5 de janeiro de 2014

Cantor Nelson Ned morre


Cantor Nelson Ned morre

“O pequeno gigante” parte para a eternidade

Roberta Pennafort - O Estado de S. Paulo
Julio Severo: Nunca fui fã do tipo de música do Nelson Ned, mas sou fã de todo testemunho para Jesus Cristo. Por isso, registro o testemunho magnifico dele para os leitores.

Morreu neste domingo, 5, às 7h25, no Hospital Regional de Cotia, o cantor Nelson Ned. Ele estava internado desde sábado e foi vítima de complicações de uma pneumonia. A saúde do músico estava debilitada desde 2003, quando ele sofreu um AVC, que causou a perda da visão de um olho, e o deixou em uma cadeira de rodas.
Nelson Ned
Sempre privilegiando o repertório ultrarromântico, Nelson Ned, mineiro de Ubá, filho de uma professora e de um fazendeiro, começou sua carreira muito jovem, nos anos 1960, cantando no rádio canções talhadas a seu vozeirão, como Eu Sonhei Que Tu Estavas Tão Linda (Lamartine Babo/Francisco Mattoso).
O auge do sucesso – não só no Brasil, mas em países da América Latina (México, Argentina, Colômbia), onde fez longas turnês e alcançou grande popularidade, da Europa e da África e nos Estados Unidos – foi nos anos 70 e 80, em que o gênero brega estava em alta.
Gravou 32 discos em português e em espanhol e vendeu mais de 45 milhões de cópias de LPs e fitas, numa época em que a pirataria ainda não ameaçava a indústria fonográfica. Toda a discografia foi lançada em CD. Cantou no Carnegie Hall por quatro vezes e no Madison Square Garden, ambos palcos de grande prestígio de Nova York. Dividiu microfones com ídolos mundiais, como o norte-americano Tony Bennet e o espanhol Julio Iglesias.
No Brasil, lotou estádios e teatros e foi presença frequente em programas populares de auditório, em especial os de Chacrinha, Silvio Santos e Raul Gil. Participou de festivais da canção e teve composições gravados por seus pares, como Moacyr Franco, Antônio Marcos e Agnaldo Timóteo.
O maior sucesso em sua voz foi Tudo Passará, composição própria que gravou em 1969. Depois dos anos 1990 passou a gravar louvores evangélicos, em português e também em espanhol e inglês, por conta de sua conversão religiosa.
Em 1996, lançou, com o autor Jefferson Magno Costa, a biografia O Pequeno Gigante da Canção, depois traduzida para o espanhol. Ned não tinha problemas em falar sobre seu nanismo – tinha 1,12 metro –, assim como a dependência de álcool e de cocaína, a depressão que enfrentou ao longo da trajetória artística e o fato de ser considerado um dos ícones do brega.
Ele precisou se tratar para se livrar dessas substâncias, e se apoiou na religião para tal, conforme relatou abertamente em entrevistas: "Quando eu conheci o poder de Deus, estava no chão. Perguntam: como uma pessoa que tem milhares de dólares no banco pode estar no chão? Eu tive muitos problemas. O artista é uma vítima do sucesso. Eu tinha a egolatria, era um sucesso no mundo e um fracasso dentro do meu lar. Durante muitos anos, procurei alegria no uísque, na cocaína, no sexo e nos calmantes. Maior do que o artista, tem que ser o homem. Eu era um anão moral", disse, certa vez, a Jô Soares.
Divulgação: www.juliosevero.com

8 comentários :

Carlos de Cristo disse...

Eu passei a curti e conhecer melhor as musica de Nelson Ned na década de 90, foi mais pela conversão dele ao cristianismo do que pela carreira de sucessos. Eu como sou do tipo de gosto eclético musical, curto todo tipo de musica, gostava de algumas de muitas musicas dele, e talvez esta seja a mais conhecida da carreira deste pequeno gigante da musica "MAIS TUDO PASSA". E a melhor entrevista testemunho foi esta que ele deu no programa do JÔ tremendo e gloriosa!

Anônimo disse...

Infelizmente para eles mesmos, ainda temos vários cantores brasileiros usuários e apologistas das drogas. Destes, não compro um disco ou bilhete.

Leony disse...

Poxa Julio, legal vc ter colocado esta nota de lembrança do Nelson Ned.

Missionário Fábio Charles disse...

No momento da minha reconciliação as músicas e a unção verdadeira que ele transmitia me deu um grande impulso.

Leony disse...

( Júlio, só mais um comentário^^ )

Poxa, seria tão bom que o Jô se convertesse e se permitisse ser usado por Deus.

ÉLQUISSON disse...

Respondendo ao Carlos de Cristo,

Amado irmão,

Como o próprio Nelson Ned disse no título da música dele, "tudo passará". Tudo que é deste mundo passará, mas a Palavra de Deus permanecerá eterna. O próprio Jesus afirma e confirma isso com toda autoridade:

"Passarão os Céus e a Terra, porém as Minhas palavras não hão de passar" (Mateus 24:35)

A mesma coisa foi dita pelo apóstolo João:

"E o mundo passa, assim também como o seu desejo; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre" (1 João 2:17)

Quantos cantores e artistas famosos da atualidade estão cientes disso?

Anônimo disse...

Concerteza a alma do pequeno gigante Nelson Ned já está lá junto de Deus esse partiu com Cristo é um dos poucos ex artistas seculares se converteu de fato e de verdade amém.

Ester!!!!!

Eliel disse...

Amada irmã Ester,

Eu já vi escrito assim num cartaz:

"A morte, para alguns, é o fim de tudo. Mas para os cristãos, é somente a volta para a casa do Pai"

Um certa vez, um pastor que foi convidado pra pregar na igreja que eu congrego disse a todos:

"Irmãos, vocês sabem o que acontece quando um cristão morre salvo aqui na Terra? O Céu inteiro se rejubila! Um anjo se prostra diante de Jesus e anuncia: 'Senhor, chegou mais um servo Teu/uma serva Tua para morar Contigo'. E Jesus recebe pessoalmente a pessoa e diz: 'Seja bem–vindo(a) ao lar, Meu filho/Minha filha!’ Agora, irmãos, imaginem quando todos nós formos recebidos por Ele na glória celestial! Vai ser uma alegria impossível de descrever!"

A própria Bíblia diz:

"Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos Seus santos" (salmo 116:15)

Quem não gostaria de ser salvo para morar no Céu para sempre com o Senhor Jesus?