissesse: "Eu só quero fazer o que eu acho (ou acredito) que é bom (ou certo) para mim, não me importa que outras pessoas ao meu redor sejam prejudicadas com a minha atitude".

Diante disso, acho que a minha colega foi um pouco infeliz na sua colocação. Se eu fosse ela, eu diria: "Eu tenho que viver dentro daquilo que eu acredito que seja certo, tanto para mim como para outras pessoas". Só que nem todas as pessoas entendem isso (devido à maneira egoísta de como algumas delas pensam e agem).

Nesta minha afirmação ("Eu tenho que viver dentro daquilo que eu acredito que seja certo, tanto para mim como para outras pessoas"), o que eu estou querendo dizer é que viver dentro de um conjunto de regras (ou dentro de um determinado padrão de comportamento que foi estabelecido como o certo para ser obedecido por todas as pessoas dentro de um determinado meio social) também implica, obrigatoriamente, em impor (e, ao mesmo tempo, respeitar) determinados limites de convivência entre as pessoas, ou seja, a minha liberdade acaba quando começa a liberdade de outra pessoa, o meu direito termina a partir do momento em que eu interfiro no direito alheio (talvez a minha nobre colega tenha esquecido de observar este pequeno e importante detalhe...).

(continua na próxima mensagem)...

Plínio disse...

(continuação da mensagem anterior)

Retomando essa questão da liberdade (que muitos chamam de livre arbítrio), eu diria o seguinte: Deus deu ao homem a liberdade de escolha. O próprio Deus disse:

"Os Céus e a Terra tomo hoje como testemunhas contra vós, de que te proponho a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, portanto, a vida, para que vivas tu e a tua descendência" (Deuteronômio 30:19)

O homem é livre para escolher o caminho que quer seguir. Só que, do jeito que que o mundo inteiro já está contaminado pelo pecado, o homem não sente nenhuma vontade de obedecer a Deus (ou melhor, não quer deixar de pecar).

Por que eu digo isso? Pelo seguinte motivo: obedecer a Deus significa renunciar ao pecado. Obedecer a Deus significa ter uma vida de sacrifícios, de obrigações a cumprir, de ser luz num mundo de trevas.

Querem ver um teste simples? Basta perguntar a qualquer pessoa: "Para onde você quer ir após a morte?" A resposta é imediata: "Céu!" Agora pergunte para essa mesma pessoa: "Você está disposto (ou disposta) a pagar o preço?" Aí ela fica sem resposta...

Foi por isso que Jesus disse:

"Se alguém quiser vir após Mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e Me siga. Pois quem desejar salvar sua vida vai perdê-la, mas aquele que perder a sua vida por amor a Mim vai achá-la. Porque de que adiantará ao homem conquistar o mundo inteiro e perder a sua alma? Que dará o homem em troca de sua alma?" (Mateus 16:24–26).

"Entrai pela porta estreita; porque grande é a entrada e largo e espaçoso é o atalho que leva à perdição, e muitos são os que vão por ele; ao passo que estreita é a porta e apertado é o caminho que conduz à vida, e poucos são os que encontram" (Mateus 7:13–14)

Eu pergunto: quem estaria disposto a pagar este preço para ir para o Céu?

Osmar Neves disse...

Prezados Júlio e leitores do blog, Graça e Paz!

Que fique bem claro para todos: Calvinismo não é cessacionismo! Alguns calvinistas, infelizmente, são cessacionistas mas muitos outros, eu, Wayne Grudem, John Piper, por exemplo, não somos! E oro a Deus para que todos os cristãos se tornem calvinistas um dia (e de fato, na Glória, todos seremos, eu creio nisso!). Que mais cristãos continuem a ler livros calvinistas, assistam a pregações calvinistas e se tornem calvinistas pela Graça de Deus para a Glória de Deus! Sugiro inclusive a série de estudos sobre as Doutrinas da Graça ministradas pelo John Piper e disponíveis no canal da editora Fiel no Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=AjxJdjFmh2M

Muito obrigado e que Deus abençoe a todos!

Aprendiz disse...

Plínio

Tudo o que você disse é muito pertinente, está corretíssimo, mas perceba que não é essa a discussão entre calvinistas e arminianos.

A questão entre calvinistas e arminianos, é que os arminianos acreditam que Deus não determinou quem haverá de ser salvo, mas apenas determinou o meio de salvação. Ele sabe quem são os que se salvarão, mas não os obrigou a isto. Já os calvinistas acreditam que Deus determinou desde a antiguidade cada pessoa que será salva ou perdida. Segundo a crença calvinista, a graça é irresistível, isto é, ninguém resiste à graça de Deus para a salvação. Mas segundo os arminianos, a graça é resistível, isto é, existem aqueles que resistem à graça de Deus, recusam-se a se arrependerem e crerem, para sua própria perdição.

Téo disse...

Respondendo ao Aprendiz,

Independente do que os calvinistas ou arminianos pensam (ou crêem), eu vejo essa questão da salvação da seguinte forma: Deus está oferecendo a graça da salvação para todas as pessoas. Cabe a cada um delas aceitar ou rejeitar.

Eu, particularmente, creio que Deus já sabe, de antemão, quem será salvo e quem será condenado. O ideal, para Deus, seria que todas as pessoas do mundo fossem salvas. Mas o problema é que muitas, infelizmente, não querem ser salvas.

Deus respeita a escolha do homem. Deus não obriga o homem a servir a Ele se o próprio homem não quiser. Só que, após a morte, o juízo para este mesmo homem que rejeitou a graça da salvação de Deus será inevitável. O livro de Hebreus é bem claro em relação a isso:

"Aos homens está ordenado morrerem uma única vez, vindo, após isso, o juízo" (Hebreus 9:27)

Eu vejo assim: estamos no tempo da graça (não vivemos mais sob o tempo da lei). A salvação está sendo oferecida livremente para quem quiser. Portanto, depende única e exclusivamente de cada um saber que decisão vai tomar (ou melhor, depende de cada um escolher se quer ser salvo ou não).

Aí é onde eu concordo com o que o Plínio disse no comentário dele: do jeito que que o mundo inteiro já está contaminado pelo pecado, o homem não sente nenhuma vontade de obedecer a Deus (ou melhor, não quer deixar de pecar). Eu diria mais: do jeito que o homem se deixou seduzir pelo pecado, o homem não sente desejo de renunciar ao pecado para ser salvo.

A verdade é o homem está abusando da graça de Deus. Só que o homem se esquece de que a paciência de Deus tem um limite. Se eu prego a Palavra de Deus para um pecador e, mesmo assim, este mesmo pecador não quer se converter, eu posso ser culpado se este mesmo pecador for condenado ao inferno após a morte? De forma nenhuma!

A minha parte, como cristão (que é pregar contra o pecado), eu já fiz! A Bíblia é bem clara ao dizer que Deus não tem o culpado como inocente (Êxodo 34:7). Este pecador para quem eu já preguei a Palavra de Deus teve mil e uma oportunidade para se arrepender (e não se arrependeu porque não quis)! Portanto, quando ele estiver diante de Deus para ser julgado, ele não vai poder dizer que não foi avisado!

Quem, hoje, teria coragem de dizer não a este mundo contaminado pelo pecado para viver uma vida de santidade (e ser salvo após a morte)?

Deixo esta pergunta no ar para alguém daqui responder na primeira oportunidade!

Anônimo disse...

Muito bem colocado o comentário do Téo! Eu assino embaixo!

John Knox disse...

Sr. "Apologista", soou ridícula sua acusação de Calvino como 'burgues', (como se isso fosse defeito!!!hahaha).
O senhor me parece contaminado pela absurda e mentirosa descrição feita por Max Weber, misturada com um esquerdismo histérico.

Calvino nunca diz que a riqueza é sinal de salvação, mas de bênção sim como o próprio livro de Provérbios diz, mas salvação... que calúnia.

Calvino morreu pobre, vivendo seus últimos anos com um modesto salário suficiente apenas para sua subsistencia. Isso é ser burgues? Vá se informar direito!

- - -

Sobre livre arbítrio, creio que este espaço não é mui próprio para uma discussão profunda mas deixo com os senhores o seguinte trecho para pensarmos:

"Se Deus é onisciente e onipotente, o homem não é livre. Para o homem ter qualquer liberdade em relação a Deus, temos que diminuir algo da Sua onisciência, ou da Sua onipotência. Mas de fato, só Deus é livre, e por ser onisciente e onipotente, controla tudo de tudo."

Gilberto disse...

Para responder ao comentário do John Knox sobre a questão do livre arbítrio, eu transcrevo "ipsis literis" o que o Plínio disse na primeira parte do comentário dele:

Que todos nós, de alguma forma, somos livres para agirmos, isso é fato. O ser humano possui uma determinada liberdade para agir como quiser. Porém, esta mesma liberdade é estabelecida dentro de alguns limites impostos por Deus. Não foi sem razão que alguém disse: "O excesso de liberdade é uma porta aberta para o mal". Liberdade não pode (e nem deve) ser confundida com libertinagem. Temos que ter plena consciência de que responderemos pelo mau uso que fizermos da liberdade que nos foi dada por Deus. É como disse o apóstolo Paulo:

"Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus" (Romanos 14:12)

Infelizmente, muitas pessoas pensam que livre arbítrio significa fazer a primeira coisa que vier à cabeça. Não é bem assim. Existem algumas regras de convivência que são estabelecidas para se manter uma certa ordem dentro de um determinado meio social. Ser livre, portanto, não significa necessariamente agir errado. Como foi dito anteriormente, liberdade não pode (e não deve) ser confundida com libertinagem. Temos que ter plena consciência de que responderemos perante a lei pelo mau uso que fizermos do nosso livre arbítrio. Como disse com muita razão um antigo sábio, "a liberdade tem que ser limitada para poder ser realmente conquistada".

Creio que isso que o Plínio colocou no comentário dele explica melhor essa questão do livre arbítrio.

Anônimo disse...

Prezado Julio Severo, não só herética a doutrina cessacionista, como também chega a ser blasfema porque já vi presbiterianos atribuírem a Satanás o dom de línguas e etc. Ou seja, pecado sem perdão porque contra o Espirito Santo.
Eliézer de Mello

Unknown disse...

Caro Júlio, adorei suas palavras contra o cessacionismo.

Mas você deveria se limitar apenas a esta questão. Onde na Bíblia diz que Deus escolheu "limitar-se" ? Ou Deus é onipotente (de uma maneira que você e eu NÃO precisamos entender mas apenas aceitar) ou não é. Não há mais ou menos.

Citar a visão poética de Deus do grande CS Lewis não conta.

Saiba você que o próprio Arminianismo surgiu no século do Iluminismo, o que é uma grande afronta contra a Soberania de Deus. Ambos colocam o homem no centro, o que é justamente o centro do protesto dos seus textos e contra o que lutamos.

Não entender a Soberania de Deus ("os meus cimhos são msis altos dos que os seus") não signifca que ela não exista.

Além de tudo, crer no Arminianismo significa também: (1) dizer que Cristo morreu em vão por alguns contradizendo que "nenhum dos meus planos é frustado" e que seu sangue foi desperdiçado efetivamente. E (2) que o homem tem um pouquinho de bondade residual e inerente em si como clama o Iluminismo (base de Jacob Arminio) e o Budismo quando a Bíblia diz no Salmo 14 que o homem está TOTALMENTE destituído e longe de Deus e também afirmar que ele tem cadinho (como diz o mineiro) de Fé salvífica inerente em si quando a Bíblia afirma que a Fé NÃO VEM DE VÓS MAS É DOM DE DEUS. novamente: é de Deus, vem de Deua.e isto não é poético. É efetivo.

Sim, Deus não puxa ninguém pelo braço pra aceitá-lO ou fazer sua vontade no dia a dia. MAS É QUE NÃO PRECISA!!!

O que talvez tenham esquecido de lhe falar é que Deus convence o homem ("agindo Deus quem impedirá?"), quebra o homem (você não viu o poder de Deus

Julgas tu muito difícil o Senhor lá do Céus mudar a vontade de um ser de carne de 1,70m deixando-o sem opções senão aceitá-lO ???

Quando Deus quebra alguém "predestinado antes da fundação do mundo" (que nos não sabemos quem é pois não está na testa), qdo mexe na ferida o cara não racionaliza: "é, mas ainda assim não quero Deus! ".

Aliás, "agindo Deus quem impedirá" é um versículo que os irmãos pentecostais limitam apenas aos seus "cultos da vitória".

Para o Arminianismo, "eleitos antes da fundação do mundo" é apenas poético mas não efetivo o que é uma pena pois pra mim TODA a Bíblia é efetiva.

Há outros graves problemas mas isto daria um texto ainda mais longo.

Portanto o Arminianismo é tão errôneo pois coloca o homem no centro do Universo quanto qq idéia Iluminista, ordenação de pastores gays, cessacionismo etc.

Pra mim a Bíblia toda é efetiva e não há partes poéticas as quais deve-se arranjar jeitinhos pra se explicar.

Com sinceridade, em Cristo, escrevo, sendo admirador do seu trabalho o qual espero, em nome de Jesus, que continue crescendo!